História Cemitério De Rosas - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hora de Aventura
Personagens Jake, Marshall Lee, Princesa Jujuba
Tags Aviso, Homicidio, Rosas, Transexual
Visualizações 23
Palavras 1.310
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia)
Avisos: Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi...bom eu realmente não tenho muito o que dizer sobre essa one-shot...

Irei lhes pedir apenas uma coisa , leiam o capítulo com "How To Draw" do The 1975 no repeat.

Enfim...ignorem os erros okay ? Boa leitura

Capítulo 1 - Capítulo Único : Room 409


Fanfic / Fanfiction Cemitério De Rosas - Capítulo 1 - Capítulo Único : Room 409

~¤■CAPÍTULO ÚNICO, CEMITÉRIO DE ROSAS■¤~

                                                      -just love

Um quarto de hotel guarda dentro dele várias histórias. Milhares de pessoas já passaram por aquele local , várias coisas já aconteceram. Quando uma história acaba de ser contada , logo em seguida outra já começa a ser gravada nas paredes brancas e sem graça daquele quarto.

E naquele quarto de número 409 várias histórias já foram gravadas . Tristes e alegres ; gritos e risadas ; discussões e declarações de amor; lágrimas e sorrisos. No quarto 409 , mil e uma histórias nas paredes brancas gravadas estão.

Porém, dessas mil, irei lhes contar apenas um dos mais antigos acontecimentos que ali estão eternizados  .

Irei lhes contar a história de uma garota chamada Bonnibel Bubblegum ; uma bela e linda garota transexual de apenas dezoito anos.

Ou , mais especificamente, como a vida da mesma chegou ao fim.

Peço-lhes que se acomodem e que se conhecem alguém transexual , não peça para ela se matar ou algo estúpido parecido com isso . Peço-lhes que ajudem esta pessoa , para que o acontecido no quarto 409 não se repita. 

Tudo começou em uma noite de Natal , Bonnibel alugará um quarto de hotel para ela e seu namorado Marshall. Ao apresentar seus documentos, lá estava seu nome de registro, estampado naquele papel esverdeado , fazendo-a se envergonhar do que se encontrava escrito ali.

Aquele não era seu nome , aquela maldita foto não era de fato ela. Era uma versão que já não existia mais da mesma.

O homem que lhe atendeu , logo lançou um olhar de nojo para a garota à sua frente , como se a mesma fosse algum tipo de inseto repugnante.

Com um falso sorriso nos lábios sádicos, lhe devolveu os documentos e junto entregou-lhe as chaves do quarto.

O quarto 409

O choque de Bonnibel ao encostar na mão do homem foi de uma sensação ruim preenchendo seu peito. Com um baixo "obrigado" , a garota guardou seus documentos em sua bolsa e se dirigiu até o elevador.

Subiu até o andar do quarto com um sorriso bobo no lábios, pensava a todo segundo em qual seria a reação de seu namorado ao ver a surpresa que estava preparando para ele.

Marshall cresceu junto da garota , quando Bonnibel lhe contou sobre não se identificar como um garoto , foi ele quem apoiou a mesma. Foi Marshall quem se meteu em diversas brigas para defender a amiga e futura namorada.

Bonnibel era fodidamente apaixonada pelo garoto , não lhe importava se o mesmo vivia se metendo em confusão.

A mesma lembrava muito bem de quando ambos eram crianças. Bonnibel sempre carregava consigo band-aids para quando o amigo caísse de sua bicicleta e se machucasse ela poder cuidar dele.

Sentia falta daqueles anos , nada importava para eles contanto que estivessem um com o outro.

Agora , Marshall tinha que se preocupar com seu trabalho para poder sustentar sua casa e Bonnibel não podia desviar a atenção de seus estudos.

Enquanto a Bubblegum se banhava , o homem que lhe atendeu alguns minutos atrás pensava nas diferentes maneiras de fazer a garota de cabelos tingidos de rosa sofrer.

Simplesmente e unicamente pelo fato da mesma ser uma menina transexual.

Que convenhamos, não faz porra de diferença nenhuma. 

Estuprá-la ? Não...ela iria gritar e entregar ele na mesma hora.

Esfaquear ? Iria fazer muita sujeira.

Atirar na cabeça dela ? Iria ser rápido, e a sujeira não iria ser tão grande quanto o de facadas .

A mente daquele homem era doentia , sádica. Ele é o exemplo perfeito de um "ser humano" filho da puta que nunca deveria ter nascido.

