História Cinquenta Tons de Incesto - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias 50 Tons de Cinza, Dakota Johnson, Ian Somerhalder
Personagens Anastasia Steele, Christian Grey, Dakota Johnson, Ian Somerhalder, Jason Taylor, Personagens Originais
Tags Anastásia, Christian Grey, Cinquenta Tons De Cinza, Drama, Ian Somerhalder, Incesto, Jamie Dornan, Romance, Sexo
Exibições 545
Palavras 3.730
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Hentai, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Mais um capítulo FREIXXXQUINHO

Capítulo 33 - Altos e baixos


Christian estava acabado, parecia que um caminhão tinha passado por cima dele. A cirurgia de Anastasia foi boa, segundo o que o médico disse, mas Christian só vai se sentir melhor quando ela estiver no outro hospital.

O hospital onde Grace trabalha. Mas isso já está sendo resolvido.

Christian mandou um helicóptero vir pegar Ana e levá-la aos cuidados médicos de outro hospital.

Ele ainda não teve oportunidade de ver ela e isso o deixa frustrado, ele quer muito ficar ao lado dela. Mas agora, infelizmente, não vai dar.

Finalmente ele soube que levaram Ana para o helicóptero e ela já está aos cuidados dos médicos que vieram para acompanhar.

Christian sai do hospital, mas antes ele assina os papéis e devolvem o celular e a bolsa de Ana, e ele caminha o mais rápido possível até o estacionamento e vê o seu carro ali e rapidamente entra no banco de passageiro ao lado de Taylor, que achou estranho, mas acelerou e saiu cantando pneus do estacionamento e Christian avisa onde quer ir e Taylor acelera mais ainda.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Christian está sentado na sala de espera com a cabeça entre as mãos, quando se lembra de avisar a família. Ele respira fundo e pega o seu celular e digita o número de Carrick.

— Filho?— Christian escuta a voz paterna de Carrick.

— Ah... pai... – Ele tenta dizer mais não consegue, parece que há algo em sua garganta o impedindo de falar.

— Christian, está tudo bem? — Ele pergunta agora preocupado.

— Não – Christian diz passando a mão no rosto.

— O que houve? — Ele escuta a voz de Grace ao fundo e respira fundo.

— Olha, pai, aconteceu uma coisa com Ana – Christian diz e escuta algum barulho do outro lado da linha.

— O que houve com a Ana? — Grace pergunta dessa fez agora com a voz exalando preocupação materna.

— Ela sofreu um acidente, foi atropelada enquanto atravessava a rua, estamos aqui no hospital que você trabalha e Ana já passou por uma cirurgia, ela teve um trauma no crânio – Christian explica tudo de uma vez e assim que termina, não escuta absolutamente nada do outro lado da linha – Mãe? – Ele pergunta.

— Estamos indo agora mesmo— Carrick que responde e Christian desliga.

Ele guarda o celular e novamente enfia o rosto entre as mão. Ele não acredita que isso aconteceu, Christian está cansado, com os olhos inchados e com as roupas amassadas.

Ele fica um bom tempo sentado ali quando escuta o celular de Ana tocando. Ele o pega e vê o nome de Elliot e a raiva cresce. Em parte a culpa foi de Elliot, se ele tivesse deixado os dois se explicarem nada disse estaria acontecendo. Christian atende.

— O que é Elliot? – Christian diz com a voz cansada.

— Christian? — Ele pergunta com a voz fria.

— O que você quer? – Ele pergunta novamente.

— Quero falar com a nossa irmã, ou melhor a minha irmã — Ele diz, Christian bufa cansado da infantilidade de Elliot.

— Olha, aconteceu uma coisa, Ana sofreu um acidente e agora está aqui no hospital com trauma no crânio, Elliot, eu estou acabado e sem o mínimo de paciência para aguentar a sua infantilidade de merda, então pare de falar assim, porque se você deixasse a gente se explicar nada, NADA disso teria acontecido e Ana não estaria nesse hospital entre a vida e a morte, e se acontecer algo com a MINHA Ana, eu nunca vou te perdoar – Christian diz como os dentes cerrados e com pura fúria.

