História Cheer Up! - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Au!abo, Bangtan Boys, Boyxboy, Bts, Colegial, Jimin, Jimin Alfa, Jiminxsuga, Min Yoongi, Minimini, Park Jimin, Suchim, Suga, Suga Ômega, Sugamin, Suji, Yoonmin
Visualizações 140
Palavras 1.709
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha, não quero ser causadora de desconforto
Mas esse capítulo traz umas tretinhas ;u;
E as coisas não serão bonitinhas no próximo, mas infelizmente acontecerão

Boa (?) leitura

Capítulo 10 - Tudo tem hora certa


Era quase madrugada de sexta-feira faltavam poucos minutos para a quinta acabar. Enquanto a casa toda se encontrava de luzes apagadas e ausente de movimento, Yoongi aproveitou para ficar sozinho para pensar. A mãe dormia o sono merecido em seu quarto depois de mais uma semana toda fora de casa – pelo menos, ela poderia ficar para o fim de semana. Mas quem estava tirando seu sono estava em seu próprio quarto, dormindo em sua cama sem o mínimo de preocupação. Não sabia bem o que esperar de reação de Jimin caso contasse o que estava se passando por sua cabeça.

Já se passavam dias desde que os enjoos e tonturas ficaram cada vez mais frequentes, e algo atípico para si começou a acontecer. Sabia que, por sua natureza, exalava o perfume característico quando no cio, mas aquilo era a única coisa que vivenciara – até o momento. Os hormônios podiam indicar muitas coisas pelo odor, e uma delas era quando um ômega estava gestando um filhote ou não. Ainda assustado com a possibilidade, comprou um teste rápido de farmácia no dia anterior e o fez, rezando para todas as entidades que conhecia para que viesse uma resposta negativa. Porém, nenhuma reza foi páreo para o risquinho vermelho que o minúsculo visor mostrava. Não dava para acreditar.

Yoongi sabia que era jovem demais para isso, estava recém no segundo ano da escola, ainda faltava tempo para que se sentisse adulto o suficiente para aquele tipo de acontecimento. Mas a natureza não falhava. Lembrou-se das consequências do nó quando teve sua primeira vez com Jimin. Como iria comunicar que estava...

Grávido...?

Sentiu os olhos marejarem, respirando fundo, buscando oxigênio com tudo que seus pulmões podiam. Meio que instintivamente, passou os dedos tímidos pelo abdome, tentando crer que havia uma vidinha minúscula ali dentro; de repente, sentiu como se não estivesse completamente sozinho na sala escura da casa. Ao mesmo tempo que, em outras condições, seria muito emocionante ter um filho, não pensava em nada além de como sequer conseguiria cuidar e criar um. Estava tudo desabando. Sua crença pessoal de que “quando tudo estava bom demais é porque não duraria muito tempo” se mostrou muito real.

Enxugou as lágrimas doídas e se levantou do chão, indo até a cozinha beber água. Pela janelinha podia-se ver a lua bem branca iluminando o piso, onde seus pés descalços caminhavam. Olhou para o astro noturno e se questionou mentalmente se essa coisa de destino realmente tinha algum fundamento, porque por mais que tentasse dar certo na vida, automaticamente algum obstáculo precisava aparecer para atrapalhar. Assim era difícil se manter animado e positivo.

Depois contaria a Jimin. No momento, Yoongi só precisava se aconchegar a seu lado na cama e tentar dormir para esquecer.

XxX

O café estava forte o bastante para causar uma úlcera instantânea, mas nem assim, Yoongi parecia se sentir mais disposto pela manhã. Agradecia mentalmente que sua mãe o mimava o máximo possível quando estava em casa, preparando suas refeições e sempre tudo do bom e do melhor, mas mesmo com um café da manhã excelente na mesa à sua frente, não conseguia esboçar um sorriso sequer. Jimin, que ao seu lado bebericava suco, olhava de canto de olho o semblante perdido do namorado e sua respiração pesada, sem entender o motivo do mal estar repentino. Então procurou saber o que estava acontecendo.

“Jangmonim... se quiser se recolher e descansar mais, pode deixar que eu lavo a louça hoje. A senhora parece bem cansada...”, Jimin se utilizou da sua voz mais doce e convincente ao se dirigir a sogra.

“Ah, querido, muito obrigada. Ainda estou um pouco esgotada dos plantões dessa semana, queria passar mais tempo com vocês, mas estou caindo de sono. Não se esqueçam de me acordar para o almoço, sim?”

A mulher se levantou da mesa e deixou um beijo no topo da cabeça do filho e um afago no ombro de Jimin, então deixou a cozinha. No segundo seguinte, o ruivo encarou o namorado, que acabou pareando os olhos com os seus.

“Que foi...?”

“’Que foi?’ digo eu. Você tá bem? Parece que nem dormiu...”

Yoongi sabia bem que não era simples dizer o que vinha pensando desde o dia anterior.

“É... não dormi bem. Acabei acordando mais cansado.”

“Ei... jagi. Se qualquer coisa estiver te incomodando, qualquer coisa mesmo, pode me contar, tá? Eu quero o seu bem. Prometemos não ter mais segredos, lembra?”

O mais velho assentiu com a cabeça. Tinha prometido com o dedo mindinho que os dois seriam sinceros um com o outro desde que Jimin descobriu sobre seu antigo hábito de se auto-induzir a coma. Não haveria mais meias verdades nem fatos escondidos. E Yoongi se arrependia amargamente de ter prometido isso, porque agora passou a se sentir culpado por não ser totalmente honesto. Terminou seu café da manhã rapidamente e, por não terem aula naquela sexta-feira devido a uma reforma no prédio escolar, acabaram por voltar para o quarto do de cabelos verdes para assistir televisão.

