História Chains - Capítulo 46


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Zara Larsson
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais, Zara Larsson
Tags Comedia, Criminal, Drama, Justin Bieber, Revelaçoes, Romance, Tragedia, Zara Larsson
Exibições 1.871
Palavras 5.812
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Nudez, Sexo, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hey meus amores!
Na foto aqui no início, são os atores que interpretam os personagens na fanfic! E por favor, leiam as notas finais, porque tem algo bem legal lá! (Q&A).
Espero que gostem, boa leitura!

Capítulo 46 - Hey, You.


Fanfic / Fanfiction Chains - Capítulo 46 - Hey, You.

 

“Desisti de você cerca de 21 vezes. Senti esses lábios me contarem 21 mentiras. Você vai ser a minha morte. Sábio conselho. Te amar poderia fazer Jesus chorar. — Noah Cyrus (Make Me (Cry)).”

 

Eu ainda estava em puro e completo choque, mas quando sinto a língua dele tentando adentrar na minha boca, é que eu percebo onde estava e o que estava acontecendo. Eu o afasto de mim com força e meus olhos se grudam nos dele, o encarando realmente sem conseguir acreditar no que ele tinha acabado de falar e fazer.

— Chaz… — Eu falo passando os dedos sobre os meus lábios e ele me olha ofegante, com seu peito subindo e descendo e um olhar descrente em mim. Sinto sua dor, juro que se depender ela poderia até mesmo ser considerada palpável, apenas… Não é certo, pelo menos é o que o meu coração está me falando. Porque definitivamente estou com uma sensação estranha demais dentro de mim, e de maneira alguma essa sensação pode ser comparada a alguma coisa boa.

— Eu… Eu sei. — Ele fala começando a caminhar de um lado para o outro, deixando o seu nervosismo evidente.

Eu jamais mesmo pensei que esse fosse o que ele sentisse por mim, não pensei que no fundo isso fosse a forma dele de me amar “calado”. Eu me sinto um monstro, pois sei que não poderei lhe dar o que ele quer, mas principalmente, o que ele merece. 

Ele à semanas me confortando por causa de um cara que é amigo dele, mas que também estava com a menina que ele amava. Ele fez isso por mim, tudo que ele fez até agora é porque ele me ama e queria me ver bem, e agora aqui estou eu, para o destroçar ainda mais. Prefiro ser sincera desde agora, sem alimentar falsas esperanças, porque pelo menos essa situação é algo que eu preciso mesmo ter controle desde o início.

— Você precisa entender algo. — Eu vou me aproximar dele com calma e ele simplesmente se afasta mais, fazendo eu suspirar. Penso bem no que falaria, pois a última coisa que quero é o machucar mais, mas isso simplesmente é algo fora de cogitação. Eu o amo, mas como irmão. — Olha, você é uma pessoa maravilhosa, mas eu não te vejo dessa maneira e eu sei que vai doer em você ouvir isso, mas acho que nunca vou conseguir ver, você é realmente meu irmão. Eu te amo de uma forma incondicional, só não quero que vá para o outro lado, pois eu realmente…

— A gente não tem nem a mesma mãe e nem o mesmo pai, a gente não tem o mesmo sangue. — Ele fala com raiva e eu mantenho a calma, ou pelo menos tento.

— Eu sei, mas desde que te conheci eu te vejo dessa maneira. Eu realmente não esperava que por baixo de todo o ódio fosse isso que você realmente sentisse, só… Eu não quero que estrague a nossa relação. 

— Que relação? — Ele fala fervendo e me olha de cima a baixo. — Eu não consigo nem sequer ficar perto de ti, eu… Eu não me sinto bem, não me sinto amado, só me sinto um apoio. — Ele fala contendo a raiva, mas parecendo que a qualquer instante explodiria.

— Chaz, não faz assim…

— Não fazer como? Eu me declaro feito um idiota pra ti e tu ta aqui tentando achar motivo pra gente não ficar junto, mas eu já sei o porquê, por causa dele. — Ele fala apontando com o dedo em direção a casa do Justin.

— Eu juro que nesse momento eu não estou pensando nele, mas sim da maneira que eu te vejo, é sério. — Ele nega e passa as mãos pelos cabelos de maneira extremamente nervosa.

— Não dá.

— Chaz…

— Eu acho que preciso ficar um tempo longe de ti, só… — Ele aponta para a porta e eu nego nervosa.

— Precisamos resolver isso, eu não quero que você fique assim comigo por…

— Não tem o que resolver. Eu gosto de ti e tu gosta de outro, são as merdas da vida. — Ele vai até a cozinha e eu sigo atrás dele.

