História Can You Save Me Now? - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Depressão, Park_nick, Taehyung, Violencia
Visualizações 281
Palavras 1.545
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


*amanhã respondo os comentários, to com soninho, desculpa por isso*

Caralhoooooooooo
Quase 100 favoritos só com o primeiro capítulo? Meu cu Amado.

Ta, podem ir ler, eu to brisando aqui porque to com sono ;-;

Capítulo 2 - Consequências de uma dedo duro


Fanfic / Fanfiction Can You Save Me Now? - Capítulo 2 - Consequências de uma dedo duro

No Outro dia eu me sentia mais que péssima, eu estava uma merda completa. Me olhei no espelho, puxei meu cabelo para trás e o amarrei em um rabo de cavalo. 

Coloquei meu sapato, abri a porta do banheiro dando de cara com a Soo, passei por ela indo direto para minha cama. 

Olhei para a janela, as cortinas ainda estavam unidas, não deixando que a claridade entrasse, me levantei e fui até a mesma, puxei as cortinas para cada lado. Me assustei vendo aquele garoto me olhar de longe. 

Engoli em seco e dei um passo para trás, eu pude ver ele levantar o rosto e me chamar com a mão, engoli em seco. Ele queria que eu fosse até lá, coisa que eu não faria. Balancei minha cabeça em negativo, ele colocou as mãos no bolso e se afastou. Eu temi, quando ele deu as costas eu temi. 

Pisquei algumas vezes, olhei para o chão e respirei fundo, tomando coragem para sair daquele quarto. 

Respirei fundo e girei a maçaneta, peguei o papel em meu bolso e olhei para o bloco que eu teria de ir. 

Coloquei as mãos em meus bolsos ao sentir o frio me atingir. Andei até a ala em que ficava o bloco de sala de aulas, passando por alunos que me olhavam torto. 

Passei pelo corredor, o qual era cheio de armários, analisei o número de todos até parar no meu. Abri o armário me deparando com livros, penais. Respirei fundo e olhei o horário em meu papel, peguei os livros e os sustentei em meus braços. 

Me virei para poder ir para a sala, subi a escada e logo entrei no corredor cheio de portas, respirei fundo. Apertei os livros contra meu peito. Comecei a andar, indo em direção à minha sala. Parei em frente à porta, bati lentamente, o professor a abriu e sorriu simpático. 

- Pode entrar. - Me encorajou. 

Respirei fundo, entrei dentro da sala, ganhando a atenção de todos os alunos. Me apresentei devidamente. 

- Sente-se atrás da Kim. - Assenti quando ele apontou para a menina de trança, a qual era loira. 

Me sentei atrás dela, levantei a tampa de minha mesa e guardei meus livros ali. Eu sei que ele estava ali, eu sabia que ele estava me olhando. Virei meu rosto lentamente, tendo a atenção daquele garoto em mim. 

Balancei minha cabeça, tentando tirar os pensamentos idiotas que pairavam sobre minha cabeça. 

Comecei a prestar atenção no que o professor explicava, em seguida ele passou uma folha, fiz os cálculos e depois os revisei para ver se estavam todos corretos. Me levantei e fui até sua mesa, entreguei e ela sorriu, acenei tentando de alguma forma retribuir a simpatia. Voltei para meu lugar e continuei olhando para a paisagem ao lado de fora. 

(...)

O sinal soou e eu me levantei, uma menina veio até minha mesa e ficou com as mãos no bolso, esperando que eu levantasse. 

- Precisa de algo? - Assentiu. 

- Preciso que venha comigo. - Franzi o cenho e ela bufou. - Apenas levante garota, isso é tão difícil pra você? - Respirei fundo e me levantei. 

Saímos da sala, fui ganhando a atenção de todos os alunos, eu ja estava começando a ficar tensa com aquilo tudo. 

Segui a garota pelo corredor, pude ver alguns dos alunos se desencostarem dos armários e começarem à nos seguir. Apertei a manga de minha blusa ao chegarmos no patio, uma roda se formou ao meu redor e eu engoli minha saliva com força. 

- Qual seu nome? - Um deles perguntou, não pude saber quem era, mas sabia que era uma pergunta da qual eu não deveria responder. 

- Ele perguntou seu nome. - A menina me chutou e eu cai no chão. 

- Lo-Louise. - Gaguejei e fechei meus punhos. 

- Ótimo, Louise, o que voce fez ontem. - Levantei um pouco meu rosto, vendo um par de pés a minha frente, parando e ficando ali.

- Nada, eu não fiz nada. - O menino se abaixou a minha frente e eu pude ver aquele sorriso diabólico.  

- Você sabe, você viu o que não devia. - Trinquei o maxilar quando ele puxou meu cabelo. - Vamos, me diga, o que você fvocê

- EU JÁ FALEI QUE NÃO FIZ NADA! - Gritei em desespero. 

Ele me puxou e eu fiquei de joelhos a frente dele, aquele garoto sorriu, parecia se divertir ao machucar as pessoas. 

- Você me dedurou. - Franzi o cenho. 

