História Chapeuzinho vermelho - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Aventura, Chapeuzinho Vermelho, Comedia, Originais, Sexo, Violencia
Visualizações 17
Palavras 1.033
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Ecchi, Fantasia, Festa, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura.

Capítulo 9 - Trabalho de equipe


Por qual motivo ele quer falar comigo? Somos rivais!

— É o que? — eu digo.

— Você e eu formamos uma bela equipe, não é mesmo?

— Ouxe... O que você está tramando?

— Ah... Vamos tratar de negócios, está bem? Entre, vamos tomar um café...

— Não me venha de dona Florinda e professor Girafales... Eu sei que eles não tomam só café!

— Poxa... Pra que lembrar... Eu ainda tô de luto...

— Fez parte da sua infância?

— Opa, claro!

Eu entrei e ele me serviu chá ,e ele bebia café.

— Por quê me convidou pra entrar sendo que eu só vim providenciar a sua porta?

— Sabe... Sobre ontem... Você me salvou certo? — ele diz.

— E o que isso tem haver?

— Pensei que me jogaria no lago repleto de jacarés... Sua atitude me surpreendeu...

— Corta essa... Eu só te salvei pelo desafio! Não entenda mal.

— Admita, você me salvou por que quis, somos rivais, eu sei, mas, foi estranho você me salvar!

— Certamente que sim... — eu digo. — Mas, eu te salvei por que não poderia poluir o rio do reino que é 100% limpo!

Ele abaixou sua cabeça.

— Bom... — ele fala com uma expressão séria. — Vamos ser parceiros de equipe, eu proponho te ajudar a todo custo!

— Não me venha de cu doce... 

— Não estou fazendo cu doce!

Eu dei um gole no meu chá.

— Você vai recusar a proposta?

— Certamente que sim... Você não iria me ajudar... Iria atrapalhar ainda mais o meu negócio!

— Está esquecendo um pequeno detalhe... — ele sorriu. — Não se esqueça que​ seu prazo ainda não acabou, e que você ainda é a novata, e depois do prazo... Você receberá missões C!

— C?! — cuspo o chá. — Você está brincando?! 

— Pois é... E então, quer fazer parceria comigo?

— Nem fudendo! 

— Quer recusar uma missão nível S?

— Por que está sendo cruel comigo? — eu falo.

— Eu estou te fazendo uma proposta, azar o seu de recusa-la!

— QUER SABER... QUE SE DANE SUA PROPOSTA, EU NÃO QUERO ELA MAIS NÃO! — eu digo indo até a porta. — E você? É UM FILHO DA PUTA! — abro a porta. — Seu filho da puta!

Eu volto pra casa e fiquei deprimida, eu parei pra pensar: O meu orgulho me fez recusar uma proposta muito boa oferecida pelo meu rival!

Eu saí para procurá-lo no meio da cidade.

Mesmo que eu tivesse muito dinheiro, eu ainda queria mais, mas, o que eu queria mais ainda, era uma caçada nível S.

— Você viu um cara alto com um chapéu, parecendo o Papaco? — eu pergunto a uma jovem senhora.

— Não, mas um homem de chapéu parecendo o Papaco, vi vários!

— Quantos?

— 27!

— Porra... Tudo isso? Enfim... Obrigada, eu vou indo!

— Boa sorte na busca!

Eu acenei com a cabeça e dei meia volta, estava até me esquecendo o que eu procurava...

"Um homem alto de chapéu parecendo o Papaco", eu estava a procura do caçador que sumiu e nunca mais voltou.

Eu fui até a máfia, com certeza ele estaria lá pegando seu alvo.

— Senhorita Chapeuzinho? O que faz aqui? — me perguntou o velho fumante de cachimbo. — Pensei que nunca mais voltaria pelo o que o Tom me contou!

— Você me deu o prazo de 25 dias!

— Não... Você não acha cedo para tirar férias pra si?

— O senhor sofre problemas de Alzheimer?

— Não, eu tenho uma memória ótima!

Eu lhe mostrei a carta, só para prevenir.

— Eu nunca lhe escrevi cartas, senhorita!

— O Tom passou por aqui? Ah, sim... Ele acabou pegando sua recompensa e foi para o leste!

— AGORA TUDO SE ENCAIXA! — eu grito indo pra fora.

— Ouxe menina? Eu hein...

Eu corri, até outros caçadores.

— Olá rapazes... Poderiam me emprestar seu cavalo? — eu digo com um sorriso.

— Desde que me devolva depois... — ele fala desmontando.

— Certo! Valeu!

Eu monto no cavalo e corro em direção ao leste.

— TOM!!! — eu grito com toda a força que minha voz pôde soltar, realmente, um grito muito alto.

— Pensou na minha proposta?

— PROPOSTA O ESCAMBAU SEU CORNO! — eu digo dando um soco nele.

— Ai... Por que fez isso? — ele diz me olhando assustado.

— Prazo de 25 dias, não é? — eu estralo os dedos do meu punho.

— Fudeu... — ele diz se levantando com dificuldade. — CORRE NEGADAAA!!!

Ele montou em seu cavalo e saiu correndo, eu fui logo atrás dele.

— Calma... Nós podemos con... AI CACETE! — eu atiro nele.

— Já conversamos demais... Agora já chega... Eu perdi tempo demais! 

— Olha... Eu peguei suas recompensas enquanto você estava fora... Mas, foi por pura vingança... Eu juro!

Eu o imito em uma voz afeminada.

— Bah... Vai se lascar... Vingança é o estrago que eu vou fazer na sua cara! — eu digo apertando o gatilho.

— Eu só fiz​ isso porque​ adimiro seu trabalho como caçadora, e aquela vez com os desafios... Eu percebi que éramos uma bela equipe... — eu seguro o gatilho um pouco mais leve e olho seu rosto. — Todos na máfia trabalham em equipes eu não sei se você percebeu... Deixa de ser orgulhosa... Abaixa a arma, podemos resolver isso de outra forma... — eu abaixo e olho de forma desprezível pra ele.

— Me dê um único motivo pra me juntar a você!

— Eu nunca tive chance de participar do ranking exatamente por esse motivo...

— Um ranking?! Você não me falou nada sobre ranking!

Ele sorriu de leve.

— Mas... Prove que não está mentindo! — volto a arma apontada para sua testa.

— Pode perguntar ao velho, ele pode confirmar isso... Se eu estiver mentindo... Eu te darei um mês das minhas recompensas.

— Agora você falou a minha língua.

Nós fomos juntos em busca da minha recompensa roubada pelo Papaco.

Nós enfrentariamos um gigante.

E como ele me disse nós o levariamos até a máfia para pegar o dinheiro.

— É verdade que existe esse negócio de ranking para equipes? — eu pergunto.

— Sim, mas geralmente fazemos isso como competições para apostar! — disse o velho.

— Bem... Então... Tom... Você conhece alguém com quem eu possa formar equipe?

— Espera... O que? — ele diz. — Enquanto a mim?

— Não quero formar equipe com você.

— Eu não conheço ninguém... Se vire. — ele disse indo embora​.

— Então tá...

Já sei para quem eu vou pedir!




Notas Finais


Só nos últimos 5 meses, eu já morri umas 4 vezes, ainda me restam 3 vidas pra gastar♪...

Quem conhece essa música... Parabéns eu tenho todo o respeito por vc!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...