História Call me Daddy - Capítulo 46


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Girls' Generation, Jay Park, Super Junior
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Choi Siwon, Jessica, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Kim Heechul, Lee Donghae, Lee Hyukjae "Eunhyuk", Lu Han, Personagens Originais, Rap Monster, Sehun, Suga, V, Yesung, Yuri
Tags Chanbaek, Incesto, Jikook, Jin, Lemon, Namjin, Rapmonster, Vhope, Yaoi, Yoonseok
Visualizações 1.713
Palavras 6.204
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


DESCULPA A DEMORAAAAA

REVISEI POR CIMAAAAA

Capítulo 46 - Visita inesperada e primeira sessão de fotos.


Fanfic / Fanfiction Call me Daddy - Capítulo 46 - Visita inesperada e primeira sessão de fotos.

 

Baekhyun suspirou pesado quando sentiu apertando sua cintura. Sentir o corpo do maior tão perto do seu era a melhor coisa que poderia acontecer consigo naquela tarde. O maior entrava e saia do Byun lentamente, enquanto o segurava em seu colo. O loiro sentia vários arrepios no corpo, e não era só porque estava com as costas coladas na parede fria do banheiro.

 

− Channie-ah...

 

O moreno grudou os lábios no mais velho, entrelaçando ambas as línguas. Sentia as mãos do menor arranhar seus braços, tentando aliviar todo tesão que sentia. Começou a movimentar-se mais rápido, estocando o interior quente e apertado do Byun com facilidade. Ambos sentiam a água morna cair sobre os dois corpos.

 

− Chanyeol... Ah!

 

Baekhyun chegou ao seu ápice, jogando a cabeça pra trás, e gemendo alto. Chanyeol continuou as estocadas, não demorando muito pra preencher o mais velho. Os dois se encararam e não demorou muito pra que o Park selasse os lábios do loiro, o sentindo fraquejar em seus braços, então o apertou mais contra si.

 

− Me dá banho Yeol. – ouviu a voz manhosa.

− Eu? Por quê? – sorriu de canto, admirando a beleza do outro.

− Porque eu não consigo. – um biquinho pequeno surgiu nos lábios de Baekhyun.

 

O maior sorriu e ajudou o seu hyung a tomar banho, passando o sabonete pelo corpo e o shampoo nos cabelos descoloridos. Baekhyun conseguia ser um bebê quando queria e o Park não podia negar que adorava toda essa manha do mais velho. Amava cuidar dele.

Não demorou muito e o mais novo desligou o chuveiro, saindo pra pegar uma toalha. Enrolou um em sua cintura e saiu pra pegar outra. Chanyeol enrolou-a ao redor do loiro e o puxou pra fora do banheiro, caminhando em direção à cama.

 

− Vou pegar algo pra você vestir. – O Park indagou e o menor assentiu.

 

Baekhyun sentou-se na cama esperando o maior que tinha ido ao seu closet. Sorriu minimamente ao ver o cuidado que ele tinha. Nem em seus melhores sonhos teria idealizado Chanyeol daquela forma.

Adorava vem o mais novo agindo como se fosse seu hyung. Era fofo e Baekhyun caprichava em sua manha, já que o Park nunca negava seus pedidos. Viu o mais alto voltar com algumas de roupas na mão.

 

− Eu não sei o que você vai querer vestir hyung, então eu trouxe umas aqui. – ele ergueu as peças e sorriu.

 

Baekhyun riu também e viu que o maior carregava uma camiseta que tinha deixado ali em sua casa no ombro. Levantou e deixou a toalha cair no chão, ficando novamente nu.

Claro que o mais alto encarou o corpo alvo do menor por alguns segundos, completamente bobo. Baek foi até ele, pegou uma boxer branca e a vestiu. Logo puxou a peça preta e vestiu. O mais alto encarou o corpo do pequeno, vendo sua camiseta ir até as coxas brancas dele. Sorriu quando viu Baekhyun corar levemente.

 

− Eu só... Queria uma roupa confortável. – se justificou baixinho, mordendo os lábios finos.

− Por mim você andaria assim a todo o momento hyung, mas por precaução ande assim só quando estiver comigo, ok? – o mais novo pediu, vendo o menor assentir como uma criança obediente. – Eu vou achar uma bermuda e já venho.

 

O Byun assentiu novamente e Chanyeol se afastou indo em direção ao closet novamente. Achou a peça que tanto queria, e vestiu-se. Ia procurar uma camiseta, mas não viu necessidade já que estava quente devido o ar condicionado que o outro mantinha ligado.

Fechou as portas e voltou a caminhar pro quarto. Só não esperava chegar e ver Baekhyun deitado de bruços dormindo como um anjo. Riu baixo e jogou os cabelos úmidos pra trás. Andou até a cama e se sentou ao lado dele, pra afagar os fios descoloridos e roubar um selinho dos lábios que formavam um pequeno bico. Olhou o resto do corpo do Byun e mordeu os lábios, encantado com o que via.

Jamais imaginou que ficaria ali encarando o corpo de Byun Baekhyun, como um idiota.

 

– Tão gostoso...

 

Abaixou-se lentamente e selou a coxa do mais velho, deixando vários selares naquela pele macia que tanto amava. O Park não estava entendendo o que estava sentindo, mas era algo bom. Muito bom pra falar a verdade. Deixou uma mordidinha de leve na bunda redondinha que tanto amava e viu o pequeno resmungar baixinho, sem acordar.

