História Call me Daddy - Capítulo 47


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Girls' Generation, Jay Park, Super Junior
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Choi Siwon, Jessica, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Kim Heechul, Lee Donghae, Lee Hyukjae "Eunhyuk", Lu Han, Personagens Originais, Rap Monster, Sehun, Suga, V, Yesung, Yuri
Tags Chanbaek, Incesto, Jikook, Jin, Lemon, Namjin, Rapmonster, Vhope, Yaoi, Yoonseok
Visualizações 2.393
Palavras 8.201
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


VOCÊS ACHARAM QUE EU NÃO IA REBOLAR A MINHA BUNDA HOJE??

Vou soltar essa bomba que já tava meio pronta e eu revirei por cima.
Tô com sono.

Capítulo 47 - De volta pra casa, vacilo de Yoongi e primeiro desfile.


Fanfic / Fanfiction Call me Daddy - Capítulo 47 - De volta pra casa, vacilo de Yoongi e primeiro desfile.

 

− Você tem que voltar na semana que vem pra tirar os pontos. Eu vou te dar um atestado, e eu quero você de repouso absoluto. Pode parecer simples, mas não é, então cuidado.

 

Seokjin assentiu ouvindo HyukJae. O loiro estava ajudando ele a vestir uma camisa, fechando os botões pra si. Estava agradecendo aos céus que já estava saindo do hospital. Era pra ter saído no dia anterior, porém o doutor Lee achou melhor ficar repousando mais dois dias. A sua sorte foi que passou a tarde com Hoseok e Taehyung, que cuidaram de si. Ou pelo menos tentaram, já que os três quase colocaram fogo o hospital.

O Kim ficou triste em saber que ambos viajariam pra China naquele mesmo dia, mas desejou toda sorte pro Jung.

 

− DongHae-hyung também viajou?

 

Hyuk sorriu e assentiu.

 

− Já tô com saudades do meu peixinho.

− O amor é lindo. – Jin sorriu. – Tenho certeza que ele vai sentir a sua falta também.

− Assim espero. Acho que ele vai se encontrar com o HeeChul, então eu fico mais tranquilo.

− É verdade! Pega meu celular ali hyung! Eu vou ligar pro Hope e Tae pra avisar eles. Quem sabe o Chul-hyung não cuida deles né?

 

EunHyuk assentiu e foi até a mochila do mais novo, pegando o celular.

 

− Eu vou buscar o pessoal que veio te buscar. – o mais velho entregou o celular.

− Quem veio? – Jin franziu o cenho.

− Quem você acha? – o médico abriu seu sorriso gengival e saiu do quarto.

 

O herdeiro apenas suspirou e sorriu minimamente. Desbloqueou o celular e ligou pro amigo, torcendo pra que ele atendesse, o que não demorou muito.

 

− Alô?

− Tae?

− Oi hyung, tudo bem? Aconteceu alguma coisa?

− Não, eu tô bem. Já tô saindo do hospital. Hein, você estão com o Hae-hyung. Sabe que o lugar onde vocês vão é perto da casa do Heechul, né?

− Oh, é verdade! – o mais novo riu.

− Então. Quando eu chegar em casa eu ligo pra ele avisando. O professor vai pra lá eu acho, então vocês podem ir juntos. Não vão se perder na China, pelo amor de Deus. – SeokJin indagou preocupado.

− Pode deixar hyung. Amamos você e vê se cuida desse machucado aí. Vou desligar porque nós vamos embarcar.

− Ok, tchau. Manda um abraço pro Hope.

− Ele te mandou um beijo.

− Tchau.

 

Jin desligou o celular e sorriu, imaginando Jung Hoseok e Kim Taehyung perdidos na China. Seria cômico e terrível ao mesmo tempo. Sentou-se na cama e suspirou alto. Queria apenas chegar na casa do seu amigo e dormir. Não que a cama do hospital fosse desconfortável, mas preferia uma cama.

A porta foi aberta, e Hyuk entrou acompanhado de duas pessoas conhecidas do herdeiro.

 

− Jinnie! – Yoongi entrou no quarto e se aproximou do afilhado, abraçando ele.

− Não me aperta muito não, hyung. – o Kim riu, abraçando ele. – Me tira daqui pelo amor de Deus.

− Assim você me fende. – Eunhyuk fez um bico.

− Nada contra você hyung, é que eu não fui feito pra ficar preso.

 

Os quatro riram. Os olhos de SeokJin se encontraram com o de seu pai e ambos sorriram pequeno.

 

− Agora pode ir pra casa tranquilamente. Apenas siga as ordens que te passei, volte semana que vem e eu tiro seus pontos. – o Lee orientou.

− Não se preocupe hyung. Obrigado por cuidar de mim.

− Não tem de quê.

− Eu tô com fome. Podemos passar no McDonald’s? Eu preciso um hambúrguer gigante.

− Vou mandar uma mensagem pra Jess preparar um pra você. – Suga sorriu, caçando o celular no bolso.

− M-Mas eu não vou pra casa. – o herdeiro se encolheu, vendo o olhar de NamJoon ficar sério. – Eu vou pra casa do Hobbie, eu estou com as chaves e...

− Você vai pra casa. Pra SUA casa. – o Kim interveio, se controlando pra não gritar.

− Se for pra ficar sozinho sem auxílio de ninguém, eu acho melhor você ficar aqui, Jin. – HyukJae disse calmo. – até você tirar os pontos.

 

O herdeiro apenas suspirou.

 

− Eu não tenho escolha.

− Ótimo. Podemos passar na faculdade pra buscar o Hope e o Tae pra almoçarmos lá em casa. – Yoongi sorriu animado.

 

SeokJin franziu o cenho.

 

− Hyung. Eles não estão aqui.

− Ué? Foram pra onde? – o de cabelos pretos indagou.

 

Jin suspirou alto.

 

− Me diz que você não se esqueceu da viagem deles.

 

O celular de Yoongi foi ao chão e seus olhos dobraram de tamanho. Ficou mais pálido do que o normal.

 

− Quem é o rei dos vacilos agora, hein? – NamJoon começou a rir com HyukJae.

− Meu Deus, eu não acredito. E-Eu fiquei ocupado, adiantando as coisas porque eu vou viajar hoje pra ver a Ming... Meu Deus, como eu sou um merda!

− Por isso que o Taehyung tava tristinho.

 

O coração do Min doeu. Como pôde ser tão insensível a ponto de esquecer a viagem do Hoseok!

 

− Vamos embora Suga, quando você chegar lá você pensa em como consertar essa droga toda. – NamJon indagou se aproximando do filho. – Hyuk, cara, obrigado por cuidar dele.

− Por nada. Eu ajudo vocês, meu plantão já tá acabando.

