História Butterfly (Short Imagine Jimin) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Imagine Jimin
Exibições 45
Palavras 1.756
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Vivi, morri, ressucitei, brotei das profundezas do inferno e renasci das cinzas com mais um cap de Butterfly!! Yyyyyy!!

Espero que curtam!

Beijus ( ˘ ³˘)❤

Capítulo 3 - Empty


Fanfic / Fanfiction Butterfly (Short Imagine Jimin) - Capítulo 3 - Empty

(S/N) P.O.V

08:45


Flashback on


Já fazia alguns dias que eu estava com inúmeras dores no peito. Estava passando muito mal, meus pais decidiram me levar no médico.

Ao chegar lá, fiz vários chatos e entediantes exames, o médico parecia não estar gostando do resultado.

Sua expressão de decepção causou um enorme incômodo nos meus pais.

-Temos boas e más notícias, senhor e senhora Kim. – fez uma careta, entortando a boca de um jeito estranho. -Bom, a sua filha..foi diagnosticada com cardiopatia isquémica. – o médico ajeitou seu óculos, minha mãe encostou a cabeça no ombro do meu pai, escondendo seu choro.

-Eu vou morrer? – indaguei com indiferença. Eu acho que não devemos ficar nos lamentando quando estamos doentes, devemos aproveitar o tempo que ainda estamos vivos.

-Não temos certeza, apenas sabemos que sua filha terá que ficar internada por um bom longo tempo. E a boa notícia é que se ela for internada logo pode melhorar.

Flashback off


-E foi assim que descobri minha doença. – pigarrei. Park perguntara sobre como descobrira sobre minha doença.

-Ah, la-lamento. – Por que gagueja, Senhor Park Jimin? Ri fraco, fechando um pouco os olhos.

-Você fica fofo quando tenta ser gentil. – corou. Ora, quem diria que monstros coravam. – Não sei pelo que está passando, — bom, na verdade, eu sei — mas não precisa ser rude por causa do seu pai, você não é como ele. – Sim, eu sou bem perspetiva, sou formada em psicologia e entendo sinais corporais.

Ficou quieto, evitando arregalar os olhos, como se eu estivesse errada sobre sua vida, mas eu sei que estou certa. Sorri fraco, sem mostrar os dentes.

De repente, a porta abriu.

-Jungkook! – abri os braços, querendo abraçá-lo calorosamente. Jungkook é meu amigo de infância e é o médico que cuida de mim desde do primeiro dia que pisei no hospital.

-Oi, princesa! – abanou, não podendo me abraçar.

-Cadê meu Jin mozão?

-Não pode vir, está trabalhando. – deu de ombros, percebi a indiferença em sua voz suave.

-Ah, que pena! – fiz um bico, mostrando minha "profunda" tristeza.

-É. – deu de ombros, me encarando com seus pequenos olhos negros, brilhantes, devido os raios de Sol que atravessavam a janela aberta. Sorri, em uma tentativa falha de tirá-lo de seu transe. Me encarava do mesmo modo que me encarou quando se declarou para mim, estávamos no 1° ano do Ensino Médio. Jimin arranhou a garganta, acordando o mais alto, que piscou várias vezes.

-Não queria estragar o clima, sabe? – Park disse em um tom de desprezo, sua aparência dura e sua voz firme não me enganam, sei que por trás daquela figura horrenda, existe alguém dócil. – Por que está aqui?

-A-ah, eu vim trazer o medicamento e ver se ela está bem. – corou ao ver o mais velho franzir o cenho, não gostando muito de sua fala.

-Fique sabendo que eu cuido dela, não precisa se preocupar. – Encarou de um jeito intimidador, esperando o mais novo abaixar a cabeça e como uma boa amiga, o ajudei.

-Jeon, não se intimide com gente da laia dele. Ele sabe que não é capaz de chegar ao mesmo nível que o seu, te insulta para você abaixar a cabeça e parecer mais forte. Não deixe isso acontecer, seja mais forte. – falei alto, com o intuito de fazer o senhor Park Jimin ouvir. O mesmo sorriu cínico, colocando seu pé em seu joelho, cruzando os braços.

