História Centuries - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Book I, Bts, Centuries, Época
Visualizações 36
Palavras 2.552
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Self Inserction, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - VI. Confiança


Conforme o tempo passava as esperanças de Haneul também iam sumindo. Já fazia mais de um mês que estava confinada naquele palácio e não fazia a menor ideia de como havia chegado ali ou o motivo de estar naquele lugar. Em determinados momentos conseguia ouvir vozes em sua cabeça, aquilo a assustava, reconhecia as vozes por ser muitas vezes de Taehyung e Areum, mas não entendia por qual razão as ouvia.

No meio da madrugava acordada e se angustiava por tudo aquilo não ser apenas um sonho, já havia aceitado que aquilo era a mais pura realidade e não entenderia como chegou ali ou o que havia acontecido com ela. Costumava chorar baixinho durante o resto da noite, depois da princesa Areum ter lhe dito sobre os ouvidos nas paredes, não podia confiar nem na sua própria solidão.

Acabou fazendo algumas amizades, se é que podia considerar amizade qualquer pessoa ali. Ficou cada vez mais próxima de Jisoo, mas em relação aos príncipes ela somente os via poucas vezes e não falava constantemente com eles — com exceção de Taehyung que várias vezes dava um jeito de perturbá-la —.

Passou a ajudar na cozinha, na faxina e no jardim. Mesmo sendo algo pesado, Haneul gostava de estar ocupando sua mente com várias coisas para que não desabasse como costumava acontecer à noite. Sentia falta de sua antiga vida e mesmo que os últimos acontecimentos no qual lembrava não fosse um dos melhores, era melhor estar em sua vida normal do que em um lugar completamente diferente do que estava habituada. Precisava se conter quando acontecias coisas no qual não concordava, mas se discordasse da política do ano em que se encontrava seria pior para ela e uma das coisas que Haneul queria manter distância era do rei que já demonstrava ser uma pessoa séria e severa demais comparado a Rainha Nayeon.

Certo dia enquanto ajudava uma mulher com a roupa para lavar viu o terceiro príncipe passeando pelos arredores do palácio com uma expressão nada boa, seu relacionamento com sua futura esposa só piorava conforme o tempo passava. Hye Soo era uma garota complicada, nunca era agradada facilmente e nunca demonstrava estar satisfeita com a vida que tinha. Hoseok tentou várias vezes lhe presentear com joias, vestidos com tecidos caros e vários outros presentes de valor, porém nada lhe agradava. Sempre que estavam a sós era fria e rude, nunca deixou nem mesmo seu noivo tocar-lhe na mão. Haneul sentia dó do príncipe, ele não merecia estar sofrendo daquela forma.

Talvez aqueles gestos de Hye Soo fizesse Haneul odiá-la mais do que a “odiava” em sua outra vida. Mesmo ela não querendo nada com seu namorado, não conseguia olhá-la sem lembrar que aquela garota também estava no coração daquele que amava.

Pensou em conversar com o príncipe, mas a sua reputação não era boa entre os moradores e funcionários do palácio e não queria piorar sua situação, mas não conseguia ficar apenas o assistindo andar sério e chateado pelos corredores daquele enorme lugar e não poder fazer nada. Na outra vida Hoseok era seu vizinho, não conversavam muito mas Haneul tinha muita consideração por ele.

Estendeu algumas das roupas e ignorou todos os avisos que seu cérebro lhe dizia sobre a sua reputação naquele lugar. Não se importava em ser conhecida como vulgar ou outros nomes pejorativos que lhe diziam pelas costas.

Hoseok estava com uma flor na mão e lentamente arrancava suas pétalas enquanto mantinha um semblante sério. Usava roupas folgadas, uma camisa branca, calças pretas e botas marrons, não se sentiu confortável para estar bem apresentável para a sua noiva. Do que adiantaria? Ela o odiava e não escondia isso, até a sua própria mãe notou os foras que recebera de Hye Soo e lamentou por ele. Infelizmente Nayeon não podia fazer nada, não podia passar por cima das ordens do rei e infelizmente era Minseok que se responsabilizava pelo casamento de seus sete filhos.