Terminando de lavar a louça do café, Jimin correu para encontrar Yoongi fitando a televisão com a mesma cara de mais cedo; assistia um comercial de fraldas infantis, onde uma porção de bebês fofinhos apareciam fazendo gracinhas. E antes que pudesse perguntar, seu hyung cortou o silêncio breve.

“Jiminnie, o que você acha sobre ter filhos...?”

A pergunta pegou o ruivo um pouco de surpresa, ainda mais por vir do namorado.

“Olha, hyung, eu adoro crianças. Gostaria de ser pai um dia. Por que? Você já tá planejando nossa família, é?”, soltou um risinho.

Felizmente Jimin não captou nenhuma segunda intenção com a pergunta, o que aliviou Yoongi. A resposta também. Talvez com essa informação, fosse mais fácil contar integralmente o que estava acontecendo em sua cabecinha – e em sua barriga. Mas quem sabe... só quem sabe... devesse esperar o momento certo para isso. Sabia que esse momento viria a calhar.

XxX

Quando o céu já aparentava o crepúsculo em tons rosados e laranjas, Jimin e Yoongi começaram a se arrumar para a festa do hoobae Taehyung. Yoongi tinha o endereço gravado nas notas do celular e, provavelmente, Namjoon e Seokjin já estariam indo para lá também, o que seria muito bom pois teriam companhia. Depois de cada um tomar seu banho e se arrumar cuidadosamente com suas roupas preferidas, seguiram em direção à porta, não antes de dar um tchauzinho para a mãe do mais velho.

Antes de sair, no entanto, Jimin parou o namorado e correu até o seu quarto, voltando igualmente rápido com um de seus casacos em mãos.

“Quer que eu vista...?”, Yoongi levantou as sobrancelhas num tom meio contrariado.

“Vou ficar tranquilo se estiver com seu cheiro camuflado. Assim, não haverá incômodo porque outros alfas não irão te farejar tão bem.”, o ruivo continuava segurando a peça de roupa, esperando que o outro a tomasse e vestisse.

“Jiminnie... vai ter tanta gente lá... eu não vou ser o único ômega da festa. E... sabe que se já tivesse me marcado, não correríamos mais o risco de assédio dos outros.”

Jimin retorceu os lábios e fitou o chão. Os dois já tentaram conversar sobre aquilo, Jimin alegava ser um compromisso muito sério e duradouro uma mordida, talvez fosse mais sábio esperarem o relacionamento de ambos se fortalecer para investir no ato. Yoongi, por outro lado, sentia-se ameaçado o tempo todo, porque, por mais que estivesse namorando, muitos alfas só respeitavam os limites físicos de um ômega quando este já havia sido marcado – o que não era seu caso. Será que ele estava errado de pensar assim ou só era um grande medroso?

“Tudo bem. Não precisa vestir se não quiser. Mas fique comigo o tempo todo, certo?”

“Certo.”

Numa calmaria, os garotos entraram no carro de Jimin e rumaram para o endereço de Kim Taehyung.

E foi fácil encontrar o lugar, a música alta podia ser ouvida dobrando a esquina; com certeza os vizinhos não estavam curtindo tanto quanto aquele bando de jovens. Ao entrarem na casa, deram de cara com um movimento absurdo de gente se apertando para lá e para cá. A comunicação era praticamente impossível a menos que se berrasse nos ouvidos dos outros. O chão já estava repleto de poças que eram facilmente identificáveis como bebidas alcoólicas. Nada como uma festinha de jovens para sentir o coração vibrar com a batida da música.

Jimin segurava a mão de Yoongi com um pouco de força, mas tudo porque não queria se separar de seu hyung. Juntos, foram até uma sala ampla onde uma mesa de bilhar no centro era a diversão de alguns garotos, e logo atrás jazia um espaço próximo à adega com uma plaquinha decorativa escrito “bar” – provavelmente os pais de Taehyung eram muito bem de vida, porque a casa era fantástica. Lá, os dois pediram duas garrafinhas de cerveja para brindar e “abrir os trabalhos” da noite. Yoongi pensou que se sua mãe soubesse que ele estava bebendo, era quase certo que ficaria de castigo. Mas, mesmo havendo dezenas de menores de idade naquele recinto, tudo era feito com o maior sigilo e cuidado, de forma que nunca nenhum pai ou mãe pegou seus filhos alcoolizados nas típicas festinhas que o anfitrião oferecia.

“Jiminnie, eu vou rapidinho no banheiro, não fui antes de sairmos e agora minha bexiga tá estourando.”, Yoongi largou a cerveja no balcão e já estava se afastando, quando sentiu seu pulso sendo segurado.

“Quer que eu vá com você? Não me importo.”, Jimin esperou a resposta do namorado.

“Não precisa! É super rápido! Já volto, vi que tem umas mini pizzas sendo servidas e eu quero pegar algumas quando chegarem aqui. Espera aí!”

Assim, Jimin viu o mais velho se embrenhar naquele povo todo junto, espremido. Tentou acompanhar seus movimentos ficando de olho nos seus cabelos cor de menta, até que os mesmos desapareceram ao Yoongi subir as escadas. O banheiro do andar térreo estava ocupado, então foi informado que no andar de cima o banheiro estava vazio.

Tudo nos conformes, como planejado. Taehyung sacou o celular do bolso e digitou rápido, dizendo que já tinha conduzido Yoongi para o banheiro do segundo andar. Segundos depois, viu Jungkook passando na sua frente, lançando-lhe um discreto aceno de cabeça. Jeon subiu as escadas.


Notas Finais


Saí correndo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...