História Camp Half-Blood - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ariana Grande, Austin Mahone, Camila Cabello, Demi Lovato, Fifth Harmony, Harry Styles, Justin Bieber, Liam Payne, Little Mix, Louis Tomlinson, Melanie Martinez, Miley Cyrus, Mitologia Grega, Niall Horan, Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos, Selena Gomez, Shawn Mendes, Zayn Malik
Personagens Afrodite, Ally Brooke, Annabeth Chase, Apollo, Ares, Ariana Grande, Artemis, Atena, Atlas, Austin Mahone, Bianca di Angelo, Camila Cabello, Caronte, Clarisse La Rue, Connor Stoll, Cronos, Demi Lovato, Dinah Jane Hansen, Dionísio, Eros (Cupid), Grover Underwood, Hades, Harry Styles, Hefesto, Hera (Juno), Hermes, Íris, Jade Thirlwall, Jason Grace, Jesy Nelson, Júniper, Justin Bieber, Lauren Jauregui, Leigh-Anne Pinnock, Leo Valdez, Liam Payne, Louis Tomlinson, Melanie Martinez, Miley Cyrus, Niall Horan, Nico di Angelo, Normani Hamilton, Percy Jackson, Perrie Edwards, Perséfone, Personagens Originais, Piper McLean, Poseidon, Prometeu, Quíron, Rachel Elizabeth Dare, Selena Gomez, Shawn Mendes, Thalia Grace, Travis Stoll, Tyson, Zayn Malik, Zeus
Tags Ally Brooke, Ariana Grande, Austin Mahone, Camaustin, Camila Cabello, Camren, Demi Lovato, Dinah Jane Hansen, Harry Styles, Jade Thirwall, Jelena, Jesy Nelson, Justin Bieber, Larry, Lauren Jauregui, Leigh-anne Pinnock, Liam Payne, Louis Tomlinson, Melanie Martinez, Miley Cyrus, Mitologia Grega, Niall Horan, Normani Kordei, Percy Jackson, Perrie Edwards, Selena Gomez, Shawn Mendes, Zariana, Zayn Malik
Visualizações 42
Palavras 2.254
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpem o atraso e o capítulo pequeno, prometo que o próximo vai ser maior

Capítulo 4 - Capítulo 4


Fanfic / Fanfiction Camp Half-Blood - Capítulo 4 - Capítulo 4

Ariana’s Point Of Vision

Assim que eu deixei Allyson em seu chalé, eu tomei o caminho até a casa grande para conversar com Quíron, sobre a missão, e sobre o meu sonho. Eu irei conversar com ele pois, apesar de já ter contado a Jade tudo sobre meu sonho é também já tê-la chamado para a missão, precisava da opinião de Quíron.

Quíron foi como um pai pra mim, além de treinador, ele me ajudou e cuidou de mim quando eu mais precisei. Cheguei muito cedo ao acampamento e isso fez com que eu seja muito mais bem treinada, obviamente, e ficasse bem mais chegada à Quíron.

Bati na porta de madeira da casa grande. Sempre que vinha aqui, gostava de apreciar algumas pintura que tinham ali, nas paredes e na porta. Enquanto observava novamente uma das muitas figuras da mitologia, ou melhor, da história greco-romana, a porta foi aberta revelando meu treinador, em sua forma “humana” na cadeira de rodas.

—Olá Ariana. Temo que já conversou com Allyson.

—Sim. É sobre isso que eu vim aqui, e para conversar sobre outra coisa também.

—Entre, por favor.—Falou educadamente como sempre.—Acomode-se, comece quando quiser.

—Eu ouvi a profecia e bem...

—Muito confusa?

—Sim Quíron! É cheio de palavras e expressões que eu não tenho a mínima ideia do que elas significam!

—Sempre é assim, criança. Mas no momento em que você partir na missão, as peças vão se juntar e você achará a resposta disso tudo. Diga-me algumas de suas dúvidas, talvez eu posso ajudá-la.

—Bom, tem algumas coisas de representantes dos doze, mas eu não sou filha de um dos olimpianos.

—Oh, talvez as pessoas que devem ir com você devem ser filhos dos olimpianos.

—Acho que sim. Há também algo de renegados do matrimônio.

—Isso eu já não encontro uma explicação racional.

—E no fim fala de alguma coisa da alma da preferida.

