História Chandrillah - Capítulo 18


Escrita por: ~ e ~biafhy

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7
Personagens Baekhyun, BamBam, Chanyeol, D.O, Jackson, JB, J-hope, Jimin, Jin, JR, Kai, Mark, Personagens Originais, Sehun, Youngjae, Yugyeom
Tags Asia, Assassin's Creed, Bts, Chanbaek, Exo, Got7, Guerreiros, Magia, Medieval, Mitologia Nórdica, Nações, Princesas, Príncipe Da Pérsia, Principes, Reinos, Skyrim
Exibições 23
Palavras 2.124
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Hentai, Josei, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 18 - Cap. XVIII (Got7)


Fanfic / Fanfiction Chandrillah - Capítulo 18 - Cap. XVIII (Got7)

O General

 

Estava difícil acordar, abrir os olhos e levantar. Mais de uma vez tentei recobrar a consciência mas era vergonhosamente derrotado por aquela sensação embriagante do sono. Toda vez que voltava a dormir tinha sonhos aleatórios sem significado ou conexão.

Mas, então, me vi na sala do trono em Pallas. Tanto de  meu lado direito como do lado esquerdo, onde os conselheiros, escrivães, ministros, diplomatas e eruditos ficavam para se reunir na presença do rei, estavam completamente vazios. Diante de mim o trono se erguia sombriamente vazio. Uma sensação de obrigação me fez andar em sua direção. Algo dentro de mim gritava dizendo para recuar, outra parte apenas guiava meus passos. Mesmo que eu estivesse sozinho ali, estava completamente fora de questão sentar no trono do rei. Onde estava ele, afinal? JaeBum, Youngjae, Yugyeon? Senti meu coração acelerar conforme me aproximava mais do trono, mas, para minha surpresa e alívio, meus passos viraram para a direita, para o local destinado ao membro mais importante da corte, aquele que seria o braço direito do rei. Eu não conseguia guiar meu corpo mas ele se direcionou até lá, onde uma vez foi o lugar de meu pai. Sentei-me e, quando ergui a cabeça, a sala antes vazia agora se agitava com a movimentação dos nobres e estudiosos. Todos olhavam em minha direção, aguardando decisões que eu não tinha ideia do que eram. Engole em seco enquanto aquelas pessoas pareciam querer de mim respostas e atitudes rápidas. Isso significava que eu estava no lugar do rei? Mas que rei? Me sentia cada vez mais aflito, mais encurralado, completamente sem rumo. Então senti mãos tocarem a minha. Delicadas e suaves mãos, seus dedos deslizaram por entre os meus e apertaram sutilmente. Aquela sensação de apoio, de que eu não estava sozinho, tomou conta de meu peito. Me senti renovado e com mais forças para seguir em frente. Ergui os olhos para a pessoa ao meu lado...

-Jackson...-tudo estremeceu, o sonho onde eu estava começou a se tornar um borrão. A pessoa a minha frente... Eu não conseguia distinguir sua feição- Ei Jackson, está acordado?

Batidas estrondosas retumbavam em minha cabeça, alguém gritava do lado de fora do quarto. De uma hora para a outra todo a sala do trono havia desaparecido. Tentei me agarrar aquela mão, aquela pessoa, mas era em vão, tudo desapareceu em questão de segundos. Minha cabeça latejava.

-Bem, Mark chegou e trouxe novidades, estou indo para o quarto de JB, esperamos você lá.

Eu conhecia aquela voz... Pelos céus, porque JinYoung estava gritando daquele jeito? E por que batia na porta com um porrete? Tentei novamente abrir os olhos, mas, por um breve momento o mundo girou. Voltei a fecha-los, segurando a cabeça com a mão esquerda. Só então senti meu braço direito dormente, eu estava deitado sobre ele. Com esforço rolei para o lado, não resisti ao grito de agonia com a falta de movimento de meu braço, além de minha cabeça prestes a explodir.

Eu havia bebido de mais. Não era algo que eu fazia constantemente. Para ser sincero, eu nunca fazia isso. Era pedir para perder meu apurado senso de batalha. Eu evitava beber o máximo que podia. Mas, por que eu tinha feito isso mesmo? Voltei a levar a mão a cabeça, cobrindo os olhos com o antebraço. A janela estava aberta e a claridade parecia ácido sendo jogado em meus olhos.

-AAAH, QUE DROGA.

Impulsionei meu corpo para frente, sem pensar nas consequências, sem pensar que um enjoo me acometeria. O mundo voltou a girar. Náusea, cabeça a latejar.

 

Minutos depois finalmente eu havia conseguido me recompor. Não sei exatamente quanto tempo durou mas acho que se passaram horas e não minutos. Levantar da cama e achar a bacia com água para lavar o rosto não foi um trabalho simples. E imaginar que algo tão trivial seria uma tarefa difícil depois de uma noite de bebedeira. Bem, esse esforço fez-me refletir do porque estava naquele estado. Oh sim, infelizmente me lembrei do que havia acontecido.

