História Chefe - Capítulo 28


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Amor, Chefe, Romance, Sexo
Visualizações 362
Palavras 1.411
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura 🌸

Capítulo 28 - Coragem


Sr. Green narrando

Decido por pegar Lúcia na sua casa já que ela diz estar enjoada e meus pais me matariam se ela fosse de táxi sozinha. 

-Demorou - reviro os olhos 

-Por que está me tratando assim? - ela cruza os braços 

-Porque não queria estar aqui - falo ríspido 

-Acho que um dia você me ama - ela fala encostando no meu braço 

-Fala sério né - encosto a cabeça no banco do motorista - desiste 

Ela murmura alguma coisa mas não consigo ouvir.  Chegamos na casa dos meus pais e a porta já está aberta. 

-Oi Jay - Lúcia da um beijo na minha mãe - oi Sogro- ela fala simpática 

-Oi querida - minha mãe sorri e devolve o beijo 

Falo com meus pais e vamos para a sala de jantar pois estou morrendo de fome, Lúcia disse que não comeria pois estava enjoada mas quando viu a lasanha comeu como se não houvesse amanhã. 

-Você não estava enjoada? - falo provocando 

-Estou - ela larga o garfo na mesa e faz uma cara de dor 

-Não parece - reviro os olhos

-Ethan! - minha mãe me repreende - não liga pra ela Lúcia, na gravidez dele eu também era assim 

-Eles não entendem, Jay - Lúcia sorri - só quem passa por isso sabe 

-Claro uhum - murmuro 

Elas ficam durante o jantar falando de enxoval enquanto meu pai fica me falando das responsabilidades e que essa gravidez foi um sinal de Deus para eu me misturar com as pessoas certas. Lúcia não sabe do jantar com Megan no sabado porque eu não fiz questão de contar e meus pais acharam que ela iria se estressar com isso. 

-Vou encomendar o berço em paris - Lúcia fala animada - ele é único feito de madeira australiana 

-Meu neto merece isso tudo - minha mãe se anima 

-Vai comprar é? - falo repreendendo 

Não é que eu queria poupar dinheiro ou algo do tipo mas não acho que ela seja merecedora de qualquer tipo de afeto meu. 

-Deixa e menina comprar - meu pai me repreende - meu neto merece 

-Concordo, sogro - Lúcia sorri - Ethan anda muito estressado com a empresa 

-Não me chame assim sua vadia - falo alto demais para acabar com o clima de falsidade da mesa 

-Isso não é jeito de se falar - minha mãe grita 

-Se desculpe meu filho - meu pai ordena 

-Tanto faz - reviro os olhos - foi mal 

-Tudo bem - Lúcia da um sorriso falso - além da empresa, descobrir que vai ser pai não é fácil - Lúcia solta uma risadinha sem graça

É isso que mais odeio na Lucia, ela é tão submissa que qualquer coisa que eu fizer ela vai se calar. Pelo menos isso facilita nossa odiável convivência. 

Após essa vergonha Lúcia diz que não está se sentindo bem e vai em direção ao banheiro. 

-Você tem que tratar ela bem - meu pai começa - pelo menos no início da gestação apoia ela

-Não suporto ela - reviro os olhos

-No começo é assim - meu pai tenta sorrir - depois você se acostuma e tudo fica bem

-Acho que vou pra casa - deixo meu prato pela metade - vou só esperar a outra terminar no banheiro 

Passaram 10 minutos e ela vem secando a boca com uma cara de morta. 

-Não estou bem - ela revira os olhos 

-No começo é assim minha filha - minha mãe pega sua mão - toma esse remédio ele é ótimo - ela dá uma receita a Lúcia 

-Ok - Lúcia sorri - passamos na farmácia na volta 

-Vamos logo - apresso ela 

Me despeço dos meus pais e entramos no carro para acabar com tudo isso de uma vez. 

-Não me trate de novo assim na frente dos seus pais - ela aumenta a voz 

-Tá - falo sem cabeça 

-Olha para mim enquanto eu falo com você - ela aumenta mais ainda a voz

-Abaixa o tom de voz quando for falar comigo - olho em seus olhos - e eu falo do jeito que eu quiser - grito - tá me ouvindo? 

