História Caminhando com os mortos - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Dança da Morte
Tags Apocalipse, Psicopata, Romance, Zumbi
Visualizações 11
Palavras 1.461
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Famí­lia, Ficção Científica, Hentai, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Terror e Horror
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Essa foi a re-escritura da minha História espero que gostem.

Capítulo 1 - Não confie em ninguém


Fanfic / Fanfiction Caminhando com os mortos - Capítulo 1 - Não confie em ninguém

 

2020 Atualmente tenho 19 anos me chamo Jack eu fazia faculdade de psicologia mas já fiz cursos bem diferentes disso, em fim essa história não é sobre minha vida cotidiana, mas como ela foi destruída por políticos gordos e ricos que nem se quer sabem que eu existi mas agora todos me conhecem, então acomode-se.

 

Ouve uma gerra fria em 2018 entre Rússia e estados unidos todos ficamos estasiados com essa notícia porem não queria-mos perder nossa paz então essa foi a chance para todos ficarem seguros em suas casas apenas podendo rezar e pedir a Deus misericórdia porem ele não ouviu.

 

Foi em 2019 que tudo aconteceu, eu estava em minha faculdade, nada em especial, como sempre eu achava a turma mais isolada e ficava com eles, por algum motivo eu gosto de pessoas isoladas elas tem histórias interessantes e demonstram emoções, eu estava voltando pra casa sozinho de novo, gosto de ficar sozinho na volta nunca fui de andar em bandos, pessoas causam problemas e no fim elas se tornam o problema, eu parei em uma lanchonete pra comer um risole, massa quente e macia, queijo derretido e um cheiro ótimo, eu aproveitava bastante até a TV mostrar coisas estranhas, demorou pouco pra mim perceber que a guerra fria virou um ataque em massa de algum dos países que apoiavam a Rússia, porem atacaram minha cidade Também o vírus começou a se espalhar rapidamente, quando eu ouvi isso pesquisei onde eu podia comprar mascaras de gás no caminho tive que ligar pra elá, quem é elá?

Luci uma garota que teve que ir para longe graças aos pais divorciados estúpidos, elá ficou longe de mim e nós não terminamos nossa relação por isso, porem elá esta a 7 cidades de distancia.

Depois de 3 tentativas consegui falar com elá expliquei a situação, elá não estava acreditando elá começou a chorar.

 

Luci – Droga o mundo vai conseguir mesmo acabar com tudo que gostamos?

 

Jack- eu vou te achar, sério pegue o máximo de comida e coisas do tipo enquanto ah tempo, sempre tenha uma arma escondida e fique em casa e se tranque compre mascaras de gás não morra pois eu juro que vou te achar.

 

Luci – Você tem que me prometer que não vai morrer.

 

Jack – Farei de tudo pra sobreviver.

 

Essas não foram mentiras eu nunca minto pra ela...

 

Minha família não me deixou partir sozinho e Luci disse para mim ficar em casa que ela podia esperar, eu pensei “Ok ok eu irei até lá mas não agora, ainda não é a hora”

40 dias em casa... Em apenas 10 a sociedade enlouqueceu, em 25 todos estavam se destruindo, no 35 tudo ficou quieto e então no 40 as luzes se foram.

Meu plano era ir a pé até o lugar onde fiz meu curso lá eles tinham oficinas mexiam com ferro tinham geradores, lugar ideal para minha família, os deixarei lá e seguirei meu caminho, devia ter sido simples más não foi.

Minha família consiste em meu pai minha mãe e meu irmão por parte de pai, meu irmão (4 anos mais velho que eu) é um inútil que só causa problemas, meu pai quer ter o controle de tudo ele é bem forte e se for muito irritado pode ser violento, minha mãe é o inverso dele porem sempre fica do lado dele, meu irmão quis ir procurar vadia que ele estava ficando ele amava ela porem a traia, eu simplesmente quase meti a mão na cara dele quando soube disso...

Eu ainda lembro quando tive que ir atraz dela com ele...

Eu sai de casa depois de muito tempo mortos por todos os cantos eu estava com meu velho facão e ele com ma faca de cozinha, falei pra ele dar cobertura e eu entrava pra me arriscar, se ele morrece iria comprometer o grupo pelos sentimentos (obviamente não pelos meus centimentos) quando entrei na casa dela, um cara estava em sima dela, ela sorria ambos se beijavam, fiquei sego, sociedade podre... essas pessoas devem morrer.

 

Jack – Vadia...

 

Perfurei o a espinha do cara com meu facão e puxei para sima com toda minha força fazendo o facão sair pela diaconal do pescoço dele, elá gritou Jennifer era o nome dela.

Eu bati em sua cara antes que meu irmão entrasse e vice a sena eu disse.

 

Jack – eu e meu irmão viemos te salvar, sugiro calar a porra da boca se não quiser morrer aqui.

