História Carrossel- dia após dia (2temporada) - Capítulo 44


Escrita por: ~

Postado
Categorias Carinha de Anjo, Carrossel, Cúmplices de um Resgate
Personagens Adriano Ramos, Alícia Gusman, Bibi Smith, Carmen Carrilho, Cirilo Rivera, Daniel Zapata, Davi Rabinovich, Diana Ayala, Jaime Palillo, Jorge Cavalieri, Kokimoto Mishima, Laura Gianolli, Marcelina Guerra, Margarida Garcia, Maria Joaquina Medsen, Mário Ayala, Paulo Guerra, Personagens Originais
Tags Carmiel, Ciriquina, Daléria, Danluisa, Jarmen, Jorgerida, Kobi, Lauriano, Luime, Outros Casais, Paulicia
Visualizações 106
Palavras 1.545
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Luta, Musical (Songfic), Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Espero que gostem do capítulo.

Capítulo 44 - Primeiro encontro de Manu!


Quando ela abre, não acredita no que ver.

Isa: não acredito nisso! Falou de boca aberta de tão surpresa.


OPV-Isabela

Xx: com licença! A pessoa diz educada, eu fico com ódio, querendo esmaga-lo.

Eu: o que faz, aqui? Digo com veia cheia de raiva.

Xx: quero falar com sua mãe! Ele diz sério.

Eu: ela saiu! Digo com a cara fechada.

Xx: sério? Ele diz, com expressão nada boa.

Eu: sim! Ela saiu com meu pai, você sabe que quando eles estão juntos, soltam muitas faísca. Digo, segurando a vontade de rir, pois parece que ele acreditou.

Xx: mas, ela falou que não gostava mais dele? Disse em um tom de raiva.

Eu: sabe, minha mãe adora esconder o sentimentos dela, ela tem esse maldito costume desde criança. Cruzo os meus braços, balançando ele debochando e escondendo ri.

Xx: aquele imbecil me pagar, pra querer estragar meus planos. Ele falou totalmente cheio de raiva.

Eu: posso saber que plano é esse? Digo curiosa.

Xx: não te interessa, garota! Falou revoltado.

Eu: sabe, pra minha mãe ou pra qualquer outra mulher. Você nunca vai chegar perto do meu pai, como pessoa e como na cama, pois ela já me contou cada loucura com ele. Você vai ser um passar-a-tempo, até ela se tocar na merda que está fazendo. Trocando um homem de verdade, por um lixo. Digo com sorriso no rosto, debochando, a cada palavra eu falava, Matheus ia ficando com mais raiva e vejo volume nas suas veias.

Matheus: GAROTA É MELHOR VOCÊ TOMAR CUIDADO COMIGO, SE ACABO COM SUA CARINHA BONITO. Disse totalmente nervoso.

Eu: estou morrendo de medo! Debocho mais uma vez. Já sabia que valia nada. Provoco ele.

Matheus: não me desafie! Ele vinha até mim, com a intenção de me bater, mas ouviu uma voz e parou.

Majo: filha quem é? Ela diz descendo as escadas que é em direção a porta.

Eu: o encosto do seu namorado. Digo rindo, Matheus fecha os punhos de raivas, eu nem ligo pra isso, logo depois minha mãe chega à porta.

Majo: meu amor! Ela diz sorridente e dando um selinho nela.

Matheus: oi, amor! Ele diz disfarçando e olha para mim com um sorriso de vitória.

Eu: ufff! Bufo e Matheus ver e ri.

Matheus: você está muito linda! Ele a elogia, só para aumentar minha raiva.

Majo: obrigado! Você está bem bonito! Ela fala, eu começo a rir descontroladamente. Está rindo do que Isabela? Disse curiosa, abraçada nele.

Eu: é que com meu pai! Tinha mais emoção com meu pai, pois ele sempre te chamava de gostosa é você o chamava de gostoso. Agora, chama esse trapo de bonito. Digo ainda. Mas, até se combinam. O traficante e a otário, não fica perfeito esses nomes? Digo debochando.

Majo: Isabela, respeito! Ela fala bem séria e constrangida.

