História Choosing Problems - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Divergente, Pentatonix
Personagens Avi Kaplan, Christina, Kevin Olusola, Kirstie Maldonado, Mitch Grassi, Personagens Originais, Scott Hoying, Tobias "Quatro" Eaton
Tags Avi Kaplan, Divergente, Mavi, Mitch Grassi, Pentatonix, Romance, Yaoi
Exibições 34
Palavras 3.218
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Musical (Songfic), Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá, pessoas!

Aqui está o capítulo... Me perdoem o atraso eu realmente não tive como postar ontem, então aqui está!


Boa leitura!

Capítulo 16 - Capítulo 16


Fanfic / Fanfiction Choosing Problems - Capítulo 16 - Capítulo 16

            Não conseguia mais reagir.

            Foi nisso que ouviu o barulho de uma pancada seca e sentiu o corpo de Gian cair mole sobre o seu. Ainda no susto o empurrou jogando no chão. E então viu Kirstie ali na sua frente segurando o banquinho de ferro que ficava no banheiro. Mitch estava ainda sem reação, mas Kirstie se aproximou agarrou a mão de Mitch e o puxou correndo em direção a saída. Mitch puxou o pano da boca e jogou no chão. Eles simplesmente correram em direção a parte mais movimentada do lugar. Kirstie ainda tinha o banco na mão e não o puxava mais, Mitch tentava a acompanhar, mas sentiu o corpo ir perdendo a força, até que ele parou. Isso fez Kirstie o olhar.

- Mitch? Por que parou? Corre.

            Mas Mitch simplesmente caiu de joelhos no chão chorando, então se sentou sobre os pés e daquele jeito ficou. Não conseguia mais se mexer estava apavorado, tremia e chorava, mas não se mexia. Kirstie voltou correndo e se ajoelhou na frente.

- Mitch, o que está fazendo?

- Não consigo me mexer... Kirs...

            Kirstie levou a mão a corda que prendia as mãos de Mitch e as desamarrou, mas as mãos dele não reagiram, simplesmente ficaram ali apoiadas em suas coxas. Kirstie tinha que buscar ajuda, mas não podia deixa-lo sozinho, e não conseguia carrega-lo. Nem tinha visto Scott hoje. E se Gian estivesse vindo atrás deles?

- Alguém aí? Me ajude! Por favor! – Kirstie começou a gritar.

            Então ouviu passos correndo em direção a ela, mas não se assustou muito pois vinha do lado oposto ao dormitório. Olhou pra lá e viu May e Jude vindo. Eles param olhando os dois ali e logo se aproximaram.

- Mitch? – Jude questionou.

            O rapaz tinha gostado muito de Mitch desde o início, de seu jeito, de sua força e era estranho vê-lo ali daquele jeito.

- Kirstie? – May questionou. – O que houve?

- Gian o atacou de novo – Kirstie falou ainda aflita.

- O que? – May perguntou assustada.

- Não consigo acreditar que um dia acreditei que ele pudesse ser meu amigo. É um monstro – comentou Jude.

- Eu sei... Eu preciso chamar o Avi, vocês podem ficar com ele, por favor? – pediu aos amigos.

- Claro. Vai lá – respondeu Jude.

- Cuidado, por favor. Eu bati nele com esse banco, mas ele já pode ter acordado.

- Deixe ele comigo – respondeu Jude.

            Kirstie se levantou, assentiu aos amigos e saiu correndo, deixando o banco pra trás. Jeremy tinha dito a ela sobre a reunião de urgência, como um capitão dos soldados tinha sido chamado também. Então ela rumou pra sala de comando o mais rápido que pode.

            Jude se ajoelhou ao lado de Mitch o olhando. O garoto chorava sem parar, tinha hora que começava até a perder o ar, parecia uma criança. Era perturbador ver alguém com medo àquele ponto. Queria fazer algo, mas temia assusta-lo ainda mais, então ficou ali só o olhando.

            Kirstie correu pelo corredores o mais rápido que conseguia, chegou a porta da sala de comando e estava muito ofegante. Bateu na porta sem pensar duas vezes, o que não faria em outra ocasião. A porta demorou mais do que Kirstie gostaria a ser aberta, e Alex estava ali a olhando sem entender, no fundo viu Quatro olhando confuso.