Desde que a festa de aniversário das princesas teve início, eu, JaeBum e Brianna nos divertimos muito.  Mesmo assim, tudo tinha um limite e depois de ficarmos os três juntos, Brianna decidiu que passaria o restante da noite apenas com um de nós. Eu fiquei animado quando fui escolhido para passar a primeira noite com ela, mas a história foi outra quando, na segunda noite, a vi levar JB a se embrenhar na escuridão do castelo entre seus braços e... Bem. Mesmo que tudo aquilo fosse um jogo, que não passasse apenas de uma diversão momentânea, admito que fiquei chateado na hora. Porém, desde o início havíamos decidido que nada de mais aconteceria entre nós a não ser diversão. Por isso resolvi beber, para não ficar pensando em algo passageiro. O problema é que mesmo depois das primeiras taças e ainda pensava naquilo, ainda mais quando vi Youngjae e a princesa mais velha, a toda cheia de personalidade, Meridia, entre risinhos, beijos e abraços, desaparecendo em seguida em alguma porta nos corredores. Até Youngjae? Um misto de felicidade, orgulho e solidão voltou a me acometer e me peguei cantando com os bardos músicas sentimentais que nem mesmo sabia que conhecia, ou eu havia aprendido na hora?

Não lembro de muito mais depois disso, para ser sincero, todas as minhas lembranças depois que vi Brianna e JB juntos eram meio confusas, embaçadas, sombrias, tristes e alegres ao mesmo tempo.

Enxuguei o rosto em uma toalha e suspirei, olhando-me em um espelho. Eu parecia abatido. Não, não. Definitivamente não era assim que eu deveria aparecer. Eu precisava ir até o quarto de JB para saber as novidades trazidas por Mark, porém, precisava me recompor antes disso.

Eu não sabia exatamente quanto tempo havia passado, mas ainda fiz alguns exercícios para recuperar completamente a sobriedade antes de ir até o quarto de JB. Vesti meu traje e fui até ele. Quando abri a porta encontrei o príncipe herdeiro sentado próximo a mesa onde o seu café havia sido servido. Era assim todas as manhãs, mas eu tinha quase certeza que já havia passado da hora do desjejum. JB lia alguns documentos em mãos. Do outro lado da mesa, JinYoung comparava dois desenhos, um reconheci como aquele que havíamos trazido de Pallas, que representava o grupo de Kavisar, o outro era semelhante, mas estava gravado em um escudo e não no couro. Em pé ao lado de JinYoung estava Mark. Ele foi o primeiro a me ver, curvou-se levemente. Nesse momento JB ergueu os olhos e abriu aquele sorriso sínico.

-Está atrasado, pelo jeito sua noite foi boa.

Fechei os olhos para conter o misto de dor de cabeça com lágrimas então sorri encarando-o.

-Foi ótima.

Dei dois passos em direção a mesa quando ouvi a porta atrás de mim se abrir. Ainda arfando, Youngjae entrou num rompante, os olhos arregalados, uma mão segurando o trinco da porta enquanto a outra terminava de arrumar a túnica por cima de suas vestes. Os cabelos desgrenhados de alguém que acaba de se levantar depois de uma bela noite entre lençóis, braços e pernas de uma mulher.

-Perdão, estou muito atrasado?

Não pude conter o sorrisinho malicioso, passei o braço por cima dos ombros do príncipe e o puxei para perto, bagunçando ainda mais seus cabelos.

-Ah seu safado, aprendeu a fazer o bom da vida.

Na mesa, Mark e JB sorriam tanto quanto eu, já JinYoung pigarreou soltando o escudo no chão e o couro sobre os outros documentos sobre a mesa.

-Já tomou café, príncipe?

-Que formalidades são essas? Obvio que ele ainda não tomou o café, mas tenho certeza de que deve estar faminto. -disse JB, também colocando os papeis de suas mãos sobre aqueles na mesa- Foi por isso que pedi para deixarem a comida aqui. Vocês dois, venham e se sirvam.

JinYoung e Mark se afastaram da mesa, dando espaço para que eu e Youngjae nos aproximássemos. Enquanto comíamos os demais faziam piadinhas incentivadoras sobre o príncipe feiticeiro ter enfeitiçado a gêmea mais velha ou lhe dado alguma poção do amor. Youngjae, por sua vez, apesar de parecer um pouco tímido, apenas sorria sem confirmar nada, sendo evasivo em todas as suas respostas.

-Deixe de ser sem graça, conte-nos tudo, como foi que conseguiu tal proeza? -disse, lhe dando um tapa no braço.

