História Camren Na Turnê - Capítulo 79


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Bissexual, Camila Cabello, Camren, Camren Is Real, Fifth Harmony, Lauren Jauregui, Lesbian, Lesbians
Exibições 871
Palavras 2.877
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Festa, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 79 - Chapter 79 - Amnesia Love


Fanfic / Fanfiction Camren Na Turnê - Capítulo 79 - Chapter 79 - Amnesia Love

Os batimentos cardíacos de Lauren ainda eram monitorados pelo contínuo barulho de um beep cuja máquina levava seus longos fios com adesivos até seu tórax, enquanto estava vestida por uma fina camisola branca quase transparente, cuja frente era semi aberta até a barriga.

Somente os fios e a roupa aparentemente lembravam que ela era paciente do hospital, pois seu rosto estava corado e ela olhava tudo atentamente ao redor como se estivesse examinando cada detalhe do que a fazia mantê-la ali.

Que porra eu vim fazer aqui..., pensou desconfiada enquanto a enfermeira tinha saído para fazer uma ligação.

Ela me chamou de Lauren... É esse o meu nome?, perguntou-se ao esfregar a mão no braço dolorido pela retirada recente do soro que havia sido a sua única alimentação até então.

-Daqui a uma hora você poderá se alimentar normalmente, Lauren. Quem sabe até receber alta! - disse a enfermeira voltando para o quarto empolgada.

-Acabei de falar com o Dr Eckhart. Ele está chegando. - disse segurando a sua mão.

Dr Eckhart Tole, o médico que a salvara, considerava uma vitória Lauren ter acordado do coma induzido após a delicada cirurgia na cabeça, um corte mínimo de 6 cm, mas altamente preciso, ao qual ela havia respondido tão bem.

...

-Senhora, Clarinda. - disse ele ao chegar na sala de espera do hospital onde a mãe de Lauren, Camila e seu pai Alejandrino esperavam.

-Sim, doutor. - disse Clarinda com a mão no peito em suspense.

-Lauren acordou do coma e o quadro geral dela é positivamente progressivo e altamente satisfatório.

-Graças a Deus! - disse Clarinda juntando as mãos em prece e voltando a chorar, sendo abraçada por Camila e Alejandrino.

-Eu irei vê-la agora e em poucos minutos chamarei a família.  Aguardem, por favor. - disse ele.

...

- Boa tarde, Lauren. - disse Dr. Eckhart entrando no quarto.

Lauren tentou responder, mas a garganta seca impediu que a sua voz saísse.

-Está sentindo a garganta seca e a voz arranhada, não é? Não se preocupe. É assim mesmo. - disse ele sorrindo.

Lauren fez um sim com a cabeça e ele continuou:

-Consegue apertar a minha mão? Muito bem. Agora abra bem a boca e feche os olhos. Isso. Abra os olhos e acompanhe meu dedo para um lado e para o outro. Mostre-me a língua enquanto isso. Ótimo. Agora mexa a língua bem rápido pra cima, pra baixo, de um lado ao outro. Ponha a língua pra dentro e trinque os dentes forte. Abra. Trinque. Abra. Faça um O com a boca. Sorria. Mais. Isso. Que sorrisão você tem, Lauren!

Que ridículo, pensou ela achando aquilo tudo fora de propósito, mas se não conseguia nem se lembrar do próprio nome e nem do que estava fazendo ali, era melhor obedecer.

-Ótimo, Lauren. Consegue sentar na cama? Eu te ajudo. - disse ele a suspendendo.

Lauren tentou puxar o lençol para cima enquanto ele a suspendia, pois a camisola semi transparente a fazia se sentir nua e ela estava sem graça.

-Sente isso aqui? - disse ele dando duas cutucadas em suas costas ao que ela arqueou.

-E aqui, Lauren? Dá cócegas não é? Muito bem. - disse ele anotando em seu caderno.

