História Butterflies and Dragonflies. - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Ally Brooke, Camila Cabello, Camren, Dinah Jane, Fifth Harmony, Lauren Jauregui, Normani Kordei
Exibições 27
Palavras 2.626
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 18 - Capítulo 18


Fanfic / Fanfiction Butterflies and Dragonflies. - Capítulo 18 - Capítulo 18

Nota da autora: Pensaram que a Lolo ia morrer  ?
Eu não mataria a minha bebê. Prontos pra sessão de sofrimento?
Com flores, Leeh.💜🌼

Nova York. 2021.

POV CAMILA

"Tudo acontece por uma razão." O quão verdadeiro isso é? Talvez existam razões porque algo aconteceu antes do tempo ou sem propósito algum. Lembro de ter quebrado o braço quando criança, minha avó disse que tudo ficaria bem , sim,tudo ficou bem mas senti dor por longos dias,as pessoas sempre dizem que tudo irá melhorar mas não citam o desgaste emocional e/ou físico durante esse processo.

As pessoas tentam convencer à si mesmas que as coisas irão melhorar porque é dolorido pensar no quão ruim estão e talvez não melhorem verdadeiramente, isso é tudo o que somos, precisamos acreditar em algo a todo momento.

As últimas horas tem passado lentamente,o " tic tac " incessante do relógio preso à parede do hospital insiste nessa tortura incessante de me tornar ciente dos longos segundos de espera.

Quando estamos em um hospital e somos o paciente,é horrível porque estamos preocupados com o que está acontecendo conosco e só queremos sair o mais rápido possível desse ambiente gélido e cálido mas quando o paciente é alguém que amamos,a situação muda, não queremos sair até que tudo esteja bem novamente, as paredes cobertas por camadas e mais camadas de tintas claras e frias soam melhores do que o mundo lá fora,o quão deprimente é encontrar cores e não poder admirá-las porque suas verdadeiras cores estão presas em alguém que é refém de sua fragilidade carnal ? Amar alguém sempre nos torna fracos e fortes, fracos porque juramos que aquele ser amado é forte ao ponto de estar sempre aqui e sua fragilidade depende do quão estável isso permanece ,fortes porque faremos de tudo um pouco para termos a pessoa amada conosco,superamos nossas próprias fraquezas por alguém que nos torna fortes o suficiente para permanecer em uma tempestade de riscos e incertezas .

A família Jauregui está no mesmo estado que me encontro. Mike chorou por horas enquanto orava pela vida de sua filha, Clara deixa marcas de seus pés no chão liso enquanto anda em volta de seu próprio corpo, Taylor não disse uma palavra desde que chegou mas seus soluços são fortes e altos, Chris está a caminho de Nova York ,e eu...bom, eu tento não enlouquecer enquanto espero noticias daquela que me mantém sã.

Cheguei ao hospital antes de Lauren e recebi atendimento já que alguns estilhaços de vidro do carro cortou algumas partes de meu corpo.
A morena chegou alguns minutos depois mas não pude vê-la e ainda não tive uma única notícia.
Já se passaram doze horas desde sua chegada e minha angústia não diminui, sinto que devo ser forte por ela,sempre que estive fraca,Lauren se manteve forte por nós duas, mas eu não sou Lauren e não consigo ser forte nesse momento, tudo o que eu quero é gritar com o mundo e invadir todos os quartos até encontrar aqueles olhos verdes que,provavelmente, estão perdidos e com medo.

Barulhos de passos apressados ecoaram pelo corredor extenso e cálido,levantei em um salto quando avistei o Médico se aproximar com uma prancheta em mãos. Sua expressão era completamente natural,como se fizesse isso tantas vezes ao ponto de não se surpreender ou deixar suas emoções fluírem .

Observei pelo canto do olho quando a família de Lauren se aproximou,estavam tão apreensivos quanto eu. Mike e Clara, tentaram manter um diálogo calmo comigo mas desistiram quando perceberam que não era um bom momento para conversas triviais, sei o quão dolorido está sendo para todos e não quero que eles tentem fingir que nada está acontecendo apenas para me acalmar. Dinah e Normani estão presas no trabalho mas irão vir ao hospital assim que houver chances, Ally já veio e ficou por algumas horas mas saiu para descansar um pouco e buscar roupas para mim,afinal,não irei sair daqui tão cedo.

