História Caos {BTS - Bangtan Boys} - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Vkook
Exibições 2
Palavras 1.924
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mais um capítulo para os leitores amorzinhos :D
Espero de coração que vocês tenham uma boa leitura, fofurecos! (E peço perdão pela demora em postar, tive uns probleminhas em casa :c)

Capítulo 9 - He is Almost O.K. ( Ele está quase O.K.)


Logo depois que Jimin foi embora de minha casa, fui fazer o café da manhã. Já eram dez horas da manhã, então preparei algo leve, para que não atrapalhasse no almoço. Encontrei um pacote de miojo e o cozinhei no micro-ondas, mas quando o tirei, não estava quente. Então mexi um pouco e coloquei de novo. Mas quase coloquei fogo na cozinha. Da próxima vez, eu não deixo a colher lá dentro. Pensei que seria melhor não a comida mostrar a JungKook, já que ele não podia comer nada, e devia ficar apenas no soro e remédio.

 Remédio. 

 Eu não repus o remédio de JungKook. Corri para o quarto e abri a porta em uma batida. Ele estava deitado na cama. Me aproximei de Kookie e peguei seu pulso, que estava pulsando normalmente. Dei um leve tapa em seu rosto, mas ele não respondeu. Então, chamei uma ambulância com o telefone fixo da sala, pois o meu telefone estava quebrado. Quando a ambulância chegou, levei os médicos para dentro do quarto de JungKook. Nunca fiquei tão preocupado. Como eu sou idiota. Se qualquer coisa acontecer com ele, nunca vou me perdoar. Os médicos o carregaram, enquanto eu tentava dar uma explicação rápida do porquê ele não podia se mover. 

- Acidente? Foi grave? - Um dos médicos pediu, enquanto todos entrávamos na ambulância. 

- Foi, sim. Um outro amigo meu que estava junto. . . não está mais entre nós. - Respondi. 

- Meus pêsames. - Ele disse, fechando as portas da ambulância. 

- Hyung. - Chamou um outro médico, bem jovem. Devia ter mais ou menos minha idade. - Ele não parece muito bem. Parece que está desmaiado a tempo. 

- Deixe-me ver. - Disse o médico mais velho. - Estranho. Não, não, não. Ele não está desmaiado. Conheço um caso daqueles quando vejo um. Caso típico. Rápido, não o deixe sem soro. Desculpe dar essa notícia, mas o garoto não está desmaiado. Ele está em coma.  

Foi como um tiro. 

 - Como assim? Ele não. . . 

- Deixe-me terminar, rapaz. Posso ver que ele está em um estado de coma profundo apenas por olhar para seu rosto. 

- Mas ele não pode ficar doente antes da cirurgia! - Gritei em prantos. - Que cirurgia? 

 - A cirurgia da coluna! Para ele voltar a andar! 

- Se acalme, rapaz. Desculpe dar uma notícia dessa, mas vou ser sincero. Não piore o seu estado, por favor. É impossível fazer uma cirurgia de coluna no estado que o garoto está. 

- Mas se ele não fizer a cirurgia em uma semana, ele. . . não vai voltar a andar. 

- Desculpe. 

 E eu caí no chão. Foi como se todo o peso do mundo desabasse em minhas costas. O médico mais novo me ajudou a levantar, mas eu não queria. Eu só queria chorar. E foi isso que eu fiz. Quando cheguei no Hospital, me recompus um pouco apenas para passar pelo corredor, mas ao entrar na sala de espera voltei a chorar. JungKook é tão jovem. Eu tenho que fazer alguma coisa. Mas eu não posso fazer nada. A única coisa que eu posso fazer é observar o caos. 

 . . . 

 Muitas Horas se passaram e eu não recebi notícias. Nenhuma enfermeira, nenhum médico, ninguém me disse nada. Talvez estivessem com medo da minha reação. Até que a recepcionista me chamou. 

- Ei, já são quase dezesseis horas. O senhor está aí desde manhã. Talvez queira comer algo no refeitório. - Não. - Respondi, de forma grossa. - Desculpe me meter, mas o senhor recebeu uma notícia ruim? 

- Não. Eu não recebi nenhuma notícia. 

- Eu posso checar se há algo nos registros. Quem você está acompanhando? 

