História Catfish - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~Sphychin

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kris Wu, Personagens Originais
Tags Baekhyun, Baekyeol, Catfish, Chanbaek, Chanyeol, Exo, Lemon, Yaoi
Exibições 51
Palavras 2.560
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Lemon, Luta, Romance e Novela, Suspense, Violência, Visual Novel, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi pessoas que estão sofrendo/irão sofrer pra krl com nossa fic 💕
Então né, era pra esse cap ter saído ontem, mas a gente é pobre e sobrevive de lan house qq
Vamos fingir que hoje é o aniversário do meu peixe e que é um dia super especial uhu
Enfim, aproveitem esse sofrimento sz
(ontem foi aniversário da minha Mama <3)

Capítulo 3 - Blue


I want you

I'll colour me blue

Anything it takes to make you stay

Only seeing myself

When I'm looking up at you

BLUE – Troye Sivan feat. Alex Hope.

[Quinta-feira, 05:10]

Passei a noite em claro, não consegui dormir sabendo que Baekhyun estava no quarto ao lado e com a possibilidade da minha mãe descobrir que quem dormia no antigo quarto da minha irmã não era Kyungsoo, mas sim um garoto desconhecido por ela.

Na madrugada Baekhyun resolveu conversar com Kim Yue, então eu fiz o meu máximo para a conversa ser curta (não vou dar detalhes do nosso sofrimento).

Levantei rápido da cama quando escutei uma porta sendo aberta com um rangido. Quando saí do quarto, vi o rosto do garoto espiando ao redor do corredor com os olhos, até que me avistou no quarto ao lado e sorriu fraco. Percebi que seus olhos estavam inchados e seu nariz um tanto vermelho, ele havia passado a noite chorando.

— Hum, sua mãe já saiu de casa faz um tempo, posso ir ao banheiro? — ele estava falando com a voz rouca. Apertei os lábios e assenti.

Eu estava prestes a voltar para meu quarto quando a visão dos deuses inundou meu cérebro. Baekhyun estava só com uma calça de pijama, seu peito estava completamente descoberto. Meu rosto ficou vermelho no mesmo instante, nunca o tinha visto daquele jeito tão de perto, eu só queria tocá-lo (apesar de sua barriguinha ser de nutella, ele continuava maravilhoso).

— Você está bem? — ele estava encarando meu rosto com a testa franzida.

— E-Eu estou bem, vou pegar uma toalha para você — corri para dentro do quarto e fechei a porta, abrindo meu guarda-roupa em seguida e pegando a primeira toalha que avistei.

Quando abri a porta, Baekhyun estava parado em frente a ela, me encarando, estiquei a toalha em sua direção e ele a agarrou. Apontei para o final do corredor, onde havia uma porta entreaberta.

— O banheiro é ali. Não demore muito no banho, bai... — cortei-me no meio da frase e a reformulei rapidamente —... Baekhyun.

Byun sorriu e andou calmamente até lá, estava tudo tão silencioso que consegui ouvir o barulho da porta sendo trancada pela chave.

Suspirei e desci as escadas até a cozinha, ainda faltavam pelo menos duas horas até as aulas começarem e levávamos pelo menos meia hora até chegar à faculdade, então daria tempo de fazer alguma coisa para o café da manhã.

A campainha tocou, caminhei até a porta e a abri, Kyungsoo entrou e rapidamente deitou no sofá.

— O que tem hoje para o café da manhã? Ah, e não fale muito alto, eu estou de ressaca — ele me encarou intensamente do sofá, bem, pelo menos eu achei que estivesse assim por baixo dos óculos escuros. — Como está seu namorado?

— Você sabe muito bem que ele não é meu namorado e nunca será — suspirei e voltei para a cozinha. — Ele está tomando banho agora.

Peguei todos os ingredientes e comecei a preparar o ramen o mais rapidamente possível, senti Kyungsoo me encarando enquanto cozinhava, como sempre. Olhei de relance para ele por cima do ombro e percebi que quem me encarava era, na verdade, Baekhyun. Engoli em seco enquanto terminava de cozinhar.

