História Can You Feel My Heart? - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Asking Alexandria, Bring Me The Horizon, Falling In Reverse, Pierce The Veil, Sleeping With Sirens
Personagens Ben Bruce, Danny Worsnop, Derek Jones, Gabe Berham, Jack Fowler, Jacky Vincent, Jaime Preciado, James Cassells, Jesse Lawson, Justin Hills, Kellin Quinn, Lee Malia, Matt Kean, Matt Nicholls, Mike Fuentes, Oliver Sykes, Personagens Originais, Ron Ficarro, Ronnie Radke, Ryan Seaman, Sam Bettley, Tony Perry, Vic Fuentes
Tags Asking Alexandria, Banda, Bmth, Bring Me The Horizon, Falling In Reverse, Fir, Guitarra, Pierce The Veil, Ptv, Rock, Romance, Skate, Sleeping With Sirens, Sws
Visualizações 17
Palavras 1.250
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, gente! Essa fic era mais viva. Mas eu vou entender. 3 anos sumida...
Bem, tá ai outro capítulo!
Talvez esteja cansativo, mas não quero pular nada na história.
Espero que gostem ;3

Capítulo 21 - Só Um Mal Entendido E... Irmã? Pt 2


Fanfic / Fanfiction Can You Feel My Heart? - Capítulo 21 - Só Um Mal Entendido E... Irmã? Pt 2

(Continuação Kellin ON)
-Eu acho que... a Debora é minha irmã.
-Uau. - Billy. - Vocês ainda estão bêbados?
-Não. - Vic ri.
-Olha Billy... Eu tenho 27 agora. A verdade é que quando eu tinha 10 anos, minha mãe engravidou do meu pai outra vez. Ele era muito ausente, e aparecia raras vezes. - Suspiro. - Quando ele descobriu que minha mãe estava grávida, ele bateu nela e ela quase perdeu o filho. Lembro que eu passava boa parte do tempo com uma vizinha nossa, já que minha mãe se recuperava no hospital. Um dia, ela apareceu com um bebê no colo, dizendo que era minha irmãzinha, e me pediu um nome. Eu escolhi logo Debora. Achava bonito. - Paro por um momento, segurando minhas lágrimas, e vejo Billy me olhando carinhosamente, e Vic me encoraja sorrindo. - Então, alguns meses depois, meu pai apareceu lá em casa, e bateu em mim e na minha mãe. Minha irmã tinha uns 10 meses, era Natal, e eu arrumava enfeites de bolinhas vermelhas e bengalas de doce em seu berço, quando ele me empurrou, e gritou com a minha mãe, que iria me levar embora. Disse que bastava um só, para infernizá-lo por toda a vida, e então a levou embora.
-E sua mãe não o denunciou? - Billy.
-Ela estava muito fragilizada na época... dependíamos do pouco dinheiro que meu pai lhe dava, e ela tinha medo. Por mim, principalmente. Ele disse que mataria nós três, se ela tentasse pegar a criança de volta. - Deixo uma lágrima escapar, e respiro fundo. - A polícia nada quis fazer, pois minha mãe usava drogas e bebia muito antes de engravidar. Não a levaram a sério, e quase me tiraram dela porque a consideravam louca.
-Vocês não tiveram escolha... - Billy suspira.
-Não... Mas então, quando eu cresci e fui adquirindo minhas próprias coisas, minha mãe se tratou e juntos tentamos procurá-la. Nunca a encontramos, e meu pai também sumiu. Tem um caso em aberto na justiça, mas sabe como é... Procuramos muito por conta também, nunca tivemos sucesso...
-E... você acha que é a Debora? Qual a chance? - Billy.
-Bem, eles até que se parecem. - Vic.
-E ela tem uma pequena mancha na coxa... - Sorrio.
-Marrom clara? - Billy ri. - Sim, só não comente com ela. Ela não gosta.
-Pois deveria. É igual a da minha mãe e minha...
-Okay cara, eu concordo com o Kellin. Acho que poderíamos procurar sobre isso. - Vic.
-Billy, você poderia nos levar até o orfanato onde ela ficou?
-Claro... - Ele parece processar as coisas lentamente. - Mas... Seria bom se não contássemos nada a ela.
-Eu concordo. - Sorrio.
-Então... Por hora, vamos voltar pra dentro? - Vic. - Acho que eles já tiveram tempo para conversar.
-Sim, vamos... - Billy levanta e nós o seguimos casa a dentro.
                                 (Kellin OFF)