- Jeon Jungkook. A recepcionista mexeu em seu computador e olhou com uma cara de surpresa. 

 - Jeon JungKook está na sala de cirurgia 4, fazendo uma reanimação. 

- Reanimação? 

- Sim. Ele está em coma e os médicos estão tentando o acordar. 

 E as portas do elevador do lado do balcão da recepção se abriram e um médico veio até mim. 

- Kim Taehyung? 

- Sou eu. 

- Você é o responsável por Jeon JungKook? 

- Sim. 

- Temos notícias boas. Bem, quase todas. Conseguimos acordar JungKook de seu coma.

 Meu coração começou a pulsar rapidamente. 

 - E ele está bem? - Perguntei, eufórico. 

- Sim. Além de acordá-lo do coma, nós também fizemos todas as adequações necessárias na coluna de Jeon. Isso não vai ter nenhum custo adicional, pois o plano de saúde do paciente inclui todo tipo de cirurgias emergenciais, e isso é considerado uma. 

- Então não vou ter que roubar. - Pensei alto. 

- Como? 

- Ah, nada. Eu só. . . pensei alto.

 - Ok. Bem, então JungKook está se recuperando e logo poderá andar quase normalmente! 

- Quase? 

- Bem, essa é a parte ruim. Nós não conseguimos fazer a realocação dos ossos na parte próxima da perna esquerda de JungKook. Além do mais, o choque de acordar do coma também contribuiu para isso, e, não teve outra maneira. Tivemos de amputar a perna esquerda de JungKook. 

 . . .

 - Venha, é por aqui. - Disse a enfermeira que me levou até o quarto de JungKook. - Quarto 148. 

- Obrigado. Abri a porta com cuidado, para não acordar Kookie. Já eram onze da noite, ele devia estar dormindo. Pelo menos devia. Quando vi, ele estava assistindo a televisão e rindo. Parecia ser um canal de comédia. Era incrível como qualquer coisa o divertia, em qualquer lugar, aconteça o que acontecer. Poderia ficar olhando ele no canto da porta por dias. 

 - Hyung? - Disse ele, que abriu um sorriso quando me viu. 

- Olá. Posso entrar? 

- Pode. 

 Entrei, fechando a porta. Fui até um pequeno sofá ao lado da cama dele e me sentei. 

- Você está se sentindo bem? - Pedi. 

- Sim. Só dói um pouco. 

- Onde? 

- Aqui. - Ele disse, pegando minha mão e colocando logo abaixo de seu joelho. 

- Bem, é natural que doa um pouco. 

- Tenho certeza que sim. 

- E. . . a sua perna? - Perguntei, apontando para o lugar onde deveria estar a perna esquerda dele. 

- Eu não tenho mais ela. Mas. . . eu tenho algo muito mais valioso, hyung. - O que? 

- Você. - Ele disse, colocando a mão dele na minha e segurando forte. 

- Nunca pensei que algo ruim aconteceria, assim, no ápice do grupo. Mas aconteceu. E você me ajudou, hyung. Quando eu quase não podia me mexer, você me acolheu. Nunca vou conseguir agradecer isso. 

- Ver você feliz é suficiente pra mim. 

- Hyung, eu queria conversar com você. Sobre algo sério. 

- O que foi? 

- Eu não preciso mais da casa da Big Hit. Posso voltar a morar em apartamento, agora que eu consigo me mexer quase perfeitamente. 

- Então você vai voltar a morar no apartamento da Big Hit? 

- Não. Eu não quero mais continuar no grupo assim. 

- Tudo bem, é uma decisão sua. Mas Kookie, tem pouca gente que continuou. Depois do acidente, Jimin saiu também. Suga, bem, a gente sabe o que aconteceu com ele, Rap Mon está na clínica e se você sair, não sei se vamos conseguir continuar. - Falei, preocupado. 

- Por favor, não. Não abandonem o grupo. Só a gente sabe o quanto tempo foi preciso, tudo que a gente investiu. Não vamos desistir agora. Por favor, Tae, nem que você tenha que fazer carreira solo. Não desista. - Ele disse, quase em prantos. 

- Não vou desistir. Prometo. 

- Muito obrigado. 

- Mas, JungKook, se você não morar no apartamento da Big Hit, onde você vai morar? Com seus pais? 