- Alex! – falou ainda tentando recuperar o folego. – Avi?

            Alex só se virou para dentro Jeremy olhou de longe pela porta, sabia que tinha reconhecido a voz. Avi correu até a porta e olhou desconfiado para a garota.

- Sim? – ele falou fazendo Kirstie o olhar.

- Gian – ela falou ainda ofegante e tentando poupar tempo.

- Mitch? – Avi questionou sentindo o coração se acelerar de nervosismo e certa raiva.

            Kirstie só assentiu. Avi olhou assustado para Quatro.

- Parece pior do que eu imaginei. Vá. Depois você volta pra conversarmos.

            Avi só assentiu e voltou a olhar para Kirstie.

- Onde ele está?

            Kirstie só acenou o chamando e começou a correr de novo. Teria que se sentar a hora que chegasse lá, estava começando a ficar sem ar. Correram de volta ao lugar e assim que fizeram a curva Avi já viu o namorado ali no chão chorava de um maneira que nunca vira. Parecia mais frágil e abalado que quando o viu pela primeira vez. Parecia que ia quebrar a qualquer momento. Jude tinha se afastado ao ouvir os passos e logo Avi estava ali olhando o garoto de perto, no chão na mesma posição que Mitch. Kirstie reparou que ele estava na mesma posição que o deixara. Avi temia que contato físico o fizesse ficar pior, mas que escolha tinha?

            Levou uma mão a dele, Mitch o olhava, só não reagia. Encostou na mão do rapaz e não pareceu se assustar ou piorar. Então segurou sua mão de leve, mas com isso Mitch agarrou a mão dele em um espécie de desespero, como se caso Avi o soltasse ele fosse cair em um abismo e sumir. Com essa reação Avi se ajoelhou no chão e abraçou Mitch o apertando em sim, lentamente como se o medo diminuísse ele levantou os braços e abraçou a cintura de Avi, que o apertou pelos ombros com um braço e levou a outra mão ao rosto. Nunca tinha imaginado ver alguém que ele amava daquele jeito. Sentiu as lagrimas virem e usou a mão em seu rosto para enxuga-las. Tentou resistir o máximo que pode, a última coisas que Mitch precisava era vê-lo chorar. Os três ali em volta olhavam a cena assustados, sem saber o que fazer. Avi então pegou Mitch e se levantou com ele nos braços.

- Vou leva-lo ao meu quarto. Algum de vocês, por favor, peça a Anika pra ir lá dar uma olhada nele – pediu e começou a andar.

- Avi, onde é o seu quarto? – Kirstie quis saber.

            Avi se virou a olhando.

- Lembra onde é o do Alex?

- Sim...

- É no mesmo corredor. Última porta a esquerda.

- Ok.

            Avi seguiu seu caminho e logo colocava Mitch na cama. O rapaz se enrolou como uma bola e se virou para o meio da cama, ali ficando. Avi se sentou ao lado dele e começou a acariciar sua cabeça. Não disse nada. Já tinha dito que o protegeria antes, e isso não foi uma verdade. Faria qualquer coisa pelo rapaz, mas sabia que haveriam momentos como esses, onde a coisa não funcionariam como o planejado. Não ia prometer nada ou dizer mentiras a Mitch, ele não precisava disso. Ali ficou até que Kirstie veio com Anika que o olhou e disse que ele estava em choque. Que passava com o tempo e que ele precisava de espaço, e descanso. Avi ficou ali com ele até que Mitch adormeceu. Precisava ir falar com Quatro, e então escreveu um bilhete dizendo onde estava e que voltava logo, para o caso de Mitch acordar e reagir. Seguiu para porta e saiu a trancado. Mesmo ali não sentia como se fosse certo deixa-lo sozinho.

