História "Butterfly Efect" - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Efeito Borboleta, Negligência, Passado, Possessão, Romance, Violencia
Exibições 54
Palavras 1.687
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Lemon, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Kathy na capa!!


DESCULPA!
Me perdoem por ter dado essa sumidinha, é que é final de ano, e são MUITOS trabalhos, e provas, e mais trabalho, então tá difícil! Eu tenho que fechar o ano com boas médias, então me perdoem se eu demorar um pouquinho para postar os capítulos...

O que aconteceu com o capítulo?
É que hoje mais cedo, quando eu estava passando do app que eu escrevo pro Spirit, bugou e apagou a metade, e eu fiquei mt puta, mas está aí!

Uma sugestão de música: "Criminal"

Capítulo 5 - O que faz aqui?


Fanfic / Fanfiction "Butterfly Efect" - Capítulo 5 - O que faz aqui?

- Certo, as duplas são, Sophia e Felipe, Alice e Eduardo, Rachel e Rayssa... 

[...] 

- E por último mas não menos importante... Luke e Mark. 

- O QUE?! 

Perguntou Mark com um tom de indignação. 

Luke não estava ligando, ele sabia que teria de aturar Mark por um ano, e ainda tinha esperança de que ele mudasse. 

- Sim, Mark. Se quiser ser um bom profissional, vai ter que aprender a separar relações de trabalho. 

Disse o professor naquele mesmo tom calmo. 

- Pfff! 

Virou-se resmungando algumas coisas, acho que ele acabou aceitando isso. 

[...] 

*Triiim* 

Acabou a aula e seria da professora Tânia, fazer o que? 

Rachel.

(N/A: Essa parte vai ser narrada pela Rachel) 

Estava completamente distraída, perdida em meus pensamentos, estava pensando em Luke para ser mais exata. Aqueles olhos azuis... Ele me acha bonita e eu sei... Isso é tão... Tão... 

- Senhorita Rachel, responda agora a questão. 

- É.... É... 

- Você estava ou não prestando atenção?! 

- Eu... 

De repente comecei a sentir uma forte dor de cabeça, meus olhos pesaram e perdi as forças, tudo escureceu... 

- RACHEL! - Rayssa 

- LEVEM ELA PARA A ENFERMARIA...! 

[...] 

Acordei ainda meio aérea, meus olhos estavam pesados e ao tentar me levantar, vi que haviam alguns fios em minhas veias. 

- Onde eu estou? 

Perguntei para uma moça que estava falando ao telefone com uma prancheta nas mão. 

- Oi? Ah! Você acordou, está na enfermaria da escola, pelo que suas amigas me disseram você começou a ficar pálida e seus lábios perderam a cor. Então, você desmaiou. 

- Ah... Minha pressão deve ter caído... Eu posso ir para casa? 

- Seu pai já está vindo te buscar, ele estava falando comigo agorinha. 

- Hum... Tem como a senhora me trazer um copo de água? Minha boca está seca. 

- Não precisa ma chamar de senhora, eu me chamo Lara. 

Ela saiu do local, acho que para pegar a água. 

Eu estava a todo custo tentando me lembrar do que tinha acontecido, não consegui. Me assustou um pouco o fato de isso ter sido do nada, eu tinha comido, e não estava assim tão quente, agora a pergunta; por quê? 

[...] 

Algum tempo depois meu pai chegou. 

- Filha! Vim correndo assim que a moça me ligou, o que aconteceu com você? 

- Até parece que você se importa... Disse e revirei os olhos. 

- Por que você está pensando isso?! É claro que eu me importo! 

- Ah tá! Aposto que se o Mark quebrasse uma unha você estaria mais preocupado. 

Sai da sala sem deixar que ele respondesse algo. 

Entrei no carro e recostei minha cabeça no banco, ela estava latejando.

Em poucos minutos meu pai entrou no carro; fizemos o percurso como todos os dias, mas meu pai parou em uma rua próxima e me olhou irado. 

- Rachel! Quem você pensa que é para agir daquela forma?! 

Ele segurou meu braço com força.