Olhei para o médico enquanto esperava com expectativa o seu pronunciamento. Ele sorriu carinhosamente em um comprimento sutil.

"Creio que sejam a família da Srta. Jauregui,prazer, sou o Dr. Samon."- O homem de meia idade se apresentou rapidamente e logo prosseguiu.- "Lauren sofreu uma queda muito forte contra a água devido à altura da qual caiu, a água proporcionou um impacto próximo ao de uma queda contra o solo. Não temos maiores informações mas posso dizer que seu estado é instável e qualquer novidade pode ser um grande alerta,a paciente está sedada e passou por alguns exames . A visita está liberada mas será autorizada apenas entradas individuais, o acompanhante deve ir até a recepção para assinar alguns papéis. Tenham uma boa noite."

O médico desapareceu de nossas vistas tão rápido quando surgiu. Todos estavam se encarando em um questionamento silencioso sobre quem seria o primeiro a visitá-la e acompanhá-la nessa primeira noite.
Claro que quero vê-la e sentir que ela está segura mas sei que seus pais e irmã estão tão ansiosos quanto, acho que ela gostaria de vê-los primeiro então sugeri que eu fosse a última.

Depois de longas dezesseis horas,posso finalmente vê-la. Clara foi a primeira, logo depois Mike seguido por Taylor e agora chegou minha vez, podia sentir meu coração rasgar meu peito enquanto caminhava rumo ao seu quarto. Parei frente à sua porta e fiquei encarando o material acinzentado por longos segundos enquanto procurava forças para adentrar o quarto,girei a maçaneta fria e voltei à girar a mesma na intenção de fechar a porta depois de entrar.

Encarei a figura frágil debruçada sob o grosso cobertor, havia fios conectados por agulhas ao seu corpo, a máscara de oxigênio cobria parte de seu rosto mas ainda era possível admirar sua face.

Me aproximei em passos cautelosos, meu olhar dançava por seu corpo,as pernas grossas estavam prensadas contra o colchão, o abdômen pouco se contraia,sua pulsação era fraca e falha, os braços estavam marcados por hematomas em tons de roxo e verde devido ao forte impacto contra a água ,suas veias estavam saltadas devido ao soro. Subi meus olhos até sua face e engoli em seco quando vi os cortes pequenos e frágeis, havia um pequeno curativo na parte lateral de sua cabeça provavelmente onde houve a batida. Tudo naquele mulher gritava fragilidade .

Levei as pontas de meus dedos ao seu rosto machucado, tocando suavemente como se a jovem em minha frente fosse de vidro frágil e caro.

Os olhos não estavam fechados por conta de seu sorriso como esteve nas outras vezes, tampouco pelo seu sono ávido. As belas esmeraldas estavam escondidas porque não havia força o suficiente para abri-las. Os lábios não estavam curvados em um sorriso charmoso, estes eram acobertados pela grande máscara de oxigênio. Os fios negros de seu cabelo encontravam-se desalinhados e perdidos.

Senti uma lágrima cair e não pude conter as próximas. Logo soluçava violentamente enquanto segurava seu dedo indicador em um pedido sutil por forças. Meu porto seguro estava bem à minha frente mas nunca me senti tão fraca. Me curvei lentamente e plantei um beijo casto em sua testa.

" Por que você não acorda pra brigar comigo, em? Meu coração só quer ouvir sua voz nem que seja pra gritar,xingar ou reclamar. Volta pra mim,Lolo" - Pedi enquanto secava as lágrimas incessantes .

"Camila? As meninas estão lá fora e anseiam pela visita."- Passei as mangas do meu casaco nos olhos para seca-los e anunciei minha saída. Soltei o dedo da morena e retornei pelo mesmo caminho de agora à pouco.

"Hey,podem ir."- Disse assim que vi as três mulheres sentadas nos acentos duros do hospital. Dinah e Normani me abraçaram e logo seguiram caminho ao quarto. Fixei meu olhar em Ally e pela sua cara já sabia o que seria dito.

"Desista Ally, não irei sair daqui nem por um segundo."- A loira suspirou enquanto me envolvia em um abraço reconfortante.

"Vai pra casa,Mila. Dinah,Mani e eu, iremos cuidar da Lauren enquanto você toma banho e se alimenta, ela odiaria saber que você não está se cuidando."

"Ally,eu..."
"Só um banho,por favor."- A baixinha disse antes que eu desse desculpas para ficar. Suspirei.

