História Centuries - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Acnologia, Alzack, Angel, Aquarius, Aries, Azuma, Bacchus Groh, Bickslow, Bisca Connell, Cana Alberona, Câncer, Capricórnio, Carla (Charle), Chelia Blendy, Doranbolt, Droy, Elfman Strauss, Erik (Cobra), Erza Scarlet, Eve Tearm, Evergreen, Freed Justine, Frosch, Gajeel Redfox, Gemini, Gildartz, Grandine, Gray Fullbuster, Happy, Hibiki Lates, Ichiya Vandalay Kotobuki, Igneel, Ivan Dreyar, Jellal Fernandes, Jet, Juvia Lockser, Kagura Mikazuchi, Kinana, Laxus Dreyar, Lector, Levy McGarden, Libra, Lisanna Strauss, Loki, Lucy Heartfilia, Lyon Vastia, Macao Conbolt, Makarov Dreyar, Mavis Vermilion, Meredy, Midnight, Millianna, Minerva Orland, Mirajane Strauss, Natsu Dragneel, Nikora "Plue", Ophiuchus, Orga Nanagear, Pantherlily, Personagens Originais, Pisces, Ren Akatsuki, Rogue Cheney, Romeo Conbolt, Rufus Lore, Scorpio, Silver Fullbuster, Skiadrum, Sting Eucliffe, Taurus, Ultear Milkovich, Ur, Virgo, Warren Rocko, Wendy Marvell, Zeref
Tags Gale, Gruvia, Jerza, Nalu
Exibições 113
Palavras 7.261
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Yo Minna!!!!

Impressionantemente eu venho aki, como prometido, no dia 27 para outro cap.
E tenho que lhes dizer q estou extremamente revoltada.
Estudei pra porra para aquela maldita prova prevendo o inicio de meu Inferno quando descubro q a sacana so tem 40 questões.
E n são quaisquer questões, são aqueles de encontre o x.
Vai se fuder!
E quem ai lembra do pensamento da Levy-chan no cap 18?
Hehe... Acho que o titulo e a imagem já dizem tudo.
Vejo vcs nas notas finais!!!

Capítulo 20 - Desgraça Completada


Fanfic / Fanfiction Centuries - Capítulo 20 - Desgraça Completada

- Eu te observo como um falcão
Eu te observo como se fosse rasga-lo membro a membro
Será que o desejo nunca vai parar?
Podemos simplesmente alimentar esse pecado?

 

                      -Deathbeds, Bring Me The Horizon.

 

 

#Gajeel

 

Estávamos ali já fazia um bom tempo e eu estava a ponto de arrombar aquela porta de tanto tédio.

Olho para o lado vendo meus companheiros daquela chatice.

Salamander e o Gelinho permaneciam em silêncio sentados no sofá azul a frente da poltrona a qual eu descansava enquanto Wendy e Romeo conversavam sobre algo que eu não dava a mínima. Já devia ser o fim da tarde quando fomos obrigados a ir ali. Eu estava observando a Guilda ao aquela albina vir ate mim. Ela era a garçonete que estava atendendo a todos e disse para subir ate o ultimo andar pois devia falar com o Mestre igual a todos os que chegavam ali.

Segui as ordens vendo os dois idiotas também irem na mesma direção. Assim que passamos pela porta com o número 4 demos de cara com a Azulada junto ao mini casal, ela apenas entrou na unica porta localizada na pequena sala de espera a qual estamos a mais de horas.

Bufo sem ter nada para fazer o tempo passar mais rápido.

E aquele bater de pernas do Rosinha já estava enchendo o saco.

-Oie Salamander, quer parar com esse tique nervoso?Ta ficando irritante- resmungo sem paciência para o ser que não parou quieto desde que entrou aqui.

Ele, entretanto, continuou naquele batucar constante totalmente alheio a minha reclamação. Estreito os olhos irritado pegando o pequeno elástico que segurava várias revistas juntas e apontando para aquele maldito.

E é apenas quando o material de borracha acerta sua testa que ele para com aquele som.

Salamander faz uma careta passando a mão no lugar vermelho enquanto me fuzila com o olhar.

-Vai se fuder Gajeel! Que saco, se tá com tédio se joga da janela!- comenta voltando a olhar para o nada.

Arqueo a sobrancelha.

"Eu não tenho culpa se você faz merda" Penso revirando os olhos por conta do mau humor do Rosinha.

O barulho de uma porta sendo aberta atrai a atenção de todos.

-Mestre vai atende os meninos agora- Juvia passar por nós indo em direção a porta que leva as escadas.

Nos entre olhamos antes de ir para o lugar onde o Mestre da Fairy Tail se encontra.

Como sou o último a entrar, fecho a porta aproveitando o momento para analisar melhor a sala.

Aquilo claramente é um escritório, havia uma enorme estande cheia de livros cobrindo toda uma parede, um sofá azul escuro estava na parede oposta a estande. Acima do móvel haviam quadros exibindo quatros pinturas e o resto fotografias todas acompanhadas de pequenas legendas.

Na primeira pintura havia uma espécie de castelo com o logo da Fairy Tail branco em um brasão laranja, uma criança de longos cabelos loiros cacheados, olhos verdes e duas espécies de asas na cabeça estava com um largo sorriso entre os três homens que exibiam mais discretamente a felicidade, estava escrito na borda: Fundadores Da Fairy Tail, 689 d.C. Na segunda essa mesma criança estava abraçada a um homem de cabelos negros e olhos da mesma cor, os dois sorriam mostrando os colares que traziam no pescoço: o do homem era um medalhão de prata e a da criança era de ouro; Primeiro Matrimônio Da Guilda, 714 d. C. Na terceira novamente a criança aparecia, só que desta vez um dos homens que a acompanhava na primeira pintura aparecia ao seu lado e também havia um cara baixinho de cabelos loiros espetados já apresentando tendência a calvície na casa dos 40; Três Primeiros Mestres, 1379 d. C . A quarta apareciam quatro pessoas; reconheci a albina garçonete em um vestido simples do século XVII, um cara enorme extremamente bombado com curtos cabelos loiros arrepiados e uma cicatriz em forma de raio no olho direito a abraçava com um sorriso de canto estava em vestimentas comuns também; fiquei surpreso ao ver a Scarlet ao lado da albina com um vestido igualmente simples e de mãos dadas ao quarto integrante da pintura, esse tinha seu rosto virado para a direita, na direção da ruiva, e um capuz azul o cobria deixando a mostra apenas o sorriso em seu rosto, dava a perceber ser um homem por usar as mesmas roupas que o loiro só que de cores diferentes; a legenda surpreendeu-me: Raijin, Demon, Titânia e Mystogan: O Time Mais Forte, 1645 d. C.