Aproximou-se lentamente do príncipe e pensou novamente se deveria falar com ele ou não, nunca se falaram mas se viam nos corredores do palácio e este, educado como sempre foi, lhe cumprimentava com um aceno de cabeça, mas nunca passava disso.

Deu um suspiro e aproximou-se do príncipe até ficar ao seu lado, olhou para a flor já quase despetalada e procurou algo para dizer, mas não foi preciso. Quando menos esperou o terceiro príncipe a olhou um pouco cabisbaixo e começou a falar:

— Você me acha inútil? — Simples, ele perguntou.

— Como? — Haneul não o compreendeu.

— Você me acha inútil? — Repetiu a pergunta. — Acha que sou apenas mais um na linha de sucessão que só por causa do meu título as pessoas se veem obrigadas a gostarem de mim?

Haneul não o respondeu de imediato, estava chocada demais para pensar em alguma resposta mas logo se recompôs.

— Não acho que vossa alteza seja inútil, mesmo estando a pouco no palácio notei que é uma boa pessoa e que seus súditos lhe respeitam muito...

— Por causa de quem eu sou — A interrompeu.

— Não acredito nisso!

O príncipe deu uma risada nasalada e cruzou os braços enquanto olhava para a moça em sua frente.

— Pois foi isso que ela me disse.

— Ela quem?

— Hye Soo — Hoseok pareceu amargurado em pronunciar o nome da noiva. — Ela me disse que eu era inútil e que as pessoas gostavam de mim por obrigação, que eu era detestável e que não fazia jus ao meu título.

— Ela disse isso? — Haneul sentiu-se incomodada com a confissão do príncipe. — Pois ela não sabe do que fala!

— Como pode ter certeza?

— Senhorita Soo ao menos tentou conhece-lo de forma correta? — Negou. — Tentou lhe dar uma chance mesmo sabendo que vossa alteza não está confortável com este casamento tanto quanto ela? — Mais uma vez sua pergunta foi negada. — Então como ela pode tirar essas conclusões sendo que não conhece o príncipe direito? Me desculpe dizer isso mas sua noiva não é digna de receber um título no futuro, não sei o que aconteceu para que ela agisse de tal maneira com o príncipe.

— Como posso fazê-la me dar alguma chance para que possamos fazer com que este casamento não seja um desastre? Eu não quero ficar em um casamento infeliz.

— Infelizmente não posso ajudar vossa alteza, pelo menos não imediatamente. Conversei com Hye Soo apenas uma vez e confesso que não foi uma experiência agradável, mas aconselho a tentar descobrir seus gostos e surpreendê-la usando isso ao seu favor.

Hoseok ficou em silêncio, apenas olhando para aquela garota que nem sequer sabia o nome — ou ao menos não lembrava — conversando com ele como se fossem próximos. Em toda a sua vida nunca teve uma conversa tão íntima sobre si com uma funcionária do palácio, não sabia de onde aquela garota havia surgido, mas por um momento sentiu que a presença dela lhe agradava. Era inteligente, bonita e audaciosa, não era qualquer uma que chegava perto dos príncipes como se não fosse nada, pelo menos não quando não tinham segundas intenções. Hoseok não era tolo, via como algumas moças no palácio reagiam perante a ele na esperança de tê-lo por somente uma noite, mas aquela garota em sua frente não parecia assim.

Deu um sorriso para ela e logo algo passou por sua cabeça.

— Não deveria estar com a sua princesa? — Mudou inesperadamente de assunto.

— Princesa Jisoo me deixa ficar ajudando nas tarefas do palácio quando quer ficar sozinha — Haneul abaixou a cabeça no momento em que sentiu o tom de voz do príncipe mudar para algo que soava como autoritário.

— Por favor, não se direcione a mim com tanta formalidade — Hoseok notou seu movimento. — Acabei de me expressar intimamente para você e não quero que me trate como seu superior.

— Mas vossa alteza é...

— Sou seu amigo — Sorriu.

— Meu amigo?!

— A partir de agora não quero vê-la chamar-me por “vossa alteza”, “príncipe” ou outros títulos formais dados a mim, pode me chamar de Hoseok ou usar o pronome você. A maneira como você tenta ter cuidado com as palavras enquanto fala comigo por eu ser seu príncipe me assusta!

