História Cereja Negra - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Amor, Colegial, Drama, Dramas Adolescentes, Gravidez Na Adolescência, Naruto, Romance, Sakura, Sasuke, Sasusaku
Exibições 78
Palavras 2.533
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Muitissimo obrigada por ainda acompanharem ♥

Capítulo 20 - Gato Colorido


Eu estava enjoada; meu estomago revirava constantemente, apesar de não ter nada ali dentro, eu queria muito correr ao banheiro, me trancar ali, e não ter que voltar para a delegacia. Depois da mensagem de Sasori, recebi uma ligação de Sasuke, me avisando também do ocorrido, pedindo para que eu e um responsável  por mim, fossemos até a delegacia no centro da cidade, fazer o reconhecimento do Akasuna, depois de muita discussão, foi resolvido que minha mãe iria comigo, por ser mais confortável ter uma mulher ao meu lado e também pelo controle emocional, já que meu pai seria capaz de sair quebrando tudo e todos quando visse o ruivo. Infelizmente, não eram apenas as lembranças das horas odiosas que passei ali que me faziam mal, Yahiko e Sasuke estariam ali, juntos, ambos ao meu lado, e descobririam que eu estava saindo com os dois; isso não seria nada legal, para ninguém, muito menos para mim.

Quando cheguei, fui escoltada até uma sala, escondida, próxima as celas; um policial seriamente me dizia coisas tranquilas como: ninguém poderia me ver, ou ouvir, sairia dali antes de os detidos serem transportados, e se eu confirmasse quem ele era, jamais seria perturbada novamente. Minha mãe passava as mãos em meus ombros, estava me machucando a fricção, contudo ela estava tão nervosa quanto eu. Não havia trocado de roupa, ainda estava com o vestido de Mikoto, e provavelmente ela estaria ali junto com Sasuke, se ela confirmasse que eu havia passado a noite em sua casa, na presença de Yahiko, seria a morte,a treva!

Era uma sala apertada com muitas pessoas dentro, O delegado, eu me lembrava de seu olhar de pena e duro para mim naquele dia, junto com minha escolta estavam perto de um vidro largo em uma das paredes; eu e minha mãe, Tsunade, Yahiko e Mikoto, mas Sasuke não estava ali; primeiro me surpreendi com esse fato, mas depois sorri aliviada.

-Boa tarde a todos. – O delegado começou com um pigarro, apesar do silencio mórbido na sala – Obrigado por todos terem comparecido de prontidão, assim com o rápido reconhecimento poderemos prender o meliante e dar por encerrado esse pesadelo para a senhorita. – O velho bigodudo apontou para mim – Pelo protocolo, cinco rapazes da mesma idade, e de traços físicos parecidos serão postos lado a lado, algemados sem qualquer identificação; é de suma importância que todos analisem bem os rapazes e apontem apenas aquele que realmente é o culpado, não se exasperem, e saibam que a menor escolha errada pode fazer mal para a vida de alguém inocente. – Ele pigarreou novamente, eu sabia como era Sasori, conhecia cada detalhe dele, eu jamais me confundiria . Só queria ir embora o quanto antes. – Eles não podem vê-los ou ouvi-los, mas vocês poderão. – O delegado fez um sinal para o guarda que havia me acompanhado, assentindo ele saiu, fechou a porta silenciosamente. A tensão era terrível.

Em poucos minutos cinco ruivos, ou pseudo-ruivos, estavam alinhados, altos e baixos, gordos e magros, mas todos sem camisa, com os braços para trás, algemados uns aos outros com correntes, entrando em fila, cabeças baixas. Eu tremia, sentia meu corpo inteiro fraco, minha cabeça latejava com o coração alto retumbando no meu ouvido; mas nada, absolutamente nada podia ser comparado com a sensação que tive quando meus olhos alcançaram ele. Sinto muito, não posso dizer com palavras o desespero e a dor que me atingiram quando os olhos castanhos dele ergueram e pararam em mim, ele me via, sabia que eu estava de frente a ele, que eu o observava aterrorizada, ele estava serio, entretanto ele me via, eu sentia isso.

-É aquele. – Yahiko que foi quem respondeu, eu me sentia incapacitada naquele momento.

-Certeza? – O delegado perguntou, olhando para mim.

-Absoluta. Nós o conhecemos! – Minha mãe falava agora.

Eu chorava, sentia lágrimas grossas rolarem pelo meu rosto, eu estava incontrolável, minha boca tremia, e mesmo assim eu continuava olhando para aquele bicho-papão, achando que ele viria a noite me buscar.

