História Cartas Para Kim Namjoon - Imagine Namjin - - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Drama, Fetiche, Yaoi
Visualizações 22
Palavras 3.794
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Desculpa a demora ^^
Boa leitura S2


OBS: Esse cap n está revisado. Desculpe qualquer erro.

Capítulo 2 - Why can not you see me?


Fanfic / Fanfiction Cartas Para Kim Namjoon - Imagine Namjin - - Capítulo 2 - Why can not you see me?

Estou cansado desse lugar, espero que as pessoas mudem

Eu preciso de tempo para substituir aquilo que eu dei

E as minhas esperanças, elas são altas, eu deveria mantê-las pequenas

Apesar de eu tentar resistir, eu ainda quero isso tudo

 

Eu vejo piscinas, salas de estar e aviões

Eu vejo uma casinha na colina e nomes de crianças

Eu vejo noites quietas derramadas sobre gelo e gin

Mas tudo está estilhaçando e o erro é meu

 

Apenas tolos se apaixonam por você, apenas tolos

Apenas tolos fazem o que eu faço, apenas tolos se apaixonam

Apenas tolos se apaixonam por você, apenas tolos

Apenas tolos fazem o que eu faço, apenas tolos se apaixonam

 

Oh, nossas vidas não colidem, eu estou consciente disso

Temos diferenças e impulsos, e sua obsessão com

As pequenas coisas, você gosta de desodorante de bastão e eu gosto de aerossol

Eu não dou a mínima, eu não estou desistindo, eu ainda quero isso tudo

                                                                                                                                             - Fools, Troye Sivan.

                                                                                   

Um pouco mais tarde naquele mesmo dia...

*Carta*

Querido Kim Namjoon, como eu disse você me ignorou novamente. Bom como eu pedi na última carta, eu iria me afastar de você para conseguir fazer com que isso dê certo, mas como eu posso me afastar de algo que me mantem vivo... Se você acha que isso é exagerado, não posso descordar. Mas se você tivesse tudo? Dinheiro, inteligência, bondade, o que mais você iria fazer? Bom eu sou amigo de muitos na escola Querido Kim, menos de você, por um simples motivo... Eu sou invisível para você.

O único motivo de você não falar comigo é por que eu sou gay? Não isso é impossível, você apoia casais gays. Então qual o motivo? Eu realmente não consigo entender.

Você provavelmente também já recebeu a carta não é? Claro, não fui eu que coloquei em suas coisas. Eu pedi para uma menina confiável colocar no meio das cartinhas que você recebe de outras meninas e se bobear até de outros meninos.

Bom não expliquei as “regras” desse “jogo”. 1ª Você receberá uma carta por dia, sempre estará no meio de outras cartas, então a procure. 2ª Se você não vier no dia, não receberá a carta. O que complicará totalmente em tentar saber quem eu sou. 3ª Ultima: Procure as dicas ok.

Querido Kim, se você leu a primeira carta, pode estar achando que eu sou um completo psicopata que está te perseguido, mas não se preocupe eu só quero o seu bem. Sabe Kim eu tenho medo de você não ver essa carta e continuar a me ignorar. Por favor não faça isso, é o que eu realmente te imploro... Você gosta de jogar? Por favor fique e jogue comigo. Fique aqui e me faça me divertir por um tempo, expressei muito mal não é? Não quero te tratar como um objeto, apenas quero me divertir, me divertir com você. Quero que nós sejamos felizes... Juntos.

Hoje eu também beijei outro garoto, e eu vi que você estava olhando... Eu sei que você não vai descobrir quem sou eu por que hoje você viu mais de 50 casais gays se beijando. Querido Kim saiba que seu sorriso é o melhor do mundo, e que se você já leu a primeira carta já deve ter visto que eu escrevi que “sua namorada te trai com seu melhor amigo”. Bom você só irá receber essa carta depois que eu te ver então não vou poder falar o que eu senti nessa carta. Mas vou falar na outra ok?

Até Querido Kim...

                De: Admirador K.S.J.

                Para: Querido Kim Namjoon. 

                22/08/2017

 

 

                23/08/17

P.O.V Jin.

Não lembro de que horas eu fui dormir ontem... Isso vai realmente fazer mal para mim.

– Jin? – Minha mãe entrou no quarto.