— Já terminou de fazer essa porra, Dumbo? — Kyungsoo apareceu do outro lado da porta mexendo no celular enquanto andava para dentro da cozinha, ele olhou para os três pratos de ramen em cima da mesa. — Ramen? Sério, isso é tudo o que você pode fazer hoje?

— Eu não sou seu empregado, eu acordei mais tarde que o usual, e você chegou quinze minutos atrasado por conta dessa ressaca de merda — peguei os hashis e senti uma pancada na minha cabeça.

— Minha cabeça dói, eu já disse para não falar alto — ele sentou devagar na cadeira com a mão na cabeça — Obrigado pela refeição.

— Aish, por que você está desse jeito? Quem levou o tapa fui eu nesse caralho — ele já estava devorando a comida, olhei para Baekhyun e percebi que ele estava tentando conter um sorriso, pigarreei — Hum, vamos comer logo.

Ele se aproximou e sentou na cadeira a nossa frente e agradecemos pela comida.

— Então, Baekhyun — ele desviou o olhar da comida para meu rosto imediatamente, havia um fio de macarrão pendurado entre seus lábios rosados, uma cena adorável que não seria esquecida por algum tempo — em que faculdade você disse que estudava mesmo?

— Ele não disse — Kyungsoo sussurrou ao meu lado, olhei de relance para ele, que comia calmamente.

— Faculdade de Seoul — ele continuou comendo calmamente, mas Kyung e eu nos entreolhamos assustados. Ele iria para a mesma faculdade que nós, então seria um tanto difícil ignorar sua existência. — E vocês?

— Faculdade de Seoul — Kyungsoo respondeu por nós dois enquanto voltava a comer. Essa foi a vez de Baekhyun ficar chocado, ele havia parado o hashi entre o prato e a boca entreaberta, mas não havia levantado o olhar para nós.

Finalmente terminei de comer e corri para o banheiro, sem esperar a reação dos mais velhos. Tomei o banho mais rápido da minha vida, agora só faltava uma hora para as aulas começarem na faculdade, eu precisava ser o mais rápido possível. Entrei no quarto correndo e peguei a primeira roupa que avistei, vesti e saí do quarto correndo com a bolsa no ombro.

Kyungsoo e Baekhyun estavam agora sentados no sofá da sala um em frente ao outro, Byun estava com uma expressão perdida no rosto enquanto Kyung estava com rosto inexpressivo encarando o garoto.

Pigarreei fazendo os dois olharem em minha direção.

— Hum, temos que ir logo ou vamos nos atrasar para o primeiro período — Baek levantou e parou ao meu lado enquanto Kyung o observava atentamente, até que resolveu levantar também.

Fomos até o ponto de ônibus e esperamos por pelo menos 15 minutos até que o ônibus finalmente chegou, quando entramos na faculdade faltavam apenas 20 minutos até as aulas começarem, o que foi mais tempo do que eu imaginei que teríamos, e Baekhyun ainda precisava ir à secretaria pegar algumas coisas para poder começar à ter aulas.

Kyungsoo foi para a classe e eu decidi acompanhar Baekhyun.

— Você não precisava vir comigo — sussurrou.

— Como se você soubesse o caminho para qualquer lugar sem precisar de ajuda — sussurrei de volta enquanto alguns professores passaram apressados por nós para chegar à suas salas, me curvei para o máximo deles que pude. Voltei a encarar Baekhyun, que olhava para frente com uma expressão angustiada. — Então... Você está bem?

Ele parou de andar e eu fiz o mesmo, ele passou as costas das mãos pelos olhos e continuou encarando o chão. Coloquei uma mão em seu ombro por impulso e ele se retraiu um pouco ao meu toque, então me afastei.

— Hum, desculpe é... É melhor continuarmos andando — voltei a andar e ele me seguiu sem dizer uma palavra, ainda com a cabeça baixa.

Percorremos o resto do caminho em silêncio até que chegamos à secretaria da faculdade. Byun assinou alguns papéis, entregou outros e pegou mais outros. Finalmente saímos e fomos para nossas respectivas salas, não o questionei sobre mais nada durante aquele tempo.

 

×××

 

[Quinta-feira, 12:50]

Eu poderia ter narrado tudo o que aconteceu na aula, mas eis um resumo para vocês: nada de especial.

Agora eu e Kyungsoo estávamos sentados abaixo de uma árvore aproveitando a liberdade.

