História Cada movimento que ele faz - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Kaisoo
Exibições 30
Palavras 3.225
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Desculpem a demora e os erros!!!

Capítulo 15 - Capítulo Quinze


Fanfic / Fanfiction Cada movimento que ele faz - Capítulo 15 - Capítulo Quinze

Capítulo Quinze

No momento em que tinha terminado a sala principal e mudou-se para o quarto, 
"Eu vou fazer o teto", disse D.O.

"Ok".

A quietude de Kai o preocupava. Esse era o problema com homens inteligentes, se eles achavam difícil o suficiente, eles poderiam cortar a porcaria da verdade. Ele quase podia ver as engrenagens clicando e rodas girando na cabeça de Kai e decidiu que ele poderia muito bem fazê-las girar mais rápido.

"Eu estive pensando se você estivesse direcionado a partir do momento em que chegou em Seul."

"Alvejado?"

"E se não foi por acaso que você conheceu Choi? E se ele está trabalhando para alguém que quer levar o seu pai para baixo? "

A julgar pela falta de reação, ele se perguntou se era algo que Kai já tinha considerado.

"O que fez o teu pai vir a Seul?", perguntou D.O.

"Para me ver."

Sim, mas não apenas isso.

Kai gemeu quando um grande montão de pintura caiu em seu pé. Ele usou o rolo sobre ela e manchou de tinta sobre seus dedos dos pés. D.O balançou a cabeça em descrença.

"Ele está planejando voltar?", perguntou D.O.

"Você teria que perguntar a ele."

"É difícil para ajudá-lo quando eu não sei todos os fatos."

"Vai me dizer sobre você?" Kai pediu.

D.O não queria torná-lo ainda mais desconfiado. Ele poderia compartilhar uma versão da verdade e respondeu. "Entrei em alguns problemas ... quando eu tinha dezoito anos, e o cara que me ajudou a sair, me ofereceu um emprego, mas eu precisava aprender algumas coisas. Ele pagou por aulas intensivas. "

"Que tipo de problema?"

"Nem drogas ou álcool." D.O disse na esperança de que iria fazê-lo calar.

"Sexo então." Kai sorriu.

Isso foi muito perto da verdade. "É tudo o que você pensa?" Em caso de problemas, uma pergunta volta.

Kai assentiu. "Às quintas-feiras de qualquer maneira."

Era quinta-feira. D.O revirou os olhos, carregou a rolo e foi até onde Kai tinha feito uma bagunça.

"Você trabalhou onde?", perguntou Kai.

"Busan e China por um tempo." 

"Completo com tinta." Ele esfregou uma mancha ao longo do queixo de Kai. Merda.Voltar aos trilhos. "E o seu pai? Além de preocupar-se com você, por que ele deixou Busan? "

Será que ele vai mentir ou me dizer a verdade?

Kai continuou a pintar. "Ele estava com medo. Seu irmão foi assassinado. Eu acho que ele estava com medo até mesmo antes disso. Meu tio foi morto a tiros do lado de fora do apartamento de meu pai, em Busan, e meu pai assumiu que tinha cometido um erro e queriam matá-lo. Eles pareciam muito similar. Como outros antes dele, meu pai pensou que Seul seria mais seguro do que em Busan. 
"O seu pai é um gangster?"

Kai virou-se para olhar para ele. "Ligeiramente".

D.O riu. "Você não pode ser um pouco gangster. Você é ou você não é. "

"Você viveu em Busan e também já esteve envolvido com algumas coisas. Alguns são mais gangsters do que outros. Está no nosso sangue. Nós somos pecadores profissionais. Alguns são melhores nisso do que outros. "

"Incluindo o seu pai?"

"Inclusive meu pai, mas ele não é um homem mau. Não é como alguns deles. "

D.O registrou a defensiva na voz de Kai e sentiu uma onda de ciúme porque ele não podia dizer o mesmo sobre seu próprio pai.