Baekhyun era uma verdadeira obra de arte.

Park Chanyeol se levantou rapidamente e foi até a sua bolsa, pegando o caderno de desenho e um lápis. Virou a poltrona em direção a cama e encarou o menor que ainda ressonava tranquilamente. Aproveitaria daquele momento, mesmo que Baekhyun estivesse dormindo. Estar debaixo do mesmo teto ou ficar no mesmo local que o Byun já era o suficiente para que seu coração ficasse aquecido.

 

-;-

 

SeokJin abriu os olhos depois de passar o resto da tarde dormindo devido os remédios. Após pedir pra que todos os deixassem sozinho, o herdeiro se pôs a dormir.

Virou-se em direção a janela e viu que já estava escuro. Pegou o seu celular com o braço que estava bom e desbloqueou a tela vendo a foto que tinha de NamJoon. O loiro sorria de forma espontânea, mostrando as covinhas fofas que tinha na bochecha. Seok sorriu por um momento. Suspirou o lembrar da cena que tinha visto na televisão. Era um vídeo o mais velho segurando as sacolas de compras e Kiko sorridente, mostrando as roupinhas pro loiro.

Doeu ver aquilo, porque sabia que uma hora ela ia precisar da atenção dele. A mídia já comentava sobre casamento, chá de bebê e divisão da herança. Jin só pensava que ia ter se afastar de seu pai e quanto estava odiando tudo aquilo. Claro que às vezes e culpava pela criança que não tinha nada a ver com tudo. Era o único inocente no final da história.

 

– Jin?

 

Tomou um susto quando viu alguém na porta. Estava tão envolvido em seus pensamentos que não notou que a porta foi aberta e fechada.

 

– SeokJong? C-Como conseguiu entrar? – o herdeiro arregalou os olhos.

 

O mais alto caminhou até a cama do menor e pegou a cadeira que estava no canto pra se sentar.

 

– Eu entrei escondido. Eu precisava te ver.

– A essa hora da noite? Se te pegarem você tá ferrado...

– Eu me cuidei Jin, ninguém me viu entrar, ok? Relaxa. – o Kim mais velho sorriu minimamente.  – Como você está? Eu... Me desculpe por isso.

 

O mais novo sorriu e negou.

 

– Você não tem culpa nenhuma. Não íamos saber que aquele cara ia fazer isso.

– Ele te machucou muito?

– Um pouquinho, mas já estou bem. Amanhã eu já vou pra casa. – explicou.

– Seu... Pai. Ele falou alguma coisa? – SeokJong sentiu um rosto amargo ao perguntar aquilo.

 

O menor desviou o olhar.

 

– Não falou nada porque eu pedi pra ficar sozinho, mas eu tenho certeza que vai me encher.

 

SeokJong suspirou e segurou a mão do herdeiro, que virou-se rapidamente. Jin encarou os olhos amendoados do mais velho.

 

– Vocês vão se entender. – disse baixo.

– Acho que não. – sorriu de forma triste. – NamJoon tem um novo filho pra cuidar agora. Aquela mulher... Ela me odeia e vai fazer de tudo pra acabar com a paz entre eu e meu pai.

 

O Kim mais velho franziu o cenho.

 

– Pensei que você que não gostava dela.

– Há! Todo mundo acha que eu sou o filho mimado, mas não é bem assim. Kiko é uma falsa, dissimulada. Quando eu era mais novo ela vivia dizendo que ia roubar meu pai de mim, que eu era um órfão idiota... Enfim, ela vivia me enchendo. – o herdeiro suspirou.

 

SeokJong engoliu em seco. Ia perguntar pra japonesa porque ela fizera aquilo com seu irmão. Ela tinha mentido.

 

– Você acha que seu pai vai te deixar pra ficar com ela?

– Não sei. Se ele cair no joguinho dela, com certeza vai. Eu não sei o que pensar. Eu só tenho ele e não quero perdê-lo.

– Jin, desculpa me intrometer, mas... Você nunca perguntou pro seu pai sobre seus pais biológicos?

 

O herdeiro suspirou baixinho.

 

– Já perguntei, mas ele disse que não sabe. Ele disse que as freiras não sabem de nada.

– Mas você já foi atrás das respostas?

– Não... O Joonie não me deixa viajar pra Coreia.

– Sério? Mas... Por quê?

– Não sei. Mas toda vez que eu toco em “Coreia do Sul” ele briga. Acredita que ele me naturalizou aqui pra não ter que servir o exército coreano? – o mais novo contou, fazendo um biquinho. – Quando ele estava servindo, ele não deixou que eu viajasse pra lá. Não deixou nem que eu visse o Yoongi-hyung.

 

SeokJong estava morrendo de ódio de NamJoon. Como pôde manipular o seu irmão daquela forma? E o pior de tudo era que Jin aceitava tudo numa boa.

 

– Você não tem vontade de ir pra lá?

– Claro que tenho... Mas tenho medo dele brigar.

– Até quando vai obedecer ele? – o Kim mais velho perguntou. – Você já é grande o suficiente pra tomar suas decisões, né?

 

Jin parou pra pensar e realmente o outro estava certo. Já era maior de idade e podia muito bem viajar sem a autorização do pai.

 

– Tem razão.

– Se quiser ir um dia, eu posso ir com você. Posso te apresentar os lugares. É bem legal. – SeokJong sorriu.