 

Os quatro caminhavam pelos corredores do hospital. Yoongi ficou em silêncio se martirizando por dentro pela merda que tinha feito. O Kim loiro mantinha seus braços ao redor de SeokJin, segurando um casaco sobre ele. O médico passava todas as indicações pro herdeiro novamente.

Quando chegaram até a recepção tomaram um susto quando viram vários repórteres fervorosos com suas máquinas do lado de fora do hospital.

 

− Ai, droga...

 

-;-

 

 

− Quero vocês saudáveis e bem alimentados. O dia vai ser corrido hoje. Kai, Yeye, amor, ajudem o Jimin no que ele precisar. Tenham paciência com ele.

− Pode deixar hyung.

 

Jimin se sentia nervoso. Estava tomando café da manhã, com todos à mesa, e naquele dia ia desfilar pela primeira vez na passarela.

Depois de fotografar no dia anterior, o Park foi pra faculdade, chegou em casa e desmaiou na cama, acordando apenas no dia seguinte. Não sabia nem como conseguiu dormiu já que estava muito nervoso.

 

− Vai dar tudo certo e eu estarei lá pra apoiá-los. – Heechul não parava de falar, já que seus irmãos, Jimin e Siwon desfilariam. – Vamos sair daqui a pouco.

 

O celular de Heechul começou a tocar, então ele pediu licença e se levantou.

 

− Vai ser legal Jimin, você vai ver. – Siwon sorriu, passando confiança pro mais novo.

− Se prepare, porque à noite temos uma festinha, e é das boas! – Yesung sorriu maliciosamente.

− Eu já tô vendo eu rodeado de modelos... Eu realmente amo o que eu faço! – JongIn suspirou aliviado.

− Se prepare Jimin!

 

O Park riu e encarou o Kim mais velho que começou a contar suas experiências, lembrando de coisas engraçadas que lhe ocorreram. Siwon entrou na conversa e também deu algumas dicas pro garoto que tentava gravar tudo em sua mente. Não queria errar e decepcionar ninguém.

HeeChul voltou com um sorriso nos lábios e se sentou na cadeira.

 

− Tenho uma notícia. – o mais velho disse, bebericando o café. – Temos visita!

 

-;-

 

SeokJin caminhava em direção à porta de sua casa. Fazia alguns dias que não aparecia por lá, e não podia negar que estava com saudades dali. NamJoon estava todo atencioso consigo, ficou colado a si quase o tempo todo, com medo de que algo lhe acontecesse.

O loiro abriu a porta e ambos entraram sendo seguidos de Yoongi que não tinha nenhuma expressão no rosto.

 

− Me leva na cozinha. – o mais novo pediu.

− Você precisa descansar Jin.

− Por favor, Nammie. – o herdeiro fez manha e claro que o loiro cedeu.

 

Caminharam até a cozinha, encontrando Jessica com um avental. Assim que a ruiva viu o afilhado, correu até ele, pra abraçá-lo com cuidado.

 

− Jin!

− Noona! Que saudade!

 

A mais velha sorriu e encarou o rosto do herdeiro.

 

− Nunca mais faça isso! Eu quase morri. Bom, não vou brigar agora, você precisa descansar. Eu preparei o seu hambúrguer.

 

Os olhos do mais novo se arregalaram e um sorriso surgiu nos lábios. Ele assentiu e pediu pra sentar na cadeira. Jessica começou a caminhar pra lá e pra cá, colocando a mesa. O loiro se sentou ao lado do filho e Yoongi se sentou de frente pra eles.

 

− Suga, pelo amor de Deus, melhora essa cara.

− Não dá cara, não dá!

− Eu ia dizer pra você ir pra China, mas tem a Ming... Foda cara, não sei como te ajudar. – NamJoon suspirou, encarando o amigo.

− Eu tô ferrado. Tae e Hobi estão putos comigo. Como eu pude esquecer a droga da viagem? – o Min queria bater com a cabeça no vidro da mesa.

− Não se preocupe oppa, a Yuri foi também, então eles não vão se perder lá. – Jessica se aproximou com os pratos, colocando nos lugares da mesa. – E outra, eu avisei pro HeeChul-oppa que Yuri e os meninos estão indo pra lá, e ele me garantiu que vai cuidar deles. Ah! Falando nisso, o Jimin vai desfilar pela primeira vez hoje!

− Sério? Eu vi as fotos que ele tirou com a Taeyeon e pra Balmain, Deu até um orgulho do meu hyung! – SeokJin disse animado.

− Ele tá maravilhoso! – a Jung sorriu. – Ele tá dando o melhor dele e...

− Pera aí! – Yoongi se levantou com os olhos arregalados. – Pra onde você disse que eles vão?

− Pra casa do Heechul e do Siwon. – Jessica franziu o cenho, vendo o desespero nos olhos do amigo. – Por quê?

− Puta que me pariu!

− Nossa! Coitada da senhora Min! O que foi? – Namjoon perguntou.

− Nada! Só o simples fato que JongIn e JongHoon são irmãos do HeeChul e provavelmente quase moram lá com ele? – Suga indagou irritado, voltando a se sentar.

− Vish...

− Que merda!

− Calma Yoongi. O que têm o Kai e o Yesung? – Sica questionou.

− Os hyungs têm uma quedinha por TaeHope. – SeokJin reprimiu um sorriso e respondeu por ele. – Eles deixaram isso bem claro, só você que não percebeu noona.

− É, acho que você se fodeu oppa. – ela sorriu amarelo e se afastou pra pegar a comida.

− Jin-hyung!

 

JungKook apareceu de pijama na cozinha e foi correndo até o primo, que se levantou com cuidado. O menino Jeon o abraçou apertando esquecendo dos pontos.

 

− Que bom que está bem hyung!

− Eu também, mas pode me soltar ou eu vou ter que voltar pro hospital.

 

Os dois riram e se afastaram. Jungkook sentou ao lado de Suga e pegou o suco de laranja.

 

− Voltou pra ficar né hyung?!

− Quê? N-Não. Eu vou ficar até tirar os pontos. – SeokJin respondeu tentando ignorar o olhar irritado de seu pai.

− Isso é bom, porque teremos que aumentar a casa. – ele sorriu. – A família tá aumentando.

− Ah, então meu quarto vai ser do filho do NamJoon? – arqueou uma sobrancelha, quase levantando e indo embora.

− Não! Bom, não sei onde o SEU irmão vai dormir, mas o MEU irmão vai pro seu quarto. – o maknae sorriu travesso

 

Jin arregalou os olhos.

 

− Mentira?!

− Verdade! Vamos ter que dividir nossa herança com mais duas crianças, acredita nisso?

− Céus, eu não acredito! Cadê a tia?

− Viajou com o pai.

− Que legal! – SeokJin comemorou, mais ainda quando Jessica colocou o prato com um hambúrguer grande e com várias batatas fritas ao redor. Colocou pros outros três na mesa que não demoraram pra começar a comer.