Elliot não responde nada e Christian desliga na cara dele e guarda o celular de Ana no seu bolso e continua sentado ali.

Ele adora Elliot, mas há certas coisas que Elliot faz que o deixa fora de si e dessa vez fez Christian ficar furioso demais para poder conversar civilizadamente com o irmão, ele nem sabe se conseguirá perdoar Elliot depois dessa.

Christian escutou a porta da sala de espera sendo aberta e o médico que estava cuidando de Ana entrou e encarou Christian.

— Sr Grey? – Ele o chamou. Christian se levantou em um pulo e encarou o homem de cabelos grisalhos e com olheiras a baixo dos olhos.

— Sim, como está Ana? - Christian pergunta impaciente.

— Ela está bem, o seu estado está melhorando e é muito possível que ela fique bem, ocorreu também machucados pelo corpo, como feridas e ela torceu o pulso durante a queda e seu rosto está um pouco machucado, creio que irá querer passar a noite aqui e ficar ao lado dela, estou certo? – O médico diz e Christian sente o coração se apertar cada fez mais com esse pequeno resumo do estado de Ana.

— Claro, posso entrar agora? – Ele pergunta com certa afobação.

— Sim – Ele diz e Christian o acompanha até um corredor onde fica vários quartos e o quarto de Ana fica no final do corredor e Christian abre a porta sem fazer barulho e a vê deitada na cama com a expressão singela e calma. Ele escuta um barulho dentro do local e percebe que são os batimentos de Ana e tem soro no canto e ela está com uma faixa cobrindo a cabeça. O rosto de Ana, está com leves arranhões na bochecha e um hematoma roxo do outro lado do rosto perto do couro cabeludo. O braços de Ana estão machucados e o seu braço esquerdo está com o pulso enfaixado e cada um tem hematomas roxos espalhados. Não dá para ver como está as pernas de Ana, já que ela está coberta por um lençol de algodão do hospital.

Christian fica extremamente triste por ver a sua menina daquela maneira, ele gostaria tanto de ver os olhos azuis dela novamente. Ele não devia ter deixado Ana sozinha, não devia.

Christian puxa a cadeira-sofá para perto da cama de Ana e se senta ali e segura a mão meio gelada dela com força, como se quisesse passar todas as suas forças para ela, ele gostaria de estar no lugar dela. Nunca ele sentiu esse sentimento forte de se colocar no lugar de outra pessoa, mas com Ana tudo é diferente. Ele ama ela mais do que a si mesmo.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Se passa pelo menos uns vinte minutos e ele escuta passos pelo corredor. Logo em seguida a porta é aberta, Grace e Carrick entram e encaram Ana e depois olham para Christian com os olhos vermelhos pelo recente choro. Eles ficam surpreso por verem o filho que era frio, chorar pela irmã. Grace caminha até Christian e o abraça com força.

— Oh meu filho – Ela diz e depois se separa e caminha até ficar ao lado de Ana e passa a mão pelo rosto delicado da filha – Oh minha querida, mamãe está aqui – Grace diz plantando um beijo suave na bochecha de Ana e Christian percebe que as mãos de Grace tremem e ela está segurando para não cair no choro ali mesmo.

Carrick dá um abraço em Christian, que fica surpreso pelo pai abraçá-lo mas rapidamente o abraça de volta.

Christian solta Carrick e o pai caminha até Ana, passa o dedo pelo rosto da mais nova e deposita um beijo no rosto dela.

— Me conte o que aconteceu – Grace pede enquanto segura a mão de Ana com carinho.

— Na verdade, eu não sei muito sobre o que aconteceu, só sei que ela foi atropelada por um homem que em seguida fugiu em alta velocidade sem parar para ajudá-la, mas já mandei investigarem as câmeras da rua e as câmeras do governo para encontrar o homem – Christian diz cerrando os punhos com força, ele nem conhece o ser humano que atropelou a sua menina, mas já o odeia.

Com certeza deve ser um bêbado ridículo e drogado — Christian pensa.

— Tomara que o encontrem logo – Carrick diz e Christian percebe raiva na voz do homem mais velho.

— Daqui a pouco Elliot chega aqui, ele disse que iria vir – Grace diz e Christian trinca os dentes. Se Elliot vier com infantilidade e com alfinetadas Christian irá partir para cima dele.

