História Centuries - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Acnologia, Alzack, Angel, Aquarius, Aries, Azuma, Bacchus Groh, Bickslow, Bisca Connell, Cana Alberona, Câncer, Capricórnio, Carla (Charle), Chelia Blendy, Doranbolt, Droy, Elfman Strauss, Erik (Cobra), Erza Scarlet, Eve Tearm, Evergreen, Freed Justine, Frosch, Gajeel Redfox, Gemini, Gildartz, Grandine, Gray Fullbuster, Happy, Hibiki Lates, Ichiya Vandalay Kotobuki, Igneel, Ivan Dreyar, Jellal Fernandes, Jet, Juvia Lockser, Kagura Mikazuchi, Kinana, Laxus Dreyar, Lector, Levy McGarden, Libra, Lisanna Strauss, Loki, Lucy Heartfilia, Lyon Vastia, Macao Conbolt, Makarov Dreyar, Mavis Vermilion, Meredy, Midnight, Millianna, Minerva Orland, Mirajane Strauss, Natsu Dragneel, Nikora "Plue", Ophiuchus, Orga Nanagear, Pantherlily, Personagens Originais, Pisces, Ren Akatsuki, Rogue Cheney, Romeo Conbolt, Rufus Lore, Scorpio, Silver Fullbuster, Skiadrum, Sting Eucliffe, Taurus, Ultear Milkovich, Ur, Virgo, Warren Rocko, Wendy Marvell, Zeref
Tags Gale, Gruvia, Jerza, Nalu
Exibições 221
Palavras 11.975
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Yo Minna!...

CALMA AI!! ANTES QUE VOCES TENTEM ME MATAR SAIBAM O MOTIVO DE EU NAO TER POSTADO!!! 

Na realidade n tem motivo.
Ss, vcs podem me assassinar agr.Eu apenas n conseguia escrever, entao tirei ferias por assim dizer.

"Mas Autora-chan! Voce mesma nao disse que tinha planejado os proximos 3 caps e que iria começar a postar semanalmente?"

Entendam que sim, eu planejei detalhadamente, sei tudo o que devo e quero colocar nos proximos 3 caps, mas planejar é completamente diferente de fazer. Eu n tava tendo nenhuma inspiraçao e se eu postasse o que eu escrevi apos uma semana do cap anterior eu iria me suicidar. Para vcs terem ideia ficou tao ruim q eu tive vontade de tacar fogo no meu cel (por motivos obvios eu n fiz isso:1. Eu iria acabar com meu cel e n teria mais como postar ou se quer ver animes e 2. Por incrivel que pareça eu n faço ideia de qual é o numero dos bombeiros), entao sorry mas eu so funciono quando estou inspirada e isso n tem acontecido ultimamente.
(Hiro desgraçado n tem me dado Jerza e isso é frustante. Fazem mais de 25 caps velho, sei que é um anime shonen mas porra bem q podia ne? )

Muitos de vcs devem estar com raiva eu imagino, mas infelizmente n tem como eu criar algo sem estar motivada e eu quero escrever uma fic q façam vcs se sentirem exatamente como os personagens, uma que se tiver um momento triste façam vcs leitores chorarem, se tiver momentos engraçados façam vcs rirem e se tiverem tretas façam vcs ficarem ansiosos e animados e é por isso que eu tomo um meticuloso cuidado ao escrever os caps.

Leio a fic inteira uma duas e ate tres vezes se for necessario para me manter atualizada de todas as coisas que escrevi e n confundir vcs, demoro mais de 24 horas para fazer um cap sem pausas e semanas se tiver escrevendo de pouco a pouco. Sinto-me mal por fazer isso com vsc mas se eu quiser dar um bom trabalho para vcs tenho que criar caps que eu ache incriveis.

Mais uma vez peço desculpas para vcs, mas n tem como eu mudar o meu jeito de fazer as coisas para agradar vcs, eu tentei mas n gostei de mim mesma naquele momento, eu cansei de dar desculpas.

Alias agradeçam a fic "As Máscaras de Sakura" e ao anime que esta escrito no meio do cap pq se n fossem eles eu iria demorar mais um bom tempo para postar.

O cap provavelmente ficou gigante, pse desde q eu experimentei n consigo mais fazer caps pequenos sorry a aqueles q n gostam de caps grandes (E na minha opinião eu n sei o q vcs fazem perdendo tempo com a fic q obviamente tem caps enormes).

Chega to enrolando vcs demais aqui.

Vejo vcs la embaixo!!!

Capítulo 17 - O Fim Não Esta Próximo...


Fanfic / Fanfiction Centuries - Capítulo 17 - O Fim Não Esta Próximo...

-Tenha cuidado ao fazer desejos no escuro
Não se pode ter certeza quando eles atingiram a meta
E alem disso no meio, meio-tempo
Eu estou apenas sonhando em acabar com você
Eu estou em detalhes com o Diabo
Então agora o mundo nunca poderá alcançar meu nível
Eu apenas tenho que te tirar da jaula
Eu sou a raiva de jovens amantes
Precisarei de uma faísca para incendiar

Minhas Canções Sabem O Que Você Fez No Escuro

      -My Songs Know What You Did In The Dark, Fall Out Boy.

#Lucy

 Suspiro de desânimo.

Fala sério. Isso é uma puta sacanagem!

Quando finalmente descobrimos quem é a "Filha Da Puta-san" eu sou derrubada por um MALDITO VENENO!!!!

Affs.

Meu estômago reclama por falta de alimentos fazendo-me franzir o cenho. Levanto do leito ao qual estava desde que acordei o que sinceramente é uma chatice.

Reviro os olhos por conta de toda aquela preocupação em torno de mim. Já conseguia caminhar sem meus músculos rebeldes me enchendo o saco.

Andei calmamente em meio silencio. Todos haviam saído para impedir o Projeto Eclipse, Porlyusica-san voltou apenas com um pequeno frasco cheio de comprimidos orientando-me a tomar dois por dia durante 2 semanas. Exagero? Também achei, mas é a velha que entende dessas coisas, se ela mandou tenho que fazer.

Pego qualquer coisa comestível que encontrou e tentou comer sendo aos poucos sufocada por aquela mórbida falta de sons.

Bufei inconformada comigo mesma indo para fora do abrigo.

Segurando o pedaço restante do sanduíche observo a pequena campina antecessora do enorme penhasco ao qual era tão alto que poderia se ver toda cidade. Um forte vento frio, por conta das árvores que camuflavam o esconderijo aos arredores da capital, passa fazendo me tremer de leve com a sensação que o mesmo trouxe consigo.

Não gosto dessa sensação. Esse sentimento ruim que aperta o peito e faz um pânico revirar o estômago.

Ajeito o cachecol sentando na beira do penhasco terminando meu lanche. Observo o objeto com carinho, o cachecol branco com pequenos quadrados perfeitamente alinhados uns aos outros desenhados por linha preta era grande demais para mim, eu nunca viajava sem ele, era meu porto seguro.

Sorri olhando para o grosso pedaço de tecido cuidadosamente enrolado em meu pescoço. Eu não sabia por que, mas sempre associava aquele monte de pequenos quadrados a escamas de Dragão.

Algo bobo eu sei, mas ele comentou isso quando me deu. Me agarrei com todas as forças a aquilo para não desmoronar que acabou se tornando algo frequente.

Pois é... Faz muito tempo que eu não penso nele.

Como será que está? Conseguiu fazer seu coração parar de chorar?

Rio me achando uma tola. Mais é claro que ele conseguiu! Ele me salvou com poucas palavras e um cachecol, porque não iria conseguir salvar a si mesmo?Como era mesmo?

"-Se Estrelas chorassem o mundo estaria perdido, pois é no céu que as pessoas pedem ajudar. Não chore, aposto que fica mais bonita sorrindo, não?"

Sorrio.

Sim, Estrelas não choram. Elas ficam mais bonitas sorrindo.

Olho para elas, brilhando no meio da noite. Espero que todos derrotem seus oponentes. 

#Natsu

Rosno de raiva desviando de um de seus ataques.

-Ahh Qual é? Porque você não se transforma logo hein? Quero lutar contra um Dragão e não um garoto esquentadinho -ouço aquele maldito dizer entediado.

Por mais raiva que eu sentisse e a vontade de libertar meu Lobo que rosnava constantemente para o Eucliffe não faltasse, eu não podia me transformar. Não até descobrir que merda era aquela!

Controlo a ansiedade e a leve dor em meu abdômen. Lobisomens eram fracos contra ataques e locais sagrados, isso não é novidade para ninguém.

Volto a uma sequência de ataques, socos e chutes sem nenhum padrão definido. Esquerda, direita, baixo ou cima. Tanto fazia.

Sting defendia facilmente meus ataques, embora preferisse desviar e isso estava me incomodando.

Mesmo na forma Humana, eu ainda posso usar grande parte de minha força. A agilidade nem tanto, mas no poder de meus ataques... Eu sabia que um Slayer não suportaria muitos sem algum dano, nossa força sobressai até nos Vampiros. Havia algo errado e eu iria descobrir o quanto antes.

Sorrio de lado o socando no rosto por ter aumentado minha agilidade de repente e o mandando longe com um enorme hematoma.

-Quer um Dragão sendo que nem aguenta o soco de um garoto esquentadinho?-pergunto sorrindo de uma maneira falsa enquanto mantenho meus olhos atentos à qualquer mudança em seu estado para ter ganhado o enorme roxo na bochecha esquerda, foi quando eu notei.

O corpo do Eucliffe estava mais claro e brilhante que o corredor iluminado por tochas ao qual nos encontrávamos.

Sting levanta retirando com o punho o pequeno filete de sangue escorrendo de sua boca enquanto me observava, agora, sério.

-Você está começando a me irritar. Acho que à hora do aquecimento acabar já chegou-afirma e seu corpo brilha em uma luz branca- White Drive.

Uma aura branca repleta de magia envolve o loiro. Estreito os olhos, tá na hora de libertar alguém.

Meus ossos começam a mudar de forma e minha pele passa para um intenso tom de vermelho. Meus dentes alongam-se e se tornam mais afiados, logo a pele humana cai no chão mostrando minha verdadeira forma. Olho para baixo, encarando de cima o loiro maldito, este que me olhava fascinado. Mostro os dentes rosnando em um tom grave.