– Queria conhecer o Rio Han. Todo mundo que eu conheço que é coreano diz que é bem lindo.

– Se ir comigo, eu prometo te mostrar.

 

SeokJin sorriu e apertou a mão do outro que estava junto à sua. Pela primeira vez achou alguém que não hesitou em nenhum momento em lhe convidar pra ir pra Coreia. Tinha pedido ajuda de Hoseok e Taehyung, mas os dois temiam a reação do patriarca.

 

– Eu vou melhorar e nós podemos ir, ok?

– Combinado!

 

-;-

 

Jimin estava sentado sentando maquiado por uma garota que julgou ser mais nova que ele. Estava nervoso, só pra variar. Ia tirar fotos com Taeyeon, a cantora mais famosa da Coreia, pro catálogo de perfumes que ela ia lançar.

O Park trajava uma calça jeans clara, com a barra dobrada, uma camisa branca e um sapato claro. Seus cabelos estavam jogados testa, completamente lisos e não havia uma maquiagem tão forte em seu rosto.

 

– O Jimin tá pronto? – HeeChul chegou com uma câmera na mão. Sorriu ao ver o mais novo. –Está perfeito Jimin!

 

O menor sorriu nervoso e agradeceu baixinho.

 

– Vamos, ela já está pronta.

 

O Kim puxou a mão do Park e ambos caminharam para fora da casa onde estavam se arrumando. Estavam no meio de uma fazenda onde haviam um campo cheio de flores. Jimin ficou encarando o local que era cheiroso e bonito.

Não demorou muito pra que eles se aproximassem dos staffs e da cantora.

 

– Estamos prontos! – o Kim sorriu. – Bom, Taeyeon, esse aqui é o Jimin. Jimin essa é a Taeyeon. Acho que você não a conhece, não é mesmo? – o mais velho brincou, vendo o Park corar levemente.

– Olá. É-É um prazer conhecê-la. – o moreno fez uma reverência.

– E aí, beleza cara? – a loira o abraçou, batendo no ombro dele.

 

Jimin arregalou os olhos e Heechul riu alto.

 

– Não se assuste. Ela parece uma caminhoneira mesmo.

 

A loira que usava um vestido azul leve e sapatos baixos, com os cabelos soltos, usando apenas uma tiara azul, socou o braço do mais velho.

 

– Idiota. Não fale mal de mim na frente dele. Vai assustar o garoto.

– Só tô falando a verdade. – o Kim se justificou. – Não vai achando que ela é fresca e princesinha só porque é uma cantora famosinha não. Taeyeon parece um ogro.

 

Jimin não se conteve e riu.

 

– A princesa está dentro daquela casa. – a loira sorriu.

– Aff. Seca a baba Tae. – Heechul revirou os olhos. – Vamos começar?

 

Jimin e Taeyeon assentiram. O Kim coordenou os dois, pedindo pra que o rapaz a abraçasse e que tentassem se mostrar apaixonados um pelo outro. O Park ficou nervoso no começo, já que teria que tocá-la e sempre pedindo “com licença” ou “desculpa”. A Kim riu e pediu pra que ele ficasse tranquilo.

Os dois começaram a conversar entre uma foto e outra. A cantora explicou sobre o quão normal era você abraçar e tocar os modelos, e que eram apenas fotos. Claro que HeeChul tinha pedido uma ajudinha da moça. A Kim era uma boa conselheira e Jimin estava entendendo tudo que ela dizia.

 

– Gente. Tá maravilhoso! – elogiou. – Vamos tirar uma de vocês bem próximos, como se fossem se beijar.

 

O Park olhou temeroso pra cantora que riu.

 

– Relaxa dongsaeng, é só você fingir que vai beijar sua garota.

– É garoto. – Heechul respondeu sorrindo de canto.

– Então imagina que vai beijar seu garoto. – ela riu de novo.

 

Jimin corou e assentiu. Se aproximou da cantora e se segurou o rosto dela, tudo com delicadeza, que condizia com o local. Heechul capturou o momento em que ambos fecharam os olhos.

 

– Pronto! Vamos pra sala de dança!

 

Os staffs começaram a recolher as coisas. O Park franziu o cenho.

 

– Sala de dança?

– Sim. – Taeyeon respondeu enquanto ambos caminharam pelo campo em direção a casa. – Vão ser três perfumes. Um com aroma floral, mais natural. Vai ter o cítrico, que “dura mais tempo”, é um pouco mais forte. E por fim o doce, sensual e etc.

– Ah, sim! – ele sorriu.

– Não foi ideia minha. – ela se justificou e ambos riram.

 

Os dois foram em direções opostas pra trocarem de roupas. Jimin já estava bem mais relaxado e sorria. Pensou que seria difícil, e que jamais conseguiria, mas estava se surpreendendo consigo mesmo.

 

-;-

 

 

– Jungkook eu não acredito que você tá namorando...

– Pai. Pela décima vez: Eu não tenho nada com o Jay!

– Mas essa foto!

– Ele me puxou pra fora da faculdade porque eu tava mal e o filho da puta do paparazzo tirou as fotos. Eu ia contar pra vocês. – o maknae suspirou.

– E por que não falou? – JungWook encarou o filho.

– Todo mundo tava cuidando do Jin-hyung. Acha mesmo que eu iria comentar sobre uma coisa banal?

– Não é tão banal assim. E você devia ter se cuidado!

