História Chapeuzinho vermelho - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Aventura, Comedia, Originais, Sexo, Violencia
Visualizações 10
Palavras 1.238
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Comédia, Ecchi, Fantasia, Festa, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Só posto hj pq não tem BOSTA NENHUMA PRA FAZER!


Boa leitura.

Capítulo 7 - Perseguição


Eu vou até o moço, ele estava com um sorriso largo em seu rosto e eu vi o outro afundar a cara na revista. Se não me engano aquilo era uma revista pornô? 

— O que o senhor quer... Pepsi, Dollynho seu amiguinho, suco de maracujá, suco de laranja ou Toddynho?

— Gostei de você, brizou nas Coca-Cola?

— Junto com pães de queijo! — dou um joinha pra ele.

— Ah tá... Eu quero... Uma garrafa de whisky! — ele falou coçando o queixo. — E para o meu amigo... — ele pega o papel que o RevistinhaPornográfica lhe deu. — Pó de Toddy com Nescau? Tá querendo embrazar já cedo homi?

Eu apenas observei o outro fazer um joinha pra confirmar.

— Tá loko. — disse o outro.

Eu rapidamente fui buscar a garrafa e os pózinhos. Eu coloquei a garrafa na mesa e o moço sorriu, e com o pote de Nescau e de Toddy eu esparramo perto do outro e dou um canudinho pra ele.

— Faça bom proveito senhor! — digo me virando.

— Espere! Quero saber mais de você moça! — falou o cara já virando a garrafa na boca.

— Tipo?

— Tem filhos?

Mas que raios de pergunta é essa? Já sei...

— Tenho! — o outro se engasgou com o pó.

— Quantos? Qual o nome dele ou dela?

— Um, ele se chama Jasinto!

— Carai, cê deve odiar mesmo o muleke! E por que de Jasinto?

— Pra não chamarem ele de pau no cu!

— Aaaah tendeu, tendeu... Boa ideia! Gostei. — ele me olha. — E quem é o pai?

— Sabe... O pai fugiu.

— Paga pensão?

— Não, ele prefere ir preso.

— Cara palhaço! Eu não faria uma coisa dessas, até porque... Você é nova e precisa de apoio.

Eu notei que o outro fumante de Nescau estava nos encarando com a revista cobrindo seu nariz e mostrando seu olhar, por um momento me veio uma pessoa familiar na cabeça.

— Quantos anos o senhor acha que eu tenho?

— 16? — (Obs: não me lembro muito bem que idade coloquei nela)

— Acerto mizerávi!

— Vou no banheiro! — sussurrou o outro.

— O que você vai fazer depois daqui?

— Ir pra casa!

— Sua mãe não te deixa ficar na rua sozinha?

— Deixa, mas... Eu que não vou ter nada pra fazer depois.

Ele sorriu.

— Posso te dar algo pra fazer!

EPA! ALERTA DE PAU DURO, SOCORRO, CORRE DAÍ MENINA! PEDÓFILO, PEDÓFILO, PEDÓFILO... OIA PEDOFILIA É CRIME MOXO U.U

— Não... Eu... — ele me interrompe.

— Porque vai recusar minha oferta? Você vai gostar do pirulito que vou te dar!

— A-Ah... Eu tenho um pote de pirulito lá em casa pra quê mais um!

— O meu é maior, uns dos maiores que​ você nunca viu!

— Mentira que todo pirulito tem no máximo uns 5cm!

— O meu é 6 vezes o tamanho de um!

— ... — Porque comigo? Olha! Eu não mereço isso!

Se quiser eu posso te mostrar, para provar que existem pirulitos com mais de 5 cm!

Ele se levanta e se aproxima de mim.

— Eu já entendi... Deixa eu ir terminar o meu serviço que depois eu posso ir embora!

— Entendi... Você quer terminar tudo para poder chupar seu pirulito?

— Os que estão no pote da minha casa, sim!

— Não quer o que eu te ofereci?

— Oferece pra outra!

Ele me olhou com uma cara tipo:

"Hello darkness, my old friend,

I've come to talk with you again,

Because a vision softly creeping,

Left its seeds while I was sleeping,

And the vision that was planted in my brain."

Eu saí de lá e fui para o depósito, e lá eu acho que vi um gatinho.

— Desgraça fui assediada! — eu digo.

— Por quem? — falou o Gato.

