História Carnal Attraction - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Kylie Jenner
Tags Incesto, Justin Bieber
Exibições 79
Palavras 2.154
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Escolar, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi oi povo bonito!
Meu, eu não sei porque mais eu amo fic incestuosa kkk.
É a segunda que eu faço entre irmãos, bom eu realmente espero que vocês gostem ♥
Boal leitura e leiam as notas finais.

Capítulo 1 - Verdadeira confusão


Fanfic / Fanfiction Carnal Attraction - Capítulo 1 - Verdadeira confusão

Point of View Narrator:

—Parem de correr! – gritou Pattie pela terceira vez.

Justin e Kylie corriam pela casa brincando de pega-pega, Pattie preparava a mesa do almoço e pedia para as crianças pararem de correr pelos cômodos.

—Mamãe! – gritou o menino desesperado indo à cozinha – mamãe, a asma da Kylie! A asma dela atacou! – os olhos do mesmo estavam arregalados.

A mãe correu até a maleta de medicamentos e pegou a bombinha, correndo em direção à filha que estava no chão buscando ar.

—Já disse para vocês não ficarem correndo! – a mais velha exclamou – Justin está de castigo!

—Por que eu? – perguntou o menino.

—Porque você é o mais velho e sabe que a Kylie não pode ficar correndo!

—Mas... – ele foi interrompido.

—Sem mas! – gritou e os olhos do garotinho se encheram de lágrimas.

—Não mamãe! – gritou a menina brava – A culpa foi minha, eu que obriguei Jus brinca de correr.

—Ah, e como você fez isso? – disse a mãe desconfiada.

—Disse que contaria que ele gosta da... – antes de a pequena terminar, seu irmão correu para tapar a boca da mesma.

A mãe riu daquela cena, mas logo se lembrou que deveria ficar brava.

—Os dois estão de castigo! Já para o quarto de vocês, tomem banho que daqui a pouco as visitas estão aí. Nada de televisão por uma semana – Justin bufou e Kylie revirou os olhos – Subam!

Os dois deram as mãos e foram em direção ao quarto, Pattie sorriu com aquilo. Ela amava saber que os dois eram tão unidos, até mesmo na hora da bronca e do castigo.

—Oi amor – disse Jeremy abraçando ela pelas costas – Cadê as crianças? – perguntou enquanto deixava sua maleta no chão e tirava seu paletó.

—Estão lá em cima se arrumando e de castigo – falou sorrindo enquanto passava seus braços envolta do pescoço do marido.

—E você está feliz com isso? – perguntou confuso.

—É que depois que disse que os dois estavam de castigo, eles subiram de mãos dadas. E eu fico feliz com essa união deles – explicou e  Jeremy riu.

...

Todos já haviam chegado à mansão dos Bieber’s, sentados na mesa almoçando, os adultos conversavam socialmente, as crianças jogavam a comida para o alto, se batiam e mordiam. Justin e Kylie olhavam aquela cena assustados.

—Vão brincar crianças – Pattie disse após terminarem a sobremesa.

As crianças visitantes saíram gritando e correndo para o quintal, já Jus e Ky levantaram educadamente pedindo licença e saindo de mãos dadas.

—Quantos anos eles têm? – perguntou a Matilda prima da Pattie.

—Justin sete e Kylie cinco – respondeu Jeremy.

—Eles são muito educados – disse McClayn amigo do Jeremy.

Jeremy e Pattie sorriram orgulhosamente pelo elogio.

7 anos depois:

—Hoje é meu aniversário Jus! – gritou Kylie pulou no colo do irmão que tinha acabado de chegar.

—Eu sei Ky! Parabéns minha princesa! – disse abraçando a mais nova.

—Onde você estava? – perguntou se soltando do Justin.

—Fui comprar seu presente – ele disse sorrindo, e Kylie deu um enorme sorriso.

—Cadê? – perguntou curiosa.

—É surpresa, só vou te dar hoje à noite na festa – riu assim que viu a cara de triste da irmã.

—Juuuus – falou manhosa.

—Kyyyy – a imitou, a mesma revirou os olhos e ele riu.

...

Kylie dançava animadamente na sala com as suas amigas, Justin apenas encostou na parede e ficou a observando. Ele sorria ao ver a quão bonita e animada era sua irmã, ela parecia uma princesa.

—Linda ela, né? – falou Ryan tirando Justin de seus pensamentos.

—Vai se foder Ryan! – falou bravo e o seu amigo riu.

—Jus! – Kylie gritou correndo em direção ao irmão.

—Oi amor! – respondeu a irmão sorrindo.

—E meu presente?! – perguntou animada.

—Vem cá – eles se deram a mão e foram para o quarto da mais nova.

—Cadê? – perguntou ela, e Justin coçava a cabeça confuso.

