História Cinquenta Tons de Cinza ( ChanBaek ) - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Kai, Lu Han, Sehun
Tags 50tons, Chanbaek, Hunhan
Exibições 124
Palavras 2.096
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Volteiiiiiiiiiii ha ha .... Ansiosos né, eu sei ....

Ok vou deixar matarem a curiosidade e saber o que o Baek viu.
Então: Boa leitura.

Capítulo 11 - Quarto de Jogos


Fanfic / Fanfiction Cinquenta Tons de Cinza ( ChanBaek ) - Capítulo 11 - Quarto de Jogos

PUTA MERDA .

.......

A primeira coisa que noto é o cheiro:couro, madeira, cera com uma leve essência cítrica. É muito agradável e a iluminação é suave, sutil. Na verdade não consigo ver de onde vem, mais está em toda a volta do teto. As paredes e o teto são em um tom de vermelho escuro em fechado, dando ao quarto espaçoso uma sensação de aconchego, e o chão é de madeira muito antiga, envernizada. Há uma grande estrutura de madeira em forma de X, e uma grande grade de ferro, pendurada no teto, de no minimo dois metros quadrado e meio, no qual tem todo tipo de corda, correntes e grilhões reluzentes. Junto a porta, duas varas polidas e ricamente entalhadas bem longas, estão presas a parede como paus de cortina, e nelas tem uma grande variedade de pás, varinhas, chicotes de montaria e divertidos objetos com plumas.

Ao lado da porta, há uma sólida comoda, cujas gavetas são estreitas, como se fossem planejadas para espécimes de museu. Me pergunto rapidamente o que tem dentro delas. Será que quero saber? No fundo, fica um banco estofado de couro vinho, e, preso a parede ao lado dele, está uma estante de madeira polida que parece um porta tacos de bilhar, porem, de perto, são bengalas de vários comprimentos e larguras. Há uma robusta mesa de um metro e oitenta de comprimento no canto oposto, em madeira polida com pernas entalhadas e, sob ela, dois tamboretes formando um conjunto.

Mais o que domina o quarto é a cama. É a maior cama que eu já vi na vida, com quatro colunas e entalhes em estilo rococó e dossel plano. Parece do fim do século XIX. Embaixo do dossel, mais correntes e algemas. Não há cobertas... só um colchão de couro vermelho e almofadas de cetim vermelho amontoadas numa extremidade.

A alguns palmos do pé da cama há um amplo sofá vermelho escuro, simplesmente largado no meio do quarto de frente para a cama. Uma arrumação estranha... Um sofá virado para a cama. Sorrio comigo mesmo. Achei o sofá escondido, quando na verdade é o móvel mais comum do quarto. Ergo os olhos e olho para cima. Há mosquetões por todo o teto, Me pergunto para que servem. O estranho é que a madeira, as paredes escuras, a iluminação instável e o couro vermelho tornam o quarto quase suave e romântico... Sei que é tudo menos isso; É a versão de Chanyeol para suavidade e romantismo.

Me viro, e ele está me olhando com atenção, como sabia que estaria, a expressão impossível de ser decifrado. Entro mais um pouco no quarto, e ele me acompanha. O objeto de plumas me intriga. Toco nele timidamente. É de camurça, como um pequeno gato de nove caudas, só que mais felpudo, e tem contas de plastico bem pequenas na ponta.

- Chama-se açoite - diz Chanyeol com a voz baixa e macia.

Açoite... Hum. Acho que estou em estado de choque. Meu inconsciente desapareceu, ficou mudo ou simplesmente caiu fulminado. Estou paralisado. Posso observar e absorver, mais não consigo articular meus sentimentos, porque estou em estado de choque. Qual é a reação apropriada a descoberta de que um amante em potencial é um completo tarado sádico e masoquista? Medo... sim... Esse parece ser o sentimento predominante. Reconheço agora. Mais por incrível que pareça, não tenho medo dele. Não acho que ele vá me machucar, bem, não sem meu consentimento. Muitas perguntas confundem minha cabeça. Por que? Como? Quando? Com que frequência? Quem? Vou até a cama e passo as mãos nas colunas ricamente entalhadas. São muito resistentes, e o trabalho é impressionante.


- Diga alguma coisa - Ordena Chanyeol, a voz enganosamente macia.
- Você faz isso com as pessoas ou elas fazem isso com você?
Ele sorri, achando graça ou aliviado.
- As pessoas? - Ele pisca duas vezes ao considerar a resposta. - Faço isso com homens que querem que eu faça.
Não entendo.
- Se você tem voluntários dispostos, por que estou aqui?
- Por que eu quero muito, muito fazer isso com você.
- Ah. - Engulo em seco. Por que?