— Hum – Christian responde sem demonstrar a raiva.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Depois de pelo menos uns vinte minutos, Elliot entra no quarto e Christian o encara no canto do quarto com os braços cruzados. Christian parece um felino a espreita, protegendo Ana do Elliot.

O irmão caminha até a cama de Ana e a encara e dá um beijo carinhoso na bochecha da irmã e Christian prende a respiração, nem parece que ele estava aos gritos com Ana e a chamando quase de puta a algumas horas atrás.

Christian percebe que o rosto de Elliot está com alguns hematomas e sorri sádico ao saber que foi ele que fez aquilo.

— Filho, o que aconteceu com você? – Grace pergunta andando até o filho.

— Nada, mãe – Elliot se esquiva das mãos de Grace e com esse movimento percebe Christian no canto do quarto e sua expressão de fecha.

— Christian... – Ele diz.

— Elliot... – Os dois se cumprimentam da maneira mais fria possível. Mas Elliot notou nos olhos vermelhos de Christian. O irmão tinha chorado por Ana e isso o deixa surpreso e desconcertado.

Christian caminha até a cama de Ana e passa a mão pelo rosto dela com todo o cuidado do mundo. Ana se mexe devagar e dos escutam a voz dela.

— Chris... Christian – Ela sussurra e depois entra em completo silêncio e Christian a encara e se senta próximo a ela e aproxima o seu rosto do dela.

— Estou aqui, Ana, estou aqui pra você – Ele diz e Ana fica com um expressão mais calma.

Quando Christian vai dar um beijo na bochecha de Ana, ele sente ser puxado por mãos pesadas de Elliot.

— Você é ainda capaz de fazer isso? - Ele pergunta com raiva.

— O que? – Christian pergunta confuso e com fúria.

— De tentar beijá-la na frente dos nossos pais como namorados – Elliot diz quase gritando e Christian não aguenta e quase parte para cima de Elliot, mas um barulho começa a envolver o quarto e todos olham para o aparelho e percebem que é o coração de Ana que está fazendo todo esse barulho. Ela está tendo um ataque cardíaco. No segundo seguinte Christian é atingido pelo medo de perda e pela preocupação.

Médicos e enfermeiros entram correndo no quarto e os ajudantes vão retirando Elliot, Grace e Carrick, mas Christian reluta. Ele quer ficar ao lado de Ana.

— Senhor, saia por favor – Um enfermeiro diz.

— Não – Christian diz e tenta passar pelo homem mais no segundo seguinte ele é segurado pelos dois braços que o puxam para fora do quarto e começa a se debater entre os dois homens que o seguram – NÃO, EU QUERO FICAR COM ELA, EU QUERO FICAR COM ELA, ME SOLTEM AGORA, PRECISO FICAR COM ELA... ANASTASIA! – Christian grita e a última imagem que vê e deles usando um desfibrilador em Ana.

Christian estava sentado com os olhos inchados e sua família ao seu lado. Todos eles encaravam Christian. Ele não queria olhá-los, pois sabia que Grace e Carrick iam perguntar sobre o que Elliot tinha dito.

Elliot estava calado desde o surto de Christian, ele estava pensativo e encarava o irmão com outros olhos. Elliot percebeu que Christian sentia algo mais forte do que amor de irmão pela Ana. Christian nem ousa olhar para o irmão porque senão com certeza voaria no pescoço dele e não se arrependeria.

Escutam a porta da sala de espera ser aberta e toda a família Grey encara o médico com apreensão.

— Ela está estável, nada do que se preocupar agora, o pior já passou – O doutor diz e Christian respira aliviado e quase desfalece na cadeira de tão cansado. Elliot ainda encara Christian com curiosidade e de braços cruzados.

— Podemos ver ela? – Grace pergunta apertando as mãos.

— Claro – O médico diz e todos se levantam e caminham em direção a porta. Christian está prestes a sair pela porta quando sente ser puxado pelo braço e encara a pessoa que o puxou. Elliot.

— O que você quer? – Christian pergunta cerrando os dentes.

— Eu... quero conversar com você – Elliot diz e fecha a porta e fica sós eles dois dentro da sala de espera.

