História Chained To the Rhythm - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, V
Tags Jikook, Meia Crítica Social, Vkook!bromance, Vmin!bromance, Wonzinha
Visualizações 21
Palavras 2.426
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Musical (Songfic), Slash, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oi meus amores, voltei com uma OS depois de três meses sem postar. me perdoem pelas fanfics não atualizadas, eu estou sem criatividade para continuar. enfim, vamos falar sobre CTTR!

essa fanfic foi inspirada na música com o mesmo nome da Katy Perry. cada hino essa mulher faz, que orgulho sz.
é uma crítica social. eu peguei só os pontos principais do vídeo e da letra, sendo assim, não contei toda a história do clipe.
sinto que a fanfic vai flopar, mas eu gostei tanto de escrevê-la (mesmo estando uma bosta) que foi impossível não postar.
nas notas finais explicarei um pouco mais.

boa leitura!

Capítulo 1 - No Place like Home.


Fanfic / Fanfiction Chained To the Rhythm - Capítulo 1 - No Place like Home.

Jungkook e Jimin estavam sentados em seu sofá branco, padronizado e limpo. Os namorados encontravam-se completamente entediados, vendo televisão. Jimin trocava de canal, até que Jungkook deu uma tapa fraca em sua mão com o controle. O mais velho iria reclamar, porém o Jeon pôs a mão em sua boca, obrigando-o a prestar atenção na TV.

Olá, cidadãos de Bolha! Aqui quem fala é Tom McAlister, jornalista do Trump em Foco. Estou aqui para anunciar a abertura do novo local de entretenimento: o parque Oblivia!

Donald Trump relatou que após a inauguração do muro, pessoas reclamavam que Bolha tinha perdido sua diversão, pois vários parques tiveram que ser fechados devido aos donos serem imigrantes. Trump ouviu as queixas de seu povo, dando-nos este novo ponto turístico.

Além de atender ao pedido, Donald faz um convite especial: todas as pessoas poderão ir! Por ser a inauguração do parque, a entrada é grátis. Precisam apenas pegar um bilhete. Amanhã, ao meio dia, não percam!

Tenham uma boa noite, espero vocês lá!

— Minnie, nós iremos à inauguração, né? — Os olhos do Jeon brilharam em pura expectativa. Jimin mordeu os lábios, receoso. Os namorados eram imigrantes vindos da Coréia. Já tinham alguns bons anos vivendo nos Estados Unidos, porém, eram excluídos da sociedade. Tanto por serem coreanos, quanto pelo fato de terem imigrado.

Claro, não atravessaram a fronteira do país ilegalmente, mas o Presidente tinha certo desdém pelos imigrantes não deportados.

— Não sei se é uma boa ideia. Você não acha meio estranho esse surgimento repentino do parque? — Jimin respondeu Jungkook com outra pergunta, fazendo o moreno revirar os olhos.

— Não me venha com essa, você é surdo ou o quê? Jimin, o jornalista explicou o motivo da construção do parque! — Jeon bufou e cruzou os braços, fazendo um biquinho.

— Mas amor — O Park iria completar sua frase, porém a porta de sua casa fora aberta com voracidade. Park não se assustou, sabia que era Taehyung. Até porque só ele possuía uma cópia da chave. —Terminamos a conversa depois.

Jeon iria retrucar, o mais novo não descansava até dar a última palavra. Era teimoso e bastante persistente, mas se manteve quieto.

— Kookie, Jiminnie, vocês não vão acreditar no que aconteceu! — Taehyung adentrou o cômodo praticamente gritando. A cena podia ser tachada como cômica.

— Respira hyung! — Jungkook disse em meio aos risos. O Kim estava ofegante e vermelho, como se tivesse corrido uma maratona.

— Parem de rir! — Tae largou sua bolsa em um canto qualquer, sentando-se no braço do sofá. Respirou fundo, regulando a respiração. — Não sei se vocês sabem, mas um parque vai inaugurar amanhã. — Antes de continuar, olhou para a face de seus amigos. Jimin bufou e desviou o olhar, enquanto Jungkook permaneceu entretido. — Como sou funcionário da empresa que ajudou na construção, ganhei bilhetes para nós três! É melhor irem separando a roupa, porque amanhã vamos sair.

— Viu Jimin-hyung? Até o Tae está animado com isso! Deixa de ser rabugento. — Jungkook sorriu, mostrando seus dentinhos de coelho.

— Esse argumento não é válido, Taehyung se anima com qualquer coisa. — Jimin cruzou seus braços e manteve a expressão séria.

— Vou levar isso como um elogio. — O Kim respondeu. — Que carranca é essa hyung?

— Ele está assim desde cedo, TaeTae. Só piorou quando a gente viu o anúncio na TV. — Jungkook explicou abraçando o namorado, recebendo um resmungo como resposta.