            Se encostou na porta e olhou para a parede do corredor a sua volta. Se lembrando de tudo que tinha acontecido a Mitch até agora, em como o rapaz vinha sendo forte. Mas hoje ele tinha sido quebrado. Nunca tinha visto alguém com tanto pavor antes, e era logo uma pessoa que ele mais amava. E aquilo de certo modo o machucava. Gostava tanto do Mitch sorridente e sincero, do Mitch que dançava com Scott e bebia como se álcool fosse agua e gritava com ele por ser estupido. Mas agora aquele Mitch estava tão distante. O Mitch ali em sua cama estava em pedaços, mal conseguia reagir, não tinha dito uma palavra. O aperto no peito de Avi era dolorido e constante, apareceu assim que o viu no corredor, no chão paralisando, e não tinha ido embora. Incomodava, dava um forte desconforto, uma sensação aprisionadora de impotência diante de tudo aquilo. Antes que notasse se deixou cair no chão e começou a chorar. Queria tanto ajudar Mitch, mas como? Não era mais um questão de força bruta, apesar de ainda desejar quebrar cada osso do corpo daquela animal que atacou Mitch, mas isso não mudaria o fato de que Mitch não estava bem. Levou a mão ao rosto e se deixou chorar. Apesar da casca dura por fora chorar não era algo incomum a Avi, mas a razão sim. Normalmente só estava bravo com algo, mas desta vez era como se o tivessem prendido e deixado assistir a desgraça acontecer, era como se tivesse assistido a tudo, e correntes o impedisse de fazer algo, então apesar de ter se machucado lutando contra essas amarras em nada tivesse ajudado. E isso doía mais que que qualquer dor física que já sentira, ou mesmo sentimental, pois nunca se sentira tão torturado. Se a intensão de Gian era desestabiliza-los, estava conseguindo.

            Se deixou chorar, soluçar, talvez ajudasse a pensar, ou simplesmente diminuir o que sentia. Aqui Mitch não o via, então podia tirar a armadura um pouco. Depois de um tempo notou uma sombra sobre si, não deu importância. Mesmo que fosse Gian, não se importava.

- Avi? – ouviu questionarem, e era Kevin. Avi só o olhou e Kevin se assustou. Mesmo que não fosse incomum que chorasse, era incomum que vissem, a única pessoa que costumava ajuda-lo nesses momentos era Esther, mas ali estava Kevin, que correu e se ajoelhou ao lado dele – Avi? O que houve? Mitch está bem?

            Avi olhou o amigo, que o olhava assustado como seu estado.

- Não, Kevin. Ele está em choque. Aquele maldito conseguiu.

- Conseguiu o que?

- Quebrar Mitch. Enche-lo de medo.

- Ele teve medo de você?

- Não... Mas não quero só que ele não tenha medo de mim.  Quero que ele não tenha medo de viver, mas agora ele tem.

- Ele vai melhor.

- Quero muito acreditar nisso... Mas tudo vem dando tão errado que já não sei mais – tentando segurar o choro.

- Por que está aqui fora?

- Eu ia ver, Quatro.

- Então vamos lá. Quatro perguntou por você.

            Kevin se levantou e estendeu a mão ajudando o amigo a se levantar. E eles seguiram para o local onde encontrariam Quatro. Avi usou as mãos para tentar melhorar sua aprencia. Os dois seguiram a sala de Quatro. Kevin bateu e logo o homem respondeu autorizando a entrada. Assim ambos entraram. Quatro levantou os olhos rapidamente, mas então voltou a olhar e fixou o olhar em Avi.

- O garoto está bem? – questionou ao notar que Avi estivera chorando.

- Depende de que parte quer saber.

- Todas.

- Fisicamente sim, eu acho, pois ele não falou uma palavra. Mas tem um hematoma no rosto. Mas psicologicamente ele está destruído.

            Quatro fechou os olhos e suspirou.

- Tem algo que possamos fazer?

- Não – respondeu Avi curto.

- Ok...

- E Gian? – Avi quis saber.

- Fomos ao dormitório ver, ele fugiu. Temos todos que tomar cuidado, ele pode estar aqui dentro, ou não.

- Que eu não cruze com ele – falou Avi agora irritado.

- Não vou te culpar por nada que fizer. Mas tenha cuidado, você também é um alvo.

- Claro. O que tenho de saber da reunião de hoje?