"Tudo bem,volto em uma hora." - Deixei um beijo na bochecha da loira eu logo sai do local. Chorei durante todo o caminho e rezei para que tudo melhorasse o mais rápido possível. Tomei um banho rápido e coloquei uma calça de moleton, uma regata branca simples,um converse e comi um sanduíche de peito de peru.

Retornei ao hospital já que seria a acompanhante da noite. Mike iria trabalhar em poucas horas então precisa dormir, Taylor precisa estudar para uma prova e Clara precisa descansar da tarde movimentada então pediu para que eu passasse a noite com sua filha,pedido esse que aceitei de bom grado.

Me despedi das meninas já que todas precisavam dormir o mais cedo possível. Fui até o quarto e sentei na poltrona -nada confortável -à esquerda da cama. Segurei o dedo indicador de Lauren novamente e logo adormeci em meio à truculência daquele dia.

[...]

Lauren continua em coma induzido apesar de ter se passado três semanas desde o acidente. Segundo os médicos, o corpo dela foi exposto à uma grande tensão e agitação entao o melhor à se fazer é deixá-la em descanso por um tempo e sabemos que isso não seria possível caso ela estivesse acordada. Os dias estavam passando e não havia nenhum sinal de agravamento.

Primeira semana: A primeira semana foi muito tensa, muitas visitas e todos queriam informações que não eram possíveis no momento. Não houve nenhuma melhora ou piora,continuava estável. Pude passar três noites com ela mas fui abrigada a dividir meu tempo com os outros familiares.

Segunda semana: O Dr. Samon estava retirando a máscara de oxigênio em alguns momentos para adaptar a respiração da morena. Os hematomas estavam muito melhor após o uso das pomadas. Achei que talvez pudesse melhorar o local e deixar tudo com a cara dela pra ficar mais confortável então comprei alguns quadros,flores e jujubas.

Terceira semana : É a última semana do coma induzido e a máscara de ar não é tão importante quanto antes.
Os hematomas desapareceram exceto pelos das costas que foram mais graves. Os arranhões e machucados eram quase invisíveis e a aparência dela parecia bem melhor. Chris retornou à Denver para resolver questões pessoais mas voltará em breve.

[...]

Dinah,Ally e Normani chegaram hoje pela manhã, normalmente chegam de noite mas hoje é sábado. As três mulheres têm sido muito importantes para manter minhas forças,sempre estão em uma luta pra me manter distraída e sou completamente grata por tal feito.
Lauren está bem melhor e seu estado é estável. A família Jauregui está presente em todos os momentos assim como as meninas e eu.

POV LAUREN

  
   Senti algo machucar minhas córneas ao tentar abri-las, é como se fizesse anos que não as abro.
   Ouvi alguém dizer algo mas não sei ao certo o que.
  
  

  Logo uma agitação se propagou ao meu redor e meus ouvidos acusavam os passos que se tornavam cada vez mais próximos.

   "Lauren? Pode abrir os olhos?"- Ouvi alguém dizer, provavelmente um homem já que a voz era grossa. Repeti a tentativa falha e ,novamente, senti meus olhos queimarem. Droga!

   "Tudo bem,se puder me ouvir mexa os dedos."- Com muito esforço movimentei, fracamente, meus dedos.

  Havia soluços em todo o quarto. O que está acontecendo? Tudo não passa de um enorme e assustador apagão.

   Forcei minhas pálpebras e lentamente senti a luz infiltrar meu corpo alvo, uma explosão de cores tomaram conta de todo o cômodo.
   Foquei minha visão nas persianas abertas ao meu lado direito.
   O cheiro hospitalar invadiu minha narina mas logo me concentrei no aroma doce...tulipas. Senti o canto dos meus lábios se curvar em um sorriso singelo.

  "Srta. Jauregui, como se sente?"- O homem ,possivelmente o médico, questionou. Não parei para examinar as pessoas que se encontram na sala mas sinto uma mão macia contra a minha em um gesto claro de proteção.
 
  "Bem."- Foi tudo o que consegui dizer, minha garganta seca prejudicava qualquer tentativa de manter uma conversa com alguém.

"Irei buscar um chá gelado para a paciente, volto logo. "-Ouvi o homem de branco dizer enquanto se retirava do singelo quarto.

