História Butterfly Effect - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Jeongguk, Jungkook, Taehyung, Taekook, Vkook
Exibições 42
Palavras 2.272
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Ecchi, Ficção, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


ALO ALO ALO!!!!
Não me matem por ter reescrito o primeiro capítulo e por ter demorado pra atualizar, isso que dá ficar sem computador e com uma internet ruim ((e não estudar direito no começo do ano e ter que se esforçar no final)).
A história é quase a mesma, só mudou um pouco mesmo, e eu acho que minha escrita também mudou.
Enfim, eu já estou na metade do segundo capítulo, fiquem felizes por isso, ele vai sair em pouco tempo.
Boa leitura, amo vocês, não me matem.

Capítulo 1 - Ato I. (Reescrito)


Fanfic / Fanfiction Butterfly Effect - Capítulo 1 - Ato I. (Reescrito)

Efeito borboleta.

Termo que se refere à dependência sensível às condições iniciais dentro da teoria do caos.

 Este efeito foi analisado pela primeira vez em 1963 por Edward Lorenz.

Segundo a cultura popular, a teoria apresentada, o bater de asas de uma simples borboleta poderia influenciar o curso natural das coisas e, assim, talvez provocar um tufão do outro lado do mundo.

O efeito borboleta é visto como uma das bases mais conhecidas para a Teoria do Caos.

 Tudo que acontece derivado de nossas ações normalmente são chamados de acaso ou às vezes coincidência, mas de acordo com o efeito borboleta e a teoria do caos isso tudo faz parte de um fenômeno que nossas ações acabam desencadeando.

-

Naquela manhã, Jeongguk parecia doente o suficiente para sequer sair de sua cama. Logo sua mãe entrou no quarto perguntando o porquê dele nem ter sequer se levantado da cama, mas a gripe acabou sendo notada por tua mãe, assim ela disse que era melhor que ele ficasse dormindo. Jeongguk estava de férias e já tinha terminado o último ano de seu ensino médio e logo teria que entrar em uma universidade, para ele aquilo era tudo muito rápido e complicado.

Já havia se passado algumas horas desde que Sori, mãe de Jeongguk, tinha ido ao quarto do filho quando o garoto levantou,  e mesmo com tontura e sem nenhuma alma viva dentro de casa qual pudesse ajuda-lo caso a tontura resolvesse derruba-lo de vez. Ele desceu as escadas com calma enquanto esfregava os olhos e logo se via na sala vazia, porém com a televisão ligada e um copo de café já frio sobre o braço do sofá. Ele caminhou em passos largos até a cozinha e viu um pequeno post-it colado na geladeira, ele se limitou a dar dois ou três passos para conseguir enxergar aqui que estava escrito.

“Jeongguk, quem escreve esse bilhete é Sangguk, seu pai, eu estou saindo á uma viajem de trabalho e sua mãe irá comigo.
Desculpe-me por ter de avisa-lo desta forma, mas você estava tão mal nesta manhã.

Partiremos assim que escurecer, não poderemos voltar para casa ainda hoje então você não nos verá até que voltemos da viajem. Iremos para a China a trabalho e voltaremos daqui seis meses, sei que é muito tempo, mas é necessário.

Sua irmã, Jeonghwa, já sabe e ficará na casa de uma amiga durante esse tempo, você não deve ficar sozinho então vá para casa do seu irmão, Jeonghyun, ou daquele seu amigo, o nome dele é Jimin, certo? Se não me engano...

Com amor, Jeon Sangguk. "
 

Jeon respirou fundo, não era a primeira vez que isso acontecia, seus pais já haviam viajado repentinamente muitas vezes, mas nunca por um período tão longo, então ele apenas subiu para o segundo piso e ficou na sentado na mesa da varanda do quarto dos seus pais.

Novamente, Jeongguk sentia-se vazio.

Seu pai havia mencionado seu irmão e Jimin, mas Jeonghyun e ele não se davam bem, e ele não queria ficar na casa de Jimin, ele gostava do amigo, mas às vezes Jimin conseguia ser irritante e barulhento o suficiente para tira-lo do sério. Jeongguk ficaria sozinho em casa, entraria em uma universidade e precisava enfrentar aquilo sozinho, novamente visto que seus pais também viajaram no inicio de suas aulas no ensino médio.

O garoto inclinou a cabeça para trás fechando os olhos com força, como se ele estivesse se preparando para levar um soco no queixo. Ele sentiu a brisa gélida tocar seu rosto delicadamente, dessa forma relaxando as pálpebras e sorrindo com isso. Apesar de tudo aquilo, Jeongguk estava feliz de não ter que suportar seu pai por um tempo mesmo que sabendo que daqui um tempo ele talvez estivesse sentindo falta das broncas do mais velho.

Jeongguk foi até seu quarto buscar seu notebook e logo voltou para a varanda com ele debaixo do braço, colocou-o sobre a mesa de ferro e abriu o aparelho, ligando-o logo em seguida. Passou um tempo ali olhando algo em seu notebook, provavelmente lendo sobre alguma coisa visto que ele estava concentrado no que aparecia na tela do computador, até que ele levantou dali levando o notebook de volta ao cenário monótono de seu grande quarto.