-Isso é incrível!

Dobro as patas traseiras saltando em cima do outro, este rapidamente desvia de meus dentes. Caio no chão à alguns metros de distância, viro meu corpo para trás a tempo de ver uma espécie de laser vir em minha direção. Salto novamente desta vez para a parede intacta desviando do ataque e a usando para pegar impulso e tentar morder meu oponente.

Sting desvia de minha boca mas não é rápido o bastante para fugir de minhas garras. Três cortes paralelos na diagonal rasgam sua pele e seu colete jeans fazendo meu olfato se preencher com o cheiro de sangue e meus ouvidos captarem o som repleto de dor saindo de sua garganta.

Pouso no chão ganindo por conta de minhas garras derretidas, fumaça saia delas por causa do revestimento de luz, agora sagrada, que dá uma maior proteção a seu corpo.

Ódio esquenta meu sangue fazendo meu pelo vermelho se tornar intenso e meus olhos brilharem em ira.

Balanço a cabeça para os lados desviando dos sentimentos negativos, mantendo assim meu controle sobre o Lobo.

-Essa doeu pra caralho Dragneel!!!-reclama Sting virando de frente para mim. Analiso seu corpo enquanto ele gira, meus olhos analíticos rapidamente encontram uma tensão muscular no braço que eu torci minutos atrás.

Encontrei uma fraqueza, agora só preciso descobrir como retirar aquela camada de luz sagrada ao seu redor...

Arregalo os olhos sentindo meu coração falhar uma batida. Uma enorme energia atravessa meu corpo quadrúpede fazendo minhas pernas se tornarem leves e minha mente em branco. Sinto aquela onda de adrenalina já muito conhecida atravessar cada vaso sanguíneo presente em meu sistema cardiovascular, suor cai em meus olhos com o súbito calor infernal. Sting a minha frente arregala os olhos assustado.

-I-Impossível...

Um tornado de emoções são sentidos por meu coração. Isso é sufocante.

Raiva. Dor. Impaciência. Ódio. Tormenta. Aflição. Ansiedade. Ira. Cansaço. Fome. Sede. Fúria...

E a única informação processada em meu cérebro antes de tudo se tornar branco é:

Matar O Inimigo. 

#Gajeel 

Gargalho alto diante de tal afirmação.

-Parece que você não entendeu a situação- meus ouvidos captam a fala alem de minhas risadas. Olho-o com um sorriso no rosto enquanto limpo as lagrimas.

Sorriso este que morreu instantaneamente ao sentir uma pressão mágica alterar o ar a minha volta.

-Acho que terei de lhe explicar de outra forma-diz largando a faca e o soco inglês no chão.

Arregalo os olhos ao ter a visão do culpado dessa súbita mudança. Um forte vento atravessa meu corpo em direção a Ryos circundando-o e se transformando na cor preta. Não acredito! Ele... ?

Algo bate em meu tórax no exato lugar em que minhas costelas foram partidas trazendo uma intensa onda de dor a meus nervos e fazendo sangue sair de minha boca.

Vôo por alguns metros até que minhas costas batem em uma superfície de metal, em meio a minha visão turva e os ouvidos zunindo posso escutar vidro se quebrando e uma risada que parecia ser realizada por 2 vozes ao mesmo tempo.

Pisco um par de vezes tentando me recuperar e tento sem sucesso levantar de onde fui jogado. Minha visão disforme logo volta ao normal e a imagem mostrada por meus olhos é tão surreal que penso estar em um sonho. Ou melhor...

Em um pesadelo jamais imaginado.

Ryos estava a minha frente e mesmo não sendo de nenhuma raça surpreendente podia perceber que havia algo de muito errado com ele.

O outro Redfox era um Humano assim como eu, uns dois anos mais jovem, porem continuava a ser da raça superior mais fraca.

E na visão de meu pesadelo ele irredutivelmente parecia um Slayer. Seus cabelos negros estavam para cima como se o mesmo tivesse levado um choque e de uma forma cômica manteve seu cabelo emo; o único olho deixado a vista transmitia um brilho vermelho; em seu corpo listras negras marcavam presença, parecidas com as de um tigre só que bem menores e mais triangulares; sombras o rodeavam como se saíssem do chão a sua volta ou transbordassem de seu corpo.

Alguns Humanos são mais sensíveis em relação a magia do planeta e para a minha infelicidade eu era um.

E a magia que rodeava o ser a minha frente era obscura, gritava em agonia, tão sinistra quanto aquela que eu senti quando salvei a Baixinha da Arena. Solto a respiração que nem sabia ter prendido, suor desce fresco em minha têmpora, sinto meus ossos gelarem por conta da quantidade de lamentos que eu podia ouvir sussurrando em meus ouvidos. Tudo a minha volta parecia ter perdido a importância enquanto eu era acometido a tantas vozes.

-Você os ouve não é mesmo Nii-san?

Demoro alguns segundos para perceber que ele falava comigo.

-Eles..?- sussurro baixo ainda mantendo a maior parte de minha atenção na energia intimidante.

Ele riu novamente, talvez de meu eu aéreo por conta da surpresa e sobrecarga de informações.

-Eu e você sabemos de onde vem essa magia.

Pisco um par de vezes cada vez mais atordoado. Ele fez...

Fico boquiaberto por tamanha surpresa.

Humanos como todos sabem, não possuem influencia sobre a Magia, sendo assim não são capazes de controlá-la. Entretanto se consumirem diariamente por um longo tempo sangue de Slayers, eles podem usar os poderes com os quais sua natureza mais combine.

E Ryos Redfox pelo jeito andou indo a muitas seitas que fariam religiosos o chamarem de capeta.

Meu coração começa a bater rápido demais; um bolo amargo se instala em minha garganta conforme o sentimento de perigo, de estar em perigo, aumentava. O sentimento de querer se mexer mas não conseguir.

O pânico havia me pegado de vez.

Para a minha sorte, ainda possuia reflexos e, mesmo não sendo aqueles top de linha, serviram para dois propósitos neste exato momento:

1. Salvar a minha vida desviando de um ataque destinado a minhas costelas.

(N/Inner-A:Hummmm... Rogue-kun cheio de fetiches por partes do corpo de um homem)(N/A: Pervertida! Existem pessoas inocentes lendo isso aki sabia?)(N/Inner-A: Inocentes? HAHAHAHA Mentiroooosa)(N/A: Ta podem não ser inocentes, mas pelo menos não são descarados iguais a você!)(N/Inner-A: Ah Vai me dizer que você não pensou nisso?)(N/A: {Silencio embaraçoso})(N/Inner-A:{Pose dramaticamente dramática} Autora-Chan. Que mente poluída! Hahahaha )(N/A: {Gota} Olha quem fala)

2. Transformar a dor em fogo líquido e este estava literalmente queimando meus ferimentos. Já enfiaram o dedo em gordura quente? Quando você está com a queimadura dentro da água gelada ou encostada em gelo e resolve retirar dela por nenhum motivo aparente, após alguns segundos com tudo normal uma onda surge do nada e faz seu dedo parecer estar em uma fogueira num formigamento doloroso que se transforma em um latejar constante até estabilizar em um estado suportável. Bem era assim que eu sentia todos os meus ferimentos incomodando.

Sem nem perceber, uma careta de dor se formou em meu rosto e isso estranhamente se refletiu na face de Ryos como um prazer à muito esperado, uma realização por um feito estritamente planejado.

O mais rápido que posso, levanto do chão. Não é hora para distrações, não é hora para pensar no quanto eu estou F-E-R-R-A-D-O e certamente não é hora para pânico.

Quem sabe se eu repetir isso minhas pernas param de tremer?

Meu oponente começa a atacar e eu ridiculamente tento de todas as formas escapar. Sua velocidade havia aumentado de uma maneira absurda, um de seus socos vai para o chão errando por pouco minha face e esse simples movimento abre uma pequena cratera no chão de concreto a frente do hotel. Em uma atitude desesperada começo a correr sem rumo, ao fundo posso ouvir gargalhadas de Rogue Cheney pois agora este não é mais Ryos Redfox ou talvez em nenhum momento tivesse sido e apenas agora eu percebo isso. Porem em um piscar de olhos ele aparece em minha frente lançando uma das sombras na vertical, por causa do longo treinamento com aquele Filho da Puta (acredito eu), escapei me abaixando subitamente e derrapando; e provavelmente ralando os joelhos; para a direita pulando a pequena mureta e quebrando o vidro de uma das janelas da recepção com os braços a frente do rosto mais uma vez fudendo meus braços.

Algo amorteceu minha queda, rapidamente olho para baixo, encharcado de sangue um dos caras de capuz; soldados rasos; que possivelmente tentaram impedir Juvia de passar estava morto. Ignorando isso, disparei para as escadas com os ouvidos atentos aos pequenos Cracks que se fizeram presentes ao o Slayer das Sombras entrar pelo mesmo buraco que eu. Pulando de 2 e talvez 3 degraus, subi rapidamente para o primeiro andar e ouvindo-o rir atrás; em um movimento estúpido; giro rapidamente cabeça para ter a visão de minhas costas... Nada, mas quando o otário aqui olha para frente de novo é surpreendido por uma sombra solida acertando minha barriga fazendo-me voltar um lance de escadas e acertar a parede. PUTA QUE PARIU!!!!! ADEUS COSTAS!

Caralho. To começando a achar que posso voar, não é possível!

Gemi de dor. Também né, quem não demonstraria dor? Parecia mais que eu havia sido esmagado por um rolo compressor.

Poeira se elevou do gesso destruído a partir do momento em que minhas costas faleceram inpregnando o recinto e escondendo tudo o que havia nas escadas. Engulo em seco sentindo minhas costas latejarem. Com toda a certeza eu quebrei mais alguma coisa, já tava difícil pra caralho me mover com apenas minhas costelas fudidas, agora é bem provável que eu se quer possa conseguir sair daqui.

Estou completamente, incontestavelmente, irrevogávelmente, irredutivelmente fudido.

- Você não ia me mostrar quem dava medo em quem Gajeel?

Rogue começa a rir de uma maneira que deixaria os lunáticos no chinelo.