-Senhorita. – O homem baixo de longo bigode colocou a mão sobre meu ombro – Sei que não é fácil, sou incapaz de sentir o que se passa com você, mas preciso apenas da sua confirmação agora. É ele?

-Sim. – falei baixo, então chorei mais, alto, forte. Eu queria gritar, socar a cara dele, correr, matá-lo, me enfiar em um buraco. Eu apertava forte os olhos, mas abri uma ultima vez, e quando o fiz, Sasori sorria. Ele sorria, para mim.

-Ainda não é o fim, docinho.

Ele falou antes de ir, teve sua cabeça empurrada para baixo pelo guarda que estava próximo, junto com um sonoro “cale a boca vagabundo”, mas eu tive a certeza, ele podia me ver, sabia como eu estava naquele momento, e eu nunca tive certeza de nada, até aquele momento, eu tinha certeza das palavras dele; eu nunca me livraria dele, não até um de nós morrer. Quando a porta daquela sala foi aberto eu corri, sai disparada pelos corredores, tropeçando em mim mesma, quando sai daquela delegacia eu coloquei para fora tudo. Chorei, gritei, arranquei alguns fios de cabelos e vomitei.

-Sakura, se acalme por favor. – A voz de Mikoto saiu fina atrás de mim.

-Você pode ter um colapso Saky.  – Minha mãe falava logo atrás.

-Levante, tudo acabou, ele esta preso, vai mofar na cela, sofrerá dez vezes mais do que você sofreu, nas mãos daqueles brutamontes. – Tsunade segurava meu braço esquerdo, usando sua força para me forçar a levantar. Outra mão fina a auxiliou do meu lado direito. – Você vai ficar bem.

-Quero. Eu quero ir para casa. – Choraminguei sem forças, cansada realmente de tudo, eu só queria dormir na minha cama, enrolada no travesseiro e nas cobertas, tentando me livrar daquela sensação, mesmo que eu admitisse que fora uma predição do futuro, eu tinha que esquecê-la, ou ficaria doente.

Ninguém se opôs a meu pedido, alguns resmungos “é melhor a se fazer” e coisas do gênero, eram pronunciados baixos, como se não quisessem ouvir. Danasse Sasuke e Yahiko, eu não queria vê-los, nem falar; mas eu precisava. Droga, estou sendo muito contraditória. Eu queria um abraço, um beijo, uma sensação confortável de proteção, e isso eu teria com Sasuke.

-Me desculpe Sakura, fazê-la passar por isso. Mas acabou. – Yahiko falou logo que entrei no carro. – Quando estiver melhor me ligue, assim posso ficar mais tranquilo.

Apenas assenti. Logo minha mãe arrancou com o carro, dando voltas pela cidade; sei que ela estava tão afetada quanto eu, mas nenhuma das duas falaria nada. Uma musica suave tocava no carro, e como um bebe cansado eu dormi no veiculo, com o balanço dos pneus eu descansei, com a musica relaxei, e minha mente estava tão exausta quanto meu corpo que ela se desligou sem muitos pensamentos inúteis e desconexos. Quando acordei, estava na minha cama, tudo escuro, e sem lembranças de como havia chegado ali, mas eu estava agradecida; havia silencio, eu estava sozinha; o relógio marcava cinco da manhã, já descansada e sem sono algum desci e preparei a mim mesma um chá. Até de pijama eu estava, e isso era muito bom! Não iria a escola hoje, não queria encarar ninguém. Meio sonolenta e sentada na bancada da cozinha degustava o chá de camomila, peguei algumas frutas e comi apenas alguns pedaços, o restante guardei na geladeira para mais tarde. Com a caneca renovada de chá, peguei o celular na mesa ao lado, na tela o alerta de mensagem piscava. Apenas duas não lidas, ambas de Sasuke; pelo mal pressentimento deixei por ultimo, e antes enviei uma para Yahiko:

“Me desculpe, acabei não falando com você.
acordei agora, estou melhor, mais descansada.
Não foi sua culpa, você me ajudou muito. Obrigada!
Tenha um ótimo dia!”

E assim que enviei fui ler as de Sasuke.

“O QUE AQUELE MAURICINHO FAZIA NA DELEGACIA SAKURA?
E DESDE QUANDO ESTÃO SAINDO??”
Recebida às 19:22

“ME RESPONDE SAKURA. EU QUERO UMA EXPLICAÇÃO!!!”
Recebida às 21:31

Droga, mil vezes droga. Nada fica bom demais, nada melhora, tudo só vai por água abaixo. Sasuke devia ter ido, mas quando viu Yahiko foi embora. Eu batia o aparelho na minha testa enorme, pra quer ter uma marquise se o que tem dentro não serve para nada? Mas como tudo tende a piorar, o celular vibrou.