"Ele estudou geologia na universidade e meu tio estudou engenharia. Meu pai tinha um talento especial para a identificação de depósitos minerais, e ele e seu irmão pediu dinheiro emprestado, cavou minas, fez ainda mais dinheiro. Ele apenas sempre quis fazer de Busan um lugar melhor, mas ele jogou um jogo perigoso por anos tentando agradar a todos no lado certo e errado da lei. Ele sempre me disse para ficar abaixo do radar, de uma maneira de sobreviver por mais tempo. Eu pensei que se todos fizessem isso, então, nada mudaria. Entrei para uma gangue. "

Ele acenou com a cabeça..

"Sim, baderna, roubos, violência entre outras coisas. " Kai cuspiu as palavras e D.O registrou sua sinceridade.

"Você se juntou aos manifestantes".

Ele acenou com a cabeça. "Um oficial menor, atrasou-se para uma festa, enfiou uma luz em seu carro, e colocou uma criança em  coma, ela era minha fã. Sua mãe me pediu para ir vê-lo no hospital. Ele morreu antes que eu pudesse chegar lá. Então eu entrei, mas autoridades colaram em mim, porque eu era uma estrela pop e deveria ser um exemplo para os outros seguirem. "

Kai deu uma risada fria. "Eles não se preocuparam com as drogas e o álcool, só que eu sumisse. Então a gangue foi a um dos shows e eles destruíram o meu carro, com paus e barras de metal até que era um monte de porcaria e me fizeram assistir. Eles disseram que eu ficaria como o meu carro se eu fosse pego perto deles novamente. Se eu pensasse em desobedecer, eles poderiam fazer uma visita a alguém que me amava. Ou seja, o meu pai. Eu estava marcado, a fama não mantê-lo isento de violência, a fama não ia me salvar, fama poderia ter me matado. Quando meu pai descobriu sobre o meu carro, ele me pediu para deixar Busan. Eu concordei em ir de férias com a minha mãe e nós sabemos como isso acabou. " Kai carregou o rolo com tinta e virou-se para trabalhar na parede.

"Eu não acho que isso está conectado. Eles não iriam segui-lo, especialmente após este período de tempo. "

"Sim, bem, quando eu cheguei de volta a Busan da América e ter participado do funeral da minha mãe, eu estava um pouco louco. Uma noite, eu estraguei  uma Ferrari e um Lamborghini que pertencia ao líder da gangue que tinha destruído o meu carro. "

"Merda".

"Sim, e a merda bateu no ventilador quando postei um vídeo no YouTube."

"De quem eram os carros?"

Kai mordeu o lábio. "Um cara chamado Oh Sehun".

Puta que pariu. Porra, caralho, puta que pariu.

Kai olhou em seu rosto. D.O duvidava que ele tinha sido capaz de disfarçar seu horror. Sehun era o chefe da Next, o líder da gangue que tinha mandado matar D.O.

"Ele não podia provar que eu tinha feito isso", disse Kai. "Ele não tinha idéia que era eu. Criei uma conta fictícia para postar no YouTube. Foi um milagre que eu tive o bom senso de ter cuidado, porque eu estava tão confuso na minha cabeça. "

"Eu sou a única pessoa que sabe?" Por favor, diga que sim.

"Eu não contei a ninguém. Eu acabei sendo internado no hospital, de modo que me fez parecer ainda mais inocente. Embora quando meu tio foi morto, eu quis saber se de alguma forma o cara tinha descoberto que era eu, e meu pai não tinha idéia. Eu me senti culpado por isso até que meu pai me falou sobre os problemas que ele estava tendo ".

O coração de D.O bateu mais rápido. "Que tipo de problema é que seu pai está?"

"Você tem que perguntar isso a ele."

"Eu estou pedindo para você".

"Eu não posso te dizer. Você não precisa saber. É melhor você não saber. É mais seguro. "

"Não enquanto eu estou tentando protegê-lo."

"Você disse que estamos seguros aqui."

"Sim. Confie em mim, nós estamos. "Confie em mim e me conte sobre o seu pai.

Uma grande mancha de tinta caiu sobre o peito de D.O e antes que ele pudesse chegar a um pano para limpá-lo, Kai empurrou o rolo sobre ele.