— É só um parque Jimin, você não vai morrer se for conosco. — Tae falou, ganhando um olhar reprovador por parte do Park.

— Tae está certíssimo, amor. — Jungkook e Taehyung trocaram olhares cúmplices. O Kim então sentou no lugar disponível do sofá, abraçando Jimin com a expressão mais fofa que conseguia fazer, assim como Jungkook. — Vai ChimChim, faz isso por nós! Por favorzinho.

— É hyung, por favorzinho. — Taehyung imitou o mais novo, ambos com o tom de voz infantil. Sabiam que Jimin não aguentaria.  Jeon começou a beijar o rosto cheinho do Park, enquanto o Kim apertava o abraço.

— Tá bem, tá bem. Vocês venceram. — Jimin deu o ultimato. Não resistiu por muito tempo, afinal, seus dongsaengs não o deixariam em paz até que aceitasse. — Já podem me soltar.

Taehyung levantou do sofá, arrumando suas roupas agora amassadas. Estava cansado, o dia fora longo. Precisava de uma bela noite de descanso.

— Boa noite, pombinhos. Irei me recolher, antes que eu fique de vela. — Riu baixo, andando em passos preguiçosos rumo ao quarto.

Os namorados estavam sozinhos mais uma vez.

Jungkook montou no colo de Jimin. Esse que repousou suas mãos nas coxas do moreno, apertando-as fortemente. Jeon se arrepiou por completo, suspirando alto.

Não ficando para trás, Jungkook infiltrou suas palmas por baixo da camisa do mais velho, chegando até suas costas. Fez questão de tocar a coluna do namorado com a ponta dos dedos gélidos, recebendo um sorriso malicioso de Jimin.

Você é tão persuasivo, Kookie. —Jimin sussurrou, enquanto mordia o lóbulo esquerdo do mais novo. — Isso me irrita. Sabe o que acontece quando estou irritado, não sabe?

Jimin deu seu último sorriso perverso antes de pegar o Jeon no colo, rumo ao quarto dos dois. Ao chegarem lá, Park fechou a porta com os pés, deitando Jungkook na cama.

O moreno nada falou. Sabia que era apenas o começo de mais uma longa e maravilhosa noite.

 

-;-

 

Finalmente amanheceu. Jungkook mal conseguiu dormir, talvez por sua animação ou porque estava completamente dolorido. Desde seu pescoço até suas pernas doíam. Maldito seja Park Jimin!

Enquanto os mais velhos tomavam café, Jeon escolhia uma roupa entre as várias espalhadas pela cama de casal. A ansiedade o fazia olhar de cinco em cinco minutos as horas.

Depois de um longo e decisivo tempo dentro do quarto, Jungkook finalmente saiu dali. Foi andando lentamente até a cozinha, porque se fosse rápido demais suas pernas doeriam.

— Bom dia Kook. — Taehyung o cumprimentou, não sem antes sorrir maliciosamente ao ver as marcas roxas no pescoço do menor, que apenas abaixou a cabeça, envergonhado.

— Bom dia hyung. — Respondeu baixo, indo em direção à geladeira para pegar o leite.

— Ainda animado pro nosso passeio? — O Kim continuou, vendo Jungkook assentir com a cabeça. — Não parece. Por que está assim, Kookie? —Taehyung estava adorando implicar com Jeon.

— Você não vale um centavo, Taehyung. — Jimin se pronunciou pela primeira vez, rindo baixo. Taehyung o acompanhou, fazendo com que os sons se misturassem e ecoassem pelo cômodo.

— Aish! Continuem caçoando de mim mesmo, queria ver se fosse com vocês! — Jungkook juntou-se aos outros dois na mesa, com um copo de leite na mão. — Vocês tem sorte por serem ativos.

— Melhor encerrar o assunto por aqui, agora não é o horário para falarmos sobre sexo. — Taehyung disse, após controlar o riso. O Kim não queria saber da vida sexual deles.

— Tá, tá. — Jungkook revirou os olhos. Olhou para Jimin, esse que mandou um beijinho para o mais novo. Mentalmente, Jungkook mandou o Park ir se foder.

— Ei, que horas são? — Taehyung perguntou. Jimin pegou seu celular em cima da mesa e o ligou, mostrando o horário do visor para o Kim: 10h45min. — Melhor terminamos logo, sairemos onze e meia. — Dito isso, levantou-se com o copo e o prato de rosquinhas, indo até a pia. Coisas doces no café-da-manhã eram inevitáveis para ele.

Jimin fez o mesmo alguns minutos depois, não saindo dali antes de beijar o rosto de Jungkook — que ainda estava emburrado.  