— Uma cara.

— Quem é o cara?

— Não sei, pergunte pra ele.

O Gato revirou seus olhos.

— Se não quiser passar por isso de novo use um traje masculino! — ele me diz saindo com uns sacos.

Eu vejo e o traje era daqueles garçons de restaurante. Esse Gato fica cada vez mais louco. Eu visto o traje e coloco um gorro por cima. Saio de lá colocando um bigode falso. 

Ao longe vejo o cara com o... Tom e a revista pornô?! Era ele o tempo todo! Carai, pera que eu já sei!

Os senhores querem algo? — eu pergunto imitando uma voz masculina.

— Só a rosquinha que a outra garçonete me ofereceu!

— Senhor, falando sério... O que vai pedir? — eu pergunto.

— Nada.

— E você o fi de aborto? — pergunto ao RevistinhaPornográfica ​que na verdade era o Tom.

— Bom... Eu queria um espeto de rato negro pra viagem!

Ele sabe que sou eu e que fui eu que sequestrei o Mickey!

— Sinto muito senhor! Acabou os ratos negros, o dono do bar comeu tudo!

— Eu ouvi isso! — falou o Gato Risonho atrás de mim. — Eu não como rato, preconceituosa.

— Preconceituosa?! — repetiu os dois.

— Ele falou errado​... Esse chefe! Ele me confunde muito com um viado! — eu digo segurando os ombros do Gato com força.

— Peço que volte ao trabalho! — ele me diz.

— Você é o chefe? Prazer Luka. Eu queria reclamar de uns dos funcionários que me devem uma rosca!

Eta nóis!

— Espera... Nos desculpe eu falarei com eles a respeito disso.

— Acabou o estoque de rato negro?

— Tu é bem racista, né não? — eu falo.

— Não sou. É o nome da comida!

— Eu não sei de nada! — disse o Gato.

— Você vai ou não vai providenciar a minha rosquinha?

— Os ratos acabaram e eu já vou providenciar a sua rosquinha. — disse o Gato.

— Certo. Eu vou buscar sua rosquinha e você...

— Mas a garota que me atendeu sabe qual é!

— Senhor, ela foi embora e me encarregou de ficar no lugar dela e...

— E sem me avisar, ela ia pegar o meu pirulito! Eu vou processar esse bar...

— SENHOR ELA TEVE QUE SAIR PORQUE A CASA DELA TA PEGANDO FOGO BIXO!

— Eu ainda quero minha rosca...

Filho de uma puta!

Eu vou até o balcão onde tinha um monte de doces e lá haviam rosquinhas caramelizadas.

Vou até Luka.

— Era essa rosca que você queria?

— Pensando bem quero ela mais não! — ele fala.

— Certo... Vai querer mais alguma coisa?

— Nada... Fora isso, pode entregar esse número para a sua parceira por mim? — ele me entrega um endereço e um número de telefone.

Ele pagou sua conta e se foi eu sabia que o número era pra mim mesmo já que eu estava de disfarce.

— E o senhor?

— Só um instante...

Ele se levanta e aponta uma arma em minha direção.

— Me entregue ele!

— Não sei do que você está falando senhor...

— Sabe sim... Por trás desse disfarce ridículo sabemos que é você Chapeuzinho! 

— Só você e o Gato! O resto não sabe de nada!

— SEGURANÇAS! — gritou o Gato.

— Droga! Eu ainda vou atrás de você! — ele diz correndo pra saída.

— Mas você tem uma arma. — eu digo.

— E eles estão apontando uma arma a lazer! E eu estou sem balas.

Me senti trouxa agora.

Ele se foi.

— Aí, você tá bem? — ele me pergunta.

— Sim... Gostei do teu bar, tem seguranças!

— Hahaha! Eu os contratei faz pouco tempo.

— Ah Gato, cada vez mais louco!

Ao final da noite o Gato e eu estávamos fechando o bar.

— Quanto eu te devo? — ele me pergunta.

— Bom... R$500,00 dá!

— Tô mais duro que pau.

— Pior referência.

— Eu sei!

Ele me deu os R$500,00 e fomos cada um para um lado. Eu cheguei em casa e minha mãe havia saído.

Eu tomei banho e ouvi meu celular tocar.


Notas Finais


Isso é tudo espero que tenham gostado.


Até um outro dia!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...