História Camouflage - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Camouflage, Jelena
Exibições 39
Palavras 2.926
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Não deu tempo de revisar, então perdão por qualquer erro, depois eu editarei. Boa leitura!

Capítulo 17 - Eu não sou bom o bastante.


Fanfic / Fanfiction Camouflage - Capítulo 17 - Eu não sou bom o bastante.

Selena Gomez — 02:00MIN

Casa Gomez-Bieber. 

 

Após verificar meu e-mail novamente, deixei o notebook de lado e fui pegar um copo d'água, mesmo da cozinha, conseguia ver Justin fuçando em meu notebook. Quando um barulho de uma suposta mensagem surgiu, ele arqueou as sobrancelhas, fazendo uma cara nada contente. De repente, eu o vi preparado para teclar algo, me fazendo apressar o passo. 

 

— Não, não, nem pense em responder qualquer coisa. — ele me encarou. — Deixe isso para lá, Justin. 

 

— Quem é essa cara que chegou com um "Olá, Selena. Como você está? Podemos marcar de nos encontrar?" — revirei os olhos e me sentei ao seu lado, pegando no computador. — Quero saber. 

 

— Meu segurança particular. — ele franziu o cenho. — Eu não vou andar desprotegida pela rua, Justin. Você vai ficar vinte e quatro horas comigo? Eu acho que não. 

 

— Mas você não é nenhuma famosa, não está correndo perigoso, por que quer um segurança particular. — sua pergunta era bem interessante, mas ele me acharia louca. 

 

— Sou famosa para uma pessoa e isso está me incomodando profundamente. Tome cuidado também. 

 

— Quem é essa pessoa? Nós podemos resolver isso na polícia, não é nenhum trabalho para um segurança particular. — ele odiava o fato de gastar dinheiro, mesmo tendo muito dinheiro. 

 

— Não, não precisamos envolver a polícia, deixe comigo. — ele murmurou um "tá", encarei de volta meu notebook e vi a foto do tal segurança, me impressionando. — Meu Deus do céu, ele é muito bonito. Contratado! — digitei. 

 

— Mais um problema. — virei meu rosto e dei risada. — Eu nem sei o motivo de você querer isso, mas se você quer tanto, então tudo bem, porém, quero conhecê-lo, e se for um perigo, será demitido na hora. 

 

— Nenhum homem é um perigo para você. — ele sorriu e selou nossos lábios. — Tudo bem, talvez o Orlando Bloom seja, mas outro homem? Não. 

 

— Nem o vizinho? 

 

— Nem o vizinho. — afirmei. — Ele vem daqui à pouco, não seja inconveniente, por favor. — ele revirou os olhos e deu risada. — É sério. 

 

— Eu tentarei. — ele levantou-se e caminhou em direção ao quarto, me deixando sozinha na sala. 

Depois de meia-hora, a campainha toca e eu apressou meu passo para atende-lá rapidamente. Ele sorriu e pediu licença para entrar, me fazendo dando passagem. 

 

— Olá, Richard. Você me parece mais bonito pessoalmente. — ele deu risada e Justin me olhou feio. — Estou brincando. Tudo bem, esse é meu marido, Justin Bieber. — Ricardo levou sua mãos para próximo do Justin, fazendo-o apertar sua mão. 

 

— Olá, senhor Bieber. — após um aperto de mão, Justin soltou da mão dele rapidamente. — Senhora Bieber, qual é o seu problema? — ele me perguntou gentilmente. Justin sorriu com o 'senhora Bieber'. — Eu preciso de uma referencia para te proteger e de quem te proteger. 

 

— Não precisa me chamar de Senhora Bieber, Richard. Apenas Selena. — ele assentiu e pediu desculpa. — Eu não tenho uma foto ainda, mas mais tarde eu posso te mandar. 

 

— Então, Richard, já trabalhou aonde? — Justin inicia as suas perguntas e eu sei onde isso vai parar. — Quero saber com quem a minha mulher vai ficar. 

