História Carry On - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Luke Hemmings, Michael Clifford, Personagens Originais
Tags 5sos, Banda, Carry On, Luke Hemmings
Exibições 110
Palavras 1.945
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Demorei mas cheguei
Boa leitura

Capítulo 13 - Capitulo 14- Dreaming Of The Reason For My Air Tube


Curty Ambers

Tudo bem, eu me rendo. Talvez eu esteja desenvolvendo uma queda de segundo grau- na minha mente é terceiro grau ainda- pelo senhor dono de um topete petulante e incrivelmente loiro e castanho. Ou eu estava louca, ou eu estava drogada ou possivelmente estava bêbada. Ponto para a terceira opção então. Antes que pergunte eu estava bêbada de café, pois eu não dormia a caralhos de dois dias direito, e a única coisa que me mantinha sã para conseguir falar mais de duas palavras era o meu delicioso café.

Sim eu estava ficando louca, não conseguia pensar em um motivo concreto para minha insônia a não ser o medo de ter pesadelos com ele. Luke foi o ultimo a presenciar aquela cena constrangedora e me senti incrivelmente mal em saber que aquele idiota ainda dominava minha cabeça, isso me frustrava em um nível extraordinário já que eu já cansei de responder 'eu estou bem' para os meninos. A única que sabia de toda essa minha batalha interna era Meg, que inclusive colocou um colchão no meu quarto para caso eu dormisse e tivesse pesadelos- o que não acontecei já que eu cochilava por 30 minutos e acordava suando com medo disso acontecer.

Eu estava tentando pensar no que fazer enquanto ia buscar um café, sim mais um, na cafeteria que fomos outro dia na recomendação de Ash, os cafés do Starbucks eram melhores, mas aquela loja me conquistou com suas rosquinhas de caramelo e seu cheiro de anos 80. Entrei na loja alguns bons 15 minutos depois de sair de casa e a atendente só me fez um sinal confirmando o meu pedido, que era um café médio com canela e uma rosquinha de caramelo- eu já disse o quanto eu amo caramelo? Apoiei-me no pilar que ficava perto da porta, esperava calmamente meu pedido salva-vidas ficar pronto olhando para um senhor que brigava com o sachê de maionese, ri com cena, pois ela era fofa.

- Achei seu esconderijo- falou uma voz atrás de mim me fazendo dar um salto, que se eu fosse cardíaca já estaria morta

- Puta merda Calum, você me deixou sequelas no coração depois disso- o repreendi enquanto ele sorria sapeca.

- Ok me desculpe- pediu- Faz dois dias que eu e os meninos estamos te seguindo querendo descobrir pra onde você vai

- E só me acharam hoje por quê?- perguntei

- A gente sempre te perde- comentou- Qual é, nós nos distraímos fácil

Não respondi apenas dei de ombros aceitando a resposta, Calum entortou a boca pelo meu silencio e quando ia falar alguma coisa à atendente me chamou para pegar meu pedido. Paguei e sorri saindo do estabelecimento ao lado de Cal que ainda me olhava estranho.

- Você ta com dor de barriga ou colocou botox na boca?- perguntei

- Não se faça de idiota Curty Ambers- apontou um dedo em minha direção- Você não fica quieta, você sempre puxa assunto e nunca deixa alguém falar por ultimo. Que merda ta acontecendo?

- Uol ótimas qualidades dessa menina- sorri vendo sua carranca, suspirei- Eu estou normal, já te disse isso 15 vezes

-Foram 16 com essa- revirou os olhos- Eu sei que não está e eu vou descobrir

Minha vez de revirar os olhos.

Iria começar meu caminho até em casa feliz que teria Calum ao meu lado, já que parece que não falar muito virou motivo das pessoas terem medo de sair com você naquela casa, mas assim que me virei vi Calum indo reto e abrindo a porta do carro preto, ele olhou dos lados e quando olhou para trás me viu olhando para ele com um verdadeiro ponto de interrogação na cara. Fez um gesto com a mão que indicava 'ta achando que eu vou andar?' e não pude deixar de agradecer aos deuses por não ter que gastar as poucas energias que tenho.