Lembro-me do que falei no “inicio” da luta para esse maldito. Que irônico! O único que esta com medo aqui sou eu.

Talvez por ter sido pego de surpreso e me assustado por essa súbita aparição de poder.

Talvez por ter subestimado Ryos desde o inicio, não desta luta mas sim desde de que tínhamos eu tinha 6 e ele 4.

Sorrio de canto com a nostalgia que me preenche.

Um soco acerta meu abdômen levando um choque destrutivo por todo meu corpo, todas as minhas terminações nervosas parecem estar em chamas, acredito que todo meu organismo tenha virado panqueca. Eu devo ter vomitado metade de meu sangue nesse golpe.

O local girou, um barulho agudo que fazia meus ouvidos doerem apareceu.

Uma escuridão preencheu minha vista. Já era! Vou apagar de vez.

"Pianinho

Nem um pio

Todo mundo pianinho..."

Minha visão volta com tudo atordoando-me.

Pisco repetidas vezes ao ter essa lembrança atravessada em minha mente.

Que merda...?

Risadas chamam minha atenção. Finalmente observo o local.

Eu estava em um... túnel que vai pra cima? HÃ???

Tento me mover, o que obviamente não da certo. Merda que dor insuportável, é como estar se decompondo de dentro para fora, isso é agoniante.

Balanço levemente a cabeça para os lados tentando me afastar dessa tortura. Com um esforço que não faço ideia de como consegui consigo levantar a cabeça.

Um buraco na parede (que provavelmente foi aberto pelo meu corpo) mostrava uma sombra escondida na poeira, detalhe: era uma sombra com umas cinco caudas ondulando ao seu redor e os olhos brilhantes vermelhos. Para simplificar isso pode ser descrito em uma palavra: Sinistro.

Minha vista se torna turva fazendo a sombra se duplicar e depois se juntar novamente. Droga, meu corpo não vai aguentar por muito tempo.

Pensa Gajeel!

Pensa Porra!

Um pé apareceu pisando na extremidade sul da abertura, feixes de energia negra o envolviam.

Engulo em seco.

CADE VOCÊ QUANDO EU PRECISO CÉREBRO??????

Droga! Qualquer coisa que te faça viver vale!!!!

Meu oponente pega impulso indo para o quadrado metalico a qual eu estava deitado.

...

...

Quadrado metálico?

Sento lentamente e desvio o meu olhar rapidamente para baixo analisando em 2 segundos a superfície a qual meu corpo se mantinha todo arregassado. Pqp eu tava no teto de um elevador.

Rogue se mantem ereto, olhando-me de cima com arrogância, divertimento, satisfação e... Dor? Estreito os olhos.

Estou vivendo com Lobos á 3 anos, Licantropos são cauculistas e especialistas em achar fraquezas, esse é seu estilo de luta. Passei tempo o suficiente convivendo com o Salamander e o Smurf para aprender um truque ou dois.

Analiso detalhadamente o mostro a minha frente.

Há espasmos em sua perna esquerda; o lado direito de seu corpo que se mostrava pelo fato de sua regata ter se rasgado quando ele se trasnformou esta estranho parece mais escuro... parece estar sendo consumido. Como um clique, tudo fez sentido. Olho para a tatuagem, ou eu estou chapado ou ela esta mesmo pulsando. Como não pensei nisso antes? Rogue não vai aguentar ficar nessa forma por muito tempo, Humanos não são feitos para se relacionar com a magia.

Fecho os olhos e começo a rir, gargalhar de felicidade.

-Já perdendo a sanidade? Achei que duraria mais tempo Nii-san-abrindo os olhos, assisto um sorrisinho de canto mordaz em sua face de superioridade. Porem eu o conhecia a muito tempo, e mesmo passando 2 anos longe desse maldito, eu sabia o nível de nervosismo que ele carregava naquele veneno que era essa sua expressão.

Paro de rir mantendo apenas um sorriso no rosto enquanto disfarçadamente movo minha mão de maneira lenta ate a parte de trás do cinto onde mantenho algumas facas de arremeço extremamente afiadas.

-Pianinho

Nem um pio- começo a cantar vendo uma expressão de terror se apoderar de Ryos.

-Cala a boca-diz em um tom firme porem temeroso.

-Todo mundo pianinho

Palavras não ajudam

Ninguém vai lhe salvar -continuo a canção ignorando sua ordem. Ryos arregala os olhos tremendo a cada palavra, com astúcia percebo que as caudas dele ficaram agitadas.

-Para- diz novamente tentando me fazer calar a boca, ouço as vozes de sua magia ficarem mais auditivas. Sorrio transparecendo toda a satisfação que eu sentia ao vê-lo com medo de minhas palavras.

-O pianinho continua a tocar

Silenciosamente vai tocar- canto mais alto ao ver seu corpo se escurecer cada vez mais. Suas mãos tremiam e seu rosto onde não havia escuridão estava pálido.

-PARE COM ISSO!!! CALE A BOCA! CALE A BOCA!...-Ryos começa a gritar com as mãos na cabeça, não parendo de repetir a ordem para me calar.

Sinto sangue molhar minha garganta por conta do esforço tanto para me manter lúcido como para cantar a canção.

LETRAS DESCARTÁVEIS

O SILECIO DEVE SER ABSOLUTO QUANDO O PAPAI CHEGAR-começo a gritar para o mesmo continuar a ouvir. Ryos continuava com as mãos nos ouvidos gritando em agonia para eu parar de cantar, suas caudas ficaram agressivas e começaram a acertar cegamente o ar em volta do outro moreno. Minha mão estava quase alcançando a faca.

-SENÃO UMA SURRA VAI LEVAR

SE MORTO NÃO DESEJA ESTAR

O PIANINHO DEVE CONTINUAR A TOCAR-finalizo a canção em um ultimo esforço para lançar o obejeto cortante. Ryos também finaliza seus gritos em um rugido furioso e desesperado enquanto joga uma de sua caudas em minha direção ao mesmo tempo em que eu lancei a faca.

Tudo a partir desse momento pareceu ser em câmera lenta.

Meu grito de dor pelo movimento e o som efurecido e desesperado de Ryos.

O caminho lento que a faca fazia em direção á cauda.

O soriso de vitoria ao Ryos ver a faca sendo desviada por sua sombra solida.

E o meu sorriso ao ver a mesma cortar uma das cordas de aço que segurava o elevador e essa corda ir em direção ao ombro direito de Ryos.

E então tudo parece retornar a sua forma normal de tempo. O cabo rasga o ombro dele em cima da marca da Sabertooth o eletrocutando.

O Redfox cai no chão e, para a minha sorte, minhas botas continuam borracha na sola e a calça foi feita sob medida para não conduzir eletricidade sendo assim a eletricidade que passou do corpo de Ryos para a caixa metálica abaixo de nos não me afetou.

Deito exausto e extremamente dolorido no chão após deixar meu oponente inconsciente.

-Você lembra do Pianinho Ryos?-pergunto para o nada com as imagens do passado vivas em minha mente- Eu nunca esqueci.

De repente um barulho atrai a minha atenção. Um quadrado estava sendo retirado do teto por dentro do elevador.

A saída de emergência de dentro do elevador havia sido retirada.

Engulo em seco. Não posso lutar! Mal consigo me manter consciente agora!

Hoje só pode ser o dia de fuder o Gajeel!!!

#Gray

Vôo por milhares de metros sentindo o chão esfolar a pele de minhas costas. Reprimo um grunido de dor enquanto dou cambalhotas ate atingir com força o suficiente para deixar rachaduras em uma enorme pedra.

Ca-ra-lho.

Tento recuperar o ar perdido de meus pulmões por causa do impacto sentindo meu coração batendo rapidamente por conta da adrenalina da situação, sangue transborda de minha boca pois minhas presas perfuraram a língua, cuspo aquilo para fora enquanto mantenho os ouvidos em alerta para movimentações alheias.

Rufus aparece de repente na minha frente prestes a dar-me um soco, fujo usando minha velocidade máxima para escapar e pego rapidamente um galho caído quebrando ao meio e lançando em direção ao loiro.

Rufus acerta a rocha estraçalhando a mesma e vira a cabeça na minha nova direção sendo surpreendido pelo galho-lança. O Lore move a cabeça para o lado escapando de meu headshot que apenas cortou sua bochecha, milésimos após ele desviar eu apareço socando sua cara e o lançando para longe.

Corro na direção pela qual o lancei aumentando a capacidade de minha visão podendo ver o maldito usar os pés como freios, mas ao chegar mais perto do desgraçado eu mudo de direção me escondendo no meio das folhas de uma arvore ao redor da clareira a qual meu adversário foi parar.

O feitiço feito pela Porlyusica-san iria ocultar minha presença e todos os meus ferimentos já haviam se curado, essa rápida regeneração é o efeito após beber litros de sangue antes de vim para cá e mesmo ele podendo sentir o cheiro do sangue em minha calça (não lembro em que momento desta luta eu perdi minha camisa e minha jaqueta) havia muito sangue espalhado pela floresta por conta de nossos socos e chute que esmagam os órgãos um do outro fazendo uma grande quantidade do liquido vermelho vazar de nossas bocas.

Aumento a minha visão podendo ver o loiro se levantar e olhar ao redor procurando indícios meus com o nariz e olhos. Não me movo ou sequer respiro muito fundo ou rápido mesmo que meus sons (desde que eu ficasse longe do campo de visão do inimigo) e cheiro fossem ocultados pela magia.Rufus após um tempo deu um largo soriso satisfeito.

-Ora ora um feitiço de ocultar a presença? Serio mesmo que fizeram essa coisa simples para se preparar contra nos?Que ridículo! Eu esperava mais-como se fosse um verdadeiro palestrante Rufus Lore começou com seus comentários. Arquei a sobracelha, o que caralhos ele ta fazendo?-Mas isso não é novidade, afinal espancamos sua Bruxinha de estimação não é?

Arregalo os olhos.

Fúria nasce em mim borbulhando meu sangue.

Filho da puta!

Me preparei para ir lá e dar uma surra nessa maldito quando algo me faz hesitar.

Havia um sorriso de canto venenoso na cara de Rufus.

Estreito os olhos para depois sorrir.

Jogo psicológico?

