História Cell Phone. - PkBits. - Capítulo 8


Escrita por: ~

Visualizações 96
Palavras 882
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Fluffy, Lemon, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


capítulo novo e milagrosamente na data certa

boa leitura!

Capítulo 8 - Liar


Fanfic / Fanfiction Cell Phone. - PkBits. - Capítulo 8 - Liar

Cell Phone

Capítulo Oito:

Liar

Autor Pov’s On

 

Aos poucos o ar ficava escasso e isso fez com que os dois garotos se separassem com alguns selinhos. Rafael se encontrava ofegante e bastante corado, as bochechas rubras se destacavam no loiro que era branquelo.

 

Matheus também se encontrava no mesmo estado ofeante só que sem as bochechas coradas, em compensação ele tinha um fraco sorriso.

 

Passos foram ouvidos pelos corredores, Matheus em um impulso rápido acabou empurrando e se afastando do loiro, que o olhou confuso.

 

Uma ruiva baixinha apareceu no corredor e sorriu de maneira doce a eles.

 

- Hey, Cell, estava demorando. – Ela disse, fazendo PK fazer uma careta pela voz fina. – Vim ver se estava tudo bem.

 

- Ah, eu estava resolvendo um negócio com o Matheus. – Rafael respondeu, soltando um suspiro.

 

- Já resolveu, eu vou indo. Com licença. – O moreno murmurou saindo andando com passos rápidos.

 

Lange nem ao menos teve tempo de dizer algo pois Matheus logo sumira de sua vista. Levou seus dedos até seus cabelos e os puxou, soltando um suspiro pesado e audivel.

 

- Pelo jeito as coisas não estavam tão boas assim. – A ruiva murmurou consigo mesma mas alto o suficiente para Rafael ouvir.

 

- Estavam boas, só que ele é estranho. Uma hora tá sorrindo e sendo fofo, outra hora tá de cara fechada e sendo um ignorante. – Bufou, encarando a ruiva. – Vamos Sasa, senão a gente se atrasa. – Disse e a ruiva apenas concordou começando a andar com o loiro ao seu lado.

 

(...)

 

Alan encarou o vaso na sua estante e nem ao menos pensou antes de pegá-lo e arremessa-lo na parede com toda sua força e gritar um palavrão logo em seguida.

 

- EU TE ODEIO. – Gritou novamente, agorando puxando seu cabelo. – BABACA! EU SABIA QUE TINHA COISA ERRADA NISSO, EU SABIA! – Caiu sentado na cama e pôs a mão sobre os olhos, tentando evitar as lágrimas, mas apenas encharcou suas mãos com elas.

 

Se sentia um idiota completa, tão bobo e inocente. Inocente até demais se parar pra duvidar.

 

As lembranças do que tinha acontecido a pouco estavam claras em sua mente.

 

Alan estava terminando de arrumar suas coisas em sua bolsa, quando sentia um toque suave em seu ombro. Se virou e pôde avistar uma garota baixinha de longos cabelos castanhos e de sorriso doce.

 

- Você devia prestar mais atenção antes de fazer e aceitar coisas que vem do nada. – Ela disse, deixando Alan confuso. – Quem sabe estejam com você apenas por apostas ridículas de quem pega mais, uh? – Indagou, em um tom baixo. – Se eu fosse você, tiraria isso tudo a limpo. – Disse num tom sussurrado.

 

Alan abriu a boca em um o confuso, quere perguntar para a garota do que ela estava falando. Mas ela tinha saído dali quando ele se virou para pegar a bolsa. E sem demora Felps apareceu, bagunçando os cabelos molhados.

 

Foi aí que ele juntou os pontos.

 

- Eu acho que deveriamos conversar. – Alan olhou seriamente para Felipe, que mesmo confuso concordou. – Por que está comigo?

 

- Como assim?

 

- Por que você está ficando comigo?

 

- Porque eu te amo... óbvio né? – Felipe sorriu um pouco desconcertado e mordeu o lábio inferior.

 

- Está mentindo! – Alan acusou e cerrou seu punho. – Fala a verdade!

 

- Alan, eu... eu só. – O moreno fitou o chão. – Só tinha que cumprir essa aposta para não perder meu carro. – Disse e o acastanhado sorriu.

 

Porém, não foi de felicidade.

 

- Ow, então você fez isso tudo por causa do carro? – Alan indagou, se aproximando do moreno que o olhava com atenção. – Sabe o que você merece? – Perguntou fazendo Felps acenar negativamente.

 

O acastanhado sorriu largamente antes de acertar a bochecha de Felipe com força. O moreno cambaleou para trás, e pôs a mão sobre sua bochecha dolorida, lançando um olhar incrédulo para Alan.

 

- Você merece isso e mais um pouco. Só que eu não vou perder meu tempo continuando com isso, não mesmo. Se me der licença. – Pegou sua bolsa e saiu andando calmamente.

 

Sua mão doía  e ardia levemente assim como seus olhos.

 

Felipe era tão mentiroso assim com suas palavras? Aqueles eu te amo mentirosos estão doendo tanto. Parece que Alan era outro sem sorte...

 

Alan chorava como uma criança se sentindo traído, apunhalado pelas costas. Mais uma vez tinha se decepcionado com alguém que parecia ser tão bom.

 

(...)

 

Matheus entrou em casa, e olhou em volta podendo avistar ela vazia e com um silêncio tremendo. Com poucos passos foi até o sofá e se sentou ali, olhando para seu reflexo na tevê.

 

Lembrou daquela garota ruiva;

 

será que ela era alguma coisa de Rafael? Eles iriam sair, então seria um encontro? – Perguntas como essas rondavam a cabeça de Matheus e o deixavam desconfortável. Ele nunca ligou para quem aquele loiro namorava, por que agora seria diferente?  Por que sentia vontade de exigir respostas do loiro? Não fazia sentindo, a menos que ele estivesse gostando dele em tão pouco tempo.

 

Matheus arregalou os olhos e negou repidamente.

 

- Não, sem chances, não estou apaixonado pelo Rafael! – Negou se sentindo assutado.

 

No final das contas, Matheus era um péssimo mentiroso...

 


Oh, com os meus sentimentos em chamas
Acho que sou uma má mentirosa

- Bad Liar, Selena Gomes


Notas Finais


please, don't kill me, babe
Era necessário, vai ser necessário pro Rafael e pro Matheus
ELES VÃO SE ACERTAR, RELAXE
Amo vocês
E como sempre, um beijo para quem quiser
#FLW


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...