História Casamento Grego - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Hyung Won, I'M, Joo Heon, Ki Hyun, Min Hyuk, Show Nu, Won Ho
Tags 2won, Alternative Universe, Changkyun, Hyungwon, Jooheon, Jookyun, Kihyun, Minhyuk, Monsta X, Percy Jackson, Showhyuk, Shownu, Wonho
Visualizações 169
Palavras 1.988
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Fantasia, Fluffy, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi (?!) ^o^
Demorei pra um caralho não é? vcs me desculpam não é? >:
Eu publiquei dois jornais explicando que a situação ficou meio complicada pro meu lado e que decidi terminar de escrever todas as minhas fanfics, junto com os novos projetos, antes de voltar a postar, e bom, eu acabei de escrever Casamento Grego!
Esse é o penúltimo capítulo e eu espero que tenha ficado bom <3

Não revisei porque eu estou animada pra voltar a postar, então sejam gentis com os errinhos que aparecerem rs.

>> NOTAS FINAIS <<

Capítulo 13 - A história que se repete.


Fanfic / Fanfiction Casamento Grego - Capítulo 13 - A história que se repete.

Got me looking so crazy right now... – A deusa desfilava com um salto vermelho e vestido da mesma cor pelas ruas de Citera, enquanto Ares a acompanhava no melhor estilo Jay-Z.

– Mãe?! – Minhyuk gritou correndo até Afrodite, que os olhou nenhum pouco espantada pela presença de sete semideuses em sua ilha de adoração, provavelmente já sabendo dos planos dos mesmos.

– Meu filho! – Ela o recebeu de braços abertos e um sorriso enorme no rosto.

– A diva Beyoncé é sua filha? – Minhyuk perguntou animado com a possibilidade de ser irmão da deusa do pop. – Imagina que maravilhoso!

– Infelizmente não, mas Atena tem sorte, queria eu ter uma filha dessas. – Afrodite respondeu cabisbaixa, mas o sorriso voltou logo ao seu rosto. – Mas em compensação minha filha também é um mulherão, aliás, preciso fazer-lhe uma visita, já avisei pra Riri ficar longe daquele embuste que resolveu colocar a mão nela, mas os filhos não ouvem as mães...

– Espera aí! – Changkyun interrompeu. – A Beyoncé é minha meia irmã?

– Chocado em Citera. – Minhyuk fazia um “o” com a boca. – Changkyun irmão da Beyoncé, eu da Rihanna, o dia já começa ótimo.

– Depois de quase morrer nas mãos da Perséfone, pelo menos isso. – Kihyun sorriu para o amigo. – Mais quem é filho dos deuses? Eu tenho irmão famoso?

Afrodite já não prestava mais atenção e voltava a desfilar pelas ruas, agora fazendo um dueto com Ares, cantando "Work" da Rihanna enquanto o deus fazia o papel de Drake. Hyunwoo, com medo de se aproximar do pai, que pouco se mostrava interessado nos meninos, assistia a tudo de longe. Minhyuk, percebendo o desconforto do rapaz, o puxou pela mão e caminhou com ele até Ares.

– Cof cof. – Tentou o mais novo. – Cof cof! Hey! Ares! Deus gostoso que pega a minha mãe esporadicamente!? Dá atenção aqui! – Acenava. – Seu filho está aqui, o Hyunwoo! – Ares, que parecia enfeitiçado pelas curvas da deusa de vestido vermelho, finalmente se deu conta dos outros presentes e olhou para o filho, que parecia uma cópia sua, só que menor e mais novo.

– Fala, cara! – Cumprimentou. – Como você cresceu, por Zeus, olha esses ombros, e esse tanquinho trincado? Pô, puxou o pai, gostosão! Olha Frofro, meu meninão! Orgulho do pai! E ai, já se rendeu ao baixinho ai ou ainda tá fazendo cu doce?

Minhyuk bufou frustrado e Hyunwoo quase enfiou a cara no chão e se escondeu da vergonha. Afrodite balançava a cabeça em sinal de repreensão e os outros cinco riam. Hyunwoo passou a olhar para os pés, ignorando Minhyuk que começou a rir alto demais.

– Tá fazendo um puta cu doce, sogrão! – O platinado falou. – Eu sei que só tenho treze anos, mas eu não to pedindo ele em casamento, nem pra gente transar, eu sou novo demais pra esse tipo de coisa, mas o que custa uns beijinhos inocentes? Vai tirar pedaço? A gente pode brincar e depois dar uns beijos? – O platinado falou tudo tão rápido que somente Afrodite e Ares conseguiram entender.

– Preciso concordar que você está bem novo para ter certas experiências, Minnie. – Afrodite observou, tendo a concordância de Hyunwoo. – E quero que você aproveite sua infância da melhor forma possível, terá tempo para namoricos quando ficar mais velho.

– Mãe! Tu é a deusa do amor, me ajuda!

