História Capitão América: e a Caixa de Pandora - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias Capitão América, Chris Evans, Homem-Aranha, Lucy, Os Vingadores (The Avengers), Sebastian Stan
Personagens Anthony "Tony" Stark, Clint Barton, Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), Howard Stark, James Buchanan "Bucky" Barnes, Natasha Romanoff, Personagens Originais, Peter Parker, Sam Wilson (Falcão), Scott Lang, Visão
Tags Bucky, Capitão América, Guerra Civil, Hidra, Homem De Ferro, Pantera Negra, Soldado Inevrnal, Winter Soldier
Exibições 138
Palavras 2.334
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Científica, Luta, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi galera,
obrigado pelos comentários hilários, carinhosos e super fofos de apoia à Fic e a mim. Não mereço tanto de vocês, e é claro, pelas visualizações novos Favoritos que deram uma estrelinha aí no nosso trabalho, muito obrigada a vocês!
Aqui vai mais uma continuação da Fic e espero que gostem,

Boa Leitura!!

Capítulo 29 - O incidente



Mia acordou com a luz do Sol sobre seus olhos, ela puxou o ar e olhou para o lado. Eram quase 10h da manhã no relógio sobre o criado-mudo, ela olhou para o outro lado e franziu as sobrancelhas.
    - James?- disse ela sentando-na cama.
    Ele levantou os olhos e a olhou, forçando um sorriso, depois voltou-se para observar a barriga dela. Estava apreensivo e carregava um cansaço que transparecia em sua face.
     - Está tudo bem?- perguntou Mia.
     - Estou...
     - Não parece...- respondeu ela.- Desde quando está aqui?
     - Desde ontem a noite.- disse ele ainda observando a barriga. Estava sentado na poltrona, debruçando seus braços sobre os joelhos. - Não consegui dormir.
     - Por que?- disse ela, tocando os pés no chão e caminhando até ele, empurrou-o para trás e sentou-se sobre seu colo.
      Ele hesitou em tocá-la e ficou olhando para a barriga dela. Mia começava a ficar irritada com o receio dele, estava ainda mais sensível a tudo. 
       - O que foi, Bucky?- disse ela.- Qual é o problema, tá com medo?
       - Por vocês três.- disse ele, olhando para os olhos dela.
       - Ah sério?- disse ela arqueando as sobrancelhas.- Agora me responda, se está com tanto medo assim então por que não me deixou quieta na mesa na festa?!
        - Acha que eu queria que Tony visse? Eu não fazia ideia de que você estava grávida!!
        - Ah, jura?! Nem eu! E nem por isso eu tenho medo. Dados às circunstâncias de que nos dois sabíamos no que ia dar depois de tantas rapidinhas, lembra?
         - É diferente.- disse ele olhando para o outro lado.
         - Ótimo. - disse ela saindo do colo dele. Mia caminhou até o espelho e olhando-se no espelho, pousou a mão sua barriga e disse:- Eu não gosto mesmo de ficar barriguda. - Ela se virou para ele e disse:- Só preciso me concentrar.
         - O que está fazendo?- perguntou Bucky, levantando da cadeira e olhando fixamente para ela.
         - Eu só preciso me concentrar. Não gosto de ficar barriguda mesmo.- disse ela fechando os olhos e tocando a barriga, espremeu os olhos.
         - Não!!- gritou ele segurando-a pelo ombros.
         - Você não os quer, por que eu iria continuar a gerá-los, James?- gritou ela empurrando-o.
         - E você iria matá-los!? Assim? Meus filhos?- gritou ele se aproximando dela.
         - ELES IRIAM NASCER EM PAZ? Pense bem, Bucky!!- gritou ela, olhando para cima. Seus olhos se encheram de lágrimas e ele segurou a boca, ainda olhando para ela.- Nós nunca teríamos paz, eu nunca os teria para sempre. Sabe...- ela disse pausando sua fala.- Eu tinha um sonho com você, Bucky, mas agora eu percebo que nunca seríamos uma família. Monstros não amam.
         - Não somos monstros.- disse Bucky.
         - Ah, não?- disse Alicia.- Me diga então, Bucky. Quando sua filha perguntar como você me conheceu, acha mesmo que ela vai aceitar que o próprio pai matou os avós e congelou a mãe?- disse Mia, gesticulando com a mão.
         - Para!- gritou ele.
         - E quando o meu filho, Bucky, meu...- disse ela, derramando algumas lágrimas e perdendo a voz.- Me perguntar sobre o meu passado e saber que a mãe dele matou centenas de pessoas e quase acabou com o país. Acha que eles se orgulhariam? ACHA MESMO BUCKY?!!- gritou Mia.
        - CHEGA!- gritou Bucky se aproximando dela e a empurrando contra a parede a beijou intensamente. Segurou as mãos dela acima da cabeça e puxou-lhe as pernas para cima. Mia gemeu e puxou os cabelos dele. Bucky a levou de volta para cama, despiu rapidamente Mia e depois a si mesmo. Enquanto mordia o pescoço dela, abriu as pernas de Mia e encaixando-se ali, a fez gritar ao penetrar nela.
       - Bucky, não podemos...- gemeu ela, ao senti-lo dentro de si.
       - Podemos o que quisermos, Mia...- gemeu ele, no ouvido dela. Ele segurou na cama e aumentou os movimentos, a fazendo gritar e cravar suas unhas nas costas dele.
       Ele olhou para ela e beijando seus lábios, sussurrou:
       - Você não vai matá-los.- disse ele olhando para ela. Mia suava e ofegante, engoliu a seco e concordou com a cabeça para ele.- Nós vamos criá-los e sermos melhores para eles. Você me entendeu? Daremos as nossas vidas se for preciso para que eles vivam num mundo melhor do que nós vivemos.
       - E v-você...- gaguejou Mia, ainda sentindo que Bucky estava dentro dela. Ela gemeu ao mover ao quadril para ajeitar a posição.- Já escolheu quem serão eles?
       Bucky sorriu e a beijou suavemente, dando uma última e lenta estocada, a fazendo gemer e arranhar as costas.
       - Pensei em uma honra para os avós deles.- disse Bucky. Mia sorriu e mordeu os lábios.
       - Howard e Marie.- Bucky sorriu e beijou Mia novamente.- Você sabe o quanto é incrível.


