História Cara, acho que gosto de garotos - Capítulo 36


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Desculpa Deus, Época Run Pq Eu Quis, Eu Shippo O Que Eu Quiser, Jimin Na Sofrencia, Namjin, Perdoa Meus Pecadosss, Sugamin, Taekook, Tem Lemon Sim Viado, Vkook, Yaoi, Yoongi Carrancudo, Yoonmin
Exibições 707
Palavras 2.353
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


MARCELO CARALHO ENFIA O PASTELAO NO CU
Jungkook's voice: AH YEEAH
capa nova caguei efeito mesmo e quero ver quem vai me fazer tirar
eu canso de capa mt rápido preciso ficar mudando sei la
alguns de vocês praticamente imploram por uma capitulo narrado pelo Yoongi e eu to pensando seriamente nisso
MENTIRA JA PENSEI
E AQUI VAMOS NÓSSS

Capítulo 36 - Lidando com o sumiço das lentes


 [4 de abril, 6:00]

Acordei sem o despertador e abri os olhos preguiçosamente. O corpo desmaiado do Jimin estava todo jogado para fora da cama, além de ter chutado o lençol pra longe enquanto dormia. E era exatamente por causa disso que eu odiava dividir cama de solteiro.

Ou eu era achatado ou eu era chutado.

Não gosto nem de lembrar de quando Jimin me chutou enquanto roncava e eu acabei caindo feito uma jaca madura no chão do meu próprio quarto. Mas ele ficava muito fofo dormindo e sem arranjar confusão, e eu só ignorei e voltei a me deitar, só que com uma distância considerável.

Meus pensamentos matinais - que na maioria das vezes eram baseados no Jimin - foram atrapalhados pela própria praga citada acima. Mesmo com a metade do corpo no chão, ele conseguiu me chutar bem na cara. Consequentemente, eu xinguei alto e ele acordou.

- Hyung? - escorregou o resto do corpo para o chão, olhando para mim com os olhos arregalados e cheirando a culpa - D-Desculpa. Bom dia.

- Bom dia, Jimin - suspirei e engatinhei até a beirada da cama, sentando-me - Ainda não são seis e meia, se você ainda quiser dormir mais um pouco.

- Agora eu não vou conseguir mais dormir - revirou os olhos. Ele estava com as pernas cruzadas no chão, me observando de baixo - A culpa é sua. Você é um estressadinho até mesmo de manhã e me acordou.

- E você é um desleixado que me chuta a cara até dormindo.

- Quem disse que eu te chutei? - seu tom de voz era indignado.

- O roxo na minha testa disse - apontei para meu rosto, deixando Jimin sem palavras. Balancei a cabeça em negação e levantei, tendo as mãos e pernas do ruivo rodeando minha perna esquerda, deixando meus movimentos limitados.

- Yah, hyung! Me desculpa - arrastou o final da frase. Sacudi minha perna pra ver se ele soltava, mas de nada adiantou. Grudou como um carrapato.

- Eu desculpo, criatura. Só larga a minha perna - meti a mão na cara dele mesmo, só que ele começou a rir e só me apertou mais.

- Você só está falando isso pra eu te soltar! - disse - Só te solto se prometer que não está chateado.

- Eu, Min Yoongi, declaro solenemente que o Jimin está perdoado e eu não vou ficar chateado com ele.

- Assim sendo - abriu um sorriso doce e afrouxou o aperto. Puxei minha perna na hora e saí correndo do quarto, ainda ouvindo sua risada histérica do outro lado da porta.

Uma vez no corredor, levantei os braços para cima e bocejei, espreguiçando-me, e arrastei os pés pelo chão até o banheiro. Abri a porta e a fechei logo depois, apoiando as duas mãos na pia e respirando fundo. E então, olhei para o espelho. O meu reflexo quase me assustou. Não é muito agradável dar de cara com um adolescente - adulto?? - com a cara toda inchada, cheia de olheiras e olhos cheios de remela logo pela manhã.