— Chaz, você é um cara realmente fantástico, garanto que qualquer garota gostaria de…

— Eu não quero qualquer garota. — Ele fala me olhando sério quando abre uma cerveja e eu respiro fundo.

— Quem sabe… Quem sabe você não pensa melhor essa noite e amanhã nós conversamos? Você pode ter confundido seus sentimentos e…

— Maddie, sai daqui. — Ele fala com raiva e eu começo a sentir às lágrimas a voltarem.

— Não, eu não quero que você me odeie de novo. — Falo com os lábios tremendo e ele ri com ironia.

— Tarde demais, fora. — Ele fala realmente sem nem conseguir me olhar nos olhos. Eu me aproximo e toco no braço dele, mas ele simplesmente me empurra para trás com raiva e nega. — Eu mandei sair, caralho. — Eu concordo nervosa e estava saindo, mas precisaria de um carro, então pego a chave da BMW e saio com lágrimas nos olhos. Sinto que o meu peito iria estourar a qualquer instante, que eu literalmente estava sozinha agora, e essa sensação é péssima.

Eu não sei se vou para a casa dos meus avós, se passo na Rylee, ou apenas… Céus, a vida é uma merda, e a minha de longe é a prova viva disso. 

Namorado que dorme com a minha mãe, irmão que é apaixonado por mim, o que mais? Só falta eu ser adotada, ai sim!

Passo o portão e de longe já destravo o carro com o botão da chave, mas não, eu não podia ir embora e deixar ele nesse estado, ele simplesmente me odeia. Eu poderia… Merda.

Olho para frente e vejo eles do lado de fora da mansão do Justin. Estavam o Nolan, Chris, a Cassie, um moreno que eu não havia visto nunca, e bem… Ele. 

O Justin ria, mas quando olha para frente e me vê ele praticamente congela, e sim, agora sim que as minhas lágrimas caiam mais. Olho de relance e era como uma miragem, pois desvio o olhar, o mesmo que automaticamente já volta para eles todos, mas principalmente, para ele.

Todos na volta dele percebem e viram para olhar, notando que era só eu aqui, a mesma que estava chorando feito uma imbecil na volta do carro e olhando para eles. O meu olhar estava direto no do Justin, ele… Ele continuava com o cabelo bem raspado e tinha um cigarro na mão, mas o olhar dele sobre mim não era tão sério, de alguma maneira poderia ser confundido com uma certa preocupação.

Não contenho o riso nervoso.

 A última coisa que esse imprestável tem em relação à mim, é preocupação. Definitivamente.

Quando eu noto que o Nolan fala algo para eles e iria vir na minha direção, eu apenas seco as lágrimas com pressa e subo no carro, dando a partida antes mesmo de por o cinto.

Eu apenas dirijo com a visão embaçada e meu coração palpita com muita força no meu peito, eu me sinto a pior pessoa do mundo, sério. Não basta o que aconteceu com o Chaz agora a pouco, eu tive que ver ele, o mesmo que estava extremamente lindo, mas que aparentava estar mais seco, definitivamente culpa das malditas drogas que ele sempre usa. Sem contar a barba no rosto dele, o que o deixa muito mais adulto e velho do que o normal.

Eu acelero e chego na casa dos meus avós antes mesmo que eu perceba. Subo bem devagar para não fazer barulho e os assustar, queria apenas deitar e por minha cabeça para descansar, nada mais do que isso.

Assim que fecho a porta do meu quarto eu desabo, literalmente desabo sem forças nas pernas e caio no chão. 

Eu sabia, as coisas estavam indo tranquilamente bem, mas não. Eu tinha que falar com a minha mãe porque me sentia culpada, tinha que tentar começar a ver o lado do Justin, tinha que fazer todas essas porcarias e machucar mais ainda o Chaz, céus, não pode ser real.

(…)

— Como assim? — A Rylee pergunta se sentando comigo nos acentos e eu apenas dou de ombros, sem querer abranger muito o assunto.

— Eu só precisava sair de casa.

— E vir pra um jogo de baseball foi a melhor opção? — Eu concordo nervosa.

— É sério, fazia tempos que eu não brigava com o Chaz, então essa briga de ontem não me fez bem. — Ela concorda e me olha séria.

— Mas ele simplesmente chegou brigando com você do nada? — Eu apenas falei para ela que eu e o Chaz tivemos uma briga enorme ontem e que eu precisava me distrair, sair um pouco.