Eu: quer saber? Vou parar de perder tempo com vocês e ir pra casa do meu pai, pois lá sim tem homem de verdade. Faço aspa com os dedos, minha e Matheus identificam minha referência.

Majo: do que está falando? Disse com olhar de dúvidas.

Eu: não se preocupem comigo, pois você precisa mais de ajuda do que eu, para sair com um canalha desce. Digo me virando pra dentro de casa.

Majo: primeiro espera sua irmã sair e depois vai. Ela dá ordem.

Eu: eu não! Não sou mãe dela. Reviro os olhos.

Majo: não estou pedindo, estou mandando! Disse séria.

Eu: tá, tá! Digo sem empolgação.

Majo: tchau! Ela diz saindo de carro com o Matheus.

Entro em casa e vou para meu quarto e me arrumo para ir na casa do meu pai. Depois de alguns minutos, a campainha volta toca. Eu seu que era para minha irmã, então nem desci. Depois de alguns minutos, ouço Manu me chamando.

Manu: ISA! ESTOU INDO! Ela grita.

Eu: tá bom! Falo descendo as escadas.

Manu: vai sair? Disse curiosa.

Eu: vou no meu pai! Digo seria.

Ela saí com o Benjamin para seu encontro e eu vou para casa do meu pai. Alguns segundos caminhando, chego e toco a campainha. Espero alguns minutos, depois Zeca abri a porta.

Zeca: oi, Isa! Disse sorrindo.

Eu: oi! Digo meio grossa, passando por ele na porta.

Zeca: o que faz, aqui? Disse curioso e um pouco nervoso.

Eu: vim ficar aqui. Não posso? Digo com a mão na cintura e grossa.

Zeca: pode, ué! Disse ainda nervoso.

Eu: meu pai está em casa? Digo curiosa.

Zeca: não! Ele vai chegar mais tarde. Disse com sorriso bem nervoso.

Eu: ata! Que merda está fazendo que está com essa cara de cínico? Digo cruzando os braços, bem curiosa.

Zeca: nada! Tentou disfarçar o nervosismo, mas não conseguiu.

Eu: está com mulher, aqui? Disse rindo.

Zeca: não te interessa! Disse com grosseria.

Eu: aí seu grosso! Deve ser isso mesmo. Digo andando pelo corredor.

Zeca: vai aonde? Disse curioso.

Eu: vê quem está aqui com você. Digo indo até o seu quarto, abro porta e não acredito em quem veio lá, coloco a mão na boca. Juliana nunca vai te perdoa por isso. Digo em choque.

Zeca: é só você não dizer nada. Falou sério.

OPV-Autor

Enquanto isso no parque.

OPV- Larissa Manoela

Eu estava com Benja, ele me trouxe em um parque. Eu gostei, pois adoro me divertir, nada melhor do que parque de diversões para isso.

Benjamin: eae, Lari! Gostou onde eu te trouxe. Ele diz nervoso e com medo da verdade.

Eu: vou adorar, pois adoro diversão. Digo rindo.

Benjamin: aonde vamos? Disse olhando cada brinquedo.

Eu: roda gigante! Aponto para ele.

Benjamin: boa ideia! Fomos para o brinquedo.

Ficamos nos divertindo muito no parque, fomos vários brinquedos. Tipo: carrinho bate-bate, kart, trem fantasma e etc… Depois disso tudo estava cansada e morrendo de fome.

Benjamin: onde quer ir agora? Disse afoito.

Eu: COMER! Estou morrendo de fome! Digo bem agitado.

Benjamin: então, vamos comer! Saímos do parque e fomos em direção ao restaurante.

Logo após chegamos.

Benjamin: pode pedir, o que quiser! Disse me dando um selinho.

Eu: tudo bem! Pego o cardápio e fico vendo que tinha, peço uma bem caseira, mas parecia ser bem gostosa.

Então assim comemos.

Benjamin: nunca pensei que comia tanto. Ele diz me zoando.

Eu: meu filho! Hoje se você quer conquistar uma mulher, dá pra ela o que comer! Digo terminando de comer, ele ri.