Haneul não conseguiu conter-se e deu uma gargalhada com a confissão de Hoseok.

— Mas o lance de sermos amigos é sério mesmo? — Passou a usar uma linguagem mais informal e Hoseok arqueou as sobrancelhas pela forma como Haneul começou a falar, não era algo que já tivesse ouvido.

— Sim...

— Então você quer ser meu amigo? — Haneul sorriu.

— Estranhamente eu senti a necessidade de que precisava confiar em você. Eu sei, é estranho. Mas você passa confiança.

— Fico feliz em saber que pensa assim. Não se preocupe, darei meu melhor para não decepcioná-lo em nossa futura amizade que começa a partir de agora — Haneul levantou o dedo mindinho e Hoseok a olhou com uma expressão confusa. — Promete que não vai se chatear tanto com a sua noiva?

— Como não se chatear?

— Saiba que nada do que ela fala é verdade, você é uma pessoa incrível e que merece todo o mundo.

Hoseok deu uma risada fraca. De onde tinha surgido aquela garota?

— Eu... Tentarei...

A garota continuou olhando para o príncipe, este que estranhou quando Haneul passou a olhar para a sua mão e para o seu rosto constantemente. Não sabia o que ela estava esperando com o mindinho levantado.

— Seu dedo mindinho...

— O que há de errado com meu dedo? — Levou as mãos até a altura de seus olhos e tentou procurar algum defeito em seu dedo mas falhou miseravelmente.

— Não... — Haneul riu. — Uma pessoa importante para mim me ensinou que as melhores promessas são feitas com o pacto do dedo mindinho, essas promessas são as mais belas, mais fortes e não podem ser quebradas.

— O que aconteceu se eu quebrar a promessa de não me chatear com a minha noiva?

— Terei que cortar seu dedo — Hoseok arregalou os olhos e arrancou uma risada de Haneul. — Estou brincando! Levante o seu dedinho assim! — Repetiu o movimento e foi acompanhada pelo príncipe. — Agora enlaçamos nossos dedos e os movimentamos para cima e para baixo como um cumprimento, assim estaremos selando a promessa.

Lembrava-se perfeitamente com quem havia aprendido aquele pacto mas procurou não pensar nisso, não queria mais ter flashs de memória que envolvesse Taehyung, tentaria evita-los a todo custo.

Da janela de seu aposento um príncipe olhava lá de cima a aproximação de seu irmão com a dama de companhia da princesa Jisoo. Não sabia a quanto tempo eles conversavam mas desde o momento em que foi até a sacada de seu quarto os viu conversando e ambos sorriam um para o outro. Sentiu-se enciumado com aquela cena, seu irmão e Haneul estavam bem próximos e não se lembrava de saber se os dois já eram amigos antes disso. Sentiu seu rosto ficar quente de raiva quando viu os dois entrelaçarem seus dedos e rirem mais.

Aquilo não estava certo! Hoseok iria se casar logo após Yoongi e não deveria estar tão próximo a outra mulher, deveria estar assim com a sua noiva.

Pelo menos era isso que se passava na cabeça de Taehyung, estava completamente descontente em presenciar aquela cena. Não entendia o que se passava dentro de si mas desejou que Haneul não ficasse tão próxima de seus irmãos — ou qualquer outro homem —, principalmente de Hoseok.

Desde quando eles haviam ficado tão íntimos?

Bufou e saiu da sacada, não queria presenciar mais uma cena daquelas e para evitar que algo assim acontecesse de novo ele teria que manter Haneul afastada dos seus irmãos, mas como faria isso? Não iria obrigar a garota a deixar de falar com os príncipes, aquilo era ridículo! Mas a ideia de que ela poderia se aproximar mais dos outros do que dele lhe dava nós no estômago e descontentamento.

Saiu do quarto ainda pensando nisso e nem notou a noiva de Hoseok que lhe cumprimentou com um movimento de cabeça mas foi ignorada com outro bufo do rapaz. Hye Soo estranhou o comportamento do príncipe, ele estava sempre com um sorriso no rosto e animado, mas naquela manhã ele parecia emburrado e chateado com alguma coisa. Não se importou tanto com isso, afinal, não era próxima da família real para perguntar-lhe os seus problemas e nem queria. Deu de ombros e foi até o local em que lhe disseram que estaria a biblioteca.

