História Cinquenta Tons de Incesto - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias 50 Tons de Cinza, Dakota Johnson, Ian Somerhalder
Personagens Anastasia Steele, Christian Grey, Dakota Johnson, Ian Somerhalder, Jason Taylor, Personagens Originais
Tags Anastásia, Christian Grey, Cinquenta Tons De Cinza, Drama, Ian Somerhalder, Incesto, Jamie Dornan, Romance, Sexo
Exibições 906
Palavras 4.528
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Hentai, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Meu deus capítulo passado foi recorde de comentários, vocês são demais, muito obrigada.

Ah se lembra que eu fui fazer vestibular? Pois é, EU PASSEI PARA DIREITO, E ESTOU MUITO FELIZ

Esse capítulo é um dos mais esperados, aqui tudo será revelado.

Boa leitura.

Capítulo 21 - Reação


 

— Christian... eu...– Ana gagueja e encara Christian nos olhos – Eu estou grávida – Ana diz e abaixa o olhar.

Ana não escuta nada, absolutamente nada. Ela ergue o olhar e vê o rosto de Christian ficar vermelho e ele a encara com um olhar fulminante a fazendo se encolher no sofá.

— COMO É QUE É? – Christian pergunta gritando.

— Por favor, não grite – Ana diz quase chorando.

— PORRA – Christian diz e passa a mão pelos cabelos em um ato de nervosismo – Eu vou ter que fazer teste de DNA com o seu filho também? – Christian pergunta raivoso.

— O QUE? Christian, você está considerando que o filho não seja seu? – Ana pergunta e Christian fica calado a encarando – PELO AMOR DE DEUS, NÃO ACRETIDO NISSO, CHRISTIAN, COMO VOCÊ PODE PENSAR ISSO DE MIM? – Ana diz e começa a chorar descontroladamente – Você foi o único com que me deitei – Ana diz baixinho, mas Christian escuta.

Ele fica calado enquanto Ana chora. Ele estar desconfiando de Leila é uma coisa, mas desconfiar de Ana é uma coisa completamente diferente, Ana jamais se entregou a outro homem.

— Pode ficar tranquilo, Christian, ninguém precisa saber que o filho é seu, não preciso ficar no mesmo teto que você e posso cuidar do bebê sozinha, não precisa assumir ou dar dinheiro – Ana diz limpando as lágrimas e com a voz trêmula diz tudo isso – Eu conversei essa semana com a doutora e ela me disse que a gravidez é de risco – Ana diz e Christian a observa e escuta tudo.

— Quando soube que estava grávida? – Ele pergunta com a voz fria.

— Começo da semana passada, eu estava com aquelas cólicas e assim que você foi embora piorou e quando Kate e José chegaram nós ficamos conversando e eu desmaiei aqui na sala e fui levada para o hospital, a causa do desmaio foi por duas coisa, primeira estava sem comer o dia inteiro... – Ana começa a explicar e Christian interrompe.

— Ana... – ele começa com a repreensão – Por que você não se alimentou direito? – Christian pergunta com uma pontada de preocupação na voz.

— Deixe eu terminar de contar, quero que você saiba de tudo, não quero mais ficar escondendo... bom e o segundo motivo foi porque eu estava grávida e não sabia, eles me aplicaram soro e fizeram testes de saúde em mim, nada deu positivo, só a gravidez, conversei com Dra Greene e ela me disse que eu realmente tinha uma gravidez de risco, e próxima semana ela vai fazer um exame para saber o porquê – Ana diz.

— E você estava escondendo isso de mim? Esse tempo todo? Porquê? – Christian pergunta passando a mão no cabelo.

— Ora mais, eu tinha medo da sua reação, Christian, eu vi como você tratou Leila quando ela falou a mesma coisa para você, tive medo que você me tratasse da mesma maneira, mas vejo que comigo foi pior... – Ana diz abaixando a cabeça e olhando para o chão – Eu disse que não precisa se preocupar, eu cuido da criança sozinha, José e Kate vão ficar do meu lado – Ana diz e dá um sorriso triste.