– Appa. – o herdeiro suspirou. – Eu não gosto do Jay. Ele é só meu amigo.

 

O senhor Jeon suspirou igual e cruzou os braços. Os dois desviaram o olhar e encararam Hyolyn que estava sentada na cama do filho.

 

– Não vai dizer nada amor?

– E vocês dois me deixam falar algo por um acaso? – a morena revirou os olhos. – Bom, Kook, eu mesma posso desmentir isso se quiser. JungWook, nosso bebê tem razão. Todos estavam preocupados com o Jin. Isso é apenas um boato que todo mundo vai esquecer. E você tem que cuidar Jungkook... - A Kim parou de falar de repente e franziu o cenho. – Que cheiro é esse?

 

– A Jessica-noona tá fazendo Ddeokbokki. Hoje é dia de comida coreana, lembra? – JungKook indagou.

 

Os dois Jeon se assustaram quando viram Hyolyn correr desesperadamente com seus saltos até o banheiro o quarto, logo trancando a porta. Pai e filho foram até a porta e ouviram-na passando mal.

 

– Omma! Omma abre a porta!

– Amor! Você tá bem? – JungWook batia desesperado na porta – Vá chamar alguém Kook.

 

O herdeiro sair correndo quase na velocidade da luz em direção à cozinha, encontrando Jessica conversando com Yuri.

 

– Noona! Noona!

– Que foi Kook? Que cara é essa?

– A mãe! Ela tá passando mal!

– Céus!

 

A Jung desligou a panela e os três subiram em direção aos quartos, encontrando JungWook e NamJoon desesperados batendo na porta do banheiro.

 

– Hyo! Abre aí! – o loiro pedia.

– Amor!

– Saiam daí. Tá assustando ela. – Jessica interveio.

– Deixa eu entrar pra ver ela noona. – o herdeiro pediu.

– Não. Eu vou primeiro. – a ruiva suspirou, puxando os braços dos dois. – Saiam do quarto.

– Mas...

– Saiam do quarto. – a Jung encarou os dois, que se deram por vencidos e deixaram o local.

 

Yuri foi até a porta do quarto e a trancou.

 

– Hyo. É a Jess, pode abrir eles não estão aqui.

 

Não demorou muito pra que a porta do banheiro fosse aberta. As duas entraram no banheiro, vendo a Kim escorada na pia, respirando fundo.

 

– Você tá bem?

 

Ele negou.

 

– Vamos pro médico.

– Não! Eu já tô bem.

– Comeu algo que não fez bem unnie? – a Kwon perguntou, segurando o cabelo dela pra que lavasse a boca.

– Não sei. Faz alguns dias que eu não tô boa do estômago. Tô com tontura e um cansaço do cassete. Acho que eu preciso de férias. – ela indagou.

– Hyolyn... – Jessica franziu o cenho e a encarou. – Eu não acho que férias é o seu “problema”.

 

-;-

 

– Pronto! Terminamos por aqui! – Heechul anunciou e todos bateram palmas. – Foi um ótimo trabalho!

– Obrigada à todos. – Taeyeon reverenciou aos staffs. – Obrigada.

– Foi perfeito! – o Kim se aproximou. – Cara, as fotos ficaram boas, e não foi só porque fui eu quem tirou!

 

A loira riu alto, seguida de Jimin.

 

– Você pode ser humilde pelo menos uma vez? – ela indagou.

– Eu não. Mas eu quero saber o que você e o Jimin conversavam tanto. E Jiminnie, você está bem! Não ficou mais tímido.

– Taeyeon-noona me ajudou muito. – o moreno disse. – Eu tentei seguir o que ela me passou e relaxei. Eu me diverti bastante, obrigado por confiarem em mim.

– Que gracinha! – o Kim apertou a bochecha o Park. – Realmente Chul-oppa acha muitas preciosidades!

– Muitas mesmo! E uma delas está vindo pra cá.

 

Os dois viraram pra direção onde o mais velho apontou.

 

– Fanny!

 

A Kim sorriu e caminhou até a ruiva que entrou no quarto onde eles estavam tirando as fotos. Taeyeon puxou a ruiva e selou seus lábios. Jimin arregalou os olhos e Heechul tirou uma foto das duas.

 

 – Oppa!

 – Ah Fanny, é só uma foto! Eu vou revelar e entregar pra você. – o Kim sorriu.

– É só uma foto amor. – Taeyeon sorriu. – Tiffany esse aqui é o Jimin, Jimin essa é a minha namorada.

– O-Oi. – o Park fez uma reverência.

– Olá! Você fez um bom trabalho. – A ruiva sorriu. – Você é uma graça!

– Eu que fiz. – Heechul sorriu, jogando o cabelo pro lado.

– Você nunca decepciona oppa.

– É, eu sei.

– Convencido. Que tal irmos almoçar?

– Ótima ideia Tae!

 

 

-;-

 

Yoongi mordeu os lábios, apreensivo. Encarava os dois garotos que estavam sentados na cama. Estavam no apartamento de Hoseok e já era tarde da noite. O mais velho suspirou alto e se levantou da poltrona, começando a caminhar pelo quarto.

 

– Hyung, pelo amor de Deus fala logo o que você tem pra falar. – Taehyung cruzou os braços.  

– Não começa a andar pra lá e pra cá não que isso me deixa nervoso. – Hope indagou.