Vou até o fundo da sala, bato de leve no banco estofado da altura da minha cintura e corro os dedos pelo couro. Ele gosta de machucar homens. A ideia me deprime.


- Você é sádico?
- Sou dominador. - Seu olhar é abrasador, intenso.
- O que isso quer dizer? - Pergunto.
- Quero dizer que quero que você se entregue espontaneamente a mim, em tudo.
Franzo a testa pra ele, tentando assimilar a ideia.
- Por que eu faria isso?
- Para me satisfazer - ele murmura, inclina a cabeça para o lado e vejo a sombra de um sorriso.

Satisfazer! Ele quer que eu o satisfaça! Acho que estou boquiaberto. Satisfazer Park Chanyeol. E me dou conta, naquele momento, de que, sim, é exatamente isso que eu quero fazer. Quero que ele fique absolutamente satisfeito comigo. É uma revelação.


- Em termos muito simples, quero que você queira me agradar - diz ele baixinho. Sua voz é hipnótica.
- Como?

Minha boca está seca, eu queria ter tomado mais vinho. Tudo bem, entendo a parte do agrado, mais  estou intrigado com o cenário de tortura. Será que quero saber a resposta?


- Eu tenho regras, e quero que você as obedeça. Elas são para o seu bem e para o meu prazer. Se seguir essas regras como eu desejo, eu o recompenso. Se não seguir, Eu o castigo, e você aprende - murmura. Ele olha para o armário de bengalas ao dizer isso.
- E como tudo isso se encaixa? - faço um gesto mostrando o quarto todo.
- Isso tudo, faz parte do pacote de incentivo. Recompensa e castigo.
- Então você se excita exercendo sua vontade sobre mim.
- Tudo gira em torno de conquistar sua confiança e seu respeito, para você deixar que eu a exerça minha vontade sobre você. Quanto mais se submeter, maior minha alegria. É uma equação muito simples.
- Tudo bem, e o que eu ganho com isso?
Ele dá de ombros com a expressão de quem quase pede desculpas.
- Eu - diz simplesmente.

Ai, meu Deus. Chanyeol passa a mão no cabelo ao me olhar.


- Não tem nada a perder, Baekhyun - murmura exasperado. - Vamos voltar lá para baixo, onde consigo me concentrar melhor. Ver você neste quarto me distrai muito.
Ele me estende a mão, e agora eu hesito em pegá-la.

Luhan disse que ele era perigoso. Ele estava certíssimo. Como sabia? Ele é perigoso para a minha saúde, porque sei que vou aceitar. E uma parte de mim não quer. Uma parte de mim quer sair correndo aos gritos desse quarto e de tudo o que ele representa. Isso é de mais pra mim.


- Não vou machucar você, Baekhyun.
Sei que está dizendo a verdade. Dou a mão pra ele, e saímos do quarto.
- Se você vai querer fazer isso, preciso lhe mostrar uma coisa.

Em vez de descer, ele vira a direita ao sair do quarto de jogos, como ele chama, e segue por um corredor. Passamos por várias portas até chegarmos a última. Do outro lado, ha um quarto com uma grande cama de casal, tudo branco... tudo: Mobília, paredes, roupas de cama. É asséptico e frio, mais tem uma vista incrível de Seoul pela parede de vidro.


- Este será seu quarto. Você pode decora-la como quiser, ter o que quiser aqui dentro.
- Meu quarto? Espera que eu me mude pra cá?
Não consigo disfarçar o tom de pavor da minha voz.
- Não o tempo todo. Só, vamos dizer, Sexta a noite a domingo. Temos que conversar sobre tudo isso, combinar. Se você quiser fazer isso - acrescente, em tom baixo e tímido.
- Eu vou dormir aqui?
- Sim.
- Não com voc^.
- Não. Eu já expliquei. Não durmo com ninguém, a não ser com você quando está completamente bêbado. - A voz dele é de censura.

Minha boca contrai numa linha rígida, não consigo juntar as duas coisas. O Chanyeol bom e solidário, que me resgata da embriaguez e me segura com delicadeza enquanto vômito, e o monstro que possui chicotes e correias num quarto especial.


- Onde você dorme?
- Meu quarto é lá em baixo. Venha, você deve está com fome.
- Por mais estranho que pareça, perdi o apetite - murmuro com petulância.
- Você precisa comer, Baekhyun - Repreende ele, segurando minha mão e me levando para o andar de baixo.
Ao chegar no imenso salão, fico profundamente inquieto. Estou a beira de um precipício, e tenho que decidir se vou pular.
- Estou perfeitamente ciente de estar levando você para o meu caminho, Baekhyun, por isso quero que pense com cuidado. Você deve ter algumas perguntas - diz ele ao entrar na cozinha, soltando minha mão. 