— Ana... – Christian diz com um tom mais frio, ele não demonstra sentimentos. Nada. – Eu vou embora – Ele diz caminhando até o elevador.

— Christian? – Ana levanta e se vira para ele e instintivamente coloca mão na barriga. Ele se vira e encara o gesto de Ana e se vira de costas e entra no elevador.

— CHRISTIAN – Ana grita mas ele entra no elevador e as portas se fecham.

Ana não acredita que ele saiu e foi embora sem ao menos demonstrar nenhum interesse em seu filho. Ela está desolada e lágrimas descem livremente pelo rosto da mais nova e Ana começa a soluçar sem parar. Ana se levanta trêmula e sobe as escadas devagar até chegar em seu quarto, onde se joga na cama e fica lá deitada chorando e pensando que seria melhor nem ter contado, mas ela fez a coisa certa, contou à ele e agora tirou o peso das costas, mas o peso em seu coração está mais forte e Ana não esquece da cena de Christian virando as costas para ela.

— IDIOTA, IMBECIL, BABACA – Ana grita enquanto soca o travesseiro.

Ana escuta passos correndo e no instante seguinte Kate e José aparecem em seu quarto.

— Ana? O que aconteceu? – José pergunta.

—Eu contei a Christian que estava grávida – Ana diz entre soluços.

— Pelo visto foi horrível – Kate diz e se aproxima da amiga e se deita ao lado dela e José se deita do outro lado de Ana, fazendo ela ficar no meio da cama.

— Ele... ele disse “tenho que fazer DNA no seu filho também?" meu Deus, eu fiquei com tanta raiva e tão triste, eu não acredito que ele falou isso – Ana diz e chora mais e se aconchega em José e Kate passa a mão nos cabelos de Ana.

— Nem nós estamos acreditando – José diz com muita raiva – Ana, você tem que se afastar, ele não é homem para você – José diz.

— Concordo – Kate diz.

— Falem isso para o meu coração, minha mente diz a mesma coisa que vocês, mas meu coração é burro, ele só quer me fazer sofrer – Ana diz chorando.

— Tudo bem, vamos dar tempo ao tempo, quando esse lindo bebezinho nascer, eu posso assumir ele como meu filho – José diz e Ana e Kate abrem a boca surpresa.

— O que? – Ana pergunta engolindo o choro.

— Isso mesmo que você ouviu, Ana, eu te amo demais como minha amiga, te vejo como uma irmã, não vou deixar que passe por isso sozinha, nem eu e nem Kate aguentamos ver você chorar por ele – José diz.

Ana abra José com força e se vira para abraçar Kate.

— Vocês são sem dúvida, os melhores amigos do mundo, eu amo vocês, não sei o que seria de mim sem vocês dois – Ana diz e sorri, o primeiro sorriso verdadeiro depois da briga.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Christian estava desolado, não sabia o que fazer em relação a Ana, ele sentia culpa, muita culpa por ter deixado ela sozinha, mas o baque de saber que vai ser pai de verdade e a mãe de seu filho vai ser Ana, já deixa ele com medo, isso, como medo. Christian nunca quis ter filhos, ainda mais agora que é totalmente fora dos planos dele. Um filho. Essas palavras não fazem parte da vida de Christian Grey. Não mesmo. Doeu seu coração ao ver Ana chorar. Doeu ainda mais dizer que queria um DNA fetal dela também, só a idéia de Ana ter deitado com outra pessoa sem ser ele o deixa louco de raiva.

Ele está agora no Escala, bebendo whisky para poder se pelo menos consegue esquecer tudo de merda que aconteceu esse dia. Christian sobe as escadas e dá de cara com Leila.

— Oh Christian – Ela diz sorrindo e a barriga já a mostra – Que bom que chegou, estava preocupada com você – Leila toca no braço de Christian e ele se afasta e vai para o seu quarto sem dizer uma palavra se quer. Ele bate a porta com força e se joga na cama e joga o copo longe e escuta ele quebrar na parede.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leila se sente com tanta raiva, amanhã irá fazer o teste de DNA fetal e pede a Deus que o bebê seja de Christian. Elena disse a ela que tudo vai dar certo e no que precisar ela vai ajudar, mesmo que seja para tirar a irmãzinha de Christian do caminho.

