História Cinquenta tons de branco - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Inuyasha
Exibições 216
Palavras 1.229
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Hentai, Luta, Magia, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 5 - Perdão


 

rin: entramos no elevador e vejo os meus pais, mas nervosos que antes, minha mãe estava muito assustada e lançava um olhar para meu pai como se tivesse dizendo alguma coisa só com esse gesto, desemos e fomos para garagem onde mandaram espera lá até que voltasse passou um tempo, e comecei imaginar o pior não aguentando ficar quieta comecei a ficar de um lado pro outro na cadeira de rodas que em pouco tempo cansei e pararei dando um longo suspiro fechando os meus olhos, mas não conseguir abri-los por causa de uma mão tampando, pensei por um momento que fosse a minha mãe brincando comigo, mas não era quando escutei a voz daquele homem em meu ouvido me assustei e cair no chão sem querer batendo a cabeça fazendo uma dor enorme e não aguentando, comecei a chora   

sesshoumaru: outra vez humana  chorrando você não se cansa de me irritar? pare, logo com esse choro antes que a der motivos para chora _  aquilo me deixava sem jeito por que ela chora tanto só foi uma quedinha. olhei a cadeira de roda que estava abandonada e já sabia o que fazer segurei na cadeira levantando, e comecei amassa virando uma bola de sucata e joguei caindo perto da humana quero ver-la se arrastando feito o verme que ela é, me abaxei pegando em seu rosto fazendo me encarar nos olhos, até que algo naquele olhar me fez pensar se devo ajuda-la a selevantar, ela ainda continuava chorando fazendo uma carinha bonitinha de dor e isso me agradou é muito.                                                   

sesshoumaru: implore para que eu te ajude humana.

rin: por favor, me deixar em paz e onde estão os meus pais? _ ela perguntava entre soluços olhando para aquele par de olhos gélidos que mesmo assim não perdia a sua beleza por causa da sua cor amarela como o ouro.

sesshoumaru: você não vai implorar humana? nem pra me divertir você serve_ disse o youkai se levantando indo, embora, porém ele para no meio do caminho olhando no canto de seus olhos vendo a humana no chão chorando aquilo o incomodou profundamente, mas logo volta a sua atenção seguindo o caminho da saída, mas já não conseguia deixa-la, maldita humana! - disse voltando a pegando em seus braços e percebeu como ela era pequena e leve quase não fazendo peso ou melhor não fazendo peso pois sua força de youkai permitia que não sentisse, fazendo o mesmo ter uma força absurda. ele sentia o cheiro dela,  e já estava desistindo de ajuda-la, pois aquilo estava ficando ridículo sentir seu cheiro e o deixar confuso, franziu o cenho em negação, e olhou dentro dos olhos chocolate da moça, que agora demostrava confusão, mas logo em seguida se retirou junto a ela indo a encontro da sua família 

 rin: estava desesperada não sabia o que tinha acontecido com meus pais e estava sozinha, com a cabeça doendo e chorando pela dor, agora era só esperar alguém vim me ajudar pensava. quando vir o youkai voltando me pegando em seus braços, fiquei confusa por sua atitude inesperada ele me olhar nos olhos, mas  depois desvia o olhar, primeiro ele me trata mal e depois agir como se nada tivesse acontecido ele e louco? mim, perguntava enquanto está vamos saindo da garagem indo a uma sala que quando ele abriu, todos pararam, o que estava fazendo para nos olhar com uma cara de assustado tentando acreditar no que estavam vendo.

sara: filha! você esta bem meu amor? 

inu no taisho: por que demorou tanto? já estava indo a sua procura.

inuyasha: já estar treinando para o casamento, quando for pegar a noiva para a lua de mel ? irmãozinho. _ (ironia em pessoa)

sesshoumaru: cale a boca!  inuyasha eu nunca vou me deitar com uma humana! só aceitei esse contrato por que fui obrigado.

narake: deixe a minha filha não chão seu.....

sara: já chegar vamos para com essa brigar! filha nos desculpe, mas você vai ter que se casar com ele nos perdoe.

rin: mãe, não por favor! _  ela gritava querendo sair dos braços do youkai, em uma tentativa inútil. 

sesshoumaru: pare com isso humana, não vai adianta nada seus pais encolheram te vender feito uma bezerra para uma fazendeiro milionário.

inu no taisho:  sesshoumaru! pare com isso e var para a seu apartamento com sua futura esposa ela precisa de cuidados, e por isso mandarei alguém amanhã para cuidar dela enquanto você estar na empresa, mas ficara cuidando quando chegar em sua casa, e também as coisas dela vai chegar amanhã cuide dela se não você saber o que vai acontecer se a machucar.

sara e nakare: adeus filha, mas sempre estaremos pensando em você.

sesshoumaru: sair levando tapas no rosto daquela humana, mas não sentia nada era tão leve como uma pluma, a coloquei dentro do carro enquanto tentava fugir, e só ficava pensando quantos metros ela conseguiria andar com aquela perna engessada quando perdesse a minha paciência e tentasse mata-la. entrei no carro e fui com toda a velocidade assustando a humana que olhava pra frente com medo, em poucos minutos cheguei em meu apartamento, e novamente a peguei levando tapa da sua parte, entrei, e a joguei  na minha cama onde ela ficou parada por um tempo por causa do incomodo da perna quando bateu no colchão. 

on:

 seshoumaru: não se acostume animal de estimação, você só vai ficar aqui, até sua perna melhora e não dormirei com você não quero que o seu cheiro horrível fique em minhas roupa,  agora tenho que sair se vire sozinha ligue para uma pizzaria  por que aqui, não tem comida de humano.

satori: está enganado sesshoumaru, o seu pai mandou comprar comida humana e tudo estar na despensa.

sesshoumaru: como você entrou aqui ? 

satori: tenho meus segredos agora já vou tome conta da menina, e não faça nada de errado se não você já sabir o que acontecer.

sesshoumaru: não preciso ouvir isso toda hora! agora sair do meu apartamento.

satori: até, mas minha futura nora a o seu pai disse que você não vai poder sair hoje, vai ter que ficar com ela.

sesshoumaru: sair daqui! foi tudo que disse antes de quebrar a parede do quarto fazendo voar pedaços dela, e um dos grandes quase cair na cabeça da humana, mas minha mãe foi mais rápida pegando o pedaço e jogando em minha cabeça.

satori: tome, mas cuidado sesshoumaru, humanos não são como nós! vou embora espero que cuide bem dela.

sesshomaru: sim_ falou tirando os pedaços da parede de seus cabelos.

sesshoumaru: quando a minha mãe foi embora, e a humana dormiu. liguei para a kikyou para vim em meu apartamento já não aguentava, mas ficar sem entra em uma boceta, quando ela chegar vou fode-la! até o talo.  

kikyou: já fazia um tempo que o sesshoumaru não me ligava, já estava ficando preocupada ele não era de fazer isso até que recebo uma ligação, era ele, atender e não falei nada porque não deu tempo, só escutei ele dizer para ir rapido a seu apartamento se não pegaria outra, e na mesma hora me arrumei e coloquei a minha langerei, mas sexy e provocativa para mexer com ele cheguei em seu apartamento, e fui jogada no sofá estranhei por que não estavamos na cama, mas depois o levo até la para fazer nossas brincadeiras.

 

 

 

 

                                                                       


Notas Finais


adiantei esse capitulo, por que eu já estou quase passar em todas as matérias e fiquei feliz e resolver adiantar.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...