Yahiko

“Fico aliviado que esteja bem.”

Ele estava acordado naquele horário. Lido a minha mensagem e agora respondia.

“Encontrei seu namorado na delegacia, ele também estava envolvido
na procura de Yahiko.”

“Ele não é meu namorado” respondi na defensiva.

“Você passou varias noites na casa dele, inclusive naquele domingo que saímos”
“Podia ter me contado. Evitaria muitas cenas constrangedoras.”

“Me desculpe, realmente não sei onde estava com a cabeça” eu tentava me desculpar, mas vou contar: Não havia como.

“Desculpas não resolvem agora Saky.
Não falei ontem por que estava debilitada pelo encontro com Sasori.
Entendo que você tenha sofrido com ele, mas não há justificativa para o joguinho que estava fazendo comigo”

“Sei disso” Era uma desculpa horrível.

Mas não  havia como, a sorte estava lançada, Sasuke com certeza gostaria de me matar, Yahiko era bondoso demais para isso, entretanto não me perdoaria.

“Mas eu perdoo você. Ainda é uma adolescente inconsequente.
Fazer merda esta no seu DNA, por enquanto.”

Credo. Isso havia me surprendido.

“Obrigado. Eu vou ser mais honesta com você.”

“Então me responda. Ele é seu namorado?”

“Não” fui categórica, realmente não éramos um casal, pelo menos não oficialmente.

“Por que não adimitiram”

Não era uma pergunta

“Você gosta dele?”

Eu não respondi, meu silencio por um minuto havia sido o suficiente.

“Entendo. Acho que o meu lugar em seu coração jamais será como eu gostaria.”

“Eu gosto de você Yahiko, você me faz bem, mas...”

“Não como namorado”
“Passei a noite pensando nisso, já havia chegado a isso, só precisava da sua confirmação”
“Ainda poderá contar comigo, claro, como seu amigo”

“Obrigado” Ele era um anjo, sem mais!

“Ah! Só avisando: meio que disputei o cargo de namorado com ele”

“Acho que a história de ‘só amigos’ não vai colar dessa vez... ”

“Você pode tentar. Boa sorte. Eu preciso ir trabalhar. Tenha um bom dia”

Com certeza eu não iria a escola naquele dia. Não iria enfrentar Sasuke Fera Uchiha, o deus grego lindo caído, responsável pela morte de mil garotas. Tirei print da conversa com Yahiko, claro que exclui a mensagem que ele me perguntava se eu gostava de Sasuke, e enviei as fotos para o moreno. Sasuke não precisava ter mais uma confirmação que eu gostava dele, ficaria mais convencido ainda; e eu fui inocente a ponto de achar que seria o suficiente para ele. Poucos minutos após eu ter enviado os anexos o celular vibrou, com uma mensagem do Uchiha:

“Essas imagens falsas não serão suficientes para você se safar Haruno!
É bom que apareça no colégio, caso contrário eu vou atrás de você, no inferno se for preciso!”

Sasuke era um ogro em questão de sentimentos, mas só quando ele queria ser assim. E eu não iria para o colégio, nem arrastada, não era obrigada a tal ato por capricho do Uchiha; ele havia se esquecido de onde estava ontem? Droga, eu devia escolher Yahiko ao invés desse cavalo! Droga de coração irracional, por que sempre o cara mais babaca? E por que diabos ele estava acordado naquele horário? Ignorei o fato e deitei, o chá já havia me aconchegado com seu efeito tranquilizante, ignorei o celular e dormi mais um pouco, embalada num sono sem sonhos.

Um barulho alto, como se algo caísse e espatifasse no chão próximo a mim me acordou. Num sobre salto levantei, atordoada, olhando para os lados procurando a fonte de tal afronta ao meu sono. Dou de cara com um par de olhos escuros, meio cobertos por uma franja grossa de cabelos lisos e pretos. Fungava alto o suficiente até para que meu vizinho do outro lado da rua ouvisse em um tom confortável, os pés dele batiam sob cacos de vidros espalhados, coloridos, quando reconheço a peça meu coração falha.

-MEU GATO! – choramingo em desalento, eu amava aquele gato colorido em tons róseos e anis. – QUE MERDA FAZ AQUI, UCHIHA?!