– Ah, bom dia mãe. – Falei me espreguiçando na cama.

 – Jin... – Minha mãe se sentou em minha cama e deixou uma lagrima escapar.

O QUE???

– Mãe? Por que está chorando? – Perguntei desesperado.

– Jin... Seu irmão morreu. – Falou minha mãe chorando.

Eu estava sem palavras.

Eu estava completamente devastado.

Eu estava me sentindo horrível por ter simplesmente o ignorado.

Eu estava calmo, tão calmo quanto uma melodia romântica.

E nesse momento a única coisa que me importava era minha mãe...

– Mãe? – Falei encostando em seus cabelos.

Minha mãe estava de cabeça a baixa, provavelmente chorando.

– Jin, precisamos conversar. – Falou minha mãe levantando sua cabeça.

Uma lagrima escorreu de seus olhos e ela rapidamente secou.

– Claro! – Falei me aconchegando mais na cama.

– Seu irmão foi assassinado. – Falou minha mãe olhando em meus olhos.

Isso já não era novidade. Já que por que no momento em que ela falou que ele tinha morrido, a primeira coisa que passou em minha cabeça foi que ele tinha sido assassinado. Não que eu não esteja triste, apenas surpreso com isso.

– Por quem mãe? – Perguntei também a olhando nos olhos

– Eu não sei. Mas sei o motivo. – Falou minha mãe.

Ela parecia realmente brava. Qual será o motivo?

– E qual é mãe? – Perguntei novamente.

Ela apontou para mim e se levantou.

– O que? – Perguntei confuso.

– Você é o motivo. – Falou minha mãe brava.

– O que? – Perguntei novamente.

Eu só podia estar delirando...

– Sim seu idiota. Você não é meu filho, você é o assassino dele. – Falou minha mãe com os olhos cheios de lagrimas.

É eu realmente estou delirando...

- Você está maluca. Foi só seu filhinho morrer e você já vai colocar a culpa em mim? – Falei extremamente irritado.

Ela só pode estar de brincadeira com a minha cara. Eu realmente tenho o enorme respeito pela minha mãe, mas se ela não me respeitar farei o mesmo.

– Não é só eu que estou te culpando Jin. – Falou minha mãe rindo.

Minha mãe está louca?

- Quem mais está? Quem mais acha que eu matei seu filhinho? – Perguntei mais irritado ainda.

– Você não os conhece? Achei que conhecia! – Falou minha mãe soltando uma gargalhada.

 – Diga logo que fez isso. – Falei derramando algumas lagrimas.

Primeiro minha mãe me acusa e agora está rindo de mim.

 – Não quer ler a carta? – Falou minha mãe me estendendo duas cartas.

Peguei as duas cartas uma tinha um envelope preto e a outra... A OUTRA ERA MINHA CARTA.

–Vai filho, pode ler. – Falou ela se retirando do quarto.

O que minha carta faz aqui? Abri minha carta e vi que todas as palavras estavam riscadas menos as com o nome do Namjoon ou relacionadas a ele. As palavras era como: Querido Kim Namjoon, Querido Kim; você é esse motivo; estou sempre pensando em você; e você nem ao menos me olha; tem coisas que eu amo em você Sr. Kim Namjoon.

– Que merda é essa? – Perguntei para mim mesmo.

Abri o outro envelope e tinha uma carta com poucas palavras...

 “Caro Kim SeokJin. Você não me conhece mas um dia irá me conhecer, só daqui alguns tempos quando eu acabar com tudo o que você ama. Assim como você fez comigo! Eu te amava, eu te amava como nenhuma outra pessoa já te amou na vida. Mas você nunca me deu bola, por que você era apaixonado por Namjoon. Eu sei que você não vai fazer a mínima ideia de quem sou eu mas, eu apenas quero que se afaste dele ou seu mundo será destruído. Não pense que eu sou a namoradinha tola dele ou outra pessoa que te odeia, muito pelo contrário sou uma pessoa que quer o seu bem. Mas se você não cooperar, não vai ajudar muito. Ah você quer saber o motivo de eu ter matado seu irmão? É claro que quer! Bom o único motivo é você. Essa carta não vai ser enviada diretamente para você, primeiro irá passar por sua mãe e depois para você. E não se esqueça, nunca se esqueça, que a única pessoa que te ama, está bem ao seu lado. Eu te amo K.S.J.”