- Ai! Você tá me machucando! 

- Você tem que agir como uma garota decente! 

Desci do carro e saí correndo, eu não pensei, só agi. 

[...] 

(N/A: Voltando para a narração)

Quando já estava há algumas ruas de distância, começou a caminhar devagar pelas ruas de Nova Iorque.

A cidade iluminada. Caminhava enquanto refletia o que havia acabado de acontecer, estava perplexa com aquilo, como ele poderia ter feito aquilo? Ele a machucou e ela tinha provas disso, mas não falaria nada, por mais que quisesse, seria muito desgosto para dona Lúcia, e ela não merecia. 

[...] 

Adentrou sua casa, mais precisamente em seu quarto. 

Ele era bem suave, as paredes eram bege e tinha um papel de parede onde ficava sua cama com algumas figuras abstratas. 

- Filha? 

Era sua mãe, chegou em "mal momento", Rachel estava completamente concentrada naquele rascunho de Luke, ela amava fazer rascunhos que só ela entendia. Seus cadernos estavam preenchidos disso. 

- Entra. 

Ela entrou e aparentava estar com uma bandeja nas mãos, tinha um prato com macarrão e um suco de... Maçã? 

- Eu lhe trouxe o jantar já que você não desceu... Está acontecendo alguma coisa com você? 

- N-não... Por que? 

- Você parece mais distante do que o normal ultimamente... 

- Você está imaginando coisas mãe... 

Em um piscar de olhos aquele mesmo rascunho que estava sendo feito a horas estava nas mãos de dona Lúcia.      

- Ah... Você está apaixonada... 

- N-não! Esse é o meu... É... Amigo... 

- Hahaha, não precisa disso filha, ah, e se ele for tão bonito como no desenho, é perfeito. 

Ele é mais... 

[...] 

Luke. 

Não consegui prestar atenção em praticamente nada o restante do dia, aliás, não pensei em nada. Eu precisava urgentemente de notícias da Rachel, aquela vampirinha, a minha vampirinha.

[...] 

Acabei por decidir que iria chamar ela no privado, já que aquele Efeito Borboleta chamado Rayssa me colocou no grupo, tenho o número dela. 

(N/A: Agora vamos voltar para a narração normal) 

Luke - 21:04 

- Oi Rachel... 

- Eu precisava de notícias suas 

- Fiquei preocupado depois que vc desmaiou. 

Rachel - 21:07 

- Eu tô ótima agora 

- Obrigada por se preocupar...

Luke - 21:10 

- De nada

- A escola fica vazia sem vc...

- Ah

- Vai para a escola amanhã?

Rachel - 21:12 

- Minha mãe achou melhor que eu ficasse em casa...

- Pra descansar...

- Sabe como são as mães né? Kkkkk

Luke - 21:15 

- Sei muito kkkk

- Bom, melhoras...

- Até depois

 Rachel - 21:17 

- Até...

Depois de finalmente acalmar os nervos, Luke conseguiu dormir. Esqueceu que o mundo existia e concentrou seus pensamentos em Rachel. 

[...] 

Mark. 

Mark havia acordado mais cedo como já era de costume, e levantou de sua cama como um raio, ele estava tendo um pesadelo. De novo. 

Aquele mesmo pesadelo que o acompanhava há tempos... 

Entrou no banheiro e ligou a torneira da banheira, adentrou a água quente e fechou os olhos. Ele a amava. Mais que tudo no mundo. Por que? Por que...? Por que aquilo teria de ter acontecido justamente com ele? 

Nunca foi a melhor pessoa do mundo, mas a amava, por que...? Por que...? 

Depois de tomar seu banho calmo, aquele momento em que ele finalmente tirava seu sorriso sarcástico do rosto e revivia o Mark de antes. Aquele que era ele mesmo. Levantou, enrolou uma toalha branca em sua cintura e penteou os cabelos escuros enquanto encarava os próprios olhos no espelho. 

Ele via que o Mark de anos atrás ainda estava lá, ele ainda existia. 

Vestiu-se com uma calça marrom, a blusa do Colégio e uma jaqueta jeans por cima, junto a um sapato da Nike.

