História Casamento Por Contrato - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Ámbar Benson, Gaston, Luna Valente, Matteo, Nina, Rey, Sharon, Simón
Tags Romance, Sexo, Sou Luna, Universo Alternativo
Exibições 478
Palavras 2.847
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Ahhhhh, agora sim! Feliz dias das crianças minhas crianças !!!! Capítulo tá show ! LACROU ! Bora ler *--*

Capítulo 14 - Capítulo 13 - Festa.


LUNA

Empolgada, essa era a palavra que me descrevia no momento, voltar a fazer aulas de dança estava me fazendo muito bem, me sentia feliz e um bem estar que a tempos não sentia. Fazia aula duas vezes por semana e os ritmos latinos era meus prediletos.

Hoje tenho uma festa para ir com Matteo, aniversario de Reynaldo, novo sócio da Balsano’s Car, todos comentam que ele é um bom vivam, adora festas, sempre rodeado de mulheres bonitas, nunca tive o prazer de conhecê-lo, teria esse prazer hoje em sua festa.

Comprei um lindo vestido especialmente para ocasião, lindo e sensual, mas nada vulgar na cor vinho, na frente não tem grandes detalhes, apenas uma pequena fenda na perna esquerda, o detalhe fica nas costas nuas, seu cumprimento vinha até um pouco acima do joelho, foi paixão a primeira vista, não pude deixar de comprá-lo.

Meu relacionamento com Matteo tem melhorado consideravelmente, jantamos juntos algumas vezes por semana, depois que ele descobriu meus dons culinários, se declarou meu fã, e ao menos duas vezes na semana chega mais cedo e jantamos juntos, tomamos um bom vinho e conversamos sobre as trivialidades do dia a dia.

Ele ainda não me vê do jeito que gostaria, mas já estamos conseguindo manter uma conversa amigável, passamos algum tempo juntos, seja no jantar, no café da manhã, ou até mesmo assistindo a um filme, o que é uma grande evolução, não posso reclamar, ainda tenho 7 meses para alcançar meu objetivo, vou sem pressa, como dizem os mais pacientes, comendo pelas beiradas.

São 19h00min, vou começar a minha produção para a festa, começando por um bom e gostoso banho, após longos trinta minutos imersa na banheira repleta com sais de banho, sai renovada, vesti apenas a lingerie e comei a trabalhar na maquiagem, lentamente fui fazendo passo a passo, após 20 minutos estava concluída, e com todos os cursos que Nina havia me dado a respeito, não podia ficar diferente, ficou perfeita.

Deslizei o vestido sobre meu corpo, fechei o zíper lateral e admirei minha silueta totalmente marcada e as costas parcialmente nuas, o espelho era enorme e me permitia ver cada detalhe. Passei para o cabelo, prendendo suas laterais com uma linda presilha de prata, ornamentada com lindas pedras.

Com o look pronto faltava apenas o toque final, coloquei um belo par de brincos e um anel suntuoso na mão direita, borrifei um delicioso perfume por meu corpo é me preparei para encontrar com meu lindo marido, que a essa hora já deveria me esperar na ante sala.

Desci os degraus da linda escada de mármore negro que dava aceso a sala vagarosamente, logo vi Matteo a minha espera no canto da sala, segurando um copo de uísque, ele me olhava avaliativo, senti seu olhar percorrer meu corpo milimetricamente, chegando por fim a meu rosto, me encarando com um olhar insondável.

- Vamos! – Falei andando o mais segura e sensual possível, parando bem a sua frente. Não entendia o que seus olhos queriam me dizer, mas estavam mais escuros do que normalmente.

- Você vai assim? – Me perguntou com um pouco de incredulidade, revirei os olhos, encarei seu rosto e falei.

- Por que não iria, não é uma festa de aniversario?

- Sim, mas esse vestido está muito provocante, demasiadamente justo, não fica bem para uma mulher casada! – Não acreditava no que meus ouvidos escutavam.

- Hum? -Perguntei incrédula, meu vestido não tinha nada de vulgar, muito pelo contrario.

- Deixa pra lá, vamos se não chegaremos atrasados – Assenti e em vinte minutos estávamos parando na casa de recepções.

O lugar já estava repleto de pessoas, algumas delas conhecidas, mas a grande maioria não, logo da entrada avistei a pessoa que menos tinha vontade de ver na vida, a vagabunda da Âmbar, não acreditava que ela tinha sido convidada, o imbecil do marido estava a tiracolo, mas isso não foi impedimento para ela lançar um sorriso cheio de malicias em nossa direção, que foi correspondido na mesma hora por Matteo.