Foi ai que eu percebi pessoas são assim... podres até em um apocalipse zumbi elas são TÃO PODRES QUANTO OS MORTOS VIVOS! Por isso eu farei um lugar melhor onde isso não exista, onde eu possa ficar com elá.

 

Eu e minha família e a vadia andamos pelos trilhos com mochilas e coisas do tipo para chegar no primeiro “ponto seguro com muita comida.

O Hospício era um lugar que eu sempre via da janela do trem quando eu ia para a faculdade, pouco antes de chegarmos, ao entardecer estavamos nos trilhos pisando em pedras e atentos para o trem não nos matar, até que ouvimos barulhos de tiro de metralhadoras, nos escondemos por um tempo e as pessoas gritavam, o exército estava executando as pessoas e nossa vila seria a próxima.

Uma mulher correu os soldados viriam atrais dela ela nós viu pediu ajuda,

estendeu a mão para mim.

A voz dela ficava em minha mente... “Sobreviva a qualquer custo ok? Me prometa jack por favor, sera que eles irão destruir tudo o que eu amo?”

eu olho nos olhos da mulher que pede ajuda enquanto os soldados vem atrás dela, (Eu sobreviverei...) levanto meu pé o mais alto possível... (...mesmo que isso custe...) jack – Apenas morra (...minha Humanidade.)

chutei a cara dela com toda minha força senti seus dentes se quebrarem, ela caiu e quebrou o pescoço, minha família não disse nada porem não pararam de me olhar.

Os guardas ficaram satisfeitos o corpo que acharam e continuamos nosso caminho, todos calados, chegando me perguntaram “o que diabos foi aquilo!?” eu falei

 

jack- Vou sobreviver a qualquer custo...

 

e simplesmente continuei quieto e fui dormir, e tive um sonho em que uma bomba no clear explodia enquanto eu abraçava Luci, e nossas peles, depois carnes e depois ossos viravam pó. Quando acordei eu estava preso em uma das camas, do maldito hospício.

Eu gritei...

Jack – MÃE! PAI! QUE PORRA ESTÃO FAZENDO?!

 

Mãe – filho é melhor assim... vamos proteger você, não é melhor assim? Por favor fique calmo...

 

eu me debatia, Não! Não! NÃO VOU FICAR AQUI DESGRAÇADOS ELÁ PRECISA DE MIM! PORFAVOR MÃE? MÃE!

 

Ela apenas foi para longe chorando, Perdi 3 semanas sem me comunicar com ela sem poder... dizer que estou bem e que amo ela.

Eles sempre me dopavam quando eu ia mijar ou algo más um dia eu achei adrenalina, e usei, minha mãe tentou me parar eu a agarrei a atirei contra a parede, ela caiu como uma boneca, quando meu pai chegou com meu irmão eu já estava preparado, amarrei a vadia namorada do meu irmão em uma das celas, quando meu irmão entrou eu bati a parte de trás do facão para machuca-lo e não mata-lo meu pai me arremessou, para o outro lado do pátio do hospício subiu em sima de mim e começou a me esmurrar, ele teria me matado... Más eu prometi pra elá...

arranquei meu canivete do meu bolço e enfiei no pescoço dele e enfiei meus dedões nos olhos dele e puxei para trás até espirrar sangue por todo o pátio do hospício.

 

Jack – Vocês deixaram a Luci preocupada comigo...

 

Abracei minha mãe enquanto lagrimas corriam pelo meu rosto, e meti uma bala na testa dela.

Amarrei Jeniffer com meu irmão dentro da cela.

Jeniffer – vai nos deixar aqui?!

 

Jack - Bem seu castigo por trair meu irmão é morrer com ele.

 

Irmão – E EU!?

 

Jack – ambos se traíram, e ambos se merecem apenas morram e certifiquem se de não contaminar a camada de camada de ozônio depois de serem queimados.

Então coloquei fogo no Hospício e sai de lá.

 

Esta amanhecendo e mando uma mensagem para elá.

 

Jack – oi amor bom dia desculpe de novo tudo isso mas já cuidei dos meus problemas, estou saindo da primeira cidade.

 

Luci – dá proxima vez que me deixar preocupada desse jeito eu te mato.

 

Jack – Não irei, bem tenho que ir acho que consigo arranjar um carro, te amo.

 

Luci – Eu também meu amor.

 

Eu descobri que este mundo podre está morrendo, más isso não é ruim... é necessário, e não ah lugar aqui pras suas mentes fechadas pai e mãe, e não ah lugar aqui para a depravação, esse é um novo mundo onde eu vou começar tudo do ZERO.

 

(Não confie em ninguém)

 

Fim-

 


Notas Finais


Musica para deixar no clima: https://www.youtube.com/watch?v=R0o0XXJgMVg


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...