História Cake - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias TazerCraft
Personagens Mike, Pac
Tags Mike, Mitw, Pac, Tazercraft
Exibições 102
Palavras 2.401
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Famí­lia, Fantasia, Fluffy

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OIEEEEEEEEEEEE
Eu sei que eu deveria estar atualizando as fics, me desculpem mesmo ;-;
Essa one shot é pro concurso de dia das crianças da Akise, essa linda <3 (Sigam ela no Twitter: @dontbits)
Enfim, eu to postando aqui bem em cima do prazo hehehe, desculpa ;u;
Se vcs quiserem participar eu vou deixar o link das regras e do formulário nas notas finais, o twitter dela vcs sabem, se tiverem alguma dúvida. Mas, observação: Último dia pra entregar é dia 20.
Enfim, vamos pra essa one logo. (Desculpe qualquer erro ;-;)

Capítulo 1 - Feliz Dia Das Crianças - Capítulo Único


Sr. e Sra. Linnyker entraram no carro e assim como a Sra. Pacagnan e seu marido. Tarik e Mikhael acenaram da janela, sorrisos doces no rosto e os pais acenavam de volta, seguros de que seus filhinhos queridos ficariam comportados até que eles voltassem da festa. Logo no dia das crianças, ambos os garotos ficariam sozinhos em casa, trancados e sem presentes, pois seus pais diziam que já estavam velhos demais para isso. Os meninos sabiam que eles na verdade tinham gastado todo o dinheiro comprando roupas chiques para irem à festa.

Quando o carro virou na esquina, ambos pararam de acenar e se entreolharam. Qualquer pessoa com olhos poderia ver que iriam aprontar algo. Afastaram-se da janela e correram para a cozinha. Tarik pegou o celular e procurou uma receita de bolo no Google. Ficaram bons minutos decidindo de qual sabor fariam e acabaram decidindo pelo clássico de chocolate. Porém, duas crianças de nove anos sozinhas em casa fazendo um bolo, não ficaria por isso mesmo.

Não seria um simples bolo, teria recheio de chocolate por dentro, cobertura de chocolate por fora e talvez um pouco de chantili, apenas para dar um charme a mais. Jujubas de ursinho, granulado colorido e M&M’s! Só de pensar, ambos os garotos já ficavam com água na boca. Tinha tudo para dar certo, ignorando o fato de que eles não sabiam cozinhar.

- Quatro ovos, chocolate em pó, manteiga, farinha de trigo, açúcar, fermento e leite. – Falou Pac enquanto Mike andava de um lado para o outro colocando os ingredientes sobre a mesa.

- Ok, agora o que fazemos? – Linnyker olhou para o amigo.

- Nós colocamos seu sangue sobre os ingredientes, gritamos as palavras mágicas, jogamos fogo e um bolo vai aparecer inteirinho aqui pra gente. – Falou sarcástico.

- Aff! Para de ser chato, Pac! – O garoto bufou.

- Ok, ok, usa a cabeça! Pega uma panela pra gente colocar os ingredientes dentro. – Mikhael arrastou uma cadeira até perto do armário e subiu, em seguida, tentou pegar uma panela com a cabeça. – Mike, você pode me dizer que bexiga você tá fazendo?

- Eu estou usando a cabeça, uai! – Tarik bateu o pé e bufou. – Você que mandou.

- Só pega a porcaria da panela, seu bobo! – O de óculos pegou a panela e foi para perto do amigo, colocando-a sobre a mesa.

- Ok, agora começamos a misturar os ingredientes.

Tarik começou a quebrar os ovos, sujando a mesa e suas mãos, enquanto a clara escorria pelo seu braço. Enquanto o menor tentava pegar uma casca de ovo que havia caído, Mikhael tentava quebrar outro ovo, derrubando um no processo. Após levar um sermão de Pac, Mike foi até a geladeira pegar outro ovo, deixando aquele que tentava abrir anteriormente sobre a mesa. O ovo rolou e quebrou-se, Pac sequer se deu ao trabalho de reclamar, apenas suspirou enquanto Mike pegava outros dois ovos e voltava para perto da mesa. Ovos na panela, hora do chocolate.

- Quanto de chocolate a gente coloca? – Perguntou Mike.

