História Cellyu : another ways - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alan Ferreira (EDGE), Felipe Z. "Felps", Flavia Sayuri, Rafael "CellBit" Lange
Personagens Alan Ferreira, Felps, Flavia Sayuri, Personagens Originais, Rafael "CellBit" Lange
Tags Alan, Cellbits, Cellyu, Celps, Edge, Felipe, Felps, Flavia Sayuri, Gabriela, Gabs, Lixo, Rafael Lange, Sasa, Starswithnames, Youtubers
Exibições 24
Palavras 967
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


O episódio de hoje foi um pouco mais romântico, porque né! quase duas semanas sem episódio!

Capítulo 33 - Cuide dele


 P.o.v's Rafa


   A Sasa dormiu a viajem toda, pelo menos alguém aqui está controlada, o avião já está pousando e por sorte minha casa não fica muito distante do aeroporto, pelo menos era minha casa antes de eu perder o meu chão, oque seria de mim sem a Sasa? Sem ninguém para me ajudar seria impossível continuar vivendo.
      O avião parou, a Sasa parece ter acordado com o pouso, ela abre os olhos e se espreguiça.
   
        Sasa: Nós já chegamos? -- ela pergunta ainda com um dos olhos fechados e com muito sono.

       
         Rafa: Chegamos dorminhoca, vem eu te ajudo a levantar -- eu ajudo ela e pego as nossas malas, nós caminhamos até a saída do avião e nós dirigimos ao aeroporto, na real, eu nem queria estar ali, eu queria ficar longe de lá, mas não é possível fugir da verdade.

        Após mostrar nossos passaportes no aeroporto, nós fomos para a área de táxis, e pegamos um táxi para um hotel que havia perto da minha casa, nós pagamos o hotel e fomos para o nosso quarto.

       Sasa: -- Ela me dá um celinho-- Vai ficar tudo bem não importa o que aconteça, eu tô aqui -- a voz da Sasa me acalmou um pouco, a Sasa é completamente o diferente de mim, ela consegue manter a calma quando ninguém mais consegue, eu tenho sorte em ter ela

         Rafa: Sasa não me deixa tá?

          Sasa: Eu NUNCA vou te deixar minha girafinha -- ela me abraçou.

           Rafa: Eu te amo coisa --eu beijei ela.

           Sasa: Eu também te amo coisa --ela fez carinho né mim, depois disso nos fomos deitar e dormimos abraçados a noite toda.


           Quando eu acordei já era meio dia, eu desci para o primeiro andar e fui em uma padaria ali perto, comprei algumas coisas que a Sasa gosta e peguei um pouco de café, quando eu entrei no hotel eu fui direto ao elevador mas antes de eu entrar o Felps me ligou.

                 *ligação On*

         Rafa: Fala lindo?

         Felps: Então amor, como está sua família e a mãe?

          Rafa: Eu acabei de acordar, mas daqui a pouco a Sasa e eu vamos pra o Hospital, qualquer coisa eu te ligo tá?

        Felps:Tabom então, tchau!


                  *ligação off*

           Na real o Felps não é meu irmão, o Felps morou um tempo comigo quando a mãe dele tava com alguns problemas de saúde, então ele ficou uns 2 anos com a gente, aí ele considera a minha mãe como mãe dele, eu já estava no nosso andar, eu entrei no quarto e vi a Sasa no sofá assistindo desenho.


           Sasa: Onde o senhor estava Rafael? -- ela me olhou com uma cara de quem queria me matar.

           Rafa: Eu fui comprar alimento para nós ruiva -- eu falo colocando a sacola em cima da mesa.

            Sasa: Você sabe que eu não gosto de ficar sozinha -- ela fala me abraçando.

            Rafa: Tabom ruiva, eu não vou te deixar sozinha mais não -- eu falo pegando ela no colo.

            Sasa: Para Rafael! Me coloca no chão.

            Rafa: Tabom -- eu sentei no sofá com ela ainda no meu colo -- Tabom agora ruiva?

           Sasa: Tá sim bobo -- ela me dá um celinho-- e não me chama de ruiva -- ela encostou a cabeça no meu peito, e nos ficamos ali assistindo TV por um bom tempo.

             Depois nós tomamos café, e fomos a caminho do hospital, mas nós resolvemos dar uma passada na minha "casa", e não foi uma das melhores escolhas que eu fiz naquele dia, sabe oque é ver todos os seus sonhos, toda sua luta, e tudo que já aconteceu soterrado? Era isso que eu estava sentindo naquele momento, vem minha casa em pedaços, ver onde todo começou em pedaços é uma sensação horrível, mas ficar ali olhando vai só piorar a situação, então nós fomos para o hospital.

         Ao chegar no hospital nós mostramos os nossos documentos e uma enfermeira nos guiou até a sala em que minha mãe estava.

      Enfermeira: É aqui --nos entramos na sala-- sua mãe está em um bom estado de recuperação , ela e seu irmão, por sorte estavam do lado de fora da casa quando as árvores atingiram a casa, então eles só sofreram o impacto, sua mãe está dormindo agora, eu vou deixar vocês a vontade.

        Nós entramos e sentamos nos sofás que tinha na Sala, porém eu me levantei logo e fui ver minha mãe, ela parecia bem, quão  forte quanto nunca, eu coloquei a minha mão sobre a dela, e deixei algumas lágrimas escapar.


Deya: Por que você está chorando? --ela fala apertando um pouco a minha mão.

Rafa: Por nada, mãe tá tudo bem com você, está sentindo dores? 

Deya: Rafa eu tô bem! quando eu sair do hospital eu e seu irmão vamos  pra casa do seu pai tabom -- ela me deu um sorriso e eu retribui-- Oi Flavia, tudo bem?

Sasa: Tudo sim --ela fala se aproximando-- eu já disse que a senhora pode me chamar de Sasa.

Deya: E eu já disse que você pode me chamar de Deya! como você está bonita hoje, cuida do meu bebê  enquanto eu tô fora tá?

Rafa: Mãe, eu já tenho 21 anos...

Deya: Mas pra mim você ainda é meu bebê.

Sasa: Pode deixar Deya, que eu cuido do teu bebê --ela fala encostando a cabeça no meu braço.

Deya: E o Felipe? ele tá bem, como está a filha dele?

Rafa: Esta tudo bem sim, e com ela também está.


Nessa hora a enfermeira bateu na porta e disse que já tinha dado o tempo de visita, nós fomos em direção ao hotel para pegar nossas malas para ir ao aeroporto pois daqui a um tempo era hora do nosso vôo.

Sasa: Eu te amo Rafinha -- ela fala segurando minha mão. 

Rafa: Eu também te amo...


Notas Finais


"Mano eu prefiro Cellps do que Cellyu"

-Henrique


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...