- O que? Não! - Afirmei ficando apavorada com aquilo tudo. 

- Ah sim, eu terei que limpar a quadra de basquete. - Ele passou a mão no rosto e me soltou, respirei aliviada e me levantei com lágrimas em meus olhos. - Podem começar. - Falou ao dar as costas. 

Eu senti algo atingir minhas costas, era molhado e fedia, em seguida, mais coisas me atingiram, ovos, farinha, bexigas com líquidos fedorentos. Um dos alunos apareceu com o extintor e eu Arregalei meus olhos, dando passos para trás, recebi um chute nas costas e cai de quatro no chão, mais um chute no estômago. Olhei para o céu e em seguida fechei meus olhos, sentindo o cheiro do produto químico vir contra meu corpo, me coloquei de lado e comecei a tossir, coloquei a mão em meu nariz, vendo sangue ali. 

Fechei meus olhos, eu só queria parar de respirar naquele momento. Senti meu corpo ser levantado e uma voz feminina se ecoar pelo local, não era a diretora, muito menos um professor, era tão fina quanto, acho que era uma aluna, e a pessoa que me carregava era forte. 

Eu não tinha forças, um dos meus braços estava caído, e o outro estava sobre meu estômago, respirei fundo, tentando não pensar na dor que eu sentia, do sangue que escorria de meu nariz e o cheiro horrível que estava em meu corpo. 

(...)

Abri meus olhos lentamente, piscando enquanto via a luz ofuscar meus olhos, senti algo arder no canto de minha boca e senti um dedo em contato com ela. 

- Oh, você acordou. - Olhei para a menina ao meu lado. 

- Quem... Quem é você? - Ela me analisou. 

- Sou Stayce. - A voz dela não era fina. 

- Foi você? - Ela me olhou. 

- Sim, minha voz fica meio fina quando eu grito. - Revirou os olhos. 

- Obrigada. - Ela sorriu. 

- De nada, o  que você fez à ele? - Me sentei na cama, tendo a ajuda dela. 

- Nada, ele afirmou com todas as letras que eu o dedurei, mas não fiz isso. - Senti meus olhos marejarem a algumas lágrimas caírem. 

- Então alguém lhe colocou em uma armadilha, a qual você não conseguirá escapar. - A olhei. - Taehyung é um garoto arrogante, ele não ligará se você é inocente, ele irá acabar com a sua vida, mesmo que você implore de joelhos, ele jamais parará, ele é insano. - Engoli em seco. 

- Ela acordou? - Escutei uma voz rouca do outro lado da porta. 

A menina, Stayce, se levantou da cadeira e foi até a porta, a abriu e deixou que o menino alto passasse, ele segurava uma bandeja cheia de comida. Ele me olhou, pisquei sentindo vergonha por ser pega. 

- Esta com fome? - Neguei. - Trouxe comida. - Olhei vendo um bolo no prato. - Quer? - Assenti de cabeça baixa. 

- Me de sua mão. - As estendi vendo os machucados que ali estavam. - Taehyung é um monstro. - Afirmou. 

- Nem sempre... - Ela se levantou novamente. 

- Nem sempre ele foi assim! Nem sempre ele foi rude! Nem sempre! Nem sempre!  - Gritou com extrema raiva. - Ele se afastou Jimin, por que não entende isso? Ele nos deixou! Ele se deixou depois daquilo tudo! Taehyung é um monstro! - Gritou vendo o maior fechar a cara. 

- Eu não quero discutir com você, então do vou deixar a comida aqui e fingir que não ouvi isso tudo que saiu por essa sua boca suja. - Colocou As mãos no bolso da calça. 

- Finja, continue fingindo Jimin, como sempre fizeste. - Ele abriu a porta e depois bateu com força. 

A menina cobriu o rosto com as mãos, sua coluna se mecheu e eu sabia que ela estava chorando. Deu um murro na mesa e respirou fundo, fechando e abrindo a mão diversas vezes. 

- Você está bem? - Perguntei e ela assentiu. 

Se virou e pegou a bandeja, andou em minha direção e a colocou sobre meu colo. 

- Coma bastante, não quero que fique fraca. - Assenti. 

- Não existe um modo mesmo? - Perguntei tirando um pedaço do bolo. 

- Você terá que sofrer por algo que não fez. - Sussurrou. - Sinto muito. - Se levantou por fim. 

(...)

Me deitei após tomar banho, meu corpo inteiro estava doendo, me cobri sentindo dor em meus braços, por todo meu corpo para dizer a verdade. 

Soo entrou no quarto, ela me olhou de canto e abaixou a cabeça. Fechei meus olhos e puxei a coberta até minha cabeça. 

Amanhã seria um novo dia, amanhã seria um novo dia. 

Eu repetia essas palavras na minha cabeça, como se tudo fosse ficar bem. 


Notas Finais


E ai? Gostaram? Foi aquele PA????
Me digam o que acharam!!!! Please! Kkkkk
Obrigada pelos comentários e pelos favoritos, sério cara, amo muito vocês s2

Perfil: @Park_Nick ^-^ s2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...