Reprimo uma risada, acha mesmo que eu não sei identificar um? Coitado nem sabe fazer um direito, esse ai não duraria nem 5 minutos com a Mira. Pode ter sido a muito tempo, mas com certeza eu lembro da experiência traumática de ter desafiado a Mira em um jogo assim.

Continuo em meu esconderijo apenas observando, analisando.

Pasados alguns segundos sem nenhuma resposta a sua provocação ele sorri.

-Mas a coitada não foi a única não é? Também teve a garotinha-diz me fazendo cerrar os dentes. Controle-se- Qual era mesmo o nome? Ah sim! Wendy Marvell,a filha da Lady do Clã Dragneel. Tenho pena dela sabe? Afinal Orga possui desejos um tanto peculiares sobre garotinhas.

Demoro alguns segundos para entender e a ira que veio em seguida me abateu tão profundamente que o galho ao qual eu me segurava se partiu com a mesma facilidade que uma faca quente atravessa manteiga. Em um rápido movimento Rufus puxa sua arma da parte de trás do cinto

(N/Inner-A:Lê-se do orifício anal dele)(N/A: Nunca mais te deixo assistir Shimoneta To Iu Gainen Ga Sonzai Shinai Taikutsu No Sekai )(N/Inner-A: Pelo o que eu me lembro eu não fui a única)(N/A:Eu te odeio)(N/Inner-A:O sentimento é correspondido!)

atirando na minha direção.

Merda!

Uso minha velocidade novamente para tentar fugir, entretanto uma das balas feri o meu ante-braço direito causando uma dor excruciante que corre por todas as minhas células, sim isso dói pra caralho ainda mais por que a porcaria da bala é de madeira.

Mordo minha língua para não xingar essa porra em voz alta.

Ouço uma risada divertida.

-Você pode ate ter ocultado seu cheiro mas a fragância de sangue eu poderia identificar em qualquer lugar. Não se pode esconder sangue de um Vampiro e eu tenho certeza que você sabe disso Fullbuster- ouço a voz do Lore enquanto corro rapidamente por entre o mato com a mão sobre o ferimento, a bala ainda estava alojada em minha carne e se eu parar agora o loiro dos infernos vai me encontrar e mesmo eu sendo mais forte que esse retardado, perdi minhas estacas e verbena quando perdi minha jaqueta e isso me deixa em uma desvantagem chata pois se esse fdp acertar acidentalmente ou não meu coração eu vou direto pro Inferno. Porcaria de mania desgraçada!

Como se diz mesmo?

Medo é Astúcia

Coragem é Impulso

Apos correr por uma distância considerável desabo exausto perto de um pequeno riacho.

Itai! Olho para meu braço, odeio retirar balas alojadas, isso dói pra caralho. Respiro fundo e enfio o indicador e o polegar no ferimento, um choque atravessa meu corpo fazendo meu braço queimar de uma maneira extremamente torturante, movo os dedos tentando encontrar a benedita, minha mandíbula trava por conta da força exercida para apertar meus dentes uns contra os outros, estremeço por conta dessa agonia, suor frio desce fresco por meu pescoço, tão fresco quanto o sangue que escorre de meu braço e vai para a água do riacho tingindo-a de vermelho. Finalmente encontro a bala por entre os tecidos de meu músculo, prendo-a entre meus dedos firmemente e puxo em um só movimento ela para fora.

Estalo a língua com raiva do pequeno projétil em minha mão.

Subitamente movimentos perto de onde estou são captados por meus ouvidos. Merda! Rufus esta seguindo o cheiro da trilha de sangue que meu ferimento deixou.

Sangue...

Olho para a bala em minha mão com um sorriso animado.

/////////////

Engulo em seco ao ver a imagem embaçada de uma cabeleira loira na beira do pequeno riacho, este sendo fundo o bastante para encobrir completamente meu corpo. Vai logo!!

Rufus continua por vários segundos parado  no mesmo lugar. Caralho!!! Eu não aguento segurar o ar tanto tempo assim!! Meus pulmões estão explodindo, pelo amor de Deus cai fora!!!!

Para a minha sorte Kami-sama esta de bom humor comigo hoje e logo o Vampiro saiu de lá.

Jogo minha cabeça para a superfície extremamente grato pelo ar fresco  que adentra em meus pulmões. Meu Deus!! Eu nunca fiquei tanto tempo embaixo da água, novo recorde mundial. Saio do riacho olhando a direção á qual o otário foi.

Trouxa! Nem percebeu que era apenas uma bala de madeira encharcada de sangue que foi jogada com minha maior força. Tenho apenas alguns minutos ate ele notar, se bem que eu acho que vai dar certo.

Quebro o galho da arvore mais próxima iniciando meu trabalho.

///////////

5 minutos apos iniciar eu já tinha tudo pronto. O bom de se ter uma velocidade surreal é poder fazer em minutos coisas que alguem normal demoraria horas.

Inspiro fortemente o ar a minha volta concentrando minha mente no sentido ao qual queria fazer uso, logo consigo encontrar a localização do infeliz que no momento esta infernizando minha noite. Sorrio calculando  a distancia e o caminho mais rapido ate a minha posição.

Com a ponta da lança que eu tinha feito com o canivete guardado no bolso de trás da minha calça corto minha mão espalhando sangue por uma boa extensão da parte da Floresta a qual me encontrava numa tentativa de atrair o loiro para a pequena armadilha que criei.

Como mágica, Rufus aparece em minha frente com um rosto um pouco~lê-se muito~ irritado, arqueio a sobrancelha com um sorriso sarcástico. Sua expressão fica mais furiosa ainda quando ele parte para cima de mim com a arma pronta para tiros queima a roupa em minha adorável pessoa quando uma lança de madeira atinge a arma em sua mão.

O Lore arregala os olhos surpreso ao ter sua mão rasgada  e me aproveitando disso eu jogo a minha segunda lança que esta presente em minha mão em sua direção. Mesmo surpreso o Vampiro desvia por pouco e é quando o clímax ocorre. A minha terceira lança o perfura no lado direito do peito.

A força presente na arma é tão forte que o arrasta junto até uma arvore quase atravessando essa e deixando o loiro preso ao objeto da natureza engasgando com seu próprio sangue.

Suspiro aliviado fechando os olhos e quase me ajoelhando no chão para gritar um "OBRIGADA KAMI-SAMA!!!".

-Co-Como...?

Abro os olhos com a pergunta do outro. Rufus mantinha as mãos tremulas em volta da versão GG das estacas, sangue escorria como cachoeira do enorme ferimento em seu tórax assim como escorria de sua boca.

Bem não custa nada.

Aponto para minha pelve onde jazia uma samba canção preta.

Seu olhar se arregala e ao olhar a metade da minha antiga calça presa na extremidade oposta a ponta da lança que o prendia ele volta ao normal entendendo.

Os efeitos colaterais de se fazer o Feitiço de Ocultar Presença é que qualquer coisa que você passe muito tempo tocando vai ter sua presença anulada. Então ao amarrar metade de meu jeans na primeira e terceira lança anularam a presença das estacas.

-A-Apostou... Na.. So-So-Sorte?

Ando calmamente ate sua arma no chão, pegando-a e depois seguindo ate o local a qual o Lore esta preso.

-Sim, fui ate o outro lado da Floresta e lancei com toda a minha força as duas com uma pausa de 7 segundos entre elas- digo ao chegar perto do mesmo, aponto a arma bem cima de seu coração por precaução para o mesmo não ousar se mexer- Sabe de uma coisa Rufus? Eu nunca fui com a sua cara. Sempre te achei um idiota falso e arrogante que se achava tão superior aos outros que nem se quer se interessava em dialogar com outras pessoas e quando fazia isso as olhava como se fossem lixo. Seu maior erro foi ter ousado enfrentar a Fairy Tail, ninguém ganha dessa Guilda pois ela é invencível, seu poder esta nos laços dos integrantes dela e vocês feriram gravemente um de seus membros, alguém da família, e isso para nós é imperdoável.

Atiro em seu coração pronto para ir embora desse lugar e ajudar o Jellal a resolver logo as coisas, todavia antes de eu me afastar ele segurou meu braço atraindo minha atenção.

-I-Isso não a-acabou Fu-Fullbu-buster-gagueja tossindo sangue enquanto seu corpo começava a ferver, eu sentia isso pois o maldito ainda segurava meu braço-Per-per-pergunte a... aquela su-sua amiga-ga ruiva.

Arregalo os olhos por sua frase. Ele estava falando da Erza?

De repente uma luz prateada surge iluminando toda a floresta. A incredulidade se apossa de meu corpo ao eu ver a lua cheia aparecer de trás de algumas nuvens cinzentas. Mas que merda é essa?! Como assim? Há segundos atras era minguante e agora vira cheia?

-C-Consegue v-ver?

Volto para ele completamente surpreso; a pele de seu corpo estava vermelha assim como seus olhos, os vasos sanguíneos que atravessam a parte branca do globo ocular estavam destacados pintando o branco de vermelho; sangue negro escorria de seu nariz, ouvidos e boca; as veias de seus braços estavam assustadoramente saltadas e negras. Engulo em seco ao ver o ser imortal definhando.

-E-Ele es-esta co-começando a... desper-pertar.

Franzi o cenho confuso. Mas que merda ele ta falando?

Rufus cai morto se transformando em um punhado de ossos antes de eu ter a chance de perguntar:

Quem caralhos é Ele?

#Levy

Kami-sama!!! Perdi 4 quilos só hoje!

Caio exausta no chão.

Fôlego! Cade você?

Suor escorria por meu pescoço; em algum momento eu havia perdido a minha faixa (porra era a minha favorita!) e por causa disso meus cabelos estavam soltos e alguns fios colavam na testa; minhas costas estavam doloridas, o peso dos explosivos dentro da mochila que eu carrego que vão assassinar um Lacrima judiaram delas com gosto; um calor infernal era sentido por meu corpo, a primeira coisa que eu vou fazer quando sair dessa merda é me jogar dentro de uma banheira e ficar lá ate o ano novo.

Respiro fundo tentando convencer minhas pernas a se moverem, apos alguns segundos de persuasão eu consigo com sucesso.