 

-;-

 

 

Yuri pegou suas malas e colocou no carrinho. Tinha acabado de chegar à China com a turma e o professor e estava animada e ansiosa pela apresentação que seria no dia seguinte. Olhou pra trás e viu Taehyung e Hoseok vindo em sua direção, com as cabeças baixas. Estranhou já que o voo inteiro eles ficaram sentados e quietos.

A morena se aproximou dos dois que apanhavam suas malas.

 

− O que vocês dois têm?

− Huh?

− Estão quietos demais.

 

O Jung suspirou e sorriu fraco.

 

− Nada. Depois te contamos.

 

O professor se aproximou dos três, sorrindo como sempre.

 

− Olá garotos. Acabei de ligar pro Heechul e ele mandou nós irmos pra casa dele. – DongHae disse. – Ele disse que não vai estar lá porque vai estar ocupado, mas deixou uma surpresa nos nossos quartos e disse pra gente se arrumar pra de noite. – o Lee franziu o cenho sem entender.

− Ué? – Taehyung estranhou, mas deu de ombros.

 

Caminharam em direção a van que levariam os alunos pro hotel onde ficariam hospedados. Não demorou muito e logo chegaram ao destino. Era um hotel grande, bonito. Os alunos ficaram maravilhados e mal esperavam pra entrar no local.

Todos foram recolhendo suas malas, caminhando até a recepção pra pegar as chaves do quarto. DongHae estava orientando todos pedindo cuidado e que eles cuidassem das chaves. Sentiu alguém lhe chamar em um inglês não muito bom, porém compreensível. Virou-se e viu um senhor sorrindo timidamente.

 

 − O-Olá. Você por um acaso é o senhor Lee DongHae?

− Sim. – sorriu. – E o senhor?

− Yan Chang. – ele fez uma leve reverência. – Sou motorista do senhor Kim Heechul. Ele me mandou buscar vocês.

 

O mais velho entregou o celular pro Lee que atendeu.

 

− Alô?

Hae? Que bom que chegou. Esse é o meu motorista e ele vai levar vocês todos pra minha casa. Tem quarto pra todo mundo e tem uma surpresa pra vocês. – o mais velho começou a falar em chinês com outra pessoa. Hoseok e Taehyung riram da cara que o professor fez. − Tá. Apenas vão pra minha casa e descansem. Ah! Tem um desfile e uma festa e todos vão. O Chang vai levar vocês. Passa pra Yuri.

 

 Lee revirou os olhos. Tinha esquecido como o Kim era extremamente educado.

 

− Pra você Yuri.

 

A morena se aproximou e pegou o celular.

 

− Alô?

− Oi querida, tudo bom contigo?

− Olá oppa! Estou bem.

− Ótimo. Você usa vestidos, né? – perguntou o Kim.

− Olha... Uso, muito raramente. Tipo, em ocasiões especiais.

− Então beleza. DongHae vai explicar tudo pra vocês. Agora eu tenho que ir. Vejo vocês quatro  à noite na festa.  

 

Quando a Kwon ia questioná-lo, a chamada foi encerrada. Ela entregou o celular pra DongHae, que entregou pro motorista.

 

− Podemos ir? – o velho perguntou.

− Claro! Hoseok, Taehyung, Yuri. Vão colocando as malas no carro que eu já tô indo. Vou só avisar o pessoal.

 

Os mais novos assentiram e seguiram o motorista.

Hope e Taehyung ainda estavam pra baixo, já que Yoongi sequer tinha se lembrado deles nos últimos dias. Não tinha ligado nem pra se despedir, só tinha mandando uma mensagem avisando que estaria muito ocupado, já que adiantaria as coisas na empresa devido à viagem com Ming.

Yuri notou o clima triste e suspirou. Os três entraram no carro enquanto aguardavam o professor.

 

− Gente, vocês estão bem? – Sabia que não, mas queria iniciar uma conversa.

− Queria estar.

− Aish. Foi o Yoongi?

− Quem é Yoongi? Eu quero esquecer que esse ser existe. – Taehyung cruzou os braços e baixou a cabeça.

− Tentem melhorar a carinha de vocês. Pensem que vamos arrasar na competição, ok?

 

Hope sorriu meio triste, tentando se animar.

 

− Esse prêmio é nosso!

− Isso mesmo! – ela sorriu. – Vamos nos animar, porque acho que temos uma festa pra ir de noite.

− Festa? – Tae encarou a morena ao seu lado.

− É. Acho que foi isso que o oppa disse. Aproveitei essa festa. Curtam e esqueçam os problemas de vocês.

 

Taehyung e Hoseok se olharam cúmplices, sorrindo de canto.

 

− Acho que você tem razão noona. – O Kim passou a mão pelos cabelos. – Vamos curtir, à nossa maneira.

 

-;-

 

 

SeokJin estava deitado em sua cama, dando graças à Deus por estar ali. Odiava hospital e não aguentava mais encarar as paredes brancas. Respirar um ar que não tivesse cheiro de remédio era maravilhoso.

Tudo parecia estar perfeito, apenas o incomodo de não conseguir dormir de lado devido os pontos, já estava morrendo de medo daquilo enroscar e doer mais ainda. Contentou-se em virar-se do outro lado e sossegar. Quando ia fechar os olhos pra dormir viu a porta se abrir lentamente. Fechou os olhos rapidamente. Não queria ter que conversar com ninguém sobre o ocorrido na estação de metrô e muito menos com NamJoon.

Ouviu a porta ser fechada e passos calmos e cada vez mais próximos de si, e não demorou muito também pra que sentisse seu colchão afundar. Manteve a calma e continuou de olhos fechados. Sentiu uma respiração perto de seu rosto e aquele perfume inconfundível invadir suas narinas

 

− Eu sei que está acordado Jin. – a voz rouca e calma de NamJoon fe o seu corpo se arrepiar.

 

Se xingou mentalmente por não conseguir disfarçar. Apenas abriu os olhos lentamente, vendo que o loiro estava ali deitado na sua frente com o rosto perigosamente perto do seu. Ambos ficaram em silêncio por alguns segundos, encarando o rosto um do outro.

 

− Vai começar com o sermão agora ou mais depois? – Jin perguntou baixo.

 

O loiro apenas sorriu, levando sua mão até a bochecha dele, deixando um carinho ali. Claro que o mais novo corou.

 

− Tão arisco. Sabe que eu amo isso em você. Na verdade eu amo tudo em você, então qualquer coisa que fizer eu vou amar. – respondeu sincero. – Eu não vou brigar com você e nem vou fazer um monte de perguntas. Quero apenas ficar aqui com você.

− Você não tem que ir trabalhar? Não se esqueça que agora você tem um filho pra criar. – o herdeiro indagou, mas num tom de provocação.