Benjamin: faz sentido! Ele concordou rindo.

Eu: agora, estou satisfeita. Digo limpando a minha boca. Sabe, esse foi o meu primeiro encontro.

Benjamin: sério? Disse sem acreditar.

Eu: sim! Os meninos que eu ficava, nunca quis nada sério, então não tive um encontro a dois. Digo bem calma.

Benjamin: como assim a dois? Disse sem entender.

Eu: é! Pois tive alguns, mas sempre com a Isa. Outro, mas meus pais estavam juntos. Então, num conversei com a pessoa mais a vontade, sabe. Deve ser por isso, tenho um pouco de medo de fazer aquilo. Pois penso que fazer no estilo de primeiro encontro, o cara quer me levar pra cama e acabou tudo. Explico calmamente.

Benjamin: ata! Mas não se preocupa muito com isso, eu irei te esperar na hora certa, vou está aqui. Disse colocando a mão no meu rosto e me beijo, coloco minha mão, envolta do seu pescoço e ficamos nos beijando.

OPV- Maria Joaquina

Estava num restaurante com Matheus. Está sendo um encontro sei lá, como Isabela diz, sem emoção. Na maioria das vezes, ficamos calados, rolava alguns beijos, mas sem fogo, sem nada. Ficamos comendo, até ver Manu e o menino que ela está saindo. Parecia ao contrário de nós, os beijos eram mais intensos. Para quebrar o silêncio e sair dessa chatice, eu resolvo ir até minha filha.

Eu: Matheus! Vou falar com a Manu e já volto. Digo me levantando.

Matheus: não se preocupe, eu vou com você! Disse se levantando também.

Fomos até a mesa da minha filha que estava beijando o menino. Filha! Digo chegando perto dela, levantou o rosto.

Manu: mãe! Ela diz surpresa e depois me abraçou.

Eu: é esse menino? Digo já sabendo do que se trata.

Manu: ele é o Benjamin! Ela aponta e o menino levanta.

Benjamin: boa noite, senhor! Disse me cumprimentando.

Eu: pode me chamar de Majo! Digo sorridente.

Benjamin: ok! Ele diz também sorridente.

Manu: oi! Ela diz a Matheus, estendendo a mão e lambendo os beiços, fico sem entender.

Matheus: oi! Disse meio demorado e sorridente.

Eu: Matheus! Esse é o namorado da minha filha! Digo apontando para o menino.

Matheus: namorado? Ele pergunta um pouco sério

Eu: sim! Confirmo.

Matheus: prazer! Ele estende a mãos contra gosto.

Benjamin: prazer! Ele estende a mão sorridente.

Eu: o que achou da minha filha? Digo curiosa e sorridente ao Matheus.

Matheus: ela é bem bonita, assim como você! Mas, acho que ela está com roupa muito curtas, para idade dela e para o encontro. Ele parecia está com ciúmes.

Eu: está com ciúmes? Digo surpresa.

Matheus: sabe, por ver ela, já sinto como filha minha! Disse com sorriso no rosto.

Manu: sorte que eu não sou! Disse bem séria e com pouco de medo. E outra coisa minha roupa, eu decido como usar, pois você não é nem meu pai e nem minha mãe. Falou com grosseria.

Eu: Manu! Baixou, Isabela em você? Digo curiosa.

Manu: mãe! Preciso ir, nos vemos em casa! Ela fala mudando de assunto, parecendo está com pressa.

Eu: espera! Também estamos indo! Digo indo pegar minha bolsa.

Chamamos um táxi e fomos pra casa. Chegamos, Matheus e Benjamin foram embora.

Estava tudo apagado e eu pergunto.

Eu: Manu! Cadê, a Isa? Digo curiosa.

Manu: deve está na casa do papai! Disse dando de ombros.

Eu: vou ligar para ela? Ela me entende, falo o necessário e depois desligo. Agora, vou tomar banho para dormir! Digo a Manu que estava do meu lado.

Manu: eu também! Nós cumprimentando e cada um foi para o seu quarto.


Notas Finais


Espero que tenham gostado do capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...