Sim, tenho. Mais por onde começar?


- Você já assinou a declaração de confidencialidade. Agora pode me perguntar o que quiser que eu respondo. - Sente-se
- Você falou em papelada.
- Sim.
- Que tipo de papelada?
- Bem, além da declaração de confidencialidade, um contrato dizendo o que faremos e o que não faremos. Preciso conhecer seus limites, e você precisa conhecer os meus. Isso é consensual, Baekhyun.
- Ese eu não quiser fazer isso?
- Tudo bem - Diz ele cauteloso.
- Mais ai não teremos nem um tipo de relação? - pergunto.
- Não.
- Por que?
Ele dá de ombros.
- É assim que eu sou.
- Como você ficou desse jeito?
- Por que uma pessoa é do jeito que é? Essa é uma resposta difícil.
- Quai regras tenho que seguir?
- Tenho todas por escrito. Vamos examiná-las depois que você tiver comido.
Comida. como posso comer agora?
- Eu realmente não estou com fome - sussuro
- Você vai comer - diz ele simplesmente. Chanyeol dominador, isso esclarece muita coisa. - Quer mais uma taça de vinho?
- Sim por favor.
Ele serve o vinhoem minha taça e se senta ao meu lado. Dou um gole apressado.
- Pode se servir de comida, Baekhyun.
Pego um cachinho de uva. Isso eu consigo. Ele aperta os olhos.
- Faz tempo que você é assim? - pergunto.
- Sim.
- É facil encontrar homens que queiram fazer isso?
Ele ergue a sobrancelha pra mim.
- Você ficaria espantado. - Diz secamente.
- Então, por que eu? Eu realmente não entendo.
- Baekhyun, eu já lhe disse. Há alguma coisa em você. Não consigo deixá-lo. - Ele sorri com irônia - Quero você desesperadamente, sobretudo agora, que está que está mordendo o lábio de novo.
Ele repira fundo e engole em seco.
Meu estômago dá cambalhotas. Ele me quer... de um jeito esquesito, é verdade, mais esse homem lindo, estranho e pervertido me quer.
- Acho que você inverteu as coisas - resmungo.
Eu sou a mariposa e ele a chama, e vou me queimar. Eu sei.
- Coma.
- Não, Ainda não assinei nada, então acho que vou me agarrar a minha liberdade mais um pouquinho, se você não for contra.
Seu olhar fica mais doce, e seus lábios dão um leve sorriso.
- Como quiser Sr. Byun.
- Quantos homens? - Cuspo a pergunta, estou muito curioso.
- Quinze.
Oh... menos do que eu pensava.
- Por longos periodos de tempo?
- Alguns deles, sim.
- Já machucou alguém?
- Sim.
PUTA MERDA.
- Muito?
- Não.
- Vai me machucar?
- Como assim?
- Fisicamente, você vai me machucar?
- Vou castigá-lo quando for preciso, e vai ser doloroso.
Acho que estou fraco. Tomo outro gole de vinho: Isso vai me dar coragem.
- Já apanhou? - pergunto.
- Sim.
Ah... isso me surpreende. Antes que eu possa questioná-lo mais sobre essa revelação, ele interrompe meu raciocínio.
- Vamos discutir isso no meu escritório. Quero lhe mostrar uma coisa.

É difícil processar. Imaginei tolamente que teria um noite de amor na cama desse homem, e estamos negociando os termos de um pacto esquisito.

Vou com ele para o escritório, uma sala ampla com outra janela do chão ao teto que dá para a varanda. Ele se senta a mesa, faz um gesto indicando a cadeira de couro onde devo me sentar a sua frente, e me entrega um papel.

- Estas são as regras. Todas elas estão sujeitas a modificações. Elas fazem parte deste contrato, do qual você também pode ter uma cópia. Leia agora e vamos discuti-las.

 REGRAS:

 

........ 

 


 


 


 


 

 


 

,


Notas Finais


Aiin Gente... Pra quem tá curioso, o quarto de jogos é mais ou menos assim
--> http://1.bp.blogspot.com/-E9MMPxooVB8/VoMfEkVXukI/AAAAAAAAixU/AcWRkngiEx4/s1600/pl.jpg

Ha Ha Chan. sapequinha né.
Então xeru e até amanhã... E desculpa por não ser tão grande... amanhã recompenso prometo.

Até mais Filhotinhos.

Bjokas de muffin de blueberry <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...