− Como se eu precisasse. – sorriu convencido.

 

SeokJin revirou os olhos, porém manteve um sorriso tímido nos lábios.

 

− Você já foi mais humilde.

− E você mais obediente.

− Como se você não me conhecesse. – o moreno abriu mais o sorriso.

− Da próxima vez eu vou te deixar trancado numa jaula. Quero ver se não vai me obedecer.

− Eu cavo um buraco no chão e saio tranquilamente.

 

NamJoon arqueou a sobrancelha e viu o filho rir.

 

− Eu vou atrás de você nem que seja no inferno. – o loiro completou, roubando um selar do outro, que apenas fechou os olhos.

 

Entendeu aquilo como uma permissão, então continuou a beijá-lo, dando selares longos e algumas mordidas nos lábios bem desenhados que tanto amava. Jin levou sua mão até o ombro dele, acariciando de leve.

 

− Alguém pode nos ver. – disse baixinho, se afastando minimamente do loiro.

− Acho que não tem ninguém em casa.

− Mesmo? – o herdeiro sorriu de canto, dessa vez roubando um selar longo dele.

− Sim. – Quando NamJoon sentiu a mão do mais novo deslizar pra baixo de seu corpo, a segurou e sorriu, vendo a expressão confusa do moreno. – Não vou fazer nada com você. Não com você nesse estado.

− Aish. Eu não estou doente! – resmungou o mais novo.

− Você não pode fazer força bebê. Eu não vou fazer nada, não adianta. – o loiro sorriu e beijou o bico que ele fazia. – Vamos ficar assim, juntinhos. Eu estava com saudades de você, do seu cheiro.

 

SeokJin sorriu e se encolheu nos braços de NamJoon, abraçando-o. Fechou os olhos e suspirou baixinho, sentindo o carinho dele nas suas costas, acabando por pegar no sono mais rápido do que imaginava.

 

-;-

 

 

JungKook chegou à mansão e jogou sua mochila na sala. Foi até a cozinha e abriu a geladeira, já que estava morrendo de fome.  

Tinha ido à faculdade pra fazer a droga de uma prova teórica e logo voltou. Quis matar o professor que obrigou a todos que estavam em recuperação, a comparecer depois na parte da tarde só pra fazer a prova. Pegou um refrigerante e fechou a geladeira. Foi até o armário e pegou um pacote de cookies, então caminhou até a sala, se jogando no sofá e ligando a televisão.

Rezou pra que estivesse passando algum filme descente pra que pudesse assistir o resto da tarde. Ouviu a porta abrir e logo se fechar, porém continuou concentrado na TV.

 

−... Aish, Channie. Não seja idiota!

 

Virou pra trás e viu seu amigo.

 

− Baek?

− Kook! Tudo bem? – sorriu amarelo.

 

Logo Chanyeol apareceu atrás do loiro, encarando JungKook.

 

− E aí?

− O que você tá fazendo? – o Park abraçou a cintura do Byun e caminhou com ele até o sofá vazio, então sentou com ele em seu colo.

− Tô achando algo que preste pra assistir. – o herdeiro indagou, com a boca cheia.

− Não era hoje que o Jimin ia desfilar Chan? – Baekhyun perguntou e o viu revirar os olhos.

− Quê? O Jimin vai desfilar? – Jungkook se sentou no sofá afobado.

− É. Vai. – Chanyeol apertou a bunda do loiro em seu colo que resmungou.

− Como assim? – o Jeon colocou a lata de refrigerante na mesa.

 

Chanyeol suspirou alto e colocou o loiro no sofá ao seu lado, pegando o celular no bolso. Tinha conversado com o primo pela manhã e ele tinha avisado.

 

− O hyung disse que vai desfilar pra uma marca famosa na China e que parece que tem um canal aí que vai fazer a transmissão. – indagou.

 

Jungkook pegou o controle e começou a procurar o canal desesperadamente.

 

− Que horas que ia começar?

− Ele disse que ia começar quando aqui fosse de tarde. Eu sei lá como é a droga do fuso horário da China.

 

O herdeiro mordeu os lábios aflito. Queria muito ver como Jimin estava. Tinha visto as fotos das sessões que ele tinha feito e quase morreu de tanto ciúmes quando viu ele com Taeyeon. Queria tanto estar no lugar dela, queria tanto estar com ele.

 

− Ali! Volta dois canais. – Baekhyun pediu exasperado e o maknae assentiu.

 

Jungkook suspirou pesado, sem tirar os olhos da televisão. O canal transmitia o desfile ao vivo com os comentários de alguns apresentadores que por sorte falavam em inglês. Chanyeol agradeceu mentalmente, já que ele não sabia nada de chinês. Baekhyun escorou a cabeça no ombro do maior, enquanto assistia a tudo.

O Byun arregalou os olhos quando viu Luhan entrando na passarela. Automaticamente lembrou de Sehun e quis  arrancar os próprios cabelos. Viu que o local estava cheio de fotógrafos.

Chanyeol começou a prestar atenção nos comentários que os jornalistas faziam.

 

~ Esse é Xiao Luhan, o queridinho da China! Além de modelo ele é ator.

~ Recentemente ele terminou o namoro com o dançarino Oh Sehun. Eles estavam juntos à mais de três anos.

~ Mesmo com tudo isso ele continua lindo! Ele é perfeito.

~ Exatamente. E agora entrando na passarela, Kim JongIn, mas conhecido como Kai. Bom, não temos o que dizer dele não é mesmo?

~ É simplesmente um gato que faz todos suspirarem.

~ Realmente a genética da família Kim é muito boa. Yesung está entrando na passarela agora, e eles sempre são ovacionados.

~ Heechul nunca erra. Primeiro o modelo Choi Siwon, que é seu marido. Depois seus irmãos e agora ele tem um novo modelo que já tá dando o que falar aqui na China.

~ É verdade. Park Jimin, o ex-mordomo de Kim NamJoon!

 

O coração de JungKook acelerou ouvindo o nome do seu hyung.

 

− Cadê ele? – Chanyeol resmungou.

− Calma Channie. Ele deve ser um dos últimos. – Baekhyun explicou.

− Olha lá! Meu hyung! – Chanyeol quase se levantou do sofá.

 

A televisão mostrou o momento exato em que Park Jimin entrou na passarela. Usava uma calça preta de couro, coturnos escuros e uma camiseta de mangas longas, cheias de furos chegando até mesmo mostrar seu abdômen e um casaco preto por cima. Seus cabelos estavam num topete desalinhado, tentando passar a aura de bad boy e conseguiu com sucesso.

O Jeon engoliu em seco vendo o mordomo desfilando com confiança, e com maestria. Nunca tinha visto ele daquele jeito. Jimin não estava com medo e com vergonha das milhares de câmera em sua direção. Ele deu a volta na ponta da passarela e caminhou pra voltar de onde veio.