- Não. Eu pensei em ir morar com uma tia minha, ela tem um apartamento próximo de uma universidade onde eu poderia começar um curso e talvez viver normalmente. 

- Uau, deve ser uma ótima oportunidade. Onde ela mora? É perto daqui? 

- Não, hyung. Ela mora em Oxford. 

- Na Inglaterra? Você vai morar na Inglaterra? 

- Sim. Depois que eu me recuperar, já vou comprar a passagem. Não vai demorar mais que duas semanas. 

- Mas, JungKook, eu não vou conseguir viver longe de você. Eu. . . eu tenho que ir junto. 

- Não, hyung. Por favor, não vá. Continue com o BTS aqui. Eu imploro. 

- Eu. . . ok. Eu vou continuar. Vou cumprir minha promessa. 

- Muito obrigado, hyung. Quer assistir esse Reality Show comigo? 

 - Qual é? - Deixa eu ver o nome. . . "RuPaul's Drag Race", conhece?

 - Não. 

- É engraçado. 

- Ok. 

- Eu estou na terceira temporada, mas vou voltar ao primeiro episódio pra você. 

- Obrigado. 

 Assistimos um episódio da série que Kookie gostou. Realmente, era legal. Tenho que assistir mais.

 - Kookie, você não tem sono? Já são quase meia-noite. 

- Perguntei. 

- Na verdade, não. Você quer dormir, hyung? Eu desligo a TV. 

- Não, não precisa. Não estou com sono. - Menti. Estava quase caindo de sono, mas não queria que Kookie parasse de assistir sua série por minha causa. 

- Bem, então vamos continuar assistindo. 

 Assistimos mais um pouco, até que eu não aguentei, coloquei minha cabeça no colo de JungKook e dormi com ele acariciando meu cabelo. Acordei deitado no pequeno sofá, com a cabeça deitada em um fino travesseiro no braço do assento. Esfreguei meus olhos e me levantei rapidamente para dar bom dia a JungKook, mas ele não estava na cama. Eu dormi com a mesma roupa que estava usando pela manhã do dia anterior, então coloquei uma roupa de Jeon que estava em uma pequena mala no canto do quarto. Saí do cômodo para procurar por JungKook, mas não precisei me esforçar. Vi ele vindo, apoiado em muletas. Ele sorriu quando me viu e também sorri pra ele, que acelerou o passo para vir ao meu encontro. Ele largou as muletas no chão e me deu um demorado abraço, quase caindo. Tive que o segurar. Ajudei-o a pegar as muletas e entramos no quarto. Ele deitou na cama com a ajuda de uma enfermeira que estava lá dentro(não sei como ela chegou lá tão rápido) e eu sentei no sofá. 

- Hyung, você não sabe o que o médico me disse! - Ele falou, eufórico. 

- O que foi? - Pedi. 

- Eu vou ganhar alta hoje a noite! 

- JungKook, isso é incrível! Teremos duas semanas para aproveitar! - Gritei, feliz. 

- Na verdade, não, hyung. Eu vou pra Oxford amanhã pela manhã. 

 Meu sorriso murchou na hora. 

 - Amanhã? - Pedi, triste. 

- Sim. As passagens vão estar com desconto amanhã. 

- Ah, tudo bem. 

 Então tive uma ideia. 

 - Ei, acho que eu sei como a gente aproveitar um pouco. Ainda tenho quase três semanas de folga. Eu tenho algumas economias. Posso ir junto com você amanhã? 

- Claro que pode! Eu adoraria! 

- Se prepare. Vamos ter três semanas incríveis. 

- Com você, tudo vai ser incrível. Podemos levar Jimin hyung também? 

- Se ele quiser, óbvio que sim! E tenho certeza que ele vai querer. 

- A presença de vocês vai ser fundamental na minha recuperação. Não sei como agradecer. 

- Agradeça com um "obrigado". - Obrigado. Amo você, hyung. 

- Também amo você. - Falei, pegando na mão dele. - Amo muito você. 

- Eu também, amigo. 

 "Amigo". Daqui em diante, não quero mais ouvir isso de JungKook pra mim. Espero que eu consiga.


Notas Finais


Obrigado pela leitura, e até o próximo capítulo (que terá finalmente um momento V-Kook)! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...