Antes que posso olhar as fotografias, uma voz grave chama a atenção:

-Vejo que os pirralhos continuam os mesmos.

Assisto assustado um idoso calvo com uma barba branca cobrindo a parte inferior do rosto tão baixinho que barrava a Baixinha sentado em uma enorme cadeira atrás de uma mesa de carvalho.

-Velhote! Ainda esta vivo?!- exclamam Natsu e Gray com os olhos arregalados.

O velho fuzila ambos com o olhar antes de soca-los a cara tão forte que os dois idiotas atravessaram a porta pela qual acabamos de entrar.

Olho assustado pela força do velho. Ele me olha com uma aura sinistra.

-Quer dizer algo também pirralho?

Suando frio balanço a cabeça para os lados rapidamente. Velho Assustador.

Ele então dirigi o olhar para os dois pequenos. Wendy e Romeo se abraçavam enquanto olhavam com medo para o anão.

-Oh, vocês são as crianças que Igneel enviou. Como vão? Sou Makarov Dreyar, o Terceiro Mestre da Fairy Tail- apresenta-se com um sorriso no rosto.

Os dois se apresentam também ainda olhando assustados para o Mestre.

Resmungos chegam aos meus ouvidos fazendo-me olhar para a enorme abertura as minhas costas resultado da força do velho. Salamander e o Gelinho aparecem pela mesma limpando a poeira das roupas.

-Okay pirralhos. A Juvia-chan já me explicou a situação-diz voltando a se sentar na cadeira.

"Juvia-chan?"

-Velho Hentai-ouço o sussurro dos dois ao meu lado.

-Calados!-levo um susto pela ordem do Mestre- Não posso recusar o pedido de um velho amigo. Por isso a partir de agora vocês seram os novos membros da Fairy Tail.

Arqueo a sobrancelha.

"Ele nem vai perguntar se queremos isso?" Penso.

-Alguma objeção?

Olho para o rosto assustador do velho e rapidamente nego junto aos outros.

-Ótimo! Vão até o Reedus, ele fará a marca da Guilda para vocês-diz pegando um papel e começando a ler.

-Espera aí Velhote! Ainda tem o Jellal-diz Gray fazendo o Mestre olhar para ele.

-Expliquem para ele as regras e o levem até Reedus depois. Estou sem tempo para perder com estorvos iguais a vocês-diz em um tom sério.

Engulo em seco saindo da sala do Mestre.

"Parece que vou ganhar uma tatuagem de graça..."

 

////////

 

Demorou um pouco para encontrarmos o tal de Reedus. Ele nos levou até uma sala o de havia uma maca e se sentou na cadeira ao lado preparando uma máquina.

-Quem vai ser o primeiro? -pergunta nos olhando. Natsu vai até a maca e se senta arregaçando a manga da camisa laranja para deixar a mostra o ombro direito.

-Vermelha-o Rosinha apenas diz isso. Reedus assenti colocando algo na maquina antes de encostar na pele do Dragneel. Um barulho constante preenche a sala.

Após um tempo, o cara tatuou o símbolo em vermelho com perfeição no ombro do Salamander, ele envolveu o desenho em insufilme e chamou o próximo.

Gray fez a marca em azul petróleo no lado direito do peito. Wendy foi azul celeste no ombro esquerdo e Romeo igual a de Natsu; crianças não podem fazer tatuagens, por isso, Reedus colou o desenho e disse que eles teriam de vir ali no próximo mês para colar novamente. A minha foi  preta no ombro direito, não doeu tanto como a maioria afirma.

 

////////

 

Descobri que na Guilda quase não tem regras:

-Traição leva pena de morte.

-Criança não podem fazer a tatuagem da Guilda e nem missões até os 15 anos, além de ser proibido bebida alcoólica para menores de 16. Ate esse tempo, a Guilda tem a obrigação de banca-las.

-Uma vez entrando na família, para sempre será da família.

-Ferimentos a um membro por parte de alguém que não pertencente a Fairy Tail é declaração de guerra.

-Apenas Classe-S podem entrar no Terceiro Andar.

Pelo menos, foram essas as que Natsu me falou antes de ir até a albina que o beijou.

Albina essa que descobri ser uma ex do Salamander da época em que ele e Gray faziam parte da Guilda. Não dei muita importância para isso.

Eu e o Gelinho fomos até o balcão onde a tal de Demon estava.

-Oh vejo que temos um membro novo! Prazer, sou Mirajane Strauss qualquer coisa que quiser é só ver até aqui-diz Mirajane com um sorriso gentil no rosto.

-Gajeel Redfox-digo ainda observando o local.

Gray engata em uma conversa com a Mirajane sobre algo que não tava afim de saber. Sinceramente? Eu não imaginava que seria assim, pensei que teríamos que explicar um monte de coisas e ser analisados por um cara tão sério que seu rosto seria uma estátua. Mas até é melhor assim, nunca fui bom em passar por testes.

Uma cabeleira azul prende meu olhar ao entrar em cena. Sorrio de canto ao ver a face irritada da Baixinha ao sair da porta que leva as escadas, seu olhar se encontra com o meu e sua face cora ao ela enviar um olhar fuzilante em minha direção, Levy me olha mais uma vez antes de voltar pelo caminho que fez.

Uma doce satisfação preenche minha mente transformando-se em um sorriso aberto ao assistir o quanto meus “pegas” a afetaram, a mensagem enviada tinha sido clara o bastante para mostrar o quão furiosa ela esta. Levanto da cadeira atraindo o olhar dos outros dois que me faziam companhia.

-Tenho alguns assuntos a resolver- digo indo em um direção especifica.

Estranhamente, meu estômago dava algumas voltas e meu coração batia descompassado. A ansiedade marcava presença de uma forma surreal; eu estava mesmo nervoso por causa disto? Quantas vezes já entrei em paqueras fazendo exatamente isso? Estou mesmo eufórico por sua reação ao meu próximo passo?

Respiro fundo tentando me acalmar antes de seguir em frente.