-Eu que pergunto! – ele cruza os braços no peito – Você deveria estar no colégio, e ainda me explicando por que aquele mauricinho engomado estava ontem na delegacia!

-Mas que droga Sasuke – Eu choro um pouco alto, desço da cama para pegar o restante dos cacos no chão – Se esqueceu porque eu estava ontem naquele lugar? – Encarei ele com fúria, lágrimas escorrendo dos olhos pela raiva, o quanto ele conseguia ser imbecil e insensível? Os olhos dele cederam um pouco – Foi tão egoísta assim de ver apenas o Yahiko lá, e esquecer o real objetivo de todos nós termos ido?

-Sakura, eu...

-Cale a boca, Uchiha! – Levantei rápido, deixando os cacos coloridos caírem do meu colo, colocando meu dedo na cara daquele, daquele, idiota! – Você não é meu namorado, não manda em mim, e esta sendo egoísta! Estávamos todos lá para reconhecer aquele maldito ruivo, Yahiko estudou comigo na mesma época em que eu fui estúpida de namorar Sasori. Ele é meu amigo, antes de tudo! Quando eu fui maltratada, deixada de lado e agredida de diversas formas por Sasori, Yahiko estava lá,não você! -Deixava minhas palavras escorrerem, eu estava descontrolada naquele momento. – Você é o pegador Uchiha, centenas morrem de amores por você, e mesmo assim, tendo todas essas garotas você vem tirar satisfações comigo?! Quem te deu esse direito?

Eu chorava descontrolada, com raiva de tudo, dele, da situação, eu estava desesperada, meus pensamentos desconexos. Estava cansada, sentia tudo fluir de mim, escorrer pelos olhos, subir pela garganta, se eu tivesse um veneno no corpo, seria aquela sensação. Encolhi os ombros, senti tudo murchar, o corpo esfriar rapidamente – E ainda escolho você – Murmurei baixo, mas pelo silencio, ele ouviu.

-Mas que droga, por que tudo tem que ser assim...

Sasuke falou alto, resmungando bravo, mas me puxou para si. Um pouco bruto ele segurou em meu braço, e selou nossos lábios, os olhos pretos apertados, enquanto eu apenas olhava perdida para ele. Lentamente ele separou nossos lábios, os olhos baixos desviados de mim, Sasuke não queria me encarar.

-Sei que sou um bruto, insensível, um ogro de diversas formas. Mas eu realmente me importo com você, com o que você sente e quero estar perto de você. – O moreno soltou meus braços,e voltou a cruzá-los no peitoral – Eu fiquei possesso quando ele disse que você era dele.

-Ficou com ciúmes?

-Fiquei sim, e daí? – ele bufou e ainda me deu as costas. Parecia uma criança mimada.

-Mimado!

-Besta – ele falou entre dentes- Irritante.

-Sua. – abracei-o por trás, encostando meus seios nas suas costas, cruzando os dedos na sua barriga. Ele colocou as próprias mãos sobre as minhas – E me deve um gato novo.

-Te compro um de verdade se preciso for.

-Como minha mãe deixou você entrar? Ela é doida! – O Uchiha se virou, ainda envolto pelos meus braços. E com o movimento agarrou meu pescoço, colocando o queixo no topo da minha cabeça.

-Sua mãe me ama.

-Convencido. – murmurei ainda aninhada no seu peito. – Você me trás paz.

-Digo o mesmo, minha flor, My Lady.

 

 

 

 


Notas Finais


Gente, desabafo:
EU NÃO RECONHECO ESSA HISTORIA!
Ela não esta indo pra onde eu queria que ela fosse, o enredo ta totalmente misturado T^T e estou decepcionada comigo mesma...
Mas eu vou continuar ela, apenas vou adiantar um pouco as coisas, como eu ja havia dito essa história era pra relatar mais ou menos como meu namoro era, e como tal relacionamento acabou, me desanimei a fazer dessa forma.
Então, vai mudar muita coisa huahauhauhahua
só pra saberem:
-Sakura iria casar com Yahiko (yes! )
-Ela ficaria gravida do Sasuke e seria abandonada (sei que é tragico e vcs me matariam heueh)
-Ela ficaria viuva, mas ainda pisaria em Sasuke ( Alguém ainda vai morrer ~no hope for you )
-Seriam gemeos. (no more)

Então, como eu disse. Nada disso mais vai acontecer uhauahauhauhauhahau
Mas a historia vai continuar, pra quem queria : Yahiko desistiu! õ//
E agora Sasuketes??

fui ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...