História Caminhos que nos aproximam... - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 12
Palavras 1.436
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Cross-dresser, Heterossexualidade
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Tudo na vida muda...tudo tem seu curso...o de Camila vai começar de agora pra frente...

Capítulo 3 - Capítulo 3-A mudança


Fanfic / Fanfiction Caminhos que nos aproximam... - Capítulo 3 - Capítulo 3-A mudança

Minha mãe me chamou para uma breve reunião, juntamente com meu irmão Carlos e nos avisou que as coisas agora eram diferentes, sem pai para nos ajudar, ficaria um pouco mais complicadas, embora ela fosse receber o seguro do carro e o papai tivesse nos deixado de herança 3 casas e 2 motos, mas que ela não tocaria naquilo que ele deixou para nós, seus únicos filhos, as casas cada um tinha a sua, inclusive minha mãe, como éramos muito pequenos para pilotar, permitimos ela vender as motos, já que não as utilizaríamos por enquanto.

Passou-se uma semana e minha mãe organizando algumas contas pendentes do meu pai, o que nos frustrou um pouco porque sempre aparecia alguém para se aproveitar da situação, apareceram contas que nem minha mãe sabia da existência, vi minha mãe bem pensativa com respeito à isso, não conseguia ver o que se passava em seus pensamentos, mas dava pra notar a sua preocupação.

Percebi que ela se sentia muito sozinha e isso me deixava com um misto de tristeza e preocupação, pois a única família que minha mãe tinha mesa cidade, era eu e meu irmão Carlos, embora a família do meu pai nos apoiassem e em tudo, mas, isso não era a mesma coisa, minha mãe passou por momentos difíceis com meu pai, ao descobrir algumas traições dele, mas, nunca o abandonou, embora o seu sofrimento fosse nítido, confesso que ao descobrir o que ele fizera com minha mãe, o odiei com todas as minhas forças, mas, mesmo assim, minha mãe sempre punia por ele, o que chateava ainda mais.

Mas, agora, a dor era diferente, não a dor de ser traída, mas, a de perder alguém que até então, era tudo para você e você se enxergar agora sozinha...O amor é complicado, como você pode querer ficar ao lado de alguém que não te respeita? O amor não é para mim...

Passado algum dias, mamãe chama a mim e a meu irmão para conversarmos, fiquei nervosa porque não sabia do que a tratava.

-Camila, Carlos, quero falar com vocês um assunto muito importante, depois de pensar e repensar sobre isso durante vários dias, tomei uma decisão muito importante e queria comunicar em primeiro lugar, a vocês, meus filhos.- eu e meu irmão nos olhamos sem entender do que se tratava.

-Pode falar, mãe, estamos ouvindo-respondi aparentemente calma, mas estava muito nervosa.-Bom, é que minha irmã Juvência se mudou da casa s minha mãe para a casa dela, e agora ela está morando sozinha e eu decidi que vamos nos mudar para Luzitana! Vamos morar lá com ela!

Nossa, essa notícia nos pegou de surpresa e eu fiquei muito feliz por que amo a casa da minha avó, abracei Minh mãe, juntamente com o Carlos e sorrimos, finalmente um raio de sol depois de uma longa e chuvosa noite...

Já começamos a guardar as coisas desnecessárias nesse momento, fomos encaixotando o que não usaríamos, eu estava radiante porque iria morar na cidade que sempre quis, já não era mais somente férias, agora era pra valer, iríamos estudar, dormir e acordar lá, meu sonho se tornando realidade!

Minha mãe tratou de ir logo nas nossas respectivas escolas pedir a nossa transferência, nossa, eu estava radiante de tanta alegria, não via a hora de chegar esse momento logo, parei um momento, dei uma boa olhada no meu quarto, a tinta já desbotada, um vitrô com os vidros já velhos, meu guarda-roupa pequeno, minha cama de casal, meu azulejo velho de duas estampas, formando um enorme tabuleiro de xadrez, me peguei pensando se iria sentir saudades desse quarto...

Minha mãe chegou já no fim da tarde com a papelada da escola em mãos, estávamos animados pelo que viria, meus avós ficaram tristes com essa decisão, até então eles haviam perdido um filho e agora veriam sua nora e seus dois netos irem embora, mas entenderam todos os motivos que fizeram com que minha mãe Ana tomasse essa drástica decisão, eles não foram contra, pelo contrário, apoiaram minha mãe quando ela mais precisou.

Meus tios foram atrás de um caminhão que pudesse fazer a nossa mudança, enquanto minha mãe vendia alguns móveis dos quais do não precisava mais, dentro de uma semana, estávamos prontos, tudo já guardado em malas e caixas de papelão.