 

O mais velho assentiu, respirando fundo.

 

– Eu vou ter que passar um mês com a Ming.

 

Os dois adolescentes franziram o cenho.

 

– Quê?

 

O menor suspirou e se sentou na ponta da cama encarando os dois.

 

– Eu vou ter que viajar pra China, pra ficar com a Ming.

– Me diz que você tá brincando hyung. – o Jung perguntou ainda desacreditando.

– Erm... Não, Hope. M-Mas calma! Deixa eu me explicar. É que a Ming vai se pronunciar sobre a gravidez e vai fazer algumas entrevistas pra algumas revistas. Eu vou ir junto pra apoiá-la e pra conversar com os pais dela. Eu vou aparecer com ela num evento na Tailândia depois. Acho que volto até o fim do mês.

 

Os dois se entreolharam e permaneceram com a expressão séria.

 

– Ok. – Hoseok foi o primeiro a se pronunciar. – Não é como se nós pudéssemos mudar isso.

– Hobbie, não...

– Relaxa hyung. Apenas vá e faça o que tem que ser feito. – Taehyung se levantou e caminhou até o guarda roupa do namorado procurando algo que pudesse servir de pijama.

– Vocês... Não vão ficar brabos comigo?

– Não. – disseram em uníssono, mas o mais notou na voz que nada estava bem.

 

Seu telefone começou a tocar. Bufou e pegou o aparelho vendo o nome que brilhava na tela.

 

– Puta merda. – desbloqueou o telefone. – Quê?

– Que educado.

– NamJoon, só fala o que você quer.

– Meu amigo. Eu preciso conversar. – ouviu um soluço vindo do loiro.

– Você tá bebendo? Cacete Namjoon! Eu já chego aí. Onde você tá?

– No escritório hyung.

– Não saia daí. – desligou o telefone e suspirou. – Eu... Eu tenho que ir o Namjoon não tá bem. Amanhã eu volto, ok?

 

O Min se levantou e caminhou até o Kim, deixando um selar em seus lábios, fazendo o mesmo com o Jung que estava sobre a sua cama. Suga caminhou pra fora do apartamento deixando os dois adolescentes ali.

Hoseok bufou alto e se jogou na cama fechando os olhos. Sentiu o colchão ao seu lado afundar.

 

– Só eu que fiquei muito puto com isso? – o mais novo perguntou com um bico nos lábios enquanto encarava do namorado.

– Não. Eu sabia que isso não daria certo.

 

O loiro assentiu e colocou sua cabeça no peito do mais velho, ficando em silencio por alguns segundos processando tudo.

 

– Você viajar que dia hyung?

– Daqui três dias. – Hope respondeu.

– Eu vou com você! – o Kim se sentou novamente com um sorriso nos lábios.

– Você é menor de idade ainda.

– Aish, nem me fale. Mas falta pouco pro meu aniversário e eu posso conseguir uma autorização com a mãe e converso com o professor DongHae pra ele deixar eu ir junto com vocês. É isso mesmo! Nós vamos pra China apenas nós dois hyung!

 

-;-

 

Jessica e Yuri estavam sentadas na cama aguardando aflitas Hyolyn sair do banheiro. Ainda estavam no quarto de Jungkook e tiveram que dar uns gritos com eles pra que as deixassem em paz.

Até mesmo Namjoon tinha aparecido ali, mas fora enxotado igualmente. A ruiva mordia a ponta do dedão encarando a porta.

 

– Será que ela tá bem? – Kwon perguntou.

– Eu perguntei isso umas cinco vezes e ela respondeu que sim. – a Jung bufou e passou as mãos pelos fios ruivos.

 

As duas se assustaram quando ouviram a porta ser destrancada.

 

– Até que enfim unnie! – Yuri se levantou exasperada.

– Hyolyn, você tá bem?

 

A morena assentiu. Estava com a cabeça baixa, então caminhou pra fora do banheiro, indo em direção as duas.

 

– E então? – Jessica perguntou preocupada.

 

A matriarca apenas levantou seus olhos que estavam cheios de lágrimas e encarou a ruiva. Um sorriso surgiu nos lábios da Kim e as duas entenderam e correram pra abraçá-la. Jessica obviamente chorou junto e Yuri comemorou.

 

-;-

 

JungWook e JungKook estavam aflitos na sala. Hyolyn estava há horas no quarto com as duas e ninguém dava notícia. A porta do hall de entrada foi aberta e os dois esperaram pra ver quem era.

Yoongi apareceu na sala com o semblante triste.

 

– Oi.

– Oi hyung. Aconteceu alguma coisa? – o maknae perguntou.

– Vai passar. – ele sorriu. – E vocês?

– Hyolyn passou mal, tá trancada no quarto com a Jess e com a Yuri e ninguém me diz o que tá acontecendo. Até o Nam chegou e foi pro escritório. Ele passou umas cinco vezes aqui. – o Jeon pai indagou.

– É verdade. Cinco vezes com cinco garrafas diferentes. – Kook contou.

– Aish! Eu já volto. – O Min saiu da sala indo em direção ao escritório.

 

Os Jeon se levantaram quando viram Yuri aparecer na sala. O maknae saltou indo em direção a morena, agarrando seu braço.

 

– Cadê minha mãe, noona?

– Vocês podem subir.

 

Os dois saíram correndo e quase levaram a moça junto. Jungkook estava na frente, subindo as escadas desesperado pra ver sua mãe. Ambos se aproximaram da porta e tentaram entrar juntos.