Desceu as escadas mais cedo que todos como já era de costume, e pegou uma fruta qualquer na geladeira, saiu andando vagarosamente pelo jardim como fazia todas as manhãs, o sol ainda não havia aparecido por completo, e aquela mínima garoa que pairava sobre sua cabeça só tornava o momento mais deprimente. Fechou os olhos e se lembrou. Ele entrou novamente naquele mundo que havia criado, naquele onde tudo era como era e ele não precisava encarar os monstros da vida sozinho. Sem que percebesse, percorreu por seu rosto pálido, uma lágrima. 

Kathy Sakura. 

A jovem não estava conformada com aquilo... Por que aquilo tinha que ser como era? Por que Mark não podia simplesmente ama-la como ela era? 

Sempre soube que não seria fácil. Afinal, ela estava apaixonada por um criminoso, por aquele menino sem coração e sem olhar. Ela se apaixonou por aquele olhar vago, sem vida, aquele olhar ousado e proibido. Ele tinha uma coisa que todos os outros garotos não tinham. O que? Isso nem ela sabia responder... 

Não sabia o porque daquelas "Solicitações", mas fazia mesmo assim, ela estava disposta a tudo para ter aquele garoto em suas mãos. Para ver um sorriso brotar em seu rosto sem vida. 

Levantou de sua cama e mais 400 notificações invadiram seu celular, ser a menina mais popular do terceiro ano não era assim tão fácil como alguns imaginavam. Ela não ligava para aquelas mensagens dizendo que ela era a inspiração, ou coisas assim, ela só queria receber uma mensagem de seu amado dizendo "Eu te amo". Só isso. Seria o suficiente. Mas não era assim, tão fácil... Por mais que aquilo fosse talvez, persegui-la para o resto de sua vida, ela faria por ele, apenas por ele.

Tomou um banho rápido apenas para conseguir "acordar", e vestiu-se com uma calça jeans colada, junto a uma blusa de malha branca, uma jaqueta de couro, e uma bota preta de salto alto. Penteou seus cabelos para frente e fez uma maquiagem simples. Foi de carro com seu pai até a escola e assim que desceu, já foi abordada por aquelas garotas que diziam ser suas amigas, ela sabia. Sabia que estava cercada por falsidade e ganância, mas ignorava, ela só estava naquela escola por um motivo. 

Luke. 

[...] 

Estavam na terceira aula, logo seria o intervalo, era aula de matemática mas Luke estava distante... Ele só pensava em Rachel, aqueles mínimos momentos que teriam passado juntos não saiam de sua cabeça. Aqueles olhos escuros e aquela pele pálida não paravam de adentrar sua cabeça a todo momento. Só queria a jovem em seus braços, mas era cedo demais para estar apaixonado... 

*Triiiiim* 

- Estão liberados turma! 

Todos saíram da sala e eu fui com o Eduardo comprar alguma coisa. Estávamos lanchando perto da sala de informática, quando Mark e seu grupinho chegam perto de nós. 

- Hey, loirinho, quando nós vamos fazer aquele trabalho idiota?

Perguntou Mark com cara de quem não estava dando a mínima. 

- Ah... Pode ser hoje depois da aula? Perguntei. 

- É, pode ser eu acho. Na minha ou na sua casa?

- Tanto faz. 

- Então vai ser na minha, quanto menos eu andar melhor. Você vai comigo na volta, vê se não morre. 

- Ok... Tocou o sinal e ambos voltaram para a sala de aula. 

O restante do dia passou rápido, e antes que percebesse, Luke já estava a porta da mansão. 

Wow... 

- Alguém abre a porta! 

- Eu esqueci a chave! Gritou Mark. 

- Pra que essa gritaria to... 

- Rachel?!  - Luke


Notas Finais


Eeee! Era pra estar um pouquinho maior, mas está mais complicado de escrever agora...

Gente, por favor, comprendam...
Comentem, pra eu não sentir que estou escrevendo para ninguém...

(Isso vale para você, Maria.)

COMENTEM DNV ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...