— Começamos uma discussão porque eu estava tentando ver o lado do Justin na situação toda, mas ai…

— Peraí, eu ouvi direito? — Quando ela fala isso eu juro que me irrito um pouco. Não aguento mais esse ioiô, é sério.

— Ry, eu só…

— Não, pode parar. — Ela fala e eu suspiro, sabendo que isso só me daria mais dor de cabeça ainda. — Ele foi um idiota, não só pelo que ele fez, mas porque ele realmente não te procurou depois disso, ele é um imbecil.

— Eu sei, eu sei, mas só… Sinceramente? Ele não é a minha preocupação no momento, mas você não pode esperar que eu seja uma vadia sem sentimentos. — E agora sim ela parece chocada. — Não pode esperar que eu durma com vários caras e não imagine ele, é sério isso. Ele foi um idiota, isso é um fato, mas não significa que eu vá o esquecer com apenas um mês, tanto como não quer dizer que eu vou correr atrás dele e beijar os seus pés para que ele volte para mim.

— Maddie, eu achei que você já tivesse superado isso, é sério. Faziam dias que você não pensava nele, e tem o Tyler, ele te adora. — Ela fala e eu começo a morder a boca nervosa.

— Mas ele não é o Justin, ele só… Eu não entendo. — Falo e mesmo com o jogo começando nós nem sequer prestamos atenção. 

— Se fosse eu na minha situação, eu…

— Você não é eu. Você sairia com outros caras e aproveitaria a vida, mas eu não sou assim. Então deixa eu sofrer da minha maneira, a sua função aqui é me apoiar, então tudo o que eu te peço é isso, sério mesmo.

— Talvez ele também tenha medo, sei lá. — Ela fala pondo a unha na boca e eu a olho na hora, ela está nervosa.

— Está falando do que? — Arqueio a sobrancelha e ela nega.

— Nada, apenas tentando ver o seu lado, o que você pediu.

— Rylee. — Eu falo séria e ela suspira.

— Você não tinha que estar mais ocupada programando a tua festa de aniversário do que pensando nele? — Ela fala tentando me distrair e eu continuo séria, o que faz ela suspirar e concordar, seguindo com o que falava. — O Ryan veio com um papo de que no dia você foi  lá em casa depois da boate e tudo mais, ele e o Justin foram atrás de você, foram até lá em casa e tal. O Ryan tem uma chave, então eles conseguiram entrar. — Ela fala e eu a olho sem acreditar.

— Quando pretendia me contar isso?

— Não contei para não machucar mais ainda você. — Ela fala na defensiva e eu continuo a olhando nada contente.

— Não me machucar? Agora você decide o que me machuca ou não? Porque para falar mal dele e os podres você abriu bem a boca, mas isso não. — Não me pergunte o porquê de eu estar tão irritada com isso, mas estou mesmo. Porque eu estou guardando tudo dentro de mim à tempos, e é uma merda ter medo de me abrir com a minha melhor amiga.

— Ele ouviu tudo o que você me falou, principalmente a parte que falou que amava ele. — Ela fala isso rápido e come mais da pipoca, fazendo eu a olhar chocada.

— O que? — Não pode ser. — Ele… Ele sabe disso?

— Acha que ele se afastou por quê? Caras como eles detestam coisas sérias, ele ficou cagado e largou de mão, ou seja, não te merece. — Ela fala e eu fico chocada, apenas… Isso não o dá razão em nada, muito menos por não ter me procurado, mas as coisas não funcionam assim, ela devia ter me falado!

— Como não me falou isso? Ele… — Eu me encosto mais na cadeira e ponho a mão sobre a boca, merda.

— Mas então, tu tava me falando do problema com o Chaz… — Ela fala e eu não conseguia raciocinar tudo. Pelo menos não tudo, é muita informação.

— Ry… Onde foi que eu me meti? — Ponho as mãos sobre a cabeça e ainda não consigo acreditar em tudo.

— Em nada. Tu ta solteira, livre, leve e solta. Acho que pra esquecer de uma vez do Bieber devia sair com o Tyler, por que não liga pra ele? — Eu nego nervosa e olho para ela sem acreditar.

— Você sabia disso e não me falou? Poxa Rylee. — Eu realmente não queria brigar com ela, mas fiquei chateada. — E eu não quero nada com o Tyler, ele é só um amigo. Tive que aprender isso da pior maneira, acredite! — Queria muito poder jogar toda a culpa disso para cima dela, mas não seria justo, porque se fiz algo, foi porque quis.