Christian ainda pediu que Ana fosse ao teste, mas que droga.

Leila pega o celular e liga para Elena.

— Olá, Leila – Leila escuta a voz calma e confiante de Elena.

— Oi, Elena – Ela diz.

— Porque me ligou? Está tudo bem? – Elena pergunta.

— Sim, o problema é... amanhã irei fazer o teste e estou muito nervosa – Leila diz com a voz trêmula.

— Minha garota, vai ficar tudo bem, com qual homem foi o último a se deitar com você? – Elena pergunta.

— Christian – Leila responde.

— Qual homem que mais se deitou com você? – Elena pergunta novamente.

— Christian – Leila diz.

— Está vendo, as probabilidades são grandes, Leila, vai dar tudo certo, pena que o médico que Christian contratou é amigo demais de Grace, se não eu iria mexer meus pauzinhos e fazer com que o teste desse positivo de qualquer forma – Elena diz e suspira.

— Tudo bem, Elena, estou mais calma, muito obrigada – Leila diz e as duas se despedem e desligam o celular.

Leila sobe para o seu quarto e entra e logo adormece.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Christian acorda com uma pequena dor de cabeça, e tudo que aconteceu ontem vem a sua cabeça. Ana abrindo o jogo e dizendo que está grávida dele.

Ah Deus.

Hoje ele irá levar Leila para fazer o teste e Ana vem junto, bom, ele não sabe se realmente ela vem.

Assim que ele se levanta, Christian pega o celular e vê uma mensagem de Ana.

“Christian,
Sinto muito, mas não poderei ir ao teste junto com você pelo ocorrido de ontem a noite, não quero ser a próxima a fazer esse teste como você mesmo falou ontem a noite para mim. Espero que dê tudo certo com você e Leila.

Anastasia"

Depois de ter lido a mensagem Christian sente raiva, Ana com raiva é a pior coisa que tem mas não e pior que ele. Christian consegue ser pior do que qualquer pessoa com raiva.

Ele nem responde a mensagem e logo toma um banho e se arruma. Ele sai do quarto e desce as escadas e vê Leila já tomando o café da manhã com voracidade.

Ela está nervosa e Christian nota isso na hora.

Ele se senta ao lado dela e toma seu café em silencio.

Logo depois os dois já estão dentro do Audi e estão indo fazer o teste.

Taylor estaciona na clínica e Christian desce e Taylor ajuda Leila a descer.

— Ana não vai vir? – Leila pergunta.

— Não – Christian responde seco e entra na clínica com Leila em seu encalço.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Depois que Leila sai da sala onde foi levada para começar o teste, o médico, amigo de Grace e que prometeu manter em sigilo o teste, vem na direção de Christian.

— Então, quando vai estar pronto o exame? – Christian pergunta, ele pagou um bom dinheiro para o exame sair o mais rápido possível.

— Bom, a demora ia até no máximo cinco dias, mas como o senhor nos “ajudou” o teste sai amanhã mesmo – Ele diz e Christian assente.

— Obrigado, doutor, vamos Leila – Christian diz e caminha em direção a saída e Leila em seu encalço.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Ana passou o dia inteiro em casa, não saiu para nada, apenas passou o dia comendo e ficando deitada e pensando em qual resultado deve ter dado no teste de Leila, a curiosidade está matando Ana. Mas ela não vai mandar uma mensagem, Ana não tem nem coragem de mandar uma mensagem para Christian, ela devia ser mais forte, mas o estoque acabou no dia em que Christian considerou fazer o teste nela.

Ana ainda sente raiva, mas ainda o ama, isso é horrível, sabia que nunca ia dar certo entre eles, carregar o sobrenome Grey, não é mais tão legal assim. Ana estava pensando em mudar seu sobrenome para “Steele“ o sobrenome de sua verdadeira familia, assim deixaria de ser irmã de Christian.

Essa idéia é um pouco louca, mas Ana não tem para onde correr.