"Isso não está ajudando." D.O tirou a camisa molhada longe de sua pele.

"Eu não gosto da cor da camisa", disse Kai e arrastou o rolo para baixo no braço do D.O.

"Pare com isso."

Pintou o outro braço. "Faça-me".

Como se ele tivesse se desligado e havia sido ligado no seu cérebro, cada zona erógena do seu corpo explodiu em vida e D.O era incapaz de resistir a sua chamada. Ele pegou a bandeja do rolo de Kai e colocou com a sua. Uma rasteira nas pernas de Kai com seu pé e ele caiu. D.O prendeu-o de costas, agarrou os pulsos em uma mão e pegou o pincel. Ele começou com o rosto de Kai e como o cara gaguejou debaixo dele, ele cuidadosamente pintado ele em faixas branca.

Quando ele finalmente soltou suas mãos, Kai agarrou seus ombros, puxou-o para beijá-lo, e D.O estava perdido. Kai puxou o lábio superior com seus dentes, sugou, lambeu, provou e o rolo caiu dos dedos de D.O. Ele podia sentir o pau de kai endurecendo, enquanto seus corpos friccionavam. Kai gemeu e enfiou a língua em sua boca, deslizando-a sobre e ao redor de seus dentes. Além do cheiro de tinta, ele provou do café da manhã que não tinha comido muito e além disso havia um sabor todo próprio, um que D.O queria beber, afogar dentro da boca de Kai se curvaram em um sorriso contra o dele e D.O gemeu .

"Vocês dois acabaram?"

A voz de Chen estalou D.O de volta à consciência. Saltou fora de Kai e empurrou a seus pés, seu olhar foi para o volume no shorts de Kai, sabendo que ele não tinha como esconder a protuberância de correspondência em suas calças antes de ele se virar para olhar para Chen.

"Vim para perguntar se você estava pronto para o seu almoço", Chen disse, olhando D.O direto nos olhos.

Merda.

"Estamos quase terminando aqui", disse Kai. "Vamos tomar banho e estar mais arrumados."

Chen fez uma careta e saiu.

"Isso foi um erro", D.O murmurou.

Kai empurrou-se a seus pés, com o rosto sem graça. "Um que parece continuar a fazer."

"Isso não vai acontecer novamente." Ele não tinha certeza de quem ele estava tentando enganar.

Eles terminaram de pintar a sala em silêncio. DO derrubou o excedente de tinta de volta para dentro do recipiente, e colocou os pincéis e rolos em sacos.

"É melhor tirar a roupa aqui, antes de usar o chuveiro. Senão nós vamos começar a pintura em todos os lugares ", disse Kai.

O coração de DO batia tão duro, ele olhou para baixo, esperando ver sua camisa subindo e descendo. Não importa quantas vezes ele ficava repetindo-Isso é um erro, a maioria de seu corpo não estava escutando. As palavras circulavam em sua cabeça e foi mais longe. Suas pernas queriam levá-lo para Kai, com os braços desejava puxar o cara perto, seu pau doía por seu companheiro. Kai ficou olhando para ele, sem pestanejar, e  os joelhos de DO tremiam. Merda.

Kai puxou a camiseta sobre a cabeça dele. "Eu vou primeiro. Eu tenho mais tinta em mim. "

DO se arrastou para fora de suas roupas antes de que Kai tivesse puxado para baixo o calção e os dois ficaram parados olhando um para o outro, sua pele manchada com tinta, revestindo Kai, seu pênis duro. Sem coroa de cachos escuros, os dois estavam raspadas. O pênis de DO sacudiu quando ele olhou nos olhos de Kai .

"Eu não posso", DO conseguiu forçar a saída.

"Então, não."

Mas quando Kai saiu do quarto, DO o seguiu. Kai ligou o chuveiro, pegou uma toalha de uma pilha e deixou-a cair no chão. Garrafas de shampoo e condicionador foram alinhados em uma pequena prateleira no interior da cabine da ducha. DO engoliu em seco como Kai se movia sob a queda d'água e inclinou o rosto para o fluxo.