— O que muda saber isso? Se ele quisesse consertar as coisas…

— Talvez ele quisesse consertar, por isso que foi na sua casa e foi falar comigo, ele…

— Não, ele ainda acha que você ficou com o Matt. E não esqueça de tudo o que ele te chamou. Ele foi baixo, eu não vou permitir que tu volte rastejando pra ele, não pra alguém que te machucou mais do que te fez bem. — Ela fala séria e eu decido ficar calada porque eu não tinha mesmo o que falar. Não tinha porque estou furiosa, mas acima disso, porque a minha preocupação no momento eu juro que não é só o Justin, mas sim a maneira como o Chaz ficou ontem.

O jogo todo eu não paro de pensar no que aconteceu e em caminhos diferentes que podíamos ter tomado. Ele sabe como eu me sinto em relação à ele e mesmo assim ele não conversou nem nada. Justin Bieber não tem medo de nada, a não ser saber que uma garota está apaixonada por ele. O quão patético isso é?

Justin Bieber’s Point of View.

— E então? Ia me falar quando?

— Cassie, não enche. — Eu falo irritado quando acelero mais e vejo pelo canto do olho que ela botava mais munição na arma, afinal, ia precisar.

— Por que ela saiu chorando da casa do Chaz ontem?

— Não me interessa. — Eu falo dando mais uma tragada no meu cigarro e ela bufa rindo.

— Sabe Justin, eu estranhei não ter visto ela ontem, mas definitivamente não achei que ia deixar ela ir assim tão rápido, chega a ser até triste. — Ela fala segurando o riso e eu me viro pra ela com raiva.

— Quando planejava me falar? Em? — Ela me olha furiosa, fazendo eu dar de ombros.

— A gente ter terminado não é da tua conta!

— Não, mas o fato de ela ter chorado daquele jeito e tu não ter feito nada é! Qual é o teu problema? — Eu apenas cruzo os braços e me encosto mais no meu carro, dando mais uma tragada no meu cigarro enquanto espero que algum dos meninos ligue e avise que a gente já pode ir, porque não quero mesmo ter que seguir com essa porra de interrogatório.

— A gente não ta mais junto, eu não tenho que me preocupar com o porquê de ela ta chorando. — E é nesse momento, que eu recebo um soco dela.

— Me fala que merda tu fez, é sério!

— Por que te interessa? Quem disse que quem fez a merda não foi ela? Em? — Ela me olha séria e nega.

— Porque tu é como eu, tem um dom inevitável de fazer merda, mas sabe qual a diferença? Que se eu visse o Liam chorando desesperado daquele jeito, eu não ia ter deixado um dos meus amigos quase ir consolar o “meu cara”. — E agora só falta eu rir.

— Quer comparar a relações? Eu nunca torturei ela!

— Fisicamente, porque psicologicamente da pra ver que a menina ta na merda. — Ela rebate como se soubesse de tudo o que rolou, mas ela não ta na minha pele, ela não entende porra nenhuma.

— O que isso tem a ver contigo?

— Eu neguei meus sentimentos pelo Payne por quase um ano meu querido, e olha, o sexo fica até melhor que tu põem na cabeça que até que curte a pessoa. — Ela fala dando de ombros e eu rolo meus olhos.

— Ela é uma pessoa legal, mas… Não deu certo. Simples. — Dou de ombros como se de fato eu estivesse bem indiferente nesse assunto, mas no fundo só de lembrar da imagem dela chorando ontem eu sinto um puta aperto no peito.

— Por quê?

— Eu achei que ela tinha me traído, ai meio que terminei. — Eu falo e ai sim que ela ri. — Cadê a graça nessa porra? Eu dormi com a mãe dela depois disso. — Falo olhando pra frente e ela me olha como quem não acredita, me acertando um puta soco no meu braço. — Caralho, vadia!

— Eu não acredito que tu dormiu com a mãe dela, tu é um nojento! — Ela vira o punho pra me acertar, mas eu solto o cigarro e seguro o punho dela, mas de porra nenhuma adianta, porque ela ergue o joelho e me acerta com ele no meu pau.

— Buceta. — Minha voz sai falha, então ela aproveita e segura o meu braço com a outra mão, o virando e me colocando de joelhos enquanto torcia o meu braço pra trás.

— Cara, como é que tu ainda ta vivo? Ela não te cagou a pau? — Ela puxa mais o meu braço, fazendo eu gemer com a dor.

— Me solta! — Porra, ela não é mais forte que eu, mas tem a técnica. Puta.