 

— Banco central de Atlanta, Los Angeles e Snow Hills. — Justin arqueou as sobrancelhas, tão surpreso quanto eu. 

 

— Nós podemos te ligar amanhã? Vamos conversar sobre você, mas por enquanto, é o preferido. — ele assentiu. — Então, tchau? 

 

— Até mais. — abri a porta para ele, me despedindo, fechei-a e voltei. 

 

— Ele me parece bom. — falei e Justin assentiu, concordando. — Além de bom, é bonito e gostoso. Que pena que eu sou casada, pois se eu não fosse...

 

— Não continue essa frase, amor. Por favor. — assenti e calei-me. — Eu vou trabalhar agora, mas me diga, esse cara não vai vir aqui de novo? — neguei com a cabeça. — Nem o vizinho? — neguei novamente. — Nem aquele Christopher Mason? 

 

— Não, Justin, nenhum cara vai vir aqui. — ele sorriu e passou seu braço em minha cintura, nos fazendo caminhar até a porta. — Espere aí. — virei-me, ficando frente à frente com ele, ainda com nossos corpos colados, ajeitei sua gravata. — Você está tão sexy. 

 

— Você ainda está com essa ideia? 

 

— Eu não posso fazer nada se a minha fantasia sexual virou uma fotógrafa indefesa e um delegado gostoso. — ironizei, e ele deu risada. — Eu não quero ver nenhuma vadia em você, está ouvindo bem? — ele assentiu. — Bom trabalho, 

 

— Não se machuque, tome cuidado ao tomar banho, tente ficar dormindo o tempo todo e tranque essa porta. Não se esqueça de me ligar. — arregalei os olhos e assenti. — Por favor, me ligue. Eu amo você. 

 

— Eu também amo você, meu delegado sexy. 

 

 

Justin Bieber — 03H40M. 

Três meses depois — Paris, Deauville. 

 

Estávamos eu e Selena no carro, quase chegando na praia em Deuville. Selena estava um pouco incomodada, já que ligava tanto para a aparência que não suportava o fato da sua barriga cada vez crescer mais, apesar dela não ter engordado tanto. Assim que estacionei o carro em um lugar perto da praia, ela saiu do carro levando a sua bolsa e caminhou em direção à praia, sem me esperar. Quando eu a vi, já estava sentada em sua cadeira de praia, com seu óculos de sol no rosto. 

 

— Você está bem? — perguntei, apesar de saber a resposta, eu queria ouvi-lá, saber exatamente como ela estava se sentindo. 

 

— Estou sim. — ela retirou os óculos do rosto. — Eu não vejo a hora do nosso filho nascer, Justin. Olhe isso, eu estou obesa! — quase berrou, me fazendo rir. — Só está rindo porque não está deste tamanho. 

 

— Você está preocupada com o quê? Não deixa de ser linda e extremamente sexy para mim. É só isso que importa, não é? — ela assentiu e sorriu. — Você pode me esperar aqui por um segundo? Eu preciso ir ao banheiro. 

 

— Tudo bem. 

 

Selena Gomez 

 

Justin acabara de ir ao banheiro, enquanto eu estava me "torrando" na praia. Eu via todas aquelas pessoas felizes, juntas...Também via famílias unidas, eu queria que meu futuro fosse esse com o Justin, porque não há pessoa que eu mais amo do que ele. De repente, sinto uma mão repousando em meu rosto e logo apago. 

 

Acordo em em um lugar escuro e nada favorável, cheio de poeira e apenas iluminado por algumas frechas abertas daquela casa velha, escutei os passos de alguém, acredito que seja uma mulher, já que era de salto. Eu iria correr, me movimentar, mas eu estava amarrada. 

 

— Ora, ora, Selena Gomez Bieber! — uma mulher ruiva apareceu em minha frente, falando meu nome completo com total repulsa, principalmente na parte do "Bieber". — Sabe quem eu sou? Bárbara Palvin. — arregalei os olhos e agora meu medo já estava grande. 