-Acham que podem ser mais fortes que eu? – riu sem vontade, passando as mãos pelos cabelos. – Boa sorte com isso, minha vida sempre foi difícil, criei uma barreira indestrutível que faz minha personalidade forte. Vocês são fracos, o amor os deixou assim, são automaticamente inferiores à mim. – Sua confiança é absurda.

-Park Jimin, por acaso, você sabe o que é amor? – indaguei, recebendo mais um olhar de desprezo e um sorriso mais cínico que todos que já me lançara.

-Aquele sentimento que te deixa fraco, que faz você chorar por noites, que faz você sofrer e que te deixa incapaz de completar seus objetivos porque você apenas pensa na pessoa idiota que você ama? Sim, conheço muito bem. – Eu nunca conheci uma pessoa tão..vazia.

-Existem vários tipos de amor!

-Mas todos eles te machucam de alguma forma, o amor é uma perda de tempo! – sua expressão mudou, como se ele estivesse derretendo, se revelando por trás da parede de gelo que ele criou em volta de seu coração. – O amor é a maior dor que alguém pode sentir.

-Mas..

-Chega! Assunto encerrado! – praticamente gritou. Levantou-se e caminhou até a porta, a abriu lentamente.

-Não pode me dizer o que fazer, tenho direito de expressar minhas opiniões! – queria continuar aquela discussão e fazê-lo acreditar que o amor é a melhor coisa do mundo.

-Por que não guarda sua opiniões para você? Você fica mais bonita de boca fechada. – apoiou-se na porta e piscou pra mim, — com aquela sorriso cínico de sempre — saindo em seguida. O ódio nos olhos de Jeon era visível. Sabe aquela pessoa consegue ficar fofa até com os olhos brilhando de raiva? Então, esse é Jeon Jungkook. O silêncio tomou conta do lugar, Jeon parecia pensativo, procurando alguma frase que me animasse.

-Sabe, eu acho que você fica mais bonita quando expressa suas inteligentes opiniões. – seu tom continha sinceridade, me deixando um pouco envergonhada.

-A-ah, obrigada. – sorri, sentindo minhas bochechas queimarem. Ele retribuiu o sorriso, me aproximando do seu rosto, seus olhos negros encarando meus lábios. Ah, Jeon, você nunca vai desistir? – Jeon, estou namorando E estou doente.

-É, eu sei. – afastou-se, decepcionado. – E se você não estivesse doente, eu poderia te beijar?

-Claro que não, bobo!! – bati de leve em seu braço, sorrindo. A minha relação com Jeon é esquisita. Ele me ama e seu sei disso, estou namorando, Jungkook tenta me beijar, mas continuamos amigos. E isso, amiguinhos, se chama friendzone.


Park Jimin P.O.V

Hospital

09:33


Corri a mão pelos cabelos, puxando o ar pelas narinas profundamente, estava ofegante como uma presa que acabara de fugir de seu predador. O que foi aquilo? Uma garota que pode morrer a qualquer segundo quer me ensinar uma lição de vida, me ensinar a amar? Nunca!

O amor é a maior fraqueza desse mundo, sei disso. Sofri tanto por causa dele, não quero mais isso.

Mas, se o amor é ruim, por que me sinto tão..vazio? Sinto que há um enorme buraco em meu coração, ele está prestes a quebrar, a única coisa que o impede de se desmanchar em sofrimento, é o ódio e a raiva. Será que algum dia, alguém preencherá meu coração vazio?

Ah, acalme-se Park Jimin. Apenas mantenha a postura, respire fundo e volte para o quarto.

Entrei no quarto novamente, encontrando o médico quase beijando (S/N). Ela está traindo aquele tal de Jin?

-Jeon, estou namorando. – afastou o moreno, negando com a cabeça seu intuito.

-É, eu sei. – sua expressão mudou. Oh, a friendzone, que coisa linda!

-Se você não estivesse namorando, eu poderia te beijar? – Tão ousado, eles devem ser muito amigos para fazer "brincadeiras" desse tipo.

-Claro que não, bobo!! – depois de um tempo rindo e sendo idiotas, notaram minha presença. – Está ai faz muito tempo?