- Só concordamos que não haverá mais patrulhas solitárias, serão de três para mais. Depois de a frequência de mortos terem aumentado estão começando a ver que isso não é acaso.

- Demoraram!

- Eu sei. Mas agora temos ordens diretas de encontrar um assassino.

- Entendi...

- Ok, mas você... Quero que fique com Mitchell e se acalme também, ok? Decisões não deve ser tomadas de cabeça quente.

- Sim, senhor.

- Podem ir.

            Avi e Kevin saíram. E seguiram de volta aos quartos.

- Os corpos encontrado tem o mesmo padrão? – Avi quis saber.

- Sim, o mesmo dos últimos dois anos. Só que dois corpos em um mês é incomum. Costumava ser em diferença de tempo muito maior.

- Parece que ele agora está agindo com mais frequência.

- Parece – concordou Kevin.

- Bom, vou pro quarto se precisar de algo é só chamar.

            Kevin só assentiu ao amigo, mas temia deixa-lo sozinho. Avi sempre foi emocional demais e estava mais abalado do que jamais vira desde que o conheceu. O barbado abriu a porta do quarto e entrou.

            Mitch continuava do mesmo jeito. Se aproximou e notou que ele ainda dormia. Pegou o bilhete que deixará e o amaçou, e seguida foi ao banheiro tomar uma banho, o chuveiro sempre o ajudou a pensar. Ficou de baixo do chuveiro por tempo demais, mas quando saiu usando só uma calça, se sentou na cama olhando garoto dormindo, talvez ele acordasse bem.

            Levou um susto ao ouvir baterem na porta.

- Avi? É o Scott – escutou a voz do loiro lá fora.

            Levantou e foi até a porta a abrindo. Scott estava sério e ao ver Avi levantou uma sobrancelha o analisando. Avi revirou os olhos.

-Kirstie me contou o que houve. Posso vê-lo?

            Avi franziu o cenho como o pedido, ele não tinha que pedir aquilo, tinha esse direito, era amigo dele.

- Não tem que pedir isso – respondeu dando espaço para Scott entrar.

            Esse olhou o quarto por alguns segundos e então foi até a cama e se sentou ao lado de Mitch o olhando. Avi se sentou no sofá e ficou os olhando. Scott não disse uma palavra, mas ficou olhando o amigo cabisbaixo por um longo tempo até que se virou para Avi.

- Ele disse alguma coisa?

- A mim nem uma palavra.

- Está tão quieto, parece apavorado mesmo aqui – comentou o loiro.

- Eu sei. Não sei realmente o que devo fazer. Mas vou ficar com ele.

- Bom, ele gosta muito de você, vai fazer bem a ele. Só nos avise se ele reagir, ok?

- Claro, aviso sim.

            Scott então se levantou e seguiu para saída. Avi só foi até lá trancar a porta. Estava cansado, tinha acordado muito tarde, mas todo acontecimento o tinha deixado mentalmente esgotado. Então se deitou ali ao lado de Mitch, cobriu o garoto que ainda usava calça jeans negra e uma casaco, mas o deixaria como estava. Ficou olhando o namorado e assim dormiu. Não fazia ideia da hora que tinha acordado, mas ao olhar pra o lado notou que Mitch o encarava. Abriu a boca ao vê-lo o olhando.

- Mitch? – questionou.

- Oi...

- Você está bem?

- Eu... Não sei.

- Se lembra do que aconteceu? – Mitch fechou os olhos e assentiu. – Me perdoe – Avi pediu e sentiu vontade de chorar de novo.

- Você não fez nada...

- Exatamente, e te deixei passar por tudo aquilo. Eu devia estar protegendo você.

- Avi, você tem a sua vida. Não pode viver em função da minha...

- Agora você é a minha vida. Se perder você eu sei o que eu faço. Eu entrei em desespero ontem, Mitch, depois de ver você em choque como estava. Não me lembro antes de ter me sentido tão impotente.

- Esteve chorando? – Mitch perguntou levando a mão ao rosto de Avi.

            Avi abriu a boca com a pergunta.

- Estive – respondeu, não queria mentir a ele.