Os olhos do herdeiro estavam quase começando a lacrimejar. Depois de dias finalmente conseguiu ver o Park, e vê-lo ali, pela televisão só fez aumentar ainda mais a sua saudade.

 

− Meu primo! Cacete! Meu primo tá desfilando! Meu primo é modelo Baekkie!

− É sim Channie. O Jimin mandou muito bem. – Baekhyun ria da animação do maior que estava pasmo.

− Ele foi bem não foi?

− Ele foi ótimo!

− Eu queria dar um abraço nele! Eu queria abraçá-lo e dizer que ele mandou bem.

− Calma Chan. Espera um pouco e depois você manda uma mensagem pra ele. Ok?

 

O mais novo assentiu e voltou a abraçar o menor, enquanto terminavam de assistir o desfile.

 

~ E claro, para fechar o desfile com chave de ouro não poderíamos esperar ninguém menos que Siwon.

~ Realmente a família Kim é maravilhosa. Eu tenho inveja do Heechul.

~ Você e mais da metade do mundo.

~ Por fim. Vamos pro comercial e mais tarde e voltaremos. Fiquei sabendo que teremos uma after party. Vamos esperar pra saber de tudo que vai rolar. Voltaremos em breve!

 

Jungkook diminuiu o volume da televisão e encarou o amigo. Baekhyun suspirou baixinho e sorriu pequeno, vendo uma lágrima solitária escorrer no rosto do maknae. Chanyeol viu que o herdeiro estava quase chorando e pediu licença, deixando os dois a sós.

O Byun apenas caminhou até o sofá e abraçou-o, confortando ele em seus braços. Sabia que não seria nada fácil pro mais novo.

 

-;-

 

Kiko caminhava com a cabeça baixa e completamente coberta com uma máscara, boné e um moletom grande. Entrou no hotel e caminhou em direção ao elevador. Suspirou aliviada pro não ter ninguém ali então tirou tudo aquilo que a cobria. Guardou na própria bolsa, aguardando o andar desejado.

A porta metálica se abriu e ela caminhou tranquilamente pelo corredor, vendo que não tinha ninguém ali. Se aproximou da ultima porta e tocou a campainha, porém não demorou pra ser atendida.

 

− Olá.

 

Não foi respondida. Apenas entrou no apartamento ouvindo a porta ser fechada atrás de si. Colocou a bolsa sobre a mesa e andou até a sala, sentando no sofá confortavelmente.

 

− O que queria comigo? – a japonesa perguntou, encarando o rapaz à sua frente.

− Por que você trata o Jin mal?

− Hum?

− Jin me disse que você o odeia e você disse que ele era quem te odiava.

− Como? Como ele te contou isso?

− Eu fui no hospital uns dias atrás e ele me contou tudo!

− Você é idiota SeokJong? Imagina se te descobrem lá? – Mizuhara indagou irritada.

− Eu sei o que eu fiz. Eu não sou idiota! Agora me diz, o que você fez pro Jin te odiar tanto?

− Eu não tenho culpa que aquele idiota mimado me odeia!

− Não chame ele de idiota! – Seokjong se aproximou e sentou perto dela. – Eu não admito que você o ofenda!

− Que seja. – ela levantou e começou a caminhar pelo quarto. – Ele contou mais alguma coisa útil?

− Que aquele filho da puta proíbe ele de ir pra Coreia. Claro! Assim ele encontraria meus pais e descobriria a verdade. Aquele idiota manipulou o Jin todos esses anos! Como ele conseguiu? – Seokjong socou o sofá e suspirou.

− NamJoon é esperto, mas não é tanto assim. Só que SeokJin o idolatra. Desde criança. – a japonesa se aproximou novamente, sentando no colo do Kim. – Jin é completamente cego pelo Nam, ele o vê como um deus, ou um herói.

− O que ele não é!

− Exato. E nós vamos nos encarregar de revelar isso pra ele. Você vai ficar com seu irmãozinho pra sempre e eu com o NamJoon e nunca mais nos veremos. Isso não é fantástico.

− Não antes de eu acertar minhas contas com aquele idiota. Eu vou arrebentar aquele cara.

 

-;-

 

Yesung, JongIn, e Jimin estavam dentro do carro à caminho do hotel onde seria a festa. O Park estava mais animado do que nunca, já que deu tudo certo e só ouviu elogios, desde modelos, staffs, dos figurinistas e dos próprios estilistas.

Tinha visto tanta gente que ficou meio perdido no começo, mas todos foram receptivos consigo.

 

− Cara! Só tem comentários seu na internet. – JongHoon mostrou o celular pro mais novo que arregalou s os olhos, quando viu seu nome no Twitter.

− Nossa... Quanta gente!

− Jimin, tinha umas três modelos de olho em você e uns dois caras também que estava te secando e você tava viajando. Tem que ser mais esperto dongsaeng. – JongIn indagou, sorrindo logo após.  

− E-Eu nem percebi. Estava nervoso no camarim e não notei. – se justificou.

− Estamos chegando.

 

Os três olharam pra fora do carro, vendo a entrada do hotel cheia de paparazzo. O Park olhou pro teto solar do carro e viu o céu estrelado e a lua cheia iluminando. Sorriu infantilmente, agradecendo, como se a lua tivesse lhe ajudado.

 

− Vem Jimin. É hora do show. – Yesung sorriu.

 

A porta do carro foi aberta e os três se arrumaram, ajeitando o cabelo e as camisas. Yesung saiu primeiro, sendo seguido do irmão e depois de Jimin. Pararam por alguns instantes enquanto eram fotografados.

 Logo seguiram para o saguão do hotel, onde os organizadores pra que os recepcionassem até o salão da festa. Encontram Heechul e Siwon, posando pros fotógrafos que estavam lá dentro e aguardaram eles dois.

 

− Heechul, temos que fazer algumas perguntas. Onde você descobriu Park Jimin?

− Bom, que tal o chamarmos pra responder também? – o Kim sorriu, encarando o Park, que assentiu e se aproximou do mais alto.

− Bom pessoal, esse é Park Jimin, o meu novo modelo e amigo. Um dos meus filhos, vocês sabem. – ambos sorriam.  – Vão com calma nas perguntar, por favor.

− Jimin, qual é a sensação de desfilar pela primeira vez com modelos tão experientes? – uma moça com um celular perguntou.

− Boa noite a todos. – ele respirou. – Bom, é uma honra estar aqui. Eu jamais imaginei que faria isso. É algo incrível e eu estou muito feliz. É uma honra.

− Jimin o que você acha da China? Sabemos que você está fazendo uma faculdade aqui, certo?

 

O Park notou que o rapaz que perguntava era chinês.

