História CAMP OF DRAGONS - The prophecy comes true - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 13
Palavras 3.325
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção, Hentai, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Chegueiiiiiiiiiii
Está aqui o capítulo pessoal!

Capítulo 19 - I found my powers


Estou deitada na floresta. O que faço aqui? Quando vim para cá? Levanto-me e tento tirar a terra de minhas roupas... É, não dá. 

Uma névoa densa e fria está presente em todo o local. Que estranho... Isso nunca ocorreu antes...

Nunca vim nesta parte da floresta. Começo a andar, no entanto fico cada vez mais perdida. Aonde estou? 

- Olá Catherine. - Olho para trás e vejo Destiny parada. Ela está usando um bonito vestido de noiva e me olha ferozmente. 

Ela então coloca dois dedos na boca, e libera um assovio. Para minha surpresa, Nathaniel surge logo atrás dela, que caminha até ficar ao seu lado e segura sua mão. 

Destiny vira-se em direção a Nathaniel e lambe a sua bochecha. Rindo de minha expressão confusa, a puta ruiva começa a afastar-se dele. 

Nathaniel de repente cai no chão e começa a ter uma convulsão. Uma gosma branca sai de sua boca. 

O que está acontecendo? 

 Corro em direção a ele, mas somente ajoelho ao seu lado, vendo-o morrer. 

O que posso fazer?

- O que você fez sua vadia? Reverta isso! - Tentei gritar, mas nenhum som saiu de minha boca. O que está acontecendo?

Olho novamente para Nathaniel e, igual ao Matt, vejo sua vida esvaindo lentamente. 

Ele está morto?!

Começo a chorar compulsivamente. 

Isso não pode estar acontecendo!

Ouço uma tosse atrás de mim. É Destiny, tentando chamar minha atenção. Levanto-me devagar e a olho com raiva. 

Eu vou matar essa vadia! 

Fui apertar o botão de minha pulseira, porém isso não aconteceu. Olho para meu pulso e sinto até falta de ar. 

Cadê a minha pulseira/espada? 

Não acredito, estou completamente desarmada! 

Olho mais uma vez para Destiny e vejo ela se mertamarforsear em Lydia. O quê?? Como assim? Vejo os olhos da Destiny/Lydia começarem a ficar todo negro... Ela vai me ipnotizar? 

Não dá para eu ficar aqui

Dei uma última olhada em Nathaniel e comecei a correr floresta à dentro, chorando.

O que está acontecendo aqui?

Nathaniel não pode estar... Estar... Estar morto! 

Corro o mais rápido que consigo, desviando de troncos caídos, raízes delas que estão expostas e tentando controlar a respiração. Tudo ao mesmo tempo. Até que um galho de árvore estava baixo demais e eu não o vi: bati com tudo. A força gerada me fez cair para trás. 

Ai! 

Destiny/Lydia surge na minha frente. Arrasto-me para trás. O que ela vai fazer agora? 

A vadia então se transformou em uma medusa. Gritei e tentei levantar, mas algo segura minhas pernas. Olho para elas, vejo que estão petrificadas. Ela está transformando-me em pedra! Grito mais uma vez, até que eu já havia me transformado totalmente em pedra. 

Acordo de repente, com um grito. Olho para os lados e vejo que estou em meu dormitório. Estou suando frio e com o corpo todo tremendo. Foi um sonho. Começo a chorar alto, soluçando. Como um belo sonho se transformou nesse pesadelo?

- Cat? - Ouço uma voz baixa me chamar. Ang. - Está chorando? - Coloco o travesseiro no rosto, tentando em vão abafar o choro descontrolado. 

Ai meu Deus, nada daquilo aconteceu! 

Sinto uma mãozinha tocar meu ombro. Ang se senta ao meu lado e me abraça de forma acolhedora. 

Chorei por mais um tempo, até que tive forças o suficiente para parar. 

- Obrigada Ang. - Digo com a voz baixa e rouca. 

- Não há de quê. - Ele diz, passando a mão pelas minhas costas - Acha que consegue voltar a dormir? 

- Sim. - Respondo e dou uma risada fraca. Ang me dá uma um beijo na bochecha e vai para cama, dormindo logo em seguida.

Este garoto é impresionante. Como ele pode ser tão responsável... Tão... Adulto? 

Deito na minha cama, porém sei que não conseguirei dormir novamente. Não quero ter aquele sonho novamente... Minha pulsera! Olho para o pulso e a vejo ali, sentilando ao luar. Suspirei aliviada. Peguei meu celular, meu fone e escutei música até ficar de manhãzinha, pensando em tudo, menos naquelas horrorosas cenas.

