História Cinquenta Tons de Cinza ( ChanBaek ) - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Kai, Lu Han, Sehun
Tags 50tons, Chanbaek, Hunhan
Exibições 198
Palavras 2.417
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Amores Voltei ... Espero que gostem.

Boa leitura <3

Capítulo 6 - Sessão de Fotos


Fanfic / Fanfiction Cinquenta Tons de Cinza ( ChanBaek ) - Capítulo 6 - Sessão de Fotos

Preciso ligar pro Luhan e organizar a sessão de fotos. 

... 

Luhan está radiante. 

- Mais o que ele estava fazendo na Clayton's? - Sua curiosidade escapa pelo telefone. Estou enfurnado no estoque, tentando manter minha voz num tom normal. 
- Ele estava pela área. 
- Isso é uma coincidência enorme, Baek. Você não acha que ele foi ai pra ver você? 
Meu coração palpita com essa possibilidade, mais é uma alegria que dura pouco. A triste e decepcionante realidade é que ele estava aqui a trabalho. 

- Ele estava visitando o departamento de agricultura da WSU. Está financiando uma pesquisa - murmuro. 
- Ah, sim. - Ele doou dois milhões e meio de wons ao departamento. 
Uau. 
- Como você sabe disso? 
- Baek, eu sou jornalista, e escrevi um perfil do cara. É meu trabalho saber disso. 
- Tudo bem, senhor jornalista, não arranque os cabelos. Então, você quer as fotos? 
- Claro que quero. A questão é quem vai tirar, e onde. 
- Podíamos perguntar onde ele prefere. Disse que estará hospedado na região. 
- Você pode entrar em contato com ele? 
- Tenho o número do celular dele. 
Luhan solta um grito. 
- O solteiro mais rico, mais esquivo, mais misterioso de todo o estado simplesmente deu a você o número de celular dele? 
- Hum... deu. 
- Baek! Ele gosta de você. Não tenho a menor dúvida. - Seu tom é direto. 
- Hannie, ele só estava tentando ser simpático. 

No momento faço a afirmação, porém, sei que ela não é verdadeira. Park Chanyeol não faz o tipo simpático, talvez. E uma vozinha murmura dentro de mim: TALVEZ O HANNIE TENHA RAZÃO. Meu couro cabeludo se arrepia com a ideia de que, talvez, apenas talvez, quem sabe, ele goste de mim. Afinal, ele disse que tinha achado bom o fato de Luhan não ter feito a entrevista. Me abraço numa alegria silenciosa, balançando de um lado para o outro, considerando a possibilidade de ele talvez gostar de mim. Luhan me traz de volta ao presente. 

- Não sei quem vamos chamar pra fazer as fotos. Levi, nosso fotógrafo de sempre, não pode. Está passando o fim de semana fora. E vai ficar furioso por ter perdido a oportunidade de fotografar um dos principais empresários da Korea. 
- Hum... Que tal o Min? 
- Grande ideia! Peça a ele, ele faz qualquer coisa por você. Depois ligue para Park e descubra onde ele prefere nos encontrar. 

É irritante com Luhan faz pouco do Minseok. 
- Acho que você devia ligar pra ele. 
- Pra quem? pro Minseok? - Zomba Luhan. 
- Não, pro Park. 
- Baek, é você que tem relação com ele. 
- Relação? - dou um chiado, subindo o tom de voz. - Eu mal conheço o cara. 
- Pelo menos já esteve com ele - diz ele com amargura. - E parece que ele quer te conhecer melhor. Ligue pra ele, Baek - diz, decidido, e desliga. 
Ele é muito autoritário as vezes. Olho de cara feia e mostro a língua para o celular. 
Estou deixando um recado pra o Min quando o Tae entra no estoque procurando por lixas. 