    2 meses depois...
   Tony estava na cozinha, bebia seu copo de Whisky matinal desde que soube que seria tio. Inaceitável, na opinião dele. Bucky surgiu ao dobrar o corredor e sorridente cumprimentou a todos com um "Bom dia". Tony o encarou e bebendo o último gole, fechou os olhos e se controlou para não matá-lo. Como poderia ficar feliz depois do que fez à ela, pensou Tony. Ele parou de imaginar as mil formas de como Bucky morreria depois que ela surgiu na cozinha. Não poderia falar que ela estava feia, seria uma grande mentira para si mesmo, nunca ouve um momento na vida em que Mia Elizabeth Stark estivesse feia. Ela era a maior beleza da vida dele. Estava descalça e sorridente vestindo um florido vestido de tecido fino. Estava magra, embora sua barriga estivesse alcançando o tamanho de 30 semanas. E estava radiante. Sorria alegremente e tocava a barriga enquanto cumprimentava a todos. Tony sorriu consigo e abaixou a cabeça. E de repente, um beijo doce o despertou de seus pensamentos.
    - O que faz a essa hora, Tony? Há tanto tempo que não o vejo beber.- disse Mia olhando para ele, tocando suas bochechas com as mãos.
    - Whisky sempre foi meu melhor amigo de todas as horas.- respondeu ele. Tony olhou para ela e depois para a barriga, retornando rapidamente a mexer em seu copo em cima do balcão.
    - Tudo bem, Tony. Quer senti-los?- perguntou Mia, olhando para os demais que comiam na outra sala.
    - E-eu...
    - Aqui.- disse Mia pegando a mão dele e levando-a para a frente da barriga.
    Tony olhou para ela e vendo que ela sorria para ele, concordou com a cabeça e fechou os olhos, colocando as duas mãos. Sentia o forte pulso dos gêmeos, lembrou-se da gravidez de sua mãe e como ele ficara feliz que seria irmão. Seus pensamentos vagavam num futuro que nunca aconteceria novamente, quando de repente, sentiu algo empurrar rapidamente a sua mão. Ele retirou rapidamente as mãos e abriu os olhos.
     - Essa é Marie.- sorriu Mia.
     - Ela é bastante forte.- disse Tony, olhando para Mia.
     - E muito hiperativa, principalmente nas minhas horas de descanso. E fora o Bucky, você é a primeira pessoa com quem ela reagiu ao toque.
     - E como anda os exames?- perguntou Tony.
     - Bem.- disse Alicia dando a volta no balcão e pegando uma tigela, recheou-a com cereal e leite.- A Dra. Florence diz que os dois estão saudáveis e crescem muito rápido, por carregarem o mesmo líquido que a HIDRA usou para me tornar o Projeto Pandora.- disse ela, colocando a primeira colher na boca.
     Tony a observava quase que sem motivos, o simples fato de vê-la falando com ele já o animava. Ela arqueou as sobrancelhas e disse:
      - O que foi?
      - Assim que eles nascerem você vai mudar-se com ele.- disse Tony.
      - Ele, Tony, tem nome e por sinal é o pai dos seus sobrinhos. E sim, vou me mudar para Berlim depois que eles fizerem 2 meses após o nascimento.
      - Sabe que nunca mais a verei.
      - Pelo contrário, Bucky permitiu a sua livre circulação pela nossa casa. Ele sabe o seu direito como tio de Marie e Júnior.- disse Mia.
      - Ele escolheu James Barnes Júnior para o menino?- disse ele rindo sarcasticamente.- Que narcisista.
      - Não, Stark. O nome dele será Howard Júnior.- disse Bucky, entrando na cozinha.
      Tony virou-se para o lado e o olhou fixamente. Estava mais forte e a vitalidade emanava dele. Os olhos azuis se destavam com a barba crescida e os cabelos à altura dos ombros.
       - Vejo que a paternidade lhe fez bem, Barnes.- disse ele voltando para o Whisky.- Mas me diga, o quanto minha irmã vai ter que te dar para que meu sobrinho tivesse o nome do meu pai?
       - Ele teve a ideia. Para os dois, na verdade.- disse Mia, levantando-se e indo até Tony, tirou-lhe o copo e disse:- Apesar de seu comportamento infantil nesses últimos meses, estou cansada de suas piadinhas Tony. A quem você chama de BARNES é o pai dos meus filhos, seus sobrinhos...
       - Contra a minha vontade.- disse Tony, interrompendo-a.
       - NÃO INTERESSA!- gritou Mia, quebrando o copo contra a parede.
       - Mia, calma... - disse Natasha, surgindo na cozinha.
       - Você vai lhe dar o devido respeito, pois até onde eu saiba, James é meu marido perante a lei dos homens. Minha cabeça está a ponto de explodir e eu não aguento a mais uma piadinha sequer sobre meus filhos ou sobre meu marido, Anthony!- gritou Mia.- Então sugiro que faça jus ao seu nome e trate-o como parte da família, ou eu farei coisas piores do que apenas te privar de conhecer seus sobrinhos.
       Tony ficou a observá-la e depois olhou para Bucky. 
        Ele se levantou rapidamente e puxou Mia para baixo e antes que Bucky o impedisse, um míssil atravessou a janela e uma bola de fogo jogou todos para longe.