Ando em meio aos corpos de uma horda de guardas que tive que enfrentar no caminho. Que raiva! Aquela putiane cortou a força da minha magia, vaca do caralho, penei para vencer eles e olha que quase morri três vezes. TRÊS!

Uma bifurcação aparece no caminho e que merda eu não lembro para qual seguir, pois a partir de uma parte dos túneis iluminados por tochas não havia mais como eu seguir o fluxo de magia que levava ao meu objetivo.

Tento buscar a memória de Natsu me contando o caminho antes de se atracar com o loirinho lá atras mas não veio nada.

Esquerda ou direita?...

Foda-se! Eu vou pra direita por que gosto mais dela.

Ando feliz da vida por calmos corredores durante algumas centenas de metros ate que vozes e barulhos atraíram minha atenção.

Eles estavam vindo na minha direção!

OH SHIT!

Rapidamente lanço os olhos para os lados tentando encontrar um esconderijo, entretanto não tinha nada. NADA!

Droga!

"Ok. Calma, respira Levy. Você vai ter que improvisar"

De repente meus olhos captam uma fissura na curva que o caminho ao qual eu estava fazia.

Sorrio.

Ou não.

Disparo correndo o mais rápido que posso para a rachadura tentando chegar ao local antes que os barulhos e vozes alcançassem onde eu estava. É nessas horas que eu amo a minha baixa estatura!

Retiro a mochila do ombro socando-a no buraco para logo depois entrar também.

Cacete que lugar apertado.

Os barulhos e vozes se aproximam mais de onde estou.

...

...

Para tudo. Mas que merda é essa que ta espetando a minha bunda?

...

...

...

AI MEU DEUS!!! A PAREDE TA ME ESTUPRANDO!!!!

-O que esta acontecendo?- uma voz masculina e muito estranha pergunta.

VOCÊ É SURDO? EU ESTOU SENDO VIOLENTADA POR UM OBJETO INANIMADO!!!

Mordo a língua tentando não gritar isso ao desconhecido. Affs hoje o dia ta foda hein. Que raiva! Quando eu terminar de matar aquele Lacrima vadio eu venho atras de você Parede Pervertida! Vai ser desesperado assim em um bordel vai. Não sabe que bundas femininas devem ser respeitadas?!

-Rogue-sama e Rufus-sama foram derrotados.

Opa isso sim é interessante! Então Juh, Gray, Jellal e o Ogro conseguiriam impedir a ativação?

Mantenho os ouvidos atentos ignorando a perversão dessa parede desgraçada para conseguir mais informações.

-Co-Como?

Ora nenhuma novidade meu querido! Juh parece mais é o Exterminador do Futuro, não sei a força do Azulzinho ou do moreno mas considerando que eles são um Licantropo e um Vampiro que tem treinamento da Fairy Tail é óbvio que vão vencer.

-Todas as tropas receberam ordens para resgatar os Lacrimas Inverno e Outono da Mestra que foi para Primavera ajudar a Madame com a intrusa.

Fudeo.

Pera ai. Quem controlava esses fdps não era um homem?! KAMI-SAMA! SERÁ QUE TODO ESSE TEMPO ELE É ERA UM TRAVESTI E NÓS NÃO SABÍAMOS?!

-E Verão senhor? O deixaremos assim, desprotegido?

Kami-sama se você tiver alguma consideração por mim faça com que isso aconteça!!!

Mas considerando minha sorte nesses últimos tempos, já estou apostando que aquela desgraça vai estar protegida até o ânus!

-Não tem problema! Verão nunca vai cair-assim as vozes e barulhos se afastam de onde eu estou sendo violada.

OBRIGADO KAMI-SAMA SEU DIVO TESUDO LIKE A ZEUS!!!!

Saio da fissura fuzilando a parede hentai.

"Guarde minhas palavras sua tarada! Eu vou voltar e te destruir! "

Volto a saltitar igual a um unicórnio bêbado com síndrome de down em direção ao objetivo.

Nunca vai cair é? Veremos meu caro desconhecido

/////////

SÓ PODE TA DE SACANAGEM COM A MINHA CARA!!!!!!

QUE PORRA É ESSA?!

Olho de boca aberta para o labirinto formado pelo Lacrima Verão que agora estava emetindo um forte brilho verde.

NATSU EU TE CHAMARIA DE FILHO DA PUTA MAS SUA MÃE NÃO TEM CULPA DO FILHO QUE TEM!!!!! MALDITO! DEVIA TER ME FALADO O TAMANHO DESSA COISA DIREITO!!

Essa coisa não é grande! É colossal.

Céus! Como isso ainda não explodiu?

Ofeguei andando em passos lentos até uma das paredes do local. Minha mão tremia quando eu a elevei encostando sua palma na superfície, fecho os olhos me concentrando na magia, conectando-me ao Lacrima.

Vozes. Vozes gritando desesperadas e cheias de agonia.

Como se levasse um choque, eu retiro minha mão rapidamente do local. Suor frio escorre em minha testa, calafrios percorrem minha espinha, solto o ar que nem percebi prender.

Pelo Amor de Deus! Como conseguiram tamanha instabilidade?!

Isso aqui vai explodir! Como o Conselho não investigou o alto índice que vinha da capital? Se a Fairy Tail rastreou é óbvio que, mesmo sendo inferior a tecnologia, o Conselho devia monitorar o Submundo!

E é então que algo alcança meus ouvidos:

Um uivo de um Lobo.

#Juvia

De quem foi a ideia de fazer a Juvia vir até essa merda de cidade?!

Juvia cai exausta no chão do elevador esperando o mesmo andar lentamente até o último andar.

Juvia pesca do bolso da jaqueta de couro marrom que Juvia usava o pequeno aparelho bem parecido com aqueles antigos celulares que abria e fechava. Juvia puxa uma pequena antena com a qual na ponta residia um pequeno cristal. Levy-san havia feito a pouco tempo, um pouco antes de Juvia e as garotas serem chamadas de volta para o Japão; Levy-san chamava essa coisa de "M2D". Juvia não fazia ideia da doença que a Levy-san tem para chamar uma invenção assim, Juvia não ousava perguntar pois vai que é contagiosa?

Enfim, Levy-san disse para a Juvia que aquilo era um detector de magia que funcionava como a brincadeira "Quente e Frio". O cristal da ponta mudava de coloração se estivesse "quente", ou seja, perto da magia.

"Juvia realmente espera que a doença da Levy-san não seja contagiosa" Juvia pensa com pesar abrindo o M2D.

Na tela do celular uma espécie de radar na cor branca apareceu. Juvia levantou o olhar para a tela digital vendo os números dos andares subirem, 8º andar e nada.

Juvia, agora, manteve a atenção no M2D. Juvia esperava a cor mudar quando notou algo estranho.

Havia um rangido anormal toda vez que o quadrado de aço mudava de andar. Juvia franzi o cenho não gostando daquilo.

Juvia acha que vai se fuder dentro de 10 segundos.

10

O rangido aumenta.

9

Juvia ouve estranhos barulhos vindos da direita da Juvia.

8

O M2D na mão da Juvia apita fazendo Juvia olhar para o celular.

7

O pequeno cristal vai de branco para uma cor alaranjada.
O radar exibe a palavra Quente.

6

Juvia olha para a tela digital presa a parede de metal do elevador: Do 19º muda para 20º andar.

Fervendo

5

Vigésimo primeiro e Juvia assiste o cristal tornar-se carmesim.

Juvia muda o olhar vendo a palavra Queimando aparecer.

4

O elevador para fazendo Juvia arquear a sobrancelha.

3

Juvia ouve um baque vindo do teto do elevador.

2

Juvia escuta mais rangidos vindos acima de Juvia.

1...

...

...

...

...

...

"Juvia podia jurar que..."

O elevador despenca interrompendo os pensamentos de Juvia.

Juvia puxa o ar surpresa ao ser suspensa do chão por conta da velocidade a qual a caixa metálica caia.

JUVIA VAI MORRER!!!!

De repente o rosto de Juvia leva um tapa do chão.

O elevador parou...

-Itai...-Juvia resmunga de dor ao sentir o impacto da cara de Juvia contra o chão.

"Juvia nunca mais vai usar essa coisa. Juvia será saudável e não uma sedentária preguiçosa que usa o elevador para evitar as escadas. Juvia ama escadas" Juvia pensa levantando do chão.

Juvia passa a mão na testa percebendo um corte no supercílio. Juvia esta cada vez mais odiando esta cidade.

Subitamente as luzes que iluminavam o lugar onde Juvia está apagam e uma lâmpada vermelha emergencial se acende assustando Juvia.

Antes mesmo que Juvia se recupere do susto, um ataque vem da esquerda da Juvia.

Juvia arregala os olhos desviando por pouco da arte ofensiva. Juvia se joga em uma parede para focar no inimigo.

"Pelo amor de Deus!!! Capuz virou moda agora?"Juvia pensa ao ver a centésima pessoa essa noite escondendo o rosto embaixo de um capuz.

-Gomen, Juvia Lockser-uma voz suave e feminina diz fazendo Juvia franzir o cenho. Juvia... já ouviu essa voz antes? Estranho... é tão familiar para Juvia. Quando Juvia já a ouviu antes?- Devo cumprir ordens.

Ordens?

Juvia presta mais atenção na criatura a frente de Juvia. O sobretudo com o capuz é o triplo de seu tamanho, a pessoa por trás da voz familiar parece ser uns 20 ou 30 centímetros menor que a Juvia. Juvia mantém a aparecia e tamanho de uma mulher com uns 20 anos, então deve ser uma garota de uns 16 que esta na frente da Juvia...

Sem deixar Juvia pensar mais, a nova "Capuz-san" ataca Juvia fazendo Juvia recorrer aos reflexos. Quando a arma na mão da Capuz-san aparece em frente aos olhos de Juvia, Juvia arregala os olhos.

Uma arma de choque.

O corpo de Juvia é feito de água e se Juvia deixar isso encostar na Juvia, Juvia vai se fuder.

O elevador é pequeno, tamanho certo para caber umas 11 pessoas, por isso Juvia teve que ser criativa para desviar da sequência de ataques vindas do inferno que esta garota esta sendo na vida da Juvia.