Christian respira fundo e o encara com um olhar assassino.

— Eu vi a maneira como você reagiu quando Ana teve um ataque, isso foi diferente... entende? Você surtou, você não fez isso quando eu fui hospitalizado quando tive pneumonia e quase morri, mas com ela você surtou como se fosse namorado ou marido dela, alguém que ama ela de verdade, diferente de amor de irmão, eu... eu acredito agora que você realmente... ame ela, acho que... posso conviver com isso – Elliot diz e Christian apenas observa o loiro na sua frente.

— Obrigado, mas eu não pedi sua permissão para poder namorar ou não a Ana, mesmo se você não aceitasse, nós íamos ficar juntos de qualquer jeito – Christian responde e sai da sala deixando Elliot com uma cara de idiota.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Ana estava deitada em algo que não era muito confortável, ela não conseguia se mexer e sua cabeça doía muito. Se ela pudesse pelo menos pedir um remédio para essa dor, mas nem abrir a boca ela conseguia.

Ela se lembra em flashes o que aconteceu.

Estava atravessando a rua quando foi atropelada por um carro preto. Ela lembra de ter batido as costas no pára-brisas e depois bater a cabeça fortemente no asfalto e ficar completamente desorientada. Mas ela se lembra de ver um homem alto sair do carro e caminhar até ela e a encarar. Ana sentia sangue sair do seu nariz e escorrer pela sua face e os seus olhos quase fechando.

— Ela vai morrer... temos que ir, já ganhamos nossa grana – Um outro homem fala saindo do carro também. O homem que estava perto de Ana, assente ainda encarando ela e sai correndo e entra no banco do motorista e acelera e sai cantando pneus.

Ana desmaia.

Agora ela fica pensando nas coisas que aconteceram a poucas horas. Ela não consegue nem abrir os olhos por isso fica ouvindo tudo ao seu redor. Ela escuta a porta se abrindo e sente o perfume masculino de Christian. Ah ele está aqui. Ana fica mais aliviada e quase força seus olhos a se abrirem, mas dói tudo.

Ela sente o toque dele em seu rosto e depois a mão grande na sua pequena e gelada. Ana quer sorri para demonstrar que está sentindo ele, mas ela não consegue. Então ela tenta apertar a mão dele e consegue, mas foi muito fraco.

— Ela apertou minha mão fracamente – Christian diz surpreso e aperta de volta a mão de Ana. Ela sente o hálito gelado próximo ao seu rosto e aperta novamente a mão dele – Ela está consciente – Ele diz e Ana escuta a movimentação ao seu redor e sente uma mão envolvida por luvas de látex tocar em seu rosto e levantar sua pálpebra esquerda e usar uma lanterna para checar o seu olho. Ela vê pouco do quarto e também nota Elliot.

— Hum, está tudo bem com ela, mas vou ter que dar um remédio para ela dormir – Uma voz desconhecida diz e ele mexe no tubinho que está preso na veia de Ana. Se passa algum tempo e ela sente a sonolência e dorme.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Flashback:

Ana estava com 14 anos e Christian com 20 anos de idade.

A pequena e adorável Ana estava arrumando para a sua formatura do ensino fundamental 2 e nem acredita que no próximo ano já ia cursar o Ensino Médio.

Ela tinha saído com Grace para poder comprar um vestido para a formatura e estava completamente feliz para poder usá-lo e mostrar paras as vadias da escola que ela podia, sim, ser bonita pelo menos uma vez na vida. Isso mesmo, durante todo o ensino fundamental de Ana, ela foi chamada de “sem graça” , “feia”, “esquisita” e outros apelidinhos que ela não gostaria de lembrar. Ela nunca contou para seus pais ou para os irmãos, principalmente para Christian, porque com certeza ele ia causar a maior confusão na escola por causa disso e seria capaz de processar Deus e o mundo por conta disso. Ana gosta da proteção, mas não gostaria de ser chamada de dedo duro por toda a escola.

Depois de comprar sapato e vestido, Ana e Grace voltam para casa com sacolas grandes e correm para o quarto de Ana e arrumam tudo para depois ser mais simples de se arrumar.