“O máximo que pode acontecer é um não, embora seja bem difícil de acontecer, ainda é uma possibilidade”

Empurro a porta buscando com os olhos a pessoa a qual procuro, encontrando-a rapidamente.

Fecho a porta chamando sua atenção, ela me lança um olhar mais que furioso.

-Quem. Você. Pensa. Que. É?- diz pausadamente. Suspiro já me irritando com todo aquele drama.

-Ate onde me lembro, sou Gajeel Redfox- comento colocando um sorriso de canto ao vê-la cerrar os punhos ficando vermelha. Algo em mim se aquece com a suposição de que não é só raiva que faz seu rosto mudar de cor.

-Quem te deu o direito de me beijar seu Troglodita?!-exclama nervosa se aproximando e apontando o dedo para mim. Perco o resto da minha paciência, revirando os olhos e segurando seu punho, em um rápido movimento puxo seu braço para cima trazendo-a para perto, muito perto.

Minha pele esquenta ao ter seu corpo colado ao meu. Um suspiro involuntário escapa de minha boca, a Baixinha chegava a altura de meu tórax quase em meus ombros e por causa disso eu podia senti-la por inteiro. Olho para baixo encontrando o olhar dela arregalado em minha direção, meu coração falha uma batida ao vê-la com expectativa de um movimento indecente de minha parte; Levy podia querer negar mas eu podia ver em seus olhos todas as vezes que chegava um pouco mais perto. Inspiro fortemente sentindo seu cheiro citrico que descobri recentemente, era viciante...

Abaixo o rosto mergulhando em seu olhar.

-Pode me xingar, pode dizer que me odeia, pode me chamar de Ogro e Brutamontes, pois isso não me afeta em nada. Eu sei que sou sua Insanidade e o centro de todos os seus desejos. Apenas lhe respondo: Você ainda será minha Baixinha! –sussurro próximo ao seu rosto, ela arregala os olhos com uma emoção diferente naquele belo âmbar.

-Gajeel... –sussurra de volta para mim assustada. Levo minha outra mão a sua cintura mantendo-a firma naquela posição ao notar uma provável tentativa de fuga.

-Shhh... Eu ainda não terminei- digo sorrindo com o coração aos saltos e por estar colado a ela, podia ouvir o seu tão rápido quanto o meu assim como o rubor em suas bochechas- Tenho uma proposta a fazer. Quero sair com você, conhece-la, beija-la e muitas coisas além; não se preocupe, não estou pedindo-a em namoro ou casamento mas sim para ficar. Sei que não quer algo sério logo no inicio assim como eu, acabamos de nos conhecer e é por isso que será sem compromisso. Isso se disser sim, é claro

Reprimo o riso ao ver a incredulidade estampada em seu rosto. A Baixinha abriu a boca sem palavras , porem querendo falar algo. Passo o polegar por sua bochecha vibrando com a maciez presente nessa, se é possível Levy fica ainda mais vermelha.

-Amanhã quero sua resposta, hoje apenas pense em mim e no que pode virar nós- seguro a todo custo o sorriso ao observar a vergonha misturada a incredulidade. Beijo de leve sua bochecha onde acabei de passar a mão sentindo o calor de seu pele formigar meus lábios, ouço-a prender a respiração e não consigo evitar sorrir em sua pele.

Afasto-me saindo pela porta, ansioso pelos eventos do próximo dia.

 

#Natsu

 

Olho-a em silêncio.

Lissana encarava a mesa fixamente, suas mãos estavam juntas sobre a mesa. Eu podia ouvir seu coração bater rapidamente pelo nervosismo assim como sentir o nostálgico cheiro de rosas que provinha de sua pele.

Suspirei pelo clima pesado na mesa localizada ao canto da Guilda, mais privada e isolada, lugar perfeito para a conversa que vamos ter agora.

-Quando voltou Lis?-vendo que nenhuma iniciativa era tomada, comecei a conversa. Ouço-a respirar fundo tentando se acalmar.

-V-Voltei logo após você e o Gray-kun terem saído da Fairy Tail –explica me fazendo fechar os olhos e respirar fundo com a pontada de leve sentida em um lugar especifico- Nat-kun... E-Eu...

Abro os olhos lhe lançando um olhar duro.

-Foi embora-completo a frase entre os dentes com todo o acumulo de palavras não ditas implorando para sair- Simplesmente pegou aquela porcaria de missão e foi embora, sem nem me avisar. Sequer um bilhete deixou, tive que saber pela Ever.

Minha raiva contida por todos esses anos finalmente estava ganhando espaço, e eu sabia que a mesma não iria embora tão cedo. Lissana abaixou o olhar novamente com remorso, a culpa sentida pela mesma fez uma satisfação mórbida encher meu coração; toda a dor e frustração guardada por tanto tempo finalmente estava sendo aliviada, vingada.

- E-Eu não sabia o que fazer...

Estalo a língua com meu Lobo remexendo-se abaixo de minha pele, incitando-me a libertar aquela agonia acorrentada a mim.

-Conte-me outra. Devia ter ido a mim, eu era seu melhor amigo, aquele que mais te amava, seu amante, seu noivo. Mas em vez de procurar-me, resolver aquilo, superar, você fugiu- acuso com um gosto ruim na boca.

Vejo lágrimas escorrerem por seu rosto, mas ao contrário de antigamente; quando eu ficaria com um aperto no peito e imploraria para a mesma não chorar; eu não sentia nada.

Absolutamente nada...

- E-Eu o matei Nat-kun... Como iria querer que o encarasse após aquilo?- sussurra com a voz embargada. Suspiro fechando os olhos ao vivenciar alguém esmurrar meu coração.

Ira substitui a tristeza e a dor, fazendo-me tensionar a mandíbula e cerrar os punhos.

-Eu nem sabia dele Lissana... Sequer tinha conhecimento ate receber a noticia que vocês estavam na enfermaria... Não, que você estava na enfermaria. Eu tinha o direito de saber- resmungo cruzando os braços na tentativa de parar aquilo, parar aquele sentimento de ira. Ouço sua fungada na intenção de interromper o choro.

- Não queria te-lo Natsu... Não queria me lembrar daquela noite; estava assustada com a sua reação ao saber que eu estava esperando um filho de um criminoso, um estuprador... Como queria que lhe contasse? Como queria que lhe dissesse que na noite em que fui violentada teve frutos? Que o que eu havia guardado para você, para a nossa noite de núpcias, havia sido roubado e dado frutos?- sussurra balançando a cabeça para os lados. Fecho os olhos sentindo aquilo me dar uma surra novamente, aquele sentimento de inutilidade volta com tudo formando um bolo em minha garganta.

