História Cause And Consequence - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Marco Reus
Exibições 38
Palavras 1.217
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Mais um capítulo <3
Leiam e tirem suas conclusões
Beijosss
~fer

Capítulo 5 - Não consigo esconder


"Carol, será que você pode vir aqui daqui a pouco? É urgente"

Caroline:

O que será que a Verena quer? Por que é urgente? Ah, sei não... Parece que tudo que vem acontecendo só me traz problemas. Como eu queria fugir disso tudo. Poder pegar o primeiro avião que ver no aeroporto e ir para um lugar bem distante daqui, longe até das pessoas que tanto tenho apreço. Eu quero paz e nada mais, algo que eu não tenho, acredito eu, temporariamente

-Meu Deus! Eu preciso pensar melhor. Que loucura eu estou fazendo? Quem eu sou? – Eileen acabara de chegar em casa e andava de um lado para o outro, falando sozinha e sem se importar se eu ou mais alguém olhava aquela cena esquisita

-Coitada, está louca – Pensei alto e acabei deixando com que ela ouvisse

-O QUE É, CAROL? – Ela gritou – Tá me olhando como se tivesse dó de mim. Eu... Eu não sei de mais nada, estou enlouquecida, acho

-Se precisar da minha ajuda, me fale

-Não vou precisar da sua ajuda – Ela foi para o quarto e me deixou ali, sozinha de novo

 

[...]

 

Verena quer conversar comigo e eu tenho quase certeza que é algo relacionado com a Eileen. Foi muito estranho o modo como ela chegou em casa, estava tao nervosa. Ah, quer saber... Eu não irei falar com a Verena. Não quero arrumar mais problemas por enquanto. Melhor deixar o tempo passar e depois tudo voltará a ser como era antes

Achei por bem dormir cedo então. Assim, acordarei mais bem disposta amanhã. Fui tomar um banho e resolvi me deitar. Mas, quem disse que eu consegui pegar no sono em poucos minutos? Que nada. Fiquei deitada por um bom tempo olhando para o teto e paredes do meu quarto. Apenas pensava nas situações que vem acontecendo no meu cotidiano

Resolvi voltar atrás. Me levantei da cama, troquei a roupa, peguei a bolsa. Fui para a rua, embarquei num táxi e fui saber o que a Verena tem pra me falar. Deve ser a curiosidade que me fez voltar atrás, também não quero que ela fique chateada comigo depois. Minha amiga com certeza passaria horas me esperando, enquanto eu estivesse dormindo como se nada tivesse acontecido

-Cheguei, Verena – Entrei pela porta da sala de estar

-Pensei que você vinha só amanhã – Sentei-me em uma poltrona, enquanto ela estava no sofá

-Eu não queria vir, confesso. Mas, achei por bem voltar atrás

-Ah, que bom. Não gosto de esperar as pessoas

-Por isso, eu já te conheço, amiga. Mas, por que me chamou?

-Não conversamos naquele dia por causa da Eileen e ela, como sempre, continua arrumando confusão

-O que minha irmã aprontou dessa vez?

-Desculpa, eu já devia ter te contado. A Eileen e o Marco já foram namorados. Daí ela me pediu que eu a ajudasse a reconquistá-lo. Eu estava disposta a ajudar, mas ela tá obcecada pelo Marco, eu não posso concordar com essa loucura dela

-Não mesmo, Verena. Minha irmã ficou louca de vez

-É, ela veio aqui hoje. Eu cheguei a falar que não posso mais ajudá-lá com o que quer, mas ela disse que eu não posso voltar atrás. Nós discutimos aqui na sala. Foi quando o Marco chegou, eu fui para o meu quarto, eles conversaram a sós e em seguida ela foi embora

-Chegou fora de si em casa, eu fiquei assustada com o jeito dela hoje, estava muito estranha

-Deve ter sido por causa disso. Mas, o que será que ela disse pro Marco? Será que inventou alguma mentira

-Não, ele disse que ela não inventou nada. Eileen é muito esperta, sabe que se inventasse um mentira, o Marco não acreditaria nela. E ele está com muita raiva dela. Não a quer ver mais

-Não vou deixar mais que ela venha nessa casa

-E não vem mais, o Marco já a proibiu

-É melhor assim. Mas, eu poderei vir aqui?