Após alguns minutos de perseguição, algo chama a atenção da Juvia:

Um protetor de orelhas para o frio na cor escura bem parecido com um headfone jazia em sua orelha.

Juvia agarra a mão que segurava a arma no momento em que essa iria acertar seu pescoço.

-Já faz um bom tempo Meredy-san -Juvia diz encarando seriamente a Meredy-san.

Meredy-san se afasta retirando o capuz da cabeça revelando para Juvia o grande cabelo ondulado rosa preso em um rabo de cavalo e o protetor de orelha.

-Realmente, já faz um tempo- Meredy-san comenta guardando a arma em algum lugar que Juvia não esta afim de saber.

-O que a Meredy-san quer aqui?-Juvia fala de forma direta causando um sorriso de lado em Meredy-san.

-Ora você sabe exatamente o que nos traz aqui- os olhos verdes de Meredy-san brilham de uma maneira que, misturada a luz vermelha batendo no rosto de Meredy-san, fez Juvia se arrepiar.

"Nós... " Juvia pensa logo entendendo onde a acompanhante da Meredy-san foi, ou melhor, atrás de quem.

Juvia fuzila a Meredy-san com o olhar.

-Não aconteceu Meredy-san. Não vai acontecer, Erza-san e a Juvia não vão deixar- Juvia diz irredutível.

Meredy-san gargalha igual a um palhaço assassino lunático assustando Juvia por dentro.

-É inevitável Juvia. Todas nós sabemos disso; não importa o quanto você e a ruiva atrasem isso, pois quando a Lua despertar... O Antigo Caçador vai voltar.

Juvia cerra as mãos para evitar que tremam por conta do murro que a verdade deu na Juvia.

De repente uivos adentram os ouvidos de Juvia fazendo Juvia arregalar os olhos incrédula.

"Não é possível!..." Juvia pensa olhando para a direita de Juvia tendo a visão da parede metalicado elevador ao qual Juvia e Meredy-san se encontram.

Juvia retorna o olhar perdido xingando a própria Juvia mentalmente ao Juvia ver que Meredy-san havia desaparecido.

Um som de alerta chama a atenção da Juvia fazendo Juvia olhar para o chão.

O M2D estava brilhando um novo tom de vermelho e dessa vez a palavra Derretido aparece.

Juvia arregala os olhos ao ver o cristal da antena se partir.

Juvia tem que dar o fora daqui.

Então Juvia olha a saída de emergência presente no teto do elevador.

#Autora-chan

A lua cheia aparece no céu contra todas as probabilidades possíveis fazendo o que ela faz de melhor:

Enlouquecer Lobisomens.

No meio da Floresta localizada ao norte da capital de Fiore, Jellal Fernandes e Orga Nanagear se enfrentavam em suas formas originais até que o Lobo negro revela a pequena brincadeira ocorrida há cerca de dois dias atrás.

Isso poderia apenas ter enfurecido o Azulado mas na ocasião em que a Lua apareceu, isso o fez perder completamente a sanidade e não foi apenas ele que perdeu tal atributo.

Todos os Licantropos de Crocus sentiram o poder que a Lua Cheia os concedia. Mas três em especial foram mais afetados emocionalmente.

Orga estava com ódio de seu oponente por ele ter retalhado sua pata e isso o desestabilizou.

Natsu Dragneel possuia todos os tipos de sentimentos negativos possíveis no momento em que a Lua concedeu o controle a seu lado animal.

\ No Subterrâneo Do Palácio De Mercurios\

Sting Eucliffe observava o Lobo adquirir uma posição assassina com total fascínio e incredulidade.

O Lobo vermelho o observa como se lê-se sua alma, sua expressão predadora não muda, os pelos atrás de seu pescoço ficam arrepiados ao um som grutal sair de sua garganta.

O Slayer a frente da enorme fera engoliu em seco sentindo as mãos tremerem por conta do olhar direcionado a si. O Lobo avança um passo fazendo Sting recuar um inconscientemente.

O Loiro queria tanto ver um Dragão que ao receber um a sua frente percebe o nível de perigo que se encontra por te-lo deixado furioso.

O Dragneel da um salto ao ver que seu inimigo tinha intenções de escapar, entrando na frente dele antes mesmo que este realizasse qualquer movimento.

Sting se surpreende com o movimento, mas logo volta a realidade a um ataque vindo das garras da pata esquerda que não foram danificadas. Por mais que ele tenha tentado escapar, saiu com arranhões superficiais e isso o despertou de seu medo/fascínio  sobre um Lobisomem irracional. Ele olha para o animal vendo as garras da pata esquerda derretidas,  isso o faz sorrir até o momento em que essas são substituídas instantaneamente por novas.

O Lobo mostra os dentes rosnando mais uma vez para o ser sobrenatural.

Sting renovado por um instinto de sobrevivência usa toda a sua velocidade para saltar e realizar seu ataque mais poderoso:

-Santo Alento Do Dragão Branco.

Uma explosão de luz sai de sua boca em direção ao Lobo, tão potente que cegou todos nos túneis durente alguns segundos e abriu uma enorme cratera destruído tudo em um raio de 100 metros.

Quando a luz apagou e a Lua iluminou o local através da abertura causada no chão do jardim por conta da força do ataque Sting pode ver a sua frente apenas escombros.

Um sorriso de orelha a orelha se abre em seu rosto. Finalmente ele havia matado um Dragão...

E então um barulho chama a atenção do Slayer.

Pingos caindo no chão.

Ele olha para sua direita.

Seu braço havia sumido.

O sorriso permanece por conta do choque e pouco a pouco sua expressão muda para horror e um grito escapa da garganta.

Sangue jorrava de seu ferimento manchando o chão e a dor finalmente aparece fazendo Sting gritar novamente. Ele leva a mão ao ombro porém para no meio do caminho, a mão tremia em indecisão.

Ele se atreve a olhar sobre o ombro e é agraciado pela visão das costas intactas do Lobo vermelho. O quadrúpede lentamente se vira mostrando olhos laranjas sedentos  e em sua boca o braço dele.

Sting respira com dificuldade e sua vista se torna meio turva por conta da perde de sangue; o coração dispara em adrenalina tentando suprir um pouco da dor dilacerante por perder um membro; mas mesmo assim ele não ousou a desviar o olhar.

O lupino exerce uma maior força em sua mandíbula quebrando o braço em dois. Ele dobra as patas traseiras fazendo o Slayer engulir em seco.

Um vulto vermelho passa pelo loiro fazendo-o olhar para frente.

Seu outro braço havia sido arrancado.

Sting cai de joelhos no chão ofegando de dor e perdendo sangue rapidamente. Ele vomita o líquido vermelho, engasgando no processo.

O Lobo novamente vira de frente para o inimigo largando o braço no chão, sangue escorreu de sua boca quando ele se aproximou do homem ajoelhado com uma expressão repleta de terror.

"Vou morrer... Vou morrer... Vou morrer... VOU MORRER!" Pensa Sting em pânico e, em um último esforço, ele reuni o resto de sua magia para lançar o Rugido do Dragão Branco.

O ataque esse que não serviu para nada. O Lobo simplesmente desviou e arrancou o ombro, o peito e parte do pescoço direitos do oponente em uma investida rápida.

O corpo falecido de Sting Eucliffe cai no chão segundos após receber a agressividade do Licantropo.

No momento em que o Slayer morreu centenas de soldados aparecem na cratera.

Eles olharam assustados pela estado do corpo de seu superior no caminho em que todos pegaram para cumprir as ordens de sua Mestra.

-S-Sting-sama.

O Lobo vira o rosto observando a companhia e rosna. Os soldados apontam as armas apreensivos.

O Lobo avança e gritos podem ser ouvidos.

////////

Levy corria voltando o caminho ao qual a levou ao Lacrima Verão. Ela estava assustada, após o uivo que ouviu houve uma explosão que estremeceu os túneis.

A mulher vira em uma curva e vê milhares de rachaduras nas paredes, teto e solo além de uma abertura iluminada por uma luz prateada.

Ao se aproximar mais dessa abertura, ela pode ouvir gritos desesperados. Isso faz seu coração disparar, entretanto movida pela adrenalina e curiosidade ela continua seu caminho.

A McGarden chega na abertura a tempo de presenciar o Lobo vermelho rasgar o pescoço do último soldado. Ela arregala os olhos e fica boquiaberta ao olhar a carnificina presente na enorme cratera iluminada pela Lua Cheia.

Os efeitos da maratona em conjunto a incredulidade e medo faziam seu coração bater de forma rápida assim como sua respiração e isso fez o Lobo perceber a presença dela.

Ele vira em sua direção dando-lhe a visão dos olhos assassinos e a boca completamente suja de sangue.

-Natsu... -sussura Levy assustada pelo olhar mortal lançado a ela.

Ela olha para os céus vendo a nova fase da Lua e em questão de segundos percebe a situação a qual se encontra.

Sem realizar qualquer movimento brusco ou se quer desviar o olhar do animal, a azulada começa a andar devagar para trás.

Todavia, seu calcanhar bate em uma pedra fazendo-a quicar no chão. Ela fecha os olhos mordendo o lábio inferior ao ouvir o barulho da pedra indo para trás.

O Lobo salta em sua direção derrubando-a no chão.

O peso da enorme pata em seu tórax retira todo o ar de seus pulmões e impedi Levy de respirar.

A fera rosna derrubando sangue na bochecha pálida da nova presa.

Levy em desespero se prepara para lançar um feitiço como distração no animal porém isto não é necessário.

A Lua desaparece dos céus voltando a fase Minguante e isso devolve o controle novamente para Natsu.

O Dragneel acorda atordoado pela visão da companheira embaixo de sua pata enquanto olhava-o assustada.

Rapidamente ele retira a mão de cima dela e volta a sua forma Humana.

O rosado olha ao seu redor assustado pela destruição e pilha de corpos espalhados. O gosto metálico do sangue se mantinha presente em seu paladar o horrorizando cada vez mais. Ele olha para Levy.

-Mas... Mas o que aconteceu aqui?-pergunta com os olhos arregalados.

Ela tosse ruidosamente ao finalmente poder respirar e o encara ainda com a expressão de choque.

-Vo-Você não se lembra?