Observou a camiseta preta e a calça de moletom cinza que ele usava em frente ao espelho, qual ficava na porta de seu guarda-roupa, abrindo-a logo em seguida, calçou seu tênis preto e branco, trocou a calça de moletom por uma jeans e colocou um grande casaco vinho, afinal ventava muito lá fora, fechou o guarda-roupa e pegou seu celular e o guarda-chuva transparente que estava encostado ali há muito tempo.

Jeongguk, ao ligar o celular, viu em seu visor três chamadas perdidas de Jeonghwa há 7 minutos. Ele pensou durante alguns segundos se ele deveria retornar as chamadas.

‘’Não deve ser importante. Ela deve ter esquecido alguma coisa, ou talvez ela queira saber se eu estou bem, ou pode ser algo mais sério’’.

Jeongguk engoliu em seco antes de decidir retornar as chamadas perdidas.

– Alô? – Jeongguk soltou quando ela atendeu a ligação.

– Irmãozinho querido, você poderia me trazer minha mochila? – Junghwa perguntou fazendo Jeongguk sorrir sozinho, talvez de alivio.

– Ah, eu sabia, mas onde você tá? – Ele perguntou largando o guarda-chuva sobre a cama.

– Vou te mandar o endereço por mensagem, ok? – Ela disse e Jeongguk soltou m ‘’uhum’’ fazendo-a desligar em seguida. Então a mensagem enviada pelo Kakao Talk apareceu na tela com o endereço, Jeongguk percebeu que não era muito longe da casa deles, então ele passaria no café na volta.

Ele pegou a mochila que estava jogada em um canto da sala e saiu.

***

Jeongguk tocou a campainha da casa e viu Junghwa olhar pela cortina para ver o irmão, sorrindo logo em seguida, Jeongguk sorriu de volta. Jeonghwa saiu da casa e correu até o portão, abrindo-o logo em seguida.

– Oi, Jeongguk – Ela disse e o mais velho estendeu a mochila para a garota. – Obrigada.

– De nada.

– Está se sentindo melhor? – Ela perguntou parecendo preocupada com a gripe repentina do irmão.

– Estou sim. – Ele disse sorrindo e pequena retribuiu com um sorriso de lado.

– Ah, que bom. Enfim, tchau, eu preciso entrar. – Jeonghwa disse se despedindo de Jeongguk e entrando na casa novamente.

Jeongguk ficou parado ali durante alguns segundos até soltar um suspiro e decidir que já era hora ir para o trabalho diário no Cafe Mini. Ele dava passos curtos até começar a chover e ele lembrar que tinha deixado o guarda-chuva sobre a cama, ele passou a correr e chegou ao local sem estar muito molhado, afinal não era muito longe de onde ele estava. Ele se arrastou até perto do balcão e viu Hoseok observando-o do outro lado da bancada. Jeongguk sorriu.

Jeongguk entrou na sala de funcionários largando o casaco vermelho em seu pequeno armário. Trocou a camiseta preta por uma camisa social branca, que tinha o logo do Cafe Mini bordado no lado direito de seu peito, e amarrou o avental preto na cintura, pegou o que precisava e saiu da sala indo para a bancada ao lado de Hoseok.

– Está atrasado. – Hoseok silabou enquanto enxugava um prato e o colocava na pia da bancada.

– Eu não deveria nem vir trabalhar por causa da gripe, mas acabei vindo... – Jeongguk disse estralando os dedos das mãos um por um.

– Me deixa adivinhar... Seus pais foram viajar de novo? – Hoseok disse arrumando as coisas de cima do balcão.

– Exatamente. – Jeon disse torcendo os lábios – Preciso de dinheiro, não quero passar fome.

– Certo, já que você tá doente, pode ficar com a louça por hoje – Hoseok disse saindo dali sorrindo para Jeongguk.

Jeongguk sorriu sozinho, ele podia ser uma alma perdida naquele momento, mas ele sabia que em algum momento ele acabaria se encontrando de uma forma ou outra. Assim como a primavera encontra o verão e o outono encontra o inverno.

***

O vento frio entrava pela janela do quarto de Kim Taehyung quando ele colocou sua namorada, já adormecida, sobre a cama, afinal ele não queria que a garota dormisse no sofá. Ele sorriu observando-a se aninhar entre as cobertas bagunçadas. Os cabelos da garota caiam como cascatas negras sobre a cama, Taehyung achava que a ideia da garota de cortar aquele cabelo seria um pecado, mas ele dizia que amava a garota antes de amar os seus cabelos, então ele a amaria mesmo se ela mudasse fisicamente. Taehyung cobriu a garota com o edredom e fechou a janela antes de sair do quarto para ir até a cozinha.

Taehyung já morava havia três anos sozinho, então tomar café sozinho sentado na bancada da cozinha já era como um hobby. Forçar risadas e fingir sorrisos já era mais que um hobby, Taehyung atualmente só sorria verdadeiramente perto de sua namorada, de Namjoon e de Yoongi.