 

— Me solte agora! — ordenei e ela deu risada, com certeza não faria isso, já que eu sei que quer meu mau, esse foi um dos motivos de contratar um segurança particular. — Como sabe que eu estive lá? 

 

— Com a ajudinha de uma pessoa. — Richard apareceu ao seu lado, me espantando. O que ele tinha a ver com a Bárbara? — Richard, vá para outro lugar, a conversa aqui é entre mim e ela. — ele assentiu e saiu da casa, indo para fora. 

 

— Eu estou grávida, me deixe sair daqui Bárbara, por favor. — ela sorriu, mas não foi para mim, foi do que eu disse, por esse motivo, acho que eu deveria ter ficado calada. 

 

— Vai nascer um pequeno Bieber? — ela deu risada. — Posso senti-lo? — ela se aproximou, se agachando. — Sua barriga está grande, não? 

 

— Não ouse tocar no meu filho! — gritei e ela arqueou as sobrancelhas. — Você é tão suja, por que está fazendo isso comigo? Eu ao menos te conheço. 

 

— Eu desejo o seu marido, apenas isso. E se você e esse bastardo estiverem no meu caminho, será um pouco mais difícil de ter o seu marido. — ela sorriu e passou a mão em toda a minha barriga. 

 

— Richard está com você, você não precisa do Justin. 

 

— Preciso sim. Aliás, eu só estou com Richard por interesse, você realmente acha que eu consegui te achar como? Querida, nem todos são nossos amigos. — minha respiração estava descontrolada, eu não sabia o que falar, nem como agir. 

 

— Como você o conheceu? Por que ele faria isso comigo? 

 

— Bom, eu ia todo dia para a sua casa, vigiar você. Eu vi Richard sair de sua casa, com certeza ele não era nada seu, já que somente era você e Justin. Então, eu o vi em uma boate no final de semana, me aproximei dele e eu o fiz se apaixonar por mim. Agora ele está cego de amor, mas ele não sabe que eu gosto do Justin, por isso, faz tudo que eu quero, mesmo que ele goste de você, Selena. 

 

— Você é uma manipuladora barata mesmo. — ela mudou sua feição, ficando cada vez mais irritada. — Uma vadia sem noção, você nunca terá meu marido, NUNCA. — gritei e ela bateu em minha face, deixando-a ardendo.

 

— Basta! — ela gritou e levantou-se. — Selena, eu estava disposta a fazer um acordo com você, mas você está passando dos limites e eu não gosto de ser contrariada. 

 

— Não me importo, não há nada que você possa fazer para ter o meu marido, ele me ama, e nunca, definitivamente nunca vai me trocar por você. 

 

— Eu te odeio! — ela gritou e diferiu chutes em minha barriga, me fazendo ficar desesperada pelo ato dela. Eu não posso perder meu filho, não mesmo. Chorei alto, fazendo com que a porta se abrisse e ela parece seus chutes. — Eu já falei para você ficar lá fora. — ela praticamente gritou com Richard e logo pegou uma arma, apontando para mim. — Isso vai acabar agora. 

 

— Não vai não. — Richard, antes que ela percebesse, correu até ela e começou uma batalha, fazendo com que um tiro saísse da arma, fechei meus olhos, se Richard tivesse levado um tiro, com certeza esse era meu fim também. Quando abri, Richard já estava em prantos com sua amada nas mãos, era triste essa cena, muito triste. — Meu amor, me escute. — Bárbara ainda estavam consciente, piscando os olhos. — Eu te amo, mas você não me ama, e eu não posso deixar que Selena sofra, ela fez tanto por mim. Mas eu vou te salvar, eu só quero que você aguente um pouco, tudo bem? — Bárbara assentiu e fechou os olhos, fazendo com que Richard ficasse desesperado. Quando olhei para a minha saída de praia, estava cheia de sangue, eu estava tendo um aborto espontâneo! 