- Estamos meio ocupados aqui, Baek - Diz ele friamente. 
- Eu sei, desculpe - murmuro, dando meia volta para sair. 
- Então, de onde você conhece Park Chanyeol? 
A voz despreocupado do Minseok não convence. 
- Tive que entrevistá-lo para o jornal da faculdade. Luhan estava passando mal. 
Dou de ombros, tentando soar descontraído, e acabo me saindo melhor que ele. 
- Park Chanyeol na Clayton's. imagine só. - Tae bufa, achando graça. Balança a cabeça, como se quisesse clarear as ideias. - Enfim, quer sair pra beber ou fazer alguma coisa hoje a noite? 

Sempre que está por aqui, Taehyung me convida pra sair, e eu sempre digo não. É um ritual. Nunca considerei uma boa ideia sair com o irmão do patrão e, além do mais, Tae é uma graça com seu jeito de garoto comum, mais não é nem um príncipe encantado, por mais que a gente tente imaginar. PARK É?, pergunta o meu inconsciente, levanto as sobrancelhas e falo ele calar a boca. 

- Você não tem um jantar de família ou algo assim com seu irmão? 
- É amanhã. 
- Talvez outra hora, Tae. Preciso estudar hoje a noite. As provas finais são na semana que vem. 
- Baek, um dia desses você vai aceitar. - Ele sorri enquanto corro para a loja. 


- Mais eu fotografo paisagens, Baek, não pessoas - reclama Minseok. 
- Mim, por favor? - imploro. Ando de um lado para o outro na sala do nosso apartamento, agarrado ao celular, observando pela janela a luz do dia que vai morrendo. 
- Dá aqui esse telefone. 
Luhan toma a aparelho de mim, jogando o sedoso loiro avermelhado pra trás. 
- Escute aqui, kim Minseok, se quiser que o nosso jornal faça a cobertura da inalguração da sua exposição, você vai ter que tirar essas fotos pra gente amanhã, CAPICHE? - Luhan pode ser assombrosamente severo. - Ótimo. Baek vai ligar dizendo o local e a hora da sessão. Vemos você amanhã. 
Ele desliga o meu celular. 
- Pronto. Tudo que precisamos fazer agora é decidir o horário e o local. Ligue pra ele. - Ele me estende o telefone. Meu estômago revira. - Ligue pro Park, agora! 
Olho de cara feia pra ele e pego o cartão dele do bolso. Respiro fundo, me acalmando e, com os dedos trêmulos, teclo o número. 
Ele atende no segundo toque. Seu tom é seco, calmo e frio. 

- Park. 
- Hum... Sr, Park? É Byun Baekhyun. 
Não reconheço minha própria voz. Estou muito nervoso. Há uma breve pausa. Estou tremendo por dentro. 
- Sr. Byun. Que bom falar com você. 
O tom de voz dele mudou. Está surpreso, eu acho, e parece muito... caloroso, sedutor até. Minha respiração fica entalada, e coro violentamente. De repente, tomo consciência de que Xiao Luhan está me olhando com a boca em formato de 0, e corro para a cozinha para evitar sua indesejada avaliação. 
- Hum... Nós gostaríamos de combinar a sessão de fotos para o artigo. - RESPIRE, Baek, RESPIRE. Encho um pouco os pulmões. - Amanhã, se possível. Onde seria conveniente para o senhor? 
Quase consigo ouvir seu sorriso enigmático pelo telefone. 
- Estou no Heathman,. Pode ser amanhã ás nove e meia da manhã? 
- Tudo bem, nos vemos lá. - Meu tom é completamente ofegante. Pareço uma criança, não um homem, que pode votar e beber legalmente no estado de Busan. 

- Estou ansioso para isso. Sr. Byun. 
Visualizo o brilho malicioso em seus olhos, Como le pode fazer uma promessa tão tentadora com apenas seis palavrinhas? Desligo. Hannie está na cozinha e me encara com aquele olhar de total e absoluta certeza. 
- Byun Baekhyun. Você gosta dele! Nunca vi nem ouvi você tão... tão encantado com alguém antes. Está vermelho 
- Ah, Hannie, você sabe que eu vivo corando. É um risco ocupacional comigo. Não seja ridículo - digo secamente. 
Ele pisca pra mim, surpreso. É muito raro eu dá um chilique, e por um momento acabo cedendo. 
- Só acho esse homem... intimidador, só isso. 
- Heartmen, é claro - murmura Luhan. - Vou ligar para o gerente e negociar um espaço para a sessão de fotos. 
- Vou fazer o jantar. Depois, preciso estudar. 
Não consigo disfarçar minha irritação quando abro um dos armários pra preparar a refeição. 