Olhei para as horas e vi que são 5h46min. Levantei-me e fui tomar um banho. Enquanto deixo a água quente escorrer por minhas costas, relaxando meus nervos, começo a pensar no sonho. 

Eu não o entendi muito bem. Será que ele tem algum significado especial? Será que Nathaniel corre perigo? 

Catherine deixe de ser trouxa! Ele tem bastante gente a sua volta... Ele não precisa de você... 

Com raiva, desligo o chuveiro. Vesti meu casaco preto do Black Veil Brides, uma calça jeans e meu All Star de cano alto e preto. 

Dou um pulo de susto quando ouço um despertador tocando. Ang o desliga e depois suspira.

- Você acorda cedo em - Ele murmura, fazendo-me dar uma pequena risada. 

- Não acordo não. Hoje foi exceção. - Digo sentando de novo em minha cama, para desembaraçar o cabelo. 

- Conseguiu dormir?

- Sim - Minto de maneira natural - Obrigada Ang. 

- Eu que preciso agradecer Cat. - Ele diz dando um largo sorriso, que retribuí com entusiasmo. 

***

Depois de tomar banho e se vestir, Ang sai do banheiro e pergunta:

- Bora tomar café? 

- De onde surgiu toda essa animação? - Pergunto levantando-me e seguindo Ang até o refeitório.

- De você. - Ele responde. 

Peguei meu café, minhas torradas e me sentei na mesa onde já estão sentados: Guilherme, Lili e Lúcifer. 

- Bom dia - Cumprimento. 

- Bom dia. - Eles cumprimentam de volta. Logo sentaram-se conosco Ang, Can e Lydia. Tivemos um agradável café da manhã. 

- Ângelo, treinará consoco hoje? - Lúcifer pergunta. Ang pensa um pouco e responde: 

- Claro! Que tal irmos agora pessoal? - Todos concordamos e os segui para o campo de treino. 

Esse acampamento é enorme! 

O acampamento contém o seguinte: a enorme casa vermelha (Guilherme falou que quem mora lá é Harry e Josh. Somente os dois), a enorme área dos dormitórios (devem ter uns 60 dormitórios e todos são imensos!), o refeitório, que também é muito grande, uma enfermaria, uma biblioteca (tenho que passar por aqui depois) e agora chegamos à gigantesca área de treinamento. Em todo percurso, não avistei nenhuma outra criança além do Ang.

- Está vendo aquele canto ali? É a área de arco e flecha. Licencinha - Diz Lydia e corre em direção à area de arco e flecha, que é constituída por diferentes alvos. Can e Lili a seguem. Parei para obeservar-los. Can pega um arco dentro de uma caixa de metal, posiciona sua flecha, mira no alvo e ZAP! Acerta no ponto vermelho. Lili faz a mesma coisa, só que acerta bem no centro do ponto vermelho. Depois Lydia também pega um arco na caixa, mira em um dos alvos e de repente ZUUM! A flecha sai em uma velocidade impressionante, acertando o alvo bem no meio. A força foi tanta, que a mesma afundou-se até a metade. 

Eles são incríveisContinuei seguindo Guilherme e escuto Lúcifer dizer:

- Aquele canto ali é a área dos machados. - Ele corre para lá e começa a guerrear com outras pessoas. De repente, os outros acampamentos vieram para minha mente. A saudade que sinto deles chega a doer. 

Continuamos nosso caminho e finalmente Guilherme diz:

- E esta é a área das espadas. - Sorri - Já sabe manusear alguma arma, Hayes? 

- Vamos ver se sei. - Digo e aperto o botão de minha pulseira, fazendo minha espada surgir. Todos que estavam guerreando com espadas pararam e começaram a me observar. 

- Impressionante cat. - Diz Ang, sorrindo. 

- Muito bem Hayes. Que comece o treino... - Seis pessoas foram para cima de mim de uma vez. Como o nível delas não chega nem aos pés dos dragões, venci-as facilmente. Logo, outras pessoas foram chegando e quando fui ver, já estou lutando com todas as pessoas do acampamento que preferem espadas. Ganhei de todas. Só faltam Guilherme e Ang. Do Guilherme venci com um pouco mais de dificuldade. Agora o Ang me deixou até surpresa. 