Ela se deita na cama e pega no sono, mais uma vez.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

O dia seguinte chega e as dez horas da manhã, Christian já está indo junto com Leila, novamente para a clinica pegar o resultado. Leila não consegue disfarçar as mão trêmulas e Christian percebe.

Chegando na clínica, assim que Christian entra o médico já está a sua espera com o papel nas mãos.

Christian caminha até lá e encara o médico.

— Então, já tem o resultado? – Christian pergunta inflexível.

— Sim, Sr Grey – o médico diz – Queiram vir na minha sala, por favor – Ele diz e começa a caminhar pelo o corredor até chegar na sala do médico.

O doutor fecha a porta e Christian senta na cadeira e o médico também, Leila senta no sofá atrás de Christian.

— Bom, vamos ver aqui – O médico abre o papel e Christian fica tenso.

O médico lê o papel é dá um sorriso.

Puta merda.

— Aqui diz, Sr Grey – O doutor começa – Aqui diz que o filho... não é do senhor – O médico diz e Christian dá um suspiro de alívio imperceptível e a raiva toma seu corpo.

Ele se vira aos poucos e encara Leila com um olhar assassino e a mulher se encolhe no sofá.

— Vou deixar vocês conversando e vou deixar o exame aqui, fiquem a vontade – O médico diz e sai da sala, deixando Christian e Leila a sós.

— Christian... eu posso explicar – Leila diz se levantando.

— Não tem nada pra explicar – Christian diz com raiva – Você me fez te receber no meu apartamento sendo que o filho é de outro – Christian diz apontando para Leila.

— Eu sei que você ficou desapontado, mas... – Leila é interrompida pela risada de Christian.

— Desapontado? Eu fiquei aliviado por saber que esse filho não é meu, Leila eu nunca quis ser pai – Christian diz e passa a mão pelo cabelo – Quero que você junte as suas coisas e saía o mais rápido possível do Escala e não quero ver mais você na minha frente, quando eu chegar do trabalho espero não lhe ver lá – Christian diz e sai da sala deixando Leila sozinha na sala. 

Christian pede para um táxi vir buscar Leila e sai da clínica e entra dentro do Audi e vai direto para a empresa.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Ana acordou com uma pequena dor de cabeça e um mal estar que estava a perturbando desde da noite passada.

Ela realmente não estava bem, por mais que esteja se cuidando, ela sentia um grande vazio e um dor insuportável no peito, ela sabia muito bem o porque, foi por causa de Christian, ele a deixou e nem sequer ligou ou mandou uma mensagem para saber se estava tudo bem com o bebê deles.

Não, ele não é assim, Ana conhece Christian, ele não é ligado aos sentimentos das pessoas. Ana lembra quando ele contou para ela sobre a prostituta drogada que era a mãe dele. Ana ficou pensando naquilo, ele tem medo de ter filhos e tratar os filhos igual como a mãe dele o tratava. Mas Christian cresceu em um cenário diferente, teve o amor de Grace e o carinho de Carrick. Mas mesmo assim ele ainda carrega os traumas e os sentimentos de quando era apenas uma criança. Ana sente seu coração se afundar em mágoa, ela iria ajudar ele com o filho, claro, nunca deixaria ele sozinho, mas ele não deu tempo de ela explicar tudo. Ele apenas virou as costas e deixou ela sozinha gritando o nome dele.

Ana se levanta a caminha até o banheiro e faz sua higiene matinal e tomou um banho quente para ver se a sensação de mal estar passava. Assim que sai do banheiro só de toalha, ela vai até o closet que uma blusa e uma calça e uma langerie. Pega uma sapato vinho, vai até o banheiro ajeita o cabelo e passa a maquiagem e coloca alguns acessórios e pega a bolsa e sai do quarto.

Ana vai passar na casa de Grace, ela mandou uma mensagem mais cedo dizendo que precisava de um favor, já que estava ocupada no trabalho.

Ela desce as escadas e vê Kate deitando no sofá junto com Elliot.

— Olha só quem resolveu sair do casulo – Kate diz e Ana lança um olhar de “Se você não ficar calada eu dou uma sapatada na sua cara“ e Kate para de falar.