Enquanto Bonnibel caminhava para fora do banheiro e se dirigia até a bolsa que havia levado consigo , o homem corria para uma parte abandonada do hotel , onde armas e mais armas se encontravam ali.

No quarto 409 , a garota animadamente telefonava para o namorado , o convidando para passar o Natal ao lado dela.

Após a resposta positiva do rapaz, com um sorriso estampado no rosto Bonnibel colocou o vestido escolhido e caminhou até a espécie de penteadeira que ali se encontrava. Se sentou defronte ao espelho e encarou seu rosto.

Seu rosto havia mudado desde que começou com a terapia hormonal.

Mas Bonnibel ainda se sentia desconfortável , odiava aquilo que se encontrava entre suas pernas e odiava o modo no qual algumas pessoas - estúpidas - a tratavam.

"Ele" era a pior das ofensas que alguém poderia dizer para a mesma.

Ela procurava ser quem ela realmente era , procurava sua felicidade em todo o canto .

Procurava algo e nunca achava , do mesmo modo que um pássaro procura uma bela flor em um jardim sem vida.

Guarde isto.

Algumas lágrimas desciam pelo belo rosto da garota ao lembrar de tudo o que passou. Bonnibel havia passado por coisas que ninguém merece passar , simplesmente pelo fato de ser transexual.

O que estava prestes à acontecer é um desses ocorridos.

Enquanto Bonnibel se levantava e se dirigia até a janela , para observar a paisagem da cidade de Nova Iorque e enquanto Marshall abotoava sua camisa e ajeitava seu cabelo ; o homem carregava a arma em sua mão com uma expressão doentia.

O homem caminhou silenciosamente pelos degraus, não queria ir pelo elevador pois achava que a adrenalina em seu corpo iria se dissipar mais rápido do que o mesmo desejaria.

Bonnibel tornou a se sentar em frente à penteadeira e com suas maquiagens ao seu lado, se colocou a maquiar seu rosto.

Marshall acabará de sair de uma floricultura, havia comprado um belo buquê de rosas vermelhas apenas para ver sua namorada sorrir para ele.

Uma sensação ruim preenchia seu peito , o que o fez começar a caminhar mais rápido .

Bom...de nada adiantou.

Quer saber o que ocorreu com sua namorada enquanto o mesmo ensaiava algumas palavras fofas para dizer à namorada?

Eu irei lhe contar.

Enquanto Marshall caminhava pelas ruas de Nova Iorque, o homem chegou até a porta 409 com a arma em punhos , sua namorada sentada de costas para a entrada do quarto sorrindo enquanto se maquiava , sem nem imaginar o que aconteceria em seguida.

No segundo seguinte , o homem silenciosamente abriu a porta do quarto com uma chave cópia que havia pego minutos antes , e como Cigarette Daydreams - Cage The Elephant estava à tocar no local , soando por todo o quarto , a garota não notou o homem doente em sua porta.

Enquanto Marshall estava a uma quadra do hotel, o homem caminhava até sua namorada, com a arma apontada para a cabeça da mesma.

Pensou mais uma vez em tudo o que poderia acontecer logo após ele apertar o gatilho , mas seu preconceito estúpido falou mais alto.

E um segundo bastou. 

Um segundo bastou para colocar um fim naquela história que estava sendo gravada no quarto.

Por conta de um preconceito, uma vida foi perdida , uma história se encerrou ali, no quarto 409. A história daquela bela garota transexual teve seu final .

O homem logo do quarto se retirou com um sorriso orgulhoso nos lábios. "Menos um viado para encher o saco" pensava o mesmo.

Marshall estava na entrada do hotel, e o mesmo homem que minutos atrás ceifou a vida de sua amada garota, lhe deu permissão para subir ao quarto 409.

Mal sabia Marshall que naquele Natal o mesmo ganharia o pior presente de sua vida . Mal sabia ele que ao chegar no quarto com o número 409 gravado na porta , veria sua namorada com uma bala na cabeça.

Mal sabia ele que ao chegar no quarto encontraria a garota que procurava flores morta no chão do quarto.

A garota que procurava flores e morreu sem saber que a primavera morava dentro dela . 

Agora seu corpo não passava de um cemitério de rosas. 


THE END


Notas Finais


Desculpe se a one-shot estiver uma porcaria, conserto os erros depois

Bjuusss e tchau , amo vocês


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...