Ele é o que melhor lutou comigo até hoje! Custei perceber como é a técnica dele e quais são as suas fraquezas. Por fim, consegui vencê-lo.

- Você é muito bom Ang. - Digo sorrindo. 

- Você é ainda melhor Cat. - Ele diz piscando o olho. Ouço passos vindo em nossa direção. Harry e Josh. Todos na área de treinamento pararam e fizeram posição de "sentido". Segui o exemplo deles. 

-Pessoal, temos uma nova missão. Sigam-me: Can, Lúcifer, Lili, Guilherme e Catherine. - Arqueei as sobrancelhas. Eu? Em uma missão? Já? 

Os segui em direção a casa vermelha. Quando entramos, sentamos na mesa redonda.

- Pessoal, a missão é a seguinte: Uma princesa peculiar do Egito foi sequestrada. Vocês tem que salvá-la e devolvê-la aos pais. - Diz Josh, de maneira simples. Eu não dou conta de fazer isso! Salvar uma princesa do Egito? Sério? 

- Aqui está a pedra que os telesportará para o Egito. - Diz Harry entregando a pedra roxa à Guilherme.

- Ai meu deus, parem por favor! - Peço começando a entrar em pânico. 

- Acalme-se Catherine - Diz Harry, com toda a sua forma gentil - Será fácil e até divertido. 

- Só vem com a gente Hayes - Guilherme diz colocando o braço sobre meus ombros e me puxando para fora da casa vermelha. 

- Estou com medo, idiota. - Murmuro apreensiva. 

- Não tem nescessidade - Diz Lúcifer, sorrindo de maneira amistosa. Uau. Eu não tinha reparado que ele tem um belo sorriso...

É por que ele não tinha sorrido até agora, né Catherine!

Sem perceber eu já havia lançado um sorriso de volta. 

Caminhamos para fora dos portões, floresta adentro. Quando todos paramos, fizemos uma roda e demos as mãos.

- Todos prontos? - Pergunta Guilherme colocando a pedra no chão. Murmuramos um "sim". Ele me olha uma última vez, coloca o pé sobre a pedra e diz: 

Aegyptum Nilus. - A luz branca nos envolve e fecho os olhos. Sinto o clima ficar completamente quente e meus pés afundarem em areia. Abro os olhos e vejo que estamos no Egito, perto do Rio Nilo. Isso é muito legal. 

Ai meu Deus, que calor dos infernos!

- Esquecemos de trocar de roupa - Comenta Lili.

- Você acha Lili? - Guilherme pergunta, completamente sarcástico. Lili sorri e responde:

- Suspeito sabe. - Todos nós demos uma gargalhada. 

- Olhem! - Diz Lúcifer apontando para umas barraquinhas armadas perto do leito do rio. - Devem ter roupas lá. 

- Alguém sabe falar Egípcio? - Pergunta Guilherme.

- Você sabe falar em Latim e não sabe falar em egípcio? - Lili pergunta. Então é Latim a lingua estranha que eles pronunciam...

- Você sabe alguma das duas línguas? - Ele rebate sem piedade. 

-Primeiro: O nome coreto é Árabe egípcio. Segundo: Eu sei falar essa língua. - Digo tentando fazer ambos pararem com a briguinha.

- Legal - Diz Can. 

- Arranje umas roupas para nós Cat - Diz Ang, dando-me um leve empurrãozinho. Caminhei em direção à uma das barraquinhas e vi que possui muitas roupas bonitas. O dono da lojinha é um senhor de idade, que quando me aproximei deu um sorriso dem dentes. 

mrhba! ymkn 'an huzmat almalabis balnsbt li wa'asdiqayiy, min fadlk? ( Olá! Poderia arrumar roupas para mim e para meus amigos?) - Peço. Cada um escolheu belas, confortáveis e frescas roupas. Paguei, agradeci com um sorriso no rosto e voltei em direção aos meus amigos. 

- Eu me achando porque sei falar em Latim e você chega e sabe falar "Árabe Egípcio". - Diz Guilherme, olhando-me feio. Dou uma gargalhada. 

- Sei falar seis línguas além da minha. - Digo orgulhosa. Não sou de me exibir, mas poxa, trabalhei duro para aprendê-las! 

- Quais? - Lili pergunta, bastante curiosa.

-Além do português, que é minha língua "nativa"...

- Você é brasileira? - Ang pergunta, chocado. Dou uma gargalhada.

- Sou sim.

- Você pronuncia o inglês muito bem. Parabéns- Lúcifer parabeniza.