-O que aconteceu comigo? - disse ela com a voz rouca e falha.

-A senhorita estava sozinha dentro do carro e decidiu testar suas habilidades como piloto de fórmula 1 numa rua de chão de terra... Houve um acidente e a trouxemos para cá. Não lembra de nada?

Lauren fez um não com a cabeça, mas queria entender melhor tudo aquilo.

-Acidente? - disse tocando a cabeça atrás instintivamente e sentindo uma pequena gaze um pouco acima da nuca.

-Sim... Fizemos uma cirurgia para a retirada de um pequeno coágulo e esperávamos te ver dormindo por mais uns dias, mas olha só. Parece que você já quer ir embora - disse rindo.

Lauren tentou esboçar um sorriso, mas não conseguiu e virou o rosto para o lado tentando se lembrar de alguma coisa.

-Não me lembro do acidente... Nem de ter vindo aqui... Eu não lembro de nada, nem do meu nome, nem quem sou... Ou o que faço... Você e a enfermeira me chamam de Lauren...

-É o seu nome... - disse ele pegando uma pequena lanterna e apontando a luz para os seus olhos.  - Você está ótima e não se preocupe, pois com o tempo você vai se lembrar de tudo e o seu cérebro não foi afetado em nenhuma área. Você tem o que chamamos de Amnésia Provisória provocada por algum choque e...

-Choque?

-Você terá visitas agora e vai poder conversar sobre isso. - disse ele pegando sua mala para sair.

-Espere, doutor... - disse Lauren. -Quando é que eu vou recuperar a memória... Em quanto tempo?

-Não há uma data específica, mas seus amigos e familiares vão ajudar você. Ah... Antes de mais nada... Você está com fome?

-Estou...

-E qual a sua comida preferida?

-Pão! - disse imediatamente.

-Vê? Algumas coisas simples você não esquece. Já outras mais complexas você vai recuperando. Seja paciente e...  

Dr Eckhart pegou uma pequena espátula dentro do bolso e passou de vez na sola do pé de Lauren.

-Aaii!!! - gritou ela tirando o pé.

-Seus reflexos estão muito bons. O tempo é seu amigo Lauren. Seja gentil com você mesma. - disse saindo.

Gentil comigo mesma..., pensou ela olhando novamente para seus adesivos no peito.

Tentou retirá-los, mas a enfermeira a impediu:

-Um momento, Lauren. Deixe-me fazer meu trabalho. - disse retirando com cuidado os adesivos.

Lauren suspirou e falou:

-Quando eu vou sair daqui?

-Em pouco tempo... Ah! Chegou visita! - disse a enfermeira vendo Clarinda entrar com Camila e Alejandrino.

Lauren rapidamente puxou novamente o lençol para cobrir-se.

-Filha... - disse Clarinda com os braços abertos e a abraçando.

Ficou quase um minuto esmagando Lauren enquanto chorava.

Quem é essa mulher..., pensou Lauren sem reagir.

-Eu pedi tanto! Eu rezei tanto pra você recuperar, filha... Deus me ouviu! - disse a apertando mais.

-Mãe? - perguntou ela em dúvida.

- Eu sou sua mãe, filha. Sou eu... - disse Clarinda pegando a mão de Lauren e colocando em seu rosto. - Vamos pra casa e veremos seu pai, seus irmãos. Vamos nos reunir o mais rápido possível...

Lauren não sabia o que dizer e tentou sorrir pra ela até que viu num canto uma moça morena com as mãos pra trás, quase tímida a olhando. A moça sorria levemente, mas Lauren pôde ver seus olhos marejados e percebeu que ela parecia lutar pra não chorar ali enquanto soprava sutilmente lufadas de ar e inspirava.

Clara viu que sua filha não tirava os olhos de Camila e se afastou um pouco.