— Não, porque se ela não te deu uma surra, eu vou te dar! — Ela me dá um puta tapa na parte de trás da cabeça, ai sim me solta. — Tu ACHA que ela te traiu? Tu simplesmente acha essa merda e sai por ai metendo teu pau na buceta da mãe dela? Que é uma vadia por sinal, porra! — Ela passa a mão pelo rosto, realmente chocada.

— Eu juro que ainda te cago a pau por isso. — Aponto pro meu pênis, mas ela ergue o meu rosto e aperta o meu queixo com a mão.

— Se ela tiver que ser internada em um hospício, juro que quem paga a porra da estadia dela lá é tu! — Eu me ergo e ainda fico meio curvado, sentindo uma puta dor. — Tu é um insensível de merda!

— Falou a mulher que pra machucar o Liam torturou e matou a melhor amiga dele na frente dele!

— Ela era uma espiã, e isso não foi nada. — Ela fala irritada. — Não foi porque eu “achei” nada, eu tinha provas!

— Eu não sabia que era a mãe dela, eu nunca tinha visto ela! — Eu falo e ela faz um som de desaprovação.

— Tu é idiota ou o que? Se eu fosse ela eu ia ter te espancado tanto que tu ia preferir dar o cu todas as noites do que ter que lembrar o que as minhas mãos fizeram contigo. Tu é um cachorro, bem feito! Se ela fosse fazer isso, ou pelo menos foi o que tu pensou, é porque o teu sexo não tava sendo bom o suficiente. — Ela fala provocando mais ainda e eu me irrito cada vez mais.

— Olha, eu tenho problemas maiores, como por exemplo achar o Aiden, então por que tu não cuida da tua vida e eu da minha?

— Cara, sério, tu é muito imbecil. Tomara que sonhe todas as noites com a cena dela com o outro, com ele comendo até o cu dela.

— Cala a porra da tua boca. — Juro que me seguro pra não dar um soco na cara dela.

— Por quê? Irrita imaginar que enquanto tu come as mesmas vadias sujas e cheias de DST das boates ela tá lá rebolando o cu nos universitários? Imagina só… Ela era virgem né? As apertadinhas são as melhores! — Eu recebo a mensagem avisando que podíamos ir, mas não.

— Não faz eu te socar não, para com essa bosta! Cala a porra da tua boca!

— Ah, que fofo! Ele ainda tem ciúmes dela! Me fala por que tu não ta feito um cachorro atrás dela? Pelo amor de Deus! A garota era doida por ti, pra que? Pra tu ir lá na fé e comer a mãe dela, filho da puta. — E recebo outro tapa na cara, mas agora seguro o braço dela e aperto com força.

— Ela me ama, eu não queria que chegasse à esse ponto!

— Pelo pênis de Jesus, me diz que tu não falou isso! — Ela me olha incrédula, como se não fizesse o sentido. — Tu ta esperando o que? Que ela venha rastejando até ti? Pelo amor de Deus, ela tem uma buceta, mas não é burra! Por que tu não ta rastejando atrás dela? — E agora sim eu fico calado, porque não sei o que falar. — Tu não quer ela de volta, é isso?

— Eu não sabia! Que porra. Pensei que ela tivesse me traído.

— Como se quando tu tivesse começado a se envolver com ela não tivesse continuado comendo geral. Meu querido, teve um mês que eu transei contigo, o Harry e o Liam, saudades dias de glória. — Ela fala e eu fico puto.

— E é por isso que tu engravidou né.

— Pelo menos não sou corna. Tomara que ela durma com o teu pai, porque ai sim tu vai saber o que ela sentiu quando soube!

— Ela viu. — Por que eu falei isso? Só fez com que eu recebesse outro soco. — Eu não bato em mulher, mas tu ta…

— Pode tentar me bater, mas porra, eu to louca pra te espancar! Tu é um burro que estragou a própria felicidade e parece não ta fazendo nada pra correr atrás. Tomara que quando tu acorde, ela já esteja mais do que bem e seguindo a vida. Com alguém que valorize ela e não a trate feito merda, achando coisas e saindo por ai comendo a mão dela! — Ela entra no carro e bate a porta com força, mas não tanto quanto eu, porque quando sento no volante, acelero com tudo, realmente sem porra de paciência alguma.

Assim que chegamos eu desço puto do carro e vejo todos na volta do banco, já tava de noite e só tinha uns seguranças lá dentro, então de boas.

— Todo mundo já sabe o que fazer? — Eu questiono e eles concordam.

— Sei que a Madison sabe o que fazer com um pênis. — Ela fala do meu lado e eu bufo. Me segurando muito, porque a conversa que a gente teve antes só serviu pra me deixar mais tenso ainda antes dessa missão que é importante pra caralho.