—Ah! – ele gritou e foi até o closet – Te achei! – gritou e sua irmã correu para ver – Aqui está! – disse entregando o pequeno ser que tinha um lacinho vermelho no pescoço.

—Que lindo! – a irmã pegou o cachorrinho da raça labrador dourado no colo.

—Gostou?

—Amei! Obrigada! É macho ou fêmea?

—De nada! É macho – respondeu – agora só falta um nome.

—Bolinho! – exclamou e o irmão riu.

4 anos depois:

Point of View Kylie:

Hoje teria uma festa na casa do Taylor, eu tenho que ir de qualquer jeito! Se não ele vai acabar ficando com outra garota, isso não pode acontecer. Como a festa é tarde meus pais não me deixariam ir, então o jeito é eu ter que ir escondida.

Olhei para os dois lados do corredor, estava tudo escuro sinal de que eles foram dormir. Corri rapidamente nas pontas dos pés até o final da escada, quando eu fui abrir a porta uma voz me assustou.

—Onde a senhorita pensa que vai? – a voz soou grossa e as luzes se acenderam.

—Vai se ferrar garoto, cuida da sua vida! – falei me virando e encarando aquele ser desprezível e o mesmo riu.

—Nossa, que nervosa! Acho que nossos pais não gostariam de saber que a minha querida irmã está saindo essa hora – falou ameaçador.

—Eles não vão saber! Afinal ninguém vai falar nem mesmo você!

—O que te garante isso? – falou arqueando a sobrancelha e eu suspirei.

—O que você quer? Ferrar com a minha vida não é o suficiente?! – falei alterada e o mesmo riu debochado.

—Vou ir com você minha irmãzinha – falou sorrindo.

—Não, não mesmo! Você não vai – ele me olhou desafiador, suspirei me dando por vencida e o mesmo sorriu vitorioso.

Calcei os saltos, Justin já estava arrumado, saímos de casa e entramos no seu carro.

—Endereço? – perguntou.

—Casa do Taylor.

—Casa do seu namoradinho? – falou rindo provocativo e eu o ignorei.

Justin ligou o carro e saiu em disparada pelas ruas de Atlanta. Ele corria tanto que as coisas do lado de fora passava como um borrão.

No carro um silêncio reinava, era estranho isso. Antes éramos tão próximos, mas depois que Justin foi ficando mais velho e saindo com os seus amigos para diversas festas e me deixando, estamos em um tremendo pé de guerra. Eu passei a não suportá-lo, tenho vontade de matar esse babaca, ele se acha o gostosão só porque pega um monte de piranha lá da escola, mas não passa de um tremendo idiota. Ele me estressa!

Chegamos ao destino, descemos do carro e cada um foi para um lado. Fui andando pelo meio da multidão e encontrei a Hailey.

—Amiga! – ela gritou vindo me abraçar.

—Oi Hay – disse retribuindo o abraço – Vejo que começou os trabalhos antes da minha chegada – falei rindo encarando o seu estado caótico.

—Ah Ky, você sabe que eu não me controlo – falou rindo e eu concordei.

—Cadê o Tay? – perguntei.

—A última vez que o vi, ele estava perto da piscina – me respondeu, antes que eu saísse ela me puxou – Você não vai me trocar por ele, né?

—Não amor, vou ver se não tem nenhuma galinha ciscando no meu terreno e já volto – ela concordou e riu.

Caminhei em meio aquelas pessoas cheirando a bebida, droga e sexo. Cheguei ao quintal dos fundos e vi Taylor conversando com Connor e mais alguns meninos. Fui até ele e o abracei por trás o mesmo deu um pulo de susto, e alguns amigos dele riram. Tay se virou e sorriu.

—Oh moça, não é por nada não. Você é linda, gostosa e parece ser legal, mas a minha dona é brava, se ela me ver falando com você vai te matar e me matar depois – falou me olhando sério e eu ri.

—Bobo – falei sorrindo e ele selou nossos lábios.

—Achei que não viria – sussurrou no meu ouvido me causando arrepios.

—E deixaria você soltou com um monte de vadia te dando mole? Nunca! – fiz o mesmo que ele e mordi o lóbulo da sua orelha.

—Sou só seu! – ele apertou minha cintura e eu arfei.

—Me prova! – falei desafiadora.

Uma de suas mãos estava segurando a bebida, a que estava na minha cintura foi para minha nuca puxando meu cabelo, nossos lábios se encontraram, sem prolongamento sua língua deslizou para dentro da minha boca, ela explorava cada canto da minha boca. Terminamos o beijo com mordida e selinhos. Taylor me deu um sorriso e eu retribuí.

—Vou dançar um pouco com a Hay, tá? – falei pegando a bebida de sua mão e tomando.

—Tudo bem anjo – falou me dando um selinho – Isso aqui é meu – falou pegando a bebida e eu mostrei a língua, e o mesmo riu.