—Deuses.—Ele murmurou, pegando sua cadeira e direcionando-a para a estante de livros.

—O que foi? Alguma coisa horrível?

—Eu preciso pensar mais sobre isso depois.—Murmurou para si mesmo.—Que estejam errados meus pensamentos.

—Quíron, o que houve?

—Nada. Alma da preferida?—Ele me questionou.

—Sim, mas...

—Ariana, eu preciso que saía. Vá para seu chalé e descanse.

—Mas eu tive um sonho e...

—Conte-me sobre esse sonho.

Eu me pus a contar sobre o sonho, desde a parte em que eu estava amarrada e ensanguentada até a parte em que fui arremessada na parede ao tentar salvar Jade. Eu tentava contar com o máximo de detalhes possíveis, pois isso ajudaria no entendimento de Quíron e ele talvez me ajudasse com aquilo tudo que estava atormentando meus pensamentos. Contar o sonho a Quiron só piorou e fez com que o homem cavalo se preocupasse mais ainda.

—Foi isso. Eu já contei a Jade e...

—Ariana, eu preciso que vá para o seu chalé agora, vou ler e tentar entender melhor o seu sonho e sua profecia. Arrume suas coisas, escolha duas outras pessoas, você vai partir em uma missão.

—Ok, eu vou falar com Jade.

—Ariana!—Ele me chamou e eu olhei.—É melhor não levar a filha de Perséfone com você.


(...)


Deuses. Como vou contar a Jade que ela não ia mais na missão comigo? Ela estava tão animada, tão alegre que sairia do acampamento. Mas agora, era perigoso demais, contando com o meu sonho e com a orientação de Quíron.

Por que ele havia ficado tão preocupado ao contar sobre meu sonho e sobre a preferida.

Será que Jade é a preferida?

Não.

Ou é?

Eu estava agora em frente ao chalé de Hécate. Estava pronta para chamar a primeira pessoa para ir a missão comigo, eu não sei para onde ir ou para onde seguir, mas há uma pessoa em que eu conheço que sabe.

—Ariana?—Um garoto alto e moreno, com os cabelos compridos e brilhantes abriu a porta.

—Olá Avan.—Cumprimentei.—Demi está?

—Sim, entre. Ela está no seu beliche.

Eu entrei. O chalé de Hécate era lindo. No lado externo da construção, tinha uma cor vermelha arroxeada marcante, cheia de tochas que acendiam e apagavam de acordo com o movimento, havia duas pequenas estátuas de cachorros, símbolos de Hécate. Já dentro, as paredes eram escuras, cheias de pinturas e resquícios de explosões. As tochas ainda se mantinham assim como o modo rústico das paredes. Haviam baús ao lado de cada beliche e os beliches eram milimetricamente colocados.

Lá estava ela. A filha de Hécate. Demi Lovato. Ela estava como sempre, com algumas poções e treinando novas opções de feitiços. Sendo seu beliche um dos mais danificados.

—Oi.—Acenei.

—Oi Ariana! Já contou a Jade que ela não vai ao acampamento? Ou melhor, como vai?

—Vou bem graças aos deuses. E aliás, como sabe que eu tenho de contar a Jade que ela não vão comigo.

—Bola de cristal! Eu ganhei da minha mãe! Não é demais?—Falou, como se ela fosse uma criança que havia acabado de ganhar seu presente de aniversário.

—Sim.—Respondi com falsa animação.

—Nossa, estou feliz que esteja tão animada! — Falou irônica.

—Desculpe. Só estou...

—Preocupada com tudo isso da missão e confusa com cada palavra da profecia? — Completou tirando as palavras da minha boca.

—Exatamente. Então eu...

—Veio até aqui para tentar pelo menos uma chance ou ter alguma ideia de aonde deve ir?

—Assim não tem como conversar com você!—Reclamei

—Força do hábito.—Esclareceu se posicionando melhor na minha frente—O que deseja ver?

— A profecia diz algo sobre a deusa desaparecida. — Lembrei, levando uma de minhas mãos ao meu queixo. — Deve ser um começo?

— Talvez. — Pegou minha mão, deixando a sua calorosa mão por cima. —Tenha calma pois agora eu vou tentar achá-la, talvez se você pensar na deusa, ajude um pouco.

Senti um formigamento em minha mão direita, mão que Demi segurava, e o ar parecia mais pesado, meus olhos cada vez mais difíceis para se manterem abertos, Demi sofria com os mesmos efeitos. Logo, meus olhos se fecham completamente e eu sou levada a um novo mundo.