                             (Ben ON)
*Volta 10 minutinhos no tempo*
Kellin acabou de sair da cozinha, então peço a Billy e Vic, um tempo a sós com Debora.
Eles saem, e ela me olha.
-O que quer, Ben? - Cora.
-Te pedir desculpas... - Sento do lado dela. - Por ter te causado tantos problemas, e principalmente, por bem... Você sabe. Não quero que pense que estou me aproveitando de você.
-Ben... eu... você que tem que me desculpar. - Ela desvia o olhar. - Estraguei a amizade de vocês dois. E também... Quero que não pense que eu... sei lá. Sou uma vadia.
-Debora, que isso! - Pego a mão dela. - Jamais. Não se preocupe com a minha amizade com o Oliver. Logo ele entenderá, caso seja realmente meu amigo. E sobre você... não pensaria isso de você. Nós estamos virando bons amigos. E não pensaria algo assim de você. Sei que gosta do Oliver, e eu tenho meus próprios problemas amorosos. Não vamos nos confundir mais. Tudo bem?
-Ah, Ben... - Ela me abraça e eu retribuo no ato. - Muito obrigada.
-Que isso. - A encaro. - Mas se um dia esquecer o Sykes. - Pisco e ela assume um tom de vermelho vivo, e eu rio.
O clima fica leve novamente quando ela ri junto comigo.
-Imbecil. - Diz sorrindo.
-Sou. - Sorrio de volta, e eu a puxo até a sala.
Sentamos no sofá, e logo os meninos voltam.
Billy parece atordoado, mas sorri quando vê sua amiga rindo de algum jogo bobo no meu celular.
-Vocês estão bem? - Vic.
-Sim. - Respondo. - Que tal a gente jogar videogame?
-Vamos! - Deb e Kell respondem juntos.
Kellin exita e a encara por dois segundos, e então desvia o olhar e senta no outro sofá.
Eu ligo o XBox 360 e os deixo jogando. Subo para tomar um banho, e aproveito e mando uma mensagem para o Danny, contando o que houve e dizendo que se o Oliver o procurar, o que é provável, para ele o fazer entender o mal entendido. E que ele é um imbecil.
Depois de um bom banho, coloco uma roupa qualquer e desço, encontrando meus amigos rindo da surra que o Vic tá levando da Debora no Mortal Kombat.
Agora são 11h, e eu me junto a eles para jogar.
                                  (Ben OFF)

                                 (Danny ON)
A campainha me acorda de um ótimo sono, quase estourando minha cabeça.
Como eu cheguei em casa depois da festa de ontem?
Levanto do sofá, e abro a porta no ódio.
-Oliver?!
-Danny... - Ele me abraça, e eu apenas retribuo, percebendo sua tristeza imediatamente. E seu alcoolismo também.
-Ei, cara... Calma, vamos entrar.
Entramos, e eu fecho a porta.
O levo até a cozinha e coloco a cafeteira para trabalhar enquanto pego um frasco de remédios para ressaca.
Ofereço a Oliver, que aceita, e vou ao banheiro lavar o rosto.
Quando eu volto, Oliver já serviu duas xícaras de café, e se encontra sentado, bebendo e encarando o teto.
-Danny... eu sou um imbecil, né?
-Quando quer, digamos que você consegue muito bem. - Sento de frente para ele, e meu celular vibra no bolso.
Pego e leio em silêncio a mensagem de Ben.
Entendo rapidamente e reviro os olhos.
-Já tô sabendo do que aconteceu...
-Ela me traiu... A Debora... Ela me fez sentir algo, e na primeira chance... - Suspira e me encara.
-Vamos por partes. Primeiro: vocês não tem nada para que ela tenha te traído. Segundo: se tivessem, você a traiu primeiro. Terceiro: o Ben é seu amigo, e não faria nada contra você, e se fizesse, não mentiria.
-Mas ela estava...
-Vestindo apenas a camiseta do Ben. - Sorrio. - Fiquei sabendo. Mas Oliver, qual é... Você sabe que eles não estão mentindo. Não deixe sua irritação, álcool ou orgulho, te fazerem perder, um amigo, ou nem que seja uma nova amiga. Não de novo.
O deixo em silêncio, tomando seu café, e logo Nicholls me liga.
Converso com ele e explico o que houve, porque aparentemente Oliver deixou mensagem pra ele na caixa postal, contando o que ouve, e que estava bêbado de carro.
Quando desligo, ele me encara.
-Você dirigiu bêbado, seu idiota. - O corto antes que ele diga algo, e ele sorri.
-Eu sou mesmo idiota... Quero falar com ela.
-Amanhã, quem sabe... Agora, vamos dar um tempo. Você disse coisas horríveis pra ela, Sykes... Não importa a raiva, tem coisas que simplesmente não devem ser ditas...
-Merda... -  Ele abaixa a cabeça na mesa, e eu suspiro.
Ainda vai render isso...
                                   (Danny OFF)
 


Notas Finais


Gostaram, meus amores?
Se puder deixar um comentário, agradeço. Mas de qualquer forma, obrigada por ter lido! sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...