Ok, então o corpo de Kai era muito magro, mas DO ainda o queria. Se o Desejo  tivesse dominado seu senso comum, ele teria feito uma tremendo bagunça. Kai se virou e olhou para ele através da parede de vidro do chuveiro e passou os dedos em torno de seu pênis. DO respirou fundo e entrou no chuveiro.

"Sobre o tempo", disse Kai. "Quando o striptease não funcionou, eu não saberia mais o que tentar."

DO lançou uma risada estrangulada e ficou parado quando Kai se aproximou de seu espaço. Ele inclinou-se para executar a língua em toda a costura da boca de DO, e varreu frente e para trás, até que seu cérebro confuso registrou que os dois poderiam jogar. Como eles envolveram seus braços em torno de si, e seus corpos moldados em conjunto, DO tomou conta do beijo, sua língua subindo e saindo da boca de Kai. Ele beijou Kai como se eles não tivessem mais nenhuma chance, como se uma onda se aproximava que não poderia escapar, como se uma montanha de neve rolou para engoli-los. E a idéia de que eles estavam indo para morrer após este beijo não foi perdida  para DO , porque de uma maneira uma parte dele estava morrendo. A parte que ele queria que há muito tempo desaparecesse. Sua vida nunca mais seria a mesma.
Eles ficaram juntos, mantendo o máximo de seus corpos em contato possível, e não apenas seus membros. Havia um desespero frenético em ambos que os levou direto para o rápido e furioso. DO ficou aliviado Kai parecia tão frenético como ele. Seus lábios bloqueado e gemeu na boca do outro, suas mãos agarrando as costas uns dos outros para manter seu corpo apertado, para manter os seus galos esfregando. Apenas a necessidade de oxigênio fez quebrar o beijo.

"Cristo, agora eu sei por que eu não beijo", Kai disse ofegante. "Eu estou a segundos de gozar."

Ele não beijar?

Ele faz agora.

Ele levantou a mão para o rosto de Kai e arranhou as restantes manchas de tinta.

"Que bom que ele sai se você esfrega-lo." Kai deu um sorriso atrevido. "Alguma coisa que temos em comum com a pintura e eu posso ver tinta em cima de você."

DO sugou ar quando Kai estendeu as mãos sobre o peito e traçou os contornos de seus músculos com os dedos.

"Parece que você está vestindo uma armadura", Kai sussurrou. Os Dedos de Kai derivou para o rosto e segurou seu rosto. "Você é o cara mais lindo que eu já vi."

E de repente o trabalho que o cirurgião plástico tinha feito não parecia tão ruim. Kai baixou a boca para seu pescoço, chupou seu pomo de Adão, e DO gemeu baixo em sua garganta.

Seus dedos se enroscaram em torno de seu pênis e abraçou Kai também. Os dedos de Kai juntou ao seu e esfregou, apertou e eles mesmos e uns aos outros para liberação. DO prendeu Kai contra a parede e eles se beijaram, lambeu e chupou a cara um do outro.

Kai veio primeiro, inclinando a cabeça para a direita para trás, algumas palavras ininteligíveis explodiu de seus lábios. DO sentiu o jorro de calor em seus dedos, o fluido de seda de Kai de vir em sua mão e a dor em suas bolas cresceu para coincidir com a de sua cabeça. Orgasmo clamou em seu corpo, os dentes de Kai afundou em seu ombro e um relâmpago correu por sua espinha para incendiar suas bolas. Seu pau inchou e empurrou quando ele esvaziou-se sobre os dedos entrelaçados.

Tão bom, tão bom, tão bom.

Em seguida, a corrida de dopamina desapareceu para deixá-lo de pé perguntando o que diabos ele tinha feito. Tudo o que ele pensava sobre eles se desfez em cinzas.

Kai piscou os olhos embebidos em luxúria, um sorriso sentimental em seu rosto. "Isso foi-"

"Nunca vai acontecer de novo", DO quebrou.