Natsu balança a cabeça em formade negação e quando Levy abriu a boca para contar-lhe o que aconteceu, um novo barulho de explosão aparece atraindo a atenção dos dois.

\Ao Mesmo Tempo Na Floresta\

Ambos os Lobos perderam a consciência após o pequeno diálogo feito. Eles sentiram uma onda de adrenalina repentina falhar uma batida em seus corações para depois os deixar descompassados, um tornado de emoções negativas adentram tal órgão vital mantendo ambas as mentes com uma mensagem clara: Morte Ao Inimigo. Suas pernas ficaram leves, seus sentidos se expandiram e seus ferimentos rapidamente se curaram.

Posteriormente a tal transformação o de pelagem negra e amarela se prepara para atacar o outro quando este, que até então mantinha a cabeça baixa, o olha.

O negro paralisa ao receber o olhar repleto de intenção assassina, os olhos prateados olhavam para ele com fúria, tanto ódio que uma aura exalando perigo rodeava o Lobo azul.

Todos os instintos do animal de 2 metros berraram imediatamente para o mesmo correr. Superioridade queimava o ar envolta do Lobo menor.

Em claro desafio, lupino de duas cores tenta mostrar os dentes para o outro ignorando os instintos em sinal de arrogância, entretanto o som ameaçador que saiu da garganta do Azulado o fez se calar na mesma hora.

O Lobo azul movimenta a pata esquerda dando um passo que simplesmente rachou o chão, assustando o seu oponente. Este joga toda a dignidade para o alto e se prepara para correr.

Antes mesmo dele mover um músculo, o animal de olhos prateados aparece em sua frente mordendo o couro do pescoco e jogando-o para a direita.

Ele voar por vários metros capotando no chão durante o caminho. Ao finalmente parar, ele, aterrorizado, tenta levantar mas o outro aparece novamente em sua frente rasgando com suas garras o rosto do Lobo negro e cegando seu olho esquerdo fazendo este permanecer deitado.

Ele gani de dor pelo ferimento, mas por causa do efeito da Lua estes cortes logo começam a emitir fumaça regenerando-se, por isso o mesmo, rapidamente, fecha os dentes ao redor de uma das patas dianteiras do outro esperando um som de dor.

Porém tudo o que ele ouvi é ira ser transmitida através de outro rosnado.

O Lobo azul pisa no pescoço daquele que lhe ataca, esmagando a traquéia e impedindo o inimigo de respirar. A força imposta foi tão grande que abriu um buraco no chão; o oponente larga sua pata por conta da sensação de sufocante de não encher os pulmões com oxigênio, isso não foi tudo o que o animal furioso fez, ele mordeu a orelha exposta do outro dilacerando-a em segundos.

A fera negra em desespero,  move as patas para todos os lados tentando escapar do mostro que o dominava e, por pura sorte, acerta acidentalmente a pata traseira que era usada como um ponto de equilíbrio pelo outro Licantropo, mas tal acidente não trouxe apenas benefícios pois, ao escorregar, o quadrúpede arrastou as garras pelo pescoço do que estava caído e isso quase rasgou a veia jugular dele.

Com toda a velocidade que podia, o Lobo negro saiu do chão com os pulmões explodindo em clamor por ar. Graças a alta definição que seu corpo se encontrava, os machucados logo voltaram ao seu estado normal.

O Lobisomem sem consciência observa o outro fugir com raiva. Sua fúria crescia a cada segundo que não matava o inimigo e isso estava deixando-o extremamente impaciente. Seu pelo azul brilhou ainda mais com a mistura perigosa que preenchia seu interior.

Não demorou muito para correr atrás de sua presa e nem para alcança-la.

O lado animal do Nanagear corria como se sua vida dependesse disso e em sua percepção realmente dependia. Precisava fugir daquele predador, ele era mais forte, ele  era superior; não ganharia em um confronto direto, não venceria em qualquer tipo de confronto. Para sobreviver manteve todos seus sentidos ao máximo e por causa disso pode ouvir com clareza aquele que o perseguia se aproximar.

Tentou com todas as forças aumentar a velocidade com a qual corria e, para seu desespero, não adiantou para nada pois o predador continuava a se aproximar.

Ele era mais rápido.

O animal azulado ao avistar aquele que iria matar mudou o percurso a qual o Lobo negro seguia indo em direção a uma rocha um pouco soterrada. Subiu na mesma e, ao chegar na ponta, saltou caindo nas costas do outro enquanto prendia firmemente a mandíbula na nuca do adversário derrubando ambos no chão.

O Licantropo tentou saiu do agarre mas era tarde demais. Aquilo claramente foi um golpe fatal e, assim que o Lobo superior voltou a ficar em pé, ele moveu com uma extrema força a cabeça para os lados. Quebrando a conexão entre o cérebro e a coluna ao mesmo tempo em que destruía a veia jugular e o canal que ligava a boca e o nariz ao estômago e pulmões do Lobo negro e amarelo. Matando rapidamente o mesmo.

////////

Gray Fullbuster corria rapidamente em busca de Jellal. Logo após o aviso do Lore, ele foi atrás do amigo porque, ao ir ao último lugar que tinha-o visto, avistou apenas a mochila que trouxe junto de pedaços de pele humana e marcas de luta.

A Lua Cheia que iluminava o caminho a qual corria deixava-o extremamente apreensivo. As chances do Licantropo conhecido ter perdido o controle eram muito altas, principalmente depois de ter tido o conhecimento que aquele a ferir a irmã do Smurf é um pedófilo.

O Vampiro, enfim, conseguiu encontrar o cheiro do companheiro. Este vindo com um outro odor muito bem conhecido pelo ser do Submundo.

Aumentou a velocidade logo chegando onde o Lobisomem se encontrava sendo bem-vindo com uma visão que fez seu estômago revirar.

Um corpo de um Lobo com aproximadamente 2 metros estava completamente retalhado no chão.

Por manter a guarda, o moreno pode prever o rápido ataque vinda da sua direita.

Gray olhou estupefato o Lobo azul pousar no lugar ao qual estava segundos atrás quabrando-o com a força a qual executou o ataque.

-Puta. Que. Pariu-murmura pausadamente ao ver os olhos prateados lançar-lhe um olhar sanguinário.

Ele se prepara para correr mas isso não precisou ser feito. A Lua que enfeitava os céus desapareceu retornando ao que era antes fazendo, assim, Jellal trocar de lugar com seu lado animal.

O Fernandes olha confuso para o amigo que parecia preparado para fugir a qualquer momento. Sua agitação aumenta ainda mais ao conseguir sentir o gosto de sangue em seu paladar.

Gray suspira aliviado ao perceber que o olhar motal desapareceu dos orbes prateados. Ele joga roupas para o amigo fazendo este retornar a sua forma Humana.

Jellal lança um olhar exigindo explicações enquanto termina de se vestir para o Vampiro e, quando este abriu a boca para dar lugar a sua voz, uma enome explosão assusta ambos.

Eles olham para a direção do som e assustaram-se.

A explosão provinha da Arena Eclipse.

#Erza

Corto ao meio a última marionete ao mesmo tempo em que lanço uma de minhas facas de arremeço perigosamente perto do pescoço da Vadia que apenas olhava tudo aquilo.

-Acabou? Tenho pressa sabia?-digo sorrindo internamente ao ver a feição de raiva no rosto da "Madame".

"Essa vaca me fez lutar com malditas marionetes enquanto ficava olhando daquele trono ridículo"

Minerva FINALMENTE decidiu brigar de verdade, levantando do trono e lançando uma bolha de magia negra em minha direção. Desvio facilmente prestando bastante atenção ao meu redor, pois conhecendo o tipo que estou enfrentando..

Minhas conclusões se tornam reais a minha oponente se teletransportar para minhas costas lançando outra bolha de magia negra.

Reviro os olhos me virando e cortando a magia ao meio enquanto a olho com tédio.

Minerva olha surpresa para minha Katana.

-Rubenídio, elemento anulador de qualquer magia-diz estupefata pela composição de minha espada.

A idiotice cometida resultou em meu murro em seu ombro, mandando ela como uma bola de destruição em uma parede.

"Tchauzinho ombro esquerdo" Pensa sorrindo satisfeita por ter esmagado o mesmo.

Satisfação essa que é substituída por horror ao a Arena ser ilumina pela Lua Cheia.

Só pode ta de sacanagem...

Um conselho: Nunca desvie a atenção do inimigo no meio de uma luta, isso pode resultar em uma tocha A-ce-sa utilizada como estaca em sua cintura.

Grito de dor por conta da madeira atravessada em meu corpo e o fogo queimando minha blusa e pele. Mordo o lábio inferior ao enfiar a mão no fogo e arrancar a tocha/estaca de meu organismo. Largo o objeto sentindo a regeneração dos Vampiros cuidar da tortura enviada a meus nervos.

Uma risada insana me irrita mais do que já estou irritada.

-NUNCA VAI ME VENCER SCARLET!!!- essa puta grita convencida puxando uma alavanca que eu não faço a mínima ideia de onde surgiu.

Fico em alerta ao ver as cores dos cajados das estátuas brilharem.

Que merda é essa?

Subitamente sinto uma extrema tontura que me leva ao chão. Suor frio aparece em meu rosto e minha respiração se torna ofegante.

Vagabunda!!

Cerro os dentes com a velocidade ao qual minha magia é extraída.

" Eu devia saber que essa puta do quinto dos infernos iria usar esse truque apelão" Pensa me xingando de otária mentalmente.

A filha da puta começa a se gabar por ter me derrubado esgotando toda a paciência que me restava.

DANE-SE!!! EU VOU MATAR ESSA DESGRAÇADA AGORA!

Com isso em mente toda minha magia desaparece. Minerva estranhando me olha no exato momento em que uma pequena explosão dourada infestada de poder mágico me cerca  sobrecarregando e destruindo o sistema que extraia magia de meu sangue.

Minha clarividência em seu total proveito me mostra que Minerva tampou os olhos por conta da poeira vermelha que preenche o ar, lanço uma adaga com rapidez em sua direção e por muito pouco ela não acerta seu crânio mas quebra totalmente a parede atrás da Madame.

Um forte vento leva toda a poeria do local dando a Minerva a visão de meus olhos dourados.