-Tempo suficiente para saber que seu amiguinho está na friendzone. – Voltei a sorrir cinicamente. Jeon, envergonhado, ajeitou seu jaleco branco. Os dois estavam calados. – Ei, o gato comeu suas línguas?

-Só não quero conversar com pessoas do seu tipo. – a mais nova manifestou-se.

-Olha só! A garota que pode morrer a qualquer segundo quer bancar a forte! – me aproximei, me apoiando na beirada da cama.

-Isso é inveja, Park Jimin? Que eu saiba, você não é muito feliz. – olhou em meus olhos, sem medo.

-Bom, não sou eu que está deitado em uma cama de hospital, doente e sem os pais. – parece que toquei na ferida. Lágrimas persistiam em escorrer, mas ela segurava. Eu posso ser cruel, mas não quer ver ninguém chorando.

-(S/N).. M-me..

-Vá embora! – uma voz mais grossa ecoou pelo quarto, o tom bruto não me apavorou.

-Oh, vai bancar o machão agora? O que vai fazer? Vai me ba..

-Cala a boca!! – Desta vez, gritou, seu tom tornou-se mais brutal e me encarava nos olhos. Nunca me mandaram calar a boca. – Quero que saia desse quarto, agora. – ele é mais novo que eu e age como um adulto.

-Ou o que?

-Sabe, Park Jimin. – caminhou lentamente até mim, abaixando seu tom de voz. – Eu não sou como você.

-O que você quer dizer com isso?

-Bom, você acha que é uma ameaça para nós, mas na verdade, é apenas um moleque sem objetivo de vida. Eu, pelo contrário, tenho um objetivo, curar minha amiga. Seu olhar não me intimida, nem seu tom de voz. No fundo, você é apenas um garotinho perdido e frágil, procurando o amor de alguém. Mas, você não admite isso e acaba ficando...vazio. Dependendo de ameaças, mas eu não estou te ameaçando e nem te obrigando a sair. Apenas, estou pedindo educadamente e irei pedir mais uma vez. Poderia sair da sala, por favor? – Como uma pessoa pode ser tão... Tão.. Controlada? Se eu fosse ele, já estaria metendo a porrada.

Sem respostas e escolhas, abri a porta e sai, a encostando para que pudesse ouvir a conversa dos dois.

-Parabéns, enfrentou o monstro! – monstro, eu achava que o monstro era meu pai. Será que sou igual à ele?

-Aprendi com a melhor! – os dois começaram a rir e eu, a me sentir fraco. "Mas, você não admite isso e acaba ficando...vazio." Essas palavras ecoavam na minha cabeça, queria chorar. Corri para o banheiro, encarei meu reflexo, meu rosto parecia estar se rachando (Autora: A REFERÊNCIA! Pra quem não entendeu: BLOOD, SWEAT AND TEARS! Rosto, Jin, rachando!)

Não posso chorar! Não sou fraco, não sou fraco, eles não são mais fortes que eu!

Meu peito estava doendo, meus olhos estavam cheios de água, estava apertando os punhos. Estava destruído, literalmente, a vontade de chorar me deixa tonto, devido o esforço que faço para segurar as lágrimas. Encostei na parede, escorregando até chegar ao chão gelado.

Oh, olhe você, Park Jimin. Desesperado, tão fraco. Até a garota é mais forte que você! Vai permitir isso? Não, não preciso do amor que ela tem para ser feliz! Nem preciso de amor, preciso do ódio, ele me deixa mais forte.

Me levantei e encarei novamente meu reflexo. Senti o ódio percorrer meu corpo, fazendo meus olhos brilharem novamente. Sorri cínico.

 -"Quando uma pessoa adquire a capacidade de amar, deve correr um grande risco de odiar." (Tobi Uchiha Madara) Isso aconteceu comigo e felizmente, meu ódio não tem cura. – ao falar isso, novamente me senti...vazio.



Notas Finais


Treta!!! Escrevi essas Tretas em homenagem à minhas amigas que amam ler um cap com brigas! Hehehe!! 😂😂😂

Espero que tenham curtido!

Beijus ( ˘ ³˘)❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...