— Oi, maninha – Elliot levanta e abraça Ana com força.

— Oi, Lelliot – Ana diz e ele dá um sorriso.

— Vai sair? – Ele pergunta.

— Vou, mamãe pediu minha ajuda e eu vou ver o que é – Ana diz colocando o celular dentro da bolsa e pegando o seu casaco de couro preto, já que pode estar fazendo frio.

— Claro, vai lá – Elliot diz e dá um beijo na testa de Ana e a mais nova vai saindo do apartamento quando José desce as escadas em alta velocidade e encara Ana.

— Vai sair? – Ele pergunta.

— Vou, quer vir comigo ? – Ana pergunta e José assente.

Ana e José descem pelo elevador e caminham pelo hall do prédio até a rua.

— Sabe, eu vou alugar um carro até eu puder comprar um carro – Ana diz enquanto pede para o táxi parar.

— Eu concordo, eu posso ajudar a escolher – José diz e Ana se lembra de quando ela foi falar com Christian na empresa dele e ele disse que queria ir com ela ajudar a comprar um carro, mas parece que não vai acontecer tão cedo.

— Claro, preciso de sua opinião – Ana diz sorrindo entrando dentro do táxi junto com José.

Ela indica para onde quer ir e o taxista dá a partida.

— Podemos fazer isso quando você terminar de ajudar a sua mãe, quando mais rápido melhor e independente você fica – José diz e Ana assente.

— Pode ser – Ana diz e olha pela janela.

— O que foi? – José diz e Ana o encara.

— Nada, é que desde de ontem a noite eu estou com mal estar – Ana diz fazendo careta.

José assente a abraça Ana pelo ombro.

— Tem mais alguma coisa? – José pergunta e Ana suspira. Ela não consegue esconder nada de José.

— Bom, teve um dia que eu fui falar com Christian na empresa dele, então ele disse que ele queria me ajudar a escolher o carro, nós juntos – Ana diz e apoia a cabeça no ombro de José.

— Hum, mas ele não merece mais isso, do que jeito que ele de tratou ele não merece nem mais um olhar seu – José diz com raiva.

— Tem razão, ainda fico pensando no que ele disse para mim – Ana diz e José a aperta mais em seu braço.

— Vai dar tudo certo, lembra do que eu disse – José diz e Ana sorri.

— Você será um ótimo pai – Ana disse e José ri.

— Se você diz – José fala e os dois ficam ali abraçados até chegar na mansão de Grace.

José pede para o taxista esperar por eles e logo os dois entram na casa e juntos sobem as escadas da frente e Ana aperta a campainha e empregada abre a porta e sorri quando vê Ana ali.

— Bom dia, Srta Grey e Sr Rodriguez – Ela diz e os dois a cumprimentam.

Assim que os dois entram, Grace aparece.

— Filha, que bom que veio, eu preciso da sua ajudar para entregar isso aqui – Grace diz e entrega uma caixa para Ana que segura.

— Hum, o que tem dentro? – Ana pergunta curiosa.

— Bom, Christian pediu para que eu entregasse essas roupas para ele, já que ele esqueceu aqui, você poderia entregar a ele lá na empresa, eu tenho que sair daqui a pouco para o plantão e não tenho tempo de passar lá e Carrick já saiu com o motorista e só sobrou o outro para me levar – Grace diz e Ana assente.

— Tudo bem, mãe, pode ir tranquila eu entrego para ele – Ana diz e Grace sorri e abraça a filha.

— Oh, querida, muito obrigada – Grace diz soltando a filha e falando com José e logo depois saindo para ir trabalhar.

José e Ana se encaram.

— Vamos entregar logo isso – Ana diz e caminha até a saída da casa com José a seguindo.

— Eu posso entregar no seu lugar – José diz e Ana nega.

— Não, se não você é capaz de brigar com ele – Ana diz e José assente.

— É verdade – José diz e Ana entra no táxi e José entra em seguida e Ana dá o endereço para onde o taxista tem que ir.

Assim que eles chegam em frente ao prédio, José a Ana brigam para pagar o táxi, mas quem ganha é José. Ana sai emburrada até entrar no prédio e José a segue ao seu lado.