- Quatro colheres de sopa. O que é uma colher de sopa? – Eles se olharam um tempo.

- Não é aquela colher bem grandona e funda que pega a sopa daquela panela triste? – Perguntou Mike.

- Acho que é, mas... Panela triste? – Pac olhou o amigo.

- É aquela panela grande que apita. A panela depressão. – Explicou.

- E o que tem isso com triste?

- Eu perguntei pra minha mãe o que era depressão e ela disse que era uma doença que deixa a pessoa triste, aí... – Mikhael foi interrompido por Tarik batendo na própria testa.

- É panela de pressão, sua anta! Não é depressão! É de, espaço, pressão.

- Aaaaah! – Falou Mikhael.

- Aaaaah! – Falou Tarik em forma de deboche. – Enfim, acho que é essa colher mesmo, mas não é muito grande?

- Coloca sem colher mesmo, só vai tacando muito. – Pac obedeceu-o e colocou metade do chocolate em pó dentro da panela.

- Agora... – Pacagnan olhou o celular. – Duas colheres de sopa de manteiga.

- Deixa comigo! – Mikhael pegou uma colher e o pote de manteiga.

- Coloca bastante! – Falou Pac colocando o pote de chocolate em pó na mesa, porém, errou o local e o mesmo caiu no chão, espalhando chocolate para todo lado. Calmamente ele pegou o pote, tampou e guardou, arrastando em seguida o pó para debaixo da mesa. Mike tirou metade da manteiga do pote e jogou dentro da mistura.

- Próximo passo, chefe Pac? – Perguntou de forma divertida ao menor.

- Três xícaras de farinha de trigo! – Mike pegou uma xícara de café e olho para Pac.

- O que seria farinha de trigo? Farinha não é o que come com feijão? – Perguntou.

- Acho que é um trigo especial... – Abriu o armário enquanto Mikhael olhava na geladeira. – Aqui!

- Posso colocar? – Perguntou Linnyker.

- Colocamos juntos. – Tarik despejou o ingrediente na xícara até que caísse no chão de tão cheia que estava. Mike colocou na panela e Pac repetiu o processo.

- Hey, Pacson! – Pacagnan olhou para o amigo que soprou farinha em sua direção, rindo de sua cara em seguida.

- Seu nojento! – Ele pegou o pacote e correu atrás de Mikhael ao redor da mesa e quando o amigo parou por ter pisado em ovo, aproveitou-se da distração e sacodiu o pacote em sua direção, sujando metade da cozinha com o trigo. Ambos riram e deixaram o pacote de lado, indo para o próximo passo da receita. – Duas xícaras de açúcar.

- Dessa vez você segura a xícara. – O maior pegou o pacote de açúcar e Tarik segurou a xícara. Repetiram o mesmo procedimento do trigo e roubaram um pouco do açúcar, indo para o próximo ingrediente.

- Duas colheres de chá de fermento. – Pac pegou o fermento. – Onde tem colher de chá?

- Minha mãe guarda numa caixa muito alta. Coloca uma colher normal cheia mesmo. – Pegaram uma colher e colocaram o fermento nela, jogando na panela.

- Por fim, uma xícara de leite. – Pac segurou a xícara enquanto Mike colocava o leite nela. Colocaram o leite na panela e fizeram uma pausa para tomar.

- Vou beber na caixa. – Disse Mike virando a caixa e bebendo o leite, o que não deu muito certo, já que ele se molhou e ainda molhou o chão, enquanto Tarik ria de sua cara.

- Acho bem feito, ninguém mandou beber igual doente! – O de óculos encheu a xícara e jogou em Tarik, molhando apenas os pés do garoto, que respondeu dando a língua.

- Vamos voltar ao bolo. O que fazemos agora?

- Bata em um liqui... Oh... – Eles se olharam e deram de ombros. – Pega a batedeira.

Mike pegou a parte de cima da batedeira e entregou para Tarik, que ligou-a na tomada e colocou na panela. Segurando firmemente, ele apertou o botão e começou a mexer o aparelho, misturando a massa. Mikhael observava ao lado do amigo, enquanto os ingredientes iam se fundindo e logo parecia uma massa de bolo como as da sua mãe.

- Sabe o que eu sempre quis fazer? – Perguntou Mike.

