História .casual affair - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias TWICE
Personagens Chaeyoung, Jungyeon, Mina, Momo, Nayeon, Tzuyu
Tags 2yeon, Jeongyeon, Nayeon, Twice
Visualizações 37
Palavras 1.449
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


infelizmente sto viva e escrevendo merda, segue o baile.

Capítulo 1 - ;único


Im Nayeon tinha uma lista, talvez extensa demais, de relacionamentos fracassados, casos de uma só noite, e ligações de pessoas que não se lembra no celular. Recorda-se de ter começando a namorar com pouca idade. Devia ter 11 anos quando chegou em casa de mãos dadas com um garoto com cabelo de tigela falando que ele era seu namorado. Seu pai quase faltou ter uma parada cardíaca, e sua mãe estava rindo com a brincadeira de Nayeon.

Beijou pela primeira vez com 12, com o mesmo garoto cabelo de tigela. No dia Nayeon tinha passado muito gloss nos lábios e o menino bateu os dentes demais. Semanas depois terminou com o garoto.

O segundo namorado foi com 14. O garoto estava entrando na puberdade, tinha espinhas e pêlos começando a crescer em várias partes do corpo. Eles não bateram os dentes e Nayeon não tinha passado gloss. Namoraram durante 5 meses.

Quando tinha recém completado 16 anos, ela conheceu uma japonesa que falava um pouco embolado, e que sempre participava das competições de dança do colégio. Era a queridinha entre os alunos, talvez fosse pelo seu talento na dança ou pela simpatia.

Nayeon não soube muito bem quando começou a se interessar pela japonesa simpática, só sabia que sentia muitas borboletas no estômago quando Hirai Momo falava com ela; ou quando sentia uma sensação gostosa um pouco abaixo da barriga que a fazia cruzar as pernas todas vez que via a japonesa dançando.

Im teve um dos melhores beijos com Momo, e a primeira vez foi com ela também. As duas namoraram durante 1 ano e meio.

Depois de Momo, Nayeon namorou um cara alto demais e magricelo, mas tinha um sorriso bonito e era engraçado. O relacionamento só durou alguns meses, já que o rapaz se mostrou mais possessivo do que aparentava ser.

Então veio mais alguns relacionamentos que duravam apenas meses ou até mesmo semanas.

Começou a ter seus casos de apenas uma noite quando entrou na faculdade. Não estava afim de criar laços ou sentimentos profundos demais. Ia 'pra festas ou confraternizações com o pessoal da faculdade e acordava sempre na cama de alguém diferente.

Começaram a chamá-la de puta, vadia e mais alguns outros palavrões que outras pessoas falam para as mulheres que apenas gostam de ter seus casos e transar. Nayeon nunca se importou. Era uma mulher livre e tinha o livre arbítrio de fazer o que quisesse com a porra de sua vida.

Agora tinha 27 anos, estava em um bar pequeno de iluminação fraca com sua amiga Chaeyoung, que contava com entusiasmo que tinha pedido a taiwanesa, Chou Tzuyu, em namoro.

- Cara, eu nem acredito que ela aceitou. - Nayeon não pode deixar de rir com o comentário da amiga. Chaeyoung sempre saia com a mais velha quando tinha tempo, e em uma dessas saídas conheceu a taiwanesa. A coitada tinha sido forçada pelas amigas a sair de casa para ir em um pub novo na cidade. Por coincidência Nayeon e Chaeyoung estavam no mesmo local esperando alguns amigos do trabalho. A menor notou Tzuyu, sozinha em uma mesa mais afastada, com a cara emburrada e segurando algumas bolsas; Son foi lá e começou a conversar com a taiwanesa. Depois disso as duas começaram a trocar mensagens.

- Eu realmente estou feliz por você, Chaeng. - A mais velha segurou as mãos da menor e sorriu mostrando seus dentes de coelho.

- Obrigada, espero que realmente dê certo. - Son deu um sorriso fraco e bebeu um gole de sua cerveja.

- Odeio quando você faz isso. - Nayeon bufou. - Eu sei que você, bem aqui no fundo - colocou o dedo sobre o coração da mais nova. - sente medo daquilo acontecer novamente. Tzuyu não é igual a babaca da Mina.

Nayeon nunca teve raiva de ninguém, mas sempre tem aquelas excessões e Myoui Mina era uma delas. Não era só raiva, como também nojo que sentia pela japonesa que teve a capacidade de trair sua melhor amiga com uma drogada esquisita. Im sempre abominou traição, e por isso nunca se envolveu com alguém que fosse comprometido.

- Eu sei, eu sei. - Chaeyoung disse balançando a cabeça várias vezes. - Que horas são? Meu celular descarregou.

- Já são 22h34.

A menor deu um pulo da cadeira pegando a sua bolsa e vestindo o casaco preto com pressa.