-Iamos nos casar Lissana... Você sabe o que significa um casamento na Guilda tanto quanto eu, deveria ter confiado em mim... Eu amava você, jurei diante dos deuses que seria minha esposa... -digo com a voz falhando no final com a pequena abertura naquela velha cicatriz. Levanto da cadeira chamando sua atenção-Porque me beijou?

As lágrimas haviam voltado para seu rosto.

-E-Eu... Fiquei tão feliz por ter voltad-

-Não voltei por você-interrompo sua fala lançando um olhar duro em sua direção- Voltei por meu amigo, nada mais, nada menos.

Quando me preparo para sair, ela segura meu pulso.

-E-Eu quero tentar de novo Nat-kun... Na primeira vez não deu certo... Mas pode ser que na segunda tudo se ajeite, ambos nos esquecemos de toda essa história e finalmente possamos ser felizes-diz antes de eu puxar meu braço livrando-me de seu aperto.

Não digo mais nada, apenas dou as costas para ela e saio da Guilda.

 

////////

 

E-Eu quero tentar de novo Nat-kun... Na primeira vez não deu certo... Mas pode ser que na segunda tudo se ajeite, ambos nos esquecemos de toda essa história e finalmente possamos ser felizes”

Soco a arvore com toda a fúria residente de meu corpo.

“Na primeira vez não funcionou por sua culpa, eu nunca tive segredos dela, nunca. Sempre confiava tudo a ela, abria mão de tudo por ela...” Penso frustrado.

Sento na arvore recém caída suspirando.

Enfio a mão por debaixo da camisa retirando-o de seu refugio.

Elevo na mão a chave antiga presa em um colar que sempre uso debaixo da camisa. Passo o polegar por seus contornos sentindo meu coração, antes tão afoito, acalmar-se e receber um estranho calor.

A chave não era uma qualquer; ela era personalizada e repleta de detalhes. Em sua empunhadura a metade de um sol aparecia no inicio, então pequenas estruturas de prata seguravam algumas engrenagens douradas iguais ao sol, ate chegar a sua parte alongada também de prata, esta onde havia uma corrente de ouro envolvendo-a ate chegar aos dentes peculiares da chave.

“-Porque uma chave com um sol?

-Porque a chave significa tanto a abertura quanto o fechamento. Ela lhe da a opção de escolher entre lembrar e esquecer, já o sol é o calor, o fogo que pode ser encontrado no amor que você sente por alguém. Sendo assim, não vejo porque eles não seriam perfeitos juntos, assim como não vejo como esse colar não seja perfeito para você.”

Sorrio com a lembrança. Eu podia não estar sóbrio naquela noite, mas sabia o que havíamos feito após bebermos juntos, sabia que havia entregado minha virgindade a uma mulher que conheci umas horas antes de fazer aquilo assim como ela havia entregado a sua a mim. Não me recordo de seu rosto, ou o motivo de ter entregado meu bem mais precioso a ela; entretanto lembro dela ser a única a fazer toda a dor e magoa sumirem com um sorriso mesmo em meio a lágrimas e um coração tão machucado quanto o meu.

Guardo a chave novamente em seu lugar indo atras de Jellal, tudo o que mais preciso agora é uma cama.

 

#Lucy

 

-...Falling in the fog would've never be the same

I come alive when I am burning in the flames

I'm under fire, with the fire I want to wake

My life feels empty

When I am walking through the flames

 

When I am walking through the flames

When I am walking through the flames

 

(Cair na névoa nunca mais seria a mesma coisa

Eu ganho vida quando estou em chamas

Estou sob fogo, com o fogo quero acordar

Minha vida parece vazia

Quando estou andando pelas chamas

 

Quando estou andando pelas chamas

Quando estou andando pelas chamas)

 

Remexia os quadris em um ritmo animado enquanto lavava a louça, ouvindo a música alta e eufórica já em seu final enquanto cantava alto junto ao vocalista. A mente em branco era uma benção para os pensamentos inoportunos que queria adentra-la e me recordar dos últimos acontecimentos.


 

 

I will face everything and rise

Never gonna quit until I die

Angels keep falling from the sky

I'll take their broken wings and learn to fly

I will face everything and rise


 

Face everything and rise

Face everything and rise

 

(Eu enfrentarei tudo e ascenderei

Nunca desistirei até eu morrer

Anjos continuam caindo do céu

Pegarei suas asas quebradas e aprenderei a voar

Eu enfrentarei tudo e ascenderei


 

Enfrente tudo e ascenda

Enfrente tudo e ascenda)

 

A melodia, por fim, acabou assim como meu trabalho na pia da minha cozinha.

 

Suspiro sentindo minhas costas doerem de tanto limpar e retiro o suor presente em minha testa. Havia feito uma verdadeira faxina em meu apartamento assim que cheguei da Guilda.

 

Guilda...

 

Balanço a cabeça para os lados.

 

“Não ouse fazer essa sacanagem comigo! Esta terminantemente proibida de pensar por hoje sua maldita!” Brigo com meu cérebro mentalmente.

 

Olho ao redor vendo minha modesta moradia. O apartamento ficava em um sobrado em frente ao rio que cortava  a cidade e que era muito usado como meio de transporte. Era; acima de tudo; pequeno, uma suite, uma sala e uma cozinha mobiliada de forma simples; o aluguel considerado barato comparado a maioria dos residenciais em Magnólia.

 

Suspiro retirando as roupas a medida que caminho ate o banheiro.

 

Entro na banheira ligando o chuveiro com preguiça demais para espera-la encher por mais tentadora que seja a ideia.

 

Suspiro extasiada com a sensação da água quente escorrer em minhas costas aliviando a fadiga de ter feito uma limpeza pesada em cada canto desse lugar e todo o suor que impregna minha pele. Gastei a noite inteira e ainda o final da tarde para deixar minha casa brilhando. Fechando os olhos, deleito-me ainda mais com o sentimento de estar me livrando de toda a sujeira em meu corpo, de estar sendo limpa.

 

Serio, quem inventou a água quente devia ser um santo.

 

“Nat-kun?”

 

Bufo abrindo os olhos ao ouvir a voz de Lissana ecoar em minha mente.