- O quê? – Segurou a batedeira e levantou.  A massa de bolo voou por todo lado, sujando a geladeira, armários e paredes, enquanto os garotos apenas riam de toda a sujeira que estavam fazendo.

- Ok, chega. – Tarik tomou o controle da situação e recolocou a batedeira na panela, continuando seu trabalho.

- Você tá sujo. – Mike riu e tirou a massa de bolo da bochecha do amigo com o dedo indicador, comendo em seguida. – Hmmm. Tá ficando gostoso. – Tarik apenas continuou o trabalho, agora com um tom avermelhado no rosto.

- Ok, acho que é o suficiente. Agora, colocamos isso numa forma. – Mike pegou uma forma retangular e colocou sobre a mesa.

Tarik desligou a batedeira e começou a despejar a massa amarronzada dentro da forma com cuidado, enquanto Mikhael apenas o olhava. Fazia um tempo que havia parado de olhar a massa, apenas focava em Tarik, e em como ele ficava fofinho quando estava focado em algo.

- Tudo bem, agora... Colocamos no forno por 180 bolinha C... O que é isso? – Perguntou Tarik.

- Se você que é inteligente não sabe, quem sou eu pra saber, fi? – Ele deu de ombros.

- Vamos colocar no forno e esperar 40 minutos que nem tá mandando. – Pac abriu o forno e colocou a forma lá dentro, ligou e olhou para Mike dando um sorriso. – Acho que fomos até bem.

- É, somos uma boa dupla de cozinheiros. – Deram um soquinho na mão um do outro.

- Vamos esperar um pouco pra fazer o recheio. Merecemos uma pausa. – Sentaram no chão, de frente para a TV.

- Pac... – O menor olhou-o. – Você... Você me acha feio?

- Não, por quê? – Mike deu de ombros.

- Sei lá... Só... Nenhuma menina nunca mandou cartinhas pra mim... – Apoiou o rosto com as mãos e suspirou. – Você já recebeu, o Cell já recebeu... Por que eu não?

- Ah... Não liga pra essas cartas estúpidas. Quem liga pra elas?

- Eu ligo! Eu queria que alguma menina me achasse bonito e me mandasse uma cartinha...

- Bem, eu não sou uma menina, mas eu te acho bonito! Quer que eu te mande uma cartinha? – Sorriu. – Só não vai ter uma marca de batom. – Ambos riram.

- Obrigado, Pac... – Mikhael sorriu para o garoto, que retribuiu o ato.

- Nada, fi. Agora para de pensar nessas besteiras, tá? Vamos fazer o recheio! – Correram para a cozinha.

Pegaram o chocolate em pó e o leite condensado. Assim que abrirem, dois dedos intrusos pegaram um pouco do doce. Panela no fogo, leite condensado e o chocolate em pó nela. Tarik girou o botão, apertou o botão que acendia o fogo – era um fogão elétrico – e voilà! Pegou uma colher de pau, pegou um pouco de manteiga com a mesma e começou a mexer. Brigadeiro era sua especialidade.

- Pac, como colocamos isso dentro do bolo? – Pensaram um tempo.

- Hm... Acho que é melhor só colocar em cima. – Mikhael concordou.

Assim que a cobertura ficou pronta o celular despertou; o bolo estava pronto. Abriram o forno com cuidado um tempo depois, enquanto a sobremesa esfriava e puxaram a grade. Se entreolharam e olharam para o bolo, com algumas bolhas e até com um pouco saindo. Colocaram as luvas de cozinha e tiraram a forma juntos. Colocaram sobre a mesa e esperaram pacientemente que o bolo esfriasse.

Assim que estava menos quente, pegaram uma grande bandeja. Tarik cortou a parte do bolo que estava saindo e colocou em um prato, em seguida, passou a faca nas bordas do bolo para que se desprendesse da forma. Viraram juntos sobre a bandeja e com duas colheres, bateram no fundo da forma como se fosse uma bateria, à la Josh Dun. Depois de um tempo rindo e fazendo barulho na forma, eles levantaram-na, dando de cara com um bolo meio queimado meio despedaçado, que ainda assim parecia delicioso.