Tenho uma noite agitada, me revirando na cama, sonhando com olhos penetrantes, macacões, pernas compridas, dedos longos e lugares sinistros e inexplorados. Acordo duas vezes, o coração acelerado. Ah, vou estar com uma cara ótima amanhã se dormir tão pouco, repreendo a mim mesmo. Soco o travesseiro e tento sossegar. 

O Heathman fica na parte central de Busan. O impressionante prédio de pedra marrom foi concluído bem a tempo para a quebra da bolsa de valores no fim dos anos 1920. Minseok, Jongdae e eu vamos no meu fusca, e Luhan está na Mercedes dele, já que não cabemos todos no meu carro. Jongdae é amigo do Min e também seu assistente, na verdade, ele veio para ajudar com a iluminação. Luhan conseguiu que o Heathman cedesse um quarto na parte da manhã em troca de mencionar o hotel nos créditos do artigo. Quando ele informa na recepção que estamos aqui pra fotografar Park Chanyeol, CEO, imediatamente nos dão um upgrade para uma suite melhor. Uma suíte padrão, no entanro, pois aparentemente o Sr. Park já está ocupando a maior do prédio. Um executivo de marketing exageradamente atencioso nos leva até o local. - Ele é incrivelmente jovem e, por alguma razão, está muito nervoso. Desconfio que a beleza e o jeito autoritário de Luhan o desarmem, porque ele faz o que quer com ele. Os quartos são elegantes, sóbrios e equipados com móveis de luxo. 

São nove horas. Temos meia hora para nos preparar. Luhan está todo animado. 
- Minseok, - diz Luhan - acho que vamos fotografar na frente daquela parede, concorda? - Ele não espera pela resposta. - Jongdae, tire as cadeiras. Baek, você poderia pedir a camareira para trazer uns refrigerantes? E avise a Park onde estamos. 
Sim, mestre. Ele é muito autoritário. Reviro os olhos, mais faço o que ele manda. 

Meia hora depois, Park Chanyeol aparece em nossa suíte. 
CACETE! Ele está usando uma camisa branca aberta no colarinho e calça meio apertada cinza de cintura baixa. Seu cabelo bagunçado ainda molhado do banho. Fico com a boca seca só de olhar pra ele... ele é absurdamente gostoso. Park entra na suíte acompanhado de um homem aparentemente da mesma idade, com os cabelos negros escorridos sobre sua testa e muito arrumado, com terno escuro e gravata, que fica quieto parado no canto. Seus olhos são cor de avelã nos observam impassíveis. 

- Sr. Byun, tornamos a nos encontrar. 
Park estende amão, e eu a aperto, piscando sem parar. Nossa... ele é realmente... Quando encosto na mão dele, tomo consciência daquela corrente deliciosa percorrendo meu corpo, me preenchendo e me fazendo corar, estou certo de que minha respiração irregular deve está audível. 
- Sr. Park, esse é Xiao Luhan - murmuro, fazendo um gesto com a mão na direção do Lu, que se adianta, olhando bem nos olhos dele. 
- O insistente Sr. Xiao. Como vai? - Ele abre um sorrisinho, parecendo genuinamente divertido. - Creio que deve está se sentindo melhor. Baekhyun disse que esteve indisposto na semana passada. 
- Estou bem, obrigado, Sr. Park. 
Luhan aperta a mão dele firmemente sem pestanejar. Me lembro que ele estudou nas melhores escolas particulares de Busan. Sua família tem dinheiro, e ele cresceu confiante e seguro de seu lugar no mundo. Não aceita desaforo. Sempre fico impressionado. 
- Obrigado por arranjar tempo para fazer estas fotos. 
Ele lhe dá um sorriso educado e profissional. 
- É um prazer - responde ele, voltando a olhar pra mim, e eu torno a corar. Droga. 
- Este é Kim Minseok, nosso fotógrafo - digo, forçando um sorriso pro Min, que retribui afetuosamente. Seus olhos esfriam quando ele olha de mim para Park. 
- Sr. Park - diz, acenando com a cabeça. 
- Sr. Kim. 
A expressão de Park também muda ao avaliar o Min. 
- Onde o senhor quer que eu fique? - pergunta Park. 