        Bucky acordou com os sensores de incêndio apitando e inundando o andar a SHIELD. Ele tossiu, sentindo o gosto de cinzas na boca e mal pôde reconhecer o andar. Tudo estava em cinzas e devastado pela explosão, uma forte corrente de ar entrava pelos buracos na parede. Ele se levantou e sentiu que algo havia entrava na lateral de sua perna, ele olhou para baixo e viu um pedaço de madeira com sua metade para dentro da perna dele. Bucky gritou ao tocá-la, mas sabia que precisava tirá-la dali.
       - Ah qual é, James.- disse a si mesmo, percebendo que temia pela dor que sentiria após tirar o pedaço. Ele segurou a madeira e com força o arrancou da perna, o que provocou a pior dor de sua vida depois da máquina da HIDRA. Ele se levantou novamente e olhando ao redor, gritou:- MIA!!
       - Barnes, aqui...- disse Tony, surgindo da cozinha, repleto de cinzas e com ferimentos em sua cabeça. Ele carregava Mia desacordada nos braços. Bucky a pegou dele, e Tony disse:- Pegue minha irmã e vá para Berlim. O mais rápido que puder, ela não estará segura aqui.
       - E quanto a você, Stark.- perguntou ríspido á Tony.
       - Faça o que eu mandei e salve minha irmã, Barnes!- gritou Tony. Bucky a segurou com mais segurança e correu para a porta de entrada, saindo por ela. Tony se abaixou e viu os corpos de seus amigos repletos de cinzas e a sala, que um dia eles comiam e se divertiam, agora estava reduzida a estilhaços de móveis e de vidros. Ele enfiou a cabeça nos joelhos e chorou pela perda de todos eles.


