História Cinderela - Imagine Jin - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jin, Personagens Originais
Tags Bangtan Boy, Bts, Jimin, Jin, Jungkook, Seokjin, Taehyung
Visualizações 28
Palavras 1.498
Terminada Não
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - 1


Fanfic / Fanfiction Cinderela - Imagine Jin - Capítulo 1 - 1

Eu não aguento mais...eu sofro muito aqui. A mulher que se diz ser minha mãe me usa para ser sua "escrava pessoal"

Ela nem é minha mãe de verdade, é só a mulher do segundo casamento do meu pai...queria que ele estivesse aqui ainda.

Eu vivo no porão da casa, eu tentei ao máximo limpar tudo e deixar ele um pouco mais habitável. Mas é quase impossível conseguir ficar aqui dentro, faz frio, é sujo, não tem iluminação...eu tenho medo de ficar sozinha aqui. Mas como eu não tenho opção, ou eu fico aqui, ou na rua.

- Seo Ra !!! - Uma das filhas da minha madrasta falou.

- Sim?

- Termine logo essa comida ! Não vê que estamos com fome ?

- Eu..eu já estou terminando. - Falei colocando a comida nos pratos, logo levei os pratos para a mesa. - Aqui.

- Ótimo, agora vai lá arrumar meu quarto porquê eu sem querer derrubei meu porta retrato e tem uns pedaços de vidro espalhados pelo chão. - A menina disse sem olhar para mim.

- Sim. - Pego uma vassoura e uma pá, subi para o quarto dela e fui até perto da sua cama para limpar os cacos de vidro. - Aish ! - Olho para meu pé e vejo que tinha pisado em um enorme caco de vidro, meu pé estava sangrando muito, larguei as coisas lá e fui para o banheiro cuidar daquilo.

A foto que tinha no porta retrato era a da nossa família, mas eu estava cortada na foto.

- O que é isso ? - Sussurrei para mim mesma quando me abaixei para pegar o último caco de vidro e vi um envelope escondido embaixo da cama. - Parece com o meu... - olho mais para o envelope e vejo que ele é exatamente igual ao envelope que eu guardo meu dinheiro para faculdade. Abri ele e vi que era exatamente a mesma quantidade de dinheiro que tinha no meu.

- Yah ! O que você está fazendo ? Ladra ! - Ela se aproximou de mim e pegou o envelope da minha mão.

- O que aconteceu aqui ? - A outra filha apareceu.

- Que gritaria é essa ? - A mulher apareceu.

- OMMA ! ELA ESTAVA ME ROUBANDO. - A menina disse fingindo algumas lágrimas.

- Você está louca agora ?

- O que ? Eu não fiz nada ! Eu só achei isso debaixo da cama.

- Mentira ! Ela abriu e já tava pegando para ela. Eu vi omma. - A outra menina disse.

- Não foi assim que eu te eduquei.

- Primeiramente que não foi você que me educou. Segundamente, vocês são todas ridículas.

- Me respeite. - Ela bateu no meu rosto. - Que aqui eu mando em você, você não tem mais seus papais para protegerem você, você está sozinha agora se não percebeu. Eu só deixei você morando aqui ainda por causa do seu pai.

- Ele não amava você. - Disse sendo direta para ela, eu sabia que era mentira, meu pai pode ter gostado dela, mas ele só amou a minha mãe. Ela não falou nada, só me bateu de novo.

- Cansei, hoje você vai embora dessa casa.

- O que ? Onde eu vou ficar ? - Já era mais das 22:00, não tenho dinheiro para pagar um hotel. Até porque o meu dinheiro está com aquela menina.

- Qualquer lugar, mas bem longe daqui. - Ela disse me empurrando para fora do quarto. Fui correndo para meu "quarto" e juntei todas as minhas coisas, coloquei todas as roupas na minha pequena mala. Acabei arrumando tudo em menos de vinte minutos, eu estava feliz por finalmente sair daquele inferno, mas eu estava com medo, não queria ficar sozinha, mas agora é preciso.

- Adeus. - A mulher disse com um sorriso sínico no rosto.

Não falei nada, só sai da casa. E agora... Para onde ?

O único lugar que consegui pensar foi no parque que eu ia quando pequena com meus pais, aqueles foram os momentos mais alegres da minha vida.

Cheguei no parque e não vi ninguém, ele meio que estava deserto, parecia que não vinham aqui a anos. A rua está escura e não tem nenhuma pessoa passando aqui. O barulho que o vento fazia quando batia nas folhas das árvores estava me assustando, eu só queria que meu Appa estivesse aqui para me proteger. Fiquei sentada no balanço perto da rua lembrando de todos os momentos com meus pais, eu já estava chorando muito, eu estava sozinha, sem ninguém para me apoiar, ou até mesmo chamar de família.

