História Casamento por conveniência - Capítulo 32


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Seleção
Tags Casamento-forcado, Drama, Família, Romance, Século Xix, Sexo
Exibições 369
Palavras 1.014
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi...
Podem me matar, eu deixo...
Desculpe a demora, sério tive muitas provas.

Capítulo 32 - Capítulo 32 - Maxon


Nós amamos.

E quando amamos esperamos que tudo seja fácil, que tudo venha a suas mãos, que nada, nunca de ruim aconteça.

Mas nunca é assim, o amor é a coisa mais difícil que eu já tive o prazer de aproveitar, ao mesmo tempo em que é o melhor sentimento que eu já senti, também é o pior.

Quando as coisas acontecem, quando as coisas ruins acontecem, você não sabe o que fazer, por que ao mesmo tempo em que você está bravo, você não quer machucar aquele que roubará seu coração.

E, principalmente, você daria a sua vida para aquela pessoa, por que viver sem ela seria inviável.

A pergunta que escoa pela minha cabeça é; Como eu vou viver sem ela.

Eu sei, eu tenho filhos, eu devo aprender, caso algo de mal aconteça, mas eu já a perdi uma vez e eu me lembro do inferno que foi eu não suportaria perde-la de novo, e, para sempre desta vez.

Eu não quero, eu não posso, eu não consigo, eu estou em colapso, eu não quero perder ela e nem meu filho que estar por vir, eu quero os dois, quero minha família, desejo ver meus filhos crescer do lado dela, ver as suas madeixas ruivas se tornarem brancas, enquanto nossos filhos têm os primeiros relacionamentos e quebram o coração, quero ver os primeiros pés de galinha surgirem no meu rosto ao lado dela, ao lado de todos que eu amo.

E agora?

Passei as mãos pelo meu cabelo, nervoso, eu não sabia o que fazer.

Era tantos sentimentos decepção por provavelmente eu não terei mais tempo com meu amor, tristeza, pois eu a amo, raiva, da vida, mas não dela, por que, por mais mal que eu estivesse, ela estava pior e eu sabia disso só por olhar para ela.

Mas mesmo assim eu me excedi quanto a perguntei daquele jeito.

Quando eu disse aquilo, lembrei–me que ela não devia se exceder, que as chances de nosso bebê e ela saírem bem eram maiores se ela não comprometesse sua saúde mental.

Sentei–me na cama e enterrei meu rosto nas mãos, eu só percebi que estava chorando agora, ela, por sua vez, sentou ao meu lado e segurou minha mão.

– Desculpa por não ter te contado, mas como é que eu podia te contar, eu te amo, eu não queria vê-lo chorar – ela disse e eu a abracei e enterrei meu rosto em seu pescoço, chorando riu ali, percebi que discretamente ela também chorava.

– Como é que eu suportar poder ficar sem você? – eu disse e ela acariciou o meu cabelo.

– Você não vai ficar sem mim, por que mesmo se tudo der errado, mesmo que eu não aguente você me guardar aqui – ela apontou minha mão ao seu coração, apontando que ele sempre me guardaria ali, era verdade – e se não for suficiente, você terá três partes de mim, nossos filhos.

Mas eu queria os dois, era pedir demais, é pedir demais meus filhos junto com a minha esposa, é pedir demais que pelo menos uma pessoa que eu amo e que me ama permaneça comigo.

Não era o suficiente só as memorias com ela, eu preciso dela, comigo, juntos a nós, a nossa família.

Abracei-a mais, pensando que com aquele abraço ela nunca fugiria de mim, nunca iria embora, mas eu não podia segurar ela.

– Por que ninguém que me ama permanece comigo, por que todos vão embora? O que eu fiz nessa vida para não merecer amor, o que eu fiz para que todos, todos que me amam, fossem embora? – eu disse, era injusto, injusto demais.

– Mesmo que eu vá você ainda terá gente que te ama Maxon, não sou só eu que lhe ama, nossos filhos também, você não ficará sozinho e você pode encontrar um novo amor, se não fechar o coração, pode encontrar uma nova paixão – ela disse, eu percebi que doía a ela que eu pudesse encontrar outra pessoa.

Mas eu não encontraria, mesmo que eu procurasse em cada canto do planeta eu não encontraria um novo amor, mesmo que eu conversasse com todas as garotas do mundo nenhuma e eu digo nenhuma, seria igual a minha América.

– Você é insubstituível – eu disse.

– Você ainda terá a Eadlyn, o Ahren e o Kaden ou a Amberly.

Eu levantei a cabeça e a encarei.

– Amberly?

– é, achei que sua mãe merecesse isso, então se for uma menina terá o nome dela – eu sorri.

– Obrigada por isso – agradeci a ela, uma das pessoas que eu mais amei e mais sinto falta é a minha mãe e ela merecia aquilo, merecia ser homenageada.

– Só me prometa uma coisa – ela disse, com a voz embasbacada, parecia estar prestes a chorar.

– O que?

– Que mesmo que aconteça o pior, você vai cuidar desse bebê – ela colocou a mão protetoramente sobre a barriga – não guardará rancor dela, como eu já vi varias vezes vai ama-la, como ama os outros, por que não é culpa dele.

Eu a abracei e disse no seu ouvido.

– Eu nunca faria isso, um bebê é um presente, eu vou cuidar dele, pois ele é fruto do nosso amor e não existe prova maior de que houve muito amor que nossos filhos.

Ela assentiu.

– Obrigada.

– Não há motivo para agradecer.

Ficamos abraçados algum tempo, sem falar até que Maxon finalmente falou:

– Temos que mandar Kile e Ahren para a Eton – eu suspirei.

– Tudo isso por causa daquele beijo? – eu disse balançando a cabeça, Maxon acha que vai conseguir afastar os meninos por muito tempo.

– Você sabe que Ahren precisa ser educado para ser um duque e eu não vou deixar meu afilhado sem uma educação menos que excelente – Maxon disse – E, aliais, temos que contratar professores para a Eadlyn, ela terá um ensino tão bom quanto eles.

– Obrigado por fazer isso por ela, sabe como a maioria das pessoas diriam que ela só precisa de aulas de etiqueta.

– Eu sei disso, mas ela é minha filha e eu só quero o melhor para ela e o melhor para ela é ter uma ótima educação.

Assenti.

 


Notas Finais


Beijos...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...