Eles sobem pelo elevador até o ultimo andar e a mulher atende os dois. Ana percebe que não é mais a Andrea. Hum.

— Gostaria de falar com Christian Grey – Ana diz e a mulher nem a encara.

— Qual é seu nome? – Ele pergunta ainda digitando.

— Anastásia Grey – Ana diz e a mulher ergue o olhar na hora.

— Oh, Srta Grey, pode entrar – Ela diz e Ana caminha até a porta e José a segura pelo braço.

— O que foi? – Ela pergunta.

— Vou ficar aqui perto da porta, qualquer coisa eu entro, ok? – Ele diz e Ana sorri e assente.

— Tudo bem – Ana diz e fica na frente da porta e bate.

— Pode entrar – Ela escuta a voz raivosa de Christian do outro lado e se encolhe e José assente.

Ana respira e entra. Quando entra ela vê Christian sentando e nem ergue o olhar para ela.

— O que quer? – Christian rosna a pergunta e Ana treme.

— Vim entregar isso que a nossa mãe pediu – Ana diz e vê Christian erguer o olhar rapidamente e a encarar intensamente.

Ana caminha meio relutante e deixa a caixa em cima da mesa de Christian. Ele se levanta da mesa dele e se aproxima.

Ela só observa e lembra do que ele disse para ela e logo sua expressão muda.

— Bom, já que eu fiz o tinha para fazer, eu vou indo, creio que você não queira ver meu rosto nem pintado de ouro na sua frente – Ana diz e caminha até a porta mas Christian segura ela pelo braço.

— Ana... – Ele diz – Como você está? E o bebê? – Christian pergunta e Ana ri ironicamente.

— Bom tirando o fato de que toda vez que eu olho para você me vem tudo o que você me disse na noite em que te contei que estava grávida e isso me faz ficar muito irritada, eu estou bem, não se preocupe, não precisa assumir seu filho, José vai fazer isso e nós dois cuidaremos do bebê, e o meu filho está bem – Ana responde e sente os olhos se enchendo de lágrimas e ela xinga baixinho e respira fundo consegue recuperar o controle dos sentimentos.

— Como é que é? – Christian diz alto e José entra com tudo no escritório de Christian, que o encara surpreso.

— Ana vamos logo, temos muita coisa pra fazer, juntos – José diz com a voz forte encarando Christian com raiva.

— Ele não pode assumir o seu filho, ele também é meu filho – Christian diz com a voz carregada de raiva.

— Ah, agora você quer bancar o papai? Você devia ter pensando nisso quando falou tudo aquilo para Ana, mas claro que você só pensou em si mesmo – José diz cuspindo as palavras. Ana vê Christian se aproximando de forma predatória até José e ela fica no meio para evitar uma futura briga.

— Não – Ela diz alto e Christian para de andar e a encara com os olhos perdidos e Ana sente o coração se apertar – Vamos, José – Ana diz e pega na mão do amigo.

– Adeus, Christian – Ana diz e puxa José para fora do escritório antes que eles se peguem no murro ali mesmo.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leila tinha retirado todas as suas coisas do Escala e já estava em seu apartamento. Ela estava sem chão e sem saber o que fazer da vida. O pai de seu bebê foi um homem de uma noite só, que aconteceu quando ela estava bêbada na boate e então rolou ali mesmo. E agora ela estava grávida.

Leila corre e pega o celular e liga para Elena, que atende no segundo toque.

— Olá, minha menina – Ela diz com a voz calma.

— Elena, deu tudo errado, o bebê não é do Christian – Leila diz e Elena solta o ar com força.

— Bom, teremos que partir para o plano B, minha garota – Elena diz com a voz séria.
 


Notas Finais


Pronto as perguntas principais foram reveladas, Christian agiu bem ruim viu, mas ele ainda se preocupa com Ana, ele está bem confuso com tudo, está tudo fora do controle e ele gosta do controle.

Gostaram? Continuo? Sim? Não? As coisas estão começando a acontecer pq afinal nem tudo são flores.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...