- Obrigada! Sei falar: Português, espanhol, italiano, francês, alemão, híndi e Árabe egípcio. A próxima da lista que vou aprender é latim. - Digo. Todos dão uma gargalhada.

- Deixa que eu te ensino - Diz Guilherme piscando para mim. 

- Pessoal... - Diz Can, um pouco apreensivo-  Chegamos. - Olhei para frente. É chegamos. As grandes pirâmides de Gizé. 

aqui? - Pergunto com um nó formando-se em minha garganta. Guilherme afirma com a cabeça. -Por que está tão vazio por aqui? - Pergunto, não conseguindo ver ninguém. 

- Estão todos na Esfinge. Hoje inaugura um novo nariz para ela. - Can diz, dando uma risada. Rio também. 

- E por onde vamos entrar? - Lilli pergunta, parecendo estar com um pouco de medo.

- Vamos procurar. - Diz Ang. Procuramos em volta delas, mas não encontramos nada. 

- Ei Cat - Diz Can, pousando bem na minha frente. - Vem comigo. - Can me segura pela cintura e se lança céu acima. Rapidamente enxotei as lembranças dos outros acampamentos da cabeça.

- olhe aqui - Ele diz e aponta para uma parte da pirâmide. Reparo que há algo escrito... 

baed 'iidhnikum 'urid luftaha, wal'abwab alty la nihayat laha - Leio em voz alta. De repente, a pirâmide toda treme e escuto algo sendo arrastado. 

Can pousa novamente e reparamos que uma porta se abriu. Um cheiro ocre vem da abertura. 

- Impressionante Hayes - Guilherme diz examinando a passagem. Lúcifer tirou do bolso uma pedra branca e grande. 

- Harry nos deu. - Diz dando de ombros.  Ele entra na passagem e diz:

- Lux! - E a pedra se ilumina a tal ponto, que podemos ver completamente a caverna em que entramos. É maravilhosa! Desenhos egípcios "enfeitam" a parede, potes de cerâmica espalhados perto da grandes colunas listradas por todo o local. Na parede oposta à nós, uma porta grande destaca-se. 

Os meninos tentaram abri-la de todo o jeito. Está selada. 

Reparei bem nos desenhos acima da porta. Hum... 

maftuhat, fi aism 'anwbis. - Leio. A grande porta se abre em um baque. - Não gostei do que tive que dizer - Digo apreensiva.

- E o que você disse? - Pergunta Ang segurando a minha mão. Bem, de qualquer jeito ele é uma criança... É claro que está com medo. 

- " Abra, em nome de Anubis" - Traduzo aflita. Todos nós exitamos por um momento. E se não conseguirmos mais sair daqui? E se essa princesa já estiver morta? Ela vale todo o esforço?

Lúcifer toma a dianteira e entra na tumba. Ótimo. Caminhamos por bastante tempo,  em uma descida. É uma espécie de ponte, porém não é larga (só dá uma pessoa de cada vez) e é escorregadia. Caminhamos em um ritmo constante e meu coração bate cada vez mais alto. 

Se eu cair daqui, FUDEU. 

Com esse pensamento na cabeça, continuamos nosso caminho. A ponte aonde caminhávamos se deu em um longo corredor. Ang mais uma vez segura minha mão e a aperta forte. Por um momento fiquei com medo dele esquecer de sua peculiaridade e... Bem... Não! Não seja tola! Balancei levemente a cabeça, para afastar os maus pensamentos. 

Por um bom tempo ficamos seguindo o corredor, até que encontramos uma ampla sala. Suas paredes são decoradas com desenhos feitos com a famosa "tinta de ouro". O que maís chama a atenção é o lindo "caixão de múmia" que está posto em um altar. É feito de ouro e encrostado de pedras preciosas. Pequenas batidas assustam-me vindas lá de dentro. 

- É a princesa? - Lili tira as palavras de minha boca. 

 - Provavelmente - Responde Can. Os meninos tentam abri-lo de todo jeito, mas igual à porta do início, está selado. Procurei por alguma imagem que fosse útil, no entanto foi em vão. 

- Hayes, dê uma olhada aqui - Guilherme chama-me. Vejo que está apontando para uma inscrição no topo do "caixão". Todos se afastam para dar-me espaço. 

ana harrart fi aism 'anubis (eu a liberto, em nome de Anubis!) - O caixão fez um istalo e um jarro de algo verde jorrou em minha direção. Desviei para não acertar meu corpo, mas pegou no meu braço, do meu cotovelo para baixo. Gritei de dor e caí de joelhos. Ai meu Deus, isso queima! Olhei para meu braço ferido com os olhos cheios de lágrimas. Ele está cheio de bolhas! 