             De: Admirador. H.

             Para: K.S.J.

Nesse exato momento eu estava tão confuso quanto um super mercado que vende remédios. Quem é que escreveu a carta? E por que quer me tirar tudo que eu amo? Bom na carta ele ou ela diz que só queria o meu bem... Mas quem pode ser?

– Já leu a carta Jin? – Perguntou minha mãe entrando no quarto sorrindo.

– É mentira! – Falei de cabeça a baixa.

– Mentira Jin? – Falou minha mãe debochando da minha cara.

– É mentira! Se o motivo fosse uma simples carta falando do quanto você gosta de uma pessoa fosse o motivo. Todos já estariam mortos. – Falei levantando a cabeça.

Eu estava com tanta raiva, que não saberia o que fazer se minha mãe risse de novo.

– Mas na carta dizia que você é o culpado e então você é o culpado. – Falou minha mãe rindo novamente.

– Você está sega, sega por causa que seu filho morreu. Então qualquer coisa que te colocam na cabeça é real. – Falei me levantando.

– Você o matou, você matou meu filho. Meu único filho. – Falou minha mãe com raiva.

Nesse momento eu não poderia mais chama-la de mãe.

– Só volte para essa casa quando confessar, que foi você realmente quem o matou. – Falou minha mãe brava.

O que? Para onde eu vou? Eu não tenho dinheiro o suficiente para ficar em um lugar, no máximo eu tenho uns 20000 Wons por ai. Mas isso não é o suficiente.

– Tudo bem! Eu vou e quer saber? Eu nunca mais volto. – Falei com raiva.

Eu estava prestes a chorar. Minha própria mãe me falando que não sou mais o filho dela. Sabe o quanto doeu? Doeu muito...

– Pegue suas coisas agora e saia da minha casa. – Falou minha... tudo menos mãe...

Ela saiu do quarto, batendo a porta. E eu? Chorei... Era só isso que eu sabia fazer no momento. Eu estava tão triste, que conseguiria fazer a pessoa mais feliz do mundo ficar triste.

Arrumei minhas coisas, bom as únicas coisas que eu podia pegar era: Uma mochila, camisetas, calças, bermudas, meias, cuecas, meu celular e meu fone de ouvido. Ah como eu também não terminei a escola peguei outra mochila e coloquei meus materiais escolares. Como eu não poderia faltar a aula hoje peguei meu uniforme e coloquei.            

Comecei a descer as escadas e minha mãe não estava lá. Sai da casa e fui em direção a escola. O tempo passou tão rápido a caminho da escola que eu nem percebi que já tinha chego.

– Jin. – Gritou Yang mi, vindo em minha direção.

  Dei um sorriso de canto e comecei a andar até ela.

– Como vai? Lily me falou que você entregou a carta para Namjoon. – Falou Yang mi rindo.

– Yang mi se acalme! – Falou Jessica a abraçando por trás e dando-lhe um beijo no pescoço.

– J-Jessica! – Falou Yang mi a repreendendo.

– Por que você está com duas mochilas? – Falou Jessica mudando de assunto.

– É minha obrigado. – Falou Dak-ho.

Depois dele pegar a mochila me deu uma piscadela e parou do meu lado.

– Tudo bem então. – Falou Yang mi.

Por um momento todos param de falar. E eu só entendi que o motivo era Lily quando ela parou do meu lado.

– Oi meninas! – Falou Lily dando um sorriso de meio canto, sem graça.

– Oi. – Falou Jessica brava.

– Oiew. – Falou Yang mi sorrindo.

 – Oi Seok. – Falou Lily baixinho encostando a cabeça em meu braço.

– Está tudo bem? – Perguntei baixinho.

A mesma assentiu e continuou com a cabeça encostada.

– Oi pra você também. – Falou Dak-ho irônico.

– Oi. – Falou Lily.

Lily parecia triste. Mas eu acho que era só coisa da minha cabeça. Percebi que Jessica não parava de encarar Lily parecia que ela iria comer Lily com os olhos.

– Nós já vamos. Temos prova daqui apouco e precisamos estudar, né Jessica? – Falou Yang mi.

– É sim, AMOR. – Falou Jessica dando ênfase na última palavra.