 

− Bom, eu ainda não consegui visitar os lugares, mas acredito que farei isso em breve. E sobre a faculdade, é maravilhosa. Todos cuidam bem de mim mesmo que eu não saiba completamente o idioma. Estou me esforçando.

− Jimin como se sente agora? Você era o mordomo do senhor NamJoon até alguns dias atrás e de repente se torna um modelo de sucesso. Fiquei sabendo que amanhã você tem um ensaio pra Vogue da China.

− Eu ainda estou tentando ajeitar tudo na minha cabeça. É muita coisa, eu confesso, mas eu me sinto feliz. – repsondeu.

− Você antes trabalhava pro magnata Kim Namjoon. Por que resolveu deixá-lo pra virar modelo? Vocês se desentenderam ou algo do tipo?

− Não! De forma alguma. – Jimin sorriu. – NamJoon-hyung é uma das melhores pessoas que eu conheço. Ele sempre me apoiou e me apoia até hoje.

− Eu quem falei pro Kim que Jimin tinha chances como modelo, e ele o apoiou totalmente. NamJoon só tem aquela cara de carrasco, mas no fundo ele é um babão, tá todo orgulhoso do Jimin.  Ele não conseguiu vir hoje porque conta de imprevistos, mas mandou um monte mensagens pra todos nós, nos desejando sorte. – HeeChul respondeu a aos vários repórteres que estava ali com seus microfones.

 

O mais novo estava um tantinho nervoso, mas dava as entrevistas de forma tranquila. Respondia tudo que era lhe perguntado e sorria.

 

− Agora se vocês nos dão licença, nós temos uma festinha pra curtir. –o Kim sorriu. – Obrigado à todos.

 

HeeChul pegou o braço do mais novo e ambos caminharam pra dentro no hotel onde seria a festa.  Já era possível ouvir a música do hall de entrada. O Kim conversava no telefone com o marido pra tentar localizá-lo. Ambos entraram no salão onde já tinha muita gente. Jimin encarou o lugar vendo alguns olhares em si.

Se fosse antes ele ficaria corado de vergonha, mas agora não. Sentia-se confiante, mesmo que por dentro estivesse como uma criança pulando de alegria por estar seguindo o que lhe fora ensinado.

 

− Jimin! – Viu os irmãos do seu hyung aparecerem com um copo de bebida cada um. – Jimin que bom que você chegou!

− Tinha tanta gente me perguntando as coisas. − sorriu sem graça.

− Acostume-se! Hoje é dia de aproveitar. Você não vai acreditar o tanto de gente bonita que tem aqui!

− É a gente sabe! – Heechul respondeu. – Viram quem está aqui?

 

Os três olharam pra onde o mais velho apontou e viram Yuri, DongHae, Taehyung e Hoseok perto do bar.

 

− Como assim?

− Me diz que isso é real. – JongIn arregalou os olhos.

− Parem de babar! Eu não disse que tinha visitas? – HeeChul revirou os olhos.

− É. Só esqueceu de contar esse pequeno detalhe hyung!  – Yesung sorriu grande. – Você bem que podia tirar o Yoongi de cima deles né, Jiminie?

− Nem vem JongHoon! Hoje é dia do Jimin se divertir! – Chul resmungou. – Ele não é cupido.  

− Aish. Alguém tem que tirar o Suga de lá. Eu quero dançar com o Tae! – Kai reclamou.

− Pra sua informação o Yoongi não veio.  Agora por favor, socializem e orientem o nosso Jimin. Cuidem dele e sem ficar oferecendo ele como se fosse um prêmio. Qualquer coisa me chame.

 

HeeChul se afastou deixando seus irmãos e o Park ali. Jongin sorriu maliciosamente para o menor.

 

− Aish...

− Jimin, vamos pegar uma bebida pra você e depois vamos passear por esse paraíso, vamos achar os dois gatinhos.

− Yesung-hyung...

−Só um pouquinho. Ninguém aqui vai ficar bêbado, não é verdade Kai?

 

Os dois olharam pro moreno que estava milagrosamente com três copos de whisky nas mãos.

 

− Quê? – o loiro perguntou encarando os dois menores.

− Todos exceto meu irmão. Agora pegue um copo e vamos brindar. Tem um monte de gente olhando pra você. – Yesung disse baixo perto do ouvido do mais novo.

− Se prepara Jimin. Não dou nem cinco minutos pra alguém...

− Kai? Yesung?

 

Os três viraram pra trás. Os irmãos Kim sorriram automaticamente assim que viram a bela moça. Jimin já tinha visto ela no desfile de mais cedo.

 

− Taylor! – o Kim mais alto se aproximou e abraçou a cintura da moça que sorriu.

− Estávamos procurando vocês! O garoto que está dançando... Ele tá dando um show na pista de dança!

− Hoseok? – Yesung arregalou os olhos.

− É um ruivinho. – ela respondeu.

− É o próprio. – JongIn riu. – Acho que eu vou me juntar à ele.

− Hey! Não sejam mal educados e me apresentem ao amigo de vocês! – a modelo fez um bico.

− Ah, perdão! Taylor esse é o Jimin. Park Jimin. É o novato. – o maior deu um sorrisinho. − Jimin, essa é Taylor Hill. Uma das angels mais lindas que pode existir!

− Não seja puxa saco Kai! – ela revirou os olhos e encarou o mais novo. – Olá Jimin. Você mandou bem hoje!

− Obrigado. – ele sorriu simpático. – Você também. O pessoal foi à loucura quando você desfilou.

− O papo tá ótimo, mas vamos pra pista?

 

Yesung revirou os olhos ao ouvir o irmão e o puxou pelo braço, xingando-o. Jimin ficou a sós com a moça que era um pouco mais alta que si, devido ao salto que usava. Ela era belíssima, o Kim não estava mentindo. Taylor tinha os cabelos castanhos e olhos azuis, usando um vestido curto branco, completamente linda. O Park se viu um tanto perdido, olhando pra ela.

 

− Quer me acompanhar? Eu quero ver Jongin bancando o dançarino. – a modelo riu e Jimin acordou de seu transe.

− Claro! – ele estendeu o braço pra que ela enganchasse.

 

Os dois caminharam entre as pessoas. Hill não soltou dele. O menor viu uma aglomeração então se aproximou, pedindo licença, até que os dois viram Hoseok e JongIn dançando com várias pessoas gritando. A música tinha uma batida sensual e principalmente as mulheres gritavam. Jimin conseguiu ficar na de frente pros dois e sorriu, puxando Taylor pra que ficasse ao seu lado. Temeroso, levou a mão até a cintura da moça.

O Park assim como o resto, continuou vendo os dois dançando. JongIn já tinha largado seu copo com o irmão, que já tinha bebido o líquido. Yesung, que estava babando por Hope, negou e riu quando viu o mais novo jogando os cabelos pra trás, arrancando suspiros.