 

Affs!!!! VÊ SE ME ESQUECE! PORRA AGORA, JUSTO QUANDO ESTOU EM MEU BANHO, QUE VOCÊ VEM ME PERSEGUIR???????

 

Mas como minha mente é uma desgraçada, traíra, filha da puta que ama me ver sambando na merda, ela ousa; OUSA; enviar-me a maldita imagem que quase custou minha dignidade.

 

Bato a testa contra os azulejos engolindo o bolo que se formou na minha garganta.

 

Por favor...

 

“Ela se joga contra ele o beijando”

 

Para...

 

“Ele retribui com a mesma intensidade”

 

Para...

 

“Todos na Guilda começam a bater palmas, aprovando a cena do casal”

 

Minha respiração se torna pesada por reprimir algo que não faço ideia do que seja, engulo em seco sentindo meu coração aumentar o ritmo.

 

“-Louca? Isso eu te pergunto! Porque fez aquilo? Eu tava quase...

-Acabando com sua dignidade?”

Meu rosto queima pela vergonha que atravessa meu corpo, cerro os punhos; um de cada lado da minha cabeça; pressiono a face mais forte contra o azulejo frio tentando expulsar aquilo de meu rosto. Um aperto sufoca meu coração me fazendo ofegar contra a cerâmica.

“Eu... estava com... ciumes do Natsu?”

Franzi o cenho mordendo o lábio inferior.

Eu... Não mereço... isso.

Quando? Quando foi que cheguei a esse ponto? Não posso... Não posso estar sentindo isso...

Esmurro a parede em um surto de ira.

Isso... O que é “isso”?

Porque meu rosto esta marcado de lágrimas?

Porque estou soluçando?

Porque estou gritando?

 

#Juvia

 

“-P-Por Favor! Pa-Pare. Juvia Implora!

-CALE A BOCA SUA PUTINHA!-um tapa acerta a face de Juvia, tão forte que manda Juvia ao chão ”

Juvia se encolhe contra a parede como se estivesse levado um choque.

Chega...

“Uma mão aperta o pescoço de Juvia, impedindo Juvia de respirar. Juvia leva as duas mãos a aquela que sufocava Juvia em uma tentativa inútil de voltar a respirar.

-Quem você pensa que é?! Implora? Eu mandei você implorar? Você não é ninguém, uma mera boneca para satisfazer nossos desejos. Bonecas não falam, bonecas não pedem, não imploram, não choram. Você é um objeto, nada além disso; então sua pirralha, cale essa merda que chama de boca e obedeça! Não quer ser punida, quer?

- Gomenassai...”

Um trovão seguido de seu acompanhante iluminam o seu e traz  um barulho ensurdecedor aos ouvidos de Juvia.

Juvia respira fundo abrindo os olhos para a chuva que castiga Magnólia em plena madrugada. O vento frio passa pelo corpo de Juvia através do leve vestido tomara-que-caia com uma faixa horizontal azul-petróleo com largura o suficiente para cobrir a metade dos seios da Juvia; depois da faixa ele é verde ate outra faixa, desta vez roxa e marcando a cintura de Juvia, aparecer; a partir desse ponto ele tem a cor azul com uma abertura deixando a mostra toda a perna da Juvia (foto do cap).

Juvia se concentra no poder torrencial da chuva.

Chuva...

A quanto tempo acompanha a Juvia?

Mesmo quando Juvia a odiava com todas as forças, sempre presente...

Sempre chorrando... Sempre triste...

Sempre demostrando algo que Juvia não é mais capaz de fazer...

Um suspiro sai da boca de Juvia enquanto Juvia sai da área coberta se juntando a querida chuva. Uma sensação gritante salta das terminações nervosas de Juvia antes das mesmas adormecerem. A força dos pingos poderia machucar alguém, mas não a Juvia... Não, nenhuma dor é mais capaz de ferir Juvia...

Juvia anda com a chuva, não ligando para onde vai.

O frio causava um quase alívio em Juvia.

Mas não era o suficiente... Não para apagar tudo.

Algo permaneceu instalado na garganta da Juvia, uma espécie de bolo, a quanto tempo Juvia não consegue derramar uma única lágrima? Sempre deixando para a chuva...

A respiração de Juvia se torna ofegante.

Juvia esta correndo?

O coração de Juvia muda de ritmo por conta da adrenalina.

Para onde Juvia esta correndo?

Uma estranha falta de ar faz Juvia parar.

Era sempre assim.

Juvia corria, corria, corria e, ao chegar, não havia nada.

Absolutamente nada.

Mas hoje... Havia algo errado.

Porque elas não vão embora da mente da Juvia?

“Uma Boneca não chora.

Uma Boneca não implora.

Uma Boneca não pede.

Uma Boneca não fala.

Uma Boneca não sente.

Apenas serve.”

Juvia sente uma dor no lado esquerdo do peito.

Juvia leva a mão ao local mordendo o interior da bochecha. A agonia tão bem conhecida da Juvia... Quase tanto quanto a chuva...

O buraco no coração de Juvia.

-Juvia... Não aguenta mais...-Juvia sussurra em súplica. A tormenta se torna mais forte, rebelando-se contra a vontade de Juvia. Juvia olha para cima, para a querida chuva- Chega... Para... Por favor, Juvia implora...

“A bandeja de metal bate no rosto de Juvia fazendo Juvia sentir um gosto metálico na boca ao mesmo tempo em que fogo surge nos joelhos de Juvia ao os mesmos irem de encontro ao chão de pedra.

-LEVANTE-SE BONEQUINHA! ESTA NA HORA DE BRINCAR!!”

 

Por favor...

 

Por favor...

 

Por favor...

 

Por favor...

 

Por favor...

 

-JUVIA!

Juvia arregala os olhos.

Duas mãos quentes estavam nos ombros da Juvia.

Quem...?

Juvia olha para frente surpreendendo-se.

Gray-sama olhava para Juvia assustado, a camisa social branco estava molhada assim como a calça jeans preta. O ar dos pulmões da Juvia desaparece fazendo Juvia entreabrir os lábios em busca de suprir aquilo que o nariz já não consegue sozinho, o coração de Juvia da um salto.

A boca de Gray-sama estava se movendo mas Juvia não ouvia nenhum som.

O fresco aroma oriental já sentido por Juvia volta a aparecer. Juvia respirou fundo consumindo mais e mais daquilo; Juvia gostava daquele cheiro, mesmo Juvia sempre odiando o odor de especiarias, aquela essência parecia entorpecer Juvia. Juvia fechou os olhos sentindo as mãos quentes nos ombros de Juvia guiarem Juvia.