 

– Sai Kook! Eu primeiro.

– Aish!

 

Jessica e Hyolyn franziram o cenho vendo a cena dos dois presos na porta.

 

– Calma gente. Eu tô bem. – a Kim riu.

– Você tá bem amor?

– Omma, você nos assustou!

– Eu tô saindo. Qualquer coisa me chame. – Jessica se afastou com um sorriso no rosto e fechou a porta deixando eles a sós.

– Amor, vamos pro médico. Você precisa ver o que tá acontecendo.

– É verdade mãe. Você tem um plano de saúde caro e não usa! – Jeon bufou.

 

Os dois se sentaram na cama e ficaram ao lado dela.

 

– Eu vou pegar meu carro na garagem. Kookie pega a bolsa da sua mãe. Vamos amor...

– Gente calma. – a Kim riu, segurando a mão dos dois.

– Calma nada! Você tava mau.

– Amor, se acalma eu já sei o que eu tenho! – a morena respirou fundo.

– Você é médica, mãe? Não, então vamos...

– Kookie! Se acalmem e depois nós vamos, ok? – a Kim viu que os dois se acalmaram e sorriu. – Eu já sei o que eu tenho, depois podemos ir ao médico.

– O que é então meu anjo?

 

A mulher sorriu e pegou uma mão de cada um, encarando as faces confusas de seu marido e do seu filho. Levou-as lentamente até a sua barriga coberta com uma camisa social azul claro que estava usando.

 

– Eu tenho um bebê. É isso.

 

O mais velho arregalou os olhos e Kook não ficou diferente. Os dois ficaram encarando a Kim que mantinha um sorriso no rosto. Os olhos de JungWook começaram a lacrimejar.

 

– H-Hyolyn... Você tá dizendo que...

– Sim.

 

As lágrimas começaram a cair no rosto do Jeon mais velho e um sorriso surgiu em seus lábios. Ele ajoelhou no chão de frente pra esposa e a abraçou, deixando vários beijos em sua barriga.

Jungkook estava estático e encarava a mãe.

 

– Vamos... Vamos ter um bebê?

– Vamos ter um bebê, filho. – ela acariciou os cabelos escuros dele.

 

O maknae sentiu seu rosto ficar molhado com as lágrimas e depois de muitos dias se sentiu feliz. Não se conteve abraçou a mãe, fungando baixinho. Era um choro de felicidade.

No começou Hyolyn temeu em contar para o filho que estava grávida, já que ele foi o filho único por dezessete anos. Tinha medo que reagisse mal, ainda mais agora que ele estava sofrendo com todo o lance do Jimin.

 

– Mãe.

– Oi.

– Esse neném... Eu não vou ter que trocar a fralda dele né?

 

Os mais velhos riram da expressão preocupada do maknae. Afinal, ele era Jeon Jungkook, o garoto que herdeiro de uma fortuna, que não sabia nem mesmo lidar com a sua própria vida amorosa, muito menos cuidar das fraldas de um bebê. O garoto se contentaria em amá-lo e mimá-lo muito.

 

-;-

 

 

Jimin chegou à mansão de Heechul exausto. Depois da sessão de fotos passou a tarde na faculdade com a ajuda de um tradutor já que não entendia chinês completamente. Sabia algumas palavras, mas na maioria das vezes pedia ajuda. Sabia que teria que reservar um horário pra estudar em casa. Desceu do táxi e pagou o senhor que sorriu e agradeceu. O moreno caminhou até a porta e tocou a campainha, logo sendo atendido por Gao.

 

– Que bom que chegou criança! Estávamos te esperando pra jantar. Vá lavar as mãos, sim?

 

O coreano sorriu e assentiu, seguindo pro seu quarto. Jogou a mochila na cama e lavou as mãos. Sem demorar muito desceu as escadas e caminhou até a sala de jantar, encontrando os donos da casa e seus irmãos ali.

 

– Jimin!

– Olá. – ele sorriu timidamente.

– Senta aí que a Gao já terminou o jantar. – Siwon apontou pras cadeiras, então o mais novo obedeceu.

 

Caminhou até a cadeira vazia ao lado de Jongin e se sentou pedindo licença. O mais alto pegou a garrafa de vinho e encheu a taça do garoto.

 

– E aí? O que achou da Taeyeon? – perguntou.

– Ela é legal, bem engraçada. Ela me ajudou bastante. – ele sorriu.

– Legal? Ela é doida. – Yesung riu e o irmão concordou. – Viu quem estava com ela?

– Tiffany Hwang. A minha crush da adolescência. – Kai suspirou dramaticamente. 

– Todo mundo foi seu crush na adolescência Jongin. – Siwon revirou os olhos. – Gostou de tirar as fotos?

– Foi legal demais. Eu fiquei nervoso no começo, mas depois eu acho que consegui melhorar. Claro que eu tenho que melhorar muito mais. – Jimin explicou.

– Não se menospreze senhor Park Jimin – Heechul apareceu na sala com seu tablet, sentando-se ao lado de Yesung. – Já publicamos as fotos. Algumas delas já estão em alguns outdoors, e já tem comentários sobre “o modelo coreano da Taeyeon”.

 

O mais velho estava animado. Jimin arregalou os olhos e os irmãos Kim comemoraram.

 

 

– Leia os comentários, amor! – Choi pediu.