Voltei para a sala à procura da Hay, a encontrei se pegando com o Justin. Eca! Não sei como essas meninas ficam com ele, Justin mal toma banho imagina escovar os dentes! Mentira, mas ele ainda é um babaca. Tussi falsa e eles se separaram, Hailey me olhou assustada e Justin sorriu sacana.

—Atrapalho? – perguntei, antes que ela respondesse o intrometido respondeu.

—Sim!

—Foda – se! – falei grossa – Vamos dançar? – perguntei a Hay.

—Agora amiga? É que eu estava ficando com o seu irmão e... – eu a encarei confusa.

—“Você não vai me trocar por ele, né?” Ah, vai se foder Hailey! – dei as costas para eles e fui à procura do Taylor.

Ele estava no mesmo lugar, só que agora Amber estava se esfregando nele, uma raiva tomou conta de mim.

—Que porra é essa?! – gritei.

—Não é o que você está pensando amor! – Taylor falou se afastando da piranha.

—O que é Kylie? Não confia no seu taco? – Amber falou debochada.

—Confio tanto nele que vou tacar o mesmo nessa sua cara de puta! – falei indo para cima dela, mas Taylor entrou na frente.

—Não vale a pena. Vamos! – falou me puxando para dentro e quando vi já estávamos no seu quarto.

—Você deveria ter me deixado bater naquela vaca! – gritei – Que porra! Por que você a defendeu?! Vai falar também que você quer me trocar?! Ah, eu já deveria ter me acostumado com isso...

—Fica quieta! – ele gritou e eu me assustei – Eu nunca vou te trocar! Muito menos por ela! Para de dar chilique! Eu estou aqui com você, é você que eu quero e mais ninguém! – ele falou exaltado, eu sorri e sentei em seu colo.

Rapidamente o beijei e ele correspondeu, suas mãos apertavam minhas coxas e eu arranhava sua nuca, rebolando em cima do seu membro. Separamos por falta de ar.

—Você é bipolar! – falou rindo.

—Já deveria ter se acostumado – falei beijando seu pescoço.

Empurrei o fazendo deitar-se na cama, tirei sua blusa e comecei a beijar sua mandíbula, depois pescoço, peitoral e abdômen. Sorri safada e ele retribui. Taylor me puxou, me jogando na cama e ficando entre as minhas pernas.

—Tem certeza? – perguntou enquanto chupava meu pescoço.

—Sim – respondi quase em sussurro.

Taylor foi distribuindo mordidas no meu pescoço, depois mordendo meu busto, quando foi tirar minha blusa bateram na porta, o mesmo bufou com raiva e eu ri. Ele se levantou e caminhou até a porta.

—O que é Connor?!

—Desculpa brow, mas é que seus pais chegaram e estão uma fera – Connor falou me olhando e eu fiquei sem graça.

—Tudo bem, manda todos embora, já desço – ele fechou a porta e veio até mim – Acho que vai ter que ficar para próxima – falou fazendo bico e eu ri.

—Okay né – falei dando um selinho nele – Vou indo então – me levantei e sai do quarto.

Desci as escadas e todos estavam saindo, andava no jardim e encontrei o Justin parado olhando para tela do celular, ele levantou o seu olhar e me encarou.

—Onde você estava? – perguntou.

—Por aí – respondi simples – Vamos? – perguntei e ele concordou.

Andamos em direção ao carro, entramos e Justin dirigiu a caminho de nossa casa. O caminho inteiro foi um completo silêncio, o que não é novidade. Chegamos em casa e descemos, Justin entrou primeiro para ve rse não tinha alguém, após sua resposta entrei e bolinho correu a minha direção e começou a latir.

—Shiiiu! Bolinho para de latir! – e logo ele foi se acalmando.

Comecei a subir as escadas acompanhada do Bolinho, e Justin me chamou parei e não virei para trás.

—Você ficou brava por eu ter ficado com a Hanna? – perguntou.

—Hailey – o corrigi.

—Tanto faz! Ficou ou não?

—Não, já me acostumei com o fato de você me decepcionar ou me trocar – suspirei e senti uma lágrima saindo do meu olho.

—Ky... – eu o interrompi.

—Boa noite Justin – sai correndo para meu quarto e tranquei a porta.

Tirei minha roupa colocando dentro do cesto e me joguei na cama de calcinha e sutiã, Bolinho deitou ao meu lado, eu o abracei e comecei a chorar.

Eu realmente não sei o motivo do meu choro, mas apenas sinto que preciso chorar para limpar minha alma. Fiquei muito mal ao ver Justin beijando Hailey, mas não sei o porquê do meu choro se era por ele, por ela ou pelos dois. Minha cabeça estava uma verdadeira confusão.


Notas Finais


Ajudem a fanfic crescer! Comentem muito, favoritem muito compartilhe com os amigos. Isso é muito gratificante pra mim gente ♥
Beijos até mais.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...