Depois que as duas saíram Lily me abraçou afundando a cabeça em meu peito, Lily começou a chorar baixinho. Eu precisava tirar Lily daqui.

– Vem! – Falou Dak-ho puxando minha mão.

 Eu puxava Lily junto comigo... Dak-ho tinha nos levado para o lugar onde nós tínhamos nos beijado ontem. Fiquei vermelho, mas logo passou por que eu sabia que Lily precisava de conforto. Abracei Lily e ela retribuiu.

– Lily o que aconteceu? – Perguntei olhando para o olho roxa dela.

– Yang mi deve ter contado para Jessica que eu tinha me confessado para ela e ontem ela foi lá em casa e me bateu. – Falou Lily de cabeça a baixa.

– Você não pode deixar assim! Vamos contar para a Yang mi. – Falou Dak-ho tentando puxa-la, mas foi em vão, por que Lily não deixou.

– Não! Claro que não podemos fazer isso. Se Yang mi é feliz com ela, irei deixar assim. – Falou Lily soltando seu braço.

– Tudo bem! Só não venha reclamar depois. – Falou Dak-ho cruzando os braços.

– Ok. Preciso ir meninos, como Yang mi disse, tenho prova agora. – Falou Lily e logo depois se retirou.

Assentimos e Lily foi se perdendo no meio da multidão.

– Tá agora você irá me explicar. – Falou Dak-ho me entregando a minha mochila e pegando a sua no meio do mato.

– Explicar o que? – Falei sem entender.

– Como assim, explicar o que? Que história é essa que sua mãe te expulsou de casa? – Falou Dak-ho pegando minha mochila novamente.

– C-Como você sabe? – Falei sem entender... De novo.

– Eu ia te buscar essa manhã na sua casa, para a gente ir junto, mas eu acabei escutando uma gritaria e acabei ouvindo muito. – Falou Dak-ho sem jeito.

– Se lembra da carta? – Falei mostrando a carta que eu tinha dado a Namjoon.

Pensando agora... Será que ele leu?

– Ah, sim o que tem ela? – Perguntou Dak-ho.

– Alguém leu e me mandou essa carta me ameaçando. – Falei entregando as duas cartas a ele.

Ele estava lendo a carta, com todo o cuidado possível. Pensando assim, se Namjoon não leu a primeira carta como ele vai saber o sentido da segunda? Ire entregar as duas hoje... Mas não posso contar a ninguém, nem mesmo as pessoas que mais confio, incluindo Dak-ho.

– E você sabe quem é? – Perguntou Dak-ho entregando a carta.

– Não eu não sei. E nem faço questão de descobrir. Quanto mais longe essa pessoa estiver de mim, melhor eu fico. – Falei colocando a carta na minha primeira mochila onde estava os cadernos.

– Mas se essa pessoa machucar alguém que você gosta? – Perguntou Dak-ho, ele parecia muito bravo.

– Já machucou. Você não leu a carta? – Perguntei.

Algo me diz que não posso confiar nele.

– S-Sim eu li. – Falou Dak-ho gaguejando.

– E então? – Falei o desafiando.

– Você vai continuar enviando cartas? – Perguntou Dak-ho.

– Não. Provavelmente não. Não quero que mais pessoas se amachuquem por minha causa. – Falei começando a andar.

 Claro que iria. Mas não posso confiar em ninguém.

 – Ei, espera! – Falou Dak-ho correndo em minha direção.

– Vamos mudar de assunto por favor. – Falei andando devagar.

– Onde você vai ficar esse tempo? – Falou Dak-ho guardando minha mochila, no que parecia ser um tipo de porão ou algo do tipo.

– Sei lá. Eu posso virar um morador de rua o que acha? – Falei brincando.

– Pare de ser idiota! Você irá ficar lá me casa, já que eu moro sozinho não vai fazer mal nenhum. – Falou Dak-ho colocando os braços em volta de meus ombros.

Ele era um pouco mais alto que eu o que não fazia ficar estranho. Estávamos caminhando em direção a sala, quando vimos Namjoon. Ele estava sozinho e ao outro lado estava um cartas que dizia: “Ela te trai com seu amigo, Querido Kim Namjoon”. O que?? Quem fez isso?? As únicas pessoas que sabiam o que estava escrito na carta era Eu, Namjoon se ele leu, minha mãe e a pessoa que me ameaçou. Então quer dizer que a pessoa que em ameaçou estuda aqui...