-Nem acredito, Carlos, que vamos morar em Luzitana, meu sonho se tornou realidade. -falei para meu irmão, enquanto olha para nossa casa cheia de caixas e móveis desmontados, ele me olhou, sorridente. -Agora sim, vou poder brincar com os meus amigos de lá todos os dias. -disse-me sorrindo, ansioso pelo porvir.

Fui para meu quarto, me deitei na cama e fiquei olhando para o teto e vendo nossa vida mudar em tão pouco tempo, sempre viemos a casa em Luzitana como um parque de diversões, ansiávamos pelo período das férias, estudávamos que nem loucos para nunca ficarmos de recuperação porque mamãe sempre nos dizia que se tirássemos notas boas, iríamos nas férias para a casa da nossa avó. Aqui não tínhamos amigos até porque nosso pai não nos deixava sair de casa, meu parceiro de brincadeiras sempre foi o Carlos, e eu, a dele...

Brincávamos de tudo, bola de gude, futebol, vôlei, soltávamos pipa, pião, carrinho, tudo que era brincadeira estávamos nós dois, menos nas de grupo porque não tínhamos com quem brincar aqui, mas em Luzitana era diferente, era uma rua inteira, quase que completa só de parentes, muitos primos, amigos, amigos dos primos e quando chegávamos lá era festa!

Começávamos a brincar logo depois de acordar, tomar café e arrumar a casa umas 7:30 no máximo, parava somente para tomar banho para almoçar e começávamos novamente parávamos no fim da tarde para tomar banho, jantar e brincávamos novamente até as mães irem chamar seus filhos para irem para casa perto da meia-noite e era assim todos os nossos 20 e poucos dias de férias lá.

Sorri ao me lembrar disso, sei que vai ser um pouco diferente morar lá, mas sempre quis fazer isso. E também porque vou ver ele, o Nando, gosto tanto dele, sei que ele é meu primo de segundo grau, mas não tem nada a ver, agora a mãe já sabe dele porque uma das cartas que ela leu foi ele que me escreveu e também foi a única que eu rabisquei dizendo: eu te amo! Como será que ele vai reagir ao saber que vamos morar na mesma cidade? Será que vamos continuar nos vendo às escondidas ou iremos enfim namorar? Ai, estou muito ansiosa por esse dia, assim, adormeci.

Ao acordar, ouvir minha mãe confirmando o caminhão para o dia seguinte, um sábado ,meu coração disparou, sabia que isso iria acontecer mas meu coração se exaltou da mesma forma, corri e contei para o Carlos que vibrou junto comigo, “ amanhã, amanhã estaremos indo embora para a Luzitana vamos começar novas aventuras e seremos bem felizes lá!” pensei comigo mesma.

O que também significava que era o nosso último dia aqui, em Lima, sei que viríamos nas férias, mas não queria voltar aqui tão cedo. Mamãe veio falar conosco e dar a notícia que já sabíamos mas vibramos da mesma forma como se ouvíssimos pela primeira vez, esse dia passou tão lentamente ou era somente eu mais ansiosa do que de costume, a noite fomos à casa dos meus avós nos despedirmos, ficamos por lá um bom tempo até a hora de dormir, o que por sinal, eu não consegui, tamanha emoção estava sentindo.

Custei a pegar no sono e acordei muito cedo, minha mãe estava agitada com os últimos detalhes da viagem, queria tudo pronto para quando o caminhão chegar, o que não demorou muito, ali, naquele momento, caiu a ficha que íamos embora de Lima, meu coração novamente disparou mas não pude deixar de notar um raio de tristeza no olhar de minha mãe, que, embora estivesse feliz, ainda estava de luto pelo meu pai, ela sacudiu a cabeça como que tentando expulsar algum pensamento e foi levando algumas caixas para o caminhão enquanto eu e meu irmão nos trocávamos para pegarmos a estrada, eu estava muito feliz de irmos, embora estivesse triste em relação aos últimos acontecimentos.

                Depois de tudo colocado no caminhão, fomos nos despedir de nossos avós e tios que vieram ajudar com a mudança, meus avós estavam chorando já com saudades de nós, embora ainda nem tivéssemos ido, nos abraçamos, sorrimos e choramos, após esse momento família, entramos no carro para pegarmos a estrada, entramos e saímos rumo à novas conquistas, novas descobertas, novos horizontes, tudo novo, tudo para ser apreendido, eu quero viver uma nova vida.


Notas Finais


O que será que vai mudar na vida de uma garota que leva dentro de si a tristeza e a alegria?tristeza pela morte do pai e a alegria de atingir um de seus objetivos...muitas coisas a aguardam...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...