" ... a trágica notícia em que a base dos Vingadores foi atacada deixou o país inteiro em prantos. Mensagem de luto às vítimas foi enviada por todos os cantos do mundo. Às 9:30 da manhã, um míssil de origem desconhecida pelas autoridades, entrou pelas janelas da cobertura da base e explodiu todos que lá estavam. Incluindo os nossos queridos Vingadores. Tony Stark, o bilionário dono das empresas de tecnologia Stark, se pronunciou ainda se recuperando do quase fatal acidente.
- Por ser uma das vítimas é com grande tristeza que lamento que o ódio dos nossos inimigos tenha matado aos melhores Vingadores, e aos meus queridos amigos. Incluindo minha querida irmã, Mia, que carregava meus dois sobrinhos dentro de si.
Não há palavras para consolar o nosso último aliado. O jornalista Thompson nos atualizará sobre essa tragédia. Enquanto isso vamos ao intervalo e já voltamos com novas notícias sobre a Destruíção dos Vingadores..."

 

2 meses depois...
     Ele fechou o livro e olhou para a janela. Observou as folhas do outono caírem e as pessoas correrem do frio para as suas casas. Ele andou pelo cômodo e ultrapassando a porta da sala de tevê, subiu as escadas e virou a esquerda, abrindo lentamente a porta. Sorriu ao vê-la balançando a cadeira e sorridente, cantava para a pequena. Ela levantou a cabeça e sor- iu. Ele entrou no quarto e então sussurrou:
     - Olá princesa...- disse ele a pegando no colo dela. Ela abriu um sorriso e piscou lentamente para ele. Os olhos azuis eram iguais aos dele, e os fios castanhos se misturavam com os dele.
     - Ela gosta de você.- disse ela, se aproximando dele, como o pequeno no colo.
     - Não é a toa que é a garota do papai.- ele olhou para o pequeno e sorriu - Ei, garotão.
     - Não o anime tanto, depois é um sacrifício para colocá-los para dormir.- disse ela, olhando para ele.
     - Ele tem os seus olhos.- disse ele, beijando sua boca.
     - James, não! Não na frente deles...
     - Sempre cuidadosa...
     - É claro!- ela arqueou as sombrancelhas e deu o pequeno para ele.
     - Segure o Howard, preciso ver uma coisa no fogo.
     - Marie já é pesada demais, você ainda quer que eu pegue o Júnior.- disse ele.
     - Pra quem era o Soldado Invernal, acho que aguenta os gêmeos milagrosos.
     - Aliás, quem vem hoje?- perguntou Bucky da porta do quarto, enquanto Mia descia.- Seu irmão?
     - Não. Todos eles.- respondeu Mia, lá debaixo.

CONTINUA...
 


Notas Finais


obrigada por lerem, pessoas!
E comentem, please!
Até a próxima!!
bejuxx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...