Era apaixonada por livros e ao ouvir os relatos sobre a biblioteca real ficou tentada em ir até lá. Em uma das conversas com seu noivo ele acabou lhe dizendo a localização da biblioteca, quis agradecer, mas não podia. Hye Soo ainda teria que manter a postura rude e fria que havia adotado para proteger-se.

Chegou até a enorme porta de madeira bem polida e com detalhes em ouro e sem esperar muito a abriu se surpreendendo com o que havia atrás da porta. A biblioteca era maior do que pensava e seu coração só faltava sair pela boca enquanto passava os olhos pelo lugar. Havia estantes em todos os lugares e uma quantidade de livros que poderia ler até o final de sua vida. Aquele era o lugar mais bonito que já havia visto em toda a sua vida!

Entrou lentamente na biblioteca ainda completamente encantada, mas seu sorriso desfez imediatamente quando viu um homem no meio da biblioteca sentado no chão com vários livros a sua volta. Quando este a notou deu um leve sorriso.

— Olá — Ele falou.

— Ah... Desculpe-me alteza — Curvou-se. — Não sabia que estava estudando aqui, posso voltar numa outra hora...

— Não, espere! — O quarto príncipe levantou-se lentamente. — Gosta de ler? — Hye Soo assentiu lentamente. — Pode ficar à vontade! Eu realmente não me importo com outras pessoas aqui enquanto estou. Na verdade eu não estava estudando, estava apenas lendo alguns livros para me distrair.

— Vossa alteza também gosta de ler?

— Minha paixão é a literatura e a astronomia.

Hye Soo não conseguiu evitar o sorriso, mesmo estando proibida por si mesma a sorrir para qualquer pessoa.

— Não entendo de astronomia, mas sou completamente apaixonada por literatura.

— Sério? Então insisto em que fique e escolha algum livro para ler.

— Não será incomodo?

— Já disse que não! — A garota assentiu e foi até uma das estantes. — Acho que não fomos devidamente apresentados na noite em que você chegou — Hye Soo voltou sua atenção ao príncipe. — Me chamo Namjoon, quarto na linha de sucessão e amante da cultura nas horas vagas — Brincou, fazendo com que a garota risse.

— Me chamo Hye Soo, noiva do terceiro príncipe e futura escritora — Seu coração doeu ao dizer que era noiva.

— Uma mulher escrevendo?

Seu sorriso se desmanchou.

— Só porque sou mulher não significa que sou incapacitada de escrever.

— Não quis dizer isso! — Namjoon pareceu apreensivo quanto a isso. — Quis dizer que em nossa política ética e moral as mulheres escreverem é visto como algo... incomum. Não vejo como uma tarefa encarregada somente aos homens, afinal, mulheres têm o poder da imaginação tão fértil quanto o nosso.

— Oh... — Hye Soo não sabia o que responder.

— Gostaria de um dia poder ouvir uma estória de sua autoria.

O rosto de Hye Soo esquentou e rezou para que não estivesse muito vermelha, não queria passar vergonha em frente ao quarto príncipe. Tinha muitas estórias em mente e um bom ouvinte não seria uma ideia ruim.

— Será uma honra ter vossa alteza como meu primeiro ouvinte e leitor — Esboçou um enorme sorriso.


Notas Finais


Genteeeee, qualquer erro por favor me avisem para que eu possa revisá-lo e arrumá-lo, já revisei o capítulo anterior e alterei pequenas coisas, mas nada que comprometa a história. Enfim, muito obrigada pelos comentários de vocês, eu li com muito carinho e logo estarei respondendo vocês, perdoem essa autora malvada que deixa pra responder vocês de última hora e não desistam de mim :3

Enfim, não odeiem totalmente a Hye Soo, ela não é uma má pessoa e é uma das personagens mais fortes da fanfic, ela apenas está tentando se defender das najas que é essa gente que mora no palácio hehehe.

O que acharam dessa interação da Haneul e do Hoseok? E o TaeTae com ciúmes hehehehe,

Até mais!!! ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...