- Eu e Camila e Alejandrino ficamos revezando a vigília no hospital... Pra cada um sair pra almoçar ou lanchar, mas não deixar você sozinha... Vem, Camila. - disse fazendo um sinal para Camz.

- Camila? - perguntou Lauren curiosa observando ela se aproximar.

Camila aproximou-se devagar e em silêncio enfim tomando a mão de Lauren pra si e apertando até não conseguir evitar mais as lágrimas.

- Lauren... - murmurou.

-O-oi... - -gaguejou Lauren assustada em ver a reação emotiva dela. -Somos irmãs?

-Não... - disse Camz rindo e chorando mais.

-Oh...

-Camila é a sua... Amiga.  - interrompeu Clarinda.  -Sua melhor amiga...

-Mesmo? - disse Lauren ainda olhando pra Camz e sorrindo.

-Sim... - disse Camz limpando as lágrimas sem encará-la e tentando sorrir.

...

Camila estava aliviada.

Até então tudo parecia um grande pesadelo em que ela custava acreditar que tinha acontecido.

Ser sequestrada por Bufallo Bill e depois saber do acidente de Lauren tentando salvá-la havia sido demais para ela e a única forma de lidar com aquilo estava sendo a base de anti depressivos e ansiolíticos que o proprio Dr. Eckhart passara.

Mas aquele dia em que Lauren acordara do coma havia sido o primeiro dia em que Camz não tomara qualquer remédio. O alívio que ela sentia era maior que qualquer outra coisa e tudo o que mais queria era abraçar Lauren novamente.

Mas vê-la a olhando como se não a reconhecesse e perguntando se eram irmãs era totalmente inesperado, sendo que um certo desespero tomou conta dela.

Deveria contar que eram namoradas?

Clarinda tomou a frente dizendo que eram amigas...
Deveria contestar e dizer que não?

Camila agora sentia raiva. Raiva em saber que talvez o que a mãe de Lauren mais queria era isso, que Lauren esquecesse para sempre o relacionamento das duas, que não houvesse qualquer sentimento a lembrar.

-Você víu a cara dela, pai? - perguntou chorando. -Ela não tinha ideia de quem eu era...

-Ela vai se lembrar, filha... Lauren acordou de um coma. Não se pode exigir nada dela. - disse Alejandrino tentando confortá-la.

-Será que um dia ela vai lembrar do que tivemos?

-Claro que sim... Mas você pode reconquistá-la enquanto isso...

-Como assim?

-Faça de conta que vocês estão se conhecendo pela primeira vez... Apresente a ela o que vocês gostam etc...

Camz suspirou.
Ela sabia bem do que Lauren gostava e talvez o caminho fosse justamente este...

Brincar de seduzir..., pensou.

...

O resto da turnê foi cancelado por apenas uma semana já que Lauren lembrava de todas as músicas e das coreografias.

-Como você se lembra das músicas e dos passos mas não se lembra da gente? - perguntou Normani intrigada.

-Eu não sei te dizer. -disse Lauren. - As vezes me vêem até flashes do tal X-Factor que vocês me falaram. Eu já até lembrei em como fui selecionada... Simon Cowell... Mas não lembro de vocês... Nem da minha mãe e do meu pai... Lembro vagamente dos meus irmãos, mas só de como eles eram na infância... A minha mãe me mostrou fotos, mas eu não os reconheço crescidos... Ah! Eu me lembro da minha avó! E um pouco do meu avó. E da tatuagem em homenagem a ela!

-Bem... - disse Normani. - Eu poderia te dizer mais coisas, mas é bom que você se lembre naturalmente...

-Que coisas?

-Sobre eu ser sua melhor amiga...

-Espera. Não é a Camila a minha melhor amiga?

-Sim e não... O relacionamento de vocês é um patamar mais... Sério... E o da gente é mais zuação...

-Sério e zuação?

Normani viu que falara demais e achou melhor ficar calada.