Yoongi vem em minha direção preste a me dar um soco, mas Dak-ho o impediu.

– Foi você não foi? Qual seu problema? Vai inventar desculpas em outro canto seu idiota. – Gritou Yoongi tentando chegar perto de mim, mas sem sucesso por que Dak-ho o segurava.

– O-O que? Não, é claro que não! – Falei quase berrando.

– Como não? Você foi a única pessoa que viu eu e Sun hee juntos. – Falou Yoongi não prestando a atenção nas palavras.

– Mesmo se fosse eu que tivesse contado para alguém. Você acabou de berrar para todo mundo que você realmente ficou com Sun hee. – Falei irritado.

E de repente ele se tocou do que tinha feito e começou a andar para trás. Dak-ho abaixou a cabeça e suspirou. Nós não tínhamos visto que Yoongi tinha voltado. Yoongi me deu um soco no rosto me fazendo cair para trás. De repente Jimin e Dak-ho estavam me enchendo de perguntas como: Você está bem? Ou Quer ajuda? Essas perguntas eram realmente desnecessárias.

– Você está bem? – Perguntou Namjoon me ajudando a me levantar. 

Assenti devagar, mesmo não estando bem... Essa é a primeira vez que ele fala comigo.

 – Pare de mentir! Eu sei que você não está bem. Isso foi somente uma pergunta retorica. – Falou ele tirando a minha mão de cima de meu nariz que antes cobria o machucado.

– Aii. – Resmunguei de dor quando ele tocou.

– Vem vamos para a enfermaria, pode ter quebrado. – Falou Namjoon me puxando para a enfermaria.

 Chegando lá a enfermeira não estava.

– Não sai daqui! Já vou chamar a enfermeira. – Falou Namjoon saindo correndo.

E quando percebi... Namjoon tinha deixado sua mochila em cima de uma cadeira dentro da enfermaria. Peguei as cartas que estavam em minha mochila e fui até a mochila de Namjoon colocando as cartas dentro da mesma. Corri rapidamente e me sentei na cama.

– Ainda bem que você não saiu daqui. – Falou Namjoon puxando uma cadeira sentando na mesma se ficando entre minhas pernas.

Isso estava muito vergonhoso...

– A enfermeira, por algum motivo está de folga hoje. Então é por isso que você vai ter que ficar quieto até o Hoseok chegar, já que ele cursa medicina irá poder te ajudar. Mas como ele estava no meio de uma prova não irá poder vir agora. – Falou Namjoon se levantando.

– O-Ok. – Falei envergonhado.

Namjoon se sentou novamente na cadeira e pegou alguns curativos e remédios.

– Não sei se você sabe quem eu sou? Mas vou me apresentar. Me chamo Kim Namjoon e eu sei que você está em todas as minhas aulas. Mas não sei seu nome. – Falou Namjoon passando alguma coisa no meu nariz, provavelmente para limpa-lo (Sangue).

– Kim SeokJin. – Falei.

– Por que eu tenho impressão quer já ouvi esse nome em algum lugar? – Falou Namjoon parando de limpar meu nariz e começou a olhar em meus olhos.

– E-Eu não sei. – Falei pegando o painho que estava na sua mão para estancar o sangue que não parava de escorrer. 

– Você viu o que estava escrito nos cartazes? – Perguntou Namjoon tomando o paninho de minha mão e voltando a limpar o meu nariz.

Assenti devagar.

– Você sabe quem foi? – Perguntou o mesmo.

Neguei de vagar novamente.

– Pode me dizer o motivo de Yoongi ter te batido? – Perguntou Namjoon parando de limpar o sangue quando a porta foi aberta.

Eu realmente não queria ter que explicar para ele o que eu vi.

– Oh meu deus do céu. O que aconteceu com seu nariz. – Falou Hoseok parando em frente de meu rosto.

– Yoongi bateu nele. – Falou Namjoon se levantando e parando ao lado da porta.

– Motivos? – Falou Hoseok olhando para mim.

– Eu realmente não sei. Pode ser... É eu realmente não sei. – Falei.

Hoseok riu nasalmente e começou a examinar meu nariz. Depois de alguns minutos já estava com curativo.