Abri a torneira e joguei uma água na cara, mas foi uma ideia péssima porque eu ainda tinha que tirar a camiseta. E, como tinha respingado no meu cabelo, a roupa acabou molhando também.

Resolvi apenas dar um muxoxo de decepção comigo mesmo e enfiei tudo no cesto, entrando no box.

Depois de tomar banho, enrolei a toalha na cintura e fiquei à frente da pia, tateando à procura da caixinha das minhas lentes.

Mas não estava ali.

As minhas lentes não estavam ali.

Sem surtar. Calma.

- JIMIN! - berrei - JIMIN!

- O que foi, hyung? - ele chegou correndo a abriu a porta, me olhando assustado - Inseto? Assombração?

- EU PERDI MINHAS LENTES! - eu gritava cada vez mais alto, porém ele apenas revirou os olhos.

- Viado, eu quase tive uma parada cardíaca só por causa disso?

- Tá insinuando que isso não é um problema?

- Você não vai morrer de miopia, hyung.

- E você vai me ajudar a achar essa merda agora, praga - puxei Jimin pela orelha para dentro do banheiro e ele gemeu de dor, dando tapinhas no meu braço.

Sem as lentes de contato, eu não vou conseguir ler patavinas do que vai estar escrito na lousa, e eu já levei tanta bronca de professores por causa disso que devo ter até traumatizado.

Procuramos em todo canto; no suporte de shampoo do box, atrás da pia, no cesto de roupas. Mas não estava em lugar nenhum.

- Você deve ter perdido, Yoongi - tínhamos gastado um tempo considerável com aquilo, e ele estava cansado. Tão sedentário esse menino…

- Como diabos eu ia perder uma caixa de lentes? - resmunguei e me levantei, ajeitando a toalha, e saí pisando forte.

Com certeza elas estavam em algum lugar do apartamento, mas nós dois já estávamos atrasados para a escola e gastar mais tempo procurando seria totalmente inútil.

Levou um tempo para convencer o Jimin de parar de procurar e tomar banho, e depois disso nós nos trocamos juntos. Tudo bem que eu estava com um cu estampado na cara e o Jimin estava se sentindo culpado, mas consegui, de alguma forma, confortá-lo no caminho até a escola.

E ele também roubou o meu moletom preferido de mim, mas eu só dei de ombros. Era melhor que ficar se culpando.

[4 de abril, 12:00]

Saímos do colégio ao meio-dia em ponto. Era para termos saído às onze e meia, certo? Certo. Acontece que Taehyung e Jungkook estavam tão grudados que nem parecia que tinham brigado e Jimin obrigou-me, juntamente a Hoseok e Seokjin, para falar com os pombinhos. Como bons samaritanos, nós aceitamos de bom grado.

Ok, eu não estava realmente contente com aquilo. Mas o que a gente não faz pelo namoradinho, né?

O namorado do Hoseok ficou com uma interrogação na cara quando viu o Jimin puxando ele pra longe. Achei bem feito. Namjoon só deu de ombros e disse que esperaria Jin do lado de fora da escola.

Enquanto isso, lá estávamos nós, no gramado. Jungkook beijando a cara do Taehyung todinha e o resto de nós enjoados com toda aquela demonstração pública de afeto. Contamos pro Taehyung que a reconciliação deles aconteceu graças a nós que ouvimos tudo da moita. Eu estava torcendo para ele ficar bravo e dar um murro bem no meio da cara do namorado, mas ele só sorriu e disse que estava tudo bem.

Acabou que nós todos tivemos que pular o muro da escola quando o inspetor de pátio achou a gente, e também levamos uma bronca de leve.

De leve porque a gente não ficou lá pra ouvir o resto.

Enfim.

Dito e feito, eu não consegui enxergar absolutamente merda nenhuma da lousa. Fingi que estava entendendo o conteúdo, mas a folha do meu caderno estava completamente vazia.