Incredulidade atravessa seu rosto antes de eu aparecer na sua frente e bater em seu abdômen com a parte cega da lâmina, golpe que a fez tanto cuspir sangue quanto voar até o outro lado do centro feito de areia vermelha da Arena.

-Você me deixo muito irritada-digo andando lentamente até ela que levanta a cabeça me olhando com medo- E agora você vai morrer.

Após dizer isso apareço novamenta sua frente, Minerva tenta inutilmente me lançar magia negra. Corto ao meio e para satisfazer minha ira, reduzo drasticamente a força dos socos para a usar de saco de pancadas.

Todas as magias e feitiços que ela tentava para me deter eram inúteis e sinceramente eu estava adorando deformar a cara dessa vadia.

Chuto com mais força do que gostaria seu tórax fazendo-a voar para longe. Ando tranquila até onde Minerva caiu.

Seu rosto estava estava inchado e pintado de sangue. Ela tossia grandes quantidades desse para não engasgar, provavelmente estava com uma seria hemorragia interna.

Preparo meu golpe final quando algo bate em minha barriga fazendo-me criar asas e destruir uma parede.

Empurro os escombros que me esmagam sentindo um cheiro bastante familiar adentrar meu olfato.

Ela entra na Arena calmamente.

Fulmino-a com um olhar de ódio.

-Ultear.

(N/A: Eu não tive nenhuma ideia para o figurino dela então é igual a foto do capítulo)

Ultear me observava com um sorrisinho cínico no canto da boca.

-Me-Mestra... -ouço Minerva dizer engasgando no final.

A Milkovich olha para o tratamento de beleza que fiz com a Bruxa e rapidamente enfia um cano de Rubenídio no coração dela. Após matar a serva, ela volta a me olhar dizendo:

-Olá Erza. A quanto tempo.

Maldita...

Olho para o corpo falecido de Minerva com desdém para depois retornar a Ultear.

-Você acabou com minha diversão desta noite-comento fuzilando-a com o olhar.

Ela sorri com o comentário.

-Peço desculpas por isto. Minerva Orland é uma pessoa muito irritante-diz fazendo alguns movimentos com os dedos.

Uma mesa para dois com chá e bolinhos aparece entre mim e ela.

A Bruxa se senta em uma das cadeiras servindo-se.

-Não vai sentar-se?

Olho para a mulher que misturava açúcar em um chá de verbena com total desconfiança.

Percebendo o que me impede de a acompanhar no chá, Ultear levanta o olhar para mim.

-Que rude de sua parte-comenta para então adquirir uma aura perigosa ao seu redor-Será que terei que lhe pedir de uma maneira diferente?

Trinco os dentes ao ver que não tenho escolha.

Me aproximo da maldita mesa com os punhos cerrados. Afasto a cadeira de metal branca e me sento a mesa vigiando cada movimento dela.

A Milkovich termina de se servir e me olha.

Ambas nos encaramos por vários segundos carregados de tensão.

-Não vai se servir?-pergunta fazendo meu olhar adquirir um ar cético-Ah sim. Vampira. Aceita sangue então?

Abro o bolso retirando minha garrafa e bebendo um pouco do seu conteúdo. Nunca desviando o olhar da outra.

-O que você quer Ultear?- pergunto querendo a todo custo acabar com esse terrível reencontro.

Ela sorri bebendo um pouco do chá.

-Direta como sempre Erza-nee.

Estalo a língua furiosa pela forma que meu nome foi dito. Vadia falsa...

-Soube que andou se divertindo com alguém-ao ouvir isso paro no meio do caminho que levava para beber mais sangue- Acho que você esqueceu como as regras funcionam?

Calmamente fecho a garrafa e a guardo em seu devido lugar. Olho para o ser a minha frente.

-Sei perfeitamente como elas funcionam, e de acordo com o trato, não quebrei nenhuma.

Ultear sorri mais uma vez.

De repente duas adagas perfuram cada uma de minhas coxas prendendo-me a cadeira. Aperto meus dentes uns contra os outros ao sentir que elas estavam banhadas em verbena. Uma dor excruciante queima minhas coxas fazendo um cheiro de carne queimada aparecer no ar. Suor escorre em minha nuca por conta do esforço que eu fazia para não soltar qualquer som denunciando a dor que sentia. Prendo a respiração por alguns segundos tentando controlar o latejar torturante presente em minhas pernas. A verbena estava adentrando meus vasos sanguíneos e estava derretendo-os para se regenerem novamente e iniciar o ciclo outra vez.

-Sim, mas você quase infligiu a principal-a voz de Ultear me retira um pouco da cúpula de dor ao qual fui submetida. Olho com rancor para ela quando a mesma pousa graciosamente a xícara vazia no pequeno prato encarando-me em seguida-Lembre-se: tudo o que você sentir, eu saberei. O pacto pode ser quebrado a qualquer momento a partir de agora. Isto é se você não resistir não é?

Estreito o olhar tentando controlar a dor e a fúria que alagam minha alma neste exato momento.

-Você planejou tudo isso não é? -digo entre os dentes furiosa- Qualquer Bruxa poderosa sabe perfeitamente que não é necessário o poder das quatro estações para criar uma Bomba de Pulso Mágico. Duas fases opostas da lua eram o suficiente para acabar com Crocus. Você fez isso apenas para me atrair para essa cidade de merda.

Ela sorri de uma maneira macabra.

-Ora! Porque eu faria isto?

Fecho meus dedos ao redor do cabo da adaga presa em minha coxa esquerda queimando os mesmos e a arranco de uma só vez mordendo o interior do bochecha para evitar um grito de dor. Em seguida enfio a adaga na mesa com meus olhos dourados brilhando em ira.

-Porque ele está aqui- digo ignorando a extrema dor provinda de minha mão assim como a de minha coxa- Já se passaram 235 anos, Zeref já está forte o suficiente não e? Você apenas precisa que a nova geração esteja reuinida para o começo da guerra e enquanto ele não despertar, ainda faltará um membro.

Os olhos de Ultear mudam de cor tornando-se Bronzes. Tal fenômeno explode o Lacrima Azul presente em uma sala resultando na destruição de toda a Arena a nossa volta, pelo canto do olho vejo que há uma bolha protetora envolta da mesa de chá.

-Não sei porque ainda me surpreendo com seu raciocínio-afirma atraindo minha total atenção aos olhos da mesma, posso enxergar toda a satisfação e revolta que existe neles- Mas é inevitável! Você sabe disso. Pode ter me atrasado 235 anos com o maldito pacto com Susanoo, mas no final quem ganha sou eu pois ele vai despertar e o primeiro lugar a qual ele irá será atrás de você, e após isso, toda a sua resistência se reduzirá a zero.

Meus sentidos estavam em seu nível máximo, por isso pude escutar vozes me chamando. Ignoro-as assim como estou ignorando a dor. Continuo a encarrar Ultear até que esta levanta da cadeira sorrindo novamente.

-Nos veremos logo logo.

Após isto ela desaparece.

Finalmente me permito gemer de dor.

Escondo meu rosto com a franja de meu cabelo. A torrente de emoções causadas pelo encontro com essa maldita e também pelas verdades ditas fazem meus olhos lacrimejarem.

Respiro fundo controlando meus sentimentos.

Agora não.

Repito algumas vezes até tomar posse de minha vontade de chorar. Faço com que meus olhos retornem ao normal quando percebo que meus amigos estão bem próximos de onde estou.

Sinto os olhos deles em mim ao todos aparecerem atrás da cadeira vazia. Gajeel apoiado por Juvia e Gray, Natsu ao lado de Levy e Jellal ficam mais nítidos para minha visão ao atravessarem o mar de escombro que cerca a maldita mesa de chá.

-Erza!-exclamam a me ver.

Retiro minha mão esquerda da adaga na mesa e rapidamente puxo a da coxa direita fazendo uma careta de dor ao minha mão ser queimada outra vez pela verbena. Jogo a adaga em cima da mesa em alívio.

Fecho os olhos por alguns segundos ignorando o olhar aliviado que Jellal me envia ao ver que permaneço viva.

Levanto da cadeira lentamente.

-O que houve aqui? Ouvimos uma explosão e...-Natsu começa a falar mas para assim que lhe dando as costas e adando até a saída.

Sinto os olhares incrédulos e preocupados observarem cada passo meu. Paro apenas para ler a mensagem escrita com fogo em um grande pedaço de uma parede:

"Nos veremos logo. Não se esqueça disso."

Após isso eu uso minha velocidade para desaparecer da Arena. Ou o que sobrou dela.


Notas Finais


E nos vemos novamente!!
Pse o arco Sabertooth da fic acabou!
Se tiverem achado sem graça as lutas so sinto pq eu sou novata nessa coisa de escrever fics então fiz o que deu na imaginção.
Hummm... Quem sera q deu o cachecol pra Lucy hein??(carinha maliciosa)
A musica cantada pelo Gaj-kun é de minha autoria(menos os tres primeiros versos que eu peguei de um livro de terror que eu amo). E gente como eu ferrei o Gajeel nesse cap hein kkkk
Se eu fosse o Gray iria jogar na loteria.
KKKKKKK... Levy-chan foi violentada pela parede, coitada.
Mais segredinhos aparecerem na fic, reencontro bem tenso entre a Juvia e a Meredy hein.
Natsu e Jellal destruindo geral, uma amostra do que acontece se um Lobisomem perder o controle.
Finalmente revelei quem é "Ela" né gente. Ultear torturando a Er-chan enquanto toma chá foi épico, mais pedaços do passado da Erza aparecerem e sim, eu vou contar pequenos pedaços até chegar a hora que o circo vai pegar fogo.
Desculpem por ser uma péssima Autora, mas não mando em minha criatividade e n sou alguém otimista por isso é muito fácil eu ficar desanimada. Esta é a minha primeira fic que dura tanto, já tentei fazer outras mas n deu certo e eu exclui, essa é a única que realmente tenho vontade de terminar, posso demorar um pouco mas nunca vou deixar de postar.
Mereço sermões? Sim.
Mereço surra? Sim.
Fiquem a vontade para dar isso se comentarem.
Vou tentar recompensar vcs por esses quase 50 dias sem postar.
Bjs e até o próximo cap!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...