Me segurei para não beliscar seu braço, contei de 1 até 100 tentando me acalmar, há tempos não a via, logo hoje que tinha um plano de sedução arquitetado, essa mulher aparece, sinto um ódio sem tamanho ao encarar sua figura, só espero que Matteo não fique a noite inteira se derretendo pra essa sirigaita, não é possível que aquele banana que ela tem como marido não perceba. – Estava no mínimo enraivecida, mas como ótima atriz que aprendi a ser, fingi que não via ninguém a minha frente.

Abri meu melhor sorriso ao ver Sharon Benson acompanhada de seu marido se aproximar, juntamente com Simón e um moreno alto, muito bonito, até então desconhecido.

- Luna que saudade, feliz em revê-la minha querida. – Sharon falou com seu sorriso cativo me dando um terno abraço.

- Também estou feliz em revê-la Sharon. – Falei retribuindo sua gentileza.

- Luna esse Rey, meu sócio e o aniversariante – Matteo nos apresentou, Rey abriu um grande sorriso, tomou a minha mão num galanteio a beijando em seguida.

- Muito prazer Rey, feliz aniversário. – Falei encarando seu rosto bonito.

- O prazer é todo meu Luna. Obrigado por vir!– Falou e me deu mais um sorriso arrebatador, Rey parecia esses galãs de Mexicanos, moreno, alto, forte, extremamente simpático, aquele tipo de pessoa que é aclamado por onde passar.

- Olá Luna, como sempre lindíssima. – Simón falou ao meu ouvido, me dando um abraço, seguido por dois beijos em minhas bochechas, me deixando encabulada, ele sempre demonstrava ter mais intimidade do que possuíamos.

A festa estava animada, uma banda tocava ritmos dançantes e muito calientes, mambo, salsa, merengue, Rey realmente fazia jus a sua fama de pessoa alegre e festiva, ele dançava animado com varias mulheres que praticamente se derretiam a seus pés, acompanhava tudo louca para dançar também, mas nunca que meu excelentíssimo marido iria dançar, ainda por cima esse tipo de ritmo, definitivamente não era do seu feitio.

Conversava com Sharon Benson e sua amiga Marta quando dei por falta de Matteo, que a poucos instantes estava a meu lado conversando com Simón e os respectivos maridos das senhoras que conversava.

Vasculhei milimetricamente cada canto do salão, e nada dele, pedi licença avisando que ia ao toalete, e enquanto caminhava ia olhando melhor o ambiente, vi Simón conversando com uma loira, Rey estava brindando com uns amigos, e nada de Matteo.

Na casa de recepções havia vários banheiros, procurei o mais afastado, que ficava no final de um extenso corredor, afim de ter mais privacidade, ao me aproximar um barulho estranho vindo de uma pequena porta ao lado chamou minha atenção, como uma boa curiosa que sou, cheguei mais perto, será que alguém teria ficado preso?

Fiquei em silencio por um longo minuto e identifiquei que os sons pareciam gemidos, mas o som era muito baixo, minha intuição dizia para abrir a porta, afinal poderia ter alguém necessitando de socorro, mas meu sexto sentido gritava para ir embora, não entendia o porquê.

Resolvi abrir, girei a maçaneta devagar, ao primeiro olhar vi algo parecido com um almoxarifado, haviam varias prateleiras com matérias de limpeza, abri a porta mais um pouco e não via nada além de matérias, mas afinal de onde vinha o barulho a pouco escutado?

Agora a porta já estava escancarada e eu já estava com os dois pés dentro do ambiente, foi ai que tive a visão que acabou com minha noite, ou melhor, comigo, senti algo se partir dentro de mim, enquanto uma lagrima quente e solitária deslizava queimando a pele de meu rosto.

Matteo estava por trás de uma extensa prateleira, por entre as frestas podia ver Âmbar prensada na parede, seu vestido levantado, suas pernas envoltas na cintura dele, sua testa suada, ela estava de olhos fechados, ofegando, com um sorriso de satisfação em seus lábios, nem tinha noção da minha presença.

Ele impunha movimentos rápidos a prensando cada vez mais a parede, gemidos e mais gemidos saiam das duas bocas que se buscavam com uma brutalidade absurda. Estava no meio de um filme de terror, nem nos meus piores pesadelos eu pensei em ter essa visão.