– O amor também é responsável, Minnie. – Ela o repreendeu, fazendo o menor abaixar a cabeça. A deusa então acariciou seus cabelos e o fez olhar para ela. – Meu pequeno, eu conheço seu coração, sei que é um semideus apaixonado, com vontades demais, pensamentos demais, mas o amor não é isso que as pessoas fantasiam, imprudência, ações sem medidas, sim, é um sentimento forte, intenso, como uma força da natureza incontrolável, mas até a natureza causa estragos Minhyuk, e por isso é preciso ser responsável e maduro. Não estou dizendo que amor tem idade, meu pequeno, muito pelo contrário, estou dizendo que tudo tem seu tempo, e você precisa ter experiências, viver, se permitir, e no momento a única coisa que você precisa se permitir é ser criança. Não force tanto esse pobre menino que já vive lutas internas o suficiente para um garoto tão jovem. – Afrodite deu a Hyunwoo um olhar maternal e deixou um selar nas bochechas de Minhyuk. – Tenha paciência.

– Viu, sua mãe entende! – Hyunwoo cruzou os braços. Minhyuk revirou os olhos. Ares gargalhou alto.

– Mas isso não quer dizer, senhor Hyunwoo, que você precise ficar negando para si mesmo os sentimentos que tem. – Afrodite também repreendeu o moreno, talvez tentando compensar o filho por ter levado sermão na frente dos amigos. – Eu sou a deusa do amor, eu sei o que você sente e me prometa que, no momento certo, você deixará que essa chama tão linda, floressa dentro de você.

Hyunwoo estava claramente envergonhado, Minhyuk, por outro lado, estava em êxtase. Agora tinha certeza dos sentimentos de Hyunwoo por ele e era disso que o menino precisava para ser mais paciente. Desde que descobriu que gostava do mais velho, ele tentava fazer com que o sentimento fosse recíproco, e agora sabia que era. Estava feliz, era disso que precisava e sua mãe sabia disso, por isso piscou para o menor. Ares, que podia parecer alheio aquela conversa, ainda segurava Hyunwoo pelos ombros.

– Eu prom-

– Espera! – Changkyun os interrompeu. – Ele promete se vocês liberarem Cáris.

Ah, o filho de Atena era inteligente, como esperado. Uma coisa pela outra. Afrodite e Ares se entreolharam e Minhyuk e Hyunwoo entenderam a deixa. Ambos seguraram as mãos dos pais em sua frente, mas Minhyuk foi o primeiro a falar.

– Mãe, estamos em missão e a senhora sabe. – Começou. – Há pessoas morrendo no nosso acampamento, atacaram o Mark semana passada, se não fosse o Jackson chegando na hora.... eu teria perdido meu irmão, mãe, o seu filho! Changkyun sabe um jeito de salvar o acampamento e parar essa briga de Zeus e Poseidon, e a gente precisa da ajuda de Hefesto e ele disse que só nos ajudaria se vocês libertassem Cáris, então, por favor, por mim, pelo Mark, pelos seus outros filhos, deixe o amor de Hefesto livre.

– Pai, por favor, o Jongin... – Hyunwoo tentou fazer o mesmo que Minhyuk, e convencer o pai, mas se lembrou do irmão que havia morrido em batalha no acampamento contra um cão infernal e não conteve as lágrimas e aquilo conseguiu ser mais tocante que qualquer coisa que Minhyuk tivesse dito. Para um pai, perder um filho é como perder parte da sua alma. Ares se permitiu chorar com o filho. – Liberta logo Cáris para o Hefesto nos ajudar... Jongin não pode morrer em vão.

– Pessoas demais estão morrendo, meu filho... – Ares suspirou.

– O que quer dizer com isso? – Foi a vez de Jooheon, que havia se mantido em silêncio segurando a mão de Changkyun, perguntar. Os deuses se entreolharam, ponderando se contavam ou não, então decidiram serem sinceros.

– Não é a primeira vez que Zeus e Poseidon duelam por coisas idiotas, como vocês acham que Atlântida foi parar no fundo do mar? – Afrodite então guiou os meninos até a costa. Citera era um lugar lindo, o que se podia esperar de uma ilha turístico, local de adoração a uma deusa do amor. – Eras atrás Poseidon se apaixonou por um semideus, Nicolas, filho de Zeus que habitava Atlântida. Eles viveram uma linda história de amor, e acreditem quando digo que há éons não vejo um deus tão apaixonado por um semideus como vi Poseidon. Eu conheço o amor quando o vejo, mas Zeus não gostou nada daquele romance, desaprovando a união de um filho seu com seu irmão. A cabeça dos deuses pode se deixar levar por paranoias bobas e Zeus acreditou que aquilo era um golpe para que Poseidon o desestabilizasse e tomasse o poder. Os dois brigaram por um longo tempo, e quando Poseidon ficou exausto de tudo aquilo e foi ao Olimpo para resolver a questão, eles acabaram se exaltando e Zeus atirou um raio no oceano, o raio foi tão forte que levantou as ondas e quando as mesmas caíram, levaram Atlântida consigo e junto...