Mãos quentes...?

Gray-sama não tem mãos quentes

Juvia ofegou ao parar de sentir a chuva.

-...Você esta tremendo.

Juvia abre os olhos piscando um par de vezes ao ouvir a voz de Gray-sama.

-Juvia... esta tremendo...?- Juvia sussurra olhando para as mãos de Juvia.

As mãos de Juvia estavam pálidas e tremendo.

-Juvia... ?-Juvia ouve a voz de Gray-sama distante enquanto imagens voltavam a aparecer na mente de Juvia.

“-Por que esta tremendo?! Ate quando vai ficar ai? Não me ouviu chamar? Vou ter que ir ai lhe buscar de uma maneira diferente?”

Juvia cerra os punhos tentando fazer com que parem de tremer, o aperto dentro do torso de Juvia aumentou fazendo Juvia fazer uma careta de dor. Parecia que alguém estava desfiando o coração de Juvia, cortando ao meio, fio a fio lentamente...

Algo morno segura o queixo de Juvia forçando-o a ir para cima.

Gray-sama olhava para Juvia de uma maneira estranha, Gray-sama parecia assustado e...  agoniado? Os cabelos negros de Gray-sama grudavam no rosto de Gray-sama centralizando o olhar intenso que Gray-sama enviava a Juvia, Juvia sentir algo se contorcer dentro de Juvia. Algo... se aqueceu em Juvia. Aquele olhar era tão... quente que havia roubado o ar dos pulmões de Juvia, Juvia nunca foi olhada dessa forma.

A mão, agora morna, de Gray-sama passou pela bochecha de Juvia. O olhar de Gray-sama era tão ardente que fazia a pele de Juvia começar a queimar, Juvia fechou os olhos estremecendo com a mudança súbita. O toque foi movido para os lábios de Juvia que se entre abriram com o toque.

-Seus lábios estão roxos...-Juvia ouve o murmurio de Gray-sama. O som faz Juvia abrir os olhos.

Gray-sama estava perto de Juvia.

Gray-sama estava muito perto de Juvia.

Antes que Juvia possa entender direito, o polegar fora substituído por outra coisa. Um suspiro sai da boca de Juvia ao sentir o corpo de Juvia novamente, lentamente Juvia pode vivenciar uma corrente abrasadora seguir ate o lado esquerdo de Juvia, aliviando tudo em Juvia, acordando cada terminação nervosa de Juvia e fazendo estas gritarem com o fogo que atingiu o frio de Juvia.

Juvia parou de tremer

Juvia sente os lábios mornos de Gray-sama moverem os de Juvia brandos, parecendo incendiar Juvia. Juvia ofegou.

Aquele arrastar hesitante fazia Juvia se sentir em meio a chamas.

E Juvia estava amando estar lá.

Juvia sem perceber começou a retribuir.

E o movimento de Juvia mudou a natureza daquilo.

As mãos do Gray-sama estavam geladas quando seguraram a cintura de Juvia e puxaram Juvia para frente. O toque quase libertava Juvia do Inferno, algo que Juvia nunca sentiu antes. O coração de Juvia estava acelerado quando chocou-se contra Gray-sama, Juvia arfou quando sentiu o corpo de Gray-sama; as roupas molhadas causavam uma minima barreira entre os corpos da Juvia e do Gray-sama permitindo a Juvia sentir cada pedaço do Gray-sama e isso fez Juvia criar uma urgência sem fundamentos. Juvia move as mãos e segura o pescoço de Gray-sama e surpreendentemente isso resultou em um baixo som vindo do Gray-sama.

Um suspiro involuntário deixou Juvia e Juvia enfiou a mão direita nos cabelos de Gray-sama puxando o Gray-sama para Juvia aumentando o nível do beijo.

Algo eletrizante passa pelo corpo de Juvia ao tocar a língua de Gray-sama, um suave gosto de baunilha era o gosto da boca de Gray-sama.

Hesitante tornou-se sedento com apenas uma única reação de Juvia:

Por conta de um gemido tão baixo que poderia passar despercebido, mas não para a audição de Gray-sama.

Juvia sentiu o ar a volta de Juvia mudar rapidamente, e , em menos de dois segundos, Juvia vivenciou novamente a chuva ao ser pressionada contra um poste da rua.

Mas agora, nem mesmo a chuva foi capaz de esfriar a Juvia.

O beijo de Gray-sama era simplesmente um incêndio avassalador desconhecido a Juvia, e isso instigava Juvia em níveis surreais; seu poder queimava tudo em Juvia: pensamentos, memórias, frio, angustia, ar... sanidade. Os sedosos cabelos do Gray-sama eram tão macios que faziam a Juvia não parar de mexer lá, Juvia sentia os músculos de Gray-sama se contraírem sob a mão de Juvia quando a mesma decidiu explorar o outro e tal domínio deixava Juvia extasiada. Juvia sentiu as mãos geladas de Gray-sama movimentarem-se no corpo da Juvia deixando um rastro de arrepios em Juvia e causando um alivio repentino apenas para multiplicar o calor presente em Juvia. Cada mão tomou um caminho diferente: a esquerda de Gray-sama seguiu para o pescoço de Juvia onde agarrou os cabelos de Juvia com força fazendo Juvia arfar em meio ao desespero de querer mais e mais daquilo intensificando ainda mais o beijo quase violento de Juvia e Gray-sama, a direita passou para a perna exposta de Juvia deixando um rastro de formigamento na mesma; ao chegar perto do joelho de Juvia, Gray-sama dobra a perna de Juvia fazendo-a abraçar a cintura de Gray-sama tornando possível Juvia sentir completamente cada parte do corpo de Gray-sama.

A situação afetou tanto a Juvia que Juvia teve que quebrar o beijo apenas para suportar o choque prazeroso que fez a mente de Juvia rodar. Gray-sama também pareceu sentir o mesmo que Juvia, pois apertou com firmeza a coxa suspensa de Juvia e enterrou o rosto entre o ombro e o pescoço de Juvia fazendo Juvia sentir cada lufada de ar da respiração ofegante de Gray-sama.