De repente, eu não estava mais no chalé de Héstia.

Estou em um casarão, mais especificamente.

Demi estava lá.

Os móveis, os poucos que haviam ali, empoeirados.

As paredes, com sua pintura desgastada, pode ser considerada inexistente.

As cortinas e tapetes rasgados.

E, acima de tudo, na escuridão.

—Que lugar é esse?—Demi perguntou.

—E eu que sei! Você que nos trouxe aqui.

—Não foi eu não! Eu nem recitei as palavras que eu devia!

Do nada, uma luz veio da fim do corredor, um possível quarto. A luz crepitava como a de uma tocha, e, para que meus pensamentos fossem confirmados, uma tocha vinha até a nossa direção, flutuando. Nada ou ninguém segurava aquela tocha.

“Sigam a luz”

Uma voz, firme e calorosa, nos chamou. Demi a seguiu, sem pensar duas vezes.

—Demi, espere! E se for um truque ou uma armadilha?

A semideusa não me deu ouvidos. Continuou seu caminho até a luz, eu não sabia o que fazer. O meu lado racional falava que eu devia ir junto com a filha de Hécate, que seria mais seguro se ficassem os juntas e já o meu lado hiperativo, gritava desde o fundo da minha alma para que eu fosse junto com Demétria e lutasse contra o que estivesse lá.

Eu nem percebi quando minhas pernas me levavam para junto de Demi, seguindo a tocha.

—Demi, tenha cuidado.—Falei.

—Oi?—Demi entrou no quarto, esticando sua cabeça para ver melhor.—Eu vim para ajudar. Eu... Mãe?!

O que?! Hécate estava ali?!

—Mãe!—O encanto acabou e Demi estava com os olhos lacrimejados.—Por favor, me leve com você nessa missão.


(...)


Era por isso que a névoa estava com problemas! Hécate era deusa quem cuidava da névoa, e agora que ela tinha sido raptada, tudo estava com problemas. Claro que deixei Demétria ir comigo, não somente pelo fato de ser a mãe dela quem estava raptada e sim por ela ter conhecimento sobre o assunto a ser tratado, conseguir manter conexão com a mãe e ser uma ótima lutadora. Sua presença seria essencial nesta missão.

Eu estava agora em busca do terceiro semideus que iria conosco. Harry seria útil, já que era filho de Hermes e ser do ramo da localização, ele não seria útil em uma possível batalha, já que ele era uma negação para isso. Zayn é um ótimo lutador, mas eu não via outras qualidades para ele nessa guerra. A pessoa mais indicada era: Dinah Jane.

Além de filha de Hermes e ser uma boa lutadora, ela é uma ótima amiga de Allyson, ou seja, devia saber uma ou duas coisas sobre cura. Agora eu estava a caminho do chalé de Hermes, um dos chalés, se não o mais, simples do acampamento. A pintura, normal; sua construção, normal; tudo normal! Menos aqueles que moravam lá.

—Grande!—Escutei alguém gritar meu nome, e ao me virar, dou de cara com a puta aquática.—Podemos conversar?

—Agora não Selena, tenho coisas sobre a missão a resolver.

—Me leva com você.—Ok, isso me pegou de surpresa.

—Espera, o que?! Você que ir comigo?

—Sim.

—E quem disse que eu vou te levar?

—Meu pai.

—Ok, manda ele...

—Ariana, por favor. Eu sinto que alguma coisa importante para mim vai acontecer nessa missão. Eu sonhei.—Ok, isso me fez repensar. Um sonho é muito importante, vocês já sabem.

—O que você sonhou especificamente.

—Com uma pessoa. Ela era... Diferente. E além disso, eu vi você no sonho, toda machucada, desmaiada e presa em um monte de correntes usando aquele seu moletom legal.

Eu gelei.

Não posso mentir, devo ter ficado mais branca que a Jauregui agora. Ela descreveu como eu estava no sonho, o sonho que fez Quíron se assustar. Se ela viu uma pessoa, quer dizer que ela pode saber quem era a pessoa que fez aquilo tudo.

—Eu levo você comigo.

—Por favor, é importante e...

—Eu vou te levar.

—Sério?!

—Sim. Eu tive o mesmo sonho.

Ela me olha espantada e eu continuo a encará-la com o semblante sério.