— Zayn, tira ela da minha frente antes que eu acerte ela. — Falo com raiva e já vou com o Ryan e o Chaz até a parte de trás.

Desde a cena de ontem o Chaz não ta falando com nenhum de nós direito, isso só ta me irritando mais., porque eu não sei que porra rolou, e não tava querendo perguntar porque não quero que esses merdas pensem que eu me importo, mas porra, to achando pra isso agora.

— O Chris deu o sinal? — O Nolan pergunta e eu sigo olhando pro Chaz, não me segurando.

— O que ela tava fazendo na tua casa ontem?

— Te interessa?

— Sim. — Eu falo sério e me aproximo dele. — E por quê ela saiu chorando? O que tu fez pra ela chorar daquele jeito?

— Não é da tua conta, tu que não quis mais ela. — Ele fala e eu quase avanço dele, mas o Ryan se coloca no meio e nos olha sem acreditar.

— O que tão fazendo?

— Por que ela tava chorando? O que tu fez? — Eu falo tirando o Ryan da minha frente e o próprio Chaz me empurra pra trás com tudo, parecendo puto da cara.

— Se ela ta na merda a culpa é tua. — Ele fala com raiva e eu fico puto, não me segurando e virando o punho, acertando a cara dele.

— Eu não coloquei ela na merda. — Eu falo me irritando e chutando o joelho dele.

— Caralho! — O Ryan grita e percebo que todos já tinham entrado no banco, menos nós.

— Me fala o que tu fez!

— Pergunta pra ela, filho da puta! — Ele levanta e ia vir contra mim, mas eu mesmo empurro ele pra trás e aponto o dedo na sua direção.

— Isso ainda não acabou Somers, tu vai me falar que porra aconteceu ontem, porque ela saiu chorando de um jeito que… — Eu não sabia nem como explicar, mas precisava saber. Vá que ela tivesse com alguma dificuldade financeira ou sei lá, um problema muito grande que eu posso ajudar, e eu aqui, feito um… Feito um merda.

Ponho meus pensamentos em ordem e entro pela porta com raiva, já seguindo o caminho que eu tinha memorizado na minha cabeça. Porra, essa merda de banco ta toda detonada, que não desabe em cima de mim antes da gente pegar todo o dinheiro que tinhamos planejado, caralho.

Madison’s Point of View.

Eu havia acabado de estacionar o carro na garagem da casa dos meus avós e percebo que eles tinham acabado de ir se deitar, porque o café na xícara ainda estava quente.

Eu junto os pratos da mesa e ponho eles na lavadora, ligando ela e subindo para tomar um banho e tirar qualquer pensamento da minha cabeça que envolve alguém com um pênis nele.

Chaz, Justin, Tyler… Apenas… Eu estou na merda, é sério.

Assim que saio do banheiro, noto que a Rylee estava me ligando, mas eu ignoro a ligação e ponho o short e a regata do meu pijama. Eu realmente não queria falar com ela no momento, ainda estava meio chateada, não brava, apenas chateada. Porque sei que no fundo a intenção dela é me ajudar, mas ela meio que faz isso da sua maneira, uma maneira que é bruta e direta, que não funciona muito bem com o meu modo de ser.

Eu começo a secar meu cabelo e após passar o creme na minha pele, noto que a Rylee não parava de ligar e mandar mensagens, então resolvi atender.

— Graças a Deus você atendeu!

— O que você quer? — Bem grossa, céus.

— O Chaz, ele…

— Eu sei, já falamos dele a tarde toda. Eu realmente queria poder dormir sem ter que pensar nisso.

— Eles foram fazer um assalto no banco, o Ryan me ligou dizendo que o prédio desabou. — Ela fala nervosa e pelo som, percebo que ela estava na rua.

— Eles estão bem? — Meu coração chega a parar com o pensamento de algo ter acontecido com eles, apenas… — Todos?

— Alguns machucados, mas o Chaz apagou quando uma parte do gesso caiu na cabeça dele, então ele foi direto para o hospital. — Ela fala e eu coloco meus chinelos na hora, nem sequer pensando, apenas agindo.

— Mas e os policiais, não vão estranhar todos nos hospital? Tanta gente? — Falo descendo as escadas apressada e escrevo em um papel avisando meus avós que sai por causa de uma emergência. Grande emergência.

— Não estão todos, só… Vai pra lá, eu to indo até a casa do Ryan, ele ta com a cara toda fudida. — Ela fala e eu concordo, já desligando.