 

— Richard, eu vou perder o meu bebê, me tira daqui, por favor. — ele assentiu e me pegou no colo, abrindo a porta de um jeito estrondoso, logo me colocando na van preta, ele correu para casa, colocando Bárbara junto. Foi um caminho longo para mim, apesar de ter sido apenas vinte minutos, eu sentia que algo iria acontecer com o meu bebê, mas eu não poderia deixar isso acontecer. 

Ele parou em frente ao pronto-socorro, colocando Bárbara primeiro em uma maca, me deixando por último. O doutor logo apareceu, me levando o mais rápido possível. Ele iria fazer vários tipos de exames, eu apenas fechei os olhos e deixei com que ele falasse por último. 

 

— Selena, tudo bem, você está pronta para saber? — assenti um pouco receosa. — O feto ainda está vivo. — sorri instantaneamente, eu não havia perdido o meu filho e essa foi uma das melhores notícias de todas. — E mais uma coisa, já eabemos o sexo do feto, você quer saber? — assenti, sorrindo. — É uma menina! — arregalei os olhos e sorri, era o mais assustador e também o melhor dia da minha vida, eu teria uma filha menina, coisa que eu sempre sonhei. 

 

— Isso é sério? Obrigada, vocês são incríveis. — agradeci, pois de qualquer forma, se não fosse pelo profissionalismo deles, não teria salvo a minha filha. 

 

— O rapaz que te trouxe aqui foi muito legal, sabia? Ele me contou a história dele, é triste, mas saiba que ele não fez por mal, ele estava cego de amor. Eu sou um médico, não um conselheiro, mas tente pensar nisso. 

 

— Ele me traiu, mas de qualquer forma, eu tentarei pensar sobre isso, quando nós amamos não desconfiamos, então eu acho que ele não tem culpa disso. — o doutor assentiu. — Eu poderia telefonar para uma pessoa? 

 

— Você precisa se recuperar...

 

— É para o meu marido, doutor! Ele nem sabe o que aconteceu comigo, então eu acho que eu devo uma satisfação. — ironizei e ele deu risada, dando o meu celular para mim. 

 

 

Justin Bieber — Deauville. 

 

Aquilo não poderia estar acontecendo, é um pesadelo e eu não vejo a hora de acordar. Eu quero tanto que isso seja apenas um mal entendido e que ela volte logo, porque eu não aguento nem mais um segundo longe dela e do meu filho. Perguntei para todas aquelas pessoas, ninguém viu Selena, apenas um senhor, que viu um homem carregando ela, mas ele acho u que ela estava passando mal, por isso não ligou para a polícia. E é isso que me deixa mais nervoso e preocupado. Quem iria levar ela? Eu estou com tanto medo. 

Quando entrei no carro, conectei meu celular nos altos falantes, se alguém me ligasse, eu certamente não levaria multa, já que eu não estaria exatamente com o celular ligado. E foi isso que aconteceu, o número de Selena me ligou, mas eu pressentia algo ruim, pressentia que não era ela.

 

— Alô. — falei em um fio de voz, quase tornando tudo aquilo em desespero, já que não estava. 

 

— Justin Bieber? — a voz de um homem me fez ficar mais tenso, eu queria ouvir a voz da minha mulher. — Você é o marido da Selena Gomez? 

 

— Sim, eu sou. 

 

— Então eu acho que você deve saber o que aconteceu. Venha para o hospital Côte Fleurie, CréActive place, 14800. — parei no farol e anotei o endereço. Agradeci e sai cantando pneu, eu não me importava com nada, eu só queria saber onde estava a minha mulher. 

 

Quase quarenta minutos depois, já sem paciência alguma, eu finalmente cheguei no lugar onde o homem havia dito, estacionei e corri na recepção. 

 

— Olá, um senhor me ligou desse hospital e disse que eu deveria ver a minha esposa, Selena Marie Gomez. — a mulher olhou em seu computador, digitando algo. — Ah claro, meu nome é Justin Bieber. 