- Licença... - Escutei uma voz atrás de mim.

- Ah...O-oi ? - Falei me virando assustada. Tinha um rapaz, ele estava me olhando preocupado.

- O que aconteceu com você ? Por que está sozinha aqui a essa hora ? - Ele falou e quando viu minhas malas ele soltou um "Ah.. entendi" - Qual o seu nome ?

- Seo Ra.. e o seu ?

- Kim Seokjin. - Ele sorrio. - O que aconteceu para você fugir de casa ?

- Eu não fugi, fui expulsa.

- Oh ! Sério ? Posso perguntar o que você fez ?

- Eu na verdade não fiz nada...mas a minha madrasta me odeia, e ela me expulsou.

- E seu pai ? Não fez nada ? - Quando ele falou isso eu senti uma lágrima escorrer pela minha bochecha.

- Ele não pode...ele morreu.

- Me desculpa. - Ele disse com uma feição triste, ele realmente deve ter se magoado em dizer aquilo.

- Tudo bem. - Limpei minhas lágrimas.

- Você tem para onde ir ?

- Eu ? Ah...eh... N...sim !

- Sério ?

- Sim ! Só estou...respirando um pouco.

- Ok. - Ele me entregou uma sacola que estava carregando. - Pode ficar. Acho que você está com fome.

- Eu não sou uma necessitada... Não estenda mal.

- Eu só estou querendo parecer gentil, desculpa se em algum momento eu magoei você.

- Obrigada.

- De nada. Quantos anos você tem ?

- 17.

- Omo ! Você é muito nova. - Ele olhou para o celular dele. - Desculpa eu tenho que ir embora agora, eu até ficaria mais para conversar com você. Mas preciso ir. Yah, não fique até tarde na rua ok ?

- Sim. - Me despedi dele e ele foi embora, ele pareceu legal, não queria que ele tivesse ido embora. Agora eu estou sentindo aquele sentimento de medo e solidão novamente. - Idiota..por que você mentiu dizendo que tinha para onde ir... - Olho em volta do parque e vejo que nele tinha uma casinha, não é um hotel cinco estrelas, mas dá para passar uma noite.

Entrei na casinha e deixei minhas coisas no chão como um travesseiro, demorei um pouco mas finalmente consegui dormir.

***

- Não acredito... - Escutei um barulho vindo do lado de fora da casa. Abri os olhos e vi que era o Seokjin. Me levanto meio envergonhada e vou para o lado de fora da casa. - Você disse que tinha lugar para ir !

- Eu menti.

- Percebi ! Não devia ter feito isso, e se algo tivesse acontecido com você ?

- Desculpa... - Por que eu me desculpei ?

- Vem, eu vou ajudar você.

- Eu não preciso de ajuda, eu sei me virar sozinha.

- To vendo, dormir num parque não é se virar sozinha. - Ele entrou na casinha e pegou minhas malas depois pegou na minha mão e foi me puxando para algum lugar.

- Para onde está me levando ?

- Para minha casa.

- Ah..eh...m-mas...

- Não se preocupe, só quero ajudar.

O prédio que ele mora fica perto do parque, subimos para o andar dele e depois entramos na sua casa, era tudo bonito e arrumado. Tinha uma enorme vista para o parque. Daqui de cima dava para ver todos os lugares do parque.

- Eu me assustei quando vi hoje de manhã você ali dentro. - Ele disse apontando para a casinha.

- Eh...

- Você não é de falar muito né ?

- Não sei.... talvez... Por que está me ajudando ?

- Ontem de noite eu vi você chegando no parque, e eu fiquei curioso para saber o que você fazia lá, o tempo foi passando e voce não fazia nada naquele balanço, ai eu desci para saber se estava tudo bem e vi você chorando. Ai quis ajudar você com qualquer coisa quando vi você sozinha lá.

- Obrigada... Você é muito legal Seokjin.

- Pode me chamar de Jin.

- Sim...

- Eu vou fazer um café da manhã gostoso para você. E você vai tomar banho.

- Ah...

- Tem um banheiro nesse corredor. Fique a vontade, vou te tratar como uma filha que eu nunca tive.

- Ok...Appa. - Disse brincando e indo para o banheiro com minha mala de roupas. Tomei um banho relaxante, parece que eu não tomava banho a semanas, aquilo realmente me relaxou. Quando terminei meu banho eu vesti uma roupa qualquer e voltei para a sala. Tinha um lindo café da manhã na mesa. O Jin não estava em casa, do lado do café da manhã tinha um recado.

"Eu precisei sair para trabalhar. Fique a vontade e eu espero que goste ! 

Espero ter ajudado você ♥

Appa Jin."



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...