— Ainda acho que deveríamos estar procurando o Baekkie — estava sugerindo isso desde que nos encontramos fora das salas.

— E eu ainda acho que você deveria calar a boca — e essa era a resposta dele sempre que eu sugeria qualquer coisa.

Balancei a cabeça e olhei ao redor, o olhar perdido de um garoto baixo se encontrou com o meu, Baekhyun acenou para nós timidamente quando o chamei para sentar conosco. Kyung suspirou com frustração e colocou os fones de ouvido rapidamente enquanto deitava-se na grama.

— Oi, Chanyeol — o garoto sentou-se ao meu lado, ficamos em um silêncio desconfortável por algum tempo.

— Como foi seu primeiro dia na Faculdade de Seoul? — Tentei puxar assunto para tirar a tensão entre nós.

— Foi bem... Eu acho — e o assunto morreu aí.

O suspiro tedioso de Kyungsoo me fez ficar mais nervoso do que eu já estava. Kyung tirou os fones de ouvido e sentou, bocejando logo em seguida.

— Então, Baekhyun, como você conheceu o Yifan? — Ele olhava atentamente para o rosto confuso do outro.

— Yifan? — Dava para perceber que ele não tinha ideia de quem o outro estava falando.

Enquanto bebia minha água — Kyungsoo só bebia refrigerante e coisas gordurosas, nojo — e era saudável, fiquei quieto o tempo inteiro enquanto os dois se encaravam em silêncio.

— O boneco de Olinda que você estava conversando agora. — A expressão de Baekhyun mudou de confusão para tensão.

Mais alguns segundos de silêncio até que Baek resolveu levantar, limpando a grama da calça em seguida.

— Eu não vejo um conjunto de circunstâncias em que isso seja da sua conta — assim que Baekhyun terminou de falar, saiu. Eu não aguentei e cuspi toda a água na grama, senti que minha gargalhada alta estava cobrindo todo o perímetro.

Kyungsoo bateu em minha nuca, mas eu não conseguia parar de rir, respirei fundo enquanto Kyung me observava e, tenho quase certeza, me julgando mentalmente. Assim que me acalmei, olhei para o garoto ao meu lado e suspirei de cansaço.

— Você é tão idiota que eu às vezes fico com pena, Park — ele levantou e chutou minha perna. — Vamos logo, a hora do almoço está acabando.

Ele foi andando até as salas enquanto eu sofria por minha perna que foi quase quebrada pelo chute de Kyungsoo.

— Aish — levantei e, praticamente, me arrastei de volta à sala.

Mas sem antes, claro, encontrar o baixinho delicioso conversando com um garoto nem um pouco coreano um pouco mais alto do que eu.

Esse deve ser o tal Yifan do qual aqueles dois estavam falando... Acho que já o vi em algum lugar..., pensei enquanto vasculhava minha mente à procura do garoto, mas nada foi encontrado.

Voltei a observar os dois garotos conversando e percebi o quanto Byun sentia-se desconfortável com aquilo tudo, pensei em tirá-lo de lá, mas preferi não fazê-lo. Entrei na sala e tentei prestar atenção, porém o garoto do qual não me recordava direito sempre voltava a rodear meus pensamentos.

 

×××

 

[Quinta-feira, 19:43]

Esperei por Baekhyun e Kyungsoo por duas horas desde que minhas aulas do dia terminaram, observei as pessoas indo para casa e analisei meu sofrimento de fome e solidão durante esse tempo.

Ao longe vi dois garotos baixinhos vindo em minha direção lentamente, primeiro achei que fossem assaltantes, mas depois percebi que eram apenas Do e Byun. Levantei-me e sorri para os dois garotos.

— Finalmente — pousei minha mão no ombro de Kyung — Vamos comer alguma coisa em Myeong-dong?

Kyungsoo me olhou torto e retirou minha mão de seu ombro lentamente, como se afastasse um bicho.

— Desde quando você quer sair comigo para algum lugar que não seja seu quarto? — Aquilo saiu de um modo totalmente errado, senti minhas bochechas queimarem, Baekhyun nos olhava um tanto chocado, mas Kyung não se deu o trabalho de explicar — Hum, eu preciso ir para casa, minha mãe deve estar louca como sempre. Tchau Dumbo.