-Quantas vezes quiser, Carol. O Marco te adora, vive falando de você

-Por que ele fala de mim?

-Ah, vocês dois já saíram juntos

-Pensei que ele estivesse chateado comigo

-E por que estaria?

-Não sei. Naquele dia que nós dois saímos juntos a gente quase se beijou, mas eu não quis. De repente pude ter deixado ele chateado. Acontece que é cedo demais pra isso

-Quem sabe... Ah, Carol... Eu vou no meu quarto e já volto

-Tudo bem, te espero aqui

 

[...]

 

Marco:

Eu estava escondido ouvindo a conversa das duas, assim como Verena planejou. Primeiro ela queria conversar com a amiga, pois não conversaram da outra vez em que a Caroline esteve aqui. Logo em seguida, era a minha vez. E eu estava nervoso, nunca havia sentido nada por alguma mulher, como sinto com ela. Carol é especial, diferente de todas as minhas outras ex-namoradas, inclusive diferente da Eileen, sua própria irmã. Eu estava decidido a falar de uma vez por todas sobre os meus sentimentos, não conseguia mais esconder e também esperava quaisquer reação, sendo agradável ou não

-Sua vez, Marco

-Me deseje sorte, Verena

-Boa sorte, então. Eu acredito que vai dar certo, só não se esqueçam de me convidar pra ser a madrinha do casamento, afinal a ideia foi minha – Verena riu

-Verena, eu ainda nem sei a reação dela e você já tá falando de casamento

-Porque eu sei que isso vai dar em casamento

-É... Pode ser

-Então, vai lá, fala tudo o que tu sente, Marco Reus

-Isso mesmo. Ah, e obrigada pela ajuda

Respirei fundo e, finalmente, fui falar com a minha linda e doce amada

-Oi, Carol – Cumprimentei-a com um abraço, como se nada estivesse acontecendo

-Oi, Marco. Tudo bem?

-Tudo e com você

-Bem também, estava conversando com a Verena, mas ela foi buscar alguma coisa no quarto e já volta

-Verena foi se deitar

-Como? Ela disse que voltaria pra conversar comigo

-Não mais, ela só disse isso pra você não ir embora, mas quem quer conversar contigo sou eu

-O que quer? Não sei sobre o que podemos conversar

-Temos muita coisa pra conversar

-Que não seja sobre a Eileen

-Não é sobre a Eileen, e sim sobre nós dois

-Nós dois?

-Sim, Carol. Sabe, desde quando eu te vi, fiquei admirado. Não só pela tua beleza, mas pelo teu jeito de ser também. Eu nunca conheci uma menina tão meiga quanto você, mas que ao mesmo tempo faz de tudo pra lidar com os problemas com muita garra. Eu te amo, Carol

-Me ama? – Ela sorriu, mas ao mesmo tempo demonstrava preocupação

-Sim, amo demais

-Eu fico feliz em saber que um homem como você me ame, também gosto muito de você, mas a gente nunca vai conseguir ficar junto. Enquanto a Eileen continuar com as loucuras dela, esquece. Ela vai fazer das nossas vidas um verdadeiro inferno e eu não quero sofrer depois

-Carol, tem que parar de se importar com os outros e pensar em si mesma. Se você realmente gosta de mim eu te peço que me dê uma chance de te fazer feliz

-Mas, e se... – Coloquei o dedo indicador nos lábios de Carol, interrompendo o que ela iria falar

-Não coloque obstáculos entre nós dois, por favor

-Marco, deixa eu pensar na nossa situação. Eu também te amo, te amo muito mesmo

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...