O caminho foi quieto por minha parte que só ouvia Calum contar o quanto Meg estava sendo fofa com ele durante o dia, pois durante a noite "eu a perco para a imensidão negra, profunda e triste que é aquele seu quarto que inclusive você deveria abrir mais a janela". Aquele serzinho era tão especial que com um simples comentário me deixou rindo por vários minutos, espero que Meg de valor a isso. Chegamos dentro de 5 minutos depois e eu entrei em casa tirando meus tênis pelo caminho e me jogando no sofá, comecei a tomar meu café e a comer minha rosquinha.

Tentei né

- Isso por acaso é rosquinha de caramelo?- ouvi um grito que se intitulou ser de Mike

-Depende, se você for querer é de pimenta- sorri e o mesmo me encarou pulando ao meu lado e roubando indiscretamente meu doce e mordendo- Claro eu deixo você comer.

- Jigglypuff- chamou ele depois de devorar MINHA ROSQUINHA INTEIRA- Quando vai me contar o que esta acontecendo?

Hoje eu mando alguém pra puta que pariu

- Michael eu não aguento mais ter a droga de um idiota na minha cabeça me fazendo quase morrer em pesadelos a cada vez que tento dormir, eu não consigo dormir, vocês me perguntam isso a cada minuto como se ficar calada fosse horrível eu... - respirei fundo- Eu só quero pensar Squirtle- terminei usando meu apelido para ele, já que o mesmo se encontrava com os olhos arregalados pela minha nada sutil mudança de humor.

- Desculpa ficar enchendo seu saco, você me preocupa- falou olhando pro meu café- Vem aqui.

Mike me puxou para um abraço totalmente desajeitado, mas confortável. Ficamos algum tempo assim até Ash chama-lo para perguntar sobre seu shampoo que pelo visto ele havia usado tudo escondido, pois tinha um cheiro muito bom. Squirtle e sua vida de amante de shampoos com cheiro bom.

2 segundos que eu fiquei sozinha para beber meu delicioso café que já estava morno, me aparece Luke comendo uma rosquinha de caramelo.

- EU QUERO- gritei apontando para o doce

- Meg começou minha outra, essa é minha- ergueu as sobrancelhas.

- Michael comeu a minha- comentei- Vamos lá caro Hemmings, não custa nada.

- De dou metade se tiver um dialogo comigo de mais de 2 minutos- sugeriu me fazendo rolar os olhos tão forte que achei que eles iriam saltar do meu rosto

- Feito, agora anda eu estou com fome- apressei vendo-o sorrir e se sentar ao meu lado, cortando metade do doce e me entregando.

- Agora quer conversar sobre o que?- perguntou- Estou com vontade de falar sobre você comprar café de canela e não dividir

- Toma- lhe entreguei o café enquanto comia- Eu estou com vontade de falar sobre uma sessão de filmes de terror que vai passar hoje no canal 25

- Senti interesse no assunto- me devolveu o café- Vamos pedir pizza ou você vai fazer alguma comida maravilhosa?

- Eu pedi sua companhia?- ergui uma sobrancelha- Me interesso em pizza de pepperone

- Que horas começa a sessão?- perguntou ignorando minha brincadeira e tirando o copo de café da minha mão como se isso fosse normal. NORMAL

- As 22h00min- informei

- Meg me disse que você não anda dormindo, deveria aproveitar hoje e dormir- falou me encarando- Não que eu mande em você, mas daqui a pouco o café do mundo acaba.

- Nossa falou o não viciado em café- respondi- Eu não quero dormir, só quero cochilar.

- Problemas com os pesadelos?- perguntou me vendo afirmar alguns segundos depois- Porque não fazemos assim, você dorme enquanto eu leio e se eu te você falando algo, tremendo ou suando frio, te acordo.