– Ok, vamos lá. Quem é esse garoto?, Ele é muito bonito!, Nunca vi ele em qualquer outro lugar., Taeyeon-unnie teve uma sorte muito grande de fotografar com ele!, Qual é o nome dele? Eu preciso muito saber quem ele é!, Esperando ansiosamente por outras fotos dele. E assim vai. Isso são só as fãs. Eu recebi uns cinco emails uma hora depois de mandar as fotos pra eles publicarem, todos eles com pedidos pra que você fotografasse pra marcas famosas. – o Kim mais velho ditou animado.

– Parece que alguém está ficando famoso! – Yesung jogou o guardanapo em Jimin que estava atônito. – A parte boa nem começou cara!

– Eu já tô vendo as gatinhas na tua cola! – Kai sorriu.

– Ah, e se prepare, porque amanhã você tem uma sessão com a Balmain. – HeeChul sorriu e entregou o tablet pro Park. – Eu vou tirar as fotos obviamente.

– O bom é que o Chul vai estar com você Jimin. – Siwon sorriu.

 

O mais novo estava olhando pro tablet onde tinham varias fotos das roupas que provavelmente iria vestir no dia seguinte pra sessão. Estava atordoado demais. Porra, até dias atrás era apenas o mordomo da família Kim e agora era um modelo.

 

– Ah, e no fim da semana você tem um desfile. Na verdade são vários modelos, Kai e Yesung também vão estar lá. E depois do desfile, vai ter uma after party. Assim você conhece o pessoal. Vai ser bem legal Jiminnie.

 

Nos lábios do menor surgiu um sorriso. Trabalharia duro pra que tudo desse certo.

 

-;-

 

 

– Ele não me ama hyung! Ele não me ama!

– Pelo amor de Deus, Namjoon, cala essa boca.

 

Yoongi revirou os olhos pela milésima vez. Maldita hora que o amigo resolveu beber. Se soubesse que ia chegar em casa e encontrar o Kim chorando em cima dos papéis que estavam na mesa do escritório, teria ficado com Taehyung e Hoseok. O moreno suspirou e se aproximou do loiro, puxando-o pra cima já que estava debruçado aos prantos.

 

– Hyung, ele disse que era pra eu ir embora. Eu devia estar com ele no hospital nesse momento cuidando dele. – ele soluçou. – O Jin me odeia.

– Não, ele não te odeia. Tudo bem que você vacilou, mas ele não te odeia.

– Eu vou ver ele. – o Kim se levantou aos tropeços e passou as mãos pelos cabelos. – Eu vou pro hospital passar a noite com o meu filho!

– Ok. Vai lá então. – o Min apenas cruzou os braços, olhando tediosamente o amigo.

 

O Kim respirou fundo, e começou a caminhar,  indo em direção a porta, pensando que estava conseguindo andar tranquilamente, quando sentiu uma tontura, tropeçou no tapete acinzentado e caiu. Por sorte, conseguiu se apoiar no sofá preto.

 

– Merda! Essa droga de tapete não estava aqui!

 

Yoongi apenas suspirou e caminhou até o amigo. Puxando o seu braço, pra que se levantasse; Colocou um braço dele em seu ombro e o apoiou.

 

– Você vai ficar quieto e vai andar direito, senão eu vou te jogar na piscina. – Suga disse, encarando o amigo que se encolheu.

 

Os dois começaram a caminhar na velocidade que o Kim conseguia. Yoongi já estava quase sem paciência e já estava a ponto de largá-lo ali no chão da sala de estar, quando ouviu a porta do hall de entrada se abrir e fechar.

 

– Quem chegou? – perguntou alto, implorando pra que fosse alguém mais forte que si.

 

Não demorou muito e Chanyeol entrou com uma expressão um tanto assustada.

 

– S-Soi eu hyung. M-Me desculpem por chegar essa hora.

– Onde você estava? – Suga resolveu assustá-lo, perguntando num tom sério.

– N-Na casa do Baekhyun. Ele me buscou na escola. – o Park abaixou a cabeça.

 

Os dois mais velhos se olharam e começaram a rir. O mais alto corou e coçou a cabeça, rindo baixinho.

 

– Sem problemas. Quem te trouxe?

– O Baekhyun. – respondeu sem graça.

– Eu te desculpo se me ajudar a levar esse merda lá pra cima. Ele tá bêbado e é pesado. – Suga pediu e o mais novo assentiu, caminhando rapidamente até Namjoon, pra ficar do outro lado.

– Hey, não... Precisa ofender. – o loiro se atrapalhou nas palavras enquanto caminhando em direção a escada. – Como foi a tarde com o Baekhyun, hein? – sorriu maliciosamente pro Park que corou até as orelhas.

– F-Foi legal.

– Legal é? Esse chupão no teu pescoço mostra que foi bem mais que legal. – o Kim riu e Suga não se conteve e riu também.

 

Chanyeol arregalou os olhos e engoliu em seco.

 

– Para de constranger ele, NamJoon. Agora presta atenção, a gente vai subir as escadas. Sem gracinha cara porque você não é leve.

– Mas... E se eu desmaiar?

– Eu te deixo no chão.

– E se eu vomitar.

– Eu esfrego sua cara no chão e a Jess também. – o Min indagou.

 

Os três subiram as escadas sem muitos problemas já que o Kim não queria enfrentar a fúria Jessica Jung. Tinha amor à vida. Caminharam pelo corredor em direção aos quartos, vendo Jessica sair do quarto de Jungkook.