(...)


A noite havia chegado.

Seria minha última noite antes de partir para a missão e o mais importante, Jade ainda não sabia. Eu não havia conseguido contar a ela, primeiro por falta de tempo e segundo por falta de coragem. Jade pode ser fofa e tal, mas quando ela fica brava não há quem a segure. Literalmente.

Lá estava ela, junto com suas amigas como sempre. Minhas pernas me levavam novamente, sem que eu percebesse ou sequer pensasse como dizer aquilo.

—É, e finalmente eu vou sair daqui!—Pude ouvir ela falar.—Faz tanto tempo que eu não saio daqui, desde os meus doze anos. Dá pra imaginar?

—Você não comeu nenhum tipo de fast food ou foi a um cinema.—Jesy falou.

—Ariana e sua missão apareceram em ótima hora.—Leigh-Anne falou.

Engoli em seco. Não pensei em como ela estava animada.

—Ér... Jade? Podemos conversar? É sobre a missão.—Falei e ela olhou para mim, com a animação transbordando pelos nove buracos do corpo.

—Claro!

Afastamos um pouco de suas amigas, para termos privacidade. Eu tentava, a todo custo, começar o diálogo com ela. Mas era impossível! Quando eu olhava para aquele rostinho alegre e animado, qualquer palavra simplesmente desaparecia pela minha boca.

—Bom Jade. Eu vou ser direta.

—O que foi?

—Você não vai mais comigo na missão.—Falei e soltei o ar que nem havia percebido que estava preso em meus pulmões.

—O quê? Por que?

—Contei a Quíron sobre meu sonho e sobre a profecia e ele disse que o melhor você ficar aqui ao invés de ir comigo.

—Mas você tinha dito...

—Eu sei o que eu disse Jade!—A Ariana filha da puta chegou.—Escuta, eu realmente queria que você fosse, mas o mais seguro e mais racional jeito de passar por essa situação agora, é que você fique no acampamento.

—Mas...

—Não complique mais. Por favor.—Ela ficou quieta.—Sei que faz muito tempo que você não sai acampamento, sei que passa todos os dias aqui desde de que chegou aqui, mas eu preciso que olhe pelo meu lado, eu só quero te proteger. Já dei os nomes de quem vai comigo. Espero que não fique chateada.

—Tudo bem.—Eu sabia que não estava.—Quando vai partir?

—Pela manhã.

—Posso dormir no seu chalé?—Perguntou, olhando com aquela carinha de bebê.

—Claro.—Respondi, sorrindo.

Ela sorriu de volta e saiu correndo com um sorriso travesso. Sabia o que aquele sorriso significava. Ela vai me fazer passar vergonha.

—Atenção todos!—Jade gritou, subindo em um tronco.—Amanhã, minha irmã e mais duas pessoas que eu não sei quem é, por favor se manifestem!—Ela gritou e Demi levantou a mão e Selena cruzou os braços revirando os olhos.—Amanhã elas vão partir em uma missão importante e que será importante para o nosso futuro. Eu sei sobre o que eu estou falando? Claro que não e eu sei que vocês sabem que eu não sei o que eu estou falando.—Todos riram.—Vocês podem comemorar e os amigos de quem vai partir, aproveitem com ele, pois o agora vai fazer ele, nesse caso ela, se lembrar de você e ter um motivo pra voltar.—Ela sorriu e olhou para mim.—Obrigada pela atenção.

Minhas amigas vieram em minha direção junto de Jade. Lauren, Miley, Harry. Os meus três amigos. Os únicos de quem eu preciso. Ah, e Jade. E as amigas de Jade. Eles são minha família. Não importa se a mitologia diz que eles são realmente minha família. Não importa a família humana que eu deixei para trás. O que importa é que eu os amo. E nenhuma missão vai fazer isso mudar.


Notas Finais


Desculpem os erros!!!
Capítulo pequeno pq eu tô sem tempo.
Juro que essa semana foi muito corrida! Segunda fiz trabalho de ciências, na terça trabalho de geometria, na quarta estudar para matemática (pense que eu tinha que ir bem nessa prova se não eu fico de recuperação), hoje tive curso de inglês e cheguei a pouco tempo em casa, amanhã tem capítulo da outra fic então tenho que terminar de escrever
Vcs querem POV de quem enquanto a Ariana está fora!!!
Kisses, Lah ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...