Hoseok não ficava pra trás. As pessoas comentavam sobre o quão “o modelo do Yoongi” dançava bem. Taehyung que estava do outro lado, gritava o quanto seu namorado era gostoso. 

Os olhos de Hope pararam em Jimin, que sorriu grande. O Jung sussurrou algo no ouvido de Jongin que sorriu maliciosamente. Os dois caminharam em direção ao Park que arregalou os olhos na hora.

 

− Vem Jimin. Vamos mostrar o que a Coreia do Sul tem de melhor! – Hoseok sorriu.

− Quê? Não...

− Você dança também? – Taylor perguntou com os olhos arregalados e um sorriso lindo que desconcertou o Park.

− Eu... Não...

− Dança sim! Vem logo. – Kai puxou a mão do menor, levando até o meio da pista.

 

Jimin queria matar os dois, porém se conteve, vendo que as outras pessoas começaram a gritar seu nome pra incentivá-lo. Fechou os olhos e suspirou, começando a se movimentar no ritmo da música. Um sorriso pequeno surgiu nos lábios do Park, vendo que todos vibravam.

Taylor sorriu ao ver que ele dançava sensualmente. Mordeu os próprios lábios ao ver o menor passar a mão pelo abdômen coberto pela camisa preta. Sorriu mais ainda quando Kai e Hope tentaram levantar a camisa do Park, porém ele não permitiu.

Os três continuaram a dançar de forma sexy. Nesse momento, vários celulares estavam filmando, tirando fotos e até mesmo transmitindo ao vivo em seu Instagram. Infelizmente a música chegou ao fim, e todos os presentes aplaudiam sem parar. Kai, Jimin e Hoseok agradeciam e sorriam.

 

− Jimin! Wow,você mandou muito bem! – Taylor se aproximou, vendo o menor sorrir.

 

Os dois se encaram por alguns segundos, então Jimin puxou a cintura dela com delicadeza, aproximando os lábios perto da orelha dela.

 

 − Quer dançar comigo?

 

Taylor assentiu sorridente, colocando as mãos sobre os ombros do rapaz e deixando que ela lhe guiasse. Tomado por uma coragem que não era sua, Jimin se aproximou mais da morena, segurando o queixo dela com delicadeza, sem demorar pra selar os seus lábios.

 

 

-;-

 

JungKook tinha tomado banho e estava deitado em sua cama. Depois de ficar abraçado com o amigo apenas pediu pra subir. Sabia que Chanyeol queria ficar a sós com ele e não queria ser o empata a foda do casal.

Pegou o celular e começou a vasculhar seu Facebook. Não queria, mas não conseguia se conter. Queria sabe o que Jimin estava fazendo naquele momento, então foi na página de uma das revistas que com certeza estariam cobrindo a festa.

Começou vendo as fotos das várias modelos e de alguns atores e atrizes que foram convidados pra festa. Arregalou os olhos quando viu uma foto de Hoseok e Taehyung.  Não sabia que eles tinham ido esse espantou ainda mais quando viu Yuri e DongHae.

Deslizou as fotos e finalmente achou Jimin, que estava o lado de Heechul. Encarou a fotos por alguns segundos, vendo o quão lido ele tinha ficado com os cabelos pintados de preto. Suspirou alto e bloqueou o celular.

Cada dia que passava Jungkook tinha mais certeza dos sentimentos que tinha Park. O problema é que era tarde demais.

 

-;-

 

 

Park Jimin não podia negar que estava se divertindo muito. Só que tudo que é bom duro pouco e nesse exato momento estava acompanhando a modelo até o saguão do hotel, já que a mesma tinha que ir embora. O menor estava com um sorriso no rosto e ele aumentou ainda mais quando ela se aproximou, abraçando seu pescoço, enquanto suas mãos iam em direção à cintura dela.

 

− Queria ficar mais.

− Eu também queria. – Jimin fez um biquinho, que logo foi mordido.

− Você é encantador senhor Park.

− E você é mais ainda senhorita Hill.

− Taylor, temos que ir!

 

O assessor da modelo a gritou, enquanto carregava uma mala e uma bolsa. Ela apenas assentiu e voltou a encarar o moreno. Seus olhos desceram para os lábios dele e mais uma vez voltou a selá-los.

 

− Nos vemos por aí?

 

Jimin sorriu, roubando mais um selar da modelo.

 

− Nos vemos por aí.

 

Taylor se afastou do menor e caminhou em direção ao seu manager, não antes de acena pro Park que mantinha as mãos no bolso. Estava bobo consigo mesmo. Não porque tinha ficado com uma modelo maravilhosa, mas sim porque tinha pedido o medo de beijar outra pessoa.

Por mais que negasse, Jimin estava receoso em ficar com outra pessoa, medo de se apaixonar e acabar sofrendo, mas isso não aconteceu. Sabia que aquilo que tiveram eram apenas beijos e nada mais. Nem sequer lembrou do motivo real de ter viajado pra China. Estava mais confiante do que nunca.

 

− Hey. O que está achando da festa? – HeeChul perguntou, próximo à sua orelha, bebendo a taça de champanhe, tirando o menor de seu transe.

− Ótima. Muitos modelos famosos, que eu conhecia quando eu ia a algum evento com o NamJoon, outros eu vi no desfile e outro só por fotos. – respondeu animado.  

− Taylor é maravilhosa, não é mesmo? – o Kim sorriu maliciosamente.

− É uma pena que ela tenha que ir. Ela disse que vai pra Tailândia hoje mesmo. – explicou e o mais alto assentiu.

−Que bom que está curtindo. – o mais velho sorriu. – Bom... Eu tenho uma missão pra você.

−Missão? Qual? – de cabelos negros franziu o cenho, vendo o outro lhe abraçar os ombros pra caminhar novamente pro salão onde a festa ainda rolava.

− Aquele garoto no bar, o loirinho mais alto. Então... Quero que converse com ele. – O Kim sorriu.

− M-Mas, por quê? – Jimin olhou pra onde foi indicado.

− Quero ver se você realmente aprendeu o que lhe ensinamos.

− Quem é ele?  − Jimin tinha o visto no desfile, porém não falou com ele já que ele parecia tão distante e calado.

−Vá até lá e descubra. – HeeChul sorriu de canto.

−Mas, hyung...

− Apenas vá Jimin. – o maior acenou em direção ao rapaz.

− Como vou saber se eu estou fazendo as coisas certas?

− Se eu não aparecer lá durante os próximos cinco minutos, pra arrancar suas orelhas, ou se ele não te mandar à merda, significa que está tudo bem. Se conseguir fazê-lo conversar com você e quem sabe, sorrir, você está fazendo certo.

 

O moreno baixo assentiu. Abotoou o único botão do paletó e suspirou, caminhando em direção ao bar. Tentou não ficar nervoso como sempre ficava então relaxou os ombros. Aproximou-se do rapaz, ficando ao seu lado. Como não queria assustá-lo, virou de frente pro barman.