- Jimin, eu preciso de lentes novas.

- Mas elas devem estar no apartamento, hyung - puxei-o pelo pulso, saindo da nossa rota traçada até o prédio e virando a esquina que dava até o banco. As pessoas nos olhavam estranho, mas eu simplesmente não dava a mínima. Jimin riu - Nós só precisamos procurar direito.

- Você realmente acha que eu tenho saco para virar aquele prédio ao avesso pra achar uma caixinha de lentes de contato? - ele olhou para o céu, pensativo. E então, negou com a cabeça. - É bem mais fácil comprar novas.

- Entendi - ele sorriu e me deixou conduzi-lo pelo pulso. O ritmo dos nossos passos foi diminuindo e logo estávamos apenas caminhando de mãos dadas, os dedos entrelaçados. Jimin parecia evitar contato visual, e aquilo com certeza não passou batido por mim. - Você tá bem?

- Quê? Ah… - riu, nervoso - T-Tô sim.

- A minha mão está suada? - perguntei. Jimin riu quase que escandalosamente.

- Não, hyung. Acho que a mão que tá suada é a minha.

- Você fica nervoso perto do hyung? - brinquei, abrindo um sorriso perverso. As bochechas dele ficaram meio avermelhadas e ele baixou o olhar.

- É que eu gosto de segurar a sua mão.

- Você é tão fofo, Jimin! - não consegui me segurar e parei à sua frente para apertar suas bochechas gordinhas. Ele riu e deu tapinhas nos meus braços; E então, voltamos a andar de mãos dadas.

Às vezes eu acho que nós dois exalamos viadagem, mas não estou reclamando.

Chegando no prédio - gigantesco - do banco, abri a porta de vidro para que ele entrasse e entrei logo depois, fechando-a. Depois de puxar a carteira do bolso, entreguei minha mochila para Jimin e corri até um terminal vazio.

Após tirar o dinheiro, aproveitei a deixa para ver se a amada senhora Park tinha jogado o dinheiro do filho dela na conta, e realmente estava lá. Com um aceno de mão, tentei chamá-lo, mas ele não correspondia. Quando me virei, ele estava conversando com uma moça que esperava o marido no terminal ao lado. Os dois estavam no canto, perto da porta; Ela carregava um bebê no colo - parecia grande demais para os braços finos dela - e tinha traços juvenis, sorridente.

Revirei os olhos e cancelei a operação. Se ele quisesse sua mesada, ele mesmo que fosse tirar. Guardei o dinheiro das lentes e os cartões na carteira, enfiando-a no bolso lateral da calça jeans e me aproximei dos dois.

Jimin tentava fazer o bebê sorrir com aquela cara de idiota proposital dele, mas não dava certo. O bebê quase gritava de tanto chorar, os esforços dele estavam indo por água abaixo e podia até ser uma cena bem cômica se observada de longe.

Assim que me aproximei e agarrei o braço de Jimin com alguma força, ele sorriu para mim.

- Acho que crianças não gostam de mim, hyung.

- Percebe-se.

A mulher sorriu quando começamos uma pequena discussão. Percebi que o bebê também tinha parado de chorar e só nos observava, enrolado numa fronha e carregado pela moça que tinha as unhas pintadas num tom escuro e esmalte descascado.

- Você devia tentar fazê-la sorrir, hyung.

Dei de ombros e murmurei um "com licença" para a mãe. Ela sorriu e assentiu, dando um "vá em frente" como resposta. Inclinei-me minimamente e percebi que era uma garotinha; Ela tinha os mesmos traços da sua progenitora, mesmo que não totalmente desenvolvidos. As bochechas redondinhas e os cabelos presos numa trança desajeitada. Assim que me viu, abriu um sorriso apenas com alguns dentes frontais e eu achei um amor.

Arrisquei estender a mão para ela, que foi logo agarrada. Jimin estava quase batendo palmas sarcásticas atrás de mim - devia estar puto porque a criança foi com a minha cara e não com a dele. As unhas curtas arranhavam meu dedo indicador e a mãozinha toda se fechava em volta dele.