Juvia respirava com dificuldade, Juvia estava fervendo mesmo em meio a tempestade fria que caia em Juvia, o coração de Juvia estava descompassado e Juvia sentia o de Gray-sama da mesma forma. Gray-sama pressionava o corpo de Juvia contra o poste fazendo Juvia ficar entorpecida ao ser esmagada com tanta vontade. Um certo ponto de Juvia latejava em um ritmo prazerosamente torturante que ficava cada vez mais forte por ter uma rigidez pressionada contra o mesmo e isso fez Juvia apertar mais forte o grupo de cabelos presos entre os dedos de Juvia.

Juvia sentiu o corpo de Gray-sama tensionar e um grunhido ser soltado próximo ao ouvido de Juvia, tal som retirou todo o ar que Juvia havia tentado recuperar em um arfar.

O corpo de Gray-sama se retesou ao ouvir Juvia e a mão de Gray-sama apertou mais forte a coxa de Juvia mandando arrepios toda a extensão do corpo de Juvia. Juvia cerrou os dentes abraçando mais forte o corpo de Gray-sama.

Juvia sentir um beijo ser depositado no pescoço da Juvia pelos lábios do Gray-sama fazendo Juvia aranhar com força a nuca de Gray-sama. Em reação a isso, Gray-sama rosnou contra o pescoço de Juvia antes de elevar a cabeça.

Juvia abriu os olhos encarando Gray-sama.

Os olhos do Gray-sama estavam diferentes, não eram mais negros.

Eram vermelhos.

Mas não os vermelhos que Juvia estava acostumada a ver em todos os Vampiros.

Eram mais escuros, um vermelho bordo.

E tal cor fez Juvia prender a respiração.

Os olhos de Gray-sama eram famintos e demostravam um fogo ardente que embriagava Juvia. Juvia engoliu em seco com aquele olhar.

Gray-sama parecia olhar a alma de Juvia e isso paralisava Juvia.

Gray-sama lentamente aproximou o rosto fazendo Juvia soltar a respiração. O coração de Juvia saltou em expectativa, Juvia sentiu o nariz de Gray-sama  encostar no de Juvia, Juvia podia saber dos milímetros que separavam os lábios do Gray-sama dos da Juvia pela respiração ofegante compartilhada. A mesma urgência desconhecida de antes abateu Juvia novamente, Juvia estava hipnotizada pelo fogo, Juvia não conseguia pensar em nada, apenas em aliviar aquela agonia prazerosa presente em todos os cantos de Juvia.

Juvia fechou os olhos rendendo-se ao impulso de colocar as mãos, uma de cada lado do rosto de Gray-sama, e puxar o rosto de Gray-sama para o de Juvia. Juvia gemeu com aquele toque há muito esquecido por Juvia.

A ternura dominava aquele lento beijo, Juvia apreciava os lábios frios de Gray-sama  sentindo uma onda acalentadora passar por Juvia.

Aquela onda...

“-Prazer, sou Lyon Vastia. Vou lhe levar a Mestra Ooba-sama- Vastia-san diz sorrindo enquanto pega Juvia pela mão.

(...)

-Eu gosto de você Juvia- Lyon-sama diz acariciando com ternura o rosto de Juvia.

(...)

Lyon-sama olhava com nojo para Juvia...”

Juvia arregala os olhos.

Juvia empurra Gray-sama para longe usando a chuva como transporte para aparecer bem longe do Gray-sama.

Juvia encosta as costas em uma parede sentindo novamente a chuva acariciar a pele de Juvia. Juvia estva com os olhos arregalados com as mãos sobre a boca.

Isso é tudo o amolecimento de Juvia.

Juvia lança a cabeça para traz batendo a nuca na parede tirando as mãos da boca de Juvia mantendo-as cerradas ao lado do corpo.

Juvia olha para as nuvens cinzas acima de Juvia respirando fundo ao tentar absorver o frio que a chuva proporcionava para Juvia.

Isso foi tudo a mente conturbada de Juvia.

 

#Levy

 

Olhava para a porta da Guilda com o coração batendo descompassado.

Merda. Caralho. Porra.

Fecho os olhos mordendo o lábio inferior.

“Quero sair com você, conhece-la, beija-la e muitas coisas além; não se preocupe, não estou pedindo-a em namoro ou casamento mas sim para ficar. Sei que não quer algo sério logo no inicio assim como eu, acabamos de nos conhecer e é por isso que será sem compromisso. Isso se disser sim, é claro.” As malditas palavras voltam a rodar em minha mente.

Por que?

Isso era tudo o que eu queria saber.

Por que Kami-sama? Porque envia essa... Coisa para me atormentar?

Só posso ter sido o Hitler e não sabia disso.

Não é possível tamanha desgraça em uma só pessoa.

-Nunca mais na minha vida piso em Crocus...- sussurro para mim mesma com o pé batendo no chão sem parar.

Mas... será que é mesmo uma desgraça?

“Levy McGarden!!!! Pode parando com isso!!!! É claro que é uma desgraça! Uma praga do capiroto para fuder com a minha vida! A mistura do Apocalipse Zumbi e robótico, o Inferno sobre a Terra! Será que é uma punição por ter roubado o doce daquela criança? ” Martirizo-me em minha mente ficando cada vez mais confusa.

Bato a testa contra a mesa com uma aura depressiva ao meu redor.

“Pode me xingar, pode dizer que me odeia, pode me chamar de Ogro e Brutamontes, pois isso não me afeta em nada. Eu sei que sou sua Insanidade e o centro de todos os seus desejos. Apenas lhe respondo: Você ainda será minha Baixinha!”

Tsc. Não acha que já ta na hora de parar de me lembrar disso?!

“Amanhã quero sua resposta, hoje apenas pense em mim e no que pode virar nós”

DESISTO! QUANDO FOI QUE VOCÊ FICOU REBELDE HEIN????

Droga.

Para vocês verem o tamanho da sorte que eu tenho... Fiquei a noite inteira com essas malditas frases rondando a minha mente traíra e agora estou aqui, no outro dia, as oito horas da manhã com enormes olheiras e sem uma resposta para aquele Brutamontes.

Onde ta a Lu-chan quando eu preciso?

“Bem provável que esteja trancada naquele lixão que ela chama de apartamento tomando litros de sorvete enquanto se auto-flagela pela vergonha que passou na tarde de ontem”

Bato novamente a testa na mesa de madeira nos fundos da Guilda.

O que eu faço?

Aceito ou não?