Tarik despejou a cobertura sobre o bolo e juntos eles espalharam o chocolate por todo o bolo. Pegaram o chantili e colocaram sobre o bolo, fazendo uma carinha feliz que jogo foi coberta por mais e mais chantili. Mike borrifou o chantili em sua boca e em seguida na cara de Tarik, ambos rindo. Pac tentou lamber o chantili do próprio nariz, não obtendo sucesso.

- Com um nariz grande desse e não consegue tocar a língua nele? – Falou, recebendo um tapa leve do amigo depois.

- Vai cagar! – Passou o dedo no nariz tirando o chantili, depois mostrando para Mike como era “brilhante”. – Perdeu! – Mikhael colocou o dedo de Tarik na boca, comendo o chantili ali presente.

- Idiota! Eu devia comer da sua boca, mas isso seria nojento e desagradável. – Pacagnan colocou chantili na boca.

- Tá doidinho pra me beijar, isso sim. – Brincou, indo pegar as jujubas e M&M’s do armário.

Colocaram os doces sobre o bolo e logo pegaram dois pratos, prontos para se entupir de bolo até dizer basta. Colocaram uma grande fatia nos pratos e passaram um pouco do que sobrou da cobertura na parte do bolo que estava sem recheio. Correram para a sala com suas garrafinhas de guaraná e começaram a comer o bolo.

- Vou comer mais cinco pedaços! – Falou Mikhael.

- E eu vou comer mais sete! – Exclamou Tarik.

Assim que acabaram de comer a primeira fatia, se entreolharam com caras consideravelmente enjoadas.

- Eu nunca mais como nada... – Disse Mike, ao que Tarik concordou com um aceno de cabeça.

Colocaram os pratos junto com a pilha de louça suja da cozinha, voltando para a sala, deixando  pegadas de chocolate, ovo, massa, cobertura, trigo e chantili por onde andavam, sem se importar muito com isso. Mike foi para o banheiro de seu quarto e Pac para o banheiro de baixo. Depois de um bom e merecido banho, colocaram uma pipoca no micro-ondas e assim que ela estava no pote, fizeram uma cama no chão com as almofadas do sofá.

Sentados sobre a “cama”, com um grande pote de pipoca e mais duas garrafas de guaraná, ligaram a TV em um canal com especial de dia das crianças. Antes da pipoca acabar já estavam caindo de sono. Mikhael chutou o pote para fora da cama, derrubando as pipocas que estavam dentro dele, espalhando-as por todo chão. Os garotos bocejaram, olharam um para o outro e sorriram.

- Feliz dia das crianças, Pacson.

- Feliz dia das crianças, Mikaé. – Fecharam os olhos e logo caíram no sono.

Passados menos de vinte minutos, chegaram seus pais. Rindo alegremente devido ao divertido dia que tiveram, entraram em casa e viram a bela cena de seus filhos dormindo calmamente. Tirando a pipoca no chão, a casa estava melhor do que haviam imaginado; ao menos não era uma pilha de cinzas.

- São uns anjinhos mesmo... – Falou a Sra. Linnyker, indo em direção à cozinha.

- Com certeza, achamos que eles iriam des... – A mãe de Pac teve a fala interrompida pelo grito da mãe de Mike:

- Mikhael e Tarik! O que vocês fizeram com a minha cozinha?! – Falou extremamente alto, com uma raiva na voz que seria capaz de assustar até o maior e mais temido assassino do mundo.

Os garotos arregalaram os olhos, despertando de seu sono. Olharam um para o outro e levantaram-se, correndo para o andar de cima, em busca de proteção.


Notas Finais


Bem queridos pessoinhos, foi essa a one e espero que tenham gostado! Torçam por mim, preu ficar pelo menos no Top 3 ;u; segura na mão de Deus e vai.
Enfim, aqui está o link dos coisinhos: Regras/Explicação - https://docs.google.com/document/d/1j34hXZMNLKPbFVjpBV8QfqtkwSxGBd2OsMvDRE5vsi8/edit?usp=sharing
Formulário - https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdAVt2U_W4HZD2BOtPgM-qwaVKKsONFnb3ZM6sNXI__Gb34Ag/viewform?c=0&w=1
Enfim, se vc for participar, boa sorte, de todo coração <3
Até a próxima o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...