O meu conceito sobre crianças acabou de mudar.

Eu sempre achei crianças muito barulhentas e essas coisas, e realmente são. Sempre preferi bebês fofinhos e quietinhos. Quando um primo meu nasceu, eu lembro que eu tinha uns quinze anos. O menino começou a chorar e eu quase taquei ele no chão - teria tacado se minha tia não tivesse o pego antes que eu fizesse alguma merda.

Mas, bem, quem sabe não seja tão ruim assim.

Depois de levar alguns puxões no cabelo e receber alguns sorrisinhos, peguei minha mochila das mãos do meu namorado e nos despedimos da moça, saindo do banco.

- E agora?

- Vamos na ótica, ué.

- Tudo bem, então - Jimin deu de ombros com um sorrisinho de lado no rosto e ajeitou a mochila sobre as costas, enfiando as duas mãos nos bolsos do moletom que estava usando.

Toda essa pose de bad boy me destruiu o caminho todo.

Ele me ajudou a escolher as lentes com o meu grau certo e eu as coloquei na hora. Então, voltamos a andar conversando sobre o meu relaxamento, o jeito como lentes novas eram incômodas e sobre crianças.

[4 de abril, 17:23]

Jimin e eu aproveitamos que estávamos na rua desde mais cedo e almoçamos num restaurante que ficava perto da ótica. Eles tinham um prato especial nas segundas, e eu não consegui distinguir direito o que aquela gororoba era, só que passava longe do ruim. Era uma gororoba dos deuses.

Enfim.

Assim que chegamos no nosso quarto, jogamos as mochilas no sofrido canto da sala e eu logo botei o meu amado pijama moletom. Jimin vivia dizendo que eu mais parecia um saco de batatas com ele, mas não é como se eu também reclamasse toda vez que ele anda só de samba canção pela casa.

Estávamos jogados no sofá. Eu no assento do meio e Jimin deitado com as pernas no meu colo.

- Hyung.

- Oi.

- O quanto você gosta de mim?

- Essas reflexões estranhas de novo, Jimin?

- Ah, vamos. Por favorzinho.

- Eu realmente amo você.

- Eu sei que ama, né, Yoongi? Seja mais específico! Jimin está carente e quer receber amor e carinho.

- Tá. Hm… - desviei o olhar para o chão. Eu não era tão bom assim em expressar sentimentos. - Você é especial para mim, entende? Deve ser a pessoa mais importante de todas. Você não é perfeito, longe disso. Mas são as suas falhas que fazem você ser mais e mais especial pro hyung, então nunca ache que você não é bom o bastante para mim. Tudo bem?

- E você ainda diz que não é sensível - Jimin riu e escorregou as pernas, sentando-se e deitando a cabeça no meu ombro - Obrigado, Yoongi-hyung. Eu também te amo muito.

- Boiola - acusei, sorrindo. Jimin comprimiu os olhos num sorriso e deu um beijo demorado na minha bochecha.

- Namorado do boiola.

- Fatality!

E então, ele se inclinou por cima de mim. Me deitou no sofá. Ficou apenas me observando de cima, sorridente. Depois, se abaixou devagar até nossos lábios de roçarem, suavemente.

E nós ficamos sem saber o final do filme.


Notas Finais


tumblr: https://www.tumblr.com/blog/sassypotatoss
abencoado seja
bom galero eu meio que escrevi enquanto tomava soro na veia e eh mt difícil digitar com uma mão então ignorem qualquer erro ok? Eu tô meio com o pé na cova então manda melhoras pra bebê aqui.
YOONMIN PAPAIS SERÁ RSRSRRS
bom esse é exatamente o yoongi dessa fanfic então desculpa se vc achar ele muito cuzao ou sei la vida que segue
eu tambem botei aparelho hoje e já poquei uma pecinha KKJNKNKNIJ


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...