Christian estava lá embaixo conversando com Carrick e Elliot. Christian tinha notado que Ana estava super feliz com sua formatura e não deixou de admirar o belo sorriso da mais nova.

Se passa a hora e Ana está nervosa, pelo menos Christian irá ser seu acompanhante e terá ele para a deixar menos nervosa. Elliot queria ser o acompanhante mas Christian disse que também queria e a mais nova se viu ter que escolher entre os dois irmãos. Christian encarava Elliot com raiva e Ana quase percebeu um bico na cara dele. Elliot estava olhando para Christian com um sorriso de desafio, ele sabia muito bem como tirar o irmão do sério, só bastava mexer com Ana. Ana sorria e olhou para os dois irmãos.

— Elliot... eu vou ter que escolher o Christian, você tem a Kate para levar – Ana diz e Elliot dá um sorriso compreensivo, Ana encara Christian que está com um sorriso grande no rosto e ele caminha até Ana e a abraça com carinho.

Ana sorri com essas lembranças de dois dias atrás corre pro banheiro para tomar um banho com sais de banhos e tudo que tem direito. Ela passa mais de vinte minutos dentro da banheira e sai quando percebe seus dedos enrugados e se levanta e se enrola na toalha e se enxuga. Veste apenas uma calcinha fina branca, já que o vestido é tomara que caia e já tem bojo. Ela penteia os cabelos longos e escuta alguém batendo em sua porta, Ana veste um robe e abre a porta e vê Grace com uma caixa completa de maquiagem e Ana sorri lindamente para a sua mãe adotiva.

— Contratei um maquiador para você, quero você mais linda que o normal, meu amor – Grace diz e um homem aparece.

Ele arruma o cabelo de Ana, deixando-o solto e cheio de cachos e pede para ela vestir o vestido longo com algumas pedrinhas brilhantes. Ana percebe que a cor do vestido é a cor que o Christian mais ama na pele dela. Azul. Ana dá um sorriso e corre até o banheiro e Grace ajuda ela a vestir o vestido longo e o maquiador pede para ela sentar e faz os seus milagres no rosto da mais nova. No final, Ana nem acredita que aquela é ela. Ela está... bonita e os olhos azuis estão acentuados pela maquiagem, os lábios dela está pintado em vermelho, as unhas pintadas em azul e roxo.

Grace pega os sapatos de Ana e a mais nova os calça e se levanta e caminha pelo quarto. Ela realmente está bonita. A sua mãe traz umas jóias. Um brinco, um colar e uma pulseira.

Depois que Ana coloca tudo, ela finalmente está pronta para a formatura. Grace, que já estava pronta, dá um sorriso maravilhado para a sua menina.

— Oh querida, você está linda, parece uma princesa – Ela diz e Ana sorri.

— Obrigada, mãe.

— Vamos indo – Grace diz e Ana a acompanha.

Grace desce as escadas primeiro e logo em seguida vem Ana e ela nota Elliot, Christian e Carrick ali com seus ternos impecáveis. Ana nota que Christian está extremamente lindo e sexy. Ela trata de tirar esses pensamentos da mente e sorri para eles.

— Irmãzinha, você está linda – Elliot diz e abraça.

— Realmente está linda – Carrick diz e dá um beijo no rosto da filha adotiva.

Christian caminha até ela e segura a mão dela.

— Você está deslumbrante – Ele diz baixinho, só para ela ouvir e Ana sorri o encarando.

— Obrigada, Christian – Ela agradece.

Todos entram no carro e rumam direto para a festa de formatura.

Assim que chegam no local, todos eles descem e sentem os flashs das câmeras em cima deles. Ana aperta a mão de Christian sem perceber e ele a encara e sussurra no ouvido dela:

— Não precisa ficar nervosa, eu vou estar sempre ao seu lado – Ele diz e Ana sorri e assente e de mão dadas eles seguem para dentro da festa.
 


Notas Finais


Elliot entendeu aeee, mas acabou tudo quando falou aquilo na frente dos pais, poxa hein Elliot.

ROUPA DA ANA DA FORMATURA: https://www.polyvore.com/cgi/set?id=136059172&.locale=pt-br

Continuo?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...