Durante as birras do Jeon, Jimin tinha vontade de abraçá-lo e beijá-lo todinho. Céus, ele ficava duas vezes mais fofo! Porém, controlava sua vontade. O mais novo não gostava de ser tratado como um bebê em momentos assim.

Minutos depois, a cozinha estava vazia. Jimin e Taehyung estavam em seus respectivos quartos, enquanto Jungkook tomava um banho, no intuito de fazer com que seus músculos relaxassem. Dependia muito do banho, pois articularia bastante o braço na hora de passar base.

 

-;-

 

Já tinham chegado ao local. Fora duas vezes mais rápido do que o esperado se tivesse ido a pé, como Taehyung propôs. Segundo ele, o lugar não era muito longe. Mas, Jimin insistiu em levá-los de carro. Como já estavam atrasados, não discutiram.

— Isso é bem... Colorido. — Jimin falou após sair do carro, dando uma boa olhada ao redor. Passou a mão por seu cabelo. — Chega até a dar dor de cabeça.

— Que exagero ChimChim. Eu curti muito! Olha que nem estamos do lado de dentro. — Jungkook respondeu. Pegou na mão de Jimin e deixou um selar singelo na bochecha do mesmo. — Obrigado por ter vindo. Você não sabe o quanto isso me agradou e-

— Deixem a conversa pra depois, vamos logo! — Taehyung gritou. Estava mais à frente dos namorados, que riram e trataram de alcançar o Kim.

Oblivia é tão lindo! — Jungkook elogiou mais uma vez o parque. Antes de entrar na fila para passar, observou o letreiro: um hamster em uma bola acrílica, seguido do nome do parque com letras grandes e chamativas. Tudo dentro da temática colorida, verde e azul. A forma perfeita de atrair pessoas.

Quando o Jeon deu-se por si, Taehyung e Jimin já tinham entrado no parque. Tratou de correr para alcança-los, não demorando muito para passar também. Se o moreno já estava encantando com a parte externa, ficou mais ainda com a parte interna.

Andou com passos largos para alcançar o melhor amigo e o namorado. Sem dúvida, era o mais feliz entre os três. Apertou fortemente a mão de Jimin quando o alcançou, dando um sorriso infantil para Taehyung.

Enquanto caminhavam pelo gigantesco parque, os três notaram diferentes coisas:

Jimin focou sua atenção no hamster gigante na parte central. As pupilas desse animal mecânico estavam programadas para se mexerem o tempo todo — de um lado para o outro —, como se estivesse observando os cidadãos. Constatou que era um bom fundo de foto, pois várias pessoas ali tiravam selfies na frente do hamster. Faziam diversas expressões, provavelmente para ganharem curtidas nas redes sociais. As roupas bem coloridas davam a impressão de que essas pessoas faziam parte de Oblivia.

Por sua vez, Taehyung sorriu abertamente ao ver vendedores de algodão doce. Em sua maioria eram asiáticos e negros, mas nada que fosse verdadeiramente estranho. Sem falar que o Kim havia gostado do formato do algodão: bombas atômicas. É claro que experimentaria mais tarde! Com certeza seria um dos melhores algodões doces de sua vida.

Já Jungkook foi mais além; bem longe de onde estavam, quase no final do parque, havia um brinquedo que literalmente arremessava pessoas. Era como uma catapulta, apenas duas pessoas por vez. De alguma forma, aquele brinquedo tinha ganhado totalmente sua atenção.

Além dessas coisas, havia muito mais. Uma montanha-russa de reações, um tipo de trilhos que soltavam mísseis, um brinquedo cheio de casas pequenas com cores pastéis, cujo nome era American Dream Drop e um posto de gasolina, denominado Inferno H20. Serviam uma bebida azul que depois de digerida, dava a capacidade de cuspir fogo.

Porém, nada superava a atração principal: Uma roda gigante giratória. Mas é claro! Por isso as referências aos hamsters. Literalmente, as pessoas faziam o brinquedo funcionar. Elas simulavam uma corrida — não saindo do lugar —, fazendo com que o objeto girasse aos poucos. Igual aos hamsters! Pena que a fila era grande demais. Havia um contador ao lado da fila, estimando o tempo que levaria para que todos fossem no brinquedo: 1983 horas.

Uma música dançante tocava no fundo. Tinha temática animada e alegre, deixando tudo mais “colorido”.

— Em qual vamos primeiro? — Taehyung quebrou o silêncio.

— A montanha-russa parece ser legal. — Jimin opinou. O Kim assentiu, concordando.

— Vamos naquele ali — Jungkook apontou para o brinquedo arremessador. — No Place Like Home.

— Está falando sério? —Park riu de seu namorado. — Você tem medo de altura. Tem certeza que vai dar conta?

Jungkook estreitou seus olhos. Odiava quando era alvo de brincadeiras por conta de seu medo.