 

− Um whisky sem gelo, por favor.

 

Jimin usou a visão periférica para analisar o loiro. Viu que ele estava concentrado com sua taça vazia, então virou minimamente, vendo que o rapaz parecia estar em outro mundo. O Park não pode deixar de notar os olhos castanhos e pouco lagrimejados.

 

− Aqui está senhor.

− Obrigado. – o moreno pegou o copo, bebericando o líquido, pra quem sabe tomar um pouquinho mais de coragem. Sabia muito bem que HeeChul estava lhe encarando. Sentia os olhos dele em suas costas. Então levou a mão ao bolso do paletó e tirou um lenço branco, estendendo lentamente para o loiro.

 

O mais alto encarou o lenço e levou seu olhar até o Park, corando de leve ao ser pego. Estava tentando disfarçar a cara de choro desde que chegou a festa.

 

− O-Obrigado. – secou lentamente os seus olhos.

− Por nada. – tomou um gole do líquido em seu copo e suspirou. − Está tudo bem?

 

O loiro encarou o rosto do menor, tentando achar algum vestígio de malícia ou algo do tipo, mas não achou. Negou lentamente, encarando o pedaço de pano. O moreno franziu o cenho e virou o copo novamente.

Não queria forçá-lo a falar, então apenas continuou a beber o seu whisky tranquilamente.

 

− Eu... Briguei com o meu namorado. Quer dizer, ex-namorado.

 

O Park virou-se minimamente, encarando-o, vendo a expressão abatida.

 

− Ele está aqui?

− Não. Ele não veio... Ainda bem. – o maior suspirou. – Se visse aquele traidor eu o mataria. Ou ia chorar mais.

−Traidor?

−Sim. Só de lembrar eu tenho vontade de... – o loiro respirou fundo e encarou o barman. – Quero aquela garrafa de whisky, por favor. – ele assentiu. − Aquele idiota...

− Se quiser podemos parar de falar sobre isso. Não quero que fique mal. – Jimin viu uma lágrima escorrer no rosto alvo e delicado.

− Não. E-Eu acho que preciso conversar com alguém sobre isso. A maioria das pessoas estão rindo nas minhas costas, e na minha frente só dizem que tudo vai ficar bem. – ele sorriu tristonho. − A não ser que você tenha algo melhor pra fazer?

 

O moreno sorriu sem malícia.

 

− Tenho todo tempo do mundo.

 

O loiro novamente encarou o rosto dele. Acabou pegando a garrafa de whisky e despejando no copo limpo que o barman tinha  lhe entregado. Hesitou por alguns segundos, vendo que contaria algo pra um completo estranho, mas era melhor do que guardar tudo aqui pra si. Já estava bêbado mesmo, então pior do que estava não ia ficar.

 

− Eu estava gravando pra um dorama. Eu estava quase todos os dias seguidos no estúdio já que os capítulos finais estão chegando. O diretor disse que gravaríamos três finais diferentes, então isso me sobrecarregou muito, tinha vezes que eu chegava em casa de madrugada. Meu ex estava reclamando que eu não dava atenção, que estava deixando ele de lado pra trabalhar e etc. Nós começamos a brigar com frequência. – suspirou. − Nem quando éramos mais novos brigávamos tanto.

− Conhece ele há muito tempo? – O Park perguntou interessado.

− Desde os oito anos, quando ele veio pra cá. – o loiro bebericou o líquido caramelo.

− Nossa, então vocês dois se conheciam bem.

- Bom, eu achava que o conhecia. Nós passamos tantos momentos juntos. Sofremos tanto quando revelamos pros nossos pais que estávamos namorando. – o maior encarou o copo, tentando não chorar mais. – Os pais dele sempre foram mais maleáveis que os meus. Meu pai me trata com indiferença até hoje. – suspirou. − Enfim, faz um mês e pouco que ele me avisou que tinha que viajar pros Estados Unidos pra uma competição importante e pediu pra que eu fosse junto. Foi mais uma briga, porque eu não podia. Ele não entendia que o eu não poderia deixar meu trabalho quando ele quisesse. Queria que eu vivesse a mercê dele, entende?

 

O moreno riu baixo e negou com a cabeça.

 

− Queria você à disposição vinte e quatro horas, que acatasse as suas ordens e não se importava com o que você sentia. – Jimin completou

− Wow. É-É, isso mesmo. Como sabe disso?

− Eu já passei por isso. – o mais baixo sorriu sem graça.

− Sério? Está com ela ainda?

− Não estamos mais juntos. E... É ele.

 

O loiro arregalou os olhos levemente, mas desviou o olhar, voltando a beber mais um gole do seu whisky.

 

− Você é da onde?

− Nova York.

− E ele, veio? – o loiro perguntou, virando de frente pro mais baixo.

− Não. Eu vim no intuito de me afastar. E também por insistência do HeeChul-hyung...

− HeeChul? – o loiro franziu o cenho. – Kim HeeChul?

− Sim. Ele mesmo.

− Foi ele quem te mandou aqui? – O maior arqueou uma sobrancelha. Jimin coçou a nuca e corou levemente. – Inacreditável!

− Se quiser eu posso ir embora. – o moreno disse num tom meio vacilante, se afastando, quando sentiu os dedos finos e longos do outro tocar seu pulso.

− Não! Não. Você... Você é o quarto cara que provavelmente o Heechul-hyung mandou aqui, e foi o primeiro que teve uma conversa de verdade comigo. – sorriu sem graça.

− O que aconteceu com os outros três? – Jimin riu.

− Mandei embora.

− Por quê?

−Só queriam me levar pra cama. – o maior abaixou o olhar e corou. – Você não é igual a eles. Né?

 

O moreno não pode deixar de sorrir novamente com tamanha fofura. O maior era tão bonito, que Jimin passou alguns segundos a mais encarando o seu rosto.

 

− Não. Claro que não. - respondeu sincero.

− Hum... Ah, nossa... Eu não sei o seu nome.

 

O moreno riu junto com ele. Estavam tão concentrados em contar sobre as suas desilusões amorosas que esqueceram de se apresentar.

 

− Jimin. Park Jimin. E o seu?

− Luhan. Xiao Luhan.


Notas Finais


Taylor Hill: http://68.media.tumblr.com/b05588fabbd6470f4863f9ff4ce90c41/tumblr_nuzq23CSOq1uz3hp3o6_1280.jpg
Linda né?
Jimin sortudo da porra kkkkkkk

Eu precisava postar isso, então quando eu tiver coragem eu reviso de novo.
Beijos e desculpa não responder os coments.... de novo ..........

PRÓXIMO CAPÍTULO VAI TER MAIS NAMJIN! PROMETO!
Sorry
AMO VOCÊS AMORES <333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...