            Mitch o olhou como se estivesse preocupado com ele, isso doeu, o garoto estava em choque no dia anterior e quando acorda se preocupa com ele?

- Por quê?

- Eu sei que não é justo com você, depois de tudo que aconteceu. Mas quando eu o vi ontem, quebrado, magoado e totalmente aterrorizado, eu me senti a pior pessoa do mundo, por deixar aquilo acontecer. Porque te ver daquele jeito, tão diferente do Mitch que conheci, me doeu mais do que eu esperava – olhou para Mitch e viu que apesar de estar reagindo um pouco ainda estava tão triste. – Como se sente?

- Eu... Parece que tem alguma coisa apertando meu coração. Não é como aquela vez que você me deixou, aquela vez doía a dor era constante e forte. Agora é como um pressentimento, como um pressentimento ruim, como se fosse acontecer tudo de novo. E minhas costelas doem...

            Mitch apontou a costela a esquerda dele, a que estava pra cima. Avi e então levou a mão à cintura de Mitch e empurrou a blusa pra cima e empurrou o casaco pra trás, e viu que havia um roxo nas costelas dele, passou a mão de leve pela pele e Mitch sentiu cócegas e acabou sorrindo, em seguida tirando a mão do maior.

- Isso faz cocegas – falou já sério de novo.

- Desculpe – Avi pediu, mas estava feliz por saber que ele não tinha perdido o seu lindo sorriso.

            Se desculpou, mas levou a mão de volta lá, mas desta vez pressionou um pouco no local. Mitch fez uma careta.

- Parece bem machucado. Melhor a Anika ver, vou chama-la.

            Avi começou a se levantar, mas Mitch o segurou pelo braço.

- Avi?

- Sim?

- Volte aqui só um minuto.

            Com isso ele se deitou de novo olhando para Mitch que se aproximou lentamente e o abraçou pelos ombros. Avi sorriu na hora com o gesto. Era a melhor coisa do mundo tê-lo em seus braços depois de tudo aquilo. O abraçou pela cintura. Mitch que tinha o rosto ao lado do seu se afastou uma pouco e o beijou, foi um beijo muito rápido e simples, mas Avi sorriu para o menor com aquilo.

- Eu te amo, Mitch. Me perdoe por ter deixado isso acontecer.

- Não foi sua culpa, não tem como controlar essas coisas. E eu também te amo.

- Mas de todo jeito, Mitch, é melhor eu ir chamar a Anika.

- Eu posso ir lá – disse Mitch.

- Tem certeza? Ainda não encontraram Gian, ele sumiu depois de ontem.

- Eu ainda tenho medo, Avi. Mais do que imagina, mas não posso viver o resto da minha visa trancado nesse quarto. E eu tenho você.

- Isso não ajudou ontem.

- Não estava comigo ontem.

- Você confia demais em mim – afirmou Avi.

- Você tem sido meu suporte todo esse tempo em que estive aqui, não tem como não confiar.

- Tudo bem, se quer ir, vamos.

            Os dois se levantaram. Avi só colocou uma camiseta e a toca e eles saíram. Mitch ainda tinha a mesma roupa. Eles seguiram para a enfermaria. Avi segurou a mão dele todo trajeto. Não encontraram muita gente pelos corredores, era segunda, então todos deviam estar em seus trabalhos. Chegaram a enfermaria e estava vazia, como na maior parte do tempo. Avi foi até o fundo onde bateu na porta e logo Anika estava ali.

- Avi? O garoto está bem? – ela perguntou assim que o viu, mas Avi só se virou apontando para ele que estava ali de pé no meio do local. – Ah! Que coisa boa. O que os trazem aqui?

- Ele está com um hematoma na costela, pode dar uma olhada?

- Claro.

            Com isso eles seguiram até onde estava Mitch.

- Oi – Mitch a cumprimentou.

- Oi... Deixe-me ver a costela.

- Ok.

            Mitch então levantou a blusa mostrando o local. Anika levou a mão, mas então parou.

- Isso pode doer um pouco – avisou.

- Tudo bem – Mitch concordou.


Notas Finais


E aí? O que estão achando? Espero que esteja bom...

Até mais o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...