— Claro que vou! Não acredita em mim? — Respondeu. Taehyung e Jimin entreolharam-se.

— Tudo bem, nós iremos nesse primeiro. Vê se não amarela. — Taehyug falou, arrancando uma risada de Jimin. Jungkook apenas concordou com um bico enorme nós lábios. Jimin beijou o bico do namorado, o desfazendo.

Caminharam até o tal brinquedo, e quanto mais se aproximavam, mais pânico o Jeon sentia. Havia assegurado que não sentiria medo, porém era impossível. Seus hyungs sabiam que era uma mentira sem pé nem cabeça.

Ao chegarem lá, Jungkook tremeu só de encarar o tamanho da máquina. Pronto para dar meia-volta, se virou, porém Jimin o segurou fortemente. O Jeon, como uma verdadeira criança, escondeu seu rosto no ombro do rosado, fungando baixinho. Jimin suspirou, abraçando o menor. Já sabia que isso aconteceria. Taehyung beijou os cabelos de Jungkook e o abraçou também, formando um abraço triplo.

— E-eu não quero mais ir... — Jungkook falou, com lágrimas nos olhos.

— Calma Kookie. Eu e o Tae iremos primeiro, certo? Vamos te passar confiança. — Park sorriu fraco, afagando os cabelos do mais novo. Após separarem-se, Taehyung foi atrás de Jimin para entrar na fila. Agradeceram, pois estava completamente vazia.

Então, subiram no brinquedo — que também era controlado tecnologicamente. Não havia nem os funcionários ali. Sua aparência era bem precária comparada aos outros brinquedos. A música alta entorpecia os sentidos, não prestavam atenção nesses detalhes. Como não havia assentos, permaneceram em pé. Jungkook os olhava um pouco afastado, admirando seus hyungs. Tinha sido birrento, mas mesmo assim eles estavam lá, apenas para conforta-lo.

Repentinamente, uma alavanca foi acionada, fazendo com que a catapulta se mexesse, arremessando os coreanos além do muro branco que limitava o parque.  Levou tempo para que o Jeon caísse na realidade. Naquele momento, a música parecia ter ficado ainda mais alta, só para distrair o pequeno.  

Uma lágrima escorreu pelo rosto de Jungkook, porém ele não ousou perturbar as pessoas com um choro alto. E nem conseguiria, porque estava alienado demais para perceber a manipulação por trás de Oblivia. O garoto só queria se divertir. E se isso custasse o preço de nunca mais ver seu melhor amigo e o namorado, que seja. Aqueles títulos poderiam ser dados para outras pessoas.

Limpando o rosto, saiu em direção à roda giratória. Iria por os óculos cor-de-rosa que estavam oferecendo e festejar. Depois, pedir para aumentarem o volume da música já alta, pois era a sua favorita. Ele precisava dançar com a distorção!

Após o término da música, pediria para repetir novamente. Jungkook pensava que estava livre.

Marcou também o horário para ir até o Inferno H20, pois a bebida era por conta da casa. Sairia de Oblivia tropeçando como um zumbi bêbado. O ciclo dele era tão previsível que chegava a ser chato.

Porque Jungkook estava acorrentado. Não a correntes, sim ao ritmo.


Notas Finais


se vocês encontrarem erros, não hesitem em me avisar. revisei isso três vezes, mas vai que algo passou despercebido kkkj.
agora, irei falar pra vcs oq eu acho sobre os brinquedos de Oblivia e tudo mais.

Love Me (montanha-russa): é a representação machista e dependente de curtidas da sociedade. pois como vemos no clipe, a Katy e seu parceiro tem as mesmas reações durante o passeio, porém o homem ganha mais likes;
Bombs Away ("trilhos" com misséis): um brinquedo completamente perigoso. faz menção aos atentados com misséis e bombas que os Estados Unidos faz/sofre;
Inferno H20: isso reflete na falta de interesse do povo em saber do que estão se alimentando. o fogo significa a poluição das coisas que digerimos, mas ninguém se importa em beber, pois é gostoso;
American Dream Drop: como o próprio nome já diz, uma gota de sonho americano. as pessoas entram em casas padronizadas (sendo diferenciadas apenas pelas cores), sobem um pouco e depois são derrubadas. esse brinquedo tem várias interpretações, então não posso escolher só uma. sinceramente, foi a "atração" que mais me deixou intrigada;
Roda giratória: não preciso nem explicar, não é? nós somos os hamsters, então precisamos de uma roda para nos ocupar e ficarmos cansados, assim não sobra tempo para pensarmos sobre questões realmente importantes.

para encerrar:
a capa e banner foram feitos pela diva da @Angry98. muito obrigada, appa!
perfil dela: https://spiritfanfics.com/perfil/angry98

Chained To the Rhythm: https://www.youtube.com/watch?v=Um7pMggPnug


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...