Subo no carro e vou dirigindo direto até o hospital, como já estava bem tarde não tinham muitos carros por essa zona. Apenas dirijo com pressa e com o coração na mão, pois imagina se ele perde a memória ou algo… Essas coisas só acontecem em histórias, então não, não é possível de maneira alguma.

Assim que chego no hospital eu estaciono o carro e desço apressada, só então notando que eu estava de pijama.

Entro no hospital e dou o nome do Charles, logo a enfermeira me fala que eu teria que ir para a sala de espera, mas assim que ponho o pé lá me arrependo na hora, vendo quem estava lá.

— Maddie. — O Nolan fala animado quando me vê e se aproxima me dando um abraço, eu sorrio fraco e retribuo, vendo que estava somente ele e o querido Bieber aqui. Desde quando ele tem paciência para ficar em hospital esperando? Sem condições.

— Ah, o que aconteceu? — Pergunto e ele ri de leve.

— O de sempre, um assalto que deu quase certo se não fosse o prédio desabando. — Ele aponta para a televisão da sala e fico horrorizada vendo o estado do prédio. O mesmo está em chamas agora, sem contar que vários policiais estão na volta, foi algo de grande porte.

— E vocês estão bem? Só o Chaz que ficou pior? — Falo e ele concorda.

— O Chris foi com o Ryan que tava todo mal, e eu to só com a testa meio roxa. — Ele fala apontando e eu concordo, desviando o olhar e vendo o Justin do seu lado, o mesmo que me encarava sério de cima a baixo e mantinha uma expressão neutra na face. Ele estava com um corte na sobrancelha e sobre o nariz, sem contar o lábios extremamente inchado e um pouco de sangue seco sobre a sua barba rala.

— O que falaram para os médicos?

— Acidente de carro, eles sempre caem. — Ele fala sorrindo e eu me sento do seu lado, mas logo ele levanta e eu fico mais nervosa pela proximidade do meu corpo com o do Justin. — Eu vou pegar um café, alguém quer?

— Não, obrigada. — O Justin só nega e o Nolan vai se afastando, deixando somente nós os dois aqui.

Eu pego o meu celular e destravo ele apenas para ter no que mexer, ou pelo menos fingir estar ocupada.

O olhar dele sobre mim não parava, e isso me deixa mais desconfortável ainda. Porque por dentro estou gritando, querendo o acertar e chorar em cima dele, mas por fora estou plena e serena. Como diria a Beyoncé, bem Flawless.

— Tu ta com as pernas mais magras. — Ele fala depois de quase 10 minutos e eu não acredito. Não acredito que essas foram as primeiras palavras que ele decidiu falar.

— Você não fala comigo por semanas e essa é a primeira coisa que quer me falar? — Olho para ele incrédula e ele dá de ombros.

— Só to comentando. — Ele fala e eu continuo olhando para o meu celular. — Vai ficar me ignorando? — Ele fala indo para a cadeira do meu lado e eu suspiro, bloqueando o celular e o olhando séria.

— Justin, o que você quer?

— Por que saiu chorando ontem do Chaz? — Ele questiona e eu seguro a risada.

— Por favor, como se você realmente se importasse.

— Eu só quero saber que merda deu.

— Engraçado que quando eu sai 10 vezes pior da sua boate você realmente não quis saber qual foi a merda que deu. — Falo olhando no fundo dos seus olhos e voltando a olhar para o meu celular, mas ele arranca o mesmo da minha mão. — Justin! — Falo tentando pegar de volta e ele nega.

— Ele te irritou? Te bateu ou porra do tipo? Porque senão eu juro que…

— Não, é claro que não. — Falo tentando pegar o meu celular e ele põem o mesmo no seu bolso, fazendo eu bufar. — Me dá meu celular.

— Eu que comprei ele. — Ele se gaba e eu suspiro.

— O que quer? É sério, você me cansa.

— Quero saber o que aconteceu, só isso. Eu e ele a gente bateu boca antes do assalto e eu tava já irritado com a Cassie, todo mundo tava desligado. — Ele fala e eu concordo.

— Dá para ver pelo seu rosto, mas uma pena, porque não é problema meu. — Falo apontando e ele rola os olhos.

— Tua cara não ta muito melhor, ta com olheiras. — Eu apenas concordo e me apoio melhor na cadeira enquanto cruzo os braços.

Nenhum de nós fala mais nada e o Nolan já volta, estranhando ao ver o Justin do meu lado, mas ele senta do outro.