 

– Céus... – a ruiva franziu o cenho.

– Sica. O Jin me odeia! – o loiro começou a chorar.

– Aish! Eu vou preparar um chá e pegar um remédio.

 

A Jung desceu as escadas deixando os três ali.

 

– Eu quero ir pro quarto do Jin. – o loiro pediu.

– Por quê?

– Quero um momento de paz no quarto do meu filho que me odeia. – dramatizou.

– Vamos jogar ele no quarto. – o mais velho bufou.

 

Os três caminharam aos tropeços até o quarto do herdeiro, colocando o Kim na cama. O loiro se jogou ali e fechou os olhos, suspirando alto.

 

– Obrigado. Eu não sei o que faria sem vocês.

– Morreria de tanto beber. – Yoongi indagou. – Chanyeol, valeu.

– Não tem de quê. Precisando...

– Você poderia conversar com o Jin, pedir pra ele parar de me odiar.

– Ah, vai se foder Namjoon. – Suga jogou um travesseiro no amigo e o Park riu.

– Ele não te odeia hyung. Ele está bem?

– Tá bem. Levou uns pontos, mas está bem. Amanhã ele já sai do hospital. – O mais baixo explicou.

– Eu vou buscá-lo. Cedo!

– Tá. Dorme primeiro e amanhã você vai buscar ele tá. Agora vamos Chanyeol, eu não tô a fim de ouvir um bêbado resmungando.

 

Os dois caminharam pra  fora do quarto. O mais novo riu baixinho, enquanto os dois desciam as escadas.

 

– Isso é o que dá tem amigo bêbado.

– O hyung ficou assim por causa do Jin?

– Sim. Ele faz as merdas dele e dá nisso. Eu me surpreendi com o Jin, já que na maioria das vezes ele cede.

 

Ambos caminharam lado a lado até a cozinha encontrando Yuri e Jessica. A mais velha preparava o chá e a morena estava sentada na mesa mexendo em seu celular. O Min apenas se jogou na cadeira e bufou alto.

 

– Chan, você chegou! – a Jung sorriu pro mais novo. – Desculpa por não ter ido te buscar.

– Sem problemas noona.

– Acha mesmo que ele vai querer a sua companhia quando ele pode ter a do Baekhyun? – Suga zombou.

 

Yuri riu da face corada do mais novo.

 

– Que bom que ele cuidou de você. – Sica sorriu. – Eu vou buscar a minha base depois pra você cobrir isso aí no pescoço.

– Pegou pesado com o Baek, é? – a Kwon disse, rindo com Yoongi.

– Aish. – o mais alto coçou a cabeça sem graça.

– Pega uma cerveja pra gente ai e senta Chanyeol. Ah! Yuri, você por um acaso tá sabendo da viagem pra China?

– Que viagem? – Jessica virou-se pros dois na mesa.

– Eu ia contar agora unnie. Eu vou ter que viajar pra China, daqui uns dias. – ela sorriu amarelo. – É pra faculdade, nós vamos fazer uma apresentação lá e o professor me escolheu. Mas o Hope vai!

 

A ruiva assentiu, mas fez um biquinho, já que teria que ficar longe dela.

 

– Eu não vou demorar unnie, a não ser que você vá junto comigo.

– Vou ter que ficar com o Jin. – a Jung sorriu. – Vá e faça o seu melhor. Hope e Tae vão ficar de olho em você pra mim.

– Na verdade eu ia pedir pra Yuri ficar de olho neles. – Suga riu de nervoso.

– Ué, você não vai?

– Não. Eu vou viajar com a Ming.

– Vai largar seus dois namorados pra ficar com ela?

 

Chanyeol se engasgou com a cerveja que estava bebendo. A Kwon arregalou os olhos ao ver que tinha falado demais.

 

– Ai meu Deus. – o Min apenas se debruçou na mesa.

– Cacete. Você não sabia?

 

O Park negou.

 

– Aish! Desculpa Suga-oppa. Só não conte nada pra ninguém Chan, por favor, senão o oppa tá fodido.

– O-Ok. Eu não ouvi nada. – Chanyeol indagou.

– Mas voltando ao assunto. É vacilo seu deixar os dois. – Jessica pegou a xícara com o chá e a cartela de remédios.

– Eu não sei o que fazer. – ele resmungou.

– Eu posso dar uma olhada neles, acho que eles não vão fazer nada de mais.

– Acho que vou pedir pro HeeChul-hyung dar uma olhada neles também.

 

Yoongi sorriu e peou a garrafa bebendo sua cerveja tranquilamente. Chanyeol ainda estava atônito com o que tinha ouvido. Jessica foi até o quarto com o chá para NamJoon e Yuri ficou ali pensando no quanto tempo levaria pra arrumar suas malas.


Notas Finais


Gente, é aquele negócio.
Sabe aqueles capítulos mais ou menos que você precisa postar pra dar continuidade? Então é isso ai.
ME enrolei demaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaais. Sorry!
Postei uma ChanBaek, vejam se ficou bom:

https://spiritfanfics.com/historia/toxic-9764866

é isso aí....
AGORA EU NÃO VOU DEMORAR. ATÉ PORQUE EU JÁ TENHO PARTE DO PRÓXIMO CAPÍTULO PRONTO RS.
Beijooos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...