O sorriso de Kai lentamente quebrou e DO assistiu porque essa era a sua punição, para saber o quanto ele iria machucá-lo. Quando Kai ergueu a mão para tocar seu rosto, DO bateu para fora. Ele pegou uma toalha, enrolou-o em volta da cintura e correu para fora da casa. Como ele correu pelo caminho de cascalho, tentando ignorar as pedras cortando seus pés, ele sabia que estava deixando um problema para outro.

Chen olhou e explodiu "Eu estou decepcionado com você."

"Eu também." DO continuou por ele para seu quarto.

Chen o seguiu. Não vai ser tão fácil, então. DO pegou roupas limpas e vestiu com Chen na porta.

"Você sabe melhor do que este."

Chen poderia colocar mais desaprovação em sua voz?

"Você está sendo pago para cuidar dele, não transar com ele."

DO disse . "Nós não temos fodido."

"No entanto".

DO colocou seus sapatos. "Nós não estamos."

Chen foi direto. "Ele não é o seu tipo."

Ele não perdeu o engate na voz de Chen e virou-se para olhar para ele.

"Lee está morto, Chen . Não há nada que eu possa fazer sobre isso. "

"Se você ainda estivessem juntos, talvez ele não estaria morto."

Oh Cristo.

 

 

Kai tinha assistido em silêncio desapontado como DO pegou uma toalha e saiu do banheiro. A dura lembrança do motivo para estarem juntos martelou quando ele tinha aproximado e bateu a mão de Kai a distância. A média de poucas palavras e um gesto indelicado desfez tudo o que aconteceu antes. Ele estava pensando que isso significava algo. Idiota. DO era como todos os outros. Ele engoliu em seco. Como ele tinha sido. Ele pensou sobre Taemin, o último cara que ele tinha fodido, como ele saiu e seus ombros caíram. Pelo menos ele não tinha deixado DO transar com ele e ele estava pensando sobre isso, só porque ele sabia que um deles teve que dar em primeiro lugar e não seria DO .

Até o momento ele estava seco e olhando para a pilha de roupas encharcadas no chão, DO foi muito longe. Lavou o chinelo na pia e voltou nu na chuva para a casa da fazenda. Ele nem sequer sentiu o frio.
Kai não deu a mínima , mas ele fez com que ele olhasse e parecia fascinado.

Chen e DO estavam sentados na mesa comendo. Havia um prato de sanduíches em frente da cadeira vazia. Kai passou e foi para seu quarto. Ele colocou seu único par de calças e uma camiseta limpa, e subiu na cama.

Foda-se, não vou deixá-lo vencer.

Ele afastou as cobertas e sentou-se. Deslizando sobre os sapatos e casaco revoltante de Lee, ele voltou para a cozinha usando o seu último pedaço de armadura, um largo sorriso. Ele sentou-se à mesa e puxou o prato mais perto. Ele sentiu tanta vontade de comer como ele fez cortar suas bolas fora com uma serra sem corte.

"Obrigado por estes, Chen ." Kai sorriu para ele, mas o cara não levantou a cabeça. "Há quanto tempo você mora aqui?"

"A alguns anos ".

"É isso o que você sempre fez? Executar um centro de treinamento de gestão? "


"Não, eu criava ovelhas. Ainda tenho algumas. "

Kai deu uma mordida no sanduíche. Tinha gosto de papelão.

Chen olhou através da mesa. "Eu deveria ter ficado com ovelhas. Elas dão menos problemas. "

O sorriso de Kai poderia ter sido frágil, mas ele não deixá-lo deslizar para longe. Eles poderiam ter pintado as paredes na metade do tempo. Claro, eles têm se esforçado um pouco. Qualquer outra coisa que você precisa fazer? Um muro reconstruído?  O quintal reorganizados?"

Ele queria fazer mais do que enrolar-se na frente de alguma porcaria sem sentido na TV.

"Nós estamos indo para uma caminhada nesta tarde", disse DO.

"Ótimo." Puta que pariu.

O som das marteladas chuva nas janelas ficou mais alto.

Porra, puta que pariu.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...