- Não acho uma boa ideia- suspirei pensando nos possíveis braços me tocando. Um arrepio percorreu minha espinha e tive que fechar os olhos por alguns segundos

- Vamos lá, vou pegar meu livro e você vai vestir alguma coisa confortável, te encontro no seu quarto- se levantou e me acompanhou escada a cima.

- Ta querendo se aproveitar da minha cama de casal de novo Luke? Achei que nossa amizade fosse sincera- murmurei subindo ao seu lado

- Isso é sincero pra mim, eu usar seus problemas para usar sua cama confortável. Tão sincero que até você notou minha intenção- comentou rindo e correndo quando eu atirei o tênis de alguém que estava ali perto na parede ao seu lado que na verdade era pra ser em suas costas, mas então vemos ai minha mira.

Entrei em meu quarto e resolvi fazendo o que Calum havia me falado, abri a janela e deixei a brisa gelada levar todo o cheiro de quarto mofado ir embora, tomei um banho rápido quente e fui procurar algo confortável para vestir. Encontrei um short de moletom preto e um suéter azul muito velho, em nível precário, e os vesti, pois aquilo era como estar vestida de nuvens. Encontrei um par de meias que eu sabia que era um conjunto com o suéter e as vesti também. Assim que coloquei meu celular para carregar Luke bateu na porta do quarto e simplesmente entrou.

Preciso por regras nessa casa, esses meninos estão muito ousados.

- Eu tenho um suéter igual sabia?- comentou- Só que eu cuido mais do meu do que você

- Isso se chama consequência da maquina de levar porque uso muito- revirei meus olhos- Eu usava pelo menos

Ele deu de ombros e se aconchegou na cama, encostando as costas nos travesseiros abrindo o livro e me encarando. Deixei de lado o tubo de ar no estomago e subi na cama e me deitei puxando o cobertor e meu travesseiro favorito, porque Doris faz milagres.

5 minutos depois e nada

20 minutos depois e nada

Quase 40 minutos depois e nada. Bufei

- Eu não consigo dormir- falei olhando Luke de ponta cabeça que deixou o livro de lado para me encarar

- Prende o cabelo, sai da ponta da cama porque você vai cair, arruma o edredom em cima de você ele ta com cara de desconfortável- ditou me puxando pro meio da cama, arrumando o cobertor enquanto eu o olhava e prendia meu cabelo em um coque.

- Bem confortável- comentei me esticando

- Eu já tive insônia, virei professor de sono depois disso- riu fraco e voltou à atenção para seu livro, agora deitando mais o corpo e ficando alguns centímetros mais alto que eu.

Tubo de ar voltou. E permaneceu por mais 10 minutos até eu suspirar novamente

- Não deu certo- lamentei o olhando pedindo socorro, eu só queria dormir.

- Me abraça- falou não tirando os olhos de seu livro- Anda logo, você só não esta agora em seu quinto sono porque esta com medo do que pode acontecer caso durma e tenha pesadelos.

Eu já disse que o tubo de ar ta aqui? Presente comigo? Se já, deixa-me adicionar mais uma informação: a culpa dele é do loiro do topete petulante.

O abracei e deitei minha cabeça em seu peito, agora tendo a visão de parte de seu livro. Luke se aconchegou mais ao meu lado e depois de bons 5 minutos meus olhos estavam pesando, o maldito estava certo. Eu estava quase me lembrando do motivo de não querer dormir quando senti sua mão fazendo carinho em meus cabelos, depois descendo para meu braço e se repousando ali depois de fazer um breve carinho, me esqueci até do significado pesadelo depois disso. Meu sono foi incrivelmente tranquilo, posso até deixar registrado que não tive nem rastro da cara do monstro que me assombra a cada vez que fechada meus olhos nessas ultimas semanas.

Pelo contrario, eu sonhei. Sonhei com o motivo do tubo de ar em meu estomago.


Notas Finais


Eu não gosto de capitulo pequenos, perdão gente. Mas o próximo eu volto com os grandões com mais de 3k de caracteres.
Beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...