 

— Leve isso para comprovar seu passe para o quarto dela. — nessa hora me bateu um alívio, ela estava lá. — Ou não. — revirei os olhos e a tensão veio novamente. O elevador abriu e eu apertei o botão 5, mesmo do seu quarto. Quando cheguei, suspirei, poderia ser bom ou ruim, bati na porta e um senhor abriu, vi Selena deitada com os olhos fechados, sorri e relaxei, já que seus batimentos cardíacos estavam controlados. 

 

— Senhor Bieber, eu acho que você deveria conversar com ela sozinho. — assenti e ele levantou-se me dando o seu lugar. — Eu espero que você aguente tudo isso. — e novamente eu estava tenso. Ele fechou a porta e Selena abriu os olhos, se ajeitando não cama. 

 

— Meu amor, me conte o que aconteceu com você, eu estava e ainda estou muito preocupado com tudo isso. — falei rapidamente pelo nervosismo e ela fez o sinal com a mão, me mandando ter calma. 

 

— Eu estou bem. — sua voz tranquila me fez ficar mais calmo, era como se uma hora eu estivesse em nervos e na outra eu estava calmo, só de ouvir sua voz. — Richard estava namorando com Bárbara, pois ela o seduziu, com a intenção de me levar até ela e sumir comigo, já que ela queria ficar com você. — arregalei os olhos. — Richard não tem culpa de absolutamente nada, ele apenas estava cego de amor. Mas, quando ela... — Selena não conseguiu completar sua frase pelas lágrimas que agora invadiam a sua face. 

 

— Quando ela...? 

 

— Justin, ela me chutou, mais precisamente para atingir o nosso bebê. — eu abri a boca formando um 'O', eu não podia acreditar naquilo. 

 

— Aquela vadia fez isso? — ela assentiu, lamentando. — Aonde ela está nesse exato momento? Eu vou acabar com a vida dela. 

 

— Não faça isso, Justin. Ela está tão machucada quanto eu. 

 

— Selena, por favor, me diga que você não perdeu o nosso filho. — sua feição no momento era igual à nada, ou seja, não pude decifrar o que ele queria dizer, mas quando ela olhou para os lados e voltou a chorar, eu sabia que aquele era o fim. 

 

— Não, eu não perdi o nosso bebê. — ela sorriu e eu superei aliviado. — Mas eu quase perdi. 

 

— Eu estava tão assustado, meu amor. Você sabe, eu dependo de você para respirar, para viver, para meu coração bater, você é meu tudo. — ela sorriu de imediato. 

 

— Sabe o que eu descobri hoje? — neguei com a cabeça, informando-a para continuar. — Nós vamos ter uma filha! Isso, é uma menina. 

 

— Você está brincando? — neguei. — Eu sempre quis ter um menino, ele jogaria futebol comigo, mas eu confesso que vou gostar de ter uma menina. 

 

— É, eu também. 

 

— Você tem certeza que nosso bebê está bem? — ela assentiu. — Mas e você, como você está, meu amor? 

 

— Minhas costas ainda doem, meus olhos pesam, minha barriga dói, minha cabeça está quase estourando, mas eu ainda permaneço aqui, por você. — pisquei diversas vezes, aquilo era algo forte para se dizer, eu não a mereço, eu não sou bom o bastante, eu deveria ter ido atras dela, eu que deveria ter socorrido ela, ou pelo menos, eu que teria que evitar tudo aquilo. — Você é a pessoa que eu mais amo de todas, eu teria desistido da minha vida fácil, Justin. Eu só estou aqui por você. 

 

— Eu amo você, Selena Gomez Bieber. — ela sorriu e eu levantei-me, caminhando até ela e selando nossos lábios. Eu prometi protegê-la e amá-la mais que tudo no mundo, e eu irei cumprir isso. 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Até o próximo, people.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...