Seu tom é vagamente ameaçador, mais Luhan não vai deixar Minseok comandar o show. 
- Sr. Park, se puder se sentar aqui, por favor. Cuidado com os cabos de iluminação. E depois faremos algumas fotos em pé também. - Ela o guia para a cadeira encostada na parede. 
Jongdae acende as luzes, cegando Park momentaneamente, e murmura um pedido de desculpas. Jongdae e eu recuamos e observamos Minseok iniciar os cliques. Ele faz várias fotos com a câmera na mão, pedindo a Park para virar de um lado, depois para outro, para mexer o braço, depois tornar a abaixá-lo. Depois, com o tripé, Minseok faz ainda mais fotos, e Park posa sentado, com paciência e naturalidade, por uns vinte minutos. Meu desejo se realizou: posso ficar parado admirando Park de perto. Por dua vezes, nossos olhos se encontram, e tenho que me desgrudar de seu olhar penetrante. 
- Chega de posar sentado. - Luhan se intromete de novo. - Pode se levantar, Sr. Park? - ele pede. 
Ele se levanta e Jongdae corre para retirar a cadeira. A Nikon de Minseok recomeça a clicar. 
- Acho que já temos o suficiente - anuncia Minseok cinco minutos depois. 
- ótimo - diz Luhan. - Obrigado mais uma vez, Sr. Park. - Ele aperta a mão dele, e Minseok faz o mesmo. 
- Estou ansioso para ler o artigo, Sr. Xiao - murmura Park, e se vira pra mim, que estou parado na porta. - Você me acompanha, Sr. Byun? - Pergunta. 
- Claro - digo, completamente desconcertado 
Olho aflito pro Luhan, que encolhe os ombros. Vejo o Min franzindo a testa atrás dele. 
- Um bom dia para vocês - diz Park ao abrir a porta, chegando para o lado, para me deixar passar primeiro. 
Que inferno... o que é isso? O que ele quer? Paro no corredor do hotel, inquieto e nervoso enquanto Park volta seu ardente olhar pra mim. DROGA... Será que fiz alguma coisa errada? 

- Estava me perguntando se você tomaria um café comigo agora de manhã. 
Meu coração quase sai pela boca. Um encontro? Park Chanyeol está me convidando pra sair. Ele está perguntando se você quer um café. Vai ver ele acha que você ainda não acordou, choraminga o meu inconsciente, novamente com desdém. Engulo em seco, tentando controlar o nervosismo. 
- Tenho que levar todo mundo pra casa - murmuro num tom de desculpas, torcendo a mão e os dedos na frente do corpo. 
- Jongin - Chama ele, fazendo com que eu dê um pulo. 
Jongin, que estava se retirando, dá meia volta no corredor e caminha em nossa direção. 
- Eles moram na universidade? - pergunta Park, a voz suave e inquisitiva. 
Concordo com a cabeça, desnorteado demais pra falar. 
- Jongin pode levá-los. Ele é meu motorista. Estamos com um 4x4 grande, então vai dar pra levar o equipamento também. 

- Sr. Park? - pergunta Jongin quando nos alcança, a expressão neutra. 
- Por favor, pode levar o fotógrafo, o assistente dele e o Sr. Xiao em casa? 
- Claro, senhor - Responde Jongin. 
- Pronto. Agora você pode vir tomar um café comigo? - 


Notas Finais


Eae... Estão gostando??? Pq eu to pirando aqui haha.
Enfim mais uma vez muito muito obg pelos favoritos, to amando tudo isso 😁 (a louca)

... Até o próximo ep.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...