Ele deu uma de suas risadas sonoras e chacoalhou a cabeça negativamente. Estava divertido incomodá-lo mesmo que não conseguíssemos tirar nenhuma novidade dele, até ele inverter a situação e me lembrar de que a última noite Brianna passou com JB e não comigo.

-Bem. -disse JinYoung nos interrompendo- Acho que está na hora de conversarmos sobre o que realmente importa.

-Como você ousa acabar com nossa discussão assim? -disse me voltando indignado para o diplomata que apenas revirou os olhos.

-JinYoung tem razão, precisamos nos focar no que realmente importa nesse momento. -disse JB, voltando-se para o mercenário.

Youngjae confirmou com a cabeça, pegando o emblema de Kavisar gravado no couro, afastando sua cadeira de perto da mesa para dar uma boa olhada, em seguida, no escudo que estava no chão, com o mesmo símbolo do rei nórdico.

-Você fez um ótimo trabalho encontrando esse escudo, Mark.

Mark sorriu, fazendo um breve aceno de cabeça.

-Fiz como me pediu, voltei até o vilarejo que encontramos no caminho e que havia sido atacado, sabia que tinha visto o mesmo brasão gravado nos escudos. Mas, devo admitir que não foi fácil encontrar estes vestígios.

Olhei para o escudo e depois para o mercenário, cerrando os olhos.

-O que quer dizer?

Ele deu de ombros.

-Geralmente,as pessoas que moram nesses pequenos vilarejos demoram para voltar ao seu depredado lar e recuperar o que tinham. Nesse caso, quase tudo havia sido limpo, quase não havia vestígios de que um grupo de bárbaros havia passado por ali. Era como se alguém tivesse levado todos os corpos e armaduras para outro lugar. Encontrei esse escudo em uma fossa fora do vilarejo.

-Acha que alguém está tentando encobrir o ataque de Kavisar?

-Talvez.

Passei a mão pelo queijo enquanto refletia sobre as palavras de Mark. Se realmente alguém daquele reino estivesse de complô com Kavisar, as consequências seriam mais sérias do que imaginávamos. Era até compreesível a insistencia dos conselheiros em não querer ajudar Pallas. Olhei para os demais. JB estava sério, absorto em pensamentos. Ele pensava o mesmo que eu.

-Não podemos tirar conclusões precipitadas. -disse JinYoung, quebrando o silêncio- Amanhã acontecerá a última reunião com o conselho, temos o dia de hoje inteiro para conseguirmos descobrir algo. -ele se colocou em pé, havia uma certa confiança em sua voz que me surpreendeu.

-E como acha que vamos conseguir mais informações hoje? A quantos dias estamos aqui e a única coisa que surgiu a nosso favor foi esse escudo? -respondi, tentando manter o controle.

JinYoung sorriu brevemente.

-Darei um jeito. -Ele se aprumou, arrumando seu traje- Com sua licença, príncipes.

Com um aceno de cabeça de JB e Youngjae, JinYoung girou nos calcanhares e caminhou até a porta.

-Em todo o caso. -disse Youngjae se levantando- Irei para a sala de alquimia, caso queiram me encontrar. Mark?

O mercenário ergueu a cabeça, parecia estar viajando em seus próprios pensamentos, tão distante que demorou uma fração de segundos para responder.

-Estarei na vila com os outros empregados. Mesmo tendo a liberdade de vagar pelo castelo, acredito que serei mais necessário se estiver do lado de fora, obtendo informações com os servos.

Youngjae concordou com a cabeça, voltando-se para JB.

-Estou indo.

Jaebum apenas fez um sinal com as mãos. O príncipe feiticeiro se voltou para mim brevemente antes de deixar os aposentos juntamente com Mark.

Cruzei os braços e as pernas soltando um longo e pesado suspiro. Eu ainda sentia os efeitos colaterais da bebedeira da noite anterior, e toda aquela conversa de um suposto envolvimento de alguém de dentro de Chandrillah com Nortundria me deixava com uma dor de cabeça ainda pior.

-E então, o que pensa em fazer, ó grande príncipe herdeiro? -olhei para JB que permanecia em silêncio, olhando um ponto qualquer do quarto.

-Farei o mesmo que os demais, procurarei alguém que possa responder algumas perguntas ou tentar encontrar alguma informação que nos ajude. Mesmo que seja pouco, já nos ajuda, não é mesmo?

-Certo, mas hoje quem irá ficar com Brianna sou eu.

JB estreitou os olhos.

-O que?

Descruzei as pernas me inclinando para a frente.

-Irei até Brianna e conversarei com a ela a respeito de nossas suspeitas. Passarei o dia e a noite com ela.

Antes que JB pudesse falar algo, me levantei, curvei-me brevemente e, com passos largos e decididos, sai do quarto em busca da atenção de uma princesa.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...