Humilhada, essa era a palavra que resumia minha vida nesse momento, sai silenciosamente trancando a porta atrás de mim, entrei no banheiro, que por sorte estava vazio e me encostei a parede, as lagrimas agora saiam espeças, uma dor sem igual partia meu coração em centenas de pedacinhos, seria impossível cola-los novamente, nesse momento queria sumir, queria acabar com essa droga de contrato e nunca mais olhar na cara de Matteo, não sei como, mas ele sempre arranjava um jeito de acabar ainda mais comigo, com minha auto estima, hoje foi o estopim, a ultima gota, não aguentava mais.

Nesse momento desisti de lutar por seu amor, lutaria por resgatar meu amor próprio e minha vida que estavam no fundo do poço. Chorei até a ultima lagrima secar, lavei o rosto, retoquei a maquiagem e sai do banheiro, como uma bela atriz, havia aprendido a profissão com o melhor, Matteo Balsano, por dentro estava destruída, mas não deixaria ninguém perceber. Hoje começaria a colar os caquinhos que havia em mim, sei que poderia demorar meses, mas não iria esmorecer.

Caminhei lentamente pelo extenso corredor, ele já havia voltado para a festa e conversava animadamente com Simón e Tino, Sharon estava a seu lado, caminhei tentando me conter, minha vontade era chegar a sua frente e dar um bom tapa em sua cara, e nela depositar toda minha ira e dor, mas não foi isso que fiz, cheguei com um belo sorriso no rosto e ele logo circulou minha cintura, tive nojo, mas não podia fazer uma cena, então dei meu melhor sorriso e pedi licença para ir pegar uma bebida.

Cheguei ao bar e pedi uma dose de uísque caubói, precisava de algo forte, me encostei no balcão e foquei minha atenção na pista de dança, todos dançavam tão felizes, e eu aqui literalmente morrendo por dentro.

Mais um ritmo super contagiante começou a tocar, tentava de todas as formas me distrair, mas do outro lado da pista vi a vagabunda da Âmbar, ao lado do marido, com aquela cara de esposa amorosa, minha vontade era chegar a sua frente e falar tudo que estava entalado a minha garganta, contar toda verdade, acabar com toda a farsa... Meus pensamentos foram interrompidos por uma voz forte e sensual ao meu lado.

- Não vai tentar alguns passos Luna? – Rey perguntou com aquele sorriso cativo de dentes perfeitos e brancos.

- Ainda não encontrei o parceiro perfeito para esse tipo de música – Falei com um pouco de sarcasmo, mas no fundo era verdade, dançar era minha paixão, mas nunca que meu estimado marido me acompanharia nesse ritmo tão envolvente e sensual.

- Não seja por isso, acabou de encontrar, me daria a honra dessa dança Luna? – Perguntou com um sorriso ainda maior, tomei o restante do meu segundo drink e falei.

- Se conseguir alcançar meu ritmo. – Falei em forma de deboche, estava precisando relaxar.

- Isso é um desafio? Porque eu adoro ser desafiado... -Sorriu, pegou minha mão e me levou para o centro da pista.Outro ritmo latino começou a tocar, era uma mistura de salsa e mambo, nos encaramos entre sorrisos desafiadores e começamos a dançar.

MATTEO

 

A adrenalina ainda corria em minhas veias, meu coração batia loucamente acelerado enquanto caminhava pelo extenso corredor que me levaria de volta ao salão da festa, Âmbar me fazia cometer loucuras impensáveis, essa mulher nasceu para me tirar o prumo – Pensei com um sorriso no canto dos lábios.

No canto esquerdo do salão estava Simón conversando com Tino e Sharon, procurei Luna, mas não a vi, então tomei a direção deles e me inclui na conversa, após alguns minutos da minha volta Luna apareceu, sorri passando a mão por sua cintura, notei um olhar frio me encarar, insondável, mas logo ela desviou seu rosto do meu e se retirou em seguida, iria pegar uma bebida.

Pelo canto do olho vi Âmbar voltar para o lado do imbecil que ela tem como marido, quem a olhasse nunca diria que ela era aquela mulher fogosa e safada que a pouco transava comigo num quartinho qualquer da casa de recepções, sorri mais uma vez, encarando a cara do idiota do Sebastián.

Começou a tocar mais um ritmo extremamente dançante, creio que era salsa, a cara do Rey, disso não tinha duvidas, Sharon e Tino foram dançar, deixando a mim e a Simón com um sorriso de deboche na cara, Sheron dançando esse tipo de música não devia ser nada interessante, então fiquei de costas para o salão, Simón sacana como sempre falou que não perderia isso por nada.

- Uau, que ela é linda e gostosa eu já sabia, mas que ela dançava assim, tão linda, poderosa, sensual... E perfeita, é uma surpresa no mínimo agradável. – Simón falou gaguejando, chamando minha atenção.