— Familiares do Charles? — O médico fala na sala de visitas em voz alta e nós os três levantamos na hora, o que faz ele sorrir e chamar com a mão, falando que poderíamos ir atrás dele. — Ele está com dores intensas na cabeça e com a mesma bem sensível, então tentem não deixar ele alterado ou algo do gênero. — Ele fala abrindo a porta do quarto e concordamos, entrando nós os três já mais animados e o Chaz sorri fraco, mas quando olha para mim e para o Justin que vínhamos atrás do médico e do Nolan, ele fecha a cara.

— O que tão fazendo aqui? — Ele fala e eu não acredito.

— Chaz, por favor… — Me aproximo e ele nega, se encolhendo mais.

— Eu te quero fora daqui, e ele também. — Ele fala olhando fixo pro Justin e o mesmo nega.

— Cara, foi mal pelo jeito que a gente ficou, mas…

— Fora. — Ele fala gemendo de dor e o médico nos olha nada contente.

— Acho melhor se retirarem, não está fazendo bem para ele. — O Justin fica furioso e percebo que ele toca no bolso, só me faltava puxar uma arma aqui!

— Certo certo, estamos indo. — Eu falo isso e dou uma última olhada no Chaz antes de puxar o Justin comigo pelo braço até o lado de fora. Só de encostar a mão nele, já me sinto estranha. — Por que ele não quer ver você? O que você fez com ele? — Falo já mais séria o encarando e ele me olha da mesma maneira.

— O que foi que tu fez com ele? Eu devia te perguntar isso! Ele ta com mais raiva de ti do que de mim, então a culpada é tu! — Ele fala e eu o olho sem conseguir acreditar.

— Claro, a culpa é sempre minha!

— Que bom que sabe. — Ele fala olhando para dentro do quarto e me olha novamente, mas me olha e suspirar. — Olha, foi mal por…

— Não, pode parar. — Ergo a mão e ele fica sério.

— Não vai me escutar?

— Você nunca parou para me ouvir, por que eu deveria fazer isso? — Falo bem estupido, vendo o como a expressão no seu rosto muda drasticamente.

— Anda, quero saber qual foi a porra que aconteceu ontem na casa dele pra vocês tarem assim, nos últimos dias ele não sai da tua cola, e agora simplesmente não te quer aqui. — Ele fala e eu nego.

Eu não falaria isso para ninguém, nunca mesmo. Ainda mais para o Justin, que se realmente não mudou nada… Poderia tentar o espancar ou até pior…

CONTINUA...

POR FAVOR, LEIAM AS NOTAS FINAIS!! :)


Notas Finais


Gente, finalmente eles se viram!
Eu amei o que a Cassie falou pra ele, acho que ele meio que acordou pra vida, mas precisamos de um POV dele para isso!
na foto do capítulo, coloquei os atores dos personagens, então espero que ajude vocês a imaginarem!
AGORA A PARTE LEGAL!
Eu posto a fic aqui e no wattpad, e lá é bem comum o pessoal fazer Q&A (Questions and answers), e eu queria muito fazer, então cá estou! Como funciona:
Vou por o link de um formulário aqui, ai vocês entram no link e simplesmente completam os campos (é muito fácil, juro)! Ai no Q&A, vocês podem fazer perguntas direcionadas diretamente para mim, autora, ou para qualquer personagem da história!
Ex: Madison, por que você.... (E ai quem vai responder, será a Madison no caso, e não eu).
Vocês podem perguntar o que quiserem, e quantas coisas quiserem! Mas por favor, tentem mandar uma pergunta de cada vez, é algo bem fácil! E tentem também pro favor não xingarem os personagens kkk Só se a pergunta for para a Olenka, mas tente mandar algo além de só xingamento kkkk
Postarei um "capítulo" aqui só com as respostas e perguntas, então fiquem à vontade! Ah, e se a pergunta tiver um spoiler muito pesado em relação à história, não prometo que será respondido!
O Link estará presente no meu perfil, então caso não dê para acessar ou queiram mais uma vez, pode ser por aqui, ou no meu perfil.
TO MUITO ANIMADA, ENTÃO PODEM MANDAR ALTAS PERGUNTAS, SEJAM ELAS PARA MIM OU PERSONAGENS!

Link Q&A: https://docs.google.com/forms/d/1VNYJDpXi-UWMnoBWMspj5W0ypee8mGQvVQK6PFasWEg/edit

E espero que tenham gostado do capítulo, acho que foi bom com os segmentos em geral!!! Até o próximo, obrigada por todos os comentários e favoritos, vocês são inacreditáveis!

All the love. H


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...