– O jovem Nicolas. – Ares concluiu – Zeus se desculpou, alem de ter ficado transtornado, matar um filho é... Doloroso, não sei explicar. – O deus fitava o horizonte. – Desde então ninguém toca no assunto e é melhor assim, mas Poseidon se interessou por outro filho de Zeus, e eu duvido que aja amor de qualquer forma, talvez seja apenas vingança, e Zeus não tentou se impor dessa vez porque da última seu filho morreu. Não estou dizendo que há qualquer semelhança nas situações, a não ser a vontade dos deuses é claro, já que diferente de Nicolas, Hyungwon não deseja esse casamento, mas... É uma vingança.

– E há mais mortes no acampamento meninos. – Afrodite fungou. – Vocês estão sem notícias não é? – Fitou Kihyun por alguns segundos. – Eu sinto muito menino.

– Por quê? – O filho de Hades entrou em desespero. – Quem morreu? – Mas não é como se Kihyun precisasse pensar por muito tempo, só havia uma pessoa naquele acampamento que o importava realmente, além de Minhyuk que estava vivo na sua frente, e era seu único irmão e companheiro de chalé, Jeonghan. – Não, não... O Hannie? Não... Não!

Os seis amigos se apressaram para confortá-lo, sabiam que Kihyun estaria desolado, como Changkyun ficou com a morte de Taehyun, talvez até mais, uma vez que foi Jeonghan quem recebeu Kihyun no acampamento e esteve ao seu lado, fazendo companhia, desde então. Jeonghan era um irmão maravilhoso para Kihyun, que não sabia o que era família além de Minhyuk.

– Ele foi um bravo guerreiro. Protegeu o acampamento das fúrias, que foram devidamente punidas por seu pai por terem matado um filho dele, mas... ele não resistiu ao chicote de Tisífone. – Ares deixou um aperto nos ombros do garoto que agora chorava copiosamente nos braços do melhor amigo. Minhyuk fazia carinho nos cabelos do amigo, tentando passar-lhe um pouco de força, enquanto os outros sussurravam palavras de carinho e conforto. A deusa do amor trocou um olhar significativo com o filho e então puxou delicadamente o rosto do filho de Hades para olhá-la, o que o menino fez, mesmo que relutante.

A força do amor é poderosa. Com um simples olhar Afrodite acalentou aquele coração despedaço pela perda de um irmão. Fez carinho em seu rosto redondo de bochechas fartas e passou as mãos pelos fios rosas fazendo-os se transformar na cor natural castanha escura. Aquele garoto de coração mole que esteve ao lado do filho mesmo quando ela não poderia estar, já tinha aprendido a lição, não era mais necessário punição.

– O-obrigado. – Kihyun agradeceu enquanto fungava e limpava as lágrimas que ainda insistiam em cair pelo seu rosto. Changkyun abraçou o menino, não aguentando ver o menor passando pelo menos que passou há alguns dias atrás. – Eu só espero que ele tenha ido... para os Campos Elísios.

– E foi. – Ares confirmou. – Seu pai não deixaria um filho que lutou tão bravamente para salvar outras vidas vagando pelo tártaro.

– Libertem Cáris. – Kihyun disse por fim.

– Nós achamos que seria divertido brincar com a cara daquele deus idiota... – Afrodite sorriu brincalhona.

– E pode até ter sido, mas agora precisamos da ajuda dele, mãe. – Minhyuk pediu novamente. Afrodite segurou o rosto do filho e passou o nariz do dele, sorrindo maternalmente.

– Eu faço tudo por você, Minnie. – Ela disse. – Cáris já está com Hefesto, espero que aquele bocó os ajudem, mas agora precisamos ir. Zeus convocou uma reunião no Olimpo e algo me diz que tem a ver com essa história de casamento.

– Se querem um conselho, façam com que Hefesto os ajudem o mais rápido possível e corram para o Olimpo. Com o conselho reunido talvez tenham alguma ajuda por lá para acabar com essa briga. – Ares segurou na mão de Afrodite. – Estaremos esperando. Vocês tem quatro horas.

– Um último presente – Afrodite sorriu para eles. – Uma viagem para a oficina de Hefesto. Boa sorte meus heróis, em nome de Atlântida, salvem o acampamento.

E os sete sumiram.

 


Notas Finais


E ai? Eu particularmente AMO Afrodite. É a minha deusa favorita por várias razões, mas enfim, o próximo não vai demorar a sair como esse, podem ficar tranquilos, já está escrito, devo postar na próxima semana.


Um beijo pra vocês e nessa próxima semana tem coisa nova vindo.

Agora eu queria fazer uma perguntinha nada a ver com a fanfic: vocês preferem ChanBaek ou SeBaek? Sejam sinceros, ok? 💗

Obrigada pela espera e compreensão. 🌷


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...