– Olha vai doer por enquanto, mas você não quebrou o nariz. Respire pela boca, já que você vai ter dificuldade para respirar pelo nariz. – Falou Hoseok se levantando e logo depois me levantei junto.

– Ok. Obrigado Hoseok. – Falei estendendo a mão para cumprimentá-lo.

– Por favor me chame de J-Hope e de nada.  Agora eu realmente preciso ir. – Falou Hobi se retirando da sala.

– Eu também preciso ir. Dak-ho deve estar me esperando. – Falei me retirando da sala.

– Ei SeokJin! – Chamou Namjoon.

– Sim? – Virei para ele.

–Você vai me contar o motivo dele ter te batido? – Perguntou Namjoon.

 Ele realmente queria saber...

– Claro! Nos final da aula, ok? – Falei sorrindo com dificuldade, por causa do curativo.

– Ok! – Falou Namjoon me dando um tipo de tchau que foi retribuído por mim. Andei até Dak-ho que estava sentado no chão olhando para o nada.

– O que está fazendo. – Falei me sentando do lado do mesmo, fazendo-o tomar um susto.

– Você está bem? – Perguntou Dak-ho segurando meu rosto e olhando para o curativo.

Assenti com cuidado, logo depois Dak-ho me abraçou... Se foi estranho? Foi. Se foi repentino? Foi.

– Vamos pra casa! Você não precisa ficar mais na escola. – Falou Dak-ho se levantando e ajudando a me levantar.

Assenti, mas logo lembrei que teria que falar com Namjoon.

– Dak-ho preciso ir falar com Namjoon antes.

– Ok, vamos então. – Falou Dak-ho me puxando.

Fomos até a sala onde estaríamos tendo aula e Namjoon estava lá.

– Professora precisamos conversar com Namjoon.

A mesmo tacou o foda-se por estarmos na faculdade e não precisarmos de autorização. O mesmo saiu da sala e fechou a porta, ficando de frente para eu e Dak-ho.

– Oi, Nam. Preciso te falar que não sei o motivo. Na verdade tentei arrumar uma resposta dele ter me batido, mas eu não encontro. – Falei suspirando.

– Oh. Tudo bem, eu acho. Mas mesmo assim posso falar com você? – Perguntou Namjoon meio sem jeito.

Assenti.

– Err. – Falou Namjoon, mas ele parou de falar quando viu Dak-ho parado no meu lado com uma cara nada boa.

– E? – Falei com intuito de fazer ele continuar o que iria falar.

Dak-ho parou ao meu lado e me abraçou na cintura.

– Ele vai se confessar para você. – Falou Dak-ho bem baixinho em meu ouvido, fazendo eu me arrepiar.

– Ele é seu namorado? – Perguntou Namjoon para mim.

– Sou sim. – Falou Dak-ho sorrindo.

Eu ia falar algo mais sou interrompido por Dak-ho que apertou minha cintura, fazendo uma cosquinha.

– Ah. Era só isso que eu tinha para falar. – Falou Namjoon dando de novo seu tchau com as mãos.

– Tudo bem. – Falei sorrindo.

Namjoon entrou na sala e eu comecei a dar pequenos tapas no Dak-ho.

– Seu descarado. Meu senpai ia falar comigo mas você não deixou. Seu filho da puta. – Falei continuando a dar tapas no mesmo. 

– Ai, ai. Só fiz isso pro seu bem. Mal largou de uma e já vai para outro. – Falou Dak-ho pegando minha mochila e colocando em um dos seus ombros livres.

– O que está fazendo? – Perguntei.

– Estou te levando para casa. – Falou o mesmo me dando um sorriso de canto.

– C-Casa? – Perguntei confuso.

– É. Agora você mora comigo, namorado. – Falou Dak-ho continuando a andar.

Corri até o mesmo e dei um beijo em sua bochecha, em forma de gratidão.

E assim foi nós dois a caminho da nossa nova casa....


Notas Finais


Esse capitulo não mudou muita coisa né eu acho que esse nem o primeiro e nem o que vai vir depois desse, mas depois vai mudar eu prometo.
Eu espero que estejam gostando. Se estiver deixe um comentário e se ainda não favoritou, favorite.
Bjinhos até amanhã S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...