- Cara, tenho que ir, tô atrasada 'pra caralho. - Son beijou a bochecha da amiga e antes de sair do bar falou - Paga minha cerveja.

Nayeon não teve nem tempo de responder, só viu a porta do lugar batendo e uma anã correndo toda desajeitada. Chaeyoung era uma folgada.


[•]


No dia seguinte Nayeon estava no mesmo local. Bebendo dessa vez apenas um refrigerante e mexendo no celular. Tinha marcado um encontro com um cara que conheceu em um aplicativo de relacionamentos, mas ele acabou desmarcando por algum problema que teve no trabalho e o homem mandou tantas mensagens pedindo desculpas que a mulher até achou graça.

Ouviu a porta do bar ser aberta e alguém sentar em um banco próximo ao seu no grande balcão de madeira. A agitação da pessoa desconhecida fez com que Im desse uma pequena olhada para o seu lado, dando um sorriso quase lascivo com a visão que teve.

Era uma mulher, deveria ter entre 26 ou 27 anos, os cabelos curtos caiam sobre os olhos e ela bufava de raiva. Usava trajes casuais e um pouco largos, mas deixando aquela desconhecida ainda mais atraente aos olhos de Nayeon.

- O mais forte que você tiver ai, por favor. - A voz saiu rouca e baixa.

Nayeon mordeu o lábio e voltou a atenção para o celular.

- Obrigada. - Ouviu a mulher agradecer.

- Noite difícil?

A desconhecida virou rapidamente a cabeça para observar Nayeon, como se tivesse notado apenas naquele momento uma pessoa ao seu lado.

- Acabei de ser demitida. - A mulher bebeu o líquido incolor e fez uma careta. - Minha noiva me deixou tem uns 4 meses e hoje jogou na cara que nunca me amou.

- Sinto muito.

- Na verdade, estou até feliz porque odiava a merda do meu emprego e infelizmente gostava da minha ex, mas acho que não tanto, porque não me senti tão magoada com o que ela disse.

- Como você se chama?

- Jeongyeon, Yoo Jeongyeon. E você?

- Im Nayeon, prazer.


[•]


Jeongyeon tinha dificuldades em encontrar o interruptor do apartamento desconhecido, ainda mais com aquela mulher beijando seu pescoço. Desistiu de procurar o interruptor e se conteve com a luzes que vinha das janelas.

Nayeon estava prestes a tirar as roupas naquele exato momento, mas queria que a mais alta fizesse todo esse trabalho. Jeongyeon lhe beijou forte, apertando seu corpo contra o de Nayeon e colocando o joelho entre as pernas da outra mulher.

Im gemeu quando foi erguida do chão e suas pernas enlaçaram a cintura da outra, em uma forma desesperada de sentir algum tipo de atrito em sua intimidade pulsante e molhada. A mulher de cabelos curtos percebeu isso e sorriu.

- Onde fica o quarto?

Nayeon mordeu o lóbulo da orelha da outra e sussurrou baixo. - Vamos 'pro sofá.

Jeongyeon andou com a mulher em seu colo até sentir suas pernas baterem contra o móvel macio da sala. Sentindo as mãos cada vez mais inquietas, sentou-se no sofá, ainda com Im no colo, e passou a apertar cada vez mais a cintura fina e passar os dedos longos sobre os botões da camisa social branca a menor usava.

- Por que você não tira logo isso?

- Será uma honra.


[•]


Nayeon acordou sentindo o sol quente bater em seu rosto, logo praguejando a si mesma por não ter fechado as janelas do quarto na noite passada. Tateou o outro lado da cama esperando encontrar o corpo esguio da mulher que a fez agarrar os lençóis durante toda noite, mas tudo o que encontrou foi o travesseiro e o cheiro de baunilha impregnado nele.

Uma estranho sentimento de decepção se acendeu em seu interior. Talvez Nayeon ansiasse passar mais tempo com Yoo Jeongyeon; devia ser pelo sexo que foi incrivelmente bom ou pela boa conversa que tiveram no bar e de madrugada, quando ambas já estavam cansadas e com sono.

Levantou-se, ainda incomodada com aquela sensação e foi em direção a sala. Suas roupas caídas perto do sofá fez ter várias lembranças da noite passada e seu corpo ficou quente.

Avistou, quase que escondido no meio das roupas, um pequeno papel branco com um número de celular.


me liga :)

(xx) xxxx-xxxx


Pegou apressada seu telefone dentro da bolsa jogada e discou para o número escrito no papel.

- Alô?

- Oi, é a Nayeon. Queria saber se você está livre hoje?


Notas Finais


é a "primeira" one que escrevo e ela não é uma drabble. estou tentando sair da minha zona de conforto, já que tenho uma dificuldade muito grande em escrever alguma coisa que preste com mais de 1000 palavras.

juro que irei revisar assim que conseguir o computador. vlw flw




(vcs já foram enaltecer os dois mvs que hatfelt lançou ontem?)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...