Guilherme se põe ao meu lado, pega a sua blusa, derrama nela água gelada e enrosca em meu braço, fazendo-me dar outro berro. Agora eu comecei a chorar. Dói demais!

- Cat, coma isso - Diz Lili e me entrega uma pequena bolinha vermelha. A coloquei na boca e quase cuspi. Que gosto horrível! No mesmo instante, meu braço deu uma aliviada.

- Obrigada - Murmuro agradecida. 

- Eu é que tenho que agradecer - Assusto-me quando escuto uma voz desconhecida dizer. Apoiada em Lúcifer, a princesa egípcia que viemos resgatar. Sorri para ela. Como é bonita! Seus cabelos pretos são longos e lisos até a cocha. Está usando uma tiara com uma cobra de ouro como enfeite. Suas roupas são até simples, mas sua postura demonstra superioridade. Sua expressão, além de expressar gratidão, expressa também determinação. 

Escuto barulhos de passos. Todos olhamos em volta ao mesmo tempo. Múmias se aproximam de nós. Muitas múmias. Vi que consigo mecher meu braço, então aperto o botão de minha pulseira, fazendo minha espada surgir. 

- Só lute em caso de emergência. Não force seu braço! - Ordena Lúcifer a mim. Obedeci. Começamos a voltar para a ponte. Meus amigos lutam contra as múmias. Mas Ang é especial. A destreza de como luta chega a ser encantador. Chegamos à ponte estreita e começamos a correr um por um. De repente a ponte treme, quase nos derrubando. Ouço barulho de algo sendo lançado... Flechas! Muitas, vindo em nossa direção! 

Levanto os braços sem pensar duas vezes e... Nada. Olho para frente, e vejo uma grande barreira de ar segurando as flechas. 

Ai meu Deus.

Eu estou fazendo isso?  Para testar, tento virar as flechas em direção às múmias que a lançaram. Elas viraram. Escuto meus amigos soltatem um "oh!" impressionados. Lanço as flechas em direção às mumias. Foram aniquililadas... Mas outras surgiram. 

Descobri meu poder... E ele não para por aqui. Fiz o chão sobe o qual estavam pisando levantar-se e algumas delas caíram abismo abaixo. 

Fiz água jorrar das paredes com uma tal pressão, que derrubou mais algumas para o abismo.

Para acabar com o resto, pressinti uma camada de lava passando bem por cima de suas cabeças... Fiz-a cair sobre eles. Pronto. Todas as múmias estão mortas.  

Vendo o que acabei de fazer, arregalei os olhos. Eu não acredito! Minha cabeça começa a latejar e minha visão escurece... Perco a consciência. 

***

Acordo deitada em minha cama, no meu dormitório. Lili e Lydia estão sentadas na cama ao lado.

- Você acordou! - Diz Lili com os olhos brilhando.

- Bem vinda de volta! - diz Lydia. Sento-me e vejo que estou com um de meus pijamas e com o braço machucado bem enfaixado.

-Te demos um banho e trocamos você, para que ficasse à vontade. E um enfermeiro cuidou de seus braço. 

- Obrigada - Agradeço as duas. Alguém bate na porta e vejo Harry e Josh entrar.

- Para fora meninas - Diz Josh. Elas se despedem e saem. 

- Como se sente? - Pergunta Harry, sentando á minha frente 

- Bem, obrigada.

- Dei para o enfermeiro a pedra da cura, para ele colocá-la em seu braço. Daqui a três dias, não vai haver mais nada aí. - Sorri e agradeci. 

- A princesa foi devolvida aos pais, como planejado. - Diz Josh e oferece um pedaço de chocolate. Aceitei, agradecida.

- Fico feliz em saber - Digo. Realmente fiquei mesmo. - Senhores, quer dizer que meu "poder" é... - Não consigo terminar de dizer. É loucura demais!

- Sim Catherine. Você pode controlar os quatro elementos. - Diz Harry, com os olhos até brilhando de orgulho. 

Eu não acredito. Isso é MUITO legal!

- Descanse mais um pouco, ok? - Sugere Harry.

- Tem treino amanhã -Josh me lembra, fazendo-me rir. Despeço-me deles e caio num sono sem sonhos ...


Notas Finais


Foi isso peoples! Espero que tenham gostado! Bjssss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...