Suspiro cansada, tinha apenas mais alguns minutos para me decidir ate a Mira abrir a Guilda. Como moro na Fairy Hills, uma mansão com diversos apartamentos pertencente a Fairy Tail que fica centenas de metros após a sede onde os membros da mesma podem morar pagando um aluguel, conseguia entrar na Guilda mesmo antes dela abrir, isso é, ficando na área dos fundos onde fica a piscina e a churrasqueira.

“Do jeito que estou indo vou acabar deixando para a moedinha”

Okay. Calma Levy. Vamos analisar a situação.

Aquele cosplay de geladeira inox estava completamente certo que era alimento para suas fantasias? Infelizmente!... Ele é gostoso pra caralho? Infelizmente!... Ele é alguém totalmente pegável? INFELIZMENTE!... Você sente coisas estranhas perto dele? In-fe-liz-men-te... Adimiti querer ele? Infelizmente... Quer aceitar aquela proposta? Isso é uma análise ou um tribunal?

 Bufo.

Maldito penhasco que tenho por badboys.

Porque nunca vem aqueles caras certinhos para mim? Porque sempre os malditos badboys gostosos e canalhas pra caralho?

Que ódio de mim mesma!

Suspiro mais uma vez quando imagens inoportunas vem a minha mente.

Devo mesmo aceitar outra proposta dessas? Apenas para depois me apaixonar e tomar bem no meio dos meus lindos e divosos glúteos?

Tsc. Chega de ilusões Levy.

“Quem ele pensa que é? Já chega me chamando de Baixinha, já chega me beijando e desejando, já chega me fazendo ficar apaixonada por seus olhos vermelhos”

Suspiro outra vez ao ouvir a porta dos fundos ser destrancada pela Mira.

Onde coloquei a porcaria da moedinha?

 

//////////

 

É nessas horas que eu abençoo quem criou o álcool!

Ergo a mão pedindo outra caneca para a Kinana, a outra garçonete da Guilda. Embora alguns copos de cerveja não me deixem bêbada, servem para me dar coragem para o que estou prestes a fazer.

Olho para o relógio preso na parede da Guilda pela décima vez nesses cinco minutos passados.

08:45

Meu coração batia rapidamente nervoso pelo que irá acontecer hoje.

Engulo em seco tentando me distrair com algo antes que tenha um ataque cardíaco.

Não havia muitas pessoas na Guilda essa hora, a maioria preferia aparecer por umas 10:00 ou na hora do almoço. Claro que, os que estão presentes agora são aqueles que já provocaram incêndios nas cozinhas, e exatamente por isso preferem tomar o café da manhã que a Mira começa a preparar a partir das 08:30 e obviamente eu faço parte desse grupo.

Estou surpresa pela Juvia ou a Er-chan não terem aparecido ainda.

“Bem, a Er-chan nem tanto. Ela consegue se virar com as bolsas que guarda em um freezer no seu apartamento da Fairy Hills ou então com as milhares de bebidas alcoólicas no seu estoque pessoal. Mas a Juh já devia ter chegado á muito tempo... ”

O prato que pedi á Mira é depositado a minha frente junto da caneca de cerveja distraindo-me de meus devaneios. Dou um largo sorriso olhando para o lado pronta para agradecer a Kinana quando dou de cara com ele.

Gajeel me olhava com aquele típico sorriso de canto, estava usando uma regata preta com um colete jeans cinza por cima, usava uma simples calça jeans negra também.

Prendo a respiração arregalando os olhos surpresa tanto pelo visual tesão quanto pela tatuagem negra da Guilda em seu ombro.

Malditos badboys...” Penso ao sentir meu rosto quente e o coração saltar no peito.

O Redfox senta na cadeira a minha frente sem nunca tirar o maldito sorrisinho.

Respiro fundo tentando acalmar tanto o meu coração quanto a mim.

Um silêncio se instalou na mesa me fazendo ficar desconfortável.

Ele deve estar adorando isso...

Abro os olhos decidida a acabar com aquilo aproveitando a momentânea irritação como gatilho para dar-lhe minha resposta.

-Sem compromisso, sem ciumes, sem se apaixonar e se um de nos quiser pode cair fora a qualquer momento- dito as regras olhando determinada para o Troglodita.

Ele sorri de orelha a orelha com um brilho satisfeito no olhar. Gajeel se debruça sobre a mesa aproximando o rosto do meu, fico arrepiada dos pés a cabeça pelas intenções que fazem seus olhos escurecerem.

-Fechado- sussurra antes de selar nosso acordo com um beijo, agraciando-me novamente com aquele sabor de melancia simplesmente viciante.

Espero não ter cometido o pior erro de minha vida.

 


Notas Finais


O Gray e a Juvia se pegaram !!!!!!!
Cade a salva de palmas?
Como a Levy-chan pensou, so faltava isso para completar a desgraça kkk
Gente, n existe um cara mais perfeito que o Gaj-kun, serio preciso de um para mim.
Temos tbm um pouco do que foi a relação do Natsu com a Lissana, tadinha dela.
O Colar do Natsu é a quinta imagem: https://efeitomorbido.blogspot.com.br/2013/06/chaves-antigas-belas-amuletosdivas.html
N consegui descrever muito bem , por isso ta ai o link.
Hummm... Quem sera q tirou a virgindade do Natsu?
A musica que a Lucy estava cantando é Face Everything And Rise do Papa Roach. Pensamentos conturbados da nossa loira sobre o mais novo casal.
E finalmente eu mostro mais um pouco do passado da Juvis para vcs n é? Acho q pelos flashbacks ja da para ter uma ideia do q ela passou e tbm explica um pouco do pq ela ser assim.
Juvia toda fragil sendo amparado por um Gray todo hot.
Pq essas coisas nunca acontecem comigo?
Levy-chan deixou de ser cu doce!!!!!!
Duas salva de palmas em apenas um cap, to foda hein.
Humm... O que vcs acham dessa coisa de sem compromisso hein?
Acho justo Gale serem os primeiros a avançarem do que os outros otps, pois no anime e no manga eles foram os primeiros em praticamente tudo e tbm é CANNON PORRA!!!
Hiro seu fdp, eu adoro Gale mas bem q vc podia fazer isso com Jerza tbm! Porra, todo mundo sabe q eles se amam, ai vc cria esse Jellal broxante so pra fuder com tudo. Coitada da Erza.
Falando em Jerza, eles n apareceram nesse cap; mas n se preocupem q no proximo eles vão aparecer.
Espero que tenham gostado
Bjs e ate o proximo cap!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...