Deveria dizer que a sua amiga era lésbica?
Deveria dizer que ela comia Camila há 4 anos e que já tinha confessado a ela que a sua posição preferida era ver Camila de quatro?
Deveria dizer que elas já tinham se pegado naquela turnê e que havia sido a coisa mais idiota que fizeram?

Talvez seja bom ela ter amnésia..., pensou Normani. Certas coisas eram melhor não serem lembradas...

-Eu sou seu anjo da guarda. - disse Ally chegando na conversa.

-Meu anjo? -  Lauren achou graça.

-Voz da consciência, palavra da razão, anjo... Eu te aviso quando vai fazer burradas e também temos intermináveis crise de risos as vezes... Quando começamos a rir em dupla não conseguimos parar...

-E eu sou a sua diva. - disse Dinah interompendo. -Eu sou aquela que você olha e quer ser igual, aquela que você respeita e teme. Você já sabe que quando eu me irrito é melhor assumir o erro e me pedir desculpas. Nunca é demais lembrar.

-Tá certo... - disse Lauren rindo.

-Mas tenho um coração gigante e você adora tirar um cochilo me abraçando no ônibus, quer dizer, você prefere Camila, mas... Ai! - gritou Dinah após receber um tabefe de Normani nas pernas.

-Enfim, por agora é só isso que você precisa saber... - concluiu Dinah.

-Obrigada por me informarem. - disse Lauren olhando para elas e sentindo empatia e uma conexão estranha.

Eu sinto como se eu as conhecesse, mas não lembro delas..., pensou intrigada.
De qualquer maneira, são meninas fofas... Gosto delas..., suspirou.

Camila passava por elas carregando as malas do hotel.

-Camila! - gritou Lauren vendo Camz agora paralisada a olhando.

-Sim? - perguntou camz surpresa ao vê-la a chamando.

-Quer ajuda com as malas?

-Pode ser... - disse meio atordoada.

Lauren levantou-se de onde estava e a ajudou caregando uma bagagem de mão.

-Então voltaremos para Miami? - perguntou tentando puxar conversa.

-É... Papa Jerry deu essa pausa e voltaremos para casa...

-E eu e você somos as únicas que moram em Miami?

-Sim...

-E somos vizinhas?

Camz riu um pouco.
Lauren parecia uma criança perguntando as mínimas coisas.

-Mais ou menos. - disse. - Não moramos exatamente perto, mas de carro dá uns... 15 minutos...

-É perto! - disse Lauren.

-Costumávamos achar uma etenidade...

-Sério? - perguntou surpresa.

-É, digo... Sei lá. Realmente é perto. - disse Camz sem graça.

-E eu frequentava muito a sua casa? Você frequentava a minha?

Camila parou de vez de andar e olhou para Lauren.
Fitou seus lábios e a sua vontade era de agarrar-lhe ali e dar-lhe um beijo. Quem sabe assim ela lembrasse?

-O que f-foi? - perguntou Lauren hesitante estranhando a encarada de Camila bem perto do seu rosto.

-Nada... - disse Camz virando-se frustrada e retornando a levar as malas.

Pegaram, junto com Clarinda e Alejandrino, o primeiro avião para Miami.

Dentro do avião Camz pode ver melhor o curativo atrás na cabeça de Lauren que cochilava.

Tocou com as pontas dos dedos a gaze e sentiu o relevo.
Percebeu que Lauren acordava e retirou a mão rápido.

-Desculpe... - falou.

-Eu nem lembro que este curativo está aí... - disse Lauren sonolenta.

-Você não troca?

-A minha mãe troca pra mim... - disse bocejando.

A maneira como Lauren bocejava e falava arrastado com sono fez Camz transbordar de amor.

Eu te amo tanto..., pensou, morta de vontade de falar, enquanto olhava para ela quase dormindo com os olhos semi -cerrados.

Elevou suas mãos para os cabelos de Lauren que caiam em sua testa e colocou para trás acariciando-os.