- Quem? Sharon Benson? Me poupe Simón, ficar babando assim por essa mulher sem graça, por favor – Falei revirando os olhos, nem me indignando a dar atenção a pista de dança.

- Não estou falando da Sharon e sim da sua esposa. – Falou com a boca aberta, enquanto encarava a pista hipnotizado.

- Luna?- Perguntei incrédulo enquanto meu corpo girava para ter a visão da pista.

- Veja com seus próprios olhos, por que os meus não conseguem desgrudar dela!

Encarei o casal que rodopiava sensualmente no centro do salão atônito, já havia visto essa cena uma vez, no Havaí há alguns meses atrás, e não havia gostado nada do que vi, agora muito menos, principalmente a vendo sensualizar com o galinha do Rey, estava irado, uma veia enorme saltou de minha testa no mesmo instante que me deparei com a cena.

As pessoas encaravam a tudo como se assistissem a um show, os casais que dançavam se afastaram dando espaço a eles, fazendo uma espécie de circulo, Luna e Rey no meio, dançavam como se não vissem ninguém, apenas prestando atenção um no outro, Rey adorava esse tipo de showzinho, o que me enraivecia era Luna participar.

Eles dançavam sensuais e provocantes, a mão de Rey por varias vezes deslizavam sob o corpo de Luna, fechava as mãos em punho, me segurando para não socar a cara do imbecil, quem ele pensa que é para me fazer de idiota na frente de todo mundo?

Todos pareciam admirar aquela palhaçada, apontavam, riam, faziam comentários, no mínimo falavam o quanto eu era idiota deixando minha mulher dançar dessa maneira com outro homem, hoje estava colocando toda minha paciência a prova, e paciência é algo que não possuiu abastadamente. Contava os segundos para a música acabar e arrancá-la de lá.

- Porque não sou eu o sortudo? Daria tudo para estar no lugar do Rey! – Simón balbuciou as palavras como uma lamuria, me virei para encará-lo possesso, mas ele falava ao vento, não me olhava, não conseguia desviar os olhos do salão, sua boca estava parcialmente aberta, podia jurar que ele babava.

- Quer parar com isso imbecil! – Falei exasperado.

- Desculpe Matteo, mas se você não enxerga a mulher linda e atraente que tem, azar o seu, porque eu enxergo e muito bem, adoraria ter essa sorte, digo mais, adoraria que ela me olhasse com outros olhos. – Falou ainda com os olhos grudados no salão, bufei alto, além de tudo tinha que aturar esse infeliz literalmente babando na Luna.

A música se aproximava do fim, e contava os minutos para que acabasse, observava atento cada movimento, Bufei alto e praguejei todos os palavrões conhecidos ao ver o exibido do Rey a rodopiando por varias vezes, a trazendo em seguida para si, a segurando firme próxima a seu corpo, seus rostos a centímetros de distancia, pra mim tinha sido o estopim, não aguentaria mais, iria tirá-la de lá agora mesmo, esse showzinho já tinha ido longe demais.

Sentia meus olhos arderem de raiva, como se fossem duas bolas de fogo, queimava por dentro, Luna não podia estar me expondo dessa forma, se esfregando com o mulherengo do Rey para todos verem, é minha esposa e deve se dar o respeito, respeitando a mim e a nosso casamento.

Varias pessoas se aproximara deles parabenizando pela maravilhosa dança, revirei meus olhos pedindo um minuto a mais de paciência, esperando a hora certa de arrancá-la de lá, falar tudo que estava entalado em minha garganta.

Assim que as pessoas começaram a dispersar, a peguei pelo braço, encarei seu rosto possesso e a arrastei pela saída.

- Mais o que é isso?- Me perguntou enraivecida, parecendo não entender nada.

- Vamos embora, chega de me fazer de palhaço! – Cuspi as palavras enquanto a arrastava para fora.

- Pare com isso, acaso enlouqueceu? Não podemos sair assim, sem nos despedirmos das pessoas – Falou meio confusa, mas não dei atenção, abri a porta do carro, ela me encarou por um longo segundo, mas acabou entrando.

Dirigi o tempo inteiro calado, tentando controlar minha raiva, não via a hora de chegarmos em casa e colocar para fora tudo que estava entalado na minha garganta. 


Notas Finais


Eu não falei!!! Luna Lacrou bunitu... Chupa essa Matteo. kkkk
Luna Simplesmente e finalmente dessa vez se cansou. Agora aguenta Matteo... Luna tá virada no cão e não obstante, Virada no Giraya, no samurai . TOMA Infeliz, bem lá sem vasilina. kkk
Comentem...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...