Ele foi em direção à um táxi, entrando apressado logo em seguida. Fiquei encarando o táxi se afastar rapidamente, percebi que Baekhyun também observava discretamente.

— Então, já que, eu suponho, é sua primeira vez em Seoul... — ele me encarou com as sobrancelhas levantadas —... gostaria de um pequeno tour por Myeong-dong?

Percebi ele trocar o peso de um pé para o outro, desconfortável. Mordi o lábio inferior.

— Eu não sei... — Baekhyun olhou ao redor, parecendo procurar uma rota para fugir de mim. Ele não parecia se sentir bem perto de mim ou Kyungsoo, apesar de sermos as únicas pessoas que ele conhece em Seoul e de ele morar comigo.

— Tudo bem então, você pode pedir para aquele tal de Yifan te levar para casa. — Os olhos dele se arregalaram quando eu comecei a me afastar. — Te vejo mais tarde, Baekhyun.

Comecei a procurar por um táxi nas redondezas até que o garoto baixinho apareceu do meu lado, suspirando.

— Tudo bem, eu vou com você... — ele continuava nervoso. Sorri e dei dois tapinhas em seu ombro.

— Hoje à noite serei seu guia — peguei um boné que estava guardado em minha bolsa e o coloquei, ele sorriu ao vê-lo.

Finalmente, pensei sorrindo de volta. Assim que encontramos um táxi, entramos no mesmo, mas sem antes, claro, Baek fazer uma pequena inspeção para saber quem era o motorista.

 

×××

 

[Quinta-feira, 20:00]

O tempo que passamos no táxi foi silencioso. Menos pelo fato do taxista, que estava gritando no celular com alguém chamado Zitao (foi a única coisa que entendi, porque tenho quase certeza de que ele não estava falando coreano).

Byun Baekhyun não parecia estar ligando para o que se passava naquele momento, ele apenas olhava a rua pela janela do carro encantado e triste ao mesmo tempo. Sempre que eu o olhava, toda a culpa por ter criado Kim Yue e o ter magoado caía sob meus ombros de um jeito doloroso.

Quando finalmente chegamos à Myeong-dong ele não parecia muito animado, mas continuei na expectativa dele se divertir um pouco.

— Venha, estou com fome, vamos para o Café. — Agarrei seu pulso, adentramos na multidão à procura da minha cafeteria favorita: Café.

Andamos um pouco até encontrarmos o Café. Não havia percebido, mas ainda segurava o pulso de Byun, soltei rapidamente e pigarreei.

— O nome do Café... — ele apontou para o pequeno letreiro —... é "Café"?

— O dono não tinha muita criatividade — dei de ombros e entrei esperando que o garoto me seguisse, porém ele continuava encarando o pequeno letreiro. — O que foi?

— Yue me falou sobre esse lugar. É o Café favorito dela — ele me encarou com a testa franzida.

— Oh... Sim, e-ela gosta deste lugar... — Eu tinha acabado de fazer uma merda gigante, meu objetivo era fazê-lo esquecer de Yue por algum tempo e a única coisa que fiz foi cutucar a ferida. Ótimo Park Chanyeol, parabéns. — Hum, se você preferir nós podemos...

Ele negou com a cabeça e deu um sorriso forçado ao entrar no estabelecimento.

— Eu estou bem. Então, vamos comer?

O observei procurando, distraidamente, um lugar para sentar e suspirei indo em sua direção. Tudo o que eu queria fazer era lhe contar a verdade, mas eu era muito covarde para fazê-lo, não podia perder Baekhyun daquele jeito e tão rapidamente.

Claro, um dia a verdade viria à tona, mas não naquele momento quando ele estava sofrendo tanto por minha causa, só faria com que ele me odiasse. Quero conviver com ele, mesmo que seja apenas por um mês, quero saber como é viver com Byun Baekhyun e então eu o contarei a verdade.


Notas Finais


Espero que vocês tenham gostado desse capítulo que eu demorei o caralho a quatro pra escrever pq eu fiquei mudando um monte de coisa szsz
Até o próximo capítulo pessoas sofridas 💕
Ps:. Amém ChanBaek do sofrimento


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...