-Estou - ela murmura 

-Assim que eu gosto - falo ainda alto - agora desce e compra a merda do remédio - paro na frente de uma farmácia 

Me sinto mal por tratar ela assim, ela está esperando um filho meu (aparentemente) e não merece passar por isso mas eu não aguento olhar pra cara dela que me dá nojo. Lúcia é assim porque minha mãe fica alimentando sua vontade de ficar comigo dizendo que um dia vou amá-la e que vamos ser felizes, minha mãe é uma ótima pessoa e ela acha que fazendo isso vai me deixar mais feliz.

Ela volta para o carro e eu toco o carro para sua casa, mas durante o percurso tento ser o mais delicado possível pois já que pelo visto vou ter que ficar com ela. Faço perguntas da gravidez, se ela já foi ao medico e como está se sentindo. Ela responde todas com animação dando cada detalhe de como foi no medico. 

-Vai subir? - ela pergunta fofa - dorme comigo hoje 

-Pode ser - tento parecer delicado 

Estaciono o carro na garagem do prédio e subo para seu apartamento. Em casa ela toma o remédio e enjoo e vai tomar um banho. Faz muito tempo que não venho na casa da Lúcia e parece que nada mudou. Eu não gosto dela, na verdade não suporto mas tenho que aprender e me conformar com isso já que eu procurei essa merda naquela noite que esqueci a camisinha e me ferrei. A criança não merece passar por nada por inconsequência minha, gostando ou não. 

Lúcia sai do banheiro com uma lingerie e com um olhar de quem quer alguma coisa. 

-Estava pensando na gente fazer nossa comemoração da gravidez - ela fala sentando no meu colo 

-Estou sem cabeça - minto - outra hora comemoramos - dou um sorriso e tiro ela do meu colo 

-Poxa - ela cruza os braços - me arrumei pra você 

-Não vai rolar Lúcia - reviro os olhos - vamos dormir que amanhã tenho que ir pra empresa 

-Ok - ela coloca um robbie e vai pra cama 

Prefiro continuar de roupa por não me sentir tão confortável de seu lado. 

...

Acordo cedo e olho para o lado Lúcia não está lá. Quando vou me levantar ela entra no quarto com uma bandeja com xícara, bolo e pão. Olho para meu celular e aparece uma foto da Megan na balada ontem com um garoto abraçado e meu coração aperta, Eu queria que fosse ela com café pra mim e não Lúcia mas cada um responde por seus atos. 

-Bom dia - ela fala animada 

-Hm... - olho para aquela bandeja toda montada - não posso ficar para o café, vou pra empresa - pego a xícara em sua mão e ando para a sala 

-Poxa vai me deixar aqui? - ela faz bico 

-Tenho uma reunião agora - tento sorrir 

-Ok boa reunião - ela dá um sorriso amarelo 

Deixo a xícara em cima do balcão e vou para o elevador sem me despedir direito. 

No escritório vou direto a sala da Megan que acaba de sair do banheiro lavando a boca. 

-Bom dia - ela tenta sorrir 

-Bom dia - falo sério 

-Temos uma reunião, certo? - ela pega uma agenda na mesa e olha na página aberta - as 9

-Isso - coloco minhas mãos no bolso - está de ressaca? Parecia estar vomitando 

-Não bebi ontem - ela fala sem jeito - estou sem estômago mas obrigada por perguntar 

Megan deve estar com um ódio mortal de mim pois tenho certeza que já sabe da gravidez de Lúcia e eu não tive coragem de falar alguma coisa pra ela. 

-De qualquer forma o que a senhorita faz fora da empresa não me desrespeita - falo olhando para suas pernas quando ela se abaixa para pegar uma folha de voou da mesa 

-Podemos ir? - ela fala se levantando 

Merda! Cada dia tá mais gostosa. 

-Eu tô com saudade - me aproximo 

-Ela está grávida e nem me contou - Megan da um sorriso forçado 

-Não tive coragem... - falo sincero 

-Foi o que eu pensei - ela sai andando em direção à porta - vamos logo para a reunião não temos tempo para conversa Sr. Green


Notas Finais


O que acharam desse capítulo? 🌸❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...