-Hum... Eu adoro cafuné... - disse Lauren com o rosto apoiado na poltrona quase voltando a cochilar.

-Eu sei que você adora... - disse Camz continuando a acariciar até ela voltar a dormir.

Lauren murmurava baixo como se fosse um bebê, mas Camila ficou um bom tempo a observando e não estava resistindo assistir aquele formato de boca perfeito quase babando e fazendo sons inaudíveis enquanto dormia.

Nossa, como ela é linda... Não consigo me acostumar..., pensou suspirando.

Quando deu por si, já estava segurando o rosto dela com uma mão e aproximando o seu rosto. Mas de repente viu dois olhos extremamente verdes a encarando abismada por dois segundos e a afastando bruscamente.

-Que porra você está fazendo? - disse Lauren chocada.

-Desculpa! - disse Camz sem saber onde enfiar a cara. - Eu também estava dormindo e sonhei com o Brad Pitt e quando abri o olho era você!

-O quê? - disse Lauren caindo na gargalhada.

Camz ria também com o coração quase pulando, tentando disfarçar aquele fora.

-Você é uma comédia, Camila... - disse ela enxugando as lágrimas de tanto rir.

-Bob esponja sou eu! - disse Camz sem jeito.

-Bob esponja! - gritou Lauren. -Eu tô lembrando! Você é o Bob Esponja e eu sou o panda! Não é?

-Sim... - disse Camz surpresa.

-Yes! - gritou Lauren. - Estou me lembrando...

Camila estava com o coração na boca disparado.

-Vou ao banheiro..., disse se levantando rápido sentindo que teria uma crise emocional ali.

Eu não vou aguentar isso..., pensou suspirando.

....

No aeroporto de Miami estava a família Jauregui de um lado e a família Cabello de outro.
Sino, mae de Camz, e Mike, pai de Lauren, se falavam educadamente, enquanto que Taylor, irmã de Lauren tentava entreter Sofia, irmãzinha de Camz, contando histórias.
Somente Chris, irmão de Lauren estava sério, de braços cruzados, esperando em pé o avião chegar.

Naquela mesma noite era o aniversário do avô de Lauren por parte de pai e a familia Jauregui iria comemorar em casa com o jantar que Mike preparara.

-Vocês estão convidados para jantarem conosco. - disse Mike para Sinu.

-Oh, obrigada... Mas não acho que será uma boa ideia... - disse ela olhando para Chris que a encarava raivosamente.

-Por mim será ótimo. Todos reunidos... Estão convidados. - insistiu Mike.

-Chegaram! - gritou Taylor ao ver ao longe sua mãe e Lauren saindo do desembarque.

Todos correram para se abraçarem.

As famílias se abraçavam aliviadas, chorando e sorrindo e beijando.
Lauren não reconhecia seu pai e irmã, mas estava feliz e emocionada em tê-los ali por ela.

Somente Chris ficara afastado observando todos.

-Chris! Venha pra cá! - disse Clarinda contente.

Chris fingiu que não ouviu e continuou onde estava.

--Hoje é o aniversário do meu pai. - disse Mike. -Vamos todos jantar lá em casa?

Clarinda e Sinu se entreolharam nervosas.

-Sim... Estão convidados... - reafirmou Clarinda, sem jeito.

-Iremos! - disse Alejandrino abraçando Sino e Camila.

-Maravilha! - disse Mike.

Chris sentiu a raiva formigar suas mãos.

Aquela família Cabello dentro da sua casa, depois de todo transtorno que causaram...

Meu pai é um idiota!, pensou chateado.

Olhou para Camz que reparara nos seus olhos cheios de ódio e desviou saindo antes de todos.

Essa Camila Cabello não perde por esperar..., disse pisando forte em direção ao carro.


Notas Finais


https://youtu.be/3LKHmN7jBfI - Camren família
😍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...