Ele bebericou seu café mais uma vez entortando os lábios em seguida, Taehyung sentia falta da sua antiga vida, antes se mudar para Busan para cursar o ensino médio e entrar em uma universidade boa. Seus pais praticamente expulsaram o garoto para outra cidade, garantindo que serie melhor para ele daquela forma. Taehyung nunca concordou, mas mesmo assim acabou aceitando, afinal as palavras de seus pais sempre foram muito importantes para o garoto. Mas ele sentia falta de sua vida agitada com seus amigos em Daegu.

O garoto larga a caneca pela metade sobre a bancada e desce dali, calça seus tênis e pega o celular tentando digitar uma mensagem, provavelmente para Yoongi, visto que Namjoon estava em Seoul visitando os pais.

Logo ele escreveu um post-it e colou-o na geladeira para avisar a namorada de que ele estava com Yoongi, a garota não gostara de Yoongi desde a primeira vez que o conheceu, provável que seja porque na primeira que eles se viram ele olhou para ela e disse que ela não fazia o tipo de Taehyung, o que a deixou extremamente irritada juntamente das frases soltas como “depois não diga que eu não avisei” “da última vez eu acertei” e “eu sempre acabo estando certo no final”.

Taehyung saiu pela porta da sala e esperou Yoongi na frente da casa, ele olhou o horário em seu celular e viu ser 18h37min e ao levantar o olhar ele viu Yoongi se aproximando pela rua. Yoongi sorriu para Taehyung e o garoto retribuiu.

***

– Eu não acredito nisso! Como diabos você venceu de novo? – Jimin exclamou quando Jeon ganhou dele pela terceira vez seguida – Você nunca ganha de mim no Super Smash Bros! Você andou praticando?

– Yah! Não duvide das minhas habilidades! – Jeongguk disse dando um peteleco na testa do amigo.

– Eu não quero mais jogar isso, você tá roubando – Jimin disse cruzando os braços.

– Você rouba até jogando cartas, tá falando do que? – Jeongguk disse se virando para Jimin.

– Tá bom, eu só não quero jogar mais. – O garoto diz puxando seus joelhos para perto do seu corpo.

– O que você quer fazer então?

 – A gente podia só assistir um filme, ou sei lá. – Jimin sugere sorrindo, Jeongguk sorri de volta.

Aquilo era o suficiente para eles concordarem com alguma coisa.

Por isso Jimin e Jeongguk eram melhores amigos, no final eles sempre acabavam concordando mesmo que brigassem no meio. Quando Jeongguk estava com Jimin ele não se sentia uma alma perdida, ele só se sentia ele mesmo. Mesmo que Jimin às vezes fosse irritante o suficiente para fazer Jeon querer morrer de raiva, eles ainda assim eram melhores amigos. Naquele dia, Jimin dormiria na casa de Jeongguk, afinal eram 21h57min quando eles adormeceram na sala, enquanto o filme não estava nem na metade. Qualquer um que visse a cena de Jimin e Jeongguk dormindo encostados no sofá com o edredom preto cobrindo parte de seus corpos diria que aquilo era digno de uma foto, talvez se Yoongi estivesse ali essa foto existiria. Só talvez, isso se ele não dormisse em meio ao filme como os outros garotos.

Não muito longe dali, na casa de Yoongi, ele e Taehyung se divertiam juntos quando o celular de Taehyung começou a tocar. A namorada pareceu irritada ao saber que ele estava na casa de Yoongi, ela praticamente obrigou-o a voltar para casa. Pela primeira vez, Taehyung não sorria ao ir de encontro a sua namorada. Ele dava passos lentos pela rua, tardando sua chegada em casa cada vez mais. Pela primeira vez, Taehyung não queria ver a namorada. Ele até parou em uma loja de conveniência para comprar comida, mesmo ele tendo de sobra em casa. Pela primeira vez, mesmo que só por um momento, Kim Taehyung se viu incapaz de cumprir a promessa que fizera com a namorada. A promessa de ser totalmente feliz enquanto estivesse com ela. Para Taehyung, aquela era apenas uma peça que havia sido desencaixada de um quebra-cabeça. Ela podia ser encaixada novamente, ou você poderia chutar o quebra-cabeça e destruí-lo de uma vez. Ele havia escolhido encaixar a peça de volta, mesmo que ao chegar em sua casa ter sido acusado de trair a pequena com a ajuda de Yoongi.

Por um momento, ela parecia ter chutado o quebra-cabeça, mas Taehyung ainda assim conseguia encaixar as poucas peças desencaixadas novamente em questão de minutos. Taehyung realmente amava a garota, aquilo fez tudo se concertar em tal questão de minutos. Mas mesmo assim, algumas peças haviam sido perdidas com aquele chute.

Porém no dia seguinte tudo já estava bem de novo como se nada tivesse acontecido.


Notas Finais


Qualquer coisa vocês podem me atacar no twitter (@gfriewndz) mas podem mandar amor também, eu aceito.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...