Olhei à minha volta, minha cama estava posicionada no centro do cômodo, havia um espelho e uma espécie de armário ao meu lado esquerdo, descobri de onde vem o aroma de tulipas, havia um vaso cheio delas.
 
  Virei calmamente meu rosto pra direita e percebi a presença de algumas mulheres na sala. A morena que segurava minha mão contra a sua,largou o aperto rapidamente e suas bochechas tomaram um tom avermelhado.

   Fixei meus olhos na morena alta com um físico esbelto, seus olhos estavam lacrimejando mas havia sinais claros de emoções desesperadas,aqueles olhos me levaram à uma seção de flash's de memória.

  "Para,Mani! - Disse enquanto ria das piadas idiotas da minha amiga.
  "É sério,Lo."

"Eu a amo." - Disse me sentindo perturbada.
"Como se sente?"-Mani perguntou.
"Caindo. "- Vi confusão em seu rosto.
" É isso o que o amor faz? Você se sente caindo?" -Me olhou com tristeza.
" Não, o amor não faz isso, isso é  o que a falta dele faz." - Um silêncio se propagou.
" Mas você disse que ama ela."
" Isso não significa que ela me ama de volta."

  "Eu não sou virgem,Lolo" -Sorri ao ver suas bochechas rosadas.
" Você não precisa me falar que se doou à alguém."
"Eu quero dizer, quero que você saiba disso porque voce é a única pessoa que merece verdadeiramente saber. "

"Eu amo a Dinah. " - Nunca vi aqueles olhos castanhos brilharem como brilhou agora.
"Seus olhos dizem mais do que sua boca foi capaz de dizer."

"Ela me deixou,Mani. Ela não me ama." - Meus soluços desesperados não passavam.
"Shiu, não chora. Ela te ama."

"Ela te ama,Lauren."
"Não me amou o suficiente para ficar."

"Nomeio Lauren jauregui como minha melhor amiga."
"Não preciso te nomear ao que é seu por direito,Mani."

Sorri involuntariamente para minha amiga,meus olhos ardiam prevendo as lágrimas. Corri os olhos pelo quarto e encontrei uma baixinha loira.

  "Ela é uma tentação não é?"- Disse enquanto observava a foto.
"Tenha Deus no coração,Lauren"- Ri da fala da mais velha.

"LAUREN! TIRA ESSA MÃO DESSA PANELA ,AGORA!"- Olhei na direção de minha amiga e corri enquanto chupava meus dedos melados de chocolate.

"Deita do meu lado,Ally? "-Disse fazendo biquinho.
"Pesadelos?" -Perguntou acariciando meu cabelo.

"Eu estou aqui por você. " - Plantei um beijo em sua bochecha.
"Você sempre esteve."

  As lágrimas desciam livremente, olhei pra loira alta e sorri.

  "DINAH, SUA VADIA ! DEVOLVE MEU BRIGADEIRO."
" se você passar o número da Normani."
"Esquece,você não vai comer minha amiga ."
"Por favor,Lo."

  "Estou apaixonada pela Mani,Lauren."
"Se você partir o coração dela, partirei cada célula sua."

"Ela me deixou,Dj. Ela não me amou o suficiente."
"Ela te amou o suficiente para partir."

"Nomeio como alunas graduadas pela NYU no instituto de direito,Lauren Jauregui e Dinah Jane."

"Você acha que ela vai me perdoar?"- Disse com lágrimas nos olhos.
"O que foi,DJ? Comeu o chocolate da Mani de novo? "

"Você é impossível ."
"Me beija logo bunda branca ,sei que isso é tesão incubado."

"Você está bem?"
"Não, odeio admitir isso mas senti sua falta,Lo."

"Eu te amo,Dj. "
"Eu te amo,bunda branca."

  Enxuguei as lágrimas com a costa da mão e olhei pra morena que segurava minha mão à minutos atrás.
Me preparei pra mais uma enxurrada de lembranças mas tudo o que vi foi um borrão.

-"Quem é você? "


Notas Finais


Hey,guys.
  A Vero foi viajar então estou sozinha agora. Tive uma semana agitada no colégio mas fiz o possível pra atualizar logo. Estou escrevendo uma fanfic nova (não postei ainda) então tem ficado difícil já que estou me dedicando a outra história também. O nome da outra fic é "Operação Colt " e será postada em